Belém (Palestina)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Belém (Cisjordânia))
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: esta página contém alguns caracteres especiais e é possível que a impressão não corresponda ao artigo original.

Belém
Belen palestina.jpg
Um bairro moderno em Belém
Hebraico בית לחם
Árabe بيت لحم
Significado casa do pão (árabe e hebraico)
Governo Cidade (desde1995)
Coordenadas 31° 42′ N 35° 11′ E
População 25 266[1] (2007)
Jurisdição  dunams
Prefeito Vera Baboun
Website www.bethlehem-city.org

Belém (em árabe: بيت لحم; transl.: Bayt Laḥm, lit. "Casa do Pão"; em hebraico: בית לחם; transl.: Beit Lehem, lit. "Casa do Pão"; em grego clássico: Βηϑλεέμ; transl.: Bethlehém; em latim: Bethlehem) é uma cidade palestina localizada na parte central da Cisjordânia, com uma população de cerca de 30 000 pessoas. É a capital da província de Belém, no Estado da Palestina, e um centro de cultura e turismo no país.[2] [3] Localiza-se a cerca de 10 quilômetros ao sul de Jerusalém, a uma altitude de 765 metros acima do nível do mar. Belém fica próxima às cidades de Beit Jala e Beit Sahour, assim como dos campos de refugiados de Aida e Azza.

Belém é, para a maior parte dos cristãos, o local onde nasceu Jesus de Nazaré. A cidade é habitada por uma das mais antigas comunidades cristãs do mundo, embora seu tamanho tenha se reduzido nos últimos anos, devido à emigração.[4]

A cidade também é a terra natal do rei Davi, e o local onde ele foi coroado rei de Israel. Foi saqueada pelos samaritanos em 529 d.C., durante sua revolta, porém foi reconstruída pelo imperador bizantino Justiniano II. Belém foi conquistada pelo califado árabe de Omar (Umar ibn al-Khattāb), em 637, que garantiu a segurança para os santuários religiosos da cidade. Em 1099 os cruzados capturaram e fortificaram Belém, e trocaram o seu clero, ortodoxo grego, por outro, latino; estes, no entanto, foram expulsos depois que a cidade foi capturada por Saladino, sultão do Egito e da Síria. Com a chegada dos mamelucos, em 1250, as muralhas da cidade foram destruídas, sendo reconstruídas apenas durante o domínio do Império Otomano.[5]

Os otomanos perderam a cidade para os britânicos durante a Primeira Guerra Mundial, e ela foi incluída numa zona internacional sob o Plano de Partilha das Nações Unidas para a Palestina.

A Jordânia ocupou a cidade durante a guerra israelo-árabe de 1948, ocupação esta seguida pela de Israel, durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967. Atualmente, Belém é uma cidade estrangulada pelo muro de segurança israelense. Israel controla as entradas e saídas de Belém, embora a administração cotidiana esteja sob a supervisão da Autoridade Nacional Palestina desde 1995, após a realização dos acordos de paz de Oslo.[5]

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população de Belém é constituída de cristãos e muçulmanos, que têm coexistido pacificamente durante a maior parte de sua história. Atualmente a população é majoritariamente muçulmana, mas a cidade ainda abriga uma das maiores comunidades de cristãos palestinos. O contingente de cristãos, que correspondia a cerca de 90% do total em 1948, tem decrescido drasticamente e hoje corresponde a 30%. Esse declínio é atribuído à falta de perspectivas da economia, dado que muitas famílias de agricultores cristãos perderam suas terras, para a construção de assentamentos judeus.[4]

Em 1867, um visitante americano descreve a cidade como tendo uma população de 3.000 a 4,000, dos quais, cerca de 100 eram protestantes, 300 eram muçulmanos e "os demais pertenciam às Igrejas Latina e Grega, com alguns poucos armênios".[6] Outro relato do mesmo estima a população cristã em 3.000 pessoas; os muçulmanos seriam apenas 50.[7]

