Family Guy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Family Guy
Family Guy (PT)
Uma Família da Pesada (BR)
Family Guy Logo.svg.png
The Griffin family.png
Informação geral
Formato Série de desenho animado
Duração 20-24 minutos
Criador(es) Seth MacFarlane
País de origem  Estados Unidos
Idioma original Inglês
Produção
Diretor(es) Seth MacFarlane
Elenco Seth MacFarlane
Alex Borstein
Seth Green
Mila Kunis
Mike Henry
Exibição
Emissora de
televisão original
Estados Unidos Fox
Formato de exibição 480i (SDTV) (1999–2002, 2005–2010)
720p (HDTV) (2010–presente)
Transmissão original Série original:
31 de janeiro de 1999 – 14 de fevereiro de 2002
Série relançada:
1 de maio de 2005 – atualmente
N.º de temporadas 12
N.º de episódios 231 (lista de episódios)
Cronologia
Programas relacionados The Cleveland Show
American Dad!

Family Guy (Uma Família da Pesada, no Brasil[1] ) é uma sitcom de animação norte-americana criada por Seth MacFarlane para a Fox Broadcasting Company em 1999. MacFarlane, além de ser o autor da série, contribui igualmente com as vozes de muitas das personagens (Peter, Brian, Stewie, Glen Quagmire, Tom Tucker, entre outros).

A história da série gira em torno dos Griffins, uma família disfuncional que consiste nos pais Peter e Lois; os filhos Meg, Chris e Stewie; e o seu animal de estimação, o cão antropomórfico Brian. A série é ambientada na cidade fictícia de Quahog, Rhode Island, e a base de grande parte do seu humor vem de paródias da cultura pop americana.

A família foi concebida por MacFarlane após o desenvolvimento de dois filmes de animação, The Life of Larry e Larry & Steve. MacFarlane redesenhou o protagonista dos filmes, Larry e seu cachorro Steve, e rebatizou-os para Peter e Brian, respectivamente. MacFarlane lançou um piloto de quinze minutos para a Fox que foi transmitido em 20 de dezembro de 1998. Depois do episódio piloto do programa foi dada a luz verde e começou a produção da série. Pouco depois da terceira temporada de Family Guy ir ao ar em 2001, a Fox cancelou a série. No entanto, as favoráveis vendas do DVD e os altos índices de reprises convenceram a rede a renovar o programa em 2004.

Family Guy foi indicada para doze prêmios Emmy e onze Annie, ganhando três de cada um. Em 2009, foi indicada ao Emmy de melhor série de comédia, sendo a primeira vez que uma série de animação é indicada para essa categoria desde The Flintstones, em 1961. Family Guy também tem recebido críticas, incluindo comparações desfavoráveis devido as suas semelhanças com The Simpsons.

Origem[editar | editar código-fonte]

Seth MacFarlane inicialmente concebeu Family Guy em 1995, enquanto estudava animação na Escola de Design de Rhode Island (RISD).[2] Durante a faculdade, ele criou um curta-metragem para a sua tese intitulado The Life of Larry,[2] que foi apresentado por seu professor da RISD à Hanna-Barbera, o que levou MacFarlane a ser contratado pela empresa.[3] Em 1996, MacFarlane criou uma sequência de The Life of Larry intitulada Larry and Steve, que conta a história de um personagem de meia-idade chamado Larry e de seu cão intelectual, Steve; o curta foi transmitido em 1997, como um dos programas do What a Cartoon! Show, do Cartoon Network.[2]

Larry (à esquerda) e Steve (à direita), como eles apareceram em Larry & Steve (1997), um curta de animação dirigido por Seth MacFarlane. Larry e Steve seriam a base para os personagens de Family Guy Peter e Brian, respectivamente.

Os executivos da Fox viram os curtas de Larry e contrataram MacFarlane para criar uma série chamada Family Guy, baseada nesses personagens.[4] A Fox propôs que MacFarlane concluísse um curta de quinze minutos e deu-lhe um orçamento de US$ 50 mil.[5] Vários aspectos de Family Guy foram inspirados nos curtas de Larry.[6] Enquanto trabalhava na série, os personagens Larry e seu cachorro Steve lentamente evoluíram para Peter e Brian.[4] [7] MacFarlane disse que a principal diferença entre The Life of Larry e Family Guy era que "The Life of Larry foi apresentado, principalmente, no meu quarto, enquanto Family Guy foi exibida após o Super Bowl".[6] Após o piloto ter ido ao ar, foi dada luz verde à série. MacFarlane usou como inspiração vários seriados, como The Simpsons e The Family Stone.[8] As ambientações foram retiradas de vários desenhos animados que eram transmitidos aos sábados de manhã nos anos 1980 e que MacFarlane via quando era criança, tal como The Fonz and the Happy Days Gang e Rubik, the Amazing Cube.[9]

A família Griffin apareceu pela primeira vez na demo que MacFarlane apresentou para a Fox em 15 de maio de 1998.[10] Family Guy foi originalmente planejado para começar como pequenos curtas que seriam apresentados no programa MADtv, mas o plano mudou porque o orçamento de MADtv não era grande o suficiente para apoiar a produção da animação. MacFarlane então percebeu que essa seria a oportunidade para criar uma série de animação voltada para o horário nobre do canal.[8] Family Guy foi apresentada originalmente para a Fox no mesmo ano da série King of the Hill, mas o programa não foi comprado pela emissora até anos depois, quando King of the Hill tornou-se um produto bem sucedido.[8] A Fox encomendou treze episódios de Family Guy para serem lançados no meio da temporada, após MacFarlane impressionar os executivos da emissora com uma demo de sete minutos.[11]

Produção[editar | editar código-fonte]

Produtores executivos[editar | editar código-fonte]

O criador da série, Seth MacFarlane, atuou como produtor executivo durante toda a história do programa e atua também como consultor criativo. Os primeiros produtores executivos que trabalharam na série foram David Zuckerman,[12] Lolee Aries, David Pritchard e Mike Wolf.[13] Family Guy já teve muitos produtores executivos ao longo de sua história, incluindo Daniel Palladino, Kara Vallow e Danny Smith. David A. Goodman se juntou ao programa como co-produtor executivo na terceira temporada e acabou se tornando produtor executivo.[14] Alex Borstein, a voz de Lois, também trabalhou tanto como supervisora quanto como produtora executiva na quarta e na quinta temporada.[15]

Roteiro[editar | editar código-fonte]

Matt Weitzman (à esquerda), escritor e ex-funcionário, e Mike Barker, ex-produtor e roteirista da série. Ambos, mais tarde, criaram American Dad! ao lado de Seth MacFarlane.

A primeira equipe de redatores reunidos para a animação era constituída por Chris Sheridan,[16] Danny Smith, Gary Janetti, Ricky Blitt, Neil Goldman, Garrett Donovan, Matt Weitzman e Mike Barker.[17] O processo de escrita dos episódios de Family Guy geralmente começa com 14 escritores que se revezam escrevendo os roteiros; quando um roteiro é concluído, ele é enviado para o resto dos escritores ler. Seth explicou que, normalmente, leva cerca 10 meses para produzir um episódio porque o programa utiliza animação desenhada à mão. Family Guy raramente faz comentários sobre eventos atuais por esta razão.[18] Os escritores iniciais da animação nunca tinham escrito para um programa desse tipo, sendo que a maioria deles veio de sitcoms ao vivo.[8]

MacFarlane já afirmou que é fã dos programas de rádio das décadas de 1930 e 1940, especialmente os de suspense, o que o levou a dar títulos ameaçadores aos primeiros episódios da série, como "Death Has a Shadow" e "Mind Over Murder". Seth explicou que a equipe derrubou essa convenção da nomenclatura depois que episódios específicos tornaram-se difíceis de identificar e a novidade ter acabado.[19] Nos primeiros meses de produção, os escritores compartilhavam um escritório, emprestado a eles pela equipe de produção de King of the Hill.[19]

Autor de quatorze episódios, Steve Callaghan é o escritor mais prolífico na equipe de Family Guy. Muitos dos escritores que deixaram o show passaram a criar ou produzir outras séries de sucesso. Neil Goldman e Garrett Donovan co-escreveram treze episódios para Scrubs, da NBC, durante sua carreira de oito anos no programa, além de também trabalharem como co-produtores, o que os levou a trilhar seu caminho até produtores executivos.[20] Mike Barker e Matt Weitzman mais tarde criaram American Dad!, juntamente com MacFarlane.[21] [22]

