Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

Sorry (canção de Madonna)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Sorry"
Single de Madonna
do álbum Confessions on a Dance Floor
Lado B "Let It Will Be"
Lançamento 7 de fevereiro de 2006 (2006-02-07)
Formato(s)
Gravação 2005
Gênero(s) Dance-pop, house, disco
Duração 4:43
Gravadora(s) Warner Bros.
Composição Madonna, Stuart Price
Produção Madonna, Price
Cronologia de singles de Madonna
"Hung Up"
(2005)
"Get Together"
(2006)

"Sorry" é uma canção da cantora norte-americana Madonna, escrita e produzida pela artista em parceria com Stuart Price para seu décimo álbum de estúdio Confessions on a Dance Floor. Foi lançada como segundo single do disco em 7 de fevereiro de 2006 pela Warner Bros. Records. "Sorry" é uma música dance de andamento acelerado que foi mixada inúmeras vezes antes de receber sua versão final. Uma delas foi feita pela dupla Pet Shop Boys, que adicionaram letras de Neil Tennant, sendo descartada. A letra de "Sorry" é sobre capacitação pessoal e auto-confiança. Mais tarde, a faixa apareceu no trabalho de maiores sucessos de Madonna, Celebration, de 2009.

"Sorry" foi bem recebida por críticos de música contemporânea, que disseram que era a faixa mais forte de Confessions on a Dance Floor. Alguns notaram ritmos influenciados pela música disco, enquanto outros compararam-a com as no estilo dance music lançadas anteriormente por Madonna. A canção atingiu a posição mais alta nas paradas da Itália, Espanha, Romênia e do Reino Unido, onde se tornou o décimo segundo single da artista a alcançar a primeira posição. No entanto, nos Estados Unidos, "Sorry" ficou apenas entre as sessenta mais bem colocadas, devido às rádios do país recusarem-se a executar a faixa, porém chegou ao topo da Billboard Hot Dance Club Play.

O vídeo musical da faixa é uma continuação do vídeo para o single anterior, "Hung Up". Ele mostra a cantora e seus dançarinos passeando em uma cidade em uma van que foi restaurada no programa da MTV, Pimp My Ride, antes da gravação do vídeo. Também mostra dançarinos dançando com patins e Madonna lutando contra um grupo de homens em uma gaiola. A artista cantou a música na Confessions Tour em 2006, mostrando uma sequência de luta semelhante à mostrada no vídeo musical. Para a mesma turnê, a intérprete também filmou um interlúdio de vídeo com uma versão remix de "Sorry" ao fundo, que mostra imagens de líderes políticos juntamente com cenas de guerra e destruição.

Antecedentes e lançamento[editar | editar código-fonte]

Madonna declarou que vários remixes de seus singles anteriores serviram de inspiração para Confessions on a Dance Floor: "Cada vez que faço meus discos, muitas vezes eu gosto de remixes mais do que o original [...] então eu pensei, que vá para o inferno. Vou começar a partir desse ponto de vista".[1] A artista apareceu na festa "Misshapes", realizada na boate Luke & Leroy's, em Greenwich Village, onde a DJ Junior Sanchez convidou-a para assumir a cabine do DJ do local, misturando "Sorry" e o single anterior, "Hung Up".[2] Sanches disse que "não foi tecnicamente perfeito, mas ela conseguiu. Quando ela chegou, até os que a odeiam, ficaram apaixonados".[2] Em uma entrevista à Rolling Stone em 2009, Madonna classificou "Sorry" como um de suas composições mais "estúpidas", juntamente com "Cherish" e "Into the Groove".[3] "Sorry" foi enviada para as rádios norte-americanas em 7 de fevereiro de 2006 para a área mainstream.[4] Mais tarde, também foi comercializado um CD single promocional no mesmo país, com duas faixas no total.[5]

Composição[editar | editar código-fonte]

