Rain (canção de Madonna)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Rain"
Single de Madonna
do álbum Erotica
Lado B "Up Down Suite", "Waiting", "Open Your Heart", "Fever"
Lançamento 6 de julho de 1993 (1993-07-06)
Formato(s) CD single, fita cassete, maxi single, vinil
Gravação 1992;
Sound Works Studio
(Nova Iorque)
Gênero(s) Pop
Duração 5:24
Gravadora(s) Maverick, Warner Bros.
Composição Madonna, Shep Pettibone
Produção Madonna, Shep Pettibone
Cronologia de singles de Madonna
"Fever"
(1993)
"Bye Bye Baby"
(1993)
Lista de faixas de Erotica
"Words"
(9)
"Why's It So Hard"
(11)

"Rain" é uma canção da cantora estadunidense Madonna, contida em seu quinto álbum de estúdio Erotica (1993). Foi composta e produzida pela própria em conjunto com Shep Pettibone. A sua gravação ocorreu em 1992, no Sound Works Studio em Nova Iorque. Após fundar a sua própria empresa de entretenimento multimídia e concluir as gravações do filme A League of Their Own, a intérprete deu início às sessões de gravação de Erotica. Para o disco, ela trabalhou principalmente com Pettibone, com o qual havia colaborado anteriormente na produção de remixes de suas faixas. Antes de a artista começar a filmar A League of Their Own em Chicago, o produtor havia desenvolvido uma fita com quatro obras instrumentais para que Madonna ouvisse. A partir destas, eles conceberam quatro canções, dentre as quais estava "Rain", com Madonna se encarregando das letras e Pettibone da música.

"Rain" foi lançada como o quinto single de Erotica em 6 de julho de 1992, através das gravadoras Maverick e Warner Bros., sendo disponibilizada em CD single, fita cassete, maxi single e vinil. Musicalmente, é uma balada pop de andamento moderado estilizada no formato adult contemporary, apresentando influências do trip hop e do new-age e instrumentação que inclui bateria e teclados. Liricamente, a canção compara a chuva ao efeito empoderador do amor, e com a habilidade da água para limpar e afastar a dor. Assim como as outras faixas do disco, o contato sexual também serve como uma possível interpretação da canção. "Rain" foi bem recebida por críticos musicais, que elogiaram sua produção os vocais de Madonna e sua composição suave em comparação com as outras músicas de Erotica, selecionando-a como um destaques do disco.

Em termos comerciais, "Rain" atingiu a vice-liderança no Canadá e as vinte melhores posições na Austrália, na Irlanda, na Itália, na Nova Zelândia, no Reino Unido, na Suécia e na Suíça. Nos Estados Unidos, obteve a 14.ª colocação como melhor na Billboard Hot 100 e a sétima na Pop Songs e na Adult Contemporary. O vídeo musical correspondente foi dirigido por Mark Romanek e estreou em 21 de junho de 1993 na MTV. Colorizado manualmente com tons azuis, retrata Madonna interpretando a canção na frente de diferentes cenários. A produção foi apreciada criticamente por sua inovação e cinematografia, vencendo os troféus de Best Art Direction e Best Cinematography nos MTV Video Music Awards de 1993. Madonna apresentou a faixa na turnê The Girlie Show World Tour (1993), com uma versão remixada sendo usada em um interlúdio da Sticky & Sweet Tour (2008-09). Vários artistas regravaram a obra, incluindo as vocalistas de apoio de Madonna, Niki Haris e Donna De Lory.

Antecedentes e lançamento[editar | editar código-fonte]

O interlúdio em vídeo de "Rain" durante a Sticky & Sweet Tour (2008-09), apresentando o duo de dança japonês Hamutsun Serve.