Durante a greve dos roteiristas americanos em 2008, a produção oficial do programa foi interrompida por vários meses a partir de dezembro de 2007. A Fox continuou produzindo episódios sem a aprovação final de Seth. Embora MacFarlane tenha se recusado a trabalhar na série, seu contrato com a Fox o obrigou a contribuir com todos os episódios que seriam posteriormente produzidos.[23] A produção foi oficialmente retomada após o fim da greve e a regularidade dos episódios recomeçou em 17 de fevereiro de 2008.[24]

Estreia e cancelamentos[editar | editar código-fonte]

Family Guy estreou oficialmente depois da transmissão do Super Bowl XXXIII na Fox, em 31 de janeiro de 1999, com o episódio "Death Has a Shadow". O programa estreou com 22 milhões de espectadores e imediatamente gerou polêmica quanto ao seu conteúdo adulto.[25] A série retornou ao ar em 11 de abril de 1999, com o episódio "I Never Met the Dead Man". Family Guy recebeu avaliações positivas no horário da 20:30 da Fox, no domingo, entre a apresentação de The Simpsons e The X-Files.[11] No final de sua primeira temporada, a animação foi classificada como o 33º programa nas avaliações do Nielsen Ratings, com 12,8 milhões famílias sintonizadas na sua apresentação.[26] A segunda temporada da série foi lançada em um horário novo, quinta-feira, às 21 horas, em 23 de setembro de 1999. Family Guy foi confrontado com Frasier, da NBC, e a audiência da série diminuiu drasticamente.[11] Family Guy então foi removida do calendário permanente da Fox e começou a ter seus episódios exibidos irregularmente. A animação retornou em 7 de março de 2000, às 20:30, todas às terças-feiras, mas foi constantemente superada na audiência pelo game show americano Quem Quer Ser um Milionário?, chegando ao 114º lugar nas avaliações de Nielsen, com 6,320 milhões de domicílios assistindo ao programa.[27] A Fox anunciou que a série tinha sido cancelada em 2000, no final da sua segunda temporada.[28] No entanto, após uma suspensão de última hora, a Fox anunciou em 24 de julho de 2000 a sua intenção de encomendar treze episódios adicionais de Family Guy para formar uma terceira temporada.[25]

A animação retornou a ser transmitida em 8 de novembro de 2001, mais uma vez em um horário complicado: às noites de quinta, às 20:00. Esse horário trouxe concorrência com Survivor e Friends. (Esta situação foi posteriormente comentada no filme Stewie Griffin: The Untold Story).[29] Durante as segunda e terceira temporadas, a Fox mudou a série para diferentes dias e horários com pouco ou nenhum aviso e, consequentemente, a classificação de audiência do programa foi atingida.[30] Após a inauguração da programação anual da Fox em 15 de maio desse mesmo ano, Family Guy estava ausente da grade.[11] A Fox anunciou que a série tinha sido cancelada oficialmente pouco depois disso.[31]

Sucesso cult e relançamento[editar | editar código-fonte]

Depois do cancelamento oficial, a Fox tentou vender os direitos das reprises da série, mas foi difícil encontrar redes interessadas; o Cartoon Network finalmente comprou os direitos da animação "[...] basicamente de graça", de acordo com o presidente da 20th Century Fox Television.[32] Family Guy estreou em reprises no Adult Swim em 20 de abril de 2003 e tornou-se imediatamente o principal programa do bloco, dominando a audiência no final da noite e aumentando-a em 239%.[11] [33] As primeira e segunda temporadas completas foram lançadas em DVD na mesma semana de estreia da série no Adult Swim e o programa se tornou um fenômeno cult, vendendo 400 000 cópias em um mês.[11] As vendas do DVD alcançaram 2,2 milhões de cópias,[34] tornando-se o programa de televisão mais vendido em DVD de 2003 e o segundo mais vendido da história,[35] atrás apenas da primeira temporada de The Chappelle's Show, da Comedy Central.[36] O lançamento da terceira temporada em DVD também vendeu mais de um milhão de cópias.[33] A popularidade da série nas vendas em DVD e na apresentação das reprises reacendeu o interesse da Fox e, em 20 de maio de 2004, a emissora encomendou 35 novos episódios de Family Guy, marcando o primeiro relançamento de um programa de televisão por causa das suas vendas em DVD.[36] [37]

"North by North Quahog", que estreou em 1 maio de 2005, foi o primeiro episódio a ser transmitido após o cancelamento do programa. Ele foi escrito por MacFarlane e dirigido por Peter Shin.[38] MacFarlane acredita que o hiato de três anos do programa foi benéfico porque séries animadas normalmente não têm hiatos e rumam para o fim de suas temporadas, "[...] você vai ver muito mais piadas de sexo de uma equipe cansada, cujos cérebros foram fritos." Com "North by North Quahog", a equipe de roteiristas tentou manter o programa "[...] exatamente como ele era" antes de seu cancelamento e "nenhum de nós tinha qualquer desejo de fazer com que pareça qualquer trapaça."[39] O episódio de relançamento foi assistido por 11,85 milhões de telespectadores,[40] a maior audiência da série desde a exibição do último episódio da temporada inicial, "Brian: Portrait of a Dog".[41]

Processos judiciais[editar | editar código-fonte]

Em março de 2007, a comediante Carol Burnett entrou com um processo de US$ 6 milhões contra a 20th Century Fox, alegando que sua personagem diarista havia sido retratada na série sem a sua permissão. Ela afirmou que isso era uma violação de marca e que a Fox violou os seus direitos de publicidade.[42] [43] [44] Em 4 de junho de 2007, o juiz americano Dean D. Pregerson rejeitou a ação, afirmando que a paródia estava protegida sob Primeira Emenda, citando o processo Revista Hustler vs Falwell como um precedente.[45]

Em 3 de outubro de 2007, a Bourne Co. Music Publishers entrou com um processo contra Family Guy acusando o programa de violar seus direitos autorais sobre a canção "When You Wish upon a Star", através de uma versão parodiada intitulada "I Need a Jew" que aparece no episódio "When You Wish Upon a Weinstein". A Bourne Co., o único proprietário dos direitos autorais da música nos Estados Unidos, alegou que a paródia era uma cópia "velada" de sua música e com letras antissemitas. Os citados nessa ação foram MacFarlane, a 20th Century Fox Film Corp, a Fox Broadcasting Co., o Cartoon Network e Walter Murphy; o processo tentou parar a distribuição do programa e pediu uma indenização não especificada.[46] A Bourne argumentou que "I Need a Jew" usa a melodia protegida por direitos autorais de "When You Wish upon a Star", sem comentar sobre a música, e que não era, portanto, uma paródia protegida pela Primeira Emenda, através da decisão em Campbell vs Acuff-Rose Music, Inc.[47] [48] Em 16 de março de 2009, a juíza distrital dos Estados Unidos, Deborah Batts, decidiu que Family Guy não infringiu os direitos autorais da Bourne, quando transformou a música para uso em um episódio cômico.[49]

Em dezembro de 2007, Family Guy foi novamente acusado de violação de direitos autorais quando o ator Art Metrano entrou com uma ação sobre uma cena no filme "Stewie Griffin: The Untold Story", em que Jesus faz o principal ato "mágico" de Metrano, que envolve absurdos gestos mágicos "faux", enquanto cantarolava a melodia "Fine and Dandy".[50] MacFarlane, a 20th Century Fox, Steve Callaghan e Alex Borstein foram todos citados na ação.[51] Em julho de 2009, um juiz de um Tribunal Distrital Federal rejeitou o pedido da Fox para negar o processo, dizendo que os três primeiros fatores de uso justo, que envolvem o "propósito e caráter do uso", a "natureza da obra violada", e a "quantidade e substancialidade da tomada", contaram a favor Metrano, enquanto o quarto fator, o "impacto econômico", precisava aguardar mais evidências. Ao negar a recusa, o tribunal considerou que a referência na cena fez referência a Jesus e seus seguidores e não a Metrano ou seu ato.[52] [53] [54]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Elenco de dubladores de Family Guy reunido na Comic-Con de 2009, em San Diego, Califórnia.

