Bitch I'm Madonna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Bitch I'm Madonna"
Single de Madonna com a participação de Nicki Minaj
do álbum Rebel Heart
Lançamento 15 de junho de 2015 (2015-06-15)
Formato(s) Download digital
Gravação 2014
Gênero(s) EDM, vaporwave
Duração 3:47
Gravadora(s) Boy Toy, Live Nation, Interscope
Composição Madonna Ciccone, Thomas Wesley Pentz, Ariel Rechtshaid, Maureen McDonald, Toby Gad, Onika Maraj, Samuel Long
Produção Madonna, Diplo, Sophie
Cronologia de singles de Madonna
"Ghosttown"
(2015)
Cronologia de singles de Nicki Minaj
"The Night Is Still Young"
(2015)
"All Eyes on You"
(2015)
Lista de faixas de Rebel Heart
"Illumnati"
(5)
"Hold Tight"
(7)

"Bitch I'm Madonna" é uma canção da artista musical estadunidense Madonna, contida em seu décimo terceiro álbum de estúdio Rebel Heart (2015). Conta com a participação da rapper trindiana Nicki Minaj, e foi composta por ambas juntamente com Ariel Rechtshaid, Toby Gad, Maureen McDonald, Diplo e Sophie, sendo produzida por Madonna e os dois últimos. A obra foi desenvolvida após Diplo ouvir a canção "Pretty Boy Farmer" de Lil B, a qual apresentava linhas referenciando a cantora. Ele mostrou sua ideia para a musicista e sugeriu que ela selecionasse Minaj, com quem havia trabalhado em seu disco anterior MDNA (2012). Posteriormente, os produtores elaboraram a composição da obra quando Diplo apresentou melodias de pizzicato e drop para Madonna e ela aprovou-as; o também DJ acrescentou sons de violão devido ao fato de a estadunidense começar a elaborar músicas tocando o instrumento.

A obra foi lançada como o terceiro single do disco em 15 de junho de 2015 através das gravadoras Boy Toy, Live Nation e Interscope, sendo editada em um extended play (EP) digital formado por dez remixes comercializado na loja virtual iTunes Store. Musicalmente, "Bitch I'm Madonna" é uma canção que deriva dos gêneros EDM e vaporwave, fundindo elementos da canção "Turn Down for What" de DJ Snake e Lil Jon, bem como do estilo dubstep em sua composição, e inicia-se com o som de violão semelhante ao usado em "Wake Me Up" do DJ Avicii. A cantora interpreta-a com uma voz em tom nasal — reminiscente a raps de Miley Cyrus que apresentam Auto-Tune —, falando de divertir-se continuamente por ser "Madonna". Madonna defendeu o uso da palavra "bitch", explicando que seu significado não é necessariamente vulgar dependendo do contexto no qual ela é utilizada.

"Bitch I'm Madona" recebeu análises geralmente mistas de críticos musicais; alguns deles a descreveram como "energética" e elogiaram a participação de Minaj e sua composição incomum, enquanto outras a criticaram por ser algo "desesperado para chocar". Comercialmente, obteve um resultado moderado, alcançando as trinta melhores posições nas tabelas da Finlândia, da Hungria e da Suécia e registrando entrada nas tabelas musicais de outros cinco países, incluindo os Estados Unidos. Neste último, tornou-se a primeira entrada de Madonna na tabela Billboard Hot 100 desde "Give Me All Your Luvin'" (2012), alcançando a 84ª posição; com isso, ela e Minaj se tornaram a quarta e terceira mulher, respectivamente, a registrarem o maior número de entradas na parada. Além disso, converteu-se na 45ª obra da artista a alcançar o topo da Hot Dance Club Songs, aumentando seu recorde de cantora com mais canções a ficarem na primeira posição do gráfico.

