Like a Prayer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Like a Prayer
Álbum de estúdio de Madonna
Lançamento 21 de março de 1989
Gravação setembro de 1988 – janeiro de 1989;
D&D Recording
(New York City)
Ocean Way Recording
(Hollywood, Califórnia)
Gênero(s) Pop
Duração 51:16
Gravadora(s) Sire
Produção
Cronologia de Madonna
You Can Dance
(1987)
I'm Breathless
(1990)
Singles de Like a Prayer
  1. "Like a Prayer"
    Lançamento: 03 de Março de 1989
  2. "Express Yourself"
    Lançamento: 9 de maio de 1989
  3. "Cherish"
    Lançamento: 1 de agosto de 1989
  4. "Oh Father"
    Lançamento: 24 de outubro de 1989
  5. "Dear Jessie"
    Lançamento: 10 de dezembro de 1989
  6. "Keep It Together"
    Lançamento: 30 de janeiro de 1990

Like a Prayer é o quarto álbum de estúdio da cantora e compositora norte-americana Madonna, lançado em 21 de março de 1989 pela Sire Records, três anos após seu antecessor, True Blue (1986). Madonna trabalhou com o cantor americano Prince, e com os produtores Patrick Leonard e Stephen Bray, co-escrevendo e co-produzindo todas as canções do álbum. Considerado o lançamento mais introspectivo de Madonna na época, Like a Prayer tem sido descrito como um álbum confessional. Ela descreveu o álbum como "uma coleção de canções sobre minha mãe, meu pai e laços com minha família". O álbum foi dedicado à sua mãe, que morreu quando a cantora ainda era jovem.

O álbum usa instrumentação ao vivo e incorpora elementos de dance, funk, gospel e soul em um estilo pop mais geral. Madonna chamou atenção à sua educação católica, como pode ser visto na faixa-título. As letras do álbum tratam de temas da infância de adolescência de Madonna, tais como a morte de sua mãe em "Promise to Try", a importância da família em "Keep It Together" e a relação com seu pai em "Oh Father". Madonna também prega emponderamento feminino em "Express Yourself". Logo após seu lançamento, Like a Prayer recebeu aclamação geral da crítica musical. A revista Rolling Stone citou que o álbum "é o mais perto que o pop já chegou da arte".

Comercialmente, Like a Prayer tornou-se um sucesso internacional, assim como seus antecessores, alcançado o topo das paradas em vários territórios. O álbum foi certificado com quatro discos de plantina nos Estados Unidos pela Recording Industry Association of America (RIAA). Seis singles foram lançados a partir do álbum: "Like a Prayer", "Express Yourself", "Cherish", "Oh Father", "Dear Jessie" e "Keep It Together". "Like a Prayer" tornou-se o sétimo single número um de Madonna na Billboard Hot 100, enquanto "Express Yourself" e "Cherish" atingiram o segundo lugar. Em todo mundo, o álbum já vendeu cerca de 15 milhões de cópias, 4 milhões apenas nos EUA, onde recebeu o certificado de 5× Platina pela RIAA.

Com os videoclipes que acompanharam os singles, Madonna promoveu sua criatividade, tornando-se uma figura de liderança no formato. O vídeo de "Like a Prayer" foi um "para-raios" para a controvérsia religiosa, usando iconografia religiosa e queimando cruzes, além de ter promovido um beijo em um "santo negro". Tal vídeo foi condenado pelo Vaticano, que condenou a parceria da Pepsi com a cantora, levando a empresa a cancelar o contrato de promoção do videoclipe de Madonna. "Express Yourself" tornou-se o vídeo mais caro feito na época. O álbum foi precedido pela aclamada turnê Blond Ambition Tour. No final da década de 1980, após o lançamento de Like a Prayer, Madonna foi nomeada como a Artista da década por diversas mídias especializadas, entre elas a Billboard e a MTV.[1][2][3]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

1988 foi um ano calmo na frente de gravação de Madonna. Após a falta de sucesso crítico e comercial de seu filme de 1987 Who's That Girl, ela atuou na produção da Broadway Speed-the-Plough. No entanto, avaliações desfavoráveis mais uma vez causaram seu desconforto. Seu casamento com o ator Sean Penn terminou e o casal pediu o divórcio em janeiro de 1989. Madonna também completou 30 anos, um ano afastado da idade em que sua mãe havia morrido, e assim a cantora teve mais tumulto emocional.[4] Ela comentou pela edição de maio de 1989 da revista Interview que sua educação católica lhe causava um sentimento de culpa o tempo todo:

Porque no catolicismo você é um pecador nascido e você é um pecador por toda a sua vida. Não importa como você tente se afastar disso, o pecado está dentro de você o tempo todo. Foi esse medo que me assombrou; isso me provocava e me dava a cada momento. Minha música foi provavelmente a única distração que tive.[5]

Ela chegou à conclusão de que, enquanto ela e seus fãs estavam crescendo, era hora de ela se afastar do apelo adolescente para um público mais amplo e ganhar dinheiro com a longevidade do mercado de álbuns.[6] Sentindo a necessidade de tentar algo diferente, Madonna queria que o som de seu novo álbum indicasse o que poderia ser popular no mundo da música.[6] Para idéias líricas da faixa-título, ela escolheu temas que até então eram meditações pessoais nunca compartilhadas com o público em geral; ela disse à revista SongTalk "No passado eu escrevi muitas músicas que [revelaram o meu eu interior], mas eu senti que elas eram muito honestas ou muito assustadoras e eu decidi não gravá-las".[7] Ela decidiu adotar uma abordagem mais adulta e sofisticada; pensativamente, ela vasculhou seus diários pessoais e começou a considerar suas opções. Ela lembrou: "O que eu queria dizer? Eu queria que o álbum e a música falassem as coisas na minha cabeça. Foi uma época complexa na minha vida."[8] Ela tinha certos assuntos em mente, incluindo seu relacionamento conturbado com seu marido, o ator Sean Penn, sua família, sua mãe perdida e até sua crença em Deus.[8]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

"Ela começaria a escrever letras e, muitas vezes, havia uma melodia implícita. Ela iria começar com isso e se desviar disso. Ou se não houvesse nada além de uma mudança de acordes, ela inventaria uma melodia. Mas, na maior parte do tempo em que escrevo, há uma melodia implícita ou até tenho algo em mente. Mas ela certamente não precisa disso. [...] Ela escrevia as letras em uma hora, a mesma quantidade de tempo que eu levava para escrever a música, e depois ela cantava. Fizemos algumas harmonias, ela cantava algumas partes da harmonia e, geralmente, às três ou quatro da tarde, ela tinha ido embora".

—Produtor Patrick Leonard falando sobre trabalhar com Madonna em Like a Prayer.[9][10]