Uma amostra da canção, apresentando o refrão com batidas e sintetizadores ao fundo.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Musicalmente, "Sorry" é uma música dance-pop, house e disco de andamento acelerado que contém camadas de batidas e um forte desempenho vocal da artista.[6][7][8] Consiste em um compasso de 4/4, e um ritmo acelerado de 132 batidas por minuto.[8] A canção está escrita na chave de C menor, e o alcance vocal de Madonna vai desde a nota baixa de sol para a nota alta de .[8] Mantém uma progressão de acordes de ré ♯-dó menor-sol ♯-ré♭ durante a introdução falada, e em seguida, muda para sol♯-ré♭-dó menor no refrão, enquanto continua como sol♯-dó menor-sol ♯-fá nos versos intermediários, acabando em repetir a frase "I've heard it all before" por várias vezes.[8][nota 1] Sal Cinquemani da Slant Magazine observou que a linha de baixo da música utiliza elementos de "Can You Feel It", dos The Jacksons.[9] Em uma versão remix da canção feita pelos Pet Shop Boys, foram incorporados elementos de "I Wanna Dance With Somebody (Who Loves Me)" de Whitney Houston, com uma linha de baixo mais acentuada e uma dupla interrupção na introdução.[10] Foram acrescentadas letras cantadas por Neil Tennant, membro da dupla. Mais tarde, esta versão apareceu no álbum de remixes da própria dupla Disco Four. A voz de Madonna começa no primeiro refrão, que foi remixada para ter um sintetizador mais forte e um gancho mais grave.[10]

Quanto à sua composição, a faixa contém fragmentos em diferentes línguas, nomeadamente francês, hindi, italiano, holandês e japonês. A música começa com palavras diferentes expressando arrependimento e tristeza, em francês, espanhol, holandês e italiano, sucessivamente. Em um intermezzo semelhante, em torno de 2:55, usam-se as palavras para pedir desculpas em hindi, japonês, polonês e hebraico.[nota 2] A canção fala de poder pessoal e auto-confiança, o que reflete uma mudança na abordagem artística de Madonna em relação às suas canções anteriores que falam sobre supremacia, como "Everybody" (1982), "Vogue" (1990) e "Music" (2000), que são centradas no tema da música em si.[11]

Análise da crítica[editar | editar código-fonte]

"Sorry" recebeu análises positivas de críticos musicais de música contemporânea, que destacaram seu som electro-pop e elogiaram a capacidade de Madonna de continuar a criar sucessos depois de tantos anos de carreira. Gordon J. Murray da Billboard comentou que a faixa "deveria manter os admiradores da cantora cansados por sua capacidade de criar sucessos instantâneos para as rádios e casas noturnas.[7] Jenniffer Vineyard da MTV News escreveu que "Sorry" era a faixa mais forte do álbum e que tinha o estilo dos Pet Shop Boys. Vineyard continuou a escrever que "... nostalgicamente evoca os sons dos clubes da década de 1980 que levaram a artista ao estrelato".[12] De acordo com a análise da BBC's Collective, a faixa "estabelece a posição da imperdoável rainha do pop Madge, e embora a música seja envolvida em um relacionamento romântico, não se pode deixar de ouvir o contexto, talvez dirigido aos seus críticos ferozes: 'Há coisas mais importantes do que ouvir você falar'.[13] Alan Braidwood da BBC Music definiu a faixa como "letalmente cativante".[14] Sal Cinquemani, da Slant Magazine, observou que a faixa era destinada a se tornar um clássico da cantora.[15] A mesma revista também listou "Sorry" como uma das melhores músicas de 2006.[9]

A Virgin Media disse que a melodia amplamente inclui "uma combinação atraente de bombeantes e filtrados sintetizadores e um ritmo forte que está destinado a [ajudar a canção] a subir ao topo das paradas com facilidade".[6] Ben Williams, da revista New York, notou que a canção é "impulsionada por uma melodia de baixo".[16] Joan Morgan, do The Village Voice, em sua resenha para Confessions on a Dance Floor, escreveu que a festa continua admirável com a poliglota, e que chuta-seu-homem-a-meio-fio, "Sorry".[17] Da mesma forma, Stephen M. Deusner do Pitchfork Media disse que "as cachoeiras de som fluem diretamente em 'Sorry', estabelecendo as desculpas poliglotas e seus baixos tectônicos".[18] Como parte de sua crítica ao disco, Allan Light da Rolling Stone definiu a faixa como "palpitante",[11] enquanto Alexis Petridis do The Guardian chamou-a de "triunfante",[19] e Kitty Empire, da mesma publicação, disse que "Sorry" demonstra Madonna pegando um amante para explorar uma insistente febre dance-pop.[20] Thomas Inskeep da Stylus Magazine afirmou que "Sorry" e o single anterior, "Hung Up", podem não conter o mesmo elemento urbano de faixas antigas de Madonna como "Physical Attraction" e "Burning Up", mas têm o mesmo modus operandi feito para dançar durante a noite.[21] Jon Pareles do The New York Times classificou-a como completamente irritante.[22]

