Itapuã (Salvador)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Nova Brasília de Itapuã)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Itapuã.
Itapuã
  Bairro do Brasil  
Praia do Farol de Itapuã
Praia do Farol de Itapuã
Localização de Itapuã (em vermelho) no município de Salvador.
Localização de Itapuã (em vermelho) no município de Salvador.
Unidade federativa Bahia Bahia
Região administrativa Região Itapuã, RA X[1]
Município Salvador
Limites Piatã (oeste), Alto do Coqueirinho (oeste), Bairro da Paz (noroeste), Mussurunga (norte), São Cristóvão (norte), Stella Maris (leste)[2][3]
Fonte: Não disponível

Itapuã é um bairro de Salvador, na Bahia, no Brasil.[4] Em 2012, o iBahia pesquisou a vida cultural do bairro.[5] Possui três praias frequentadas pela população local e turistas: a Praia de Itapuã, a Praia de Placafor e a Praia do Farol de Itapuã. Nesta última, localiza-se o Farol de Itapuã. No bairro, se localiza a lagoa do Abaeté, um símbolo da cidade. Ao redor da lagoa, existe um parque metropolitano de preservação inaugurado em 1993, o Parque Metropolitano Lagoas e Dunas do Abaeté.[6] No mais, encontram-se, no bairro, vários hotéis de luxo e loteamentos das classes média e alta. [carece de fontes?]

É também citada na música do compositor Vinicius de Moraes, "Tarde em Itapuã", de 1971; clássica canção de Marília Medalha, Toquinho e Vinicius de Moraes[7][8]

Localização[editar | editar código-fonte]

Placa indicando a Praia de Itapuã.

Distante do Centro da cidade cerca de 25 quilômetros, Itapuã está situada após o bairro de Piatã, fazendo limite com o Bairro da Paz (antiga invasão das Malvinas), São Cristóvão e Stella Maris[2].

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Itapuã" é um termo tupi que significa "pedra erguida", através da junção de itá (pedra) e pu'ã, erguido [9] e refere-se a um afloramento de rocha situado ao largo da área de arrebentação da praia. Segundo relata Gabriel Soares de Souza no seu Tratado descritivo do Brasil em 1587, "a Tapuã é uma ponta sahida ao mar, com uma pedra no cabo cercada d'elle, a que o gentio chama d'este nome, que quer dizer pedra baiza; defronte d'esta ponta em um alto, está uma fazenda (...) com uma hermida de São Francisco." [10]

História[editar | editar código-fonte]

Praia de Itapuã

No século XVII, Itapuã era uma armação baleeira. Por volta de 1625, na vila de pescadores que se formara ali, foi erguida a igreja de Nossa Senhora da Conceição de Itapuã [10] A santa católica correspondia a Iemanjá, no sincretismo religioso da Bahia e era objeto de culto e de festa, a qual, a princípio, reunia apenas os habitantes da vila.

O trecho inicial da praia de Itapuã é conhecido como Placafor ou Placa Ford. Isto porque, por volta da década de 1960, foi instalado na avenida Otávio Mangabeira, em frente à praia, um grande outdoor da Ford. A placa ficava sobre a linha imaginária que separa as areias de Piatã e Itapuã e acabou por se tornar ponto de referência para aquele trecho da praia de Itapuã que foi moda nos anos 1960. [11] A placa já não existe, mas o início da praia de Itapuã continua a ser referido como Placafor.

Itapuã é o local onde "Dona Flor" (do romance de Jorge Amado Dona Flor e Seus Dois Maridos) desistiu de sua virgindade com o homem que se tornaria seu primeiro marido.

Foi também a casa do dramaturgo/poeta/letrista Vinicius de Moraes e do compositor Dorival Caymmi. Vinícius, juntamente com seu colaborador Toquinho, escreveu e cantou um famoso hino evocativo da vila bucólica que era Itapuã no seu tempo.[12] A casa na qual Vinicius viveu com a atriz Gessy Gesse na Rua Flamengo, n° 44, construída nos anos 1970 em frente ao mar de Itapuã, atualmente é o restaurante Casa di Vina, uma referência ao nome como os amigos apelidavam Vinicius; onde também abriga o Memorial Casa di Vina, aberto gratuitamente ao público, onde estão expostos objetos, fotos e documentos da história do casal e da passagem do poeta pela Bahia que além da canção Tarde em Itapuã produziu muitas outras obras primas.[13][14]

[15]

Empreendimentos[editar | editar código-fonte]

Pescadores em Itapuã.