Like a Prayer foi nomeado após a influência do catolicismo no início da vida de Madonna, bem como suas lutas com a religião; "O tema do catolicismo é desenfreado", disse ela. "Sou eu lutando com o mistério e a magia que o cercam. Meu próprio catolicismo está em constante reviravolta."[11] As sessões de gravação ocorreram de setembro de 1988 a janeiro de 1989.[12][13] Em 27 de janeiro de 1989, um comunicado de imprensa do The Albany Herald disse que o álbum incluiria "várias faixas de dança quente", mas notou que "muito do material [...] é de tom pessoal."[14] A cantora descreveu como uma coleção de músicas "sobre minha mãe, meu pai e laços com a minha família. [...] É preciso muita coragem para fazer isso".[12] Ela também disse que seria seu trabalho "mais diferente" até o momento; "Foi um verdadeiro recorde de amadurecimento para mim emocionalmente, eu tive que fazer muita pesquisa espiritual, e eu acho que é um reflexo disso [...] eu não tentei bombar qualquer coisa ou torná-la mais palatável para consumo em massa, eu escrevi o que senti".[7][10][12] Ela disse à revista Rolling Stone "No passado, meus discos tendem a ser um reflexo das influências atuais. Este álbum é mais sobre influências musicais passadas".[7] Ela escolheu colaborar com Stephen Bray e Patrick Leonard, com quem colaborou em seu álbum de estúdio anterior True Blue (1986) e na trilha sonora de Who's That Girl (1987).[15] Tanto Bray quanto Leonard queriam trazer seu estilo único para o projeto, e eles desenvolveram músicas completamente diferentes para a faixa-título. Eventualmente, Madonna sentiu que a música apresentada a ela por Leonard era mais interessante, e ela começou a trabalhar com ele. Segundo o cantor, Leonard também enfrentava turbulências emocionais; "Eu estava trabalhando com Pat, que também estava em um estado de espírito muito sombrio, e nós trabalhamos em um lugar muito isolado no Vale".[8][10] Em 6 de janeiro de 1989, após um pedido de divórcio anulado no final de 1987 e várias lutas divulgadas, uma das quais levou a uma pena de prisão de 60 dias, Madonna e Sean Penn pediram o divórcio.[16] Este incidente inspirou a música "Till Death Do Us Part".[17] O resto das músicas foi escrito em duas semanas; com "Like a Prayer", "Cherish" e "Spanish Eyes" sendo escritos na primeira semana.[10] E muitas vezes o vocal que ela fez era o vocal principal, nós nem mesmo mudamos o vocal principal.[9] O cantor e musicista, Prince, tocou guitarra em três músicas do álbum, "Like a Prayer", "Keep It Together" e "Act of Contrition", embora permanecesse sem créditos.[18] Prince e Madonna também trabalharam juntos na faixa "Love Song". A música foi gravada no estúdio Paisley Park Records; "Nós éramos amigos e conversávamos sobre trabalhar juntos, então fui a Minneapolis para escrever algumas coisas com ele, mas a única coisa que eu realmente cavei foi 'Love Song' [...] Nós terminamos escrevendo em longa distância, porque eu tinha que estar em LA e ele não podia deixar Minneapolis, e francamente eu não suportava Minneapolis. Quando eu fui lá, era 20 graus abaixo de zero, e estava realmente desolada. Eu estava infeliz e não conseguia escrever ou trabalhar naquelas circunstâncias", recordou Madonna.[10]

Para a arte do álbum, a cantora escolheu trabalhar com o fotógrafo Herb Ritts, que também fotografou a artista para a capa do disco anterior. Inicialmente, as fotos da sessão com Ritts deveriam ser usadas na embalagem do single principal, o que não ocorreu.[19] Para o ensaio fotográfico, ela decidiu pintar seu cabelo loiro, de castanho. "Eu amo cabelo loiro, mas realmente traz algo diferente para você. Eu me sinto mais aterrada quando fico de cabelo escuro. É inexplicável. Eu também me sinto mais italiana quando meu cabelo está escuro", comentou ela.[20] A arte da capa apresenta um close-up da seção média do jeans e do diafragma nu.[10][21] A capa foi vista como uma referência a Sticky Fingers, disco de 1971 dos The Rolling Stones.[10][22] As embalagens das primeiras prensagens do CD, cassete e LP foram perfumadas com óleos de patchouli para simular o incenso da igreja.[23] Um publicitário da Warner Bros. Records revelou que essa foi a ideia da cantora; "Ela queria criar um sabor dos anos 60 e da igreja. Ela queria criar um sentimento sensual que você pudesse ouvir e cheirar...".[23] No encarte também incluíram uma inserção com orientações de sexo seguro e uma advertência sobre os perigos da AIDS, para a qual Madonna tinha perdido amigos.[24] Sua inclusão foi decidida depois que a Warner Bros. concordou em lançar um álbum do comediante Sam Kinison no ano anterior, embora ele tenha afirmado que a AIDS vem de gays envolvidos em bestialidade.[25] Madonna dedicou o álbum à sua mãe, "me ensinou a rezar".[26]

Composição[editar | editar código-fonte]

"Like a Prayer é sobre a influência do catolicismo em minha vida e a paixão que isso provoca em mim. Nestas músicas estou lidando com questões específicas que significam muito para mim. Eles são sobre uma assimilação de experiências que eu tive em minha vida e meus relacionamentos. Eu tomei mais riscos com este álbum do que eu já tive antes, e eu acho que o crescimento mostra."

—Madonna falando sobre as músicas em Like a Prayer.[27]

De acordo com Stephen Holden, o álbum "repleto de ecos dos anos 60 e início dos anos 70 – dos Beatles, Simon & Garfunkel, e Sly and the Family Stone – tudo se mostrou com um ousado, embora ocasionalmente chocante, senso de carisma dos anos 80".[11] Nas próprias palavras de Madonna, as canções "entrelaçam sua busca pela fé com sua busca por sua mãe".[11] A faixa de abertura é "Like a Prayer", que também foi a primeira música desenvolvida para o álbum.[28] Uma vez que Madonna conceituou a maneira como ela interpunha suas idéias com a música, ela escreveu a música em cerca de três horas.[28] Ela descreveu "Like a Prayer" como a canção de uma jovem apaixonada "tão apaixonada por Deus que é quase como se ele fosse a figura masculina em sua vida."[29] É uma música pop rock com elementos da música gospel. Um coral fornece vocais de fundo que aumentam a natureza espiritual da música, e uma guitarra rock mantém a música sombria e misteriosa.[30] A segunda faixa, "Express Yourself", fala sobre rejeitar os prazeres materiais e apenas aceitar o melhor para si mesmo; ao longo da música, subtextos são empregados.[31] Segundo a cantora, a faixa é uma homenagem a Sly & the Family Stone.[7] A terceira faixa, "Love Song", é um dueto com o cantor Prince. A canção foi co-escrita por Madonna e Prince e apresenta "violões de guitarra de discoteca de assinatura do artista através de sintetizadores de Madonna".[32][33] Originalmente intitulada "State of Matrimony", a música Till Death Do Us Part" fala sobre a violenta dissolução do casamento de Madonna.[10][17] Foi descrito como "uma balada ansiosa e nervosa que descreve um casamento tomado por bebedeiras, brigas violentas e um marido possessivo que se auto-odiava".[11] A próxima música, "Promise to Try", fala sobre a morte da mãe de Madonna. Em uma parte da música, ela especificamente pergunta "Ela ouve minha voz na noite quando eu ligo?". Mais tarde, um adulto parece advertir uma criança com as falas: "Garotinha, não se esqueça do seu rosto/Não deixe a memória brincar com a sua mente/Ela é um sorriso desbotado congelado no tempo".[32][34]

A sexta faixa e o terceiro single de Like a Prayer é "Cherish". Construído em torno dos temas de amor e relacionamento, com Romeu e Julieta, de William Shakespeare, sendo uma das maiores inspirações, a música inclui uma verso de "Cherish", da banda de 1960 The Association.[31] As letras de "Cherish" tornam uma simples canção de amor, onde Madonna fala sobre devoção e ter seu amante ao seu lado, de quem ela nunca iria sair.[35] A faixa seguinte "Dear Jessie"; de acordo com Rikky Rooksby, a música soa mais como uma canção de ninar infantil do que uma música pop.[36] As letras encorajam a garotinha Jessie a usar sua imaginação. Convoca uma paisagem psicodélica, onde os elefantes cor-de-rosa vagueiam com luas e sereias dançantes. Ela faz referência a personagens de contos de fadas e cria uma imagem de crianças brincando umas com as outras.[37] A oitava canção do álbum, "Oh Father", fala sobre a presença de figuras masculinas autoritárias na vida de Madonna, mais proeminente seu pai, Tony Ciccone.[38] O autor J. Randy Taraborrelli falou que "Till Death Do Us Part", "Promise To Try" e "Oh Father" foram canções onde Madonna tentou "se livrar de certos demônios".[39] As letras de "Keep It Together" falam sobre a importância da família de Madonna como uma forma de estabilidade em sua vida.[40] As músicas finais de Like a Prayer são "Spanish Eyes" e "Act of Contrition". "Spanish Eyes" é dito que "confrontou a questão ainda tabu da AIDS".[41] Carol Benson e Allen Metz, autores de The Madonna Companion: Two Decades of Commentary, descreveram a música como "um cruzamento entre "Spanish Harlem" de Ben E. King e algo de Billy Joel".[42] A última música, "Act of Contrition", mostra Madonna recitando o Ato de Contrição da oração católica, e então os vocais se deterioram em um monólogo em que Madonna se torna uma pessoa barulhenta ao ser negada uma reserva de restaurante.[43]

Promoção[editar | editar código-fonte]

Madonna cantando os singles "Cherish" (esquerda) e "Oh Father" (direita) durante a Blond Ambition World Tour, 1990.

