Sexta-Feira 13 - Parte 3

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Friday the 13th Part III
Sexta-Feira 13 Parte III[1]
Sexta-Feira 13 - Parte 3[2]
 (PT)
Sexta-Feira 13 - Parte 3[3], ou
Sexta-Feira 13 - Parte III[4]
 (BR)
 Estados Unidos
1982 •  cor •  95 min 
Direção Steve Miner
Produção Frank Mancuso Jr.
Roteiro Martin Kitrosser
Carol Watson
Elenco Dana Kimmell
Paul Kratka
Tracie Savage
Jeffrey Rogers
Catherine Parks
Larry Zerner
Richard Brooker
Gênero Terror
Suspense
Música Gerald Feil
Edição George Hively
Companhia(s) produtora(s) Jason Inc.[5]
Distribuição Paramount Pictures
Lançamento Estados Unidos 13 de agosto de 1982

Brasil 16 de maio de 1985

Idioma inglês
Orçamento US$ 2.250,000 (estimado)[6]
Receita US$ 36.690,067[6]
Cronologia
Sexta-Feira 13 - Parte 2
(1981)
Sexta-Feira 13 - O Capítulo Final
(1984)
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Sexta-Feira 13 - Parte 3 (em inglês: Friday the 13th Part III) é um filme de terror norte-americano de 1982, do subgênero slasher, dirigido por Steve Miner. É o terceiro filme da série Sexta-Feira 13 e o primeiro a contar com Jason Voorhees usando a máscara de hóquei, que se tornaria a principal marca do personagem e da franquia, bem como um ícone do cinema de terror norte-americano e dos filmes de terror em geral.

O longa foi originalmente lançado nos cinemas em 3-D — o primeiro da Paramount Pictures desde 1954 — como sequência direta de Sexta-Feira 13 (1980) e Sexta-Feira 13 - Parte 2 (1981), e segue um grupo de estudantes em férias em uma casa em Crystal Lake, onde Jason Voorhees se refugiou. Quando lançado pela primeira vez, o filme pretendia encerrar a série como uma trilogia e o enredo deveria se concentrar na personagem Ginny Field, internada em um hospital psiquiátrico depois de sua batalha traumática com Jason no filme anterior. A história seria semelhante à do filme Halloween II (1981), com Jason perseguindo Ginny no manicômio, mas o conceito foi abandonado quando Amy Steel se recusou a reprisar seu papel.[7]

Apesar das reações negativas da crítica especializada, Sexta-Feira 13 - Parte 3 arrecadou mais de US $ 36,6 milhões nas bilheterias dos EUA com um orçamento de US $ 2,3 milhões. O filme foi o primeiro a retirar E.T. - O Extraterrestre do primeiro lugar nas bilheterias e se tornou o segundo filme de terror de maior bilheteria de 1982, atrás de Poltergeist. O filme tem a terceira maior participação entre os filmes da série Sexta-Feira 13, com aproximadamente 11.762.400 ingressos vendidos durante sua exibição inicial.[8] A aparência de Jason neste filme, que difere bastante da que foi vista em seu antecessor, desde então se tornou o visual com o qual o personagem foi modelado em aparições posteriores.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Após os eventos do filme anterior, Jason Voorhees, gravemente ferido e desmascarado, vai a uma loja de beira de estrada, onde ganha um novo conjunto de roupas, e também mata os donos da loja. Harold é morto ao ser atingido por um cutelo no peito, e sua esposa Edna é empalada na parte de trás da cabeça com uma agulha de tricô.

Enquanto isso, Chris Higgins e seus amigos viajam para Higgins Haven, sua antiga casa em Crystal Lake, para passar o fim de semana. O grupo inclui a grávida Debbie, seu namorado Andy, o brincalhão Shelley e seu interesse romântico Vera (que não retribui os sentimentos dele), além dos drogados Chuck e Chili. Depois de se deparar com um homem chamado Abel, que os adverte para voltar, a turma encontra Rick, namorado de Chris, no caminho.