Em 1992, Madonna fundou sua própria empresa de entretenimento multimídia, a Maverick, constituída de uma gravadora Maverick Records, uma produtora de cinema (Maverick Films), e publicação de música associada, transmissão televisiva, publicação de livros e divisões de merchandising.[1] Os primeiros projetos da empresa foram o quinto álbum de estúdio da cantora, Erotica, e um livro de fotografias apresentando Madonna, intitulado Sex.[1] Para o álbum, a intérprete trabalhou principalmente com o produtor Shep Pettibone. Pettibone começou a trabalhar com a artista na década de 1980, realizando remixes de várias de suas faixas.[2] Além dele, Madonna selecionou o produtor André Betts, que havia co-produzido "Justify My Love", de seu álbum de grandes sucessos The Immaculate Collection.[2] A musicista disse que se interessou em trabalhar com os produtores devido à habilidade deles de permanecerem conectados ao submundo da dança, comentando: "Eles vieram de extremos opostos do espectro, em termos de estilo musical e abordagem à música, mas ambos estão conectados às ruas e ainda são jovens e famintos".[3]

De acordo com Pettibone, em um artigo intitulado "Erotica Diaries", publicado na revista Icon de Madonna, ele produziu uma fita com quatro músicas, para que a intérprete as ouvissem antes de viajar para Chicago, onde ela estaria filmando A League of Their Own. Ela ouviu as canções e aprovou todas.[4] Após a conclusão das filmagens, eles se encontraram em Nova Iorque, e começaram a trabalhar juntos no álbum em novembro de 1991, dando início às gravações.[4] Inicialmente, a agenda deles estava esporádica. A dupla estava no estúdio por uma semana, e Madonna viria a trabalhar com Steven Meisel nas sessões fotográficas de Sex, por duas semanas. Ocasionalmente, ela também se reunia com Betts.[4] O primeiro conjunto de faixas trabalhada por Madonna e Pettibone foi "Erotica", "Deeper and Deeper", "Rain" e "Theif of Hearts"; ela se responsabilizava pelas letras, e ele trabalhava na música.[4] Segundo o produtor, a cantora preferia estar no controle do processo de composição porque "as músicas dela são as histórias dela. São coisas que ela quer dizer".[4] "Rain" foi inicialmente escrita por Madonna para uma versão musical dirigida por Alek Keshishian baseada no filme Wuthering Heights (1939).[5]

"Rain" foi lançada como o quinto single de Erotica em 6 de julho de 1993.[6] Nos Estados Unidos e no Canadá, serviu como a quarta faixa de trabalho, uma vez que a anterior, "Fever", não foi lançada comercialmente nesses países.[7] O lançamento apresentou uma faixa inédita, "Up Down Suite", que é uma versão dub de 12 minutos de "Goodbye to Innocence", uma canção descartada das gravações do disco.[8] Esta versão do single também inclui um remix feito por Danny Saber da faixa "Waiting", presente no álbum e que apresenta um rap de Everlast.[9] No Reino Unido, sua distribuição incluiu como lado B "Open Your Heart", lançada por Madonna como single de True Blue em 1986, que estava sendo usada em um comercial de carros da Peugeot na época.[10] "Rain" foi posteriormente incluída na coletânea de baladas de Madonna Something to Remember (1995), não estando em presente em qualquer outra compilação desde então.[9]

Gravação e composição[editar | editar código-fonte]

Trecho de 30 segundos de "Rain", uma balada pop com influências trip hop e new age na qual Madonna compara a chuva ao amor.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Composta por Madonna e Shep Pettibone, "Rain" foi gravada entre 1991 e 1992 nos Sound Works Studio, em Nova Iorque, juntamente com "Erotica", "Deeper and Deeper" e "Thief of Hearts".[4] Pettibone também encarregou-se do sequenciamento e da programação da faixa, além de ter tocado teclados. P. Dennis Mitchell e Robin Hancock se responsabilizaram pela engenharia de gravação, Goh Hotoda trabalhou na engenharia de mixagem e Tony Shimkin — que também colaborou em outras faixas do disco — forneceu a programação de bateria.