Seth MacFarlane dubla quatro dos principais personagens da série: Peter Griffin, Brian Griffin, Stewie Griffin e Glen Quagmire.[55] MacFarlane escolheu por si mesmo a voz desses personagens, acreditando que seria mais fácil retratar as vozes que ele já havia imaginado do que para outra pessoa tentar dublar os personagens.[9] A inspiração de MacFarlane para a voz de Peter veio um segurança que ouviu falar, enquanto frequentava a Rhode Island School of Design.[56] A voz de Stewie foi baseada na voz do ator britânico Rex Harrison,[57] em especial em desempenho no drama musical de 1964, My Fair Lady.[58] MacFarlane usa sua voz normal quando dubla Brian[9] e também fornece as vozes de vários outros personagens recorrentes, sendo os mais proeminentes o vizinho dos Griffins Glenn Quagmire, o âncora Tom Tucker, e o pai de Lois, Carter Pewterschmidt.[59] Alex Borstein dubla Lois Griffin, a correspondente asiática Tricia Takanawa, Loretta Brown e a mãe de Lois, Barbara Pewterschmidt.[60] Borstein foi convidada a dublar para o episódio piloto da série, enquanto ela estava trabalhando na MADtv. Ela não conhecia MacFarlane ou tinha visto qualquer um dos seus trabalhos e disse que estava "realmente perdida".[61] Na época, Borstein realizava um espetáculo em Los Angeles, no qual ela interpretou uma mãe ruiva, cuja voz tinha base em um de seus primos.[60] [61] Seth Green dubla os personagens Chris Griffin e Neil Goldman.[59] [62] Green afirmou que fez uma imitação de "Buffalo Bill", personagem do filme de suspense O Silêncio dos Inocentes, durante a sua audição.[63] [64] Mila Kunis e Lacey Chabert dublam Meg Griffin.[59] Chabert deixou a série por causa dos conflitos de tempo com o seu papel em Party of Five e trabalhos escolares. Kunis fez o teste para o papel e depois foi chamada de volta por MacFarlane, que a instruiu a falar mais devagar, e então disse-lhe para voltar outra hora e articular mais. Quando ela disse que tinha tudo sob controle, MacFarlane a contratou. Mike Henry dubla Cleveland Brown e Herbert, assim como alguns personagens secundários recorrentes, como o artista performático Bruce.[65] Henry estudou com MacFarlane na Rhode Island School of Design e manteve contato com ele depois que se formou.[66] Alguns anos mais tarde, MacFarlane entrou em contato com ele sobre fazer parte da série, ele concordou e entrou em campo como roteirista e dublador.[66] Durante as quatro primeiras temporadas, ele foi creditado como um ator convidado, mas no espisódio "Prick Up Your Ears" da quinta temporada ele começou a ser creditado como membro do elenco principal.[66]

Elenco principal
A man with black hair and a black shirt, leaning forward, smiling into a microphone. A woman with black hair, tied back, smiling, and sitting behind a microphone. A man with red hair, smiling slightly and sitting behind a microphone. A woman with long brown hair, smiling into a microphone. A man with closely shaven hair, and slight stubble, looking to the side slightly with his eyes, behind a microphone. A man wearing a hat, smiling into a microphone
Seth MacFarlane Alex Borstein Seth Green Mila Kunis Mike Henry Patrick Warburton
Peter Griffin, Stewie Griffin, Brian Griffin, Glenn Quagmire, Tom Tucker, Carter Pewterschmidt, outros Lois Griffin, Loretta Brown, Barbara Pewterschmidt, Tricia Takanawa e outros Chris Griffin, Neil Goldman e outros Meg Griffin Cleveland Brown, Herbert, Bruce e outros Joe Swanson

Personagens[editar | editar código-fonte]

A família Griffin. Atrás: Lois, Peter, Meg, Chris, frente: Brian e Stewie.

A animação gira em torno das aventuras da família de Peter Griffin, um trapalhão, mas bem-intencionado trabalhador. Peter é um americano descendente de irlandeses e católico, com um proeminente sotaque da região de Boston, Massachusetts.[67] Sua esposa Lois é uma dona-de-casa e professora de piano, e tem um distinto sotaque da Nova Inglaterra, por ser membro da rica família Pewterschmidt.[68] Peter e Lois têm três filhos: Meg, sua filha adolescente que é frequentemente alvo de piadas devido à sua rusticidade e falta de popularidade; Chris, seu filho adolescente, que está acima do peso, é pouco inteligente e, em muitos aspectos, é uma versão mais nova de seu pai; e Stewie, o seu filho bebê diabólico de orientação sexual ambígua, que tem trejeitos de adulto e fala fluentemente com sotaque britânico e frases de arquivilão estereotipadas.[69] Brian, o cão da família, um ser antropomórfico, bebe e fuma excessivamente. Com o passar dos episódios, ele e Stewie foram caindo na graça do público, e por isso, hoje em dia, aparacem tanto quanto Peter, o verdadeiro protagonista.[70]

Muitos personagens recorrentes aparecem ao lado da família Griffin. Estes incluem os vizinhos da família: o maníaco por sexo e piloto de avião Glenn Quagmire, o leve e educado proprietário de lanchonete Cleveland Brown (a partir da nona temporada saiu da série para estrear a animação The Cleveland Show) e sua esposa (ex-esposa a partir da quarta temporada) Loretta Brown com seu filho hiperativo, Cleveland Jr; o paraplégico policial Joe Swanson, sua esposa Bonnie, seu filho Kevin e sua filha Susie (Bonnie estava grávida de Susie, desde o início da série até o episódio 7 da oitava temporada); o paranóico farmacêutico judaico Mort Goldman, sua esposa Muriel e seu filho nerd e chato Neil; e o idoso pedófilo Herbert. Os âncoras da TV Tom Tucker e Diane Simmons, a repórter asiática Tricia Takanawa e o meteorologista Ollie Williams também fazem aparições frequentes. O prefeito de Quahog, Adam West (dublado por e nomeado pelo real Adam West), também aparece regularmente.[67]

Principais características[editar | editar código-fonte]

Episódios Road to...[editar | editar código-fonte]

Os episódios "Road to..." (em português: Estrada para... - tradução livre) são uma série de importantes episódios onde os personagens realizam viagens.[71] [72] [73] Eles são uma paródia da série de filmes de comédia "Road to...", estrelada por Bing Crosby, Bob Hope e Dorothy Lamour, que foi lançada entre os anos de 1940 e 1962.[72] Estes episódios geralmente envolvem os personagens Stewie e Brian em alguma localização estrangeira, sobrenatural ou relacionada à ficção científica e que, portanto, difere da localização normal da animação, a cidade de Quahog. O primeiro episódio do tipo, intitulado "Road to Rhode Island", foi ao ar em 30 de maio de 2000, durante a segunda temporada. Os episódios são conhecidos pelos elaborados números musicais, semelhantes aos filmes da série "Road".[74] Esses episódios contêm diversas características marcantes, como uma versão especial da abertura do programa, músicas e números musicais personalizados e paródias de filmes de ficção científica e fantasia.[75]

A ideia original dos episódios "Road to" veio do próprio MacFarlane, que é fã dos filmes de Crosby, Hope e Lamour. O primeiro episódio foi dirigido por Dan Povenmire, que dirigiu a série "Road to" até o episódio "Road to Rupert", época em que ele deixou o programa para criar Phineas and Ferb.[76] [77] Greg Colton então assumiu cargo de Povenmire como diretor dos episódios "Road to".[78]

Ambientação[editar | editar código-fonte]

Panorama urbano de Providence, Rhode Island, que na animação aparece ao fundo da casa da família Griffin.

O principal cenário de Family Guy é Quahog (/ koʊhɒɡ /), uma cidade fictícia localizada no estado americano de Rhode Island. MacFarlane residia em Providence durante sua época de estudante na Escola de Design de Rhode Island e o programa apresenta vários dos principais marcos de Rhode Island semelhantes aos locais do mundo real.[79] [80] MacFarlane muitas vezes pega emprestado os nomes de locais e ícones de Rhode Island, tais como Pawtucket e e o ex-prefeito de Providence, Buddy Cianci, para usar na série. Seth, em uma entrevista ao WNAC Fox 64 News local, afirmou que Quahog é inspirada na cidade de Cranston, Rhode Island.[81]

Humor[editar | editar código-fonte]

Family Guy usa a técnica de cutaway do cinema, que consiste em cortes com pequenos flashbacks ao longo da história e que ocorre na maioria dos episódios da série. A ênfase desses cortes é muitas vezes colocada em referência a acontecimentos atuais e/ou modernos ícones culturais.[82]

Os primeiros episódios basearam muito do seu humor nas excentricidades de supervilão de Stewie, como seus planos constantes para a dominação total do mundo, seus experimentos malignos, planos e invenções para se livrar de coisas que ele não gosta e suas tentativas constantes de matricídio. Como a série progrediu, os escritores e MacFarlane concordaram que a personalidade e as piadas de Stewie estavam começando a se desgastar e assim começaram a escrever-lhe uma personalidade diferente.[83] Family Guy muitas vezes usa de um humor autorreferencial. A forma mais comum são piadas sobre a própria Fox Company e ocasiões em que os personagens quebram a quarta parede, abordando o público. Por exemplo, em "North by North Quahog", o primeiro episódio que foi ao ar após o relançamento da série, tinha uma cena em que Peter dizia à família que eles foram cancelados porque a Fox teve que abrir espaço em sua agenda para programas como Dark Angel, Titus, Undeclared, Action, That '80s Show, Wonderfalls, Fastlane, Andy Richter Controls the Universe, Skin, Girls Club, Cracking Up, The Pitts, Firefly, Get Real, Freakylinks, Wanda at Large, Costello, The Lone Gunmen, A Minute with Stan Hooper, Normal, Ohio, Pasadena, Harsh Realm, Keen Eddie, The $treet, The American Embassy, Cedric the Entertainer Presents, The Tick, Luis e Greg the Bunny. Lois então pergunta se há alguma esperança, quando Peter responde que, se todos esses programas fossem cancelados, eles poderiam ter uma chance. Todos os programas foram de fato cancelados durante a pausa de Family Guy.[84] [85] [86]