Em uma loja de conveniências, Shelley e Vera enfrentam os motociclistas Ali, Fox e Loco. Shelley entra no carro e derruba as motos do trio, impressionando Vera. Mais tarde, os motociclistas aparecem em Higgins Haven, onde retiram gasolina da van e tentam incendiar o celeiro, para ficarem quites. No entanto, Jason, que estava escondido no celeiro, mata Fox e Loco usando uma forquilha e, em seguida, usando uma chave inglesa, deixa Ali inconsciente. Naquela noite, Chris e Rick dão uma volta na floresta. Chris diz a Rick que ela retornou à Crystal Lake para enfrentar seus medos, revelando que ela foi atacada por um homem deformado dois anos antes, o que fez com que ela deixasse o local para escapar do trauma.

De volta a Higgins Haven, Shelley, usando uma máscara de hóquei, prega uma peça em Vera e, em seguida, entra no celeiro, onde Jason o mata com um corte na garganta e pega a máscara que o garoto levava consigo. Agora com o rosto desfigurado escondido, Jason sai do celeiro e começa a matar o resto do grupo. Enquanto Vera pega a carteira de Shelley debaixo da doca, o maníaco a acerta na cabeça com um arpão. Jason então entra na casa e, usando um facão, divide Andy ao meio, enquanto este andava de ponta à cabeça. Debbie é esfaqueada no peito enquanto descansa em uma rede. Quando falta luz na casa, Chuck desce ao porão, onde Jason o empurra na caixa de fusíveis, eletrocutando-o. Chili é então empalada com um atiçador de lareira quente.

Jason Voorhees cambaleante, com um machado cravado na cabeça.

Retornando do passeio, Chris e Rick são forçados a voltar caminhando para casa, pois o carro de Rick parou de funcionar. Chegando à casa, os dois a encontram em desordem. Rick sai para verificar o terreno, mas Jason o agarra e esmaga seu crânio com as próprias mãos. Jason joga o corpo de Rick pela janela em direção à Chris, que tenta fugir em seu furgão, mas no caminho o veículo quebra e ela acaba sendo obrigada a voltar correndo até o celeiro para se esconder, mas Jason a ataca novamente.

Dentro do celeiro, Chris enforca Jason. Como ele fica temporariamente desmascarado, Chris o reconhece como o homem que a atacou dois anos atrás. O motociclista Ali revive e tenta atacar Jason, mas é rapidamente despachado. A distração permite que Chris atinja Jason na cabeça com um machado. Jason cambaleia momentaneamente em direção a ela antes de desmaiar. Exausta, Chris empurra uma canoa para o lago e adormece.

Chris tem um pesadelo com Jason correndo em sua direção ao sair da casa, e com o corpo em decomposição de Pamela Voorhees - com a cabeça recolocada - emergindo do lago e puxando-a para dentro. Na manhã seguinte, a polícia chega e escolta a traumatizada Chris para longe de Higgins Haven. O corpo de Jason é mostrado ainda deitado no celeiro, com o machado ainda cravado na testa, enquanto o lago é mostrado em paz, mais uma vez.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Roteiro[editar | editar código-fonte]

Um dos primeiros rascunhos do roteiro para esta Parte 3 apresentava Ginny (Amy Steel), do filme anterior, sendo levada a um hospital psiquiátrico e ficando lá confinada. Sofrendo com as lembranças dos eventos da Parte 2, ela finalmente descobre que Jason Voorhees sobreviveu ao ferimento que ela lhe causou e a segue até o hospital, assassinando a equipe e outros pacientes do manicômio.[9] Na época, Steel recusou o papel devido ao seu envolvimento em outros projetos, resultando em mudanças significativas no roteiro.[10]

O roteirista Ron Kurz, que escreveu a Parte 2, foi convidado a escrever o roteiro, mas também recusou o projeto.[9] O casal de roteiristas Martin Kitrosser e Carol Watson foram contratados para escrever o roteiro da Parte 3, completando o primeiro rascunho.[9] Posteriormente, a Paramount trouxe Petru Popescu para alterar o roteiro e torná-lo "mais sinistro e ameaçador".[9] Embora a versão final do roteiro contivesse contribuições significativas de Popescu, ele permaneceu sem créditos.[9]

O roteiro da Parte 3 indicava que Jason usaria uma máscara para cobrir seu rosto, depois de ter usado um saco na cabeça na Parte 2. O que ninguém imaginava na época era que a máscara escolhida se tornaria uma marca para o personagem, e seria instantaneamente reconhecível na cultura popular nos anos posteriores.[11][12][13]

Escolha do elenco[editar | editar código-fonte]

