Aeroporto da Madeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aeroporto Internacional da Madeira Cristiano Ronaldo
Aeroporto
Aeroporto Internacional da Madeira Cristiano Ronaldo
Aeroporto da Madeira em maio de 2015.
IATA: FNC - ICAO: LPMA
Características
Tipo Público
Administração ANA - Aeroportos e Navegação Aérea, SA
Serve Ilha da Madeira
Localização Santa Cruz, Madeira
 Portugal
Inauguração 8 de julho de 1964 (52 anos)
Coordenadas 32° 41' 39" N 16° 46' 41" O
Altitude 59 m (194 ft)
Movimento de 2016
Passageiros 2 971 725
Carga 2 897 toneladas
Aéreo 24 111 aviões
Website oficial Página oficial
Mapa
LPMA está localizado em: Madeira
LPMA
Localização do aeroporto no arquipélago da Madeira.
Pistas
Cabeceira(s) Comprimento Superfície
05/23 2 781 m (9 124 ft) Asfalto

Parte nova da pista de aterragem.
Vista parcial exterior do terminal do aeroporto
Zona de check-in
Aviões estacionados frente ao terminal

O Aeroporto Internacional da Madeira Cristiano Ronaldo (código IATA: FNC; código ICAO: LPMA), igualmente conhecido como Aeroporto Cristiano Ronaldo, Aeroporto Internacional da Madeira ou Aeroporto da Madeira e ainda popularmente chamado de Aeroporto de Santa Catarina, é um aeroporto internacional português localizado no concelho de Santa Cruz, na ilha da Madeira. É o mais importante e movimentado dos dois aeroportos existente na região, estando o outro localizado na ilha do Porto Santo (PXO). Tem movimento turístico proveniente de alguns pontos da Europa e América Latina (Venezuela) e é, também, importante no movimento de carga para o abastecimento de todo o arquipélago da Madeira.[1]

História[editar | editar código-fonte]

O Aeroporto da Madeira Cristiano Ronaldo foi inaugurado a 8 de julho de 1964 com uma pista de 1 600 metros de extensão. O arquipélago da Madeira ganhou assim novas ligações ao continente português, já que até então as viagens se faziam de barco. A primeira aterragem de um avião na ilha da Madeira ocorreu em 1957, numa pista experimental em Santa Catarina.

Em 1972, dada a incapacidade da pequena pista em receber aviões capazes de dar vazão ao fluxo de turistas que procuravam a ilha da Madeira, começou a ser pensada uma ampliação para que fosse possível reconhecer voos intercontinentais.[1] Um projeto do engenheiro Edgar Cardoso foi então apresentado e, no ano seguinte, foi inaugurado um novo terminal, capaz de receber 500 mil passageiros por ano.

Entre 1982 e 1986 a pista foi aumentada para 1 800 metros, assim como se procedeu à ampliação da plataforma de estacionamento de aviões. A extensão foi inaugurada a 1 de fevereiro de 1986, pelo então presidente da República António Ramalho Eanes.[2]

Entretanto, o engenheiro António Segadães Tavares adaptou os estudos de Edgar Cardoso e planejou uma nova ampliação da pista. Assim, a 15 de setembro de 2000 teve lugar a inauguração da extensão da pista para 2 781 metros. Esta é construída parcialmente em laje sobre o mar, ficando assente em 180 pilares.

Este encontra-se qualificado para receber aviões de grande dimensão como o Airbus 340 ou Boeing 747, o qual esteve presente na inauguração da pista a 15 de setembro de 2000, assim como quase qualquer tipo de aviação civil, ou militar, sendo a principal porta de entrada de turistas na Região, assim como de correio postal, carga e outros serviços essenciais. É um aeroporto internacional que também serve voos domésticos.

Em 2014, o Aeroporto da Madeira registou 2 459 793 passageiros comerciais, um recorde absoluto para este aeroporto. Foi o maior número desde o anterior recorde que era de 2 446 924 passageiros em 2008.[3] Este resultado ocorre no final do primeiro exercício completo após a privatização e aquisição da ANA Aeroportos pela Vinci.[4]

No dia 29 de Março de 2017, o aeroporto deixa de se chamar Aeroporto Internacional da Madeira para Aeroporto Internacional da Madeira - Cristiano Ronaldo, apesar de alguma discórdia por parte da população. [5]

Engenharia[editar | editar código-fonte]

A sua pista 05/23 é considerada uma das mais difíceis e perigosas aproximações e aterragens do mundo, devido à alta turbulência sentida quando o vento é superior a 15 nós, sendo geralmente de direção 300 e 020. Na aproximação à pista, ventos descendentes e ascendentes (quando muito próximo da pista) e durante a aterragem é frequente, grande turbulência assim com rajadas de vento laterais. Outra dificuldade sentida pelos pilotos, é o uplift (força ascendente) quando a aeronave sobrevoa a pista, dando uma sensação que o avião "não quer" aterrar. Devido às dificuldades técnicas apresentadas aos pilotos, é necessário uma licença especial para operações neste aeroporto e apenas pilotos com experiência em operações diurnas poderão realizar operações noturnas.

