Papa Don't Preach

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Papa Don't Preach"
Single de Madonna
do álbum True Blue
Lado B "Pretender"
Lançamento 11 de junho de 1986 (1986-06-11)
Formato(s) 7" single, 12" single, CD single, CD Video, maxi single
Gravação 1986;
Channel Recording Studios
(Los Angeles, Califórnia)
Gênero(s) Dance-pop
Duração 4:29
Gravadora(s) Sire, Warner Bros.
Composição Brian Elliot, Madonna
Produção Madonna, Stephen Bray
Cronologia de singles de Madonna
"Live to Tell"
(1986)
"True Blue"
(1986)
Lista de faixas de True Blue
"Open Your Heart"
(2)

"Papa Don't Preach" é uma canção da cantora e compositora americana Madonna, contida em seu terceiro álbum de estúdio True Blue (1986). Foi composta pela própria em conjunto com Brian Eliot, e produzida pela mesma juntamente com Stephen Bray. A música também aparece remixada na compilação The Immaculate Collection, de 1990, e na sua forma original, em 2009, em outra compilação, Celebration. A faixa foi baseada em uma fofoca adolescente que Elliot ouviu do lado de fora do estúdio, que tem uma grande janela na parte da frente, onde alunas do North Hollywood High School, em Los Angeles, param para arrumar os cabelos e conversar.

"Papa Don't Preach" é uma música dance-pop com instrumentação de guitarras com cordas de aço, guitarras elétricas e guitarras rítmicas, instrumentos de teclas e instrumentos de cordas, e sua letra trata da gravidez na adolescência e do aborto. Lançada como o segundo single do álbum em meados de 1986, a música foi um sucesso comercial, vendendo cerca de 600 000 cópias somente no Reino Unido. Ela se tornou o quarto single de Madonna a alcançar a primeira posição da Billboard Hot 100, e teve também grande sucesso internacional, alcançando o topo das paradas na Austrália e no Reino Unido. Foi bem recebida pelos críticos e citada como um destaque do álbum.

O videoclipe, dirigido por James Foley, mostra a segunda transformação visual de Madonna, apresentando-a com um corpo mais tonificado e musculoso e com um cabelo loiro e curto. Seu enredo se baseia em Madonna tentando contar para seu pai sobre sua gravidez. As imagens são intercaladas com cenas de Madonna dançando em um estúdio escuro e Madonna tendo uma noite romântica com seu namorado. Foi indicado para dois MTV Video Music Awards. Madonna apresentou "Papa Don't Preach" em quatro de suas turnês, nomeadamente na Who's That Girl Tour, Blond Ambition World Tour, The Re-Invention Tour, e mais recentemente em sua The MDNA Tour.

Após seu lançamento, organizações feministas e outras do campo de planejamento familiar criticaram Madonna por encorajar a gravidez na adolescência, enquanto grupos contrários ao aborto a viam como uma mensagem positiva pró-vida. A canção também lhe causou o primeiro conflito com o Vaticano, porque ela dedicara a música ao Papa João Paulo II, que pediu aos fãs italianos que boicotassem os concertos da Who's That Girl Tour, de 1987. Em 2002, a canção foi gravada em uma versão hard rock pela cantora britânica Kelly Osbourne, e foi incluída como uma faixa bônus de seu álbum de estreia Shut Up.

Inspiração e letra[editar | editar código-fonte]

Durante o inverno de 1985, Madonna começou a compor e a gravar músicas para seu terceiro álbum de estúdio, True Blue. Ela trouxe novamente Steve Bray e um novo colaborador, Patrick Leonard, para ajudá-la a co-escrever oito das nove faixas do álbum.[1] A primeira faixa do álbum, "Papa Don't Preach", foi escrita por Brian Elliot, que a descreveu como "uma canção de amor, talvez moldada de uma forma um pouco diferente."[2] A canção foi baseada em uma fofoca adolescente que ele ouviu do lado de fora do estúdio, que tem uma grande janela na parte da frente, que serve como uma espécie de espelho, onde alunas do North Hollywood High School, em Los Angeles, param para arrumar os cabelos e bater papo. A canção foi enviada a Madonna por Michael Ostin, o mesmo executivo da Warner Bros., que revelou ao mundo "Like a Virgin".[3] Madonna apenas contribuiu com algumas pequenas revisões na letra, fazendo "Papa Don't Preach" a única música no álbum em que Madonna não teve uma participação forte na composição.[3] Em 2009, durante uma entrevista para a Rolling Stone, o entrevistador Austin Scaggs perguntou a Madonna o que a música significava para ela. Ela respondeu dizendo:

Composição[editar | editar código-fonte]

"Papa Don't Preach" é uma música dance-pop com instrumentação de guitarras com cordas de aço, guitarras elétricas e guitarras rítmicas, instrumentos de teclas e instrumentos de cordas. É definida em tempo comum, e se move em andamento moderado com 116 batidas por minuto.[5] A canção é escrita em Fá menor, uma escolha pouco comum para uma música pop, mas frequentemente usada na música clássica, como na Sonata para piano n.º 23 de Beethoven. A combinação do andamento e da nota produz uma disjunção entre o ritmo clássico e pop, sublinhada pela instrumentação durante a introdução.[6] A canção começa com um estilo nitidamente "vivaldiano", com um andamento rápido e uma progressão erudita de acordes, que antecipam a introdução da letra. Os primeiros acordes e a melodia enfatizam a tônica das notas principais: Fm–E♭–D♭–Cm–D♭–E♭–Fm–D♭–E♭–Fm, semelhante a um estilo barroco. A isto segue-se o som de dance music, produzido por uma forte batida dos instrumentos.[6] O alcance vocal de Madonna vai de F3 a C5,[5], dando-lhe um tratamento diferente do seu trabalho anterior, mais maduro, centrado e com uma tessitura mais baixa.[6]

A letra mostra o interesse de Madonna na sua educação católica, pois o tema da canção é sobre uma garota adolescente que admite para seu pai que está grávida e recusa-se a provocar um aborto ou dar o bebê para adoção, apesar da pressão de seus amigos.[7] Ela é construída em forma de verso-refrão, com uma ponte antes do terceiro e do refrão final. No começo ela se dirige direto ao pai, pedindo-lhe que fale com ela com uma adulta, "You should know by now that I'm not a baby".[nota 1] A transição para o refrão é feita com uma entoação mais dramática e numa tessitura mais alta, terminando quase em gritos enquanto canta a palavra "Please".[nota 2] Levando para o refrão, Madonna muda para uma voz de súplica, cantando o gancho principal da canção em tom elevado. Durante a ponte, o ritmo da música evidencia inspiração espanhola, um dos primeiros exemplos da influência da música latino-americana no estilo musical de Madonna.[6]

Crítica profissional[editar | editar código-fonte]

"Papa Don't Preach" foi em geral bem recebida pelos críticos de música pop. Davitt Sigerson, da revista Rolling Stone, em uma resenha do álbum True Blue, disse que se houver algum problema com o álbum "é a falta de músicas marcantes", acrescentando que "somente a grandiosa 'Papa Don't Preach' possui um gancho de alto nível comparável a 'Like a Virgin', 'Dress You Up' e 'Material Girl'."[8] Na sua resenha de True Blue, Stephen Thomas Erlewine, do Allmusic, disse que "ela usa a música para seduzir os críticos da mesma forma que ela está conseguindo uma audiência massiva com golpes de mestre tais como 'Papa Don't Preach'."[9]

Sal Cinquemani, da Slant Magazine, disse que "com canções como 'Papa Don't Preach', Madonna fez a transição de uma pop rude para uma artista consumada, juntando-se à categoria dos grandes ícones dos anos 1980 como Michael Jackson e Prince."[10] David Browne, da Entertainment Weekly, em uma resenha de sua primeira compilação The Immaculate Collection, comentou que "em teoria, uma sofisticada cantora de 30 anos dando voz a uma adolescente grávida soa ridículo", mas adicionou que "com a ajuda de colaboradores como Stephen Bray e Patrick Leonard, no entanto, transforma-se num registro pop perfeitamente concebido".[11] Tony Power, da revista Blender, disse que as "falsas cordas barrocas e o dilema do aborto de 'Papa Don’t Preach' anunciavam uma nova Madonna, menos querelante, uma menina apaixonada por Sean Penn e potenciada pelo compositor-produtor Pat Leonard."[12] Em 2005 a mesma revista colocou a música na posição 486 na sua lista "The 500 Greatest Songs Since You Were Born".[13] Em 1987 a canção foi nomeada para a categoria Best Female Pop Vocal Performance no 29.° Grammy Awards,[14] mas perdeu para The Broadway Album, de Barbra Streisand.[15]

Videoclipe[editar | editar código-fonte]

Imagem do videoclipe de "Papa Don't Preach". No primeiro plano, Danny Aiello, ator que interpreta o pai de Madonna, ao fundo.