O roteirista Popescu afirmou que o principal critério para a seleção do elenco foi a aparência física e não o talento,[14] e lembrou que sua visão dos personagens estava em desacordo significativo com os atores escolhidos pelo diretor Steve Miner.[9] Dana Kimmell foi escalada para o papel principal de Chris Higgins depois que Miner tomou conhecimento do envolvimento dela em Sweet Sixteen, outro filme de terror.[9] Tracie Savage, que já havia trabalhado como atriz infantil, recebeu o papel de Debbie através de seu agente.[9] Larry Zerner foi descoberto por diretores de elenco enquanto caminhava por uma rua, e foi lhe oferecido o papel de Shelly.[9] Para o papel de Jason Voorhees, Miner escolheu o dublê britânico Richard Brooker.[9]

Filmagens[editar | editar código-fonte]

A Georgetown Productions, que produziu as duas sequências anteriores de Sexta-Feira 13, esteve inicialmente envolvida na pré-produção da Parte 3, concordando com a distribuidora Paramount Pictures em rodar o filme com câmeras 3D,[15] tornando-a o primeiro filme da Paramount Pictures produzido em 3-D desde Ulysses, de 1954. A Paramount alugou duas câmeras 3-Depix da empresa de fotografia Marks Polarized Corporation para filmar Sexta-Feira 13 – Parte 3.[15] Simultaneamente, o executivo da Paramount, Al Lo Presti, estava pesquisando a então atual tecnologia de câmeras 3-D, com a intenção de desenvolver uma lente 3-D para ser propriedade e usada exclusivamente pela Paramount.[15]

De acordo com uma edição de setembro de 1982 da revista Forbes, Gale Weaver, proprietário da Sirius II Corp., visitou o set de Sexta-Feira 13 - Parte 3 supostamente em virtude das preocupações do produtor Frank Mancuso Jr. de que lentes de projeção defeituosas nos cinemas impediriam que o filme tivesse uma ampla distribuição nos cinemas.[15] Durante o período de uma semana, Weaver desenvolveu um protótipo de lente que seria adaptável a "quase todos os projetores de cinema". A Paramount subsequentemente concedeu à Sirius II Corp. US $ 1 milhão para fabricar as lentes, que seriam usadas no lugar das câmeras 3-Depix.[15] Posteriormente, a Marks Polarized Corporation entrou com um processo de US $ 25 milhões contra a Paramount, alegando que o estúdio estava "monopolizando a comercialização de materiais de exibição 3-D, bem como fornecendo deduções aos cinemas que optam por arrendar lentes de projeção diretamente da Paramount".[15] A Paramount acabou concordando em creditar a Marks Polarized Corporation na tela com a declaração: "Filmado utilizando o Conversor Marks 3-Depix®", mas foi negado à empresa uma liminar que teria exigido que a Paramount mudasse seu equipamento.[15] O filme foi rodado com câmera 3D Arrivision "over and under", a mesma que foi usada em Jaws 3-D.[16]

A ideia de pôr uma máscara em Jason Voorhees surgiu durante a pré-produção do filme. A máscara de hóquei original do personagem foi moldada a partir de uma máscara de goleiro de uma equipe norte-americana de hóquei no gelo e se tornou o maior símbolo do personagem pelo resto da série.

Sexta-Feira - Parte 3 foi filmado em um rancho de Saugus, na Califórnia.[15] A casa, o celeiro e o lago apresentados no filme foram todos personalizados sob encomenda.[9] A casa permaneceu no rancho até ser destruída por um incêndio em 2012.[9] As filmagens adicionais para as cenas do supermercado foram realizadas num pequeno mercado em Green Valley, na Califórnia.[9] Devido à novidade das lentes da câmera 3-D, o processo de filmagem foi extenso, com a equipe às vezes demorando horas para montar uma cena e o elenco realizando várias tomadas de uma mesma cena para que o diretor de fotografia capturasse adequadamente os efeitos 3D.[9]

