Tremarctos ornatus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Urso-de-óculos)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaUrso-de-óculos
Ocorrência: Pleistoceno Superior-Recente, 0.1–0 Ma
Spectacled Bear Tennoji 2.jpg

Estado de conservação
Espécie vulnerável
Vulnerável (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Ursidae
Género: Tremarctos
Gervais, 1855
Espécie: T. ornatus
Nome binomial
Tremarctos ornatus
(Cuvier, 1825)
Distribuição geográfica
Tremarctos ornatus distribution.svg
Sinónimos

O urso-de-óculos (Tremarctos ornatus) também conhecido como urso-andino ou urso-de-lunetas é a única espécie sobrevivente de urso nativa da América do sul e o único membro sobrevivente da subfamília tremarctinae. Os parentes mais próximos do urso de óculos são o extinto urso de óculos da Flórida e os gigantes ursos de face curta do pleistoceno médio. É classificada como uma espécie vulnerável pela UICN, sendo à destruição e fragmentação de seu habitat uma das maiores ameaças a espécie.[1][2]

Nomenclatura e etimologia[editar | editar código-fonte]

O tremarctos ornatus é conhecido popularmente tanto em português quanto em inglês como urso de óculos, que é uma referência à coloração clara em seu peito, pescoço e face que pode ou não ter o formato de óculos, também é chamado menos comumente de urso andino, devido a sua distribuição ao longo dos Andes. Localmente também é conhecido como Jukumari (Aymara), Ukumari (Quechua) ou Ukuku.[3]

Seu nome científico trem - vem de uma palavra grega que significa ''buraco'', uma referência a um buraco incomum no úmero do animal, e Arctos que significa ''urso'' em grego. Ornatus no entanto é proveniente do latim e significa ''decorado'', em homenagem a suas manchas que dão o formato característico de óculos ao urso.[4]

Descrição[editar | editar código-fonte]

urso de óculos em cativeiro

O urso de óculos é o único urso nativo da América do sul e é tecnicamente o maior carnívoro terrestre desta parte do continente, embora apenas 5% de sua dieta seja constituída de carne. O maior carnívoro sul americano de fato é a onça pintada. Entre os animais terrestres nativos da América do sul, somente a anta de baird e a anta brasileira são maiores que esta espécie. O urso de óculos é um urso de tamanho médio. Em geral, seu pêlo é de cor negra, mais pode variar de marrom escuro a uma tonalidade avermelhada. A espécie normalmente possui marcações de bege ou branca em sua face e no tórax, embora nem todos os ursos de óculos possuam óculos, o padrão e a extensão das marcas pálidas são únicas para cada individuo e os ursos podem ser facilmente distinguidos por isso. Os machos são cerca de um terço maiores que as fêmeas nas dimensões e podem ser até duas vezes mais pesados. Os indivíduos do sexo masculino podem pesar de 100 a 200 kg, enquanto que as fêmeas pesam de 35 a 82 kg. O comprimento total pode variar de 120 a 200 cm, embora a maioria dos machos adultos sejam registrados com comprimentos superiores a 150 cm. A cauda tem apenas 7 cm e a altura no ombro é de 60 a 90 cm. Em comparação com outras espécies de ursos, o urso de óculos possui um focinho mais curto e largo, em algumas espécies extintas da subfamília tremarctinae, esta estrutura facial caracteriza uma adaptação a uma dieta carnívora, apesar das preferências dietéticas herbívoras dos ursos de óculos modernos.[5]

Distribuição geográfica e habitat[editar | editar código-fonte]

Apesar de alguns raros avistamentos a leste do Panamá, os ursos de óculos são restritos a certas áreas do norte e oeste da América do sul, indo desde o oeste da Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, oeste da Bolívia e noroeste da Argentina. A espécie é encontrada quase que inteiramente na Cordilheira dos Andes. Antes que as populações fossem fragmentadas durante os últimos 500 anos, a espécie tinha a reputação de ser adaptável, uma vez que era encontrada em uma ampla variedade de habitats e altitudes ao longo de sua distribuição, incluindo florestas e pastagens de altitudes, florestas secas e desertos. Uma única população de ursos de óculos no Equador e Peru habitava uma variedade de habitats equivalente aos que o urso pardo habita no mundo. Os melhores habitats para os ursos de óculos são florestas úmidas de montanha. Essas florestas normalmente ocupam uma faixa de elevação de 500 a 1000 m entre 1000 e 2700 dependendo da altitude. Geralmente, quanto mais úmidas essas florestas, melhor para os ursos de óculos. Ocasionalmente, eles podem viver em altitudes tão baixas quanto 250 m, mas geralmente não são encontrados abaixo de 1900 m nos contrafortes.[6]

