Don't Tell Me (canção de Madonna)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
"Don't Tell Me"
Single de Madonna
do álbum Music
Lançamento 21 de novembro de 2000 (2000-11-021)
Formato(s)
Gravação 1999
Gênero(s)
Duração 4:40
Gravadora(s) Warner Bros.
Composição
  • Madonna
  • Mirwais Ahmadzaï
  • Joe Henry
Produção
  • Madonna
  • Ahmadzaï
Cronologia de singles de Madonna
"Music"
(2000)
"What It Feels Like for a Girl"
(2001)
Lista de faixas de Music
"Nobody's Perfect"
(6)
"What It Feels Like for a Girl"
(8)
Vídeo musical
"Don't Tell Me" no YouTube

"Don't Tell Me" é uma canção gravada pela cantora estadunidense Madonna para o seu oitavo álbum de estúdio, Music (2000). Foi escrita pela própria intérprete juntamente com Mirwais Ahmadzaï e Joe Henry, sendo produzida pelos primeiros. O seu lançamento ocorreu em 21 de novembro de 2000, através da gravadora Warner Bros. Records, como o segundo single do disco. Derivada do country pop com elementos de música eletrônica, "Don't Tell Me" fala sobre uma pessoa com atitude.

"Don't Tell Me" foi bem recebida pelos críticos de música, que a mencionou como um dos destaques do álbum e elogiou o desempenho vocal emotivo da cantora. Comercialmente, o single obteve um desempenho positivo, atingindo as dez primeiras posições dos mercados musicais de países como Austrália, Espanha, Finlândia e Reino Unido. Nos Estados Unidos, atingiu a quarta colocação da Billboard Hot 100. Além disso, alcançou o cume do periódico genérico da Billboard, a Hot Dance Club Songs, feito que se repetiu nas tabelas de países como Canadá, Itália e Nova Zelândia. Até 2009, o single havia vendido mais de 4.500 milhões de unidades em todo o globo.

O videoclipe acompanhante esteve a cargo de Jean-Baptiste Mondino e mostra Madonna vestida de vaqueira andando em uma esteira automatizada em frente a uma tela de projeção, com cowboys dançando e montando cavalos no fundo. O clipe recebeu duas indicações no MTV Video Music Awards de 2001, enquanto também foi indicado ao Grammy Awards. A música foi interpretada pela artista durante as digressões internacionais Drowned World Tour (2001) e Re-Invention Tour (2004), bem como em um mashup com "We Can't Stop" (2013), de Miley Cyrus, quando Madonna fez uma aparição especial na série MTV Unplugged, onde Cyrus estava se apresentando.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Após o sucesso crítico e comercial de seu sétimo álbum de estúdio, Ray of Light (1998), Madonna pretendia embarcar em uma turnê no outono de 1999, mas devido ao atraso das gravações de seu filme, The Next Best Thing (2000), a digressão foi cancelada.[1] A cantora também engravidou de seu filho Rocco, de seu relacionamento com o diretor Guy Ritchie.[2] Querendo se distrair do frenesi da mídia, Madonna concentrou-se no desenvolvimento de seu oitavo álbum de estúdio, Music. Durante o desenvolvimento do material para a obra, a musicista Trabalhou com o DJ e produtor francês Mirwais Ahmadzaï, descrevendo-o como composto por "funk e música eletrônica combinada com folk futurista. Muitas guitarras jangly e letras melancólicas".[3][4]

Após o grande sucesso do primeiro single, "Music", "Don't Tell Me" foi escolhido como segundo single do álbum e lançado em 21 de novembro de 2000, pela Maverick Records.[5][6] Vários remixes para a música foram criados por Thunderpuss, Richard "Humpty" Vission e Tracy Young. A Warner Bros. Records lançou várias versões em CD, cassete, maxi, maxi, single de 12" e single de 7". O Thunderpuss Club Mix tinha uma inspiração mais house, com sintetizadores em espiral e efeitos de teclados. As batidas filtradas e os riffs de teclado aprimorados do Radio Mix da Humpty Vission deram à voz de Madonna um efeito "subaquático", enquanto o remix de Young apresentou um colapso de violino e elementos sonoros que lembram o hit de 1979, "Heart of Glass", de Blondie.[7] José F. Promis do AllMusic, elogiou os remixes por 'transformar a faixa country-em um dance incrível e extravagante.[5]

Gravação e composição[editar | editar código-fonte]

Madonna co-escreveu e co-produziu "Don't Tell Me" com Ahmadzaï, e seu ex-cunhado Joe Henry Henry que é creditado como compositor adicional.[8] Henry havia escrito uma música estilo tango intitulada "Stop", que apresentava o saxofonista de jazz, Ornette Coleman e Henry, cantando nos vocais "inspirados em Tom Waits"; acabou por ser incluído no oitavo álbum de estúdio deste último, Scar (2001).[9][10][11][12] Depois que Henry apresentou a demo de "Stop" para sua esposa Melanie, irmã de Madonna, ela enviou a faixa para Madonna. A cantora gostou da demo e se sentiu atraída pelas letras da música e o "sentimento de desafio, a atitude dela", mas não gostou muito do tom musical original, pois não estava ornando com as demais sonoridades do álbum Music.[13][9] Madonna trabalhou com Ahmadzaï e mudou o arranjo original das cordas para uma instrumentação de violão e teclado.[13] Ela gravou no estúdio de Ahmadzaï, acompanhada por uma guitarra Martin D-28, à qual Ahmadzaï adicionou um efeito de gagueira. Madonna preferiu o efeito sonoro à melodia final.[14][15] Ahmadzaï também tocou violão e teclados na faixa. Mark "Spike" Stent mixou a música e Michel Colombier tocou as cordas.[8]