A decisão de dar a Jason Voorhees uma máscara de hóquei ocorreu quando Steve Miner foi chamado para uma verificação de iluminação no set. Ninguém da equipe de efeitos queria aplicar qualquer maquiagem em Richard Brooker, intérprete de Jason, para a verificação da luz, então decidiram simplesmente colocar uma máscara em Brooker. [17] Martin Jay Sadoff, supervisor de efeitos 3D do filme, mantinha um saco cheio de máscaras de hóquei, pois era fã desse esporte. Então ele utilizou uma máscara de goleiro do Detroit Red Wings para o teste.[17] Miner adorou a máscara, mas, durante as fotos de teste, percebeu que a mesma era muito pequena. Usando uma técnica chamada VacuForm, o diretor de efeitos de maquiagem Doug White alargou a máscara e criou um novo molde para se trabalhar. Finalizados os moldes, o diretor de arte Terry Ballard colocou novos triângulos vermelhos na máscara para dar-lhe uma aparência única. Buracos também foram perfurados na máscara e as marcações foram alteradas, tornando-a diferente do modelo original de Sadoff.[17]

Havia duas próteses de máscara criadas para Richard Brooker usar por baixo da máscara de hóquei. Uma delas era composta por cerca de 11 peças diferente e levava cerca de seis horas para ser aplicada no rosto de Brooker. Essa máscara foi usada nas cenas em que a máscara de hóquei foi removida, exibindo o rosto deformado de Jason. Para as cenas em que a máscara de hóquei está sobre o rosto, foi criada uma máscara simples, que consistia numa única peça que simplesmente deslizava sobre a cabeça de Brooker, expondo seu rosto, mas não o resto de sua cabeça.[17] A aparência de Jason sem a máscara também sofreu mudanças significativas em relação à exibida em Sexta-Feira 13 - Parte 2, em que se mostrou Jason Voorhees com cabelos longos e barba. Nesta ocasião, o cabelo e a barba de Jason foram removidos.[17]

Pós-produção[editar | editar código-fonte]

Algumas das mortes foram editadas de forma a evitar uma classificação "X" nos cinemas norte-americanos, incluindo: a morte de Andy, que mostrava sua perna direita ser cortada e seu estômago rasgado; a de Vera, devido ao derramamento de sangue e sua posterior reação (supostamente considerada "muito real");a morte de Edna devido ao excessivo fluxo de sangue; o empalamento de Chili com o ferro em brasa originalmente mostrava sangue em vapor e pingando no chão; e a morte de Debbie mostrava profusão de sangue sobre o peito e no rosto.[18]

Música[editar | editar código-fonte]

Friday the 13th Part 3
Trilha sonora de Harry Manfredini
Lançamento 13 de janeiro de 2012 (La-La Land)
2016 (Waxworks)
Gênero(s) Partitura de filme
Duração 55:31
Gravadora(s) Gramavision Records, La-La Land Records, Waxworks

A trilha sonora do filme foi composta por Harry Manfredini, que anteriormente gravou as partituras das duas primeiras partes da série.[19] Um tema com elementos da música disco também foi incluído no filme, co-escrito por Manfredini e Michael Zager, que compartilhavam um crédito com uma banda fictícia chamada Hot Ice.[9] O tema foi incluído nos lançamentos da trilha sonora do filme e, de acordo com Manfredini, tornou-se popular nas discotecas e nos clubes gays da época.[9]

Após o lançamento do terceiro filme em 1982, a Gramavision Records lançou um LP de peças selecionadas das partituras de Manfredini dos três primeiros filmes da série Sexta-Feira 13.[17] Em 13 de janeiro de 2012, a La-La Land Records lançou um boxset de 6 CDs em edição limitada contendo as partituras de Manfredini dos seis primeiros filmes. Essa edição esgotou em menos de 24 horas.[20]

Lançamento e recepção[editar | editar código-fonte]

Sexta-Feira 13 - Parte 3 foi lançado nos Estados Unidos em uma sexta-feira, 13 de agosto de 1982.[11] Foi o primeiro filme 3-D a receber um grande lançamento no país, abrindo em 1.079 salas, das quais 813 eram compatíveis com a tecnologia 3-D, enquanto o restante consistia em cinemas drive-in que não conseguiam acomodar o formato.[15] A fim de possibilitar que cinemas incompatíveis com o 3-D pudessem exibir o filme, a Paramount concluiu um processo de conversão que durou sete semanas, a um custo de US $ 2 milhões, "um montante igual ao custo negativo de toda o filme."[15] Também foi o primeiro filme da série a ser apresentado em Dolby Stereo em seu lançamento nos cinemas.

