Almeirim (Pará)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Almeirim
Bandeira de Almeirim
Brasão desconhecido
Bandeira Brasão desconhecido
Hino
Fundação 17 de março de 1890[1]
Gentílico almeirimense[1]
Lema Trabalho, Progresso e Desenvolvimento
Prefeito(a) José Botelho dos Santos (PT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Almeirim
Localização de Almeirim no Pará
Almeirim está localizado em: Brasil
Almeirim
Localização de Almeirim no Brasil
01° 31' 22" S 52° 34' 55" O01° 31' 22" S 52° 34' 55" O
Unidade federativa Pará Pará
Mesorregião Baixo Amazonas IBGE/2008 [2]
Microrregião Almeirim IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Óbidos, Alenquer, Monte Alegre, Prainha, Porto de Moz, Gurupá, Laranjal do Jari (AP), Sipaliwini (SUR)
Distância até a capital 478 km km
Características geográficas
Área 72 954,798 km² (BR: 8º)[3]
População 33 614 hab. IBGE/2010[4]
Densidade 0,46 hab./km²
Altitude 65 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,642 médio PNUD/2010[5]
PIB R$ 494 551,260 mil IBGE/2012[6]
PIB per capita R$ 14 735,01 IBGE/2012[6]
Página oficial

Almeirim é um município brasileiro, terceiro maior em extensão territorial do Estado Federativo do Pará. Localiza-se a uma latitude 01º31'24" sul e a uma longitude 52º34'54" oeste, estando a uma altitude de 65 metros. Sua população estimada em 2010 era de 33.614 habitantes, densidade demográfica de 0,46 hab/Km². Possui uma área de 72.954,798 km², no extremo norte de sua fronteira faz limite com o Distrito de Sipaliwini (Jurisdição Tapahony), no Suriname. No seu território há parte da reserva indígena da tribo dos Waiãpi.

A sede de Almeirim é divida em "cidade baixa" e "cidade alta", sendo o único município da região do Rio Amazonas que tem na sua frente o seu nome em estilo "hollywoodiano" em um morro visível para o observador que estiver navegando pelo rio, salientando-se que o rio nesse trecho é muito frequentado como hidrovia para balsas de carga, barcos e navios de madeira e ferro, além de cruzeiros turísticos.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A origem do nome do município advém da cidade de nome idêntico em Portugal (Ver Almeirim (Portugal)).

História[editar | editar código-fonte]

De acordo com as informações do IBGE, a pedra fundamental do município foi lançada pelos frades capuchos de Santo Antônio. Anos mais tarde, Manoel da Mota e Siqueira constatando a necessidade de defesa da região contra investidas estrangeiras, levantou o Forte do Paru, onde hoje está localizada a Praça do Relógio. Em outra versão da história de Almeirim, os holandeses chegaram primeiro à região, edificando um forte posteriormente tomado pelos portugueses, que no local formaram um povoado.

O Governador e Capitão-General da Capitania do Grão-Pará e Maranhão, Francisco Xavier de Mendonça Furtado, por ato administrativo decretou a elevação do povoado à categoria de Vila em 22 de fevereiro de 1758, fato esse desfeito posteriormente no fim do período colonial com o advento da Independência do Brasil em 1822. No Governo Provisório da República readquiriu status de Vila pelo Decreto Estadual nº 109 de 17 de março de 1890[7] [1] e status de Município pelo Decreto Estadual nº 110 emitido em igual data.

Durante a Revolução de 1930 no Brasil, mais especificamente em 04 de novembro de 1930, Almeirim perdeu a condição de Município e suas terras foram adidas ao Município de Prainha, somente sendo restaurado em 24 de novembro de 1930, através do Decreto Estadual nº 16.

A Lei Estadual nº 5.075, de 02 de maio de 1983[8] [1] , criou o Distrito Municipal de Monte Dourado, uma subdivisão administrativa.

Cabanagem em Almeirim[editar | editar código-fonte]

No período do Movimento popular e político da Cabanagem, o então povoado de Almeirim foi invadido, saqueado e parcialmente destruído pelos cabanos.

Coronelismo[editar | editar código-fonte]

Na década de 1880, migrou para a região de Almeirim, o cearense José Júlio de Andrade, nascido em julho de 1862 na cidade de Sobral ou São Francisco de Uburetama, atual Itapagé. Futuramente alcunhado Coronel José Júlio, veio do Estado do Ceará para morar com seu tio, João Pinto de Andrade, no município de Benevides, Província do Grão-Pará, no ano de 1885, porém sua vontade de desbravar e auferir fortuna no interior da província lhe motivou a se deslocar para a região de Almeirim, passando a trabalhar com a extração da seringa e andiroba e coleta de castanhas-do-pará.