Vídeo musical[editar | editar código-fonte]

Imagem final do vídeo, onde ela desvanece com a silhueta de Madonna.

O vídeo musical para "Sorry" foi gravado em Londres, em janeiro de 2006, enquanto Madonna ensaiava a Confessions Tour.[23] O videoclipe foi dirigido pelo coreógrafo da cantora, Jamie King,[24] e contém uma coreografia criada pelos Talauega Brothers.[25] Muitos dos bailarinos que participaram no vídeo do single anterior "Hung Up" foram incluídos no de "Sorry" para soar como uma continuação. Foram filmadas as cenas de Madonna para logo após serem gravadas cenas com skatistas, totalizando dois dias de gravações para o projeto.[26] Antes de sua utilização, a van que aparece no clipe foi restaurada no programa da MTV, Pimp My Ride.[27]

O vídeo começa com a imagem de Madonna em frente a uma tela de néon, vestindo um maiô roxo e profere pedidos de desculpas ao telespectador em várias línguas.[28] Quando a música começa, ela sai com seus dançarinos da sala de jogos mostrada no vídeo de "Hung Up", para entrar de uma van onde eles trocam suas roupas.[28] Madonna usa um maiô preto e um espartilho de borlas da mesma cor, um par de botas de prata de plataformas, com seu cabelo sendo inspirado no estilo retrô da década de 1970.[29] Enquanto eles passeiam pela cidade, vários homens entram no veículo, com estas cenas alternando-se com Madonna cantando a faixa em frente à tela de neon.[28] O clipe continua nesta sequência até o refrão intermediário, que mostra a cantora de pé numa gaiola em frente a um grupo de homens. Quando o gancho começa, Madonna começa a lutar com eles.[28] A artista inclina-se para trás e se torce durante a execução de múltiplas piruetas e saltos, quando consegue derrotar seus oponentes.[29] O refrão soa novamente e o vídeo mostra cenas da intérprete com seus dançarinos patinando em uma pista ambientada como uma casa noturna.[28] O videoclipe termina com a câmera focada em Madonna vestindo seu maiô roxo e a imagem desvanece com sua silhueta.[28]

Apresentações ao vivo[editar | editar código-fonte]

Madonna apresentando "Sorry" durante a Confessions Tour em 2006.

Madonna cantou "Sorry" em uma turnê promocional de Confessions on a Dance Floor,[30] e na Confessions Tour, como parte do segmento beduíno. Madonna usava um caftan projetado por Jean-Paul Gaultier, com uma calça e botas de salto alto.[31] Quando terminava a apresentação de "Isaac", ela puxava tal caftan e seus dançarinos davam-lhe um casaco, enquanto os cumprimentava um por um.[30] Neste momento, começava a tocar o remix dos Pet Shop Boys. Madonna e seus dançarinos íam para perto de uma gaiola gigante e a artista começava a cantar a canção.[32] Quando a canção progredia à altura do verso intermediário, Madonna iniciava uma forte luta com seus dançarinos, na qual ela os derrotavam com movimentos nos quais torcia seu corpo, colocando uma perna sobre a cabeça,[32] e saltava da gaiola para as costas de uma dançarina.[30] Daily Mail elogiou a apresentação, chamando-a de "energética".[32] Tom Young da BBC Music intitulou-a de um "destaque" do concerto.[33] Ed Gonzalez da Slant Magazine comentou que a interpretação "não estava entre os destaques do show."[15]