Em 1948, 85% dos habitantes eram cristãos, a maioria deles pertencente à Igreja Ortodoxa Grega e à Igreja Católica Romana,[8] e 13% eram muçulmanos sunitas. Em 2005, a proporção de residentes cristãos caiu dramaticamente - para algo em torno de 40% a 50%.[9] A única mesquita na Cidade Velha é a Mesquita de Omar.[10]


Ano População
1867 3.000-4.000[6]
1945 8.820[11]
1961 22.450
1983 16.300[12]
1997 21.930[13]
2004 (projetada) 28.010[14]
2006 (projetada) 29.930[14]
2007 25.266[13]

Segundo o censo palestino de 1997, a cidade tinha uma população de 21.670, sendo 11.079 homens e 10.594 mulheres. Nesse total estavam incluídos 6.570 refugiados, que correspondiam a 30.3% da população total.[13] [15]

A distribuição por faixa etária era a seguinte mostrava uma população preponderantemente jovem: 65% tinham menos de 30 anos, sendo:

27,4% abaixo de 10 anos
20% de 10 a 19 anos
17,3% de 20 a 29 anos
17,7% de 30 a 44 anos
12,1% de 45 a 64 anos
5.3% acima de 65 anos.

Em 2007, dos 25.266 habitantes, 12.753 eram homens e 12,513 eram mulheres. Havia 6.709 domicílios, dos quais 5.211 correspondiam a unidades familiares. A média por família era de 4,8 membros. As maiores religiões em Belém são o Cristianismo (principalmente o catolicismo) e o Islamismo, com alguns poucos grupos de Judeus.[1]

Economia[editar | editar código-fonte]

Entrada principal de Belém (julho de 2005), junto ao Muro da Cisjordânia..

A principal atividade econômica da cidade é o turismo, que cresce sobretudo durante o período do Natal, quando a Igreja da Natividade, supostamente construída sobre o local de nascimento de Jesus, torna-se um centro de peregrinação cristã. Também a tumba de Raquel, um importante local sagrado para o judaísmo, encontra-se na entrada de Belém. A cidade tem mais de trinta hotéis e 300 lojas de artesanato, que empregam boa parte dos residentes da cidade.[16] A economia de Belém sempre esteve ligada à de Jerusalém, que está a cerca de 10 km de distância. Mas o grande muro de concreto cinza, medindo 30 pés de altura (cerca de 9 metros) construído por Israel passa por dentro da província de Belém, e assim, os habitantes de Belém já não podem mais ir a Jerusalém para trabalhar ou fazer compras. Sem terras para cultivar, eles estão agora quase totalmente dependentes do dinheiro gasto pelos peregrinos. Mas estes, desencorajados pelo Muro, raramente permanecem em Belém, optando por visitas de algumas horas à Basílica da Natividade e aos Campos dos Pastores, gastando pouco. Fugindo do desemprego de mais de 50% e privados das liberdades fundamentais, cerca de 3.000 cristãos emigraram nos últimos anos para os EUA e o Chile.[4]

História[editar | editar código-fonte]

Pix.gif Local do nascimento de Jesus: a Igreja da Natividade e a Rota de Peregrinação, Belém *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Bethlehem Polenov.jpg
Pintura de Belém, 1882
País  Palestina
Tipo Cultural
Critérios iv, vi
Referência 1433
Região** Ásia e Oceania
Coordenadas 31° 42′ N 35° 12′ E
Histórico de inscrição
Inscrição 2012  (36ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

Os primeiros assentamentos, no local onde está a cidade de Belém, datam 3000 a.C. . Em todo o território hoje constituído por Israel e Palestina se assentaram tribos cananéias, sendo as principais as dos: jebuseus, hititas e amaritas, que construíram pequenas cidades, cercadas por muralhas que as protegiam. Uma destas cidades foi Beit Lahama, em homenagem a Lahm, deus caldeu da fertilidade, que foi adotado pelos cananeus com o nome de Laham, a quem construíram um templo, localizado no atual Monte da Natividade, voltado para os vales férteis da região, depois chamados Campo dos Pastores.