Madonna apresentou uma versão energética de "Express Yourself" durante o MTV Video Music Awards de 1989. Ela começou a performance descendo de escadas, usando um terno listrado e um monóculo.[44] Logo em seguida, ela retirou o casaco mostrando seu bustiê, e junta com suas cantoras de apoio Niki Haris e Donna De Lory, realizou uma dança chamada voguing.[44] Ian Inglis, autor de Performance and Popular Music: History, Place and Time, observou que a importância histórica do desempenho de Madonna no Video Music Awards se deve ao local televisivo. Inglis explicou que, como a performance de Madonna era marcante principalmente como um número de produção de dança de alta energia, provocativamente coreografado, passou a destacar a parte 'TV' da MTV, e de certa forma anunciava a ela e à rede como um árbitro cultural.[44] Em agosto de 1989, para promover o lançamento de Like a Prayer no Japão, a Warner Music lançou um extended play chamado Remixed Prayers, que incluía vários remixes de "Like a Prayer" e "Express Yourself". Foi lançado exclusivamente no Japão até julho de 1993, quando foi lançado na Austrália para celebrar a primeira visita de Madonna ao país como parte de sua turnê Girlie Show World Tour.[45] O EP alcançou o número 24 na parada semanal de álbuns da Oricon e esteve presente no gráfico por cinco semanas.[46]

Singles[editar | editar código-fonte]

A faixa-título foi lançada como o single principal em 3 de março de 1989. A música foi aclamada pela crítica e foi um sucesso comercial. Tornou-se o sétimo número um da Madonna na Billboard Hot 100 dos Estados Unidos, e liderou as paradas de singles na Austrália, Canadá, Irlanda, Itália, Japão, Suécia, Reino Unido e outros países.[47][48][49][50][51][52][53] "Express Yourself" foi lançado como o segundo single do álbum em 9 de maio de 1989. A música recebeu críticas positivas dos críticos, que aplaudiram a mensagem de igualdade de gênero da música e elogiaram a música por ser um hino à liberdade e encorajamento para as mulheres e todas as minorias oprimidas. Comercialmente, a música chegou ao número dois na Billboard Hot 100 e se tornou o sexto número um de Madonna na parada European Hot 100 Singles. Também alcançou o topo das paradas de singles no Canadá, Itália e Suíça, e os cinco primeiros em outros lugares.[54][55][56][57]

Lançado como o terceiro single do álbum, "Cherish" se tornou um sucesso comercial, alcançando o top dez das paradas em lugares como Austrália, Bélgica, Canadá, Irlanda e Itália.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

"Cherish" foi lançado como o terceiro single em 1 de agosto de 1989. Após seu lançamento, a música recebeu resposta positiva dos revisores, que ficaram surpresos com a mudança de conteúdo e a imagem mais clara da música de Madonna, ao contrário de seus singles anteriores, Like a Prayer, que incorporaram temas como religião e sexualidade. Foi um sucesso comercial, alcançando o top dez das paradas na Austrália, Bélgica, Canadá, Irlanda, Itália, Reino Unido e no European Hot 100 Singles.[58][59][60][61][62][63] Na Billboard Hot 100, "Cherish" se tornou o 16º single consecutivo de Madonna, estabelecendo um recorde na história do chart.[64] Ele também contou com o lado b, "Supernatural", anteriormente inédito do álbum. Lançado em 24 de outubro de 1989 como o quarto single, "Oh Father" recebeu críticas positivas de críticos e autores, mas comercialmente teve menos sucesso do que os singles anteriores de Madonna. Na maioria dos países em que foi lançada, a música não conseguiu chegar às dez primeiras posições, exceto na Finlândia e na Itália, onde alcançou o número seis.[65][66][67]

"Dear Jessie" foi lançado como o quinto single de Like a Prayer em 10 de dezembro de 1989. O lançamento de "Dear Jessie" foi limitado ao Reino Unido, alguns outros países europeus, Austrália e Japão.[68][69][70] Após o seu lançamento, "Dear Jessie" recebeu críticas mistas dos críticos, que se queixaram do exagerado imaginário da música, mas elogiaram a sua composição. A canção foi um sucesso moderado comercialmente, alcançando o top 10 no Reino Unido e na Irlanda e o top 20 na Alemanha, Espanha e Suíça.[71][72][73] "Keep It Together" foi lançado em 30 de janeiro de 1990 como o sexto e último single de Like a Prayer. A música recebeu críticas mistas dos críticos, mas foi comercialmente bem sucedida; atingindo o número oito na Billboard Hot 100 e nas paradas canadenses, enquanto no topo da parada de dança nos Estados Unidos.[74][75] Na Austrália, alcançou o topo das paradas, juntamente com o lançamento seguinte de Madonna, "Vogue".[76]

Turnê[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Blond Ambition World Tour

Like a Prayer, junto do trabalho seguinte de Madonna, I'm Breathless, foi promovido em sua terceira turnê, a Blond Ambition World Tour, que visitou a Ásia, América do Norte e Europa. Originalmente prevista para percorrer o mundo em 1989, a turnê seria intitulada como "Like a Prayer World Tour", porém mudanças de planos ocorreram com o rompimento do contrato entre a artista e a Pepsi, que seria uma das principais patrocinadoras da turnê. O show consistiu em de 57 datas e cada show foi dividido em cinco blocos diferentes; o primeiro inspirado pelo filme expressionista alemão de 1927, Metropolis, o segundo por temas religiosos, o terceiro pelo filme Dick Tracy e o cabaret, o quarto por Art Deco, e o quinto foi um encore.[77] O show continha temas sexuais e imagens católicas, como nas performances de "Like a Prayer" e "Oh Father", que se baseavam em ambientes semelhantes a igrejas, com Madonna vestindo um crucifixo e seus dançarinos vestidos como padres e freiras. Momentos mais leves incluíram a apresentação de "Cherish", que contou com dançarinos vestidos como criaturas marinhas e Madonna tocando harpa. O concerto foi criticado por seu conteúdo sexual e imagens religiosas; em Toronto, Canadá, Madonna foi ameaçada de ser presa por obscenidade,[78] e a carta do Papa João Paulo II pedia um boicote, com uma das três datas italianas sendo canceladas. Apesar disso, a turnê foi um sucesso crítico, ganhando o "Most Creative Stage Production" no Pollstar Concert Industry Awards em 1990.[79] Dois shows diferentes foram gravados e lançados em vídeo, Blond Ambition: Japan Tour 90, gravado em Yokohama, Japão, em 27 de abril de 1990,[80] e Blond Ambition World Tour 90, gravado em Nice, França, em 5 de agosto de 1990.[81] Em 1991, a cantora levou uma multidão para assistir nos cinemas um documentário sobre os bastidores da turnê. Sob o título de Na Cama com Madonna (No Canadá e nos Estados Unidos o filme foi chamado de Truth or Dare), obteve um enorme sucesso de crítica e público, rendendo à Madonna a sétima maior bilheteria de um documentário da história e a terceira maior bilheteria de um filme musical de todos os tempos.