Outra versão remix da canção foi usada como pano de fundo durante o interlúdio de vídeo entre os segmentos beduíno e glam rock.[30] Tal vídeo mostrava imagens de líderes fascistas e políticos do passado para o presente, como Adolf Hitler, Idi Amin Dada, George W. Bush e Tony Blair.[15] Estas imagens eram alternadas com textos e cenas de conflito militar.[15] Madonna aparecia usando seu maiô roxo do vídeo musical, proclamando os versos "falar é fácil" e "não fale", juntamente com a música e os lábios de Bush gaguejando.[30] Thomas Inkseep da Stylus Magazine descreveu a interpretação e o interlúdio como "fantásticos".[34] Gonzalez comparou-o ao vídeo musical do single da cantora, "American Life", (2003) e disse que "o espírito deste interlúdio está em êxtase: uma colagem de influência Godardiana que você também pode dançar.[15] Young descreveu o vídeo como uma parte negativa da turnê.[33] Ambas as versões estão disponíveis no álbum ao vivo da turnê, The Confessions Tour.[35]

Faixas e formatos[editar | editar código-fonte]

A versão digital de "Sorry" contém apenas uma faixa com duração de quatro minutos e quarenta e um segundos.[36] Na Europa, a música também foi comercializada em versão CD single, possuindo seis faixas no total, sendo a primeira uma versão para rádios, da segunda a quinta sendo versões remix e a última faixa a música "Let It Will Be", uma faixa de Confessions on a Dance Floor.[5]

Download digital[36]
N.º Título Duração
1. "Sorry"   4:24

Desempenho nas paradas musicais[editar | editar código-fonte]

"Sorry" estreou na posição 70 da Billboard Hot 100 norte-americana em 11 de março de 2006.[37] Este airplay de rádio limitado resultou em um baixo rendimento nas paradas americanas, e como resultado, 3.300 pessoas assinaram uma petição no Petitionline.com, conhecido como o "End the Madonna U.S. Radio Boycott",[nota 3] dirigida ao presidente-executivo da Clear Channel Communications, Mark P. Mays. A revista Entertainment Weekly e o canal VH1 apoiaram tal petição.[38] Em 18 de março de 2006, mesmo assim, a faixa atingiu seu pico de 58.[39] Na mesma semana, alcançou o número 46 na parada Pop 100.[39] No entanto, o single alcançou o primeiro lugar na Hot Dance Club Play por duas semanas e o topo da Hot Dance Airplay por cinco semanas.[37][39] Em abril de 2010, foi anunciado que as vendas de "Sorry" nos Estados Unidos superaram 358 mil downloads digitais.A canção foi uma das mais vendidas de 2006 com mais de 5.2 milhões de cópias vendidas[6][40]

Em 26 de fevereiro de 2006, "Sorry" estreou em primeiro lugar no Reino Unido.[41] Tornou-se seu décimo segundo single a alcançar o primeiro lugar da parada britânica e o segundo single da cantora a chegar ao topo na lista da Grã-Bretanha, depois de "Hung Up".[42] Desta forma, ela se tornou a artista solo com o maior número de canções número um no Reino Unido, enquanto ocupa a quinta posição no apuramento mundial.[43] De acordo com a Official Charts Company, vendeu 195 mil cópias no país.[44] Na Austrália, a faixa alcançou o quarto lugar,[45] enquanto figurou no segundo lugar na lista canadense.[46] Em 10 de abril de 2006, a Canadian Recording Industry Association deu-lhe uma certificação de platina por vendas de 80 mil downloads digitais no país.[47] O single estreou em quarto lugar na Irlanda, passando 12 semanas na parada local.[48] Na Europa, a canção entrou nas dez primeiras posições de países como Alemanha, Áustria, Bélgica (Flandres e Valônia), Dinamarca, Finlândia, França, Holanda, Noruega, Suécia e Suíça, e alcançou o topo das paradas na Itália, Espanha e na Eurochart Hot 100 Singles.[49][50][51]