Para o videoclipe, Madonna mudou completamente de imagem. Ela mudou a maquiagem e as jóias pesadas, e adotou o estilo Gamine, que é especialmente aplicado para descrever o estilo e aparência que Shirley MacLaine e Audrey Hepburn usavam nos anos 1950.[16][17] No videoclipe Madonna interpreta uma tomboy, vestindo jeans, uma jaqueta de couro preta e uma camiseta com um slogan anunciando "Italians do it Better" (Italianos são os melhores). O clipe se alterna entre o tema tomboy e uma Madonna mais sexy, com um corpo mais tonificado e musculoso, com um cabelo loiro e curto, vestindo um bustier inspirado nos anos 1960 e uma calça capri, ambas pretas.[18] Foi dirigido por James Foley,[19] produzido por David Naylor e Sharon Oreck, e Michael Ballhaus foi responsável pela fotografia.[20]

O videoclipe começa com imagens do horizonte de Nova Iorque.[21] Madonna enterpreta uma adolescente que é vista andando pela rua. Ela então mostra o seu pensamento sobre seu pai, interpretado por Danny Aiello,[18][22] e quanto ele a ama. Depois ela vê seu namorado chegando, interpretado pelo ator Alex McArthur.[23][24] As imagens são justapostas com cenas de Madonna dançando e cantando em um estúdio pequeno e escuro. Madonna, em seguida, se afasta de seus amigos, que a advertem sobre seu namorado. Ela e seu namorado passam uma noite romântica juntos em uma barcaça onde eles refletem sobre suas vidas depois de verem um casal de idosos. Em seguida, Madonna descobre que está grávida e, após muita hesitação, diz ao pai. Ocorrem alguns dias de tensão entre os dois, mas seu pai acaba aceitando a gravidez, e a cena final é um abraço de reconciliação entre pai e filha.[21]

No MTV Video Music Awards de 1987 o vídeo de "Papa Don't Preach" ganhou o prêmio de Melhor Videoclipe Feminino, e foi indicado para Melhor Cinematografia (perdeu para C'est La Vie de Robbie Nevil) e para Melhor Performance Geral (perdeu para Sledgehammer de Peter Gabriel).[25][26]

Apresentações ao vivo[editar | editar código-fonte]

Madonna cantando "Papa Don't Preach" na The Re-Invention Tour.

Madonna cantou a música em quatro de suas turnês mundiais. A primeira apresentação foi em 1987, na Who's That Girl Tour, onde ela dançava em volta do palco com um vestido branco em estilo espanhol desenhado por Marlene Stewart,[27] e uma jaqueta de couro preta semelhante à que ela usou no videoclipe da música. O vídeo de fundo mostrava imagens do Papa João Paulo II e o então presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan,[28] juntamente com cenas do curta-metragem de John Perry III, The Nightmare,[29] terminando com as palavras "Safe Sex" ("sexo seguro"), no momento em que Madonna encerrava a canção.[30] Madonna dedicou a canção ao Papa, fazendo deste seu primeiro conflito com o Vaticano, uma vez que o Papa João Paulo II pediu que os fãs italianos boicotassem os concertos.[31][32] Duas apresentações diferentes da canção nesta turnê podem ser vistas nos vídeos Who's That Girl - Live in Japan, filmado em Tóquio no dia 22 de julho de 1987,[33] e no Ciao, Italia! - Live From Italy, filmado em Turim, Itália no dia 4 de setembro de 1987.[34]

Três anos depois, na Blond Ambition World Tour, ela evocou imagens católicas durante a apresentação de "Papa Don't Preach". Ela usava uma caftan preta e dançava energeticamente com um acompanhamento de seis bailarinos, com uma plataforma cheia de velas votivas em segundo plano.[35] Duas performances diferentes foram gravadas e lançadas em vídeo, no Blond Ambition - Japan Tour 90, gravado em Yokohama, Japão, no dia 27 de abril de 1990,[35] e na Live! - Blond Ambition World Tour 90, gravada em Nice, França, no dia 5 de agosto de 1990. Em 2004, durante a The Re-Invention Tour, Madonna cantou a canção com um kilt escocês e uma camiseta que dizia "Kabbalists do it Better" (Cabalistas são os Melhores) na maioria dos shows, e camisetas que diziam "Brits do it Better" (Britânicos são os Melhores) e "Irish do it Better" (Irlandeses são os Melhores) durante os concertos no Reino Unido e na Irlanda, inspiradas na camiseta que usou no videoclipe.[36][26] A frase "Kabbalists do it Better" refere-se a religião adotada por Madonna, a Cabala.[37] Em 2012, Madonna apresentou a canção em uma versão curta na The MDNA Tour. Ao final da canção, ela é sequestrada por soldados monstruosos.[38]