Em 1350 a.C. um governador egípcio da região menciona a cidade de Belém, em carta ao faraó Amenófis III, como importante ponto de repouso para os viajantes. Por ser ponto estratégico, os filisteus aí mantinham uma de suas divisões militares, impondo sua hegemonia em 1200 a.C., passando a se miscigenar am com os cananeus. A disputa por terras entre filisteus e israelitas foram causa de numerosas guerras.

Os gregos ocuparam a Terra Santa por mais de um século, até a chegada dos romanos, em 63 a.C. Após o ano 313, o imperador Constantino iniciou a construção de várias igrejas, das quais se destaca a Basílica da Natividade, sobre a gruta onde Jesus nascera. Belém passou a ser então importante centro de vida monástica. Em 395, com a divisão do Império Romano, passou a integrar a parte oriental.

Na Bíblia[editar | editar código-fonte]

Belém foi identificada com a antiga Efrata, já citada na Bíblia (Gn 35, 16; 48, 27; Rt 4, 11), e é chamada de Belém Efrata no Livro de Miquéias (5, 2). Localizada na zona montanhosa de Judá, a cidade também era designada como Belém de Judá (Jz 17,7; Mt 2,5; Sam 17, 12), possivelmente para distingui-la de Belém de Zebulom (Js 19,15), e "a cidade de Davi" (Lc 2, 4).

A cidade é mencionada pela primeira vez no Tanakh e na Bíblia como a cidade mais próxima ao local onde a matriarca abraâmica Raquel teria morrido, sendo então enterrada "no caminho de Efrata, que é Belém" (Gen. 48, 7)[17] O Túmulo de Raquel, segundo a tradição, encontra-se na entrada da cidade. De acordo com o Livro de Rute, o vale a leste da cidade é onde Rute de Moabe respigou os campos e retornou à cidade com Naomi. Belém é também tida tradicionalmente como a terra natal de Davi, o segundo rei de Israel, e o lugar onde ele foi coroado por Samuel (Sam 16, 4-13), e foi no poço da cidade que três de seus guerreiros pegaram a água levada a ele, quando teve se esconder na caverna de Adulão. (Sam 23, 13-17) Ocupada, por algum tempo, pelos filisteus, foi fortificada por Roboão e repovoada quando da volta do Exílio.

Belém é mencionada também por ser o local de nascimento de Jesus Cristo (Mt 2, 1-6; Lc 2, 4-15; Jo 7, 42), cumprindo-se, então a profecia messiânica: "E tu Belém, terra de Judá, não és de modo nenhum o menor dentre os principais lugares de Judá. Porque é de ti que há de sair o Chefe, que há de pastorear o meu povo, Israel" (Mq 5,2).

Nascimento de Jesus[editar | editar código-fonte]

A estrela de prata marca o local onde Jesus teria nascido, de acordo com a tradição cristã.

Dois relatos do Novo Testamento descrevem Jesus como tendo nascido em Belém. De acordo com o Evangelho de São Lucas (2, 4), os pais de Jesus viviam em Nazaré, porém viajaram para Belém para o censo de 6 d.C., e Jesus teria nascido ali antes que a família voltasse para Nazaré.

O relato do Evangelho de São Mateus insinua que a família já vivia em Belém quando Jesus nasceu, e posteriormente se mudou para Nazaré (Mat 2, 1-23).[18] Mateus ainda relata que Herodes, o Grande, ao receber a notícia de que um "Rei dos Judeus" acabara de nascer em Belém, ordenou que todas as crianças com dois anos ou menos na cidade e nas redondezas fossem mortas. O pai terreno de Jesus, José, é alertado sobre isto num sonho, e foge com sua família para o Egito, retornando apenas depois da morte de Herodes. Ao receber outro aviso, em outro sonho, no entanto, José foge novamente com sua família, desta vez para a Galiléia, para viver em Nazaré.