Notas

  1. Em tradução livre: Eu já ouvi tudo isto anteriormente.
  2. "Gomen nasais"(em japonês), "mujhe maaf kardo"(em hindu), "przepraszam" (em polonês) e "sli'kha"(em hebraico).
  3. Em tradução livre: "Fim do boicote das rádios americanas à Madonna"

Referências

  1. Paoletta, Michael (12 de novembro de 2005). «Dancing Queen». Nova Iorque: Nielsen Business Media, Inc. Billboard (em inglês). 117 (46): 26–27. ISSN 0006-2510. Consultado em 4 de abril de 2012 
  2. a b Mason, Kerri (12 de novembro de 2005). «Madonna's Young Remixer». Nova Iorque: Nielsen Business Media, Inc. Billboard (em inglês). 117 (46): 35. ISSN 0006-2510 
  3. «Madonna Looks Back: The New Issue of Rolling Stone». Rolling Stone (em inglês). Jann S. Wenner. 14 de outubro de 2009. Consultado em 25 de outubro de 2012 
  4. «Available for Airplay» (em inglês). FMQB. Consultado em 13 de dezembro de 2012 
  5. a b c «Sorry [Single]» (em inglês). Amazon. Consultado em 13 de dezembro de 2012 
  6. a b c «Madonna - Sorry review». Virgin Media (em inglês). 20 de fevereiro de 2006. Consultado em 22 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 2 de abril de 2009 
  7. a b Murray, Gordon J. (4 de fevereiro de 2006). «Madonna: Sorry». Nova Iorque: Nielsen Business Media, Inc. Billboard (em inglês). 118 (5): 35. ISSN 0006-2510 
  8. a b c d «Digital Sheet Music: Madonna – Sorry» (em inglês). Alfred Publishing. Consultado em 4 de abril de 2012 
  9. a b Cinquemani, Sal; Keefe, Jonathan (26 de dezembro de 2006). «2006: Year in Music» (em inglês). Slant Magazine. Consultado em 4 de abril de 2012 
  10. a b Shawhan, Jason (3 de março de 2006). «The eight thoughts that emerged in my brain while listening to the Pet Shop Boys» (em inglês). About.com. The New York Times Company. Consultado em 13 de julho de 2009 
  11. a b Light, Alan (3 de novembro de 2005). «Confessions On A Dance Floor – Album Reviews». Rolling Stone (em inglês). Jann S. Wenner. Consultado em 6 de setembro de 2012 
  12. Vineyard, Jennifer; Dotiwala, Jasmine; Norris, John, White Wolf, Vanessa (7 de novembro de 2005). «Madonna: Dancing Queen» (em inglês). MTV News. MTV Networks. Consultado em 4 de abril de 2012 
  13. Boy, Exploding (25 de dezembro de 2005). «Confessions on a Dance Floor» (em inglês). BBC Collective. Consultado em 4 de abril de 2012 
  14. Braidwood, Alan (10 de dezembro de 2005). «Madonna Confessions on a Dancefloor Review» (em inglês). BBC Music. Consultado em 4 de abril de 2012 
  15. a b c d e Gonzalez, Ed (3 de abril de 2006). «Madonna: Confessions Tour» (em inglês). Slant Magazine. Consultado em 1 de fevereiro de 2012 
  16. Williams, Ben (20 de novembro de 2005). «Girls Gone Mild». New York (em inglês). p. 1. Consultado em 4 de abril de 2012 
  17. Morgan, Joan (6 de dezembro de 2006). «Madge's House». The Village Voice (em inglês). Consultado em 4 de abril de 2012 
  18. Deusner, Stephen M. (14 de novembro de 2005). «Madonna: Confessions on a Dance Floor». Pitchfork Media (em inglês). Consultado em 4 de abril de 2012 
  19. Petridis, Alexis (11 de novembro de 2005). «Madonna, Confessions on a Dancefloor» (em inglês). The Guardian. Guardian Media Group 
  20. Empire, Kitty (6 de novembro de 2005). «She's still a dancing queen» (em inglês). The Guardian. Guardian Media Group. Consultado em 4 de abril de 2012 
  21. Inksweep, Thomas (21 de novembro de 2005). «Madonna: Confessions on a Dance Floor» (em inglês). Stylus Magazine. Consultado em 4 de abril de 2012 