Uma amostra de 28 "Don't Tell Me", que mostra o som de guitarra pausado/iniciado, bem como as lambidas de guitarra com Madonna cantando as letras incomuns.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

De acordo com as partituras publicadas pelo Musicnotes.com, "Don't Tell Me" é definido na fórmula de compasso do tempo comum, com um ritmo moderado de 100 batidas por minuto. É composto na clave de Ré maior com vocais do cantora que vão desde a oitava inferior de Sol3 para nota maior de 4. A música segue uma sequência básica de D–Am–C–G como sua progressão de acordes.[16] Ben Greenbank, da Sputnikmusic, descreveu a faixa como a "reunião do country pop com o dance" com batidas de trip hop, acompanhadas por riffs de violão.[17] Chuck Arnold, da Billboard, descreveu "Don't Tell Me" como uma faixa "trip-hop vibrante".[18] A música começa com um riff de guitarra "arrancado" em uma batida irregular de pausa/recomeço, com os arpejos remanescentes da música country.[19] Cada quarta batida é seguida por um pequeno silêncio que acaba se formando no refrão.[20]

Rikky Rooksby, autor do livro The Complete Guide to the Music of Madonna, descreveu a sonoridade da música como o encontro do "eletrônico com o country rock" baseada em uma única sequência de quatro acordes, disfarçada pela mixagem. Ele descobriu que os vocais expressivos de Madonna eram duplos. As cordas apareceram no final com os sons repetidos continuando e finalmente desaparecendo.[19] Segundo a autora Carol Vernallis, as paradas contraditórias do violão, intercaladas com os sons eletrônicos digitais, fizeram a música parecer "autêntica" ao retratar o gênero de música country-Wester.[19] Quando perguntado sobre as diferenças entre sua demo e a música de Madonna, Henry apontou que era o ritmo que as diferenciavam.[9] Liricamente, Madonna pede que seu amante na música pare de controlar suas ações e sentimentos; ela compara a letra com a obra de Frank Sinatra.[10][15] Ela evoca imagens não naturais através da letra cantando "Diga à cama para não se deitar / Como a boca aberta de um túmulo, sim / Não me olhe / Como um bezerro de joelhos"[nota 1].[21]

Análise da crítica[editar | editar código-fonte]

"Don't Tell Me" foi comparado aos trabalhos da cantora estadunidense Sheryl Crow

No geral, "Don't Tell Me" recebeu críticas positivas de críticos de música, que citaram a música como um dos destaques do álbum e elogiaram os vocais de Madonna. Stephen Thomas Erlewine, do AllMusic, fez uma crítica positiva a canção, descrevendo-o como um "intrincado, sensual e atordoante psicopata".[22] Jim Farber, do Daily News, sentiu que "[a música] cruza o eletrônico atualizado com o blues americano radiante através de um gancho de guitarra que soa algo como o 'Sweet Home Alabama' do Lynyrd Skynyrd". Ele também acreditava que as imagens conjuradas na música são predominantemente americanas.[23] Um revisor da NME considerou "Don't Tell Me" um "violão totalmente country, hackeado, sobre faixas de batidas afiadas", comparando a sonoridade apresentada por Madonna a apresentada por Sheryl Crow.[24] Danny Eccleston, do Q, também viu semelhanças com Crow, chamando a faixa de "primo mais próximo da música das paisagens sonoras de Ray of Light", além de apontar seu "final magistral – como um ritmo de zumbidos insetóides e estilo ARP flexível".[25] Justin Harp, da Digital Spy, sentiu que "as comparações [com Sheryl Crow] realmente fizeram um desserviço a uma faixa que se destaca como particularmente única no enorme catálogo de hits de Madonna".[6] Louis Virtel, de TheBacklot.com, colocou "Don't Tell Me" no número 25 de sua lista das "100 Maiores Canções de Madonna"; ele elogiou a cantora por "invocar alguns experimentos verdadeiros de música country" e o chamou de "momento inconfundível no rádio do início dos anos 2000".[26] Samuel R. Murrian, do Parade, escreveu que "a personalidade rebelde e desafiadora de Madonna que amamos está a todo vapor nessa música extremamente inteligente e contagiosa".[27] Ao classificar os singles de Madonna em homenagem aos seus 60 anos, Jude Rogers, do The Guardian, colocou a faixa no número 32, chamando-a de "brilhantemente estranha" e elogiando a sua pegada.[28] Jon O'Brien, da revista Paste, elogiou a produção da faixa e acreditava que ela era um "destaque imediato" no álbum. A mistura dos riffs de guitarra, as batidas fraturadas e o arranjo de cordas de Colombier foram todos listados como um "final elegíaco".[29] Pensamentos semelhantes foram compartilhados por Matthew Jacobs, do The Huffington Post, que o classificou no número 21 de sua lista "O ranking definitivo de singles de Madonna".[30]