Os primeiros cristãos interpretaram um dos versos do Livro de Miqueias (Miq 5, 2) como uma profecia do nascimento do Messias em Belém.[19] Muitos estudiosos modernos questionam se Jesus teria nascido realmente em Belém, sugerindo que os diferentes relatos dos Evangelhos teriam sido inventados para apresentar o seu nascimento como a realização desta profecia, implicando assim uma ligação com a linhagem do rei Davi.[20] [21] [22] [23] O Evangelho de São Marcos e o Evangelho de São João não incluem relatos sobre o nascimento de Jesus, ou qualquer indício de que ele tenha nascido em Belém, referindo-se a ele apenas como sendo de Nazaré.[24] Num artigo escrito em 2005 para a revista Archaeology, o arqueólogo israelense Aviram Oshri indicou a ausência de evidências de habitações na área durante o período em que Jesus teria nascido.[25]

A antiguidade da tradição do nascimento de Jesus em Belém é atestada pelo apologista cristão Justino, o Mártir, que declarou em seu Diálogo com Trifão (circa 155-161) que a Sagrada Família teria se refugiado numa caverna nos arredores da cidade.[26] Orígenes de Alexandria, escrevendo por volta do ano 247, referiu-se a uma caverna na cidade de Belém, que os habitantes locais acreditavam ser o local de nascimento de Jesus.[27] Esta caverna poderia ser uma que foi anteriormente local destinado ao culto de Tammuz.[28]

Períodos romano e bizantino[editar | editar código-fonte]

Vista da Basílica da Natividade em 1833, pintura de M. N. Vorobiev.

Entre 132 e 135 a cidade foi ocupada pelos romanos, após ser capturada durante a Revolta de Bar Kokhba; seus habitantes judeus foram expulsos por ordens do imperador Adriano.[29] Ainda durante o domínio romano da cidade, foi construído um templo ao deus grego Adônis, no local onde teria ocorrido a Natividade. Uma igreja foi construída no local em 326, quando Helena, mãe do primeiro imperador bizantino, Constantino, visitou Belém.[5]

Durante a revolta samaritana de 529, Belém foi saqueada, e suas muralhas, assim como a Basílica da Natividade, foram destruídas, sendo reconstruídas por ordem do imperador Justiniano. Em 614 o Império Sassânida invadiu a Palestina e capturou a cidade. Uma história ocorrida na época, descrita por fontes posteriores, afirma que os invasores se abstiveram de destruir a igreja ao ver os Reis Magos pintados com vestimentas persas num dos mosaicos.[5]

Domínio islâmico e Cruzadas[editar | editar código-fonte]

Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
A Mesquita de Omar, única mesquita da cidade, foi construída em 1860, para celebrar a visita do califa Omar a Belém, após sua captura pelos muçulmanos.

Em 637, pouco tempo depois da captura de Jerusalém pelos exércitos islâmicos, Omar ('Umar ibn al-Khattāb), o segundo califa, visitou Belém e prometeu que a Basílica da Natividade seria preservada para o uso dos cristãos.[5] Uma mesquita dedicada a Omar foi construída sobre o local da cidade onde ele orou, nas proximidades da igreja.[10] Belém passou então para o controle dos califados islâmicos dos Omíadas, no século VIII, e dos Abássidas, no século IX. Um geógrafo persa registrou, no meio deste século, que uma igreja muito bem preservada e extremamente venerada existia na cidade. Em 985 o geógrafo árabe Al-Muqaddasi visitou a cidade, e referiu-se à sua igreja como "Basílica de Constantino, à qual não existe igual em qualquer outro lugar do país."[30] Em 1009, durante o reinado do sexto califa fatímida, Al-Hakim bi-Amr Allah, a Basílica da Natividade foi demolida, sob suas ordens; sua reconstrução foi autorizada por seu sucessor, Ali az-Zahir, como forma de consertar as relações entre os fatímidas e o Império Bizantino[31]

Em 1099 Belém foi capturada pelos cruzados, que a fortificaram e construíram um novo mosteiro e um claustro no lado norte da Basílica da Natividade. O clero ortodoxo grego foi removido de suas sedes, e substituído por clérigos latinos; até aquele ponto a presença oficial cristã na região era ortodoxa grega. No dia de Natal de 1100, Balduíno I, primeiro rei do reino franco de Jerusalém, foi coroado em Belém, e naquele ano um bispado latino também foi estabelecido na cidade.[5]

Belém, na visão do pintor Vasily Polenov (1882).