Recepção critica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 5 de 5 estrelas.[82]
Blender 4 de 5 estrelas.[83]
Chicago Sun-Times 3.5 de 4 estrelas.[84]
Entertainment Weekly A[85]
NME 10/10[86]
Pitchfork 9.0/10[87]
Q 5 de 5 estrelas.[88]
Rolling Stone 3.5 de 5 estrelas.[17]
The Rolling Stone Album Guide 5 de 5 estrelas.[89]
The Village Voice B+[90]

Like a Prayer recebeu aclamação da crítica. Stephen Thomas Erlewine, da AllMusic, disse em retrospectiva que foi a "tentativa mais explícita de Madonna em uma declaração artística importante", e que, embora esteja tentando ser "séria", Madonna oferece uma série de canções pop bem escritas, tornando o álbum "melhor e mais consistente".[82] No The Rolling Stone Album Guide, Barry Walters escreveu que, com suas canções mais substancial que "cobriam tópicos como abuso conjugal e negligência familiar", Like a Prayer "elevou efetivamente a aposta de Madonna como uma artista séria".[91] Annie Zaleski, do site de entretenimento The A.V. Club, elogiou o álbum por "ser ousado o suficiente para se aprofundar em seus problemas parentais", e chamou-o de "o primeiro disco realmente substancial de Madonna, a linha divisória entre seus dias alegres de garota do clube e os sons maduros e temas que cada vez mais marcaram seu trabalho nos anos 90".[7] Na revista Rolling Stone, o crítico J. D. Considine escreveu que a fama de Madonna até então foi construída mais sobre "imagem do que arte", mas que com Like a Prayer Madonna estava pedindo, com sucesso, que fosse levada a sério; "A ousadia em suas letras, ambiciosa em seus sons sonoros, esta é de longe o álbum mais sério que ela fez". Considine concluiu que o seu álbum é "tão próximo da arte quanto a música pop ... prova não apenas que Madonna deveria ser levada a sério como artista, mas que a dela é uma das vozes mais convincentes dos anos oitenta".[17] Robert Christgau, do The Village Voice, lamentou a "psicodelia infantil" de "Dear Jessie" e ficou indiferente a "Promise to Try" e "Act of Contrition", mas senti que todas as outras músicas foram memoráveis, especialmente a "oração do filho da puta" de "Like a Prayer" e o "emocionante", com o tema da independência de "Oh Father" e "Express Yourself".[90] Lloyd Bradley da Q disse: "musicalmente é variado, inesperado e longe de ser instantaneamente acessível; liricamente, é comovente, inteligente e sincero."[88] Edna Gundersen do USA Today escreveu que o álbum era "Liricamente [...] uma festa confessional, com a educação católica de Madonna como o prato principal. As canções são repletas de toques religiosos, arranjos espirituais e hinários e uma série de referências à alegria, fé, pecado e poder".[92] O crítico da NME, David Quantick, elogiou-o como "um exemplo brilhante, pensativo, surpreendente e alegre de música popular."[86]

Jonathan Takiff, do The Philadelphia Inquirer, elogiou o álbum por ser "sério e reflexivo, às vezes fortemente carregado de traumas psíquicos". Você pode considerar Like a Prayer [da Madonna] como Misfits... ou a hora dela no confessionário".[93] Sal Cinquemani, da Slant Magazine, descreveu o álbum como "uma coleção de confeitos pop em camadas com instrumentação ao vivo, arranjos sofisticados, letras profundamente sentidas e um vocal mais forte e mais seguro."[41] A revisão concluiu declarando Like a Prayer como "um dos álbuns pop quintessenciais de todos os tempos.[41] Barry Walters, do San Francisco Examiner, nomeou o álbum "A melhor e mais consistente coleção de [Madonna] [...] ainda o álbum [onde Madonna] cruza a linha entre artesanato e inspiração. Desde o início, ela teve uma compreensão intuitiva de como fazer um bom show. Agora ela tem a coragem de nos mostrar o que está dentro".[94] Editor sênior do The Cavalier Daily, Chaz Repak, elogiou as composições "melhoradas" de Madonna; "sua fé religiosa e seu casamento com Sean Penn, são completamente bem escritos", no entanto, ele terminou sua revisão em uma nota mais crítica, dizendo: "Like a Prayer constitui o melhor trabalho de Madonna até hoje. Mas depois de um trabalho como "Material Girl", "Burning Up" e "Open Your Heart", isso não significa muito."[95] Críticas negativas vieram da revista Spin. O revisor Christian Logan escreveu: "Em Like a Prayer, seu relacionamento com Madonna muda de música para música, e isso deixa você desconfortável. É como sentar em uma mesa com uma amiga que está falando muito sobre si mesma com pessoas que ela não conhece".[96] Joe Levy, da mesma revista, também foi crítico, escrevendo que "não há muita Madonna velha, nada da geração de mulheres que cresceu em seu caminho: Regina, Debbie Gibson e Taylor Dayne", mas destacaram "Keep It Together" como "a única grande música de dança do álbum".[96] No final de 1989, Like a Prayer foi eleito o 18º melhor disco do ano no Pazz & Jop, uma pesquisa anual da crítica americana publicada pelo The Village Voice e indicada ao Grammy Award por Best Engineered Album.[97][98]

Legado[editar | editar código-fonte]

Madonna cantando a faixa-título "Like a Prayer" na Sticky & Sweet Tour. A música marcou um ponto de virada em sua carreira e ela começou a ser vista como uma empresária eficiente.

Nicholas Fonseca, da Entertainment Weekly, sentiu que Like a Prayer marcou "um ponto de inflexão oficial" da carreira de Madonna, o que lhe rendeu "uma dose muito esperada e significativa de aclamação da crítica".[85] Mark Savage, da BBC, observou que o lançamento do álbum "marca o momento em que os críticos começam a descrever Madonna como artista, em vez de uma mera cantora pop."[99] Glen Levy, da Time, declarou: "Madonna sempre foi uma estudiosa da história da cultura pop, e seus poderes criativos provavelmente estavam no auge no final dos anos 80, no álbum Like a Prayer."[100] Hadley Freeman do The Guardian opinou que Like a Prayer moldou "como pop stars, música pop, videoclipes, amor, sexo e os anos 80 foram e deveriam ser".[101] Jon Pareles, do The New York Times, disse que "[Like a Prayer] agarrou, desafiadoramente, a linguagem e as imagens cristãs".[102] De acordo com a lista de "All-Time 100 Albums" dos críticos da revista Time, Like a Prayer é uma das 100 maiores e mais influentes compilações musicais desde 1954.[103] Em 2003, a revista Rolling Stone classificou-o como o 239º maior álbum de todos os tempos.[104] Além disso, o álbum também foi destaque na lista "Women Who Rock" feita em 2012, no número 18.[105] Like a Prayer também é destaque no livro 1001 Albums You Must Hear Before You Die,[106] um livro de referência musical lançado em 2006. Em 2006, a revista Q colocou o álbum no número 14 em sua lista de "40 melhores álbuns dos anos 80".[107] Em 2005, uma pesquisa de meio milhão de pessoas na rede de televisão britânica Channel 4 colocou Like a Prayer no número oito da lista dos "100 melhores álbuns da história da música".[108] Em 2012, a revista Slant listou o álbum no número 20 em sua lista de "Melhores álbuns da década de 1980", dizendo: "No final dos anos 80, Madonna já era uma das maiores estrelas pop de todos os tempos, mas com Like a Prayer, ela se tornou uma das mais importantes".[109]

Taraborrelli escreveu que Like a Prayer foi um ponto de virada na carreira de Madonna; "Todo artista importante tem pelo menos um álbum em sua carreira cujo sucesso crítico e comercial se torna o momento mágico do artista; para Madonna [...] Like a Prayer era. [Madonna] avançou como artista, usando sua inteligência criativa para se comunicar em outro nível, musicalmente."[110] Kenneth G. Bielen, autor de The Lyrics of Civility: Biblical Images and Popular Music Lyrics in American Culture, escreveu que com o álbum Madonna começou a ser vista como uma artista séria; "Cinco anos antes, ela era um dance-pop 'Boy-Toy'. Com Like a Prayer, ela provou que era uma artista que podia pensar com mais do que seu corpo".[111] Thomas Harrison no livro Music of the 1980s, documentou que Like a Prayer ultrapassou os limites ao abordar "tópicos de músicas desconfortáveis".[112] Da mesma forma, Annie Zaleski da The A.V. Club, elogiou o álbum por "iniciar uma conversa sobre religião", que continua sendo um dos tópicos mais incendiários que um músico pode abordar. [...] Tudo isso apontou Madonna se estabelecendo como uma artista séria (ênfase na "arte") que tinha coisas significativas para dizer".[7] Ela também escreveu:

A continuação do álbum no número 1 impulsionou sua autoconfiança e bravura, e validou que as pessoas estavam dispostas a segui-la mesmo quando ela se transformava em adulta. E até hoje, Like a Prayer continua sendo provocativo e progressivo: a tensão racial mencionada no vídeo de "Like A Prayer" é impressionante, enquanto os temas de opressão religiosa e sexual do álbum ainda parecem muito relevantes. Madonna ditou a direção futura do pop enquanto também estava firmemente no controle de suas próprias fortunas.[7]

De acordo com Christopher Rosa da VH1, "Like a Prayer foi o primeiro álbum pop a evocar o que as artistas femininas exploram hoje: sexualidade, religião, igualdade de gênero e independência. Foi pioneira, e nenhuma mulher na música chegou perto de fazer algo tão inovador." Ele acreditava que o álbum era seu pico de influência cultural e musical, dizendo que "Madonna passou de um pop animado a um artista sério que recebeu seu primeiro ataque de aclamação universal". Rosa também afirmou que Like a Prayer será sempre mais influente do que os álbuns "definitivos" de artistas femininas contemporâneas, como Blackout (2007), The Fame Monster (2009) e Beyoncé (2013).[113][114] Madonna tentou experimentar diferentes formas e estilos com os vídeos e, no processo, construiu um novo conjunto de imagem e identidade.[115] Com o lançamento de Like a Prayer, o impacto de Madonna culminou durante a década de 1980, e muitas publicações nomearam-na artista da década.[116] Art Tavana da LA Weekly opinou que "Like a Prayer foi o momento em que Madonna deixou de ser a voz dos adolescentes americanos para a alta sacerdotisa mundial do pop".[117] A cantora Taylor Swift explicou que com o álbum Madonna fez "as decisões mais incríveis, ousadas e arriscadas, tanto quanto a música pop", citando a faixa-título como "legitimamente uma das maiores canções pop de todos os tempos".[118]

De acordo com Douglas Kellner, o álbum e seus singles foram particularmente influentes no campo de vídeos músicas.[119] O vídeo da faixa-título "Like a Prayer", que mostrava Madonna como testemunha do assassinato de uma menina branca por supremacistas brancos, símbolos católicos como estigmas, estilo cruz do estilo Ku Klux Klan e um sonho de beijar um negro santo, foi extremamente controverso e ganhou muita atenção. Jon Pareles escreveu que o vídeo "colocou um circo da mídia em movimento, agitando apenas as questões de sexualidade e religiosidade que Madonna queria abordar".[102] O Vaticano condenou o vídeo enquanto os críticos o acusavam de sacrilégio e heresia.[22] Madonna comentou: "A arte deve ser controversa, e isso é tudo o que existe para ela."[11] Taraborrelli escreveu que a música e seu vídeo também serviram para reforçar a reputação de Madonna como "uma empresária astuta, alguém que sabe como vender um conceito."[120] Stewart M. Hoover escreveu que o videoclipe empurrou os limites "trazendo imagens religiosas tradicionais para o contexto da música popular".[121] Da mesma forma, Daniel Welsh do The Huffington Post, escreveu que o vídeo "catapultou Madonna para as fileiras do heavy metal, e provou para o mundo que ela realmente significava negócios".[122] O videoclipe de "Express Yourself" também foi notado pelos críticos por sua exploração da sexualidade feminina e chegou à conclusão de que a imagem masculina de Madonna no vídeo era de flexão de gênero; os autores Santiago Fouz-Hernández e Freya Jarman-Ivens comentaram que "o vídeo retrata a abordagem desconstrutiva de flexão de gênero associada ao livre jogo e à auto-reflexividade das imagens no pós-modernismo."[123] O autor John Semonche explicou em seu livro Censoring sex que com True Blue e Like a Prayer, Madonna empurrou o envelope do que poderia ser mostrado na televisão, o que resultou em aumento de sua popularidade.[124]

Faixas[editar | editar código-fonte]

Edição original[26]
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
1. "Like A Prayer"  
  • Madonna
  • Leonard
5:41
2. "Express Yourself"  
  • Madonna
  • Bray
4:39
3. "Love Song" (com Prince)
  • Madonna
  • Prince
  • Madonna
  • Prince
4:52
4. "Till Death Do Us Part"  
  • Madonna
  • Leonard
  • Madonna
  • Leonard
5:16
5. "Promise to Try"  
  • Madonna
  • Leonard
  • Madonna
  • Leonard
3:36
6. "Cherish"  
  • Madonna
  • Leonard
  • Madonna
  • Leonard
5:03
7. "Dear Jessie"  
  • Madonna
  • Leonard
  • Madonna
  • Leonard
4:20
8. "Oh Father"  
  • Madonna
  • Leonard
  • Madonna
  • Leonard
4:57
9. "Keep It Together"  
  • Madonna
  • Bray
  • Madonna
  • Bray
5:03
10. "Spanish Eyes"  
  • Madonna
  • Leonard
  • Madonna
  • Leonard
5:15
11. "Act of Contrition"  
  • Madonna
  • Leonard
  • Madonna
  • Leonard
2:19
Duração total:
51:16

Notas[26]

  • "Spanish Eyes" foi re-intitulada "Pray for Spanish Eyes" em algumas edições do álbum.
  • Nas notas do álbum "The powers that be" (Madonna e Patrick Leonard) são creditados como produtores de "Act of Contrition".

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, Like a Prayer estreou no número 11 na Billboard 200, na edição de 8 de abril de 1989.[125] Ele rapidamente subiu para o topo da parada depois de sua terceira semana, onde permaneceu por seis semanas consecutivas, tornando-se o mais antigo álbum número 1 de Madonna.[126][127] O álbum passou um total de 77 semanas no gráfico.[125] O álbum também alcançou o número 55 no Top R&B/Hip-Hop Albums.[128] Ele foi certificado multi Platina pela Recording Industry Association of America (RIAA) pelas três milhões de unidades vendidas.[129] Após o advento da era Nielsen SoundScan em 1991, o álbum vendeu mais 575,000 cópias.[130] Like a Prayer já vendeu mais de 4 milhões de cópias nos Estados Unidos.[131] No Canadá, o álbum estreou em segundo lugar no RPM Albums Chart em 1 de maio de 1989.[132] O álbum esteve presente por um total de 37 semanas no gráfico, e foi certificado cinco vezes platina pela Canadian Recording Industry Association (CRIA) pelas 500,000 cópias vendidas.[133]

No Reino Unido, Like a Prayer estreou em primeiro lugar no UK Albums Chart, em 1 de abril de 1989. Permaneceu nessa posição por duas semanas e um total de 72 semanas no gráfico.[134] O álbum foi certificado quatro vezes platina em 1 de fevereiro de 1995 pelas 1.2 milhão de cópias vendidas.[135] Na França, o álbum estreou em primeiro lugar na French Albums Chart em 9 de abril de 1989, permanecendo lá por duas semanas, depois descendo pela tabela, tendo passado um total de trinta e seis semanas.[136] Em julho de 1989, foi certificado com platina pela Syndicat National de l'Édition Phonographique (SNEP) pelos 300,000 exemplares vendidos e, mais uma vez, em 2001, pelas 600,000 cópias vendidas.[137] Na Holanda, Like a Prayer entrou no MegaCharts no número quatro durante a semana de 4 de abril de 1990. Eventualmente, alcançou a primeira posição, permanecendo um total de trinta e duas semanas no gráfico.[138] Na Alemanha, Like a Prayer liderou o gráfico de álbuns do Media Control por um mês, e mais tarde foi certificado como ouro pela Bundesverband Musikindustrie (BVMI) por ter vendido mais de 750,000 cópias.[139] O álbum teve sucesso comercial nos países da Ásia-Pacífico. No Japão, Like a Prayer alcançou o primeiro lugar na Oricon Albums Chart e permaneceu na parada por 22 semanas.[140] No Japan Gold Disc Awards de 1990, realizado pela Associação da Recording Industry Association of Japan (RIAJ), Madonna ganhou três prêmios de Melhor Álbum do Ano – Pops Solo, Álbum do Grand Prix do Ano e Grande Prêmio do Ano; os dois últimos foram dados para o álbum internacional mais vendido e o artista internacional mais vendido do ano, respectivamente.[141] Ele também se tornou seu sexto álbum de platina em Hong Kong, o mais importante para qualquer artista internacional da década.[142]