Apresentações em turnês[editar | editar código-fonte]

Versões cover[editar | editar código-fonte]

Um sample de 23 segundos do cover de "Papa Don't Preach" feito por Dianna Agron para a série Glee.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

"Papa Don't Preach" foi regravada por diversos artistas. Em 2002, a cantora britânica Kelly Osbourne gravou juntamente com os membros da banda Incubus Mike Einziger (guitarra), e Jose Pasillas (bateria) uma versão hard rock da música, que foi produzida pelo irmão dela, Jack Osbourne.[39] Foi incluída como faixa bônus no seu primeiro álbum, Shut Up, e na trilha sonora do reality show da MTV The Osbournes.[40][41] A música estreou no Reino Unido em setembro de 2002, chegando à 3ª posição.[42] No resto da Europa a canção ficou dentro do top dez na Irlanda e na Finlândia,[43][44] e do top vinte na Suécia.[45] Na Austrália a canção estreou em 3ª posição,[46] e recebeu certificado de platina pela Australian Recording Industry Association (ARIA).[47] Esta versão foi muito atacada pelos críticos de música, que pensaram que a versão "não faz absolutamente sentido" e que ela "cheira a oportunismo". Também criticaram a colaboração da Incubus, descrevendo-a como "sem imaginação", e que "a sua presença deixou tudo uma confusão".[48][49]

O grupo francês Mad'House fez uma versão eurodance da música, que foi incluída no seu álbum Absolutely Mad, de 2002.[50] Covers da canção em álbuns-tributo incluem The Music of Madonna de Brook Barros, lançado em 2005,[51] uma versão de jazz da BO.DA’ no álbum Plays Madonna in Jazz, lançado em 2007.[52] A canção foi sampleada no início do single de 2004, "Never Really Was", de Mario Winans e, numa versão mais lenta de Keshia Chanté, foi sampleada no single "Fallen", de 2006. Em 2009, a série de televisão Glee também lançou uma versão cover, interpretada por Dianna Agron.[53]

Legado[editar | editar código-fonte]

Enquanto a popularidade da canção aumentava nos Estados Unidos, também cresceram as críticas e o apoio recebido de grupos preocupados com gravidez e aborto. Em julho de 1986, pouco depois do lançamento do vídeo de "Papa Don't Preach", Madonna comentou sobre a polêmica em torno da canção para o crítico musical do The New York Times, Stephen Holden:[3]

As pessoas que criticaram a canção incluem a colunista Ellen Goodman, que chamou o vídeo de "um comercial para a gravidez na adolescência".[54] A advogada feminista Gloria Allred, porta-voz da Organização Nacional das Mulheres, raivosamente pediu a Madonna para fazer uma declaração pública ou outra gravação apoiando o ponto de vista oposto.[55] Alfred Moran, diretor executivo da Planned Parenthood, também criticou canção temendo que isso pudesse prejudicar os esforços para promover o controle de natalidade entre adolescentes e que incentivaria a gravidez na adolescência. Recordando como suas clínicas estavam em 1985 cheias de meninas com roupas que eram uma imitação do estilo de Madonna, Moran disse que a mensagem da canção é que "é legal ficar grávida e ter o bebê é a coisa certa e uma coisa boa, e não ouvir seus pais, a escola, quem diz o contrário - não reclame, papai. A realidade é que o que Madonna está sugerindo às adolescentes é um caminho para a pobreza permanente."[56][57]