A animação usa bordões durante seus episódios e a maioria dos personagens principais e secundários têm um. Expressões notáveis ​​incluem "Giggity giggity goo" de Quagmire, "Freakin' sweet" de Peter e "Bring it on!" de Joe.[83] O uso de muitos desses bordões diminuiu em temporadas posteriores. O episódio "Big Man on Hippocampus" inclusive zomba desse tipo de humor: quando Peter, que esqueceu tudo sobre sua vida, é apresentado à Meg, ele exclama: "D'oh!", ao qual Lois responde: "Não, Peter, esse não é o seu bordão."[87]

Recepção e legado[editar | editar código-fonte]

Sucesso[editar | editar código-fonte]

Family Guy recebeu muitas opiniões positivas dos críticos. Catherine Seipp, da National Review Online, descreveu a série como um "desagradável, mas extremamente engraçado cartoon".[88] Caryn James, do The New York Times, disse que é um programa com uma "família escandalosamente satírica" e "inclui muitas possibilidades cômicas e paródias."[89] Nancy Franklin, do The New Yorker, disse que Family Guy está se tornando uma das melhores séries animadas atuais, comentando sobre a sua linguagem irreverente e popularidade, chegando a dizer que a série é melhor que Os Simpsons, em termos de qualidade.[90] A animação também se tornou um hit no site Hulu, tornando-se o segundo programa mais visto depois de Saturday Night Live.[91] O portal IGN disse que Family Guy é um grande programa e também comentou que a série ficou melhor desde o seu renascimento. Eles também afirmaram que não conseguem imaginar outra sitcom de meia hora que dispõe de tantas risadas como Family Guy.[92] A Empire elogiou a série e seus roteiristas por serem capazes de criar verdadeiros momentos hilariantes com um material improvável. Eles também comentaram que um dos motivos para amarem o programa é porque nada é sagrado e piadas e sátiras podem ser feitas sobre quase todos os assuntos.[93] Family Guy também se provou popular no Reino Unido ao obter entre 700.000 e 1 milhão de espectadores na BBC Three.[94]

Muitas celebridades têm admitido que são fãs da série. Emily Blunt, que afirmou que Family Guy é a sua série favorita e manifestou interesse em se tornar uma estrela convidada do programa.[95] Robert Downey Jr. perguntou se poderia produzir ou ajudar na criação de um episódio, já que seu filho é fã da série, então os produtores criaram o personagem de Downey.[96] Lauren Conrad afirmou assistir Family Guy há anos e considerar Stewie o seu personagem favorito.[97] Comentando a sua aparição no episódio "Big Man on Hippocampus" (8ª temporada, 2010), o ator Dwayne Johnson declarou que ele é um "grande fã" de Family Guy,[98] tendo se tornado amigo de MacFarlane depois que ele fez uma pequena participação no filme Tooth Fairy, de 2010.[98]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Family Guy e seu elenco foram indicados para treze Emmy Awards, com quatro vitórias. MacFarlane ganhou o prêmio Outstanding Voice-Over Performance por seu desempenho como Stewie,[99] Murphy e MacFarlane ganharam o prêmio de canção e letra de destaque pela canção "You Got a Lot to See" apresentada no episódio "Brian Wallows and Peter's Swallows",[99] Steven Fonti ganhou o prêmio de feito individual de destaque em animação por seu trabalho no episódio "No Chris Left Behind"[100] e Greg Colton ganhou o prêmio de feito individual de destaque em animação por seu trabalho no episódio "Road to the Multiverse".[101] A série foi indicada para onze Annies e ganhou três vezes, duas em 2006 e uma vez em 2008.[102] [103] [104] Em 2009, a série foi indicada para o Emmy de melhor série de comédia, tornando-se o primeiro programa de animação a ser indicado nesta categoria desde Os Flintstones, em 1961,[105] embora Os Simpsons tenha quase sido indicado no ano de 1993, o que não aconteceu porque os eleitores do Emmy estavam hesitantes em votar em animações ao invés de programas ao vivo.[106] [107] Family Guy também foi indicado e ganhou vários prêmios de diferentes cerimônias de premiação, incluindo o Teen Choice e o People's Choice.[108] [109] [110] Na edição de número 1000 da Entertainment Weekly, Brian Griffin foi selecionado como o cão para "a família perfeita da TV".[111] A revista Wizard classificou Stewie como o 95º maior vilão de todos os tempos.[112] O jornal britânico The Times classificou Family Guy como o 45º melhor programa americano em 2009.[113] Family Guy apareceu em duas das lista do portal IGN: foi classificada na sétima posição entre as 100 melhores séries animadas e na sexta posição nas 25 melhores séries animadas de todos os tempos.[92] [114] A Empire nomeou a série como o 12º melhor programa de TV de todos os tempos.[93] Além disso, os telespectadores do canal de televisão britânico Channel 4 votaram e deixaram Family Guy na 5ª posição da lista de 100 maiores desenhos animados, feita em 2005.[115] Brian foi premiado com o prêmio Stoner de 2009 da revista americana High Times, marcando a primeira vez que um personagem animado recebeu a honra.[116]

Críticas e controvérsias[editar | editar código-fonte]

Family Guy recebeu tratamento negativo de alguns críticos. Um dos primeiros a dar opiniões negativas sobre o programa foi Ken Tucker da Entertainment Weekly, ele disse que a animação é "como Os Simpsons concebido por uma mente singularmente juvenil que carece de qualquer ponto de referência que não seja outros programas de TV."[117] [118] O Parents Television Council, uma organização sem fins lucrativos conservadora, atacou a série desde o seu início e marcou vários episódios para "mostrar o pior da TV na semana".[119] [120] [121] Em maio de 2000, o CPT lançou uma campanha de cartas para a rede Fox, em um esforço para convencer a rede a cancelar a série.[122] O CPT tem colocado o programa em suas listas anuais de "piores programas do horário nobre a família assistir", em 2000, 2005 e 2006.[123] [124] [125] A Comissão Federal de Comunicações recebeu várias petições solicitando que a animação fosse bloqueada da radiodifusão por motivos de "indecência".[126] Tucker e o CPT têm acusado do programa de retratar a religião de forma negativa e de ser racista.[127] [128] Por causa do CPT, alguns anunciantes cancelaram seus contratos depois de analisar o conteúdo dos episódios, alegando que eles eram inadequados.[129] [130] Os críticos têm comparado o humor e os personagens da série com aqueles presentes em Os Simpsons.[131] [132]

Vários episódios da série têm gerado controvérsia. Em "The Son Also Draws" (primeira temporada, 1999), Peter brinca dizendo que o "Canadá é um lixo", o que gerou polêmica entre os espectadores canadenses.[133] No episódio "420" (sétima temporada, 2009), Brian decide começar uma campanha para legalizar a maconha em Quahog; o governo venezuelano reagiu negativamente ao episódio e Family Guy foi proibida de ser transmitida nas redes locais do país. O ministro da Justiça venezuelano Tareck El Aissami, citando a promoção do uso de maconha, afirmou que todas as redes a cabo que não parassem de transmitir a série iria ser multada;[134] O governo do país mostrou um clipe que mostrava Brian e Stewie cantando os louvores de maconha como uma demonstração de como os Estados Unidos apoiam o uso de cannabis.[135] Em "Extra Large Medium" (oitava temporada, 2010), uma personagem chamada Ellen (que tem síndrome de Down) afirma que a mãe dela é a ex-governadora do Alasca, o que indica que ela está falando de Sarah Palin, a única mulher a ter conseguido alcançar o cargo de governador do estado. Sarah Palin, a mãe de uma criança com necessidades especiais, criticou o episódio em uma aparição no The O'Reilly Factor, chamando aqueles que fizeram o programa de "pessoas cruéis e frias de coração".[136]

Exibição[editar | editar código-fonte]