Na Austrália, Like a Prayer estreou e atingiu o número quatro em 2 de abril de 1989.[143] Foi certificado com platina quádruplo pela Australian Recording Industry Association (ARIA) pelas 280.000 cópias vendidas.[144] Na Nova Zelândia, o álbum atingiu o número dois e foi certificado com platina dupla pela Recorded Music NZ.[145][146] Like a Prayer já vendeu mais de 15 milhões de cópias em todo o mundo.[147][148]

Referências

  1. Taraborrelli 2002, p. 217
  2. Press release (25 de maio de 1990). «Michael, Madonna Top 'Billboard' Poll». Cox Enterprises. Dayton Daily News: 23. ISSN 0897-0920 
  3. Bego 2000, p. 232
  4. Rooksby 2004, p. 30
  5. Johnston, Becky (maio de 1989). «Confession of a Catholic Girl». Brant Publications. Interview. ISSN 0149-8932 
  6. a b O'Brien 2007, p. 120
  7. a b c d e f g Zaleski, Annie (14 de novembro de 2014). «Madonna's Like A Prayer remains a provocative, substantial pop record». The A.V. Club. Consultado em 20 de março de 2015 
  8. a b c Taraborrelli 2002, p. 168
  9. a b Caulfield, Keith (21 de março de 2014). «Madonna Producer Patrick Leonard Talks 'Like A Prayer' at 25». Billboard. Consultado em 18 de março de 2015 
  10. a b c d e f g h Rosen, Craig (26 de março de 2014). «Madonna's 'Like a Prayer' Turns 25! 10 Things You Might Not Know». Yahoo!. Consultado em 18 de março de 2015 
  11. a b c d e Holden, Stephen (19 de março de 1989). «Madonna re-creates herself – again». The New York Times. Consultado em 16 de março de 2015 
  12. a b c Burnett, Bryan (1 de março de 1989). «Of the Pops, with the big news on Madonna». Evening Times. Consultado em 18 de março de 2015 
  13. McKeen 2000, p. 233
  14. «Release set». The Albany Herald. 27 de janeiro de 1989. Consultado em 1 de fevereiro de 2010 
  15. Britt, Bruce (3 de março de 1989). «Madonna album set for release». The Lewiston Journal. Consultado em 18 de março de 2015 
  16. «Madonna and Sean Penn to end their marriage». The New York Times. Associated Press. 7 de janeiro de 1989. Consultado em 29 de abril de 2015 
  17. a b c d Considine, J. D. (6 de abril de 1989). «Like a Prayer». Rolling Stone. Consultado em 16 de março de 2015 
  18. Zollo, Paul (17 de junho de 2013). Songwriters on Songwriting 4 ed. [S.l.]: Da Capo Press. ISBN 978-0-306-81265-1 
  19. Voller 1999, p. 30
  20. Smith, Liz (16 de março de 1989). «Soon-to-be single Madonna revs up career». Sarasota Herald-Tribune. New Media Investment Group. Consultado em 18 de março de 2015 
  21. Ferman, Dave (5 de março de 1998). «Chronology: From Material Girl to Evita». Lakeland Ledger. New Media Investment Group. Consultado em 18 de março de 2015 
  22. a b Freccero, Carla (1992). «Our Lady of MTV: Madonna's 'Like a Prayer'». Duke University Press. Boundary 2. 19 (2): 163–175. Consultado em 18 de março de 2015 
  23. a b «Making scents of Madonna». TimesDaily. Tennessee Valley Printing Co. 28 de junho de 1989. Consultado em 1 de fevereiro de 2010 
  24. Smith, Michael R (14 de setembro de 2008). «Like A Prayer». The Daily Vault. Consultado em 18 de março de 2015 
  25. Holden, Stephen (29 de março de 1989). «The Pop Life». New York Times. Consultado em 17 de janeiro de 2016 
  26. a b c Like a Prayer (Liner notes). Warner Bros. Sire Records. 1989. 925844-2 
  27. Taraborrelli 2002, p. 150
  28. a b Bronson 2003, p. 727
  29. Perricone, Kathleen (20 de abril de 2011). «Lady Gaga on Madonna plagiarism: Accusations she ripped off 'Express Yourself' are 'retarded'». Daily News. Nova Iorque. Consultado em 16 de março de 2015 
  30. Rooksby 2004, p. 33
  31. a b Rooksby 2004, pp. 34–35
  32. a b Partridige, Kenneth (14 de março de 2014). «Madonna's 'Like a Prayer' at 25: Classic Track-by-Track Review». Billboard. Consultado em 17 de março de 2015 
  33. Norman, Tony (5 de maio de 1989). «Madonna stretches on 'Prayer'». Pittsburgh Post-Gazette. Consultado em 17 de março de 2015 
  34. Dunn & Jones 1994, p. 241
  35. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 181
  36. Rooksby 2004, p. 35
  37. O'Brien 2007, p. 198
  38. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 110
  39. Taraborrelli 2002, p. 176
  40. Rooksby 2004, p. 36
  41. a b c Cinquemani, Sal (11 de outubro de 2003). «Madonna: Like a Prayer». Slant Magazine. Consultado em 16 de março de 2015 
  42. Metz & Benson 1999, pp. 13
  43. Bernard & Marsh 1994, pp. 103
  44. a b c Inglis 2006, p. 136
  45. Kot, Greg (16 de dezembro de 1990). «Shocking stuffers Madonna and Ice Cube carefully craft controversy _ and it sells». Chicago Tribune. Consultado em 9 de junho de 2010 
  46. リミックス・プレイヤーズ (em japonês). Oricon. 25 de agosto de 1989. Consultado em 10 de junho de 2010. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  47. «Madonna – Like a Prayer (Song)». Australian Recording Industry Association. Hung Medien. Consultado em 16 de março de 2015 
  48. «Top Singles – Volume 50, No. 1, May 01 1989». RPM. RPM Library Archives. 1 de maio de 1989. Consultado em 16 de março de 2015. Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2015 
  49. «The Irish Charts – All there is to know». Irish Recorded Music Association. 15 de março de 1989. Consultado em 16 de março de 2015 
  50. a b «Madonna – Like a Prayer» (em italiano). Federation of the Italian Music Industry. Consultado em 16 de março de 2015 
  51. «Hits of the World: European Hot 100 Singles». Billboard. 98 (10): 57. 28 de março de 1989. ISSN 0006-2510 
  52. «Madonna – Like a Prayer (song)». Ultratop. Hung Medien. Consultado em 16 de março de 2015 
  53. «Archive Chart – Singles March 18, 1989». The Official Charts Company. 18 de março de 1989. Consultado em 16 de março de 2015 
  54. «The Billboard Hot 100: Week Ending July 15, 1989». Billboard. 15 de julho de 1989. Consultado em 16 de março de 2015 
  55. «Charts of the World: European Hot 100 Singles». Billboard. 99 (02). 1 de julho de 1989. ISSN 0006-2510 
  56. «Top Singles – Volume 50, No. 5, May 29, 1989». RPM. RPM Library Archives. 29 de maio de 1989. Consultado em 16 de março de 2015 
  57. «Madonna – Express Yourself» (em italiano). Federation of the Italian Music Industry. Consultado em 16 de março de 2015 
  58. «Madonna – Cherish (Song)». Australian Recording Industry Association. Hung Medien. Consultado em 1 de setembro de 2011. Arquivado do original em 4 de novembro de 2012 
  59. «Radio Top 30 – Hoogste – Cherish» (em holandês). VRT Top 30. Consultado em 1 de setembro de 2011. Arquivado do original em 9 de abril de 2012 
  60. «Top Singles – Volume 50, No. 25, October 16, 1989». RPM. 16 de outubro de 1989. Consultado em 16 de março de 2015. Arquivado do original em 4 de março de 2014 
  61. «The Irish Charts – All There Is To Know». Irish Recorded Music Association. 7 de setembro de 1989. Consultado em 1 de setembro de 2011 
  62. «Top Annuali Singles: 1989» (em italiano). Federation of the Italian Music Industry. Consultado em 6 de junho de 2012 