Em sua crítica ao álbum Music, Sal Cinquemani, da revista Slant, sentiu que Madonna revelou mais de sua alma na faixa.[31] Cinquemani opinou ainda que "Don't Tell Me" era considerado um acompanhamento "improvável" para "Music", por sua "estrutura atípica e letras peculiares [...] [que] tornaram um sucesso improvável. Mas um sucesso é exatamente o que foi [...]", premiando a faixa com um B+.[32] Larry Flick, da Billboard, chamou "Don't Tell Me" de uma "jóia pensativa, muitas vezes poética", que apresenta "uma das entregas vocais mais emocionantes de Madonna".[20] Em agosto de 2018, a Billboard o escolheu como o 20º maior single da cantora; "uma mistura de letras poeticamente descentralizadas. um efeito de gagueira sem salto de CD e esse riff de guitarra barulhento, ["Don't Tell Me"] acabaria uma bagunça para muitos artistas. Mas para Madonna, ela conseguiu mais um top cinco no Hot 100".[33] O autor Alejandro L. Madrid sentiu que a música tinha elementos da música Nortec.[34] Steven Humphrey, do The Portland Mercury, saudou-a como "uma ótima música. (Talvez a última ótima música da carreira de [Madonna]?)". Uma combinação gaguejante de trip-hop e música caipiresca, o cântico emotivo de Madonna expressa perfeitamente desejo de uma garota dizendo ao namorado para parar de controlar como ela se sente".[15] Chuck Arnold, da Entertainment Weekly, listou "Don't Tell Me" como o 28º melhor single de Madonna, escrevendo que "com seu violão, batida country e trip-stop, ['Don't Tell Me'] é bem-sucedido contra as probabilidades".[35] para o Gay Star News, Joe Morgan escreveu: "As letras não fazem muito sentido, mas isso não importa. Este é um pop eletrônico country único".[36] Para Richard Labeau, do Medium, 'esta fascinante mescla de country e dance está entre as músicas mais exclusivas de sua carreira'.[37] Uma crítica negativa veio de Cynthia Fuchs, do PopMatters, que escreveu que a música "é outra quase falha, com atitude admirável, mas, bem, letras risíveis".[38]

Videoclipe[editar | editar código-fonte]

Histórico e sinopse[editar | editar código-fonte]

Cena inical do vídeo de "Don't Tell Me", Madonnna aparece caminhando por uma aparente estrada deserta, que posteriormente acaba por se revelar uma projeção em um cenário de estilo drive-in e que Madonna está na verdade andando em uma esteira.

As filmagens do videoclipe "Don't Tell Me" ocorreram em outubro de 2000. Foi dirigido por Jean-Baptiste Mondino, que havia colaborado anteriormente com Madonna em seus vídeos de "Open Your Heart" (1986), "Justify My Love" (1990), "Human Nature" (1995) e "Love Don't Live Here Anymore" (1996),, enquanto Jamie King ficou encarregado da coreografia.[15][23] King descreveu o processo de filmagem: "[Mondino] realmente não escreve tanto um tratamento. Ele pode ter uma idéia e Madonna e eu realmente temos muitas idéias, e então eu costumo criar uma coisa de estilo de tratamento que ele acaba executando e Madonna concorda com isso. É realmente uma ótima colaboração".[39] O figurino foi criado por DSquared 2 e por uma colaboradora de longa data de Madonna, Arianne Phillips.[40] Em uma entrevista de 2016 à Billboard, Phillips citou "Don't Tell Me" como um de seus momentos favoritos do estilo Madonna, dizendo que trabalhar com a cantora é gratificante e desafiador".[41]

O vídeo começa com Madonna — vestida com uma camisa xadrez azul de flanela, jeans sujos, um grande cinto de fivela e botas — caminhando por aparentemente por uma estrada deserta em direção ao espectador.[42][43] A câmera diminui o zoom e revela que a rodovia é na verdade uma projeção em um cenário de estilo drive-in e que Madonna está andando em uma esteira. Sua caminhada congela simultaneamente com as desistências silenciosas da música.[43] O clipe então alterna entre cenas de Madonna dançando sozinha na esteira, brincando com areia no deserto, e um grupo de cowboys dançando no cenário de vídeo. Mais tarde, os cowboys se juntam à cantora em uma coreografia de dança, com Madonna vestindo uma jaqueta preta de estilo ocidental, chapéu de cowboy e botas camurça.[42] No final, Madonna é vista montando um touro mecânico, enquanto a cena final mostra um vaqueiro montando um cavalo malhado em câmera lenta, sendo jogado no chão e levantando-se novamente.[42][43]

Análise da crítica[editar | editar código-fonte]

