José Roberto Burnier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

José Roberto Sartori Burnier Pessoa de Mello (Campinas, 3 de novembro de 1960) é um jornalista brasileiro. Trabalha na Rede Globo.

Cursou rádio e televisão na Fundação Armando Álvares Penteado, em São Paulo. Seu primeiro estágio foi na EPTV Campinas, afiliada da Rede Globo, em 1983. Durante dois anos produziu matérias que foram veiculadas nos telejornais de rede, como Jornal Nacional e Jornal Hoje.

No início de 1986, Burnier começou a trabalhar no Globo Rural. Em 1988, saiu do Globo Rural e foi para a redação do jornalismo de São Paulo. Participou da cobertura da Assembléia Constituinte e da eleição presidencial brasileira de 1989, quando foi escalado para acompanhar a campanha de Luiz Inácio Lula da Silva. Desde então trabalhou nas coberturas de todas as eleições presidenciais.

Em 1992 trabalhou na cobertura do assassinato de 111 detentos pela polícia militar no presídio do Carandiru, e realizou um Globo Repórter especial sobre o que ficou conhecido como o massacre do Carandiru. Entre 1994 e 1996, Burnier foi editor-chefe e âncora do telejornal Bom Dia São Paulo. Nessa época, acompanhou a chegada do corpo de Ayrton Senna, o cortejo pelas ruas de São Paulo, e o enterro do piloto. Em 2000 voltou a apresentar o Bom Dia São Paulo e consequentemente passou a apresentar também o Bom Dia Brasil como co-apresentador. [1]

Em 2003 acompanhou o julgamento de Suzane Richthofen e dos irmãos Cravinhos, acusados pelo assassinato dos pais da jovem. Em fevereiro de 2004, tornou-se o primeiro correspondente fixo da TV Globo em Buenos Aires. Burnier cobriu diversos eventos ocorridos na América Latina, como o plebiscito de revogação do mandato do presidente venezuelano Hugo Chávez, em dezembro de 2004, e a eleição do presidente boliviano Evo Morales, em dezembro de 2005. No ano seguinte voltou para o Brasil e, como repórter especial, passou a cobrir a cidade de São Paulo para o Jornal Nacional. Acompanhou fatos como a onda de violência em São Paulo em abril de 2006, a queda do avião da TAM em 2007, e o assassinato de Isabela Nardoni em março de 2008. Cobriu, de 22 a 27 de março de 2010, o julgamento do casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá,condenados pela morte de Isabella Nardoni,morta em 29 de Março de 2008. Entre os dias 13 e 17 de Fevereiro de 2012, ele cobriu o Julgamento de Lindemberg Alves, acusado de matar a menina Eloá em outubro de 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.