Em contraste, grupos contrários ao aborto, viram "Papa Don't Preach" com uma canção pró-vida. Susan Carpenter-McMillan, presidente da filial da californiana da Feminists for Life, disse que "o aborto é prontamente disponível em cada esquina para mulheres jovens. Agora o que Madonna está dizendo é, ei, há uma alternativa."[57] Tipper Gore, uma das fundadoras do Parents Music Resource Center, que anteriormente denunciara Madonna pelo conteúdo sexual da letra do single Dress You Up,[58] e começara uma campanha contra o conteúdo explícito na música,[59] elogiou Madonna por falar abertamente sobre um assunto tão grave e uma questão social tão importante.[57]

O escritor da canção, Brian Elliot, comentou sobre o debate: "Eu só queria fazer dessa menina na canção um personagem simpático. Sendo pai, eu gostaria de ser acessível para os problemas dos meus filhos."[2] Madonna evitou a polêmica e não comentou sobre o uso da canção como uma declaração antiaborto. Sua porta-voz, Liz Rosenberg, disse que "ela [Madonna], está cantando uma canção, não está tomando uma posição" adicionando que "sua filosofia é que as pessoas podem pensar o que querem".[57][60]

Faixas e formatos[editar | editar código-fonte]

"Papa Don't Preach" foi lançado nos formatos de CD single, 7" Single, Maxi Single, 12" Edição limitada (Europa) e International CD video single. Os três primeiros possuem duas canções e os últimos três e quatro respectivamente. Todos contêm ao menos uma versão de "Papa Don't Preach" e uma outra música ("Ain't No Big Deal", "Think of Me" ou "Pretender").

7" Single
N.º Título Duração
1. "Papa Don't Preach"   4:27
2. "Ain't No Big Deal"   4:12
7" Single (Japão)
N.º Título Duração
1. "Papa Don't Preach"   4:27
2. "Think of Me"   4:54
12" Maxi Single
N.º Título Duração
1. "Papa Don't Preach (Extended Remix)"   5:43
2. "Pretender (LP Version)"   4:28
12" Edição limitada (Europa)
N.º Título Duração
1. "Papa Don't Preach (Extended Remix)"   5:45
2. "B1.Ain't No Big Deal"   4:12
3. "B2.Papa Don't Preach (LP Version)"   4:27
International CD video single
N.º Título Duração
1. "Papa Don't Preach (LP Version)"   5:43
2. "Papa Don't Preach (Extended Remix)"   4:12
3. "Pretender (LP Version)"   4:28
4. "Papa Don't Preach (Video)"   5:00

Créditos[editar | editar código-fonte]

Lista-se abaixo os profissionais envolvidos na elaboração de "Papa Don't Preach", de acordo com o encarte de True Blue:[61]

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

"Papa Don't Preach" foi lançada nos Estados Unidos em junho de 1986. Estreou na Billboard Hot 100 na posição 42,[62][63] e dentro de oito semanas de seu lançamento chegou ao topo da parada,[64] tornando-se o quarto single de Madonna a chegar à primeira posição nos Estados Unidos.[65] A canção passou duas semanas no topo e mais dezoito semanas na parada.[64] Em outubro de 1998, o single ganhou certificado de ouro pela RIAA.[66] No Canadá a canção estreou na posição 53 da revista RPM em 5 de julho de 1986,[67] chegou ao topo por duas semanas em agosto de 1986,[68] e continuou na parada por vinte semanas.[69]

No Reino Unido "Papa Don't Preach" foi lançada em 23 de junho de 1986. Na semana seguinte a canção estreou no número treze no UK Singles Chart, antes de subir para a primeira posição duas semanas depois.[70] Em seguida, passou três semanas consecutivas no topo, ficou quinze semanas na parada,[70] e recebeu certificado de ouro pela a British Phonographic Industry em agosto de 1986.[71] No resto da Europa "Papa Don't Preach" foi um sucesso, liderando o Eurochart Hot 100 por onze semanas. A música chegou à primeira posição da parada de singles na Bélgica, Irlanda, Itália, Noruega,[72][73][74][75] e ficou entre as cinco primeiras colocadas na Alemanha, Áustria, França, Alemanha, Países Baixos e Suíça.[76][77][78]

Posições[editar | editar código-fonte]

Precedência e sucessão[editar | editar código-fonte]

Precedido por
"Touch Me (I Want Your Body)" por Samantha Fox
Single número um na Australian Kent Music Report
4 de agosto de 19868 de setembro de 1986
Sucedido por
"Venus" por Bananarama
Precedido por
"Sledgehammer" by Peter Gabriel
Single número um na Canadian RPM
9 de agosto de 198616 de agosto de 1986
Sucedido por
"Glory of Love" by Peter Cetera
Precedido por
"Glory of Love" by Peter Cetera
Single número um na Billboard Hot 100
16 de agosto de 198623 de agosto de 1986
Sucedido por
"Higher Love" by Steve Winwood