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

O filme arrecadou US $ 9.406.522 em seu fim de semana de estreia e quebrou o recorde de abertura de um filme de terror então pertencente ao primeiro Sexta-Feira 13 (1980). Nos Estados Unidos, o filme arrecadou um total de US $ 36.690.067. Foi o 21º colocado na lista dos filmes de maior bilheteria de 1982, enfrentando forte concorrência de outros filmes de terror de amplo lançamento, como Poltergeist, Creepshow, The Thing, Halloween III: Season of the Witch, Visiting Hours, Amityville II: The Possession, Silent Rage, The Beast Within, Cat People e Venom.[21][22] Em 2014, o filme continuava sendo o quarto filme de maior bilheteria da série Sexta-Feira 13 e terceiro mais vendido em bilheteria, com aproximadamente 11.762.400 ingressos vendidos, sendo superado apenas pelo original de 1980 com 14.778.700 ingressos e Freddy vs. Jason com 13.701.900 ingressos. O filme também se destaca como a décima maior bilheteria de um filme R-rated de 1982, a segunda maior bilheteria de filmes de terror de 1982, a sexta maior abertura de bilheteria de 1982 e, ajustado para a inflação, é a nona maior bilheteria de um filme slasher de todos os tempos.[8]

Crítica[editar | editar código-fonte]

A revista Time apontou a cena da morte do personagem Rick como ponto alto do filme. Na imagem, alguns efeitos visuais usados na cena.

Sexta-Feira 13 - Parte 3 recebeu críticas predominantemente negativas quando foi lançado nos cinemas. O agregador de críticas cinematográficas Rotten Tomatoes indica que apenas 12% dos críticos especializados deram ao filme uma crítica positiva; a avaliação média é 3.6 de 10.[23]

Escrevendo para o Los Angeles Times, Linda Gross observou: "Ironicamente, Sexta-Feira 13 - Parte 3 é tão horrível que Sexta-Feira 13 - Parte 1 e Sexta-Feira 13 - Parte 2 não parecem tão ruins."[24] Janet Maslin do The New York Times afirmou que "seria um pouco melhor que a Parte I ou a Parte II, mesmo sem 3-D". Continuando a comparar o filme com seus antecessores, Maslin comentou que "é um pouco mais hábil em provocar o público."[25] Richard Schickel, da revista Time, escreveu: "Talvez todas as sequências devessem ser feitas em 3-D... É tudo tão horrível que o terror se transforma em humor e a diversão vem da valorização de ser habilmente enganado por Steve Miner. A forma como o globo ocular de uma das vítimas de Jason salta fora do crânio e parece navegar sobre a cabeça do público por si só vale o ingresso e a colocação dos óculos engraçados."[26]

A revista de entretenimento Variety apresentou um consenso geral, afirmando: "Sexta-Feira 13 foi terrível e arrecadou mais de $ 17 milhões. Sexta-Feira 13 - Parte 2 foi tão ruim quanto e arrecadou mais de $ 10 milhões. Sexta-Feira 13 - Parte 3 é terrível também." A revista acrescentou: "Há algumas sequências elegantes em 3-D, seja um ioiô subindo e descendo ou pipoca estourando."[27] Da mesma forma, o TV Guide deu ao filme uma estrela de cinco, observando que "explora exatamente o mesmo esquema de fórmulas de seus antecessores, embora o gore seja um pouco depreciativo, com a equipe de efeitos especiais concentrando-se num trabalho de profundidade 3-D bem feito para variar. Mesmo assim, ainda é lixo e também fez uma quantia ridícula de dinheiro."[28]

Em uma retrospectiva, Scott Meslow, do periódico The Week, se referiu ao filme como "um clássico de acampamento subestimado - mais pesado e tonto que qualquer um de seus antecessores."[14] Meslow menciona que os efeitos 3D do filme pavimentaram o caminho para filmes de terror posteriores que também usaram a técnica.[14]

O filme tem sido apontado pelos críticos como um dos mais violentos da série, com um total de catorze mortes.[29] A máscara de Jason usada neste filme tornou-se modelo para a que foi usada em Friday the 13th: The Final Chapter e em sequências posteriores. Por sua aparição no filme, Jason Voorhees foi nomeado para a lista 100 Anos do AFI... 100 Heróis e Vilões como um dos 50 maiores vilões.[30]

Análise[editar | editar código-fonte]