O vídeo musical correspondente foi dirigido pelo sueco Jonas Åkerlund e apresenta participações especiais de Minaj, Diplo, Rita Ora, Chris Rock, Miley Cyrus, Beyoncé, Katy Perry e Kanye West. As cenas se passam nos últimos andares do Standard Hotel em Nova Iorque, onde Madonna e seus amigos fazem uma festa e a terminam na cobertura do edifício. Além de ter enfrentado problemas técnicos durante seu lançamento exclusivo no serviço de streaming Tidal, o projeto foi recebido com análises mistas, pois embora tenham elogiado sua natureza de loucura, profissionais criticaram a falta dos convidados previamente anunciados no local de filmagens. Para a divulgação de "Bitch I'm Madonna", a cantora apresentou-a em uma performance com temática festeira no programa The Tonight Show Starring Jimmy Fallon e a incluiu no repertório de sua turnê Rebel Heart Tour (2015-16).

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

O DJ e produtor estadunidense Diplo co-compôs e co-produziu "Bitch I'm Madonna".

Em fevereiro de 2014, Madonna anunciou que estava começando a trabalhar em seu décimo segundo álbum de estúdio, dizendo: "Neste momento, estou no processo de falar com vários co-compositores e produtores e falar sobre onde quero ir com minha música".[1] No mês seguinte, ela começou a divulgar uma série de imagens em seu Instagram, insinuando possíveis compositores e colaboradores com hashtags. Em maio, a cantora postou uma selfie em cuja legenda falou sobre trabalhar com o DJ e produtor compatriota Diplo.[2] Ela convidou-o para sua festa anual do Oscar, mas ele não pôde comparecer. Eventualmente, eles começaram a discutir uma possível colaboração através de mensagens de textos e decidiram trabalhar no disco da intérprete.[3] Em entrevista ao portal Idolator, Diplo explicou que Madonna havia lhe pedido para produzir sua "música mais louca" para o projeto. Juntos, eles compuseram e gravaram sete canções, com o DJ acrescentando: "Essas músicas terão um som louco. Nós puxamos o envelope com algumas das coisas que estávamos fazendo. (...) Ela estava aceitando qualquer coisa. Eu adoro quando um artista dá a um produtor a confiança que ele precisa para trabalhar [com o produtor], e Madonna estava muito aberta para minhas ideias".[4]

Diplo confirmou que uma das faixas gravadas possuía o título de "Bitch I'm Madonna", a qual ele acreditou que iria aumentar o limite lírico para uma canção pop.[5][6] Madonna explicou que a frase era nova para ela e foi introduzida pelo produtor; ele explicou que a cantora era uma pessoa que poderia permanecer bem ao enfrentar críticas, uma vez que esta não era apenas uma referência à artista. A principal origem para o desenvolvimento da obra foi a canção "Pretty Boy Farmer" de Lil B, que apresentou as letras "Eu pareço Madonna / Fala sério, sou um fazendo". Após ouvir o tema, Diplo levou esta ideia para Madonna e desenvolveu uma canção que retratasse os detratores da intérprete, que falavam negativamente sobre sua longevidade na indústria musical, acrescentando: "Nós fizemos essa música como se fosse, 'Dane-se. Fala sério, todos nós somos Madonna". Ele também insistiu na participação da rapper trindiana Nicki Minaj, que havia trabalhando anteriormente com a musicista no álbum MDNA.[7]

Em entrevista para a revista Interview, Diplo explicou que a composição da obra surgiu quando ele e Madonna estavam bebendo certa noite em um estúdio de gravação. Lá, ele apresentou uma melodia de pizzicato japonês e um ritmo de drop, as quais foram aprovadas por ela. Devido ao fato de a artista começar a elaborar suas composições no violão, o DJ acrescentou sons do instrumento na melodia e progrediu com a escrita.[8] Outra foto postada pela estadunidense no Instagram confirmou a participação de Minaj na faixa, a qual foi legendada com a frase "Mandamos ver ou vamos embora, fazemos isso a noite toda!".[9] Em conversa com a Rolling Stone, Madonna discutiu seu método de trabalho com a rapper:[10]

Lançamento e remixes[editar | editar código-fonte]

Fedde le Grand e Sander Kleinenberg foram alguns dos DJs que fizeram remixes de "Bitch I'm Madonna". Os remixes de ambos foram lançados comercialmente em um extended play (EP) com outras oito versões.