O Jim Farber do New York Daily News, elogiou a coreografia apresentada no vídeo, escrevendo que ele 'faz jus à beleza do vídeo da canção 'Open Your Heart'.[23] Steven Humphrey, do The Portland Mercury, sentiu que o vídeo partiu das colaborações anteriores de Mondino e Madonna devido aos seguintes motivos: "[Madonna] é tratada mais como uma peça de teatro [...] que ela está lá - não abertamente" sexual, não tentando provar nenhum ponto, apenas ali" — Humphrey encontrou referências do trabalho anterior de Monidno no clipe de "Don't Tell Me", incluindo as "projeções de pernas para o ar e um narrador plácido e quase sem emoção" — que ele exibiu no videoclipe "The Boys of Summer" do cantor Don Henley..[15] Justin Harp, da Digital Spy, sentiu que "a visão de Madonna usando chapéu de cowboy e dança de linha no [vídeo] ainda é considerada um dos visuais icônicos de sua carreira de quatro décadas".[6] A autora Judith Periano escreveu em seu livro Listening to the Sirens: Musical Technologies of Queer Identity from Homer to Hedwig,[nota 2] que o vídeo era comparável ao clipe de "Get Happy", de Judy Garland".[44] Samuel R. Murrian opinou que o vídeo lançou a linha "cowboy chic".[27]

Santiago Fouz-Hernández e Freya Jarman-Ivens, autores de Drowned Worlds, de Madonna, questionaram se o retrato da cantora sobre a cultura ocidental no vídeo era legítimo ou se era para ser sincero, também criticando os cowboys que dançavam.[42] Farber acrescentou que "ao colocar seus caubóis em um cartaz comercial, [Madonna] não apenas reconhece o absurdo de interpretar uma moça rural, como também questiona implicitamente se há alguma diferença entre autenticidade e falsidade em um mundo movido pela mídia".[23] De acordo com Amy Herzog, o vídeo inverte o olhar masculino tradicional, direcionando-o para o cowboy caído no final — a subversão é um tema recorrente no trabalho de Madonna a partir de seus videoclipes da década de 1980.[19]

Durante a edição de 2001 do MTV Movie Awards, os anfitriões Kirsten Dunst e Jimmy Fallon parodiaram o vídeo e a aparência de vaqueira de Madonna. A certa altura, Fallon caiu no chão para se cobrir de areia.[45] A música "Do it With Madonna", da banda de rock australiana The Androids, fez referência ao videoclipe na linha "Você a viu onde ela está usando o chapéu de cowboy e chutando a terra?"[nota 3].[46] Em 2015, a apresentadora de programa de televisão Ellen DeGeneres recriou o vídeo, superpondo-se como um dos cowboys de Madonna.[47] No 10º Prêmio Anual da Associação de Produção de Vídeos Musicais, realizado em 16 de maio de 2001, o vídeo ganhou dois prêmios: nas categorias Vídeo do ano e Melhor direção Para uma Artista Feminina.[48] Também foi indicado ao Grammy de Melhor Vídeo Musical na 44ª cerimônia e como Melhor Vídeo Feminino e Melhor Coreografia no MTV Video Music Awards de 2001.[49][50] Em 2009, o vídeo foi incluído na compilação de Madonna, Celebration: The Video Collection.[51]

Apresentações ao vivo[editar | editar código-fonte]

Madonna e seus dançarinos performando "Don't Tell Me" durante a Drowned World Tour (2001).

Em 3 de novembro de 2000, Madonna apareceu no The Late Show with David Letterman, sua primeira vez no programa desde sua controversa aparição em 1994. Ela apresentou uma versão lenta de "Don't Tell Me" no violão; isso marcou a primeira vez que a cantora tocou violão em público. Vestida com uma camisa de caubói preta e jeans, ela se juntou a Joe Henry.[52] Logo depois, ela viajou para a Europa para promover a música e apresentou "Don't Tell Me" no programa de TV alemão Wetten, dass..?.[53] Em 24 de novembro, ela apareceu no programa de televisão britânico Top of the Pops e apresentou "Don't Tell Me" e "Music".[54] As duas músicas também foram tocadas durante a visita de Madonna ao programa de televisão francês Nulle Part Ailleurs naquela mesma semana,[55] bem como no programa italiano Carràmba! Che fortuna.[56] A música também foi apresentada nos shows promocionais do álbum Music, em 5 de novembro de 2000, no Roseland Ballroom, em Nova Iorque, e em 29 de novembro, na Brixton Academy, em Londres. Durante a apresentação, Madonna sentou em um fardo de feno, enquanto Ahmadzaï tocava violão. Seu figurino consistia em uma blusa preta com o nome Britney Spears, chapéu de cowboy e botas.[57][58] Para a apresentação em Londres, Madonna usava uma camiseta diferente, com os nomes de seu filho Rocco e da filha Lourdes impressos.[59]

Madonna performando "Don't Tell Me" durante a Tears of a Clown em Melbourne, Austrália, em março de 2016.