Hotéis luxuosos instalaram-se em Itapuã, como o Hotel Deville Prime Salvador. A área é permeada por loteamentos luxuosos, além de um grande número de restaurantes vendendo comidas típicas. Os quitutes do tabuleiro de Cira (uma baiana do acarajé ou, no dizer tradicional dos locais, "freguesa do acarajé"), que se instala diariamente em frente a uma praça. Itapuã tem música e dança nos finais de semana, tanto ao longo da orla marítima quanto na Lagoa do Abaeté. Uma pesquisa feita pelo jornal Correio em 2016 indicou que o bairro tem o terceiro melhor preço de aluguel de imóvel em Salvador.[16]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Em 2006 o bairro de Itapuã tinha o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0,664, índices menores que países como a África do Sul, Guiné Equatorial e Tajiquistão, localizados na África e Ásia Central.[17] Segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010 é o segundo bairro com a maior população de negros em Salvador, com 77,96%.[18] Sua população total em 2010 somando todas as etnias era de 66 961.[18] No primeiro trimestre de 2015 o bairro teve um dos maiores índices de latrocínios de Salvador.[19]

Em julho de 2018 entrou na lista dos locais onde mais ocorrem assaltos a ônibus.[20] Segundo o delegado José Neles, titular da Delegacia de Repressão a Furtos de Veículos: "Ali [Itapuã], nós temos um crescimento populacional desorganizado muito grande, diversas rotas de fuga e locais de difícil acesso para a polícia (...) Mas é um bairro que a polícia reserva, sem dúvida nenhuma, uma operação significativa para que possa dar uma resposta e reduzir."[20]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Prefeitura Municipal do Salvador. Lei n° 7.400/2008 Dispõe sobre o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano do Município do Salvador – PDDU 2007 e dá outras providências.[ligação inativa]
  2. a b «Mapa dos bairros de Salvador» (PDF). Consultado em 23 de junho de 2013. Arquivado do original (PDF) em 24 de setembro de 2015 
  3. O Processo de Delimitação dos Bairros de Salvador: Relato de uma Experiência Arquivado em 24 de setembro de 2015, no Wayback Machine.. Por Elba Guimarães Veiga, Cássio Marcelo Silva Castro, Anderson Gomes de Oliveira, Adalberto Bulhões, Vitória Regia Sampaio, Aline Farias, Carlos Henrique Cardoso, Leonardo Dias Afonso. RIGS - revista interdisciplinar de gestão social v.1 n°1 jan.-abr. 2012. ISSN: 2317-2428
  4. Embasa vai suspender serviço na quarta-feira em Salvador e região
  5. Flavia Vasconcelos. «A voz dos Bairros: conheça a vida cultural de bairros de Salvador». iBahia. Rede Bahia. Consultado em 27 de junho de 2019 
  6. Parque Metropolitano Lagoas e Dunas do Abaeté. Histórico
  7. Guimarães, Thiago (12 de junho de 2011). «40 anos depois, Itapuã de Vinícius se perde entre barulho e violência». site IG. Consultado em 4 de agosto de 2019 
  8. Pesciotta, Nathália. «Passar uma tarde em Itapuã». site Atrás da Música. Consultado em 4 de agosto de 2019 
  9. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 575.
  10. a b "Itapuã: aldeia, fazenda e vila de pescadores" in OLIVEIRA, Orlando J. R. de Turismo, cultura e meio ambiente: estudo de caso da Lagoa do Abaeté em Salvador- Bahia. Brasília:UnB, 2009. Brasília:UnB, 2009, p. 55
  11. Praia de Placaford
  12. «Bairros de Salvador». Bahia-Online. Consultado em 18 de julho de 2012 
  13. Fratus, Alessandra (24 de novembro de 2018). «Casa di Vina: a casa de Vinícius de Moraes em Itapuã». site Tô Pensando em Viajar. Consultado em 4 de agosto de 2019 
  14. Mori, Adriana (7 de julho de 2015). «Restaurante na casa de Vinícius de Moraes: Antigo lar do poeta, em Itapuã, serve bons pratos». revista Vogue. Consultado em 4 de agosto de 2019 
  15. Fratus, Alessandra (24 de novembro de 2018). «Casa di Vina: a casa de Vinícius de Moraes em Itapuã». site Tô Pensando em Viajar. Consultado em 4 de agosto de 2019 
  16. Eduardo Bittencourt (15 de dezembro de 2016). «Pesquisa indica os bairros mais baratos para alugar um imóvel; veja lista». Correio (jornal). Consultado em 27 de abril de 2019 
  17. «Grande Salvador tem IDH de Europa e África». PNUD. Consultado em 27 de abril de 2019. Arquivado do original em 27 de abril de 2019 
  18. a b Redação (20 de novembro de 2013). «TOP 10: veja os bairros de Salvador com maior população negra». iBahia.com. Rede Bahia. Consultado em 27 de abril de 2019 
  19. Henrique Mendes (24 de setembro de 2015). «Região mais violenta de Salvador, subúrbio resiste ao tráfico de drogas». G1 BA. Rede Globo. Consultado em 26 de abril de 2019 
  20. a b Júlia Vigné (25 de julho de 2018). «Veja lista com locais campeões de assaltos a ônibus de Salvador». Correio (jornal). Rede Bahia. Consultado em 7 de maio de 2019 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]