Com duração de cinco minutos e vinte e quatro segundos (5:24), "Rain" é uma balada pop com influências do trip hop e da música new age.[11] Estilizada no formato adult contemporary, é sonoramente mais "gentil" do que os outros singles de Erotica.[9] De acordo com a bateria publicada no Musicnotes.com pela Alfred Music Publishing, a canção foi composta no tom de mi bemol maior e possui um ritmo moderado de 92 batidas por minuto. Inicia-se com Madonna proferindo "Eu sinto, está vindo", seguida pela progressão harmônica de mi sustenido maior2, lá bemol maior6/9 e si sustenido maior no refrão e de lá bemol, si sustenido e mi sustenido nos versos.[12] Uma corda em dó menor com som obscuro e um chimbau acompanham os vocais de Madonna, que são interpretados em seu registro mais baixo.[13] O arranjo da obra captura elementos turbulentos associados à chuva (como o trovão), facadas orquestrais que invocam raios nítidos e uma ponte ascendente guiada por rosnados de guitarra elétrica.[11] Uma mudança de tom ocorre perto do fim, de si bemol maior para dó maior, seguida por duas partes palavras e uma harmonia acompanhando-as. A coda possui outra melodia a acompanhando, e a canção termina em um refrão grupal sem as harmonias.[13]

Liricamente, Madonna compara a chuva com sentimentos do amor.[14] Assim como a chuva limpa a sujeira, o amor lava as tristezas do passado, deixando uma pessoa e sua parceira focando em seus sentimentos do presente. Rhciard Harrington, do The Washington Post, descreveu "Rain" como "uma balada otimista similar às de Peter Gabriel na qual a água é uma metáfora para o amor ('Limpe minha tristeza, leve minha dor embora'".[14] De acordo com Stephen Sears, do portal Idoator, "os sintetizadores se turbo-comprimem em 2:46 em meio a um middle eight elegante que apresenta Madonnas duelantes recitando linhas de poesia dos canais esquerdos e direitos [toque-a em fones de ouvido]. 'Pela pura força de vontade / Eu lhe levantarei do chão', ela diz levemente, 'E sem nenhum barulho, você aparecerá e se renderá para mim, para amar'".[15] Sal Cinquemani, da Slant Magazine, opinou que em termos líricos as baladas de Erotica estão principalmente conectadas ao sexo, argumentando que alguns possam até mesmo perceber "Rain" como uma metáfora estendida para a ejaculação.[2]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

"Rain " foi aclamada por muitos críticos de música , que acharam que a canção foi uma das melhores músicas criadas por Madonna. A canção foi descrita na revista Rolling Stone como uma "balada de anseio".[16] O editor da Allmusic Stephen Thomas Erlewine disse que a canção era uma das "melhores e mais bem feitas músicas de Madonna".[17] Sal Cinquemani da revista Slant havia descrito, junto com "Rain", as baladas no álbum como sendo principalmente sobre sexo, dizendo que ""Rain" é como uma metáfora estendida [sobre esperma], embora eu não concorde com essa interpretação impensada."[18] Em uma extensiva avaliação com o Yahoo! Music, "Rain" recebeu uma crítica positiva dizendo que ""Rain" - Esta é uma das melhores baladas de Madonna, com um crescendo dinâmico no final, significando uma fuga da enxurrada da chuva com o romper do sol. É uma música fantástica e uma das [minhas] favoritas de todos os tempos."[19]

No entanto, a revista Stylus tinha dito que a canção era uma "reescrita piegas de "This Used To Be My Playground" daquele mesmo ano, em si uma reescrita lamacenta de "Promise to Try" do álbum "Like A Prayer."[20]

Performance comercial[editar | editar código-fonte]