  22. Pareles, Jon (14 de dezembro de 2005). «Thoroughly Modern Madonna Gets Retro». The New York Times (em inglês). The New York Times Company. Consultado em 4 de abril de 2012 
  23. Lampert, Nicole (16 de janeiro de 2006). «Has Madonna been too hard on herself?» (em inglês). Daily Mail. Associated Newspapers. Consultado em 4 de abril de 2012 
  24. «Videos» (em inglês). Madonna.com. Consultado em 6 de setembro de 2012 
  25. Bloom, Julie (16 de julho de 2006). «The Talauega Brothers Create Dance Moves for the Gap». The New York Times (em inglês). The New York Times Company. Consultado em 4 de abril de 2012 
  26. Reporter, Daily (26 de janeiro de 2006). «Max Skates Into Madonna Video». Eastbourne Herald (em inglês). Consultado em 4 de abril de 2012 
  27. «Madonna video details emerge» (em inglês). MTV News. MTV Networks. 4 de janeiro de 2006. Consultado em 4 de abril de 2012 
  28. a b c d e f «Sorry – Madonna – music video» (em inglês). MTV News. MTV Networks. 27 de fevereiro de 2006. Consultado em 4 de abril de 2012 
  29. a b Moodie, Clemmie (10 de fevereiro de 2006). «That looks painful... not bad for 47, Madonna!» (em inglês). Daily Mail. Associated Newspapers. Consultado em 4 de abril de 2012 
  30. a b c d e Timmerman, Dirk (2007). Madonna Live! Secret Re-inventions and Confessions on Tour (em inglês). [S.l.]: Maklu. ISBN 9085950023 
  31. Sparks, Jessica (3 de abril de 2007). «Madonna The Confessions Tour DVD/CD» (em inglês). About.com. The New York Times Company. Consultado em 1 de fevereiro de 2012 
  32. a b c Das, Lina (23 de maio de 2006). «Madonna concert review: 'Even the bouncers looked scared'» (em inglês). Daily Mail. Associated Newspapers. Consultado em 2 de fevereiro de 2012 
  33. a b Young, Tom (2 de fevereiro de 2007). «It's almost enough to make those who weren't there jealous. Almost.» (em inglês). BBC Online. Consultado em 1 de fevereiro de 2012 
  34. Inkseep, Thomas (23 de fevereiro de 2007). «Madonna – Confessions Tour» (em inglês). Stylus Magazine. Consultado em 1 de fevereiro de 2012 
  35. The Confessions Tour (DVD). Warner Home Video. 2006 
  36. a b «Sorry» (em inglês). Amazon. Consultado em 13 de dezembro de 2012 
  37. a b «The Billboard Hot 100». Nova Iorque: Nielsen Business Media, Inc. Billboard (em inglês). 118 (10): 54. 11 de março de 2006. ISSN 0006-2510. Consultado em 7 de maio de 2012 
  38. Caulfield, Keith (29 de julho de 2006). «U.S. Radio Hangs Up on Madonna». Nova Iorque: Nielsen Business Media, Inc. Billboard (em inglês). 118 (30): 5. ISSN 0006-2510. Consultado em 12 de agosto de 2012 
  39. a b c d e f «The Billboard Hot 100». Nova Iorque: Nielsen Business Media, Inc. Billboard (em inglês). 118 (11): 66–70. 18 de março de 2006. ISSN 0006-2510. Consultado em 19 de maio de 2012 
  40. Trust, Gary (30 de abril de 2010). «Ask Billboard: 'Glee'-ful About Madonna». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 12 de agosto de 2012 
  41. «UK Singles Chart» (em inglês). acharts.us. 26 de fevereiro de 2006. Consultado em 12 de agosto de 2012 
  42. a b Sexton, Paul (27 de fevereiro de 2006). «Madonna, Jack Johnson Take Lead On U.K. Charts». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 12 de agosto de 2012 
  43. Bronson, Fred (2 de março de 2006). «Chart Beat: 'Sorry' Seems To Be The Biggest Seller». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 12 de agosto de 2012 