A obra de extensão do Aeroporto da Madeira, realizada na primeira fase pelo Consórcio "ZED - Sociedade Construtora das Obras de Ampliação do Aeroporto do Funchal L.da": EMPEC e ZAGOPE (Portugal) Dragados (Espanha) Dragage et Travaux Public (França) e Conrad Zschokke (Suíça) teve projeto do Prof. Edgar Cardoso (Estruturas) e da Brasileira Hidrosevice de S.Paulo (Terraplanagens) e ampliou a pista inicialmente de 1600 metros para 1850 (50 na cabeceira da antiga pista 06 e 200 na pista 24) nesta última, já em parte, com utilização da tecnologia da "Viga de Lançamento" e com pilares de 60 metros de altura (sobre o mar). Tudo isto por imperativos de homologação internacional. A segunda fase da obra, com o atravessamento completo da baía da Ribeira de Pena, é uma obra "dantesca" cuja mais-valia técnica em face dos valores despendidos ainda merece contestação por parte de alguns muitos setores.

É uma obra reconhecida mundialmente como uma das mais difíceis de realizar devido à tipologia de terrenos e a orografia. Em 2004, Dr. Manabu Ito, presidente da Associação Internacional de Pontes e Engenharia Estrutural (IABSE), apresentou em Xangai, China, o prémio de 2004 IABSE Outstanding Structure Award que só é atribuído a grandes obras de engenharia reconhecidas mundialmente. Assim António Segadães Tavares foi o primeiro português a ganhar o que seria o equivalente ao "Nobel" da Engenharia, com a ampliação do aeroporto da Madeira.[6]

Único aeroporto, dos 5 principais aeroportos nacionais (Lisboa, Porto, Faro, Ponta Delgada e Funchal), que se encontra em operação sem servidão aeronáutica constituída.[7]

Rotas operadas[editar | editar código-fonte]

Companhia Aérea Destino
Aero VIP Porto Santo
Aigle Azur Paris–Orly
Air Berlin Berlim–Tegel, Colónia-Bonn, Düsseldorf, Leipzig/Halle, Munique

Sazonal: Nuremberga, Viena (Todos termina 25 de março de 2017)[8]

ASL Airlines France Montpellier, Paris–Charles de Gaulle
ASL Airlines Ireland Charter sazonal: Dublin
Austrian Airlines Sazonal: Viena
Azores Airlines Gran Canária, Ponta Delgada

Sazonal: Faro Charter sazonal: Boston

Binter Canarias Sazonal: Gran Canária, Tenerife–Norte
British Airways Londres–Gatwick
Brussels Airlines Bruxelas-Zaventem[9]
Condor Düsseldorf, Frankfurt, Hamburgo, Leipzig/Halle, Munique, Estugarda
Corendon Airlines Sazonal: Amesterdão
easyJet Bristol, Edimburgo, Lisboa, Londres–Gatwick, Manchester, Porto
easyJet Switzerland Basileia/Mulhouse
Edelweiss Air Zurique
Enter Air Sazonal: Gdańsk, Wrocław, Paris–Charles de Gaulle, Poznań
Finnair Helsínquia
Germania Bremen, Dresden, Erfurt/Weimar, Friedrichshafen, Hamburgo, Nuremberga, Münster/Osnabrück
Iberia Sazonal: Madrid
Iberia

operado por Air Nostrum

Sazonal: Bilbau, Madrid
Jet2.com East Midlands, Glasgow, Leeds/Bradford, Manchester, Newcastle upon Tyne
Jetairfly Bruxelas
Lufthansa Frankfurt
Luxair Luxemburgo
Monarch Airlines Birmingham, Londres–Gatwick, Manchester
NIKI Berlim–Tegel, Düsseldorf, Munique, Zurique (Início a 26 de março de 2017)[10]
Neos Milão–Malpensa
Norwegian Air Shuttle Sazonal: Copenhaga, Oslo–Gardermoen, Londres–Gatwick
Primera Air Charter: Gotemburgo, Oulu
Scandinavian Airlines Charter: Estocolmo–Arlanda
Small Planet Airlines Sazonal: Vilnius
SmartWings

operado por Travel Service Airlines

Sazonal: Praga
TAP Portugal Lisboa, Porto
Thomas Cook Airlines Manchester

Sazonal: Glasgow, Londres–Gatwick, Porto Santo

Thomas Cook Airlines Belgium Bruxelas
Thomas Cook Airlines Scandinavia Sazonal: Copenhaga, Helsínquia
Thomson Airways Birmingham, Exeter, Glasgow, Londres–Gatwick, Manchester