  63. «Archive Chart – Singles – 23rd September 1989». The Official Charts Company. 23 de setembro de 1989. Consultado em 23 de agosto de 2011. Arquivado do original em 17 de agosto de 2011 
  64. «The Billboard Hot 100: Week Ending October 7, 1989». Billboard. 7 de outubro de 1989. Consultado em 16 de março de 2015 
  65. «Madonna – Oh Father (Song)». YLE. Hung Medien. Consultado em 20 de novembro de 2011 
  66. «Madonna: Discografia Italiana» (em italiano). Federation of the Italian Music Industry. 1983–1999. Consultado em 16 de março de 2015 
  67. «Billboard – Madonna – Oh Father». Billboard. Consultado em 16 de março de 2015 
  68. «Archive Chart: UK Singles». The Official Charts Company. 16 de dezembro de 1989. Consultado em 3 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 18 de agosto de 2011 
  69. Kent 1993, p. 334
  70. Okamoto 2006, p. 441
  71. «Chartverfolgong / Madonna / Singlet» (em alemão). Media Control Charts. Consultado em 16 de março de 2015. Arquivado do original em 11 de novembro de 2014 
  72. a b Salaverri 2005, p. 90
  73. «Madonna – Dear Jessie (Song)». Swiss Music Charts. Hung Medien. Consultado em 16 de março de 2015 
  74. «The Billboard Hot 100: Week Ending March 31, 1990». Billboard. 31 de março de 1990. Consultado em 16 de março de 2015 
  75. «Top Singles – Volume 51, No. 13, February 10, 1990». RPM. RPM Library Archives. 10 de fevereiro de 1990. Consultado em 16 de março de 2015. Arquivado do original em 16 de fevereiro de 2016 
  76. «Madonna – Vogue (Song)». Australian Recording Industry Association. Consultado em 16 de março de 2015 
  77. Mackie, Drew (13 de abril de 2015). «25 Reasons Madonna's Blond Ambition Tour Still Rules, 25 Years Later». People. Consultado em 2 de maio de 2015 
  78. Smith, Neil (24 de maio de 2004). «Show Stealer Madonna on Tour». BBC News. Consultado em 16 de março de 2015 
  79. «Pollstar Awards Archive – 1990». Pollstar. Associated Press. Consultado em 16 de março de 2015 
  80. Madonna (1990). Blond Ambition – Japan Tour 90 (VHS). Warner-Pioneer Japan 
  81. Madonna (1990). Blond Ambition World Tour Live (Laserdisc). Warner Pioneer Artists 
  82. a b Erlewine, Stephen Thomas. «Like a Prayer – Madonna». AllMusic. Consultado em 2 de maio de 2015 
  83. Power, Tony (dezembro de 2003). «Madonna: Like a Prayer». New York. Blender (22). Consultado em 10 de março de 2017. Arquivado do original em 18 de agosto de 2004 
  84. McLeese, Don (27 de março de 1989). «Madonna's newest album, 'Like a Prayer,' is her best». Chicago Sun-Times. Consultado em 24 de setembro de 2015. Arquivado do original em 29 de fevereiro de 2016. (pede subscrição (ajuda)) 
  85. a b Fonseca, Nicholas (25 de abril de 2003). «On The Records: Madonna». Entertainment Weekly. Consultado em 24 de setembro de 2015 
  86. a b Quantick, David (25 de março de 1989). «Angel Delight». NME 
  87. Johnston, Maura (16 de agosto de 2017). «Madonna: Like a Prayer». Pitchfork. Consultado em 16 de agosto de 2017 
  88. a b Bradley, Lloyd (maio de 1989). «Madonna: Like a Prayer». Q (32). Consultado em 12 de fevereiro de 2011. (pede subscrição (ajuda)) 
  89. Walters, Barry. «Madonna: Album Guide». Rolling Stone. Consultado em 7 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 5 de julho de 2011 
  90. a b Christgau, Robert (6 de junho de 1989). «Consumer Guide». The Village Voice. Nova Iorque. Consultado em 24 de setembro de 2015 
  91. Walters 2004
  92. Greeley, Andrew M. (13 de maio de 1989). «Madonna's Challenge to Her Church». America. Consultado em 20 de março de 2015 
  93. Metz & Benson 1999, p. 12
  94. Walters, Barry (24 de março de 1989). «Madonna exposes herself in 'Like a Prayer'». San Francisco Examiner. p. 29. Consultado em 16 de março de 2015 
  95. Repak, Chaz (19 de março de 1989). «Madonna projects religious persona». The Cavalier Daily. p. 6. Consultado em 17 de março de 2015 
  96. a b Logan Wright, Christian; Leland, John; Levy, Joe (maio de 1989). «Madonna: Lady sings the Blues». Spin. p. 79. Consultado em 16 de março de 2015 
  97. «Pazz & Jop Critics Poll». The Village Voice. Nova Iorque. 27 de janeiro de 1990. Consultado em 24 de setembro de 2015 
  98. «Here's list of nominees from all 77 categories». Deseret News. Salt Lake City, Utah: Deseret News Publishing Company. 12 de janeiro de 1990. p. 32. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  99. Savage, Mark (15 de agosto de 2008). «Pop superstars turn 50». BBC. Consultado em 17 de março de 2015 
  100. «The 30 All-Time Best Music Videos». Time. 28 de julho de 2011. Consultado em 17 de março de 2015 
  101. Freeman, Hadley. «My favourite album: Like a Prayer by Madonna». The Guardian. Consultado em 17 de março de 2015 
  102. a b Pareles, Jon (11 de junho de 1990). «Critic's Notebook; On the Edge of the Permissible: Madonna's Evolving Persona». The New York Times. Consultado em 17 de março de 2015 
  103. «The All-TIME 100 Albums: Like a Prayer by Madonna – TIME Magazine – ALL-TIME 100 Albums». Time. 2 de novembro de 2006. Consultado em 17 de março de 2015 
  104. Nov 18, 2003 12:00 AM (18 de novembro de 2003). «The RS 500 Greatest Albums of All Time». Rolling Stone. Consultado em 17 de março de 2015 
  105. Women Who Rock: The 50 Greatest Albums of All Time
  106. «1001 Albums You Must Hear Before You Die». Quintessence Editions Ltd. 2003. Consultado em 17 de março de 2015. Arquivado do original em 19 de novembro de 2010 
  107. Q agosto de 2006, edição 241
  108. «Radiohead Beat Beatles And Stones In Best Album Poll». Contactmusic.com. Contactmusic.com. Consultado em 17 de março de 2015 
  109. «Best Albums of the '80s». Slant Magazine. Consultado em 17 de março de 2015 
  110. Taraborrelli 2002, p. 164
  111. Bielen 1999, pp. 152–153
  112. Harrison 2011, p. 10
  113. Rosa, Christopher. «Madonna Vs. Rihanna: The Battle Of The DGAF Divas». VH1. Consultado em 29 de março de 2015. Arquivado do original em 27 de março de 2015 
  114. Rosa, Christopher. «10 Things Millennials Don't Understand About Madonna». VH1. Consultado em 29 de março de 2015 
  115. Kellner 1995, p. 274
  116. Taraborrelli 2009, p. 484
  117. Tavana, Art (12 de dezembro de 2014). «The 20 Best Pop Songs in History By Female Artists». LA Weekly. Beth Sestanovich. Consultado em 17 de março de 2015. Arquivado do original em 15 de dezembro de 2014 
  118. Taylor Swift: Entrevista, 1989. 10 de outubro de 2014. 12:44. (Londres) Kiss FM (Reino Unido)
  119. Kellner 1995, p. 277
  120. Taraborrelli 2002, p. 175
  121. Hoover 2006, p. 50
  122. Welsh, Daniel (21 de março de 2014). «Madonna's 'Like A Prayer' At 25: 10 More Shocking And Outrageous Music Videos Featuring Miley Cyrus, Kylie Minogue, M.I.A.». The Huffington Post. Consultado em 20 de março de 2015 
  123. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 26
  124. Semonche 2007, p. 162