  44. «Madonna: The Official Top 40» (em inglês). MTV UK. MTV Networks. Consultado em 12 de agosto de 2012 
  45. a b «Australia Singles Top 50». Australian Recording Industry Association (em inglês). acharts.us. 13 de março de 2006. Consultado em 12 de agosto de 2012 
  46. a b «Madonna - Awards : AllMusic» (em inglês). Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 12 de agosto de 2012 
  47. «Madonna – CRIA searchable database». Canadian Recording Industry Association (em inglês). 10 de abril de 2006. Consultado em 12 de agosto de 2012 
  48. a b «Ireland Singles Top 50». Irish Recorded Music Association (em inglês). acharts.us. 23 de fevereiro de 2006. Consultado em 12 de agosto de 2012 
  49. a b c d e f g h i j k l m n «Madonna – Sorry – Worldwide chart positions». Ultratop 50 (em inglês). Hung Medien. Consultado em 12 de agosto de 2012 
  50. a b «Madonna – Sorry trajectories». αcharts.us (em inglês). Consultado em 12 de agosto de 2012 
  51. a b Sexton, Paul (6 de março de 2006). «Newcomers Rae, Chico Rule U.K. Charts». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 4 de abril de 2012 
  52. «RADIO TOP100 Oficiálna – Madonna Sorry» (em eslovaco). IFPIcr.cz. 30 de março de 2006. Consultado em 4 de abril de 2012 
  53. Mahasz. «Archívum». Mahasz.hu (em húngaro). Consultado em 4 de abril de 2012 
  54. «RADIO TOP100 Oficiální – Madonna Sorry» (em checo). IFPIcr.cz. 30 de março de 2006. Consultado em 4 de abril de 2012 
  55. «Weekly General Airplay Top Hit 100» (em inglês). TopHit.ru. 5 de março de 2006. Consultado em 4 de novembro de 2012 
  56. «INFINITY CHARTS: German Top 20». Ki.informatik.uni-wuerzburg (em alemão). 25 de fevereiro de 2006. Consultado em 4 de abril de 2012. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2012 
  57. «ARIA Charts – End Of Year Charts – Top 100 Singles 2006» (em inglês). ARIA Charts. 2007. Consultado em 4 de abril de 2012 
  58. «Jahreshitparade 2006». Hung Medien (em inglês). Austrian Charts. 22 de dezembro de 2006. Consultado em 4 de abril de 2012 
  59. «Jaaroverzichten 2006» (em holandês). Ultratop. 2007. Consultado em 4 de abril de 2012 
  60. «Rapports Annuels 2006». Ultratop (em francês). 2007. Consultado em 4 de abril de 2012 
  61. «InfoDisc : Les Meilleurs Ventes de CD (Albums) en 2006» (em francês). Info Disc.fr. 2007. Consultado em 4 de abril de 2012 
  62. «Éves összesített listák - Slágerlisták - MAHASZ - Magyar Hangfelvétel-kiadók Szövetsége» (em húngaro). Mahasz. 2007. Consultado em 4 de abril de 2012 
  63. «Hit Parade Italia - Top Annuali Single: 2006» (em italiano). Hitparade Italia. 2007. Consultado em 4 de abril de 2012 
  64. «The Official UK Singles Chart 2006» (PDF) (em inglês). Official Charts Company. 2007. Consultado em 4 de abril de 2012 
  65. «Lrslista Singlar - Lr 2006» (em sueco). Hit Listan. 2007. Consultado em 4 de abril de 2012 
  66. Hung Medien (2007). «Swiss Year-End Charts 2006» (em inglês). Swiss Charts. Consultado em 4 de abril de 2012 
  67. «Billboard Charts – Decade-end Singles – Dance/Club Play Songs» (em inglês). Billboard.biz. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 21 de agosto de 2012 
  68. «Madonna Hung Up : CRIA database search» (em inglês). Canadian Recording Industry Association. 10 de abril de 2006. Consultado em 21 de agosto de 2012 
  69. «Certified Awards». British Phonographic Industry. Consultado em 4 de novembro de 2013