Notas

  1. Em português: Mas você já deve saber que não sou mais um bebê
  2. Em português: Por favor

Referências

  1. Cross 2007, pp. 40–41
  2. a b «'Papa Don't Preach' Stirs Teen Pregnancy Debate». St. Petersburg Times (em inglês). Times Publishing Company. 5 de setembro de 1986 
  3. a b c Metz & Benson 1999, p. 48
  4. Scaggs, Austin (29 de outubro de 2009). «Madonna Looks Back: The Rolling Stone Interview». Rolling Stone (em inglês). 1090. São Francisco: RealNetworks, Inc. 51 páginas. ISSN 0035-791X 
  5. a b «Digital Sheet Music: Papa Don't Preach». Musicnotes (em inglês). Alfred Publishing. Consultado em 28 de fevereiro de 2009 
  6. a b c d Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 61
  7. Bielen 1999, p. 151
  8. Sigerson, Davitt. «True Blue by Madonna». Rolling Stone (em inglês). RealNetworks, Inc. Consultado em 5 de junho de 2010 
  9. Erlewine, Stephen Thomas. «Album Review: True Blue». Allmusic (em inglês). Macrovision Corporation. Consultado em 26 de fevereiro de 2009 
  10. Cinquemani, Sal (2003). «American Idol: 20 Years of Madonna». Slant Magazine (em inglês). Consultado em 26 de fevereiro de 2009 
  11. Browne, David (14 de dezembro de 1990). «Music Review: The Immaculate Collection (1990)». Entertainment Weekly (em inglês). Time Inc. Consultado em 26 de fevereiro de 2009 
  12. Power, Tony. «Madonna: True Blue Review». Blender (em inglês). =Alpha Media Group. Consultado em 26 de fevereiro de 2009 
  13. «The 500 Greatest Songs Since You Were Born: 451-500». Blender (em inglês). Alpha Media Group. Outubro de 2005. Consultado em 26 de fevereiro de 2009 
  14. Hunt, Dennis (24 de fevereiro de 1987). «Grammy Nominations: Highs and Lows Winwood, Gabriel and Simon Garner Most Nominations». Los Angeles Times (em inglês). Tribune Company. Consultado em 5 de março de 2009 
  15. «Grammy Awards Winners: The Broadway Album» (em inglês). The Recording Academy. Consultado em 5 de março de 2009 
  16. Voller 1999, p. 24
  17. Clerk 2002, p. 62
  18. a b Mansour 2005, p. 352
  19. Metz & Benson 1999, p. 309
  20. Madonna (1990). The Immaculate Collection (VHS). Warner Music Vision 
  21. a b Mitchell 2000, p. 15
  22. «Other works for Danny Aiello». imdb.com (em inglês). Consultado em 19 de abril de 2010 
  23. «Alex McArthur's Silent Sizzling in a Video with Madonna Has Women Crying 'Who's That?'». People (em inglês). Time Inc. 11 de agosto de 1986. Consultado em 27 de fevereiro de 2009 
  24. «Other works for Alex McArthur». imdb.com (em inglês). Consultado em 19 de abril de 2010 
  25. «MTV Video Music Awards - 1987». MTV (em inglês). MTV Networks. 11 de setembro de 1987. Consultado em 5 de março de 2009 
  26. a b «Videografia». Consultado em 19 de abril de 2010 
  27. Clerk 2002, p. 66
  28. Kogan, Rick (2 de agosto de 1987). «Bombshell Madonna Certainly Can Wow 'Em». Chicago Tribune (em inglês). Tribune Company. Consultado em 3 de março de 2009 
  29. Goldstein, Patrick. «Pop Eye». Chicago Tribune (em inglês). RPM Music Publications Ltd. Consultado em 3 de março de 2009 
  30. Kellner 1995, p. 276
  31. Farber, Jim (22 de outubro de 2008). «When it comes to controversy on tour, Madonna's been down this road». Daily News. Mortimer Zuckerman. Consultado em 8 de março de 2009 
  32. «Madge through the years». USA Today (em inglês). Gannett Company. Consultado em 8 de março de 2009 
  33. Madonna (1987). Who's That Girl - Live in Japan (VHS). Warner-Pioneer Japan 
  34. Phares, Heather. «Ciao Italia: Live in Italy (Video) > Overview». Allmusic (em inglês). Macrovision Corporation. Consultado em 3 de março de 2009 
  35. a b Madonna (1990). Blond Ambition - Japan Tour 90 (VHS). Warner-Pioneer Japan 
  36. Gundersen, Edna. «Madonna: The mother of Reinvention». USA Today (em inglês). Gannett Company. Consultado em 3 de março de 2009 
  37. «Cabala». Consultado em 22 de abril de 2010 
  38. Saeed, Saeed (4 de junho de 2012). «MDNA audience bears witness to Madonna's inner turmoil». The National. Mubadala Development Company. Consultado em 11 de setembro de 2012 