A canção chegou ao número 14 na Billboard Hot 100 dos E.U.A, ficando um total de 20 semanas na parada . Também atingiu o número sete na parada Hot Adult Contemporary Tracks, o número 11 no Hot 100 Airplay, e ficou na posição de número 67 no Billboard Year-End Hot 100 singles of 1993, que classificava os 100 maiores singles daquele ano. No Reino Unido, a canção também foi um sucesso, atingindo o número sete nas paradas. De acordo com a "Compania Oficial de Paradas" (Official Charts Company), "Rain" já havia vendido 130.771 cópias naquele país, até agosto de 2008[21] Com "Rain", Madonna alcançou o título de cantora que teve o maior número de singles de um mesmo álbum a alcançar o top 10, uma façanha que ela também realizou com o lançamento de True Blue em 1986 e novamente em 1998 com Ray of Light. No Canadá, a canção foi um grande sucesso, chegando ao número dois em 18 de setembro de 1993, e mais tarde ganhando a posição de número 15 na parada de fim de ano canadense.

Em outros lugares, o single obteve sucesso em paradas top 20 e top 10. Na Austrália, a canção estreou no número 21 nas paradas, e foi subindo até atingir o número cinco e recebeu certificado de ouro pela ARIA.[22] A canção permaneceu como seu single de maior duração na parada, permanecendo nas paradas por 20 semanas, até que "Hung Up" (2005) permaneceu nas paradas por um total de 23 semanas. Na Nova Zelândia, a canção foi um sucesso mais moderado, estreando e atingindo a posição de número 20, e permanecendo lá por quatro semanas não-consecutivas, até cair para a 49. Na Suécia, a canção estreou no número 30, até subir e atingir a posição 16, permanecendo nas paradas por 10 semanas. Na Suíça, a canção estreou na posição 29, até subir e atingir a posição de número 11, não entrando no top 10 por pouco, mas permaneceu nas paradas por 12 semanas.

Vídeo musical[editar | editar código-fonte]

O vídeo, dirigido por Mark Romanek,[23] foi filmado de 16 a 19 de maio de 1993 em um hangar do Aeroporto de Santa Monica, em Santa Monica, Califórnia.[24] Romanek e Madonna elaboraram o vídeo para parecer que Ryuichi Sakamoto o estava dirigindo, dando-lhe uma sensação de bastidores. Ele foi inteiramente filmado em preto e branco e então pintado a mão com tons de azul.[24] O vídeo começa com Madonna em um estúdio, deitada em um sofá usando fones de ouvido compondo uma canção, a seguir uma sequência em que ela canta em frente a um microfone, a qual é alternada com as dela recebendo instruções do diretor (interpretado por Ryuichi Sakamoto). Ela, então, aparece em frente de um fundo de luzes brilhantes, representando o céu iluminado pelo sol, e também em uma cena dela beijando um homem atrás de um vidro sobre o qual cai água. O vídeo termina com uma visão aérea de guarda-chuvas abertos cobrindo todo o chão.

O vídeo estreou em 21 de junho de 1993 na MTV. Mais tarde, naquele ano ele ganhou dois MTV Video Music Awards de Melhor Direção de Arte e Melhor Fotografia. Na lista dos "100 melhores videos musicais" da revista Slant, ele se classificou como número 70.[25] Este foi também o segundo vídeo consecutivo em que Madonna usou uma peruca (sendo "Fever" o primeiro).[24] O vídeo foi primeiramente disponibilizado comercialmente quando foi incluído na coletânea de 1999 The Video Collection 93:99 e, mais recentemente, quando foi incluído no DVD Celebration de 2009.

Faixas do single[editar | editar código-fonte]

  1. Rain (Radio Remix)
  2. Waiting (Remix)
  3. Up Down Suite
  4. Rain (Album Version)

Faixas de Rain EP[editar | editar código-fonte]

  1. Rain (Radio Remix)
  2. Waiting (Remix)
  3. Up Down Suite
  4. Rain (Album Version)
  5. Bad Girl (Extended Mix)
  6. Fever (Extended 12")
  7. Fever (Shep`s Remedy Dub)
  8. Fever (Murk Boys Miami Dub)
  9. Fever (Oscar G`s Dope Mix)
  10. Rain (Video Edit)