Com o passar dos anos, conheceu e casou-se em 1897 com a D. Laura Neno de Andrade, filha do Intendente de Almeirim na época, de quem ganhou o Título de Propriedade de uma vasta terra, sendo essa a primeira de várias outras terras que foram negociadas e assimiladas aos seus domínios. Por volta das décadas de 1900 a 1930, ele já era o maior latifundiário da região dos atuais municípios de Almeirim e Porto de Moz, no Estado do Pará, e Laranjal do Jari e Mazagão, no Estado do Amapá. Comercializava produtos oriundos do extrativismo vegetal, principalmente a seringa, direcionados à exportação. Em pouco tempo, logo se tornou também o comerciante regional mais rico e prestigiado, comprando o título honorífico militar do Exército de "Coronel da Guarda Nacional", palacetes nas cidades de Belém e Rio de Janeiro, e barcos a vapor (os principais Sobralense, Sobral e Duca Neno).

Devido ao seu alto poder aquisitivo, viajou por inúmeros países da Europa, África e Ásia, elegeu-se Senador da Câmara de Belém com sucessivos mandatos e conheceu o Presidente da República na década de 1930, Getúlio Vargas. Foi um homem extremamente influente no campo político, social e econômico do Baixo Amazonas, sua residência na região localizava-se na Vila de Arumanduba, pertencente ao Município de Almeirim, nela havia uma avançada infraestrutura básica urbana como energia elétrica produzida por uma grande caldeira, botica, escola, centro recreativo, estação telegráfica, porto e igreja.

De acordo com os depoimentos de pessoas que viveram à época, ele era um indivíduo de personalidade amistosa, mas ao mesmo tempo tirana, governando com mão-de-ferro a produção de suas terras e as pessoas que nelas trabalhavam. As penalidades sofridas e aplicadas aos infratores de suas leis eram, por vezes, de insondável crueldade. Outro ponto bastante conhecido acerca do Coronel era sua afeição por moças locais, conta-se a lenda que ele aliciava e levava as filhas dos seus empregados para serviços domésticos, sexuais e trabalhos de singular excentricidade. A semelhança com antigos feudos medievais não estava distante, José Júlio conhecia pessoalmente cada hectare das propriedades que possuía e delimitava a vida de cada pessoa dentro desses territórios.

O Coronel nunca teve um filho legitimamente reconhecido do casamento com D. Laura, a qual, segundo especulam, permitia as liberalidades sexuais do seu marido por essa razão, por não poder ter um herdeiro. Apesar de não ter um filho oriundo do casamento, o coronel apadrinhou e educou diversas crianças, filhos de seus empregados e amantes. Após sua morte por causa da hanseníase, em 24 de junho de 1953, no Rio de Janeiro, o seu império entrou em ruínas e suas terras foram gradativamente vendidas e distribuídas, todavia antes de falecer vendeu seus empreendimentos e terras no Jari, futuro território do Distrito de Monte Dourado e da cidade de Laranjal do Jari, em 22 de fevereiro de 1948, ao casal português Antônio Fernandes Teixeira e Ana Fernandes Fonseca Teixeira, sócios gerentes da Empresa de Navegação e Comércio Jari.

Hino Municipal de Almeirim[editar | editar código-fonte]


Letra:
Música:

Cidade Presépio tão bela
Boa terra onde vimos a luz
Teus encantos brilhantes revela
O que em ti nos orgulha e seduz.

Sempre olhando Alteiras de frente
Desse tão glorioso Rio Mar
Tu cativas com graça essa gente
Que uma voz é que vem te louvar.

[estribilho]
De mãos dadas seguimos avante
Tendo o Só o ideal nobre assim
Construir com esforço constante
Teu futuro Glorioso Almeirim.

Que o Progresso porém não destrua
Teus esplêndidos bens culturais
Teus folclores, cantigas de ruas
Tradição e grandezas locais.

Teus encantos, tem canto, tem paz.
Ao teu povo porém apaixonas
Se souberes honrares serás
O celeiro do Baixo Amazonas.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a temperatura mínima registrada em Almeirim foi de 16,4 ºC, ocorrida no dia 20 de julho de 1970. Já a máxima foi de 39,2 ºC, observada dia 7 de dezembro de 1963. O maior acumulado de chuva registrado na cidade em 24 horas foi de 183,4 mm, em 29 de dezembro de 2005.[9]

Dados Econômicos[editar | editar código-fonte]

Segundo dados do IBGE, Almeirim possui a maior produção de leite de búfala do estado do Pará, com 1,2 milhões de litros de leite produzidos em 2006, além da segunda maior do Brasil, atrás apenas de Autazes, no Amazonas. [10]

Acompanhando a produção de leite, Almeirim também é conhecida na região pela qualidade de seus queijos, de variados tipos e sabores.

Nativos Notáveis[editar | editar código-fonte]

Cantores de música brega como Wanderley Andrade e Joelma Mendes da Banda Calypso.