  39. Moss, Corey (29 de abril de 2002). «Kelly Osbourne's Ready For Her Closeup With 'Papa Don't Preach' Video». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  40. «Shut Up (Bonus Track) > Overview». Allmusic (em inglês). Macrovision Corporation. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  41. Erlewine, Stephen Thomas. «The Osbourne Family Album > Album Review». Allmusic (em inglês). Macrovision Corporation. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  42. «Chart Stats - Kelly Osbourne - Papa Don't Preach» (em inglês). The Official UK Charts Company. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  43. «Kelly Osbourne - Discography» (em inglês). Irish Recorded Music Association. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  44. «Kelly Osbourne - Papa Don't Preach (Song)» (em inglês). YLE. 2002 - semana 32. Consultado em 25 de fevereiro de 2009  Verifique data em: |data= (ajuda)
  45. «Kelly Osbourne - Papa Don't Preach (Song)» (em inglês). Sverigetopplistan. 22 de agosto de 2002. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  46. «Kelly Osbourne - Papa Don't Preach (Song)» (em inglês). Australian Recording Industry Association. 25 de agosto de 2002. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  47. «ARIA Charts - Accreditations - 2002 Singles» (em inglês). Australian Recording Industry Association. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  48. Brunner, Rob (3 de junho de 2002). «Music Capsule Review: Papa Don't Preach». Entertainment Weekly (em inglês). Time Inc. Consultado em 26 de fevereiro de 2009 
  49. Robinson, Peter (2 de setembro de 2002). «Kelly Osbourne featuring Incubus : Papa Don't Preach». New Musical Express (em inglês). IPC Media. Consultado em 26 de fevereiro de 2009 
  50. «Absolutely Mad > Overview». Allmusic (em inglês). Macrovision Corporation. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  51. «The Music of Madonna > Overview». Allmusic (em inglês). Macrovision Corporation. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  52. «Plays Madonna in Jazz > Overview». Allmusic (em inglês). Macrovision Corporation. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  53. «Single: Mario Winans - Never Really Was». CBBC (em inglês). British Broadcasting Corporation. 31 de agosto de 2004. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  54. Hart & Phelan 1993, p. 347
  55. «Music-Rock News & Notes». Daily News of Los Angeles (em inglês). MediaNews Group. 12 de setembro de 1986. Consultado em 28 de fevereiro de 2009 
  56. Singer 2002, p. 405
  57. a b c d Dullea, Georgia (18 de setembro de 1986). «Madonna's New Beat is a Hit, but Song's Message Rankles». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 26 de fevereiro de 2009 
  58. Denisoff 1988, p. 299
  59. Thompson 2007, p. 18
  60. Hart & Phelan 1993, p. 348
  61. (1986) Créditos do álbum True Blue por Madonna [CD]. Sire Records/Warner Bros. Records (925442-2).
  62. «Hot 100: Week of June 28, 1986 - Papa Don't Preach». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. 28 de junho de 1986. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  63. «Singles Charts». Consultado em 21 de abril de 2010 
  64. a b c «Hot 100: Week of August 10, 1986 - Papa Don't Preach». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. 16 de agosto de 1986. Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  65. «Artist Chart History - Madonna». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  66. «RIAA - Gold and Platinum certification» (em inglês). Recording Industry Association of America. 22 de outubro de 1998. Consultado em 21 de fevereiro de 2009 
  67. «Top Singles - Volume 44, No. 15, July 05 1986». RPM (em inglês). RPM Music Publications Ltd. 5 de julho de 1986. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  68. a b «Top Singles - Volume 44, No. 20, August 09 1986». RPM (em inglês). RPM Music Publications Ltd. 9 de agosto de 1986. Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  69. «Top Singles - Volume 45, No. 8, November 15, 1986». RPM (em inglês). RPM Music Publications Ltd. 15 de novembro de 1986. Consultado em 25 de fevereiro de 2009 