O estudioso de cinema Jim Harper observou que a final girl de Sexta-Feira 13 – Parte 3, Chris, sofreu trauma na infância resultante de agressão sexual, o que a deixou incapaz de se envolver em relacionamentos íntimos,[31] embora não haja evidência indiscutível do que realmente aconteceu com ela. No filme, o trauma de Chris vem de um ataque de Jason Voorhees ao qual ela sobreviveu, o que a deixou "mentalmente marcada".[31] De acordo com a interpretação de Jim Harper, em comparação com as personagens final girl de outros filmes de terror contemporâneos, como Halloween (1978) ou A Nightmare on Elm Street (1984), a incapacidade de Chris em se envolver em relações sexuais ocorre em função do trauma em oposição à "repressão ou disfunção".[32]

A personagem de Dana Kimmell - Chris é considerada pelos fãs a final girl mais querida da serie Sexta-Feira 13. Ela é muito carismática, bonita e corajosa.

Home media[editar | editar código-fonte]

Sexta-Feira 13 - Parte 3 foi primeiramente disponibilizado em home video na década de 1980 em VHS, Betamax, Disco Eletrônico de Capacitância e Laserdisc e posteriormente em DVD, com o filme apresentado apenas em formato 2D. Houve também uma versão em VHD para o Japão (o mesmo ocorreria com a Parte 4 e a Parte 5). A versão 3-D do filme foi lançada oficialmente pela primeira vez na edição Deluxe do DVD em 3 de fevereiro de 2009. A edição Deluxe e eventualmente o lançamento em Blu-ray incluem as versões 2D e 3-D do filme, bem como dois pares de óculos 3-D azuis e vermelhos, que projetam o olhar como na máscara de Jason.[33]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

O filme é reconhecido pelo American Film Institute nestas listas:

Trabalhos relacionados[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sexta-Feira 13 (série)

Sexta-feira 13 - Parte 3 foi seguido por Sexta-Feira 13: O Capítulo Final (1984). Além disso, uma romantização do filme, escrita por Michael Avallone, foi publicada em 1982 pela Nordon Publications.[35]