Em 1187, Saladino, sultão do Egito e da Síria, liderou os aiúbidas que capturaram Belém dos cruzados. Os clérigos latinos foram obrigados a fugir, o que permitiu o retorno do clero ortodoxo grego. Saladino concordou com o retorno de dois padres latinos e dois diáconos, em 1182; a cidade, no entanto, sofreu com a perda do comércio gerado pelos peregrinos, com o declínio de visitantes europeus.[5]

Guilherme IV, Conde de Nevers, havia prometido aos bispos cristãos de Belém que, se a cidade caísse sob o controle islâmico, ele os receberia na pequena cidade de Clamecy, na região de Borgonha, França. O bispo de Belém foi então instalado no Hospital de Panthenor, na cidade, em 1223. Clamecy permaneceu como a sede in partibus infidelium do bispado de Belém por quase 600 anos, até a Revolução Francesa, em 1789.[32]

Belém - juntamente com Jerusalém, Nazaré e Sídon - foi cedida brevemente ao reino cruzado de Jerusalém, através de um tratado entre o sacro imperador romano-germânico Frederico II e o sultão aiúbida Al-Kamil, em 1229, em troca de uma trégua de dez anos entre os aiúbidas e os cruzados. O tratado expirou em 1239, e Belém foi recapturada pelos muçulmanos em 1244.[33]

Em 1250, com a ascensão dos mamelucos ao poder, sob Rukn al-Din Baibars, a tolerância ao cristianismo diminuiu; os clérigos abandonaram a cidade, e, em 1263, as muralhas da cidade foram demolidas. O clero latino retornou a Belém no século seguinte e se estabeleceu no mosteiro ao lado da Basílica da Nativide. Os ortodoxos gregos receberam o controle da basílica, e partilharam o controle da 'Gruta do Leite' com os latinos e os armênios.[5]

UNESCO[editar | editar código-fonte]

A UNESCO inscreveu Local do nascimento de Jesus: a Igreja da Natividade e a Rota de Peregrinação, Belém como Patrimônio Mundial por "ser um local identificado com a tradição Cristã como o local de nascimento de Jesus Cristo, desde o Século II...O local ainda inclui conventos e igrejas Latinas, Gregas Ortodoxas, Franciscanas e Armênias"[34]