Em 17 de dezembro de 2014, foi noticiado pela Billboard que a versão demo de "Bitch I'm Madonna" havia sido ilegalmente divulgada na Internet, juntamente com as outras doze demos gravadas para o décimo terceiro álbum de estúdio da artista, até então não intitulado. Agravada com a situação, Madonna explicou que as canções eram versões demo de gravações antigas, comparando a divulgação ilegal a um "estupro artístico". Ela foi posteriormente criticada por referir-se à divulgação como "terrorismo", devido ao ataque à escola do exército em Peshawar e à crise de reféns em Sydney, ambos ocorridos naquele ano. Três dias depois, foi iniciada a pré-venda do disco, Rebel Heart, na loja virtual iTunes Store. Quando feita a compra, seis faixas eram automaticamente vendidas em formato digital, incluindo "Bitch I'm Madonna". Madonna disse que as canções eram "um presente de natal antecipado", com o lançamento do álbum vindo a ocorrer em março de 2015.

Em junho de 2015, Madonna confirmou através de seu Instagram que "Bitch I'm Madonna" serviria como a terceira faixa de trabalho de Rebel Heart, sucedendo "Living for Love" e "Ghosttown". Três remixes da canção foram lançados para streaming no YouTube e no Tidal. Juntamente com eles, foi divulgada a capa do single, a qual foi criada por um fã brasileiro da artista. A intérprete viu algumas das montagens feitas pelo rapaz e, após aprová-las, pediu que ele criasse a capa para "Bitch I'm Madonna". Grande partes dos remixes de gênero house da obra foram produzidas por Rosabel, Sander Kleinenberg e Oscar G, que falou sobre a colaboração em seu Facebook: "Quando Madonna chama você, você sabe exatamente o que ela quer. Estou muito agradecido pela oportunidade!". Outro remix, feito por Sick Individuals — um duo holandês formado por Rinze "Ray" Hofstee e Joep "Jim" Smeele —, foi divulgado exclusivamente pela Billboard. Estes remixes foram editados em um extended play (EP), o qual foi primeiramente lançado em 15 de junho de 2015 na Alemanha, na Austrália e no Japão através das gravadoras Live Nation, Interscope e Boy Toy. No dia seguinte, o EP foi comercializado no Canadá e nos Estados Unidos pelas mesmas editoras.

Uma vez que Madonna teve de antecipar o lançamento das seis primeiras faixas de Rebel Heart devido à divulgação ilegal, Diplo esclareceu que a versão contida no álbum não era a edição final da canção feita por ele; esta versão foi divulgada pelo produtor no SoundCloud. Três dos remixes em estilo house de "Bitch I'm Madonna" foram lançados como versões dub do número, com uma "longa seção de batida e vocais mínimos de Madonna", conforme notado por Robbie Daw do Idolator. O remix de Kleineneberg apresentou um som completamente diferente das versões house, embora Daw tenha escrito que todas soavam "baratas" em comparação à original. De acordo com o duo Sick Individuals, o remix do número feito por eles tem batidas "contundentes" e também era energético, feita para às pistas de dança. O remix de Fedde le Grand não faz uso de nenhum dos efeitos presentes na versão original, e foi criado como um tema electro house com sons metálicos.

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

País Data Formato Gravadora
 Alemanha[25] 15 de junho de 2015 EP digital de remixes Boy Toy, Live Nation, Interscope
 Austrália[26]
 Japão[27]
 Canadá[28] 16 de junho de 2015
 Estados Unidos[29]