Referências

  1. Sexta-Feira 13 Parte III no DVDPT (Portugal)
  2. Sexta-Feira 13 - Parte 3 no SapoMag (Portugal)
  3. Sexta-Feira 13 - Parte 3 no CinePlayers (Brasil)
  4. Sexta-Feira 13 - Parte III (em português) no AdoroCinema (Brasil)
  5. Muir 2011, p. 239.
  6. a b «Friday the 13th Part 3 (1982)» (em inglês). The Numbers. Consultado em 10 de julho de 2015. 
  7. Ferri, Jessica (13 de janeiro de 2017). «The Girl That Got Away from Jason: An Interview with Amy Steel from Friday the 13th Part 2» (em inglês). The Lineup. Consultado em 1 de julho de 2018.. Cópia arquivada em 1 de julho de 2018 
  8. a b «Friday the 13th Movies at the Box Office» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 17 de julho de 2017. 
  9. a b c d e f g h i j k l m n o p Farrands, Daniel (dir.) (2013). Crystal Lake Memories: The Complete History of Friday the 13th (Blue-ray) (documentário) (em inglês). RLJ Entertainment 
  10. Konda, Kelly (14 de fevereiro de 2014). «13 Things You May Not Know About Friday the 13th Part 3» (em inglês). We Minored in Film. Consultado em 1 de julho de 2018.. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2018 
  11. a b Dirks, Tim. «Friday the 13th, Part III». Greatest Movie Series Franchises of All Time: Friday the 13th (em inglês). AMC. Consultado em 25 de fevereiro de 2018.. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2018 
  12. «Friday the 13th Part 3: Script» (em inglês). Consultado em 25 de fevereiro de 2018.. Cópia arquivada em 26 de abril de 2013 – via Fridaythe13thFilms.ocm 
  13. Dickson, Evan (13 de junho de 2014). «11 Looks of Terror!!! Jason's Mask Throughout The Years!!!». Bloody Disgusting (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2018.. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2018 
  14. a b c Meslow, Scott (13 de março de 2015). «Friday the 13th Part III: How an '80s horror franchise bet it all on 3-D — and won» (em inglês). The Week. Consultado em 1 de julho de 2018.. Cópia arquivada em 20 de junho de 2018 
  15. a b c d e f g h i j «Friday the 13th Part III» (em inglês). American Film Institute Catalog. Consultado em 1 de julho de 2018.. Cópia arquivada em 20 de junho de 2018 
  16. Hayes, R. M. (outubro de 1998). 3-D Movies: A History and Filmography of Stereoscopic Cinema (em inglês) Second ed. Jefferson, North Carolina: McFarland & Company. pp. 96–97. ISBN 978-0786405787 
  17. a b c d e f Bracke 2006, pp. 84–94.
  18. Thomas McGee, Mark (março de 2001). Beyond Ballyhoo: Motion Picture Promotion and Gimmicks (em inglês) 2 ed. Jefferson, North Carolina: McFarland & Company. p. 97. ISBN 978-0786411146. Consultado em 7 de dezembro de 2012. 
  19. Lentz 2001, pp. 1118–19.
  20. «La-La Land Records: Friday the 13th» (em inglês). La-La Land Records. Consultado em 15 de janeiro de 2012.. Arquivado do original em 15 de janeiro de 2012 
  21. «Friday the 13th Part III (1982)» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 25 de fevereiro de 2018. 
  22. «Friday the 13th Part 2 (1981)» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 25 de fevereiro de 2018. 
  23. «Friday the 13th Part 3 (1982)». Flixster (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 7 de dezembro de 2012. 
  24. Gross, Linda (16 de agosto de 1982). «'Friday the 13th Part 3' Even Worse». Los Angeles Times. Seção VI (em inglês): G6 [ligação inativa] 
  25. Maslin, Janet (13 de agosto de 1982). «Movie Review – Friday the 13th Part 3». The New York Times (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2018.. Cópia arquivada em 20 de junho de 2018 
  26. Schickel, Richard (30 de agosto de 1982). «Friday the 13th Part III». Time (em inglês): 89. ISSN 0040-781X 
  27. Variety Staff (1982). «Review – Friday the 13th Part II». Variety (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2018.. Cópia arquivada em 16 de junho de 2018 
  28. TV Guide Staff. «Friday the 13th Part III». TV Guide (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2018.. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2018  1 de 5 estrelas.
  29. Clover 2015, p. 82.
  30. «400 nominated screen characters AFI's Top 50 heroes and top 50 villains» (em inglês). American Film Institute. 2005. Consultado em 25 de fevereiro de 2018. 
  31. a b Harper 2004, p. 37.
  32. Harper 2004, p. 38.
  33. Liebman, Martin (12 de junho de 2009). «Friday the 13th Part 3 Blu-ray Review» (em inglês). Blu-ray.com. Consultado em 1 de julho de 2012.. Cópia arquivada em 24 de junho de 2018 
  34. «AFI's 100 Years...100 Heroes & Villains Nominees» (PDF). 2005. Consultado em 1 de julho de 2018. 
  35. Avallone, Michael (1982). Friday the 13th Part 3 (3-D): A Novel. [S.l.]: Nordon Publications. ISBN 978-0-725-51281-1 

Obras citadas[editar | editar código-fonte]

  • Bracke, Peter (2006). Crystal Lake Memories: The Complete History of Friday The 13th (em inglês) 1ª ed. Los Angeles, California: Titan Books. ISBN 978-1-845-76343-5 
  • Clover, Carol J. (2015). «Her Body, Himself: Gender in the Slasher Film». In: Grant, Barry Keith. The Dread of Difference: Gender and the Horror Film (em inglês) 2ª ed. Austin: University of Texas Press. pp. 68–115. ISBN 978-0-292-77245-8 
  • Harper, Jim (2004). Legacy of Blood: A Comprehensive Guide to Slasher Movies (em inglês). Reino Unido: Critical Vision. ISBN 978-1-900-48639-2 
  • Hayes, R. M. (1998). 3-D Movies: A History and Filmography of Stereoscopic Cinema (em inglês) 2ª ed. Jefferson, Carolina do Norte: McFarland & Company. pp. 96–97. ISBN 978-0-786-40578-7 
  • Lentz, Harris M. (2001). Science Fiction, Horror & Fantasy Film and Television Credits: Filmography (em inglês) 2ª ed. [S.l.]: McFarland. ISBN 978-0-786-40951-8 
  • Muir, John Kenneth (2011). Horror Films of the 1980s (em inglês). 1. Jefferson, Carolina do Norte: McFarland. ISBN 978-0-786-45501-0 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]