Na Drowned World Tour (2001), Madonna tocou "Don't Tell Me" como a segunda música do terceiro ato de tema ocidental. Vestida como uma vaqueira em uma jaqueta preta, blusa de estrelas e listras, um rabo de guaxinim como acessório, chapéu de cowboy e jeans incrustados de lama com rachaduras, Madonna reencenou o videoclipe da música com seus dançarinos vestidos como vaqueiros e fez uma coreografia de dança.[60] Phill Gallo, do Variety, ficou impressionado com o número, apontando que foi o primeiro da turnê a apresentar a cantora e seus dançarinos fazendo coreografia coletiva.[61] A apresentação em 26 de agosto de 2001, no The Palace of Auburn Hills, Detroit foi gravada e lançada no álbum de vídeo ao vivo, Drowned World Tour 2001.[62] Em 9 de maio de 2003, Madonna tocou "Don't Tell Me" no HMV Oxford Circus, em Londres, enquanto promovia seu nono álbum de estúdio, American Life.[63] Durante a Re-Invention World Tour (2004), Madonna tocou uma versão "divertida" da música, que foi incluída no terceiro ato acústico do programa. Ela estava vestida com um terno preto Stella McCartney com chapéu combinando e novamente encenou a coreografia do vídeo com seus dançarinos.[64] A apresentação contou com amostras da canção "Bitter Sweet Symphony" de The Verve (1997).[65]

Em 29 de janeiro de 2014, Madonna fez uma aparição surpresa no cantora MTV Unplugged da cantora Miley Cyrus, e cantou com ela um mashup de "Do not Tell Me" com "We Can't Stop", do catálogo de Cyrus. Ambas os cantoras estavam vestidos com roupas de caubói de strass.[66] Matthew Jacobs, do The Huffington Post, escreveu que "mesmo que os vocais tenham ficado um pouco ruins no final do mashup – [Cyrus e Madonna] encenaram uma colaboração impressionante que não se baseava nos valores de produção amplificados associados às suas performances típicas".[67] Madonna realizou versões improvisadas de "Don't Tell Me" nas paradas de Amsterdã, Antuérpia e Turim da Rebel Heart Tour (2015–2016).[68][69][70] Em março de 2016, a música foi incluída na parada de Melbourne do show Tears of a Clown. Ela cantou a música seguindo um monólogo destinado a um participante que perguntou por que ela ainda estava se apresentando aos 50 e poucos anos.[71] Em dezembro, ela repetiu a apresentação na parada de Miami, que ocorreu no Fórum de Faena da cidade.[72] Um mês antes, ela a apresentou durante um concerto acústico improvisado no Washington Square Park, em apoio a Campanha presidencial de Hillary Clinton.[73]

Faixas e formatos[editar | editar código-fonte]

Remixes[editar | editar código-fonte]

Créditos e equipe[editar | editar código-fonte]

Créditos adaptados das notas principais do CD single e Music.[8][87]

Equipe[editar | editar código-fonte]

  • Madonna – compositora, produtora
  • Mirwais Ahmadzaï – compositor, produtor, programação , guitarra , teclado
  • Joe Henry – compositor
  • Mark "Spike" Stent – mixagem
  • Jake Davies – engenheiro
  • Mark Endert – engenheiro
  • Geoff Foster – engenheiro, engenheiro de cordas
  • Michel Colombier – engenheiro de cordas
  • Kevin Reagan – direção de arte, design
  • Matthew Lindauer – design
  • Jean-Baptiste Mondino – fotografia

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

Com "Do not Tell Me", Madonna tornou-se a artista com maior quantidade de segundo singles de uma álbum entre os dez primeiros da Billboard Hot 100, empatando-a com os Beatles (foto).

"Do not Tell Me" estreou no número 78 na tabela da Billboard Hot 100 dos Estados Unidos, na semana de 9 de dezembro de 2000.[88] Duas semanas depois, ele alcançou o top-40 do gráfico no número 35.[89] Em Em fevereiro de 2001, após seu lançamento comercial — o single subiu do número 16 para o número quatro — dando a Madonna seu 34 single entre os dez primeiros no Hot 100. Essa conquista empatou Madonna aos Beatles por deter o segundo single de uma álbum entre os dez primeiros e a colocou ao seu alcance o recorde de 36 dos dez primeiros hits de Elvis Presley.[90] Mais tarde, ela superou o recorde com seu single de 2008 "4 Minutes", tornando-se a artista com a maior quantidade de singles no top dez da história da Billboard Hot 100.[91][92] Em 2015, a Billboard classificou "Don't Tell Me" no número 26 da lista de "40 Maiores Sucessos de Madonna" no Hot 100.[93]

"Do not Tell Me" também foi bem sucedido na tabela da Dance Club Songs, estando presente na parada por 14 semanas. Ele superou "Music" e empatou com "Ray of Light" (1998) e "Bedtime Story" (1995) como a música mais longa de Madonna na parada de sucessos da época.[94] Em 28 de março de 2001, a faixa foi certificado como ouro pela Recording Industry Association of America (RIAA) depois de serem vendidos 500,000 cópias, tornando-se o 24º single de Madonna com certificação ouro e empatando-a aos Beatles com maior quantidade de certificações de ouro nos Estados Unidos.[95][96] No Canadá, na semana de 27 de janeiro de 2001 e alcançou o primeiro lugar na semana de 17 de fevereiro, onde permaneceu por uma semana. Foi o 20º single canadense número um de Madonna no solo canadense.[97][98]

Na Austrália, a música estreou no número oito, e na próxima semana atingiu o pico do número sete no Australian Singles Chart, permanecendo por um total de 17 semanas.[99] Em 2002, obteve uma certificação platina da Australian Recording Industry Association (ARIA) após setenta mil cópias do single serem vendidas em território australiano.[100] A música também teve sucesso na Nova Zelândia, onde se tornou o quinto e o segundo número consecutivo de Madonna depois de "Music".[101]