País Rede(s) de TV Data da estreia Fonte
 Alemanha Comedy Central
ProSieben
VIVA
17 de agosto de 2002 [137]
 Austrália Seven Network
Fox8
7mate
9 de abril de 1999
2000
27 de setembro de 2010
[138]
 Brasil FX Brasil
Rede Globo
Desconhecido [1] [139]
 Canadá Global 31 de janeiro de 1999 [140]
 Espanha Fox
laSexta (anteriormente)
Neox (2012–)
12 de junho de 2001 [141]
 Estados Unidos Fox
Adult Swim
Broadcast syndication
31 de janeiro de 1999 [142]
 Filipinas Jack TV Desconhecido [143]
 Grécia FX Desconhecido [144]
 Hungria Comedy Central Desconhecido [145]
 Islândia Desconhecido 7 de novembro de 2003 [146]
 Irlanda 3e Desconhecido [147]
 Israel Yes Desconhecido [148]
 Itália Fox Desconhecido [149]
 Letônia TV6 Desconhecido [150]
 México FX 5 de julho de 2005 [146]
 Nova Zelândia FOUR Desconhecido [151]
 Países Baixos Comedy Central Desconhecido [152]
 Polônia TV4 (sob o título Głowa rodziny)
Comedy Central (2007–2008)
Fox (2010–)
Desconhecido [153]
[154]
 Portugal FX
RTP2
Desconhecido [155]
 Reino Unido BBC Three
FX
21 de setembro de 1999 [156]
Sudeste Asiático Fox 5 de janeiro de 2010 [157]
 Turquia e2 Desconhecido [158]

Outras mídias[editar | editar código-fonte]

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

Uma história em quadrinhos baseada no universo de Family Guy está sendo produzida. Publicada pela Titan Comics, ela é editada por Steve White e ilustrada por Anthony Williams e S. L. Gallant. A escrita e as ilustrações são supervisionadas por produtores do programa. Os quadrinhos serão compostos por uma história principal, uma história curta e uma tirinha. A primeira história em quadrinhos foi lançada em 27 de julho de 2011.[159]

Apresentações ao vivo[editar | editar código-fonte]

Como publicidade para a série e, como Newman descreveu, "[para] expandir o interesse no programa além dos seus obstinados fãs", a Fox organizou quatro espetáculos Family Guy Live!, que contou com membros do elenco lendo em voz alta episódios antigos. O elenco também apresentou números musicais no álbum de comédia Family Guy: Live in Vegas. Os espetáculos eram uma extensão do desempenho do elenco durante o Festival de Comédia de Montreal em 2004.[160] As apresentações The Family Guy Live!, que aconteceram em Los Angeles e Nova York, foram assistidos por cerca de 1 200 pessoas cada.[161]

Em 2007, durante a 59º Edição Anual dos Prêmios Primetime Emmy, MacFarlane apresentou (através de Stewie e Brian inseridos digitalmente) um número na cerimônia de abertura. Ele interpretou uma canção insultando a televisão moderna. A música ataca programas de TV como Two and a Half Men, Desperate Housewives e Scrubs, além da cena final de The Sopranos. Em 2009, um show especial televisivo intitulado Family Guy Presents Seth & Alex's Almost Live Comedy Show, na qual a voz dos atores Alex Borstein e MacFarlane cantaram músicas, assim como uma paródia de "Poker Face", de Lady Gaga, na voz de Marlee Matlin, que apareceu no palco como convidada durante a apresentação.[162]

Filme[editar | editar código-fonte]

Em 22 de julho de 2007, em uma entrevista ao The Hollywood Reporter, MacFarlane anunciou que poderia começar a trabalhar em um filme, apesar de ser "nada oficial".[163] Em uma entrevista à TV Week, na edição de 18 de julho de 2008, MacFarlane confirmou seus planos de produzir uma versão cinematográfica Family Guy em algum momento "no próximo ano".[164] Seth teve uma ideia para a história, "algo que você não poderia fazer no programa, que é a única razão para fazer um filme". Mais tarde, ele passou a dizer que ele imagina que o filme seja "um musical à moda antiga com diálogos", semelhante à Noviça Rebelde, dizendo que ele "estava realmente tentando capturar, musicalmente, esse sentimento".[165] Em 13 de outubro de 2011, Seth MacFarlane confirmou que um acordo para um filme de Family Guy tinha sido feito e que seria escrito por ele e pelo co-produtor da série, Ricky Blitt.[166]

Spin-off[editar | editar código-fonte]

Mike Henry, co-criador e dublador de The Cleveland Show.

MacFarlane co-criou, ao lado de Mike Henry e Richard Appel, o programa The Cleveland Show, um spin-off de Family Guy que estreou 27 de setembro de 2009. Eles começaram a discutir o projeto em 2007.[167] [168] Appel e Henry são os produtores executivos e os showrunners do programa, manipulando as operações de dia-a-dia, com uma participação limitada de MacFarlane.[169] Henry e Appel concebeu a série de animação como "um programa mais para a família, um programa mais doce" do que Family Guy.[170] A primeira temporada é composta por 22 episódios[171] e o programa foi confirmado pela Fox para uma segunda temporada, que consiste em 13 episódios. O anúncio foi feito em 3 de maio de 2009, antes da primeira temporada começar.[172] Posteriormente, a série foi prorrogada para uma segunda temporada completa.[173] Em 2010, Appel assinou um novo contrato de três anos e sete dígitos com a Fox para continuar sendo o showrunner de The Cleveland Show. O presidente da Fox, Gary Newman, comentou: "O que é especial sobre ele é a sua incrível capacidade de liderança."[174] A série foca na história do personagem Cleveland Brown, de Family Guy, que é dublado por Henry, quando ele deixa a cidade de Quahog e se muda com seu filho para começar a sua própria aventura.[167]

Jogos[editar | editar código-fonte]

O Family Guy Video Game! é um jogo de ação de 2006 lançado pela 2K Games e desenvolvido pela High Voltage Software. O jogo recebeu críticas mistas, com média de 50% de opiniões favoráveis ​​para a versão para PlayStation 2,[175] 51% para a versão para PlayStation Portable[176] e 53% para a versão para Xbox,[177] de acordo com o agregador de avaliações Metacritic. O jogo recebeu elogios por seu humor,[178] mas foi criticado por seu pouco tempo de duração[179] e por ser "desinteressante".[180] Em 2 de novembro de 2009, o jornalista do IGN Ryan Langley relatou a produção de um party game de Family Guy para Xbox 360, PlayStation 3 e Wii. Ele citou os perfis do LinkedIn do ex-desenvolvedor da HB Studios Chris Kolmatycki e do co-proprietário da Invisible Entertainment Ron Doucet, que indicavam que essas pessoas trabalhavam nesse jogo.[181] MacFarlane gravou material exclusivo com a voz de Peter e outros personagens de Family Guy para uma máquina de pinball do programa de 2007 feita pela Stern Pinball.[182] Também foi anunciado um jogo chamado Family Guy Online.[183]

Produtos[editar | editar código-fonte]

Até 2009, já haviam seis livros publicados sobre o universo Family Guy pela HarperCollins desde 2005.[184] O primeiro, Family Guy: Stewie's Guide to World Domination (ISBN 978-0-06-077321-2) de Steve Callahan, foi lançado em 26 de abril de 2005. Escrito no estilo de um romance gráfico, a trama mostra o desenvolvimento dos planos de Stewie para governar o mundo.[185] Outros livros incluem Family Guy: It Takes a Village Idiot, and I Married One (ISBN 978-0-7528-7593-4), que cobre os eventos do episódio "It Takes a Village Idiot, and I Married One";[186] e Family Guy and Philosophy: A Cure for the Petarded (ISBN 978-1-4051-6316-3), uma coleção de 17 ensaios explorando as conexões entre a série e alguns filósofos históricos.[187]