Dieta e comportamento[editar | editar código-fonte]

crânio de um urso de óculos

Os ursos de óculos são uma das quatros espécies de ursos existentes habitualmente arbóreas, junto como o urso negro americano, o urso negro asiático e o urso malaio. Nas florestas andinas, os ursos de óculos podem ser ativos tanto durante o dia quanto durante a noite, mas nos desertos peruanos são relatadas atividades principalmente diurnas. Sua sobrevivência ao lado dos humanos dependia principalmente de sua habilidade de escalar árvores altas, eles geralmente costumam se retirar na presença dos seres humanos, muitas vezes procurando refúgio em cima das árvores. Uma vez em cima de uma árvore, eles podem construir ninhos, talvez para ajudar na ocultação, bem como para descaçar ou guardar alimento. Embora os ursos de óculos sejam solitários e se isolem um dos outros, eles já foram registrados se alimentando em grupos pequenos em fontes abundantes de alimento. Os machos têm um território médio de 23 quilômetros, e as fêmeas de 10 quilômetros. Geralmente quando encontrados por seres humanos, eles reagem de maneira dócil mas cautelosa, a menos que o intruso seja visto como uma ameaça ou que uma mãe veja a pessoa como um perigo em potencial para os seus filhotes. Há registro de apenas uma morte humana relatada, consequência de um ataque de urso de óculos, que ocorreu durante uma caçada. Os únicos predadores de filhotes, incluem pumas e possivelmente ursos de óculos machos. Os ursos parecem evitar as onças pintadas, mas estas têm preferência por habitats consideravelmente diferentes, e normalmente ursos e onças não se encontram. Geralmente a única ameaça para um urso adulto é o ser humano. Eles podem viver por até 36 anos em cativeiro, na natureza seu expectativa de vida não foi estudada mais acredita-se que possam viver até 20 anos ou mais.[7]

individuo em um zoológico nos EUA

Os ursos de óculos são mais herbívoros que a maioria dos ursos; normalmente apenas 5 a 7% de sua dieta é constituída de carne. Os alimentos mais comuns para os ursos incluem cactos, bromélias, nozes de palmeira, bambu, orquídeas, frutas e folhas de palmeiras não abertas. Eles também descascam a casca de árvores para comer as larvas nutritivas de insetos. Grande parte desta vegetação é muito difícil de abrir ou digerir para a maioria dos animais, e o urso de óculos é uma das poucas espécies que exploram essas fontes de alimento. O urso de óculos possui os maiores músculos mandibulares zigomáticos em relação ao seu tamanho corporal dentre qualquer urso vivo, superando ligeiramente o tamanho relativo da morfologia do panda gigante. Não coincidentemente, ambas as espécies são conhecidas por consumirem plantas fibrosas e resistentes. Ao contrário dos outros ursos que possuem um pré-molar mais bem desenvolvido, uma adaptação para cortar carne, o quarto pré-molar dos ursos de óculos possui três cavidades de polpas e não duas. As características da musculatura e dentes do urso de óculos são próprias para moer e esmagar vegetação. Depois do panda o urso de óculos é a espécie de urso mais herbívora, eles também comem plantas cultivadas como milho e cana de açúcar. Quando os alimentos são abundantes, até nove ursos podem ser vistos alimentando-se juntos. Eles geralmente não exercem predação sobre outros animais, no entanto podem caçar veados adultos, lhamas, gado doméstico, cavalos, ratos, coelhos, pássaros, ovos, artrópodes e carniça. Eles ocasionalmente são acusados de matar o gado e de destruir plantações de milho, o que faz com que sejam perseguidos por fazendeiros e mortos sempre que são vistos.[8]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

O acasalamento pode ocorrer em quase qualquer época do ano, mais normalmente atinge seu pico entre os meses de abril e junho, no início da estação úmida durante a época do amadurecimento das frutas. O casal pode permanecer junto por duas semanas, e acasalar várias vezes. O nascimento normalmente ocorre entre dezembro e fevereiro na estação seca. o período de gestação é de 5,5 a 8,5 meses e normalmente nascem de um a três filhotes, que pesam cerca de 300 a 330 gramas cada. Embora esta espécie não dê à luz em cavernas, como as outras, o nascimento normalmente acontece em uma pequena toca e a fêmea espera até que os filhotes tenham idade suficiente para acompanhá-la. O filhote geralmente permanece com a mãe por um ano, antes de se separar e começar a viver por conta própria. A maturidade sexual é atingida com 4 ou 7 anos aproximadamente para ambos os sexos, com base em estudos feitos com animais em cativeiro.[9]

Referências

  1. «Spectacled bear». Wikipedia (em inglês). 14 de novembro de 2017 
  2. Velez-Liendo, X. & García-Rangel, S. (2017). Tremarctos ornatus (em Inglês). IUCN 2017. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2008 Versão 3. Página visitada em 31 de dezembro de 2017.
  3. «Spectacled bear». Wikipedia (em inglês). 14 de novembro de 2017 
  4. «Spectacled bear». Wikipedia (em inglês). 14 de novembro de 2017 
  5. «Spectacled bear». Wikipedia (em inglês). 14 de novembro de 2017 
  6. «Spectacled bear». Wikipedia (em inglês). 14 de novembro de 2017 
  7. «Spectacled bear». Wikipedia (em inglês). 14 de novembro de 2017 
  8. «Spectacled bear». Wikipedia (em inglês). 14 de novembro de 2017 
  9. «Spectacled bear». Wikipedia (em inglês). 14 de novembro de 2017 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies
Wikidata Base de dados no Wikidata