Na Europa, nomeadamente no Reino Unido, "Don't Tell Me" estreou no número 65 na tabela UK Singles Chart em 9 de dezembro de 2000. Após um total de 10 semanas na parada, alcançou o número 4 em 10 de fevereiro de 2001, tornando-se o 12º single de Madonna consecutiva entre os dez primeiros.[102] Segundo a Official Charts Company, a música vendeu 185,000 cópias lá.[103] Em 2017, foi certificada como prata pela British Phonographic Industry (BPI) depois de serem exportados 200,000 exemplares do projeto na nação.[104] "Don't Tell Me" também teve sucesso na Itália, alcançou o número um na parada de singles da FIMI, alcançando o top dez na Escócia, Espanha, Finlândia, Noruega e Polônia.[105][106] Em toda a Europa, a música atingiu o número dois na parada européia do Hot 100 Singles.[107] Também alcançou o Top 50 da Rádio Européia por nove semanas consecutivas e acabou se tornando a música número um do continente em 2001.[108][109]

Tabelas semanais[editar | editar código-fonte]

Precessão e sucessão[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. No original: "Tell the bed not to lay / Like the open mouth of a grave, yeah / Not to stare up at me / Like a calf down on its knees".
  2. No português: "Ouvindo as sirenes: tecnologias musicais de identidade queer de Homer a Hedwig".
  3. No original: "Have you seen her where she's wearing the cowboy hat and she's kicking the dirt?".