Referências

  1. Sarah Hampson (14 de fevereiro de 2014). «My seven-minute, speed-date interview with Madonna». The Globe and Mail (em inglês). The Woodbridge Company. Consultado em 10 de novembro de 2015. 
  2. Chris Payne (8 de maio de 2014). «Madonna Hits Studio With 'Slave Driver' Diplo». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 10 de novembro de 2015. 
  3. Jason Lipshutz (21 de agosto de 2014). «Billboard Cover Story Sneak Peek: Diplo Got Drunk With Madonna and 4 Other Details on Their Upcoming Collaboration». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 10 de novembro de 2015. 
  4. John Blistein (3 de julho de 2014). «Diplo: Madonna Asked for 'Craziest Record I Had' for New Album». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner  Parâmetro desconhecido |aacessodata= ignorado (ajuda)
  5. Adam Bychawski (2 de julho de 2014). «Madonna writes song called 'Bitch, I'm Madonna' with Diplo». NME (em inglês). IPC Media. Consultado em 10 de novembro de 2015. 
  6. Alexandre Schnabl (29 de junho de 2014). «Exclusivo! Diplo incendeia a casa fenomenal da Nike e conta para a gente sobre seus maiores sucessos». Heloisa Tolipsan. Consultado em 10 de novembro de 2015. 
  7. Matthew Jacobs (16 de abril de 2015). «Diplo: Bitch, We Are All Madonna». The Huffington Post (em inglês). The Huffington Post Company. Consultado em 10 de novembro de 2015. 
  8. Rick Rubin (abril de 2015). «Diplo». Interview (em inglês). Brant Publications. Consultado em 21 de junho de 2015. 
  9. Jessica Letkemann (26 de setembro de 2014). «Quotes of the Week: Madonna and Nicki Werk It, Lorde's Makeup Mishap and More». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 10 de novembro de 2015. 
  10. a b Caryn Ganz (21 de dezembro de 2014). «'Rebel Heart': Madonna Reveals the Story Behind Six Surprise Songs». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 10 de novembro de 2015. 
  11. «Madonna e Nicki Minaj – Bitch I'm Madonna (Ultratip Flandres)» (em inglês). Ultratip. Consultado em 20 de julho de 2015. 
  12. «Madonna e Nicki Minaj – Bitch I'm Madonna (Canadian Hot 100)» (em inglês). Canadian Hot 100. Consultado em 20 de julho de 2015. 
  13. «Madonna e Nicki Minaj – Bitch I'm Madonna (Productores de Música de España)» (em inglês). Productores de Música de España. Consultado em 13 de junho de 2015. 
  14. Gary Trust (25 de junho de 2015). «Madonna Returns to Hot 100 With 'B**** I'm Madonna'». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 28 de junho de 2015. 
  15. Keith Caulfield; Gordon Murray; Gary Trust (31 de julho de 2015). «Madonna Scores 46th No. 1 on Dance Club Songs Chart». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 31 de julho de 2015. 
  16. «Madonna e Nicki Minaj – Bitch I'm Madonna (Dance/Electronic Songs)» (em inglês). Dance/Electronic Songs. Consultado em 28 de junho de 2015. 
  17. «Madonna e Nicki Minaj – Bitch I'm Madonna (IFPI Finlândia)» (em inglês). IFPI Finlândia. Consultado em 13 de junho de 2015. 
  18. «Madonna e Nicki Minaj – Bitch I'm Madonna (Syndicat National de l'Édition Phonographique)» (em inglês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 13 de junho de 2015. 
  19. «Madonna e Nicki Minaj – Bitch I'm Madonna (Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége)» (em inglês). Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége. Consultado em 13 de junho de 2015. 
  20. «Madonna e Nicki Minaj – Bitch I'm Madonna (DigiListan)» (em inglês). DigiListan. Consultado em 13 de junho de 2015. 
  21. «2015 Billboard Dance Club Songs». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 8 de outubro de 2015. 
  22. «2015 Billboard Dance/Eletronic Digital Songs». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 8 de outubro de 2015. 
  23. «2015 Billboard Dance/Eletronic Songs». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 8 de outubro de 2015. 
  24. «Polish single certifications – Madonna – Bitch I'm Madonna». ZPAV. Consultado em 8 de outubro de 2016. 
  25. «Bitch I'm Madonna (feat. Nicki Minaj) [The Remixes] by Madonna» (em inglês). iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 21 de junho de 2015. 
  26. «Bitch I'm Madonna (feat. Nicki Minaj) [The Remixes] by Madonna» (em inglês). iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 21 de junho de 2015. 
  27. «Bitch I'm Madonna (feat. Nicki Minaj) [The Remixes] by Madonna» (em inglês). iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 21 de junho de 2015. 
  28. «Bitch I'm Madonna (feat. Nicki Minaj) [The Remixes] by Madonna» (em inglês). iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 21 de junho de 2015. 
  29. «Bitch I'm Madonna (feat. Nicki Minaj) [The Remixes] by Madonna» (em inglês). iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 21 de junho de 2015.