Pontos Turísticos[editar | editar código-fonte]

Cachoeira de Panama
Fábrica de celulose

Os principais pontos turísticos do município são: a Serra da Velha Pobre com sua faixa de praia de areia branca, visitada pelos munícipes; a cachoeira do Panãma, no Rio Paru; e a cachoeira de Santo Antônio, no Rio Jari. Um fato a se ressaltar também é a arquitetura histórica de Almeirim, tem-se o antigo prédio da sede do município com seu estilo arquitetônico do início do século XX; o Complexo Paroquial de Nossa Senhora da Conceição (Casa Paroquial, Igreja e Centro de Saúde) que foi edificado em estilo das construções temperadas dos Estados Unidos da América, pelos Franciscanos da Ordem Menor, responsáveis pelas missões religiosas católicas na região do Baixo Amazonas na metade do século XX; as belas montanhas existentes e a densa floresta no município são um forte atrativo para o turismo ecológico; a organizada floresta de pinheiros e eucalipto na região do Distrito Industrial de Monte Dourado e da Vila de Munguba também chamam a atenção pela beleza singular apresentada; a Fábrica japonesa fluvial de celulose e beneficiamento de minérios na região da Vila de Munguba desperta os olhos para esse ilustre empreendimento, sendo que sua estrutura foi trazida diretamente do Japão através dos oceanos na década de 1970; os lagos prateados oriundos do beneficiamento dos minérios; a linha férrea que interliga a floresta de pinheiro e eucalipto à Fábrica, com seu trem de carga nas proximidades da entrada do Distrito Industrial de Monte Dourado; o Distrito de Monte Dourado e a Vila de Munguba em si representam outras atrações turísticas pelas suas arquiteturas padronizadas e idealizadas, são verdadeiros complexos urbanos planejados.

Além das atrações mencionadas, todo mês de agosto acontece a Feira de Arte e Cultura de Almeirim (Fearca) em comemoração ao Dia Cívico do Município (23 de Agosto, conforme art. 7º da Lei Orgânica). Nesse evento cultural ocorrem apresentações de grupos folclóricos e de música local, bem como exposição e comercialização de objetos culturais e comidas típicas. O mês de dezembro também é um período festivo municipal devido às comemorações ao Dia da Padroeira do município, Nossa Senhora da Conceição.

Patrimônio Arquitetônico[editar | editar código-fonte]

  • Paço da Prefeitura Municipal (Antiga Sede)
  • Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição (e Casa Paroquial)
  • Primeira Igreja Batista (Distrito de Monte Dourado)
  • Colégio de Nossa Senhora da Conceição
  • Centro de Saúde (Antigo Prédio)
  • Praça do Relógio
  • Praça do Centenário Municipal

Colégio de Nossa Senhora da Conceição[editar | editar código-fonte]

No município de Almeirim, desde sua fundação, ordens religiosas católicas romanas tiveram presença marcante em todos os âmbitos sociais, tanto na saúde e lazer quanto na educação, o Colégio Nossa Senhora da Conceição, erguido por volta da década de 1940, é um marco arquitetônico e educacional na cidade. Regido pela Ordem das Irmãs Adoradoras do Sangue de Cristo, inicialmente era uma escola particular, atendia a alunos de 5ª a 8ª Série do Ensino Fundamental sob preceitos disciplinares rígidos com uniformes padronizados de calça anil ou saia e camisa branca, frequentado pelos filhos de famílias mais afortunadas. Atualmente, desde a década de 1990, o Colégio tornou-se uma Escola em Regime de Convênio com mensalidades simbólicas aos seus discentes.

Festejos Municipais[editar | editar código-fonte]

  • Festejos Juninos - Junho
  • Feira de Arte e Cultura (Fearca) - Agosto
  • Festejos e Quermesse da Padroeira Nossa Senhora da Conceição - Dezembro
  • Festejos de Natal e Ano Novo - Dezembro

Transportes[editar | editar código-fonte]

O Aeroporto da Serra do Areão serve ao Distrito de Monte Dourado, localizado a 73 km de distância da sede do município, entretanto a Estação Hidroviária de Almeirim é a mais movimentada. Nessa Estação aportam geralmente embarcações de passageiros com embarques e desembarques efetuados diariamente, bem como carga e descarga de mercadorias que suprem o comércio local. Os barcos de médio e pequeno portes apresentam, na maioria das vezes, como destino final cidades como Santarém, Macapá, Monte Alegre, Porto de Moz e Prainha, enquanto que os navios e barcos de grande porte apresentam como destino final cidades como Santarém, Belém e Manaus, dentre outras.

Referências

  1. a b c d Almeirim (PDF) IBGE. Visitado em 15/04/2011.
  2. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  3. IBGE (15 jan. 2013). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 1 (R.PR-1/13). Visitado em 29 mai. 2013.
  4. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de maio de 2013). Visitado em 29 de maio de 2013.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 21 de setembro de 2013.
  6. a b PIBMunicipal2008-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 12 dez. 2012.
  7. Almeirim Pará - PA Histórico IBGE. Visitado em 29/05/2013.
  8. Criação do Distrito de Monte Dourado - Lei Estadual nº 5.075, de 1983 Assembleia Legislativa do Estado do Pará. Visitado em 29/05/2013.
  9. Sistema de Monitoramento Agrometeorológico (Agritempo). Dados Meteorológicos - Pará. Visitado em 12 de dezembro de 2012.
  10. Censo Agropecuário de 2006 do IBGE

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Pará é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.