Referências

  1. Kaufman, Gil. «Film Delay Blamed For Madonna Tour Cancellation» (em inglês). MTV News. Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  2. Hoffman, Bill. «Pregnancy is '2nd' nature for Madonna». New York Post (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2013 
  3. O'Brien 2008, pp. 338–339
  4. «Madonna Interview». Smash Hits (em inglês). 30. p. 13. ISSN 0260-3004 
  5. a b Promis, Jose F. «Don't Tell Me – Madonna». AllMusic (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  6. a b c Harp, Justin. «Madonna's biggest hits: Which ones are our favorites?». Digital Spy (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  7. Salzer, Rick. «Dance Trax». Billboard (em inglês). 112 (47). p. 37. ISSN 0006-2510. Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  8. a b c (2000) Créditos do Encarte do CD single Don't Tell Me. Maverick. Warner Bros..
  9. a b c «Madonna's 50 Greatest Songs – 'Don't Tell Me' (from 'Music', 2000)». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  10. a b Sischy, Ingrid (Março de 2001). «Madonna Exclusive! The Ultimate Interview». Interview. 5. ISSN 0149-8932 
  11. Kemp, Rob. «Madonna Single Reimagined On Brother-In-Law Joe Henry's Album» (em inglês). MTV News. Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  12. Graff, Gary. «Joe Henry, Madonna Collaborate» (em inglês). ABC News. Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  13. a b DeCurtis, Anthony. «Music; Under the Radar, and Keeping His Innocence Alive». The New York Times (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  14. Rideout, Ernie. «Mirwais On Music». Keyboard (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  15. a b c d e Humphrey, Steven. «The Best Videos of Madonna and Jean-Baptiste Mondino». The Portland Mercury (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  16. «Madonna Ciccone: Don't Tell Me» (em inglês). Musicnotes.com. Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  17. Greenbank, Ben. «Madonna – Music (album review)». Sputnikmusic (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  18. Arnold, Chuck. «Madonna's 'American Life': Revisiting the Divisive Album 15 Years Later». Billboard (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  19. a b c d Vernallis, Herzog & Richardson 2015, p. 128
  20. a b Flick, Larry. «Exclusive: Madonna on Music». Billboard. 112 (32). p. 98. ISSN 0006-2510 
  21. Masley, Ed. «Essential Madonna: Her 30 best singles of all time». The Arizona Republic (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  22. Thomas, Stephen. «Music – Madonna». AllMusic (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  23. a b c d Farber, Jim. «Meet Madonna's New Chaps: 'Music' video takes winking look at how the West was fun». Daily News (em inglês). Nova Iorque. Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  24. «NME Album Reviews: Music». NME (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  25. Eccleston, Dany. «Reviews Madonna: Music». Q (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  26. Virtel, Louis. «The 100 Greatest Madonna Songs» (em inglês). TheBacklot.com. Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  27. a b Murrian, Samuel R. «We Ranked the 100 Best Madonna Songs of All Time». Parade (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  28. Jude Rogers. «Every one of Madonna's 78 singles – ranked!». The Guardian (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  29. O'Brien, Jon. «The 10 Best Madonna Songs of the 21st Century». Paste (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  30. Jacobs, Matthew. «The Definitive Ranking of Madonna Singles». HuffPost (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  31. Cinquemani, Sal. «Madonna: Music». Revista Slant (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  32. Cinquemani, Sal. «Madonna: GHV2». Slant Magazine (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  33. Billboard Staff. «The 100 Greatest Madonna Songs: Critics' Picks». Billboard (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  34. Madrid 2008, p. 166
  35. Arnold, Chuck. «Madonna's 60 best singles, ranked». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  36. Morgan, Joe. «The Definitive Ranking of Madonna's Top 60 Singles». Gay Star News (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  37. LeBeau, Richard. «Ranking All 57 of Madonna's Billboard Hits in Honor of Her 60th(!) Birthday» (em inglês). Medium. Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  38. Fuchs, Cynthia. «Madonna: Music > PopMatters». PopMatters (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  39. «Entrevistas: Making the video» (em Português brasileiro). MTV Brasil 
  40. «Dean & Dan: DSQUARED2». DSquared2 (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  41. Indvik, Lauren. «Madonna's Stylist Arianne Phillips Opens Up About Working With the Icon for Nearly 20 Years». Billboard (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  42. a b c d Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, pp. 132–133
  43. a b c Hawkins 2017, p. 180
  44. Periano 2005, pp. 148–149
  45. «MTV Movie Awards: 2001 highlights» (em inglês). MTV. Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  46. Roberts 2006, p. 24
  47. Clements, Erin. «Ellen DeGeneres sings 'Dress You Up' with Madonna — in the bathroom». Today (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  48. Hay, Carla. «Madonna's "Don't Tell Me" video wins two top MVPA Awards». Billboard (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  49. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 98
  50. Staff. «Complete List Of Grammy Nominees» (em inglês). CBS News. Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  51. Greenblatt, Leah. «Madonna's 'Celebration' track list revealed: Are the greatest hits all there?». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  52. Thakur 2009, pp. 262
  53. Vorrath 2011, pp. 219
  54. «Madonna sets TOTP date». BBC News (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  55. Jouhanneau, Aurélien. «Madonna: sa plus grosse campagne promo depuis 10 ans». Le Figaro (em francês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  56. «Madonna performs on Carramba Che Fortuna Show, Italy» (em inglês). Madonna.com. Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  57. Paoletta, Michael. «Madonna Celebrates 'Music's' Global Success At Roseland». Billboard. 112 (47). p. 37. ISSN 0006-2510 
  58. Kemp, Rob. «Madonna Shatters Record For Most-Viewed Webcast, Producer Says» (em inglês). MTV News. Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  59. Sawyer, Miranda. «Madonna gets them in» (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  60. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 133
  61. Gallo, Phil. «Review: 'Madonna – Drowned World Tour'». Variety (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  62. Trust, Gary. «Madonna's 'Drowned' Comes To Home Video». Billboard (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  63. Davies, Hugh. «HMV? More like a Virgin». The Daily Telegraph (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  64. Moss, Cory. «Madonna Twirls Rifle, Lifts Up Her Kilt At Opener» (em inglês). MTV News. Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  65. Timmerman 2007, p. 30