Referências

  1. a b Stephen Holden (20 de abril de 1992). «Madonna Makes a $60 Million Deal». The New York Times (em inglês). The New York Times Company. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  2. a b c Sal Cinquemani (24 de fevereiro de 2007). «Madonna: Erotica Album Review» (em inglês). Slant Magazine. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  3. Larry Flick (28 de novembro de 1992). «The Man Behind Madonan's 'Erotica'». Nielsen Business Media, Inc. Billboard (em inglês). 104 (48): 22. ISSN 0006-2510. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  4. a b c d e f Shep Pettibone. «Erotica Diaries – Written by Shep Pettibone» (em inglês). ShepPettibone.com. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  5. Rettenmund 2016, p. 424
  6. «Madonna.com > Discography > Rain» (em inglês). Madonna.com. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  7. «Madonna.com > Discography > Fever» (em inglês). Madonna.com. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  8. Larry Flick (14 de agosto de 1993). «Martin's Comeback Struggle; 'Clearly' Deborah». Nielsen Business Media, Inc. Billboard (em inglês). 105 (33): 25. ISSN 0006-2510. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  9. a b c Jose F. Promis. «Madonna – Rain > Review» (em inglês). Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  10. (1993) Notas de lançamento para "Rain" (disco de vinil de doze polegadas / CD single) por Madonna. Maverick Records/Warner Bros. Records. W0190T/W0190TP/W0190CD.
  11. a b Annie Zaleski (19 de abril de 2016). «Madonna's 'Rain' established her as a sensual New Age goddess» (em inglês). The A.V. Club. The Onion. Consultado em 17 de setembro de 2017 
  12. «Rain – Madonna - Digital Sheet Music» (em inglês). Musicnotes.com. Consultado em 17 de setembro de 2017 
  13. a b Rooksby 2004, p. 42–43
  14. a b Metz & Benson 1999, p. 19
  15. Stephen Sears (19 de outubro de 2012). «Madonna's Erotica Turns 20: Backtracking» (em inglês). Idolator. SpinMedia. Consultado em 18 de setembro de 2017 
  16. Arion Berger (26 de novembro de 1992). «Erotica by Madonna» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 12 de novembro de 2013 
  17. Stephen Thomas Erlewine. «Madonna Erotica» (em inglês). allmusic.com. Consultado em 12 de novembro de 2013 
  18. SAL CINQUEMANI (24 de fevereiro de 2007). «Madonna Erotica» (em inglês). Slant Magazine. Consultado em 12 de novembro de 2013 
  19. John Myers (09 de abril de 2009). «Classic 90's Music Reviews: Madonna's Erotica» (em inglês). voices.yahoo.com/. Consultado em 12 de novembro de 2013  Verifique data em: |data= (ajuda)
  20. Alfred Soto (17 de janeiro de 2006). «On Second Thought Madonna - Erotica» (em inglês). Stylus Magazine. Consultado em 12 de novembro de 2013 
  21. Alan Jones (19 de agosto de 2008). «The Immaculate Guide To 50 Years Of Madonna». Music Week (em inglês). UBM plc. Consultado em 12 de novembro de 2013 
  22. Christopher Dean (07 de abril de 2011). [hhttp://australianfuncountdowns.blogspot.com.au/2010/01/accreditation-awards.html «Australian Fun Countdowns: Accreditation Awards»] (em inglês). Australianfuncountdowns.blogspot.com.au. Consultado em 12 de novembro de 2013  Verifique data em: |data= (ajuda)
  23. MAUREEN SAJBEL (28 de julho de 1993). «VIDEO VOGUE : A Vulnerable Madonna» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 14 de novembro de 2013 
  24. a b c «enlacemadonna» (em inglês). personales.ya.com. Consultado em 14 de novembro de 2013 
  25. SAL CINQUEMANI AND ED GONZALEZ (29 de junho de 2003). «100 Greatest Music Videos» (em inglês). slantmagazine.com. Consultado em 14 de novembro de 2013