Sexismo contra homens

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Sexismo contra homens é um termo que refere-se ao sexismo direcionado contra os homens.[1]

O sexismo contra homens é muitas vezes visto como uma forma de discriminação que teria surgido com o feminismo indo longe demais.[2] O conceito foi popularizado como parte de uma reação contra o feminismo, cujos proponentes tendem a acreditar que o movimento feminista tem reorganizado a sociedade como um todo, de tal forma que agora beneficia mulheres e discrimina os homens.[3] Muitos estudiosos argumentam que a discriminação contra os homens já existia antes do feminismo, mas o feminismo ajudou a propagar uma visão equivocada de que os problemas contra os homens seriam menos importantes.

Benatar refere-se ao sexismo contra os homens como o "segundo sexismo," porque a discriminação contra os homens é muitas vezes despercebido e considerado menos importante do que a discriminação contra mulheres.[4]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Neely, Carol Thomas (1981). Feminist modes of shakespearean criticism: Compensatory, justificatory, transformational. [S.l.: s.n.] pp. 3–15 
  2. García-Farvaro, Laura; Gill, Rosalind (2015). «"Emasculation nation has arrived": sexism rearticulated in online responses to Lose the Lads' Mags campaign». Feminist Media Studies. 16 (3): 379-397 
  3. Leidholdt, Dorchen; Raymond, Janice G. (1990). The Sexual Liberals and the Attack on Feminism (PDF). [S.l.: s.n.] p. 165 
  4. David., Benatar, (2012). The second sexism : discrimination against men and boys. Malden, MA: Wiley-Blackwell. ISBN 9780470674512. OCLC 780444609