Family Guy tem sido bem sucedido comercialmente no mercado doméstico.[188] O programa foi o primeiro a ser relançado por causa das altas vendas em DVD.[189] [190] O primeiro volume, que cobre as duas primeiras temporadas da série, vendeu 1,67 milhões de unidades, superando as vendas de TV DVD em 2003, enquanto o segundo volume vendeu mais de um milhão de unidades.[189] [191] Os volumes seis e sete estrearam em quinto lugar em vendas de DVD nos Estados Unidos;[192] [193] O volume sete foi o DVD de um programa de televisão mais vendido, vendendo 171 mil unidades até 21 de junho de 2009.[193] Family Guy Presents Blue Harvest, o DVD com o episódio especial de Star Wars "Blue Harvest", foi lançado em 15 de janeiro de 2008 e estreou no topo das vendas de DVD dos Estados Unidos.[194] O DVD foi o primeiro de Family Guy que incluía uma cópia digital para download para iPod.[194] Em 2004, a primeira série de bonecos de brinquedo de Family Guy foi lançado pela Mezco Toyz. Cada membro da família Griffin teve seu próprio boneco, com a exceção de Stewie, de qual foram feitos dois bonecos diferentes.[195] Ao longo de dois anos, mais de quatro série de modelos de brinquedos foram lançadas, com várias formas diferentes de Peter.[196] Em 2008, o personagem de Peter apareceu em propagandas de restaurantes da rede americana Subway, promovendo um dos sanduíches vendidos pela companhia.[197] [198]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b FX BrasilUma Família da Pesada. Página visitada em 2 de novembro de 2012.
  2. a b c Lenburg, Jeff. Who's Who in Animated Cartoons: An International Guide to Film & Television's Award-Winning and Legendary Animators. Illustrated ed. New York: Applause Theatre & Cinema Books, 2006. p. 221. ISBN 978-1-55783-671-7
  3. Lenburg, Jeff (11 de maio de 2006). "Family Guy" Seth MacFarlane to speak at Class Day: Creator and executive producer of 'Family Guy' will headline undergraduate celebration Harvard Gazette.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  4. a b Bartlett, James (12 de março de 2007). Seth MacFarlane – he’s the "Family Guy" The Great Reporter. Presswire Limited. Página visitada em 1 de novmebro de 2012.
  5. Andreeva, Nellie (5 de maio de 2008). "Family Guy" creator seals megadeal The Hollywood Reporter.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  6. a b Callaghan, p. 16
  7. Strike, Joe. Cartoon Network Pilots Screened by ASIFA East at NYC's School of Visual Arts Animation World Network. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  8. a b c d Interview with Seth MacFarlane IGN. News Corporation. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  9. a b c Cruz, Gilbert (1 de novembro de 2012). Family Guy's Seth MacFarlane Time. Time Warner. Página visitada em 28 de agosto de 2009.
  10. MacFarlane, Seth. Original Pitch By Seth MacFarlane. Family Guy: Volume 2 [DVD]. 20th Century Fox. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  11. a b c d e f Tim Stack (18 de abril de 2005). A Brief History of the Family Guy Entertainment Weekly. Time Warner. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  12. David Zuckerman. Commentary for the episódio "Death Has a Shadow". Family Guy: Volume 1 [DVD]. 20th Century Fox.
  13. Family Guy: Death Has a Shadow (em inglês) Film.com. RealNetworks. Página visitada em 27 de setembro de 2009.
  14. Steve, Callaghan. Family Guy: The Official Episódio Guide, Seasons 1–3. Nova Iorque: HarperCollins, 2005. p. 158. ISBN 9780060833053 Página visitada em 24 de agosto de 2009.
  15. Alex Borstein from Family Guy (em inglês) Film.com. RealNetworks. Página visitada em 24 de agosto de 2009.
  16. Family Guy — I Never Met the Dead Man Cast and Crew Yahoo! TV. Yahoo! Inc.. Página visitada em 31 de outubro de 2012.
  17. Family Guy: Chitty Chitty Death Bang Film.com. RealNetworks. Página visitada em 31 de outubro de 2010.
  18. 'American Dad' and 'Family Guy' Creator Seth MacFarlane Is Animated About Work and Play The TV Tattler. AOL Inc. (31 de outubro de 2012). Página visitada em 8 de agosto de 2010.
  19. a b William S. Paley TV Fest: Family Guy IGN. News Corporation. Página visitada em 31 de outubro de 2012.
  20. the futon's guide to who's in and who's out The Futon Critic. Página visitada em 31 de outubro de 2012.
  21. Stanley, Alexandria (4 de fevereiro de 2005). Dad Is a C.I.A. Operative, the Kids Have a Weird Pet The New York Times. New York Times Company. Página visitada em 31 de outubro de 2012.
  22. Goyette, Jay (4 de fevereiro de 2005). Family Guy's Seth MacFarlane's Speech Rescheduled The View. Universidade de Vermont. Página visitada em 31 de outubro de 2012.
  23. Adalian, Josef (13 de novembro de 2007). Fox to air new Guy Sunday; MacFarlane hopes network changes plans Variety. Reed Business Information. Página visitada em 31 de outubro de 2012.
  24. Stewie Is On The Lam On "Family Guy" Sunday, May 18, On Fox The Futon Critic.. Página visitada em 31 de outubro de 2012.
  25. a b Family Guy may return USAToday. Gannett Company (18 de novembro de 2003). Página visitada em 1 de novembro de 2009.
  26. 1998–99 Ratings GeoCities. (24 de março de 2004). Página visitada em 16 de setembro de 2010. Cópia arquivada em October 29, 2009.
  27. 1999–2000 Ratings fbibler. (24 de março de 2004). Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  28. Gilbert, Matthew. Family Guy Returns, Just As Funny As Ever Boston Globe.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  29. Idato, Michael (23 de março de 2006). Family Guy Presents Stewie Griffin: The Untold Story The Age. Fairfax Media. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  30. VanDerWerff, Todd. To Surveil With Love"/"Brotherly Love"/"Brian & Stewie The A.V. Club. The Onion, Inc.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  31. McKinley, Jesse (2 de maio de 2005). Canceled and Resurrected, on the Air and Onstage The New York Times. New York Times Company. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  32. Gordon, Devin. (4 de abril de 2005). "Family Reunion": 50.
  33. a b Levin, Gary (24 de março de 2004). 'Family Guy' un-canceled, thanks to DVD sales success USA Today.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  34. Poniewozik, James; McDowell, Jeanne (19 de abril de 2004). It's Not TV. It's TV on DVD Time. Time Warner. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  35. Kipnis, Jill (7 de fevereiro de 2004). Successful "Guy" Billboard.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  36. a b Goodale, Gloria (22 de abril de 2005). Cult fans bring 'The Family Guy' back to TV The Christian Science Monitor.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  37. Levin, Gary (18 de novembro de 2003). 'Family Guy' may return USA Today.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  38. Lowry, Brian (28 de abril de 2005). Family Guy Variety.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  39. Williamson, Kevin (1 de maio de 2005). 'Family Guy' returns Calgary Sun & Jam!.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  40. Aurthur, Kate (3 de maio de 2005). A Sweeping Weekend The New York Times. New York Times Company. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  41. Levin, Gary (3 de maio de 2005). 'Guy' fares better than 'Dad' USA Today.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  42. Carol Burnett sues over Family Guy cartoon cleaning woman (16 de março de 2007). Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  43. Comedian Burnett sues Family Guy BBC News. (17 de março de 2007). Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  44. Carol Burnett v. "Family Guy" The Smoking Gun. Courtroom Television Network (16 de março de 2007). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  45. (6 de junho de 2007) "Carol Burnett suit thrown out". Los Angeles Times. Tribune Company.
  46. Bourne Co., vs. Twentieth Century Fox Film Corporation, Fox Broadcasting Company, Twentieth Century Fox Television, Inc., Twentieth Century Fox Home Entertainment, Inc., Fuzzy Door Productions, Inc., The Cartoon Network, Inc., Seth MacFarlane, Walter Murphy. United States District Court, Southern District of New York. 3 de outubro de 2007. Acessado em 31 de outubro de 2012.
  47. Hilden, Julie (31 de outubro de 2007). "The Family Guy" Once Again Tests Parody's Limits: The Copyright Suit Challenging the Show's Use of "When You Wish Upon a Star" FindLaw's Writ. FindLaw. Página visitada em 31 de outubro de 2012.
  48. News Corp. Wins Suit Dismissal Over ‘Family Guy’ Song (Update1) Bloomberg L.P. (16 de março de 2009). Página visitada em 31 de outubro de 2012.
  49. Kearney, Christine (16 de março de 2009). "Family Guy" wins court battle over song. Página visitada em 31 de outubro de 2012.
  50. Magician sues over cartoon Jesus Chortle.. Página visitada em 2009-09-25.
  51. Arthur Metrano, vs. Twentieth Century Fox Film Corporation, Seth MacFarlane, Steve Callaghan and Alex Borstein. United States District Court, Central District of California. 5 de dezembro de 2007. Acessado em 31 de outubro de 2012.
  52. Metrano v. Twentieth Century Fox et al. (CV 08-6314). Memorandum & Order on Motions to Dismiss and to Strike. C.D. Cal. 16 de junho de 2009
  53. Dave Fagundes (20 de julho de 2009). The Amazing Metrano, Family Guy, and Fair Use PrawfsBlawg.. Página visitada em 31 de outubro de 2012.
