Calendário Mariano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem of the Papacy SE.svg

Série de artigos sobre
Mariologia católica
Murillo immaculate conception.jpg

Maria, mãe de Jesus
Devoção

HiperduliaImaculado CoraçãoSete AlegriasSete DoresTítulosSanto RosárioEscapulário do CarmoDireito Canônico

Orações marianas famosas

Ave MariaMagnificatAngelusInfinitas graças vos damosLembrai-vosSalve-rainha

Dogmas e Doutrinas

Mãe de DeusPérpetua VirgindadeImaculada ConceiçãoAssunçãoMãe da IgrejaMedianeiraCorredentoraRainha do Céu

Aparições
Crenças reconhecidas ou dignas de culto
GuadalupeMedalha Milagrosa
La SaletteLourdesFátimaCaravaggioProuille


Maria na arte


Doutrina da Igreja Católica

Calendário Mariano, ou Festas Marianas, é o conjunto de celebrações em louvor e honra de Maria, Mãe de Jesus. A Igreja Católica, desde o tempo dos primeiros cristãos, da Igreja Primitiva, já destinava uma deferência especial para com a mãe do Cristo. Ao longo dos séculos, o culto foi se intensificando e complexificando, até chegar o tempo presente, onde além das efemérides oficiais do Ano Litúrgico, apresenta uma infinidade de eventos locais, em todas as partes do mundo. Dividem-se, as celebrações, em: Festas, Memórias e Solenidades.

A diversidade, capilaridade e extensão do culto à Maria, o seu apelo popular (às vezes, hipertrofiado) são fundados em bimilenar tradição doutrinária, na Igreja (Católica e Ortodoxa, que neste ponto comungam). São inúmeros os escritos dos Doutores da Igreja, dos santos, e dos documentos oficiais dos sumos pontífices, que sempre demonstraram uma preocupação com a "reta ordenação" do culto à Maria[nota 1]. Mas, todos, inequívoca e sucessivamente, reafirmam o papel diferenciado da Mãe de Deus na "História da Salvação".

Não é de admirar, portanto, que um Pregador da Casa Pontifícia tenha expressado assim o papel de Maria, na Igreja:

Maria é a carta de Deus, pelo fato de ela pertencer à Igreja. Aliás, ela é a carta de Deus num sentido especial e único, porque não é só um membro da Igreja, porque não é só um membro da Igreja como os outros, mas é a figura mesma da Igreja, ou a Igreja no seu desabrochar... Uma carta que todos podem ler e entender, doutos e incultos:
 
Raniero Cantalamessa[nota 2].

Solenidades[editar | editar código-fonte]

Festas[editar | editar código-fonte]

Memórias[editar | editar código-fonte]

Memórias Facultativas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]


Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ALVAREZ, Carlos G. Maria Discípula e Mensageira do Evangelho. São Paulo: Paulus, 2005. (Coleção do Celam).
  • BETTENCOURT, Estevão Tavares. Escola “Mater Ecclesiae”: curso de iniciação teológica por correspondência. – Rio de Janeiro.
  • CANTALAMESSA, Raniero. Maria: Um Espelho para a Igreja. Aparecida: Editora Santuáro, 1992
  • DENZIGER, Hünermann. Compêndio dos Símbolos, definições e declarações de fé e moral. São Paulo: Paulinas/Loyola, 2007.
  • FORTE, Bruno. Maria, a mulher ícone do Mistério. São Paulo, Paulinas, 1985.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Confira, v.g, "Marialis Cultos".
  2. Cantalamessa refere a Maria como a carta escrita pela mão do Deus Vivo, no livro "Maria, um Espelho para a Igreja". É um esforço exegético de fôlego para demonstrar o porquê de na Igreja Católica, e na Ortodoxa, Maria ter um papel tão preponderante e merecer a Hiperdulia.
  3. No Brasil, se não cair num Domingo, ocorre no Domingo subsequente.
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Maria (mãe de Jesus)
Ícone de esboço Este artigo sobre Catolicismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.