  66. Blistein, Jon. «Miley Cyrus Mashes Up 'Unplugged' With Madonna». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  67. Jacobs, Matthew. «Watch Miley Cyrus And Madonna's 'MTV Unplugged' Mashup Of 'Don't Tell Me' And 'We Can't Stop'». HuffPost (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  68. «Madonna a Torino: Italia, my country my blood». Vanity Fair (em italiano). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  69. Carvalho, Hester. «Madonna bezingt liefde in spektakelshow». NRC Handelsblad (em neerlandês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  70. Vantyghem, Peter. «Madonna buigt niet voor terreur». De Standaard (em neerlandês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  71. Adams, Cameron. «Review: Madonna is late, loose and ultra personal at her fan-only Tears of a Clown show in Melbourne» (em inglês). News.com.au. Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  72. «Madonna Offers to Remarry Sean Penn at Miami Fundraiser, Zings President-elect Trump». Extra 
  73. Gettel, Oliver. «Madonna performs surprise Hillary Clinton concert in New York». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 16 de Novembro de 2019 
  74. «Madonna - Don't Tell Me» 
  75. «Madonna - Don't Tell Me» 
  76. «Madonna - Don't Tell Me» 
  77. «Madonna - Don't Tell Me» 
  78. «Madonna - Don't Tell Me» 
  79. «Madonna - Don't Tell Me» 
  80. «Madonna - Don't Tell Me» 
  81. «Madonna - Don't Tell Me» 
  82. «Madonna - Don't Tell Me» 
  83. «Madonna - Don't Tell Me» 
  84. «Madonna - Don't Tell Me (CD 2)» 
  85. «Madonna - Don't Tell Me (Remixes)» 
  86. «Madonna - Don't Tell Me (The Remixes)» 
  87. (2000) Créditos do Adaptados das Notas do Encarte Music. Maverick Records.
  88. «Billboard Hot 100». Billboard (em inglês). Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  89. «Billboard Hot 100». Billboard (em inglês). Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  90. Bronson, Fred. «Madonna Passes Beatles, Nears Elvis». Billboard (em inglês). 113. p. 102. ISSN 0006-2510. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  91. Pietrolungo, Silvio. «Mariah, Madonna Make Billboard Chart History». Billboard (em inglês). Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  92. Trust, Gary. «Madonna Scores Record-Extending 38th Hot 100 Top 10». Billboard (em inglês). Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  93. Caulfield, Keith. «Madonna's 40 Biggest Billboard Hits». Billboard (em inglês). Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  94. a b «Madonna (Dance Club Songs)» (em inglês). Billboard. Consultado em 4 de maio de 2016 
  95. Pesselnick, Jill. «Eagles, Madonna Achieve Historic Certifications». Billboard (em inglês). 113 (18). p. 48. ISSN 0006-2510. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  96. a b «Certificações (Estados Unidos) (single) – Madonna – Don't Tell Me» (em inglês). Se necessário, clique em Advanced, depois clique em Format, depois selecione Album, depois clique em SEARCH. Recording Industry Association of America. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  97. «Hits of the World». Billboard (em inglês). 113 (7). p. 52. ISSN 0006-2510. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  98. «Hits of the World». Billboard (em inglês). 113 (7). p. 50. ISSN 0006-2510. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  99. a b «Madonna – Don't Tell Me (ARIA Charts)» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 18 de março de 2010 
  100. a b «ARIA Charts – Accreditations – 2001 Singles» (em inglês). Australian Recording Industry Association. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  101. a b «Madonna – Don't Tell Me (Recording Industry Association of New Zealand)» (em inglês). Recording Industry Association of New Zealand. Consultado em 4 de janeiro de 2010 
  102. a b «Madonna – Don't Tell Me (Official Charts Company)» (em inglês). UK Singles Chart. The Official Charts Company. Consultado em 30 de abril de 2016 
  103. «Madonna: The Official Top 40» (em inglês). MTV. MTV Networks. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  104. a b «Certificações (Reino Unido) (single) – Madonna – Don't Tell Me» (em inglês). British Phonographic Industry. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  105. a b «Hits of the World». Billboard. p. 62. ISSN 0006-2510. Consultado em 27 de abril de 2010 
  106. a b «Madonna – Don't Tell Me (IFPI Finlândia)» (em inglês). IFPI Finlândia. Consultado em 18 de março de 2010 
  107. a b «Hits of the World Continued». Billboard (em inglês). 112 (52). p. 41. ISSN 0006-2510. Consultado em 4 de maio de 2016 
  108. a b «European Radio Top 50» (PDF). Music & Media (em inglês). p. 15. Consultado em 4 de maio de 2016 
  109. a b c «Eurochart Hot 100 Singles 2001» (PDF). Music & Media (em inglês). p. 14. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  110. «Madonna – Don't Tell Me (GfK Entertainment Charts)» (em alemão). GfK Entertainment Charts. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  111. «Madonna – Don't Tell Me (ARIA Dance Charts)» (PDF) (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 18 de março de 2010 
  112. «Madonna – Don't Tell Me (Ö3 Austria Top 40)» (em alemão). Ö3 Austria Top 40. Consultado em 4 de janeiro de 2010 
  113. «Madonna – Don't Tell Me (Ultratop 40)» (em inglês). Ultratop 50. Hung Median. Consultado em 18 de março de 2010 
  114. «Madonna – Don't Tell Me (Ultratop 50)» (em inglês). Ultratop 50. Hung Median. Consultado em 18 de março de 2010 
  115. «Madonna (Allmusic)» (em inglês). Allmusic. Consultado em 4 de maio de 2016 
  116. «Madonna – Don't Tell Me (Tracklisten)» (em inglês). Tracklisten. Consultado em 19 de junho de 2014 
  117. «Madonna – Don't Tell Me (The Official Charts Company)» (em inglês). The Official Charts Company. Consultado em 30 de abril de 2016 
  118. «Madonna – Don't Tell Me (Productores de Música de España)» (em inglês). Productores de Música de España. Consultado em 8 de junho de 2016 
  119. «Madonna (Adult Top 40)». Billboard (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  120. «Madonna (Billboard 100)». Billboard. Consultado em 30 de abril de 2016 
  121. «Madonna (Mainstream Top 40)». Billboard (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  122. «Madonna – Don't Tell Me (Syndicat National de l'Édition Phonographique)» (em inglês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 18 de março de 2010 
  123. «Madonna – Don't Tell Me (Irish Recorded Music Association)» (em irlandês). Irish Recorded Music Association. Consultado em 27 de abril de 2010 
  124. «Madonna – Don't Tell Me (VG-lista)» (em inglês). VG-lista. Consultado em 18 de abril de 2011 
  125. «Madonna – Don't Tell Me (Dutch Top 40)». Media Markt Top 40. Consultado em 4 de dezembro de 2019 
  126. «Madonna – Don't Tell Me (Single Top 100)» (em inglês). MegaCharts. Consultado em 10 de novembro de 2017 
  127. «Madonna – Don't Tell Me (Związek Producentów Audio Video)» (em polonês). OLiS. 4 de maio de 2010. Consultado em 3 de maio de 2010 
  128. «Madonna – Don't Tell Me (Sverigetopplistan)» (em inglês). Sverigetopplistan. Consultado em 4 de janeiro de 2010 
  129. «Madonna – Don't Tell Me (Schweizer Hitparade)» (em inglês). Schweizer Hitparade. Consultado em 18 de março de 2010 
  130. «ARIA Charts – End Of Year Charts – Top 100 Singles 2001» (em inglês). Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  131. «ARIA – Dance Singles – End of Year 2001» (PDF) (em inglês). ARIA Charts. Pandora Archive. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  132. a b c d «The Year in Music 2001» (PDF) (em inglês). p. YE-40, YE-48, YE-82. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  133. «End of Year Charts 2001» (em inglês). Recorded Music NZ. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  134. «Swiss Year-End Charts 2001» (em inglês). Hung Medien. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  135. «Certificações (França) (single) – Madonna – Don't Tell Me» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 19 de dezembro de 2019