  125. a b c Madonna Album & Song Chart History (em inglês). Billboard 200 para Madonna. Prometheus Global Media. Consultado em 21-3-2019.
  126. Waddel, Ray (10 de março de 2009). «Madonna's Top Albums». Billboard. Consultado em 10 de abril de 2015 
  127. Caulfield, Keith. «Madonna's 21 Top 10 Albums». Billboard. Consultado em 11 de abril de 2015 
  128. «allmusic (((Like a Prayer> Charts & Awards > Billboard Albums )))». AllMusic. Consultado em 10 de abril de 2015 
  129. a b «Certificações (Estados Unidos) – Madonna – Like a Prayer» (em inglês). Recording Industry Association of America. Consultado em 23 de novembro de 2017 
  130. Grein, Paul (12 de agosto de 2010). «Week Ending Aug. 8, 2008: Taylor Swift Returns». Yahoo!. Consultado em 11 de abril de 2015. Arquivado do original em 24 de outubro de 2010 
  131. Roberts, Paul G. (9 de dezembro de 2014). Style Icons Vol 4 Sirens. [S.l.]: Fashion Industry Broadcast. p. 162. ISBN 978-1-62776-203-8. Consultado em 11 de abril de 2015 
  132. a b «Top RPM Albums: Issue 6333». RPM (em inglês). Biblioteca e Arquivos do Canadá. Consultado em 21 de março de 2019 
  133. a b «Certificações (Canadá) (álbum) – Like a Prayer» (em inglês). Music Canada. Consultado em 23 de novembro de 2017 
  134. a b 19890401 Top 40 Official UK Albums Archive | Official Charts (em inglês). UK Albums Chart. The Official Charts Company. Consultado em 21-3-2019.
  135. a b «Certificações (Reino Unido) (album) – Madonna – Like a Prayer» (em inglês). British Phonographic Industry. Consultado em 23 de novembro de 2017 
  136. a b «Madonna Like a Prayer;– search with artist name». Syndicat National de l'Édition Phonographique. 9 de abril de 1989. Consultado em 2 de maio de 2015. Arquivado do original em 15 de julho de 2015 
  137. «InfoDisc : Les Certifications (Albums) du SNEP (Bilan par Artiste) – Search for "Madonna"». Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 2 de maio de 2015. Arquivado do original em 21 de junho de 2010 
  138. a b Madonna – Like a Prayer (em holandês). Dutchcharts.nl. Hung Medien. Consultado em 21-3-2019.
  139. a b «Gold-/Platin-Datenbank (Madonna; 'Like a Prayer')» (em alemão). Bundesverband Musikindustrie. Consultado em 23 de novembro de 2017 
  140. a b ライク・ア・プレイヤー (em japonés). Oricon. 9 de abril de 1989. Consultado em 10 de julho de 2010. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  141. ゴールドディスク大賞受賞者一覧 (PDF) (em japonés). Recording Industry Association of Japan. 1987–2006. Consultado em 26 de novembro de 2010 
  142. a b «IFPIHK Gold Disc Award − 1989». Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Hong Kong) 
  143. a b Madonna – Like a Prayer (em inglês). Australiancharts.com. Hung Medien. Consultado em 21-3-2019.
  144. a b Kent, David (1993). Australian Chart Book 1970–1992 Illustrated ed. Sydney: Australian Chart Book. p. 444. ISBN 0-646-11917-6 
  145. a b Madonna – Like a Prayer (em inglês). Charts.org.nz. Hung Medien. Consultado em 21-3-2019.
  146. a b Scapolo, Dean (2007). The Complete New Zealand Music Charts: 1966–2006. Wellington: Dean Scapolo and Maurienne House. ISBN 978-1-877443-00-8 
  147. a b «Chiesa: Da Madonna A Dan Brown, Vaticano Sotto I Colpi Dello Show-Business». Adnkronos (em italiano). Giuseppe Marra Communications. 2 de agosto de 2006. Consultado em 23 de novembro de 2011 
  148. a b Ruiz, Julián (19 de novembro de 2013). «Santa Madonna, 'ora pro nobis'». El Mundo (em espanhol). Unidad Editorial. Consultado em 9 de fevereiro de 2014 
  149. Top 100 Longplay (em alemão). Charts.de. Media Control. Consultado em 21-3-2019.
  150. Madonna - Like a Prayer (em alemão). Austriancharts.at. Hung Medien. Consultado em 21-3-2019.
  151. Madonna – Like a Prayer (em norueguês) Norwegiancharts.com. Hung Medien. Consultado em 21-3-2019.
  152. Madonna – Like a Prayer (em inglês). Swedishcharts.com. Hung Medien. Consultado em 21-3-2019.
  153. Madonna – Like a Prayer (em inglês). Swisscharts.com. Hung Medien. Consultado em 21-3-2019.
  154. «Top 100 Album-Jahrescharts». GfK Entertainment (em alemão). offiziellecharts.de. Consultado em 5 de dezembro de 2015 
  155. «ARIA Charts - End Of Year Charts - Top 50 Albums 1989». ARIA (em inglês). Consultado em 3 de outubro de 2018 
  156. «JAHRESHITPARADE 1989» (em alemão). austriancharts.at. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  157. «RPM Top 100 Albums of 1989». RPM. Consultado em 3 de outubro de 2018. Arquivado do original em 31 de dezembro de 2013 
  158. «Billboard 200 Top Albums 1989». Billboard. Consultado em 15 de março de 2017 
  159. «Les Albums (CD) de 1989 par InfoDisc» (em francês). infodisc.fr. Consultado em 3 de outubro de 2018. Arquivado do original em 27 de outubro de 2012 
  160. «Gli album più venduti del 1989» (em italiano). hitparadeitalia.it. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  161. «年間ヒット音楽アルバム 1989年(平成元年) ベスト50» (em japonés). Consultado em 3 de outubro de 2018 
  162. «END OF YEAR CHARTS 1989 (ALBUMS)». RIANZ. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  163. «SCHWEIZER JAHRESHITPARADE 1989 (ALBEN)» (em alemão). hitparade.ch. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  164. «JAAROVERZICHTEN - ALBUM 1989» (em alemão). dutchcharts.nl. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  165. «Chart Archive - 1980s Albums». everyhit.com. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  166. «Discos de Oro y Platino» (em espanhol). Argentine Chamber of Phonograms and Videograms Producers. Consultado em 6 de julho de 2011. Arquivado do original em 6 de julho de 2011 
  167. «Certificações (Áustria) (álbum) – Madonna – Like a Prayer» (em alemão). Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Áustria). Consultado em 23 de novembro de 2017  Introduza Madonna no campo Interpret. Introduza Like a Prayer no campo Titel. Seleccione álbum no campo Format. Clique Suchen.
  168. «Certificações (Brasil) (álbum) – Madonna – Like a Prayer». Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Consultado em 23 de novembro de 2017 
  169. a b «Certificações (Finlândia) (álbum) – Madonna – Like a Prayer» (em finlandês). Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Finlândia) 
  170. «Certificações (França) (álbum) – Madonna – Like a Prayer» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique 
  171. «Certificações (Japão) (álbum) – Madonna – Like a Prayer» (em japonês). Recording Industry Association of Japan. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  172. «Certificações (Países Baixos) (album) – Madonna – Like a Prayer» (em neerlandês). Nederlandse Vereniging van Producenten en Importeurs van beeld- en geluidsdragers. Consultado em 23 de novembro de 2017 
  173. «The Official Swiss Charts and Music Community: Awards (Madonna; 'Like a Prayer')» (em inglês). Hung Medien. Consultado em 23 de novembro de 2017 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]