  70. a b c «Chart Stats - Madonna - Papa Don't Preach» (em inglês). The Official UK Charts Company. Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  71. «Certified Awards - Papa Don't Preach» (em inglês). British Phonographic Industry. 1 de agosto de 1986. Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  72. a b «Radio 2 - Top 30 van zaterdag 09 augustus 1986» (em neerlandês). VRT Top 30. 8 de agosto de 1986. Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  73. a b «The Irish Charts - All there is to know» (em inglês). Irish Recorded Music Association. 19 de junho de 1986. Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  74. a b «Indice per Interprete: M» (em italiano). HitParadeItalia. 12 de julho de 1986. Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  75. a b «Madonna - Papa Don't Preach (Song)». VG-lista (em inglês). Verdens Gang. 1986 - semana 28. Consultado em 24 de fevereiro de 2009  Verifique data em: |data= (ajuda)
  76. a b «Chartverfolgung: Madonna - Papa Don't Preach» (em alemão). Media Control Charts. 18 de agosto de 1986. Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  77. a b «De Nederlandse Top 40». Dutch Top 40 (em neerlandês). Radio 538. 1986 - semana 30. Consultado em 24 de fevereiro de 2009  Verifique data em: |data= (ajuda)
  78. a b «Madonna - Papa Don't Preach (Song)». Swiss Charts (em alemão). Hung Medien. 20 de julho de 1986. Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  79. DeKnock, Jan (22 de agosto de 1986). «Madonna Preaches Her Message to Appreciative Worldwide Audience». Chicago Tribune (em inglês). Tribune Company. Consultado em 22 de abril de 2010 
  80. «Madonna - Papa Don't Preach (Song)» (em alemão). Ö3 Austria Top 40. 8 de janeiro de 1986. Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  81. «Madonna - Papa Don't Preach (Chanson)» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. 19 de julho de 1986. Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  82. «Madonna - Papa Don't Preach (Song)» (em inglês). Recording Industry Association of New Zealand. 3 de agosto de 1986. Consultado em 26 de setembro de 2009 
  83. «Madonna - Papa Don't Preach (Song)» (em inglês). Sverigetopplistan. 9 de julho de 1986. Consultado em 24 de fevereiro de 2009 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bielen, Kenneth G. (1999), The Lyrics of Civility: Biblical Images and Popular Music Lyrics in American Culture, ISBN 0815331932, Routledge 
  • Clerk, Carol (2002), Madonnastyle, ISBN 0711988749, Omnibus Press 
  • Cross, Mary (2007), Madonna: A Biography, ISBN 0313338116, Greenwood Publishing Group 
  • Denisoff, R. Serge (1988), Inside MTV, ISBN 0887388647, Transaction Publishers 
  • Fouz-Hernández, Santiago; Jarman-Ivens, Freya (2004), Madonna's Drowned Worlds: New Approaches to Her Cultural Transformations, ISBN 0754633721, Ashgate Publishing 
  • Hart, Lynda; Phelan, Peggy (1993), Acting Out: Feminist Performances, ISBN 0472064797, University of Michigan Press 
  • Kellner, Douglas (1995), Media Culture: Cultural Studies, Identity, and Politics Between the Modern and the Postmodern, ISBN 0415105706, Routledge 
  • Mansour, David (2005), From Abba to Zoom: A Pop Culture Encyclopedia of the Late 20th Century, ISBN 0740751182, Andrews McMeel Publishing 
  • Metz, Allan; Benson, Carol (1999), The Madonna Companion: Two Decades of Commentary, ISBN 0825671949, Music Sales Group 
  • Mitchell, Jolyon P. (2000), Visually Speaking: Radio and the Renaissance of Preaching, ISBN 0664222447, Westminster John Knox 
  • Singer, Jerome L. (2002), Handbook of Children and the Media, ISBN 0761919554, SAGE Publications 
  • Thompson, Graham (2007), American Culture in the 1980s, ISBN 0748619100, Edinburgh University Press 
  • Voller, Debbi (1999), Madonna: The Style Book, ISBN 0711975116, Omnibus Press 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]