Afirmação do consequente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Afirmação do consequente é uma falácia lógica de non sequitur que consiste em confundir o antecedente com o consequente, ou seja, consiste em afirmar a consequência. Toma a forma1 :

Se A então B B Portanto, A

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Se jogamos bem, ganhamos.
Ora, ganhamos.
Logo, jogamos bem.


Este argumento é falacioso porque, mesmo que as premissas em si sejam verdadeiras (o que não é o caso deste exemplo, tendo em vista que a primeira premissa é demonstravelmente falsa), a conclusão não segue delas, já que o time poderia ter ganho porque, por exemplo, o time adversário não só jogou pior como o árbitro ajudou numa má atuação.


Se Bill Gates for Presidente do Brasil, então ele é rico.
Bill Gates é rico.
Logo, Bill gates é Presidente do Brasil..


Esse argumento é obviamente falso, pois para ser rico não é necessário ser Presidente do Brasil.

Argumentos da mesma forma podem parecer superficialmente convincentes, como vemos no exemplo abaixo:


Se estou gripado, tenho dor de garganta.
Estou com dor de garganta.
Portanto, estou gripado.


Estar gripado não é a única causa de dor de garganta, portanto, a implicação não é verdadeira.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia
Ícone de esboço Este artigo sobre Lógica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.