Referências

  1. a b Censo de 2007 (PDF) Palestinian Central Bureau of Statistics.
  2. In the West Bank, Politics and Tourism Remain Bound Together Inextricably - New York Times. Visitado em 22-1-2008.
  3. Places to Visit In & Around Bethlehem - Bethlehem Hotel -. Visitado em 22-1-2008.
  4. a b c The Pope must tell the truth about Bethlehem. Cercados pelo muro de Israel e enfrentando uma taxa de desemprego de 50%, os cristãos de Belém estão silenciosamente abandonando a cidade. Por Austen Ivereigh. The guardian, 13 de maio de 2009.
  5. a b c d e f g h History of Bethlehem Bethlehem Municipality. Visitado em 22-1-2008.
  6. a b Ellen Clare Miller, 'Eastern Sketches - notes of scenery, schools and tent life in Syria and Palestine'. Edinburgh: William Oliphant and Company. 1871. p. 148.
  7. William Wyndham Malet. The olive leaf: a pilgrimage to Rome, Jerusalem, and Constantinople, in 1867, for the reunion of the faithful. [S.l.]: T. Bosworth, 1868. p. 116. Visitado em 9 November 2010.
  8. Andrea Pacini. Socio-Political and Community Dynamics of Arab Christians in Jordan, Israel, and the Autonomous Palestinian Territories. [S.l.]: Clarendon Press, 1998.  282 pp. ISBN 0-19-829388-7
  9. Bethlehem Christians Worry About Islamic Takeover in Jesus' Birthplace (2005-05-19). Cópia arquivada em 2008-02-13.
  10. a b Mosque of Omar, Bethlehem Atlas Travel and Tourist Agency. Visitado em 22-1-2008.
  11. Hadawi, Sami. Village Statistics of 1945: A Classification of Land and Area ownership in Palestine Organização para a Libertação da Palestina - Centro de Pesquisa.
  12. Censo do Israel Central Bureau of Statistics
  13. a b c Palestinian Population by Locality, Sex and Age Groups in Years: Bethlehem Governorate (1997) Palestinian Central Bureau of Statistics.
  14. a b Projected Mid -Year Population for Bethlehem Governorate by Locality 2004-2006 Palestinian Central Bureau of Statistics.
  15. Palestinian Population by Locality and Refugee Status Palestinian Central Bureau of Statistics.
  16. Better times return to Bethlehem BBC News BBC MMVIII (22 de dezembro de 2007). Visitado em 22-1-2008.
  17. Bíblia Online - versão Almeida Corrigida e Revisada Fiel (Ed. 1994).
  18. Vermes, Geza; The Nativity: History and Legend, London, Penguin, 2006, pág. 64.
  19. Freed, Edwin D.; Stories of Jesus' Birth, (Continuum International, 2004) pág. 77.
  20. Vermes, Geza. The Nativity: History and Legend, London, Penguin, 2006, pág. 22
  21. Sanders, E. P. The Historical Figure of Jesus, 1993, pág. 85
  22. Crossan, John Dominic & Watts, Richard G. Who Is Jesus?: Answers to Your Questions About the Historical Jesus, Westminster John Knox Press, pág. 19.
  23. Dunn, James D. G. Jesus Remembered: Christianity in the Making, (Eerdmans, 2003), pág. 344-345.
  24. Mills, Watson E. e Bullard, Roger Aubrey. Mercer Dictionary of the Bible, Volume 5: Mercer University Press (1990), págs. 445 - 446. Ver Marcos 6, 1-4 e João 1, 46.
  25. Oshri, Aviram; "Where was Jesus Born?", Archaeology, volume 58, número 6, novembro/dezembro de 2005.
  26. Taylor, Joan E. Christians and the Holy Places, Oxford University Press, 1993, pág. 99-100: "Joseph … took up his quarters in a certain cave near the village; and while they were there Mary brought forth the Christ and placed him in a manger, and here the Magi who came from Arabia found him." ("José … se instalou numa certa caverna próxima à aldeia; e enquanto estavam ali Maria deu a luz ao Cristo, e o colocou sobre uma manjedoura, e ali os Reis Magos, vindos da Arábia, o encontraram." cap. LXXVIII).
  27. "In Bethlehem the cave is pointed out where he was born, and the manger in the cave where he was wrapped in swaddling clothes. And the rumor is in those places, and among foreigners of the Faith, that indeed Jesus was born in this cave who is worshipped and reverenced by the Christians". ("Em Belém mostra-se a caverna onde ele nasceu, e a manjedoura, dentro da caverna, onde ele foi coberto e vestido. E existe o rumor naqueles lugares, e entre os estrangeiros à Fé, que de fato Jesus nasceu naquela caverna, que é reverenciada e cultuada pelos cristãos." livro I, cap. LI).
  28. Taylor, Joan E. Christians and the Holy Places, Oxford University Press, 1993, págs. 96-104.
  29. History of Bethlehem Bethlehem Homepage.
  30. le Strange, Guy. (1890) Palestine Under the Moslems. COmmitte for the Palestine Exploration Fund, pp.298-300.
  31. Persian, Greek, Roman, Byzantine Eras History of the Middle East Database (5 de dezembro de 2007). Visitado em 22-1-2008.
  32. de Sivry, L. : "Dictionnaire de Geographie Ecclesiastique", pág. 375., ed. de 1852, a partir do registro eclesiástico das cartas entre os bispos de Belém in partibus aos bispos de Auxerre.
  33. Paul Read, Peirs. The Templars. [S.l.]: Macmillan, 2000. 206 pp. ISBN 0312266588 Visitado em 2008-04-12.
  34. Birthplace of Jesus: Church of the Nativity and the Pilgrimage Route, Bethlehem. UNESCO World Heritage Centre - World Heritage List (whc.unesco.org). Em inglês ; em francês. Páginas visitadas em 13/02/2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Belém (Palestina)