Sazonal: Bournemouth, Londres–Luton, Nottingham/East Midlands

Transavia Amesterdão
Transavia France Lyon, Porto

Sazonal: Paris–Orly, Nantes

Travel Service Airlines Charter: Praga, Estrasburgo
Travel Service Polska Charter: Katowice, Varsóvia–Chopin, Wrocław
TUI Airlines Netherlands Sazonal: Amesterdão
TUIfly Sazonal: Basel/Mulhouse, Colônia-Bonn, Frankfurt, Hanôver, Munique, Estugarda
Ukraine International Airlines Charter: Kiev–Boryspil
Volotea Charter: Nantes, Beauvais, Clermont–Ferrand, Dijon, Perpignan, Marselha, Saint–Etienne
Vueling Sazonal: Barcelona
White Airways Charter: Lyon, Nantes, Paris–Charles Gaulle, São Vicente

Movimento[editar | editar código-fonte]

Ano Passageiros Aeronaves Mercadorias Ref
2006 2 360 857 23 687 7 188 905 kg [11]
2007 2 418 489 21 954 6 774 583 kg
2008 2 446 924 22 799 6 637 591 kg
2009 2 346 649 21 955 6 228 425 kg
2010 2 233 524 22 094 6 069 548 kg
2011 2 311 380 21 346 5 095 029 kg
2012 2 204 196 20 023 4 887 188 kg
2013 2 372 505 20 665 4 243 990 kg
2014 2 459 793 21 226 3 904 449 kg [12]
2015 2 605 547 21 421 2 932 450 kg [13]
2016 2 971 725 24 111 2 897 125 kg [14]

Acidentes[editar | editar código-fonte]

A 19 de novembro de 1977, um avião Boeing 727-200 da TAP despenhou-se no fim da pista do Aeroporto da Madeira. Foi o segundo mais grave acidente da história da aviação em Portugal (a seguir ao voo Independent Air 1851) que provocou 131 mortos e 33 sobreviventes. Segundo o relatório de investigação do acidente publicado pelo INAC, os fatores apontados foram as condições meteorológicas adversas aliadas ao comprimento da pista e a falha humana.[15]

Foi erguido um memorial em memória das 131 vítimas mortais na zona onde o avião teve a sua explosão.[16]

Referências

  1. a b MELLO, J. C. C. B. S., et al. Avaliação do tamanho de aeroportos portugueses com relações multicritério de superação. Pesquisa Operacional, v. 25, n.2, p. 313-33, 2005. Acesso em: 17 de abril de 2011.
  2. Jornal da Madeira, 2 de fevereiro de 1996, p1
  3. «Aeroporto da Madeira cresce 3,7% e bate recorde». Diário de Notícias da Madeira. 9 de janeiro de 2015. Consultado em 10 de março de 2015 
  4. «Madeira Airport with record passenger numbers in 2014» (em inglês). ANA Aeroportos de Portugal. 9 de janeiro de 2015. Consultado em 10 de março de 2015 
  5. «Aeroporto da Madeira, aliás, Cristiano Ronaldo a partir de hoje». Observador. 29 de março de 2017. Consultado em 29 de março de 2017 
  6. «Nobel da Engenharia 2004». Consultado em 28 de outubro de 2011 
  7. «Servidões aeronáuticas». INAC. Consultado em 10 de março de 2015 
  8. [1]
  9. DRET - Direção Regional de Economia e Transportes, Voos diretos Bruxelas-Madeira a partir de Abril 2017, Publicado a 19.09.2016, Consultado a 28.09.2016
  10. [2]
  11. «Transportes terrestres e transportes aéreos comerciais». ANA Aeroportos de Portugal. Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM). Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  12. «Transportes Aéreos Comerciais 2014». ANA Aeroportos de Portugal. Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM). Consultado em 25 de março de 2017 
  13. «Transportes Aéreos Comerciais 2015». ANA Aeroportos de Portugal. Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM). Consultado em 25 de março de 2017 
  14. «Transportes Aéreos Comerciais 2016». ANA Aeroportos de Portugal. Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM). Consultado em 25 de março de 2017 
  15. Relatório de Acidente TRANSPORTES AÉREOS PORTUGUESES BOEING 727-282 – CS-TBR AEROPORTO DE SANTA CATARINA ILHA DA MADEIRA PORTUGAL 19 NOVEMBRO 1977 —DIRECÇÃO GERAL DA AERONÁUTICA CIVIL
  16. «Escultura homenageia 131 vítimas de acidente de avião na Madeira em 1977 | DNOTICIAS.PT». www.dnoticias.pt. Consultado em 23 de julho de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Aeroporto da Madeira