  54. Andy I. Corea (Dezembro de 2009). Copyright Lessons from Family Guy Add Insult to Injury to Support Your Fair-Use Defense Tennessee Bar Association Newsletter. Tennessee Bar Association. Página visitada em 31 de outubro de 2012.
  55. Graham, Jefferson. . "Cartoonist MacFarlane funny guy of Fox's 'Family' Subversive voice of series is his". USA Today: E7.
  56. Smith, Andy. A Real Family Reunion (em inglês) Providence Journal TV. Página visitada em 25 de setembro de 2009.
  57. Dean, John. Seth MacFarlane’s $2 Billion Family Guy Empire Fox Business. News Corporation. Página visitada em 23 de agosto de 2009.
  58. Franklin, Nancy. (16 de janeiro de 2006). "American Idiots". The New Yorker.
  59. a b c Family Guy Cast and Details (em inglês) TV Guide. Página visitada em 24 de agosto de 2009.
  60. a b Miller, Kirk. Q&A: Alex Borstein Metromix. Página visitada em 28 de agosto de 2009.
  61. a b Alex Borstein (Lois) Laughs at the Once-Dead Family Guy (em inglês's Longevity) TV Guide. Página visitada em 23 de agosto de 2009.
  62. Graham, Jefferson. (9 de abril de 1999). "Seth Green fits right in with new Family". USA Today. Gannett Company.
  63. "Fans help 'Family Guy' return to Fox". Observer-Reporter: E5.
  64. Green, Seth. (27 de setembro de 2005). Stewie Griffin: The Untold Story: Audio Commentary [DVD].
  65. excerpt Behind the scenes of 'Family Guy' *** Character 'voice' star to speak (em inglês) The Advocate. Página visitada em 5 de abril de 2010.
  66. a b c Mike Henry of "Family Guy" talks voices, gags and instinct (em inglês) Campus Times. Página visitada em 14 de setembro de 2009. [ligação inativa]
  67. a b "Cavalcade Of Cartoons, No Joke: Animated Shows Make Up A Third Of The Midseason Replacements For Axed Fall Premieres". The Charlotte Observer.
  68. Hines, Michael. . "Family funny business". Chicago Tribune. Tribune Company.
  69. James, Caryn (29 de janeiro de 1999). TV Weekend; Where Matricide Is a Family Value (em inglês) New York Times. New York Times Company. Página visitada em 3 de outubro de 2008.
  70. Graham, Jefferson. . "Fox revisits Family Guy". USA Today. Gannett Company.
  71. Phelps, Ben (1 de novembro de 2012). Relying on stereotypes, ‘Family Guy’ sticks to its formula, ‘Cleveland’ shows a softer side Tufts Daily. Tufts University. Página visitada em 6 de agosto de 2010. "The show kicked off its eighth season with another entry in the now-classic “Road to ...” series, which allows for many different sight gags and opportunities for a wide range of humor."
  72. a b Love, Brett (29 de janeiro de 2007). Family Guy: Road to Rupert TV Squad. America On Line. Página visitada em 1 de novembro de 2012. "The FG team went back to familiar territory this week, bringing us another "Road to..." episode."
  73. Haque, Ahsan. Family Guy: Stewie and Brian's Greatest Adventures IGN. News Corporation. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  74. Iverson, Dan; Lowe, Scott. The Cleveland Show Casting Couch IGN. News Corporation. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  75. Iverson, Dan (29 de janeiro de 2007). Family Guy: "Road to Rupert" Review IGN. News Corporation. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  76. Bond, Paul. (7 de junho de 2009). Q&A: Dan Povenmire The Hollywood Reporter. e5 Global Media. Cópia arquivada em 24 de novembro de 2009.
  77. Family Guy: Road to Europe Film.com. RealNetworks. Página visitada em 1 de novembro de 2012. [ligação inativa]
  78. Family Guy: Road to Germany Film.com. RealNetworks. Página visitada em 24 de agosto de 2010. [ligação inativa]
  79. Epstein, Daniel Robert. Interview with Seth MacFarlane, creator of The Family Guy UGO Networks.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  80. Bartlett, James. Seth MacFarlane – he's the "Family Guy" Greatreporter.com.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  81. "Family Guy writer at Bryant". The Providence Journal.
  82. Family Guy's Seth MacFarlane interviewed! FHM. (24 de junho de 2009). Página visitada em 24 de setembro de 2009.
  83. a b Haque, Ahsan. Top 25 Family Guy Characters IGN. New Corporation. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  84. Bianculli, David (28 de abril de 2005). 'Dad' Joins MacFarlane's 'Family' New York Daily News.. Página visitada em 1 de novembro de 2012. [ligação inativa]
  85. (28 de abril de 2005) "Back in the Fold": W37.
  86. Rohan, Virginia. (1 de maio de 2005). "An amazing comeback cartoon — Why Fox resurrected Family Guy".
  87. Jordan, Julie. Tiffani Thiessen Is Expecting a Baby People Magazine. Time Inc.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  88. Return of the Family Guy (em inglês) National Review. Página visitada em 3 de outubro de 2009.
  89. James, Caryn (13 de setembro de 1998). The New Season/Television: Critic's Choice; A Little Dysfunctional Family Fun (em inglês) The New York Times. The New York Times Comapny. Página visitada em 3 de outubro de 2009.
  90. American Idiots The New Yorker. Condé Nast Publications (6 de janeiro de 2006). Página visitada em 11 de dezembro de 2009.
  91. TVbythenumbers.com Hulu Movers & Shakers: 2009 Recap (em inglês) TV by the Numbers. Página visitada em 25 de agosto de 2010. [ligação inativa]
  92. a b Top 100 Animated Series-7, Family Guy IGN. News Corporation (14 de outubro de 2009). Página visitada em 23 de agosto de 2010.
  93. a b The 50 Greatest TV Shows of All Time–12–Family Guy (em inglês) Empire. (2008). Página visitada em 26 de agosto de 2010.
  94. Weekly Top 30 Programmes (em inglês) Barb.co.uk (6 de janeiro de 2011). Página visitada em 29 de janeiro de 2011.
  95. Emily Blunt wants to star in Family Guy (em inglês) The Nation (12 de junho de 2009). Página visitada em 11 de dezembro de 2009.
  96. Sheridan, Chris. (2005). Family Guy season 4 DVD commentary for the episódio "The Fat Guy Strangler" [DVD]. 20th Century Fox.
  97. Radish, Christina (21 de abril de 2009). Lauren Conrad interview about Family Guy (em inglês) Iseb.net. Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  98. a b Interview: Dwayne Johnson for Tooth Fairy ScreenCrave (20 de janeiro de 2010). Página visitada em 16 de março de 2010.
  99. a b McLean, Thomas (1 de junho de 2007). Seth MacFarlane: Family Guy, American Dad! (em inglês) Variety.. Página visitada em 21 de dezembro de 2007.
  100. Academy of Television Arts & Sciences Announces Emmy Award Winners in Costumes for a Variety or Music Program and Individual Achievement in Animation (em inglês) Academy of Television Arts & Sciences (21 de agosto de 2007). Página visitada em 19 de junho de 2010.
  101. 2010 Creative Arts Emmy Winners Press Release (PDF) (em inglês) Academy of Motion Picture Arts and Sciences (22 de agosto de 2010). Página visitada em 22 de agosto de 2010.
  102. Legacy: 34th Annual Annie Award Nominees and Winners Annie Awards. Página visitada em 27 de outubro de 2009.
  103. Legacy: 35th Annual Annie Award Nominees and Winners Annie Awards. Página visitada em 27 de outubro de 2009.
  104. Annie Awards: For Your Consideration Annie Awards. Página visitada em 5 de dezembro de 2009.
  105. Collins, Scott (17 de julho de 2009). Family Guy breaks the funny bone barrier with Emmy nod (em inglês) Los Angeles Times. Tribune Company. Página visitada em 24 de agosto de 2009.
  106. Holloway, Diane. (2 de fevereiro de 1993). "`Simpsons' get Emmy 's respect — Academy lets series drop cartoon status to compete as sitcom": B4. Austin American-Statesman.
  107. Jean, Al. (2004). The Simpsons season 4 DVD commentary for the episódio "Mr. Plow" [DVD]. 20th Century Fox.
  108. (6 de fevereiro de 1992) "Roberts, Costner among nominees for 18th People's Choice Awards". The Pantagraph.
  109. People's Choice Awards Past Winners: 2006 (em inglês) CBS. Página visitada em 14 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2007.
  110. Teen Choice Awards Site oficial (em inglês) Fox.com. Página visitada em 23 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2007.
  111. (27 de junho de 2008 & 4 de julho de 2008) "TV: Breaking Down the List". 'Entertainment Weekly' (#999/1000): 56. Time Warner.
  112. (julho 2006) "The 100 Greatest Villains of All Time". Wizard (177): 86. Wizard Entertainment.
  113. Bettridge, Daniel. (15 de abril de 2009). "The 50 best US television shows". The Times. Londres: News Corporation. Página visitada em 2 de outubro de 2009.
  114. Top 25 Primetime Animated Series of All Time 10-6 IGN. News Corporation. Página visitada em 23 de agosto de 2010.
  115. 100 Greatest Cartoons (em inglês) Channel 4.com. Página visitada em 8 de outubro de 2009.
  116. Hager, Steven; Lewin (31 de dezembro de 2009). The 2009 HIGH TIMES Stony Awards (em inglês) High Times.. Página visitada em 9 de fevereiro de 2010.
  117. Tucker, Ken (9 de junho de 1999). Family Guy Entertainment Weekly. Time Warner. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  118. Tucker, Ken (4 de setembro de 1999). Family Guy Entertainment Weekly. Time Warner. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  119. Bowling, Aubree. Worst TV Show of the Week-Family Guy Parents Television Council.. Página visitada em 1 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2007.
  120. Schulenburg, Caroline. Family Guy Parents Television Council.. Página visitada em 1 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2008.
  121. Shirlen, Josh. Family Guy on Fox Parents Television Council.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  122. E-Alerts Parents Television Council.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  123. PTC's Annual Top 10 Best & Worst Family Shows on Network Television 1999–2000 TV Season Parents Television Council.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  124. Top Ten Best and Worst Shows for family viewing on prime time broadcast television Parents Television Council. (19 de outubro de 2005). Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  125. Rating the Top 20 Most Popular Prime Time Broadcast TV Shows Watched by Children Ages 2–17 Parents Television Council.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  126. Content examples from NCIS, Family Guy, and The Vibe Awards. Parents Television Council.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  127. Tucker, Ken (24 de dezembro de 1999). The Worst/TV: 1999 Entertainment Weekly. Time Warner. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  128. Learmonth, Michael (14 de dezembro de 2006). PTC unhappy with TV's religious stereotypes Variety.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  129. Carter, Bill (June 30, 1999). TV NOTES; 'Family Guy' Loses Sponsors The New York Times. New York Times Company. Página visitada em July 26, 2011.
  130. Carter, Bill (27 de outubro de 2009). Microsoft pulls Family Guy sponsorship The New York Times. New York Times Company. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  131. Pierson, Robin (7 de agosto de 2009). Episode 1: Death Has a Shadow The TV Critic.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  132. Tucker, Ken (9 de junho de 1999). Family Guy Entertainment Weekly. Time Warner. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  133. MacFarlane, Seth. Commentary for the episode "The Son Also Draws". Family Guy: Volume 1 [DVD]. 20th Century Fox.
  134. Venezuela bans Family Guy cartoon BBC News. (27 de setembro de 2009). Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  135. No watching "Family Guy" in Venezuela Global Post. (6 de outubro de 2009). Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  136. Ortenzi, Tj (16 de fevereiro de 2010). Sarah Palin Responds To "Family Guy" Huffington Post.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  137. Family Guy | Folgen, Episoden | COMEDY CENTRAL Deutschland. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  138. Family Guy – Watch funny videos – Yahoo!7 tv. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  139. Family Guy - Rede Globo. Acessado em 4 de novembro de 2012}}
  140. Shaw Media | GLOBAL TELEVISION UNVEILS 2011/12 PRIMETIME LINEUP. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  141. Padre de Familia. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  142. FOX Broadcasting Company – Family Guy TV Show – Family Guy TV Series – Family Guy Episode Guide. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  143. Jack Tv. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  144. FX Grécia - Family Guy. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  145. Family Guy | Epizódok | Comedy Central Magyarország. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  146. a b "Family Guy" (1999) – Release dates. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  147. Family Guy – 3e. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  148. 3e. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  149. I Griffin | FOX solo su SKY canale 111. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  150. TV6 – TV6. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  151. Family Guy – Shows – TV – FOUR. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  152. Comedy Central - Family Guy. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  153. Kultowa kreskówka w Comedy Central. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  154. O serialu Family Guy. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  155. Fox Portugal - Family Guy. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  156. BBC Three – Family Guy. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  157. Fox Schedule. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  158. e2 - Family Guy. Acessado em 1 de novembro de 2012.
  159. The Family Guy Comic Book is Coming For You Nerds UGO. (8 de junho de 2011). Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  160. Adalian, Josef. (10 de março de 2005). "Family Guy Center Stage": 1.
  161. 'Family Guy' Returns to FOX Fox News (30 de abril de 2005). Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  162. Tucker, Ken (24 de janeiro de 2011). Family Guy Presents Seth & Alex's Almost Live Comedy Show': Almost pretty funny Entertainment Weekly.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  163. Szalai, Georg (23 de julho de 2007). "Family Guy" movie possible, MacFarlane says. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  164. TCA Video: Family Guy Spoilers; Movie Plans TV Week.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  165. Dean, Josh. Seth MacFarlane's $2 Billion Family Guy Empire FastCompany.com.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  166. Family Guy writer Seth MacFarlane wants show to end BBC News (13 de outubro de 2011). Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  167. a b FOX Announces Fall Premiere Dates For The 2009–2010 Season The Futon Critic. (15 de junho de 2009). Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  168. Fox Primetime — The Cleveland Show — Fact Sheet Fox Flash.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  169. Itzkoff, Dave. (30 de novembro de 2008). "Fox seeks a new hit, this time in Cleveland — Seth MacFarlane gives sneak preview of 2009's Family Guy spinoff": E12.
  170. Idato, Michael. (17 de dezembro de 2009). "A sweeter family guy — comedy": 15.
  171. Rice, Lynette (10 de novembro de 2008). Fox orders full season of 'Family Guy' spin-off Entertainment Weekly. Time Warner. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  172. Hughes, Jason (4 de março de 2009). The Cleveland Show renewed before it begins TV Squad.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  173. Fernandez, Maria Elena (14 de outubro de 2009). Fox orders a full second season of 'The Cleveland Show' Los Angeles Times.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  174. Andreeva, Nellie (8 de fevereiro de 2010). Rich Appel signs new 20th TV deal The Hollywood Reporter.. Página visitada em 27 de julho de 2011. (em inglês)
  175. Family Guy (ps2) reviews Metacritic.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  176. Family Guy (psp) reviews Metacritic.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  177. Family Guy (xbx) reviews Metacritic.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  178. Kennedy, Sam (23 de outubro de 2006). Family Guy Review 1UP.com.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  179. Dutka, Ben (21 de dezembro de 2006). Family Guy Review PSX Extreme..
  180. Navarro, Alex (24 de outubro de 2006). Family Guy Review for Xbox GameSpot.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  181. Langley, Ryan (2 de novembro de 2009). Family Guy Party Game in Development IGN.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  182. Finley, Adam (3 de fevereiro de 2007). Family Guy pinball is freakin' sweet TV Squad. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  183. Kolan, Nick (15 de junho de 2011). Family Guy Online Closed Beta Registrations Begin IGN.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  184. Search results: Family Guy HarperCollins.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  185. Family Guy: Stewie's Guide to World Domination by Steve Callahan HarperCollins.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  186. Family Guy: It Takes a Village Idiot, and I Married One HarperCollins.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  187. Family Guy and Philosophy : A Cure for the Petarded (Paperback) FoxShop.com.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  188. Collins, Cott. (13 de novembro de 2005). "Some Television Reruns Hit Their Prime on DVD". Los Angeles Times: A1.
  189. a b Levin, Gary (24 de março de 2004). Family Guy un-canceled, thanks to DVD sales success USA Today.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  190. Levin, Gary. (25 de março de 2004). "Family Guy un-canceled, thanks to DVD sales success; Cartoon returning after 2-year hiatus". USA Today: D3.
  191. Poniewozik, James (11 de abril de 2004). It's Not TV. It's TV on DVD Time.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  192. Top DVD Sales for the 11/15/2008 issue (7 de novembro de 2008). Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  193. a b US DVD Sales Chart for Week Ending Jun 21, 2009 The Numbers. (21 de junho de 2009). Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  194. a b Arnold, Thomas K. (23 de janeiro de 2009). Force is with "Family Guy" DVD. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  195. Clodfelter, Tim. (11 de novembro de 2004). "Here's the Offbeat Stuff that true geeks are made of": 33.
  196. Szadkowski, Joseph. (3 de junho de 2006). "Undead monster doomed to wander the high seas". The Washington Times.
  197. Steinberg, Brian (December 30, 2007). The year in advertising The Boston Globe.. Página visitada em 1 de novembro de 2012.
  198. (30 de novembro de 2007) "Subway – it's for the fat-loving guy, too". The News Tribune.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons