Elétricos de Braga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Primeiro dia de circulação, em 1914.
Elétricos de Braga - Linha 1
Continuation backward
Ramal de Braga
Right side end station of cross-platform interchange Unknown route-map component "uexCPICra"
Estação de Braga Logo CP 2.svg
Unknown route-map component "uexKDSTa" Unused straight waterway
Depósito dos elétricos
Unknown route-map component "uexKRWl" Unknown route-map component "uexKRWg+r"
Unknown route-map component "uexHST"
Rua Andrade Corvo
Unknown route-map component "uexBS2+l"
Unknown route-map component "uexBS2+r" + Unknown route-map component "POINTERl"
Variante do Campo da Vinha
Unknown route-map component "uexHST" Unknown route-map component "uexHST"
Arco da Porta Nova / Rua dos Biscainhos
Unknown route-map component "uexHST" Unknown route-map component "uexHST"
R.D. Diogo de Sousa / Pç. Cd. Agrolongo
Unknown route-map component "uexHST" Unknown route-map component "uexHST"
Rua do Souto / Rua dos Capelistas
Unknown route-map component "uexdCONTgq" Unknown route-map component "uexKRZxr+xl" Unknown route-map component "uexKRZxl+xr" Unknown route-map component "uexdCONTfq"
Arcada × Linha 2
Unknown route-map component "uexHST" Unknown route-map component "uexHST"
Avenida Central
Unknown route-map component "uexBS2l"
Unknown route-map component "uexBS2r" + Unknown route-map component "v-POINTERu"
Variante do Campo da Vinha
Unknown route-map component "uexHST"
Rua São Victor
Unknown route-map component "uexHST"
Rua Dom Pedro V
Unknown route-map component "uexHST"
Rua Nova de Santa Cruz
Unknown route-map component "uexHST"
Rua Lusíadas
Unknown route-map component "uexHST"
Via do Bom Jesus
Unknown route-map component "uCPICla" Unknown route-map component "uexCPICre"
Elevador do Bom Jesus (Tenões)
Unknown route-map component "uCONTf"
Elétricos de Braga - Linha 2
Unknown route-map component "uexKBHFa"
Largo do Monte de Arcos
Unknown route-map component "uexHST"
R. Cons. Bento Miguel
Unknown route-map component "uexHST"
Liceu Sá de Miranda
Unknown route-map component "uexHST"
Rua São Vicente
Unknown route-map component "uexHST"
Rua dos Chãos
Unknown route-map component "uexCONTgq" Unknown route-map component "uexABZgr+r"
Linha 3 (pj. abd.) →V.ª Prado
Unknown route-map component "uexCONTgq" Unknown route-map component "uexKRZxr+xl" Unknown route-map component "uexCONTfq"
Arcada × Linha 1 (var.)
Unknown route-map component "uexCONTgq" Unknown route-map component "uexKRZxl+xr" Unknown route-map component "uexCONTfq"
Arcada × Linha 1
Unknown route-map component "uexHST"
Av. Liberdade
Unknown route-map component "uexKBHFe"
Parque da Ponte

A rede de Elétricos de Braga foi uma rede de transporte ferroviário ligeiro público coletivo urbano, de tração elétrica e via não-segregada, que existiu entre 1914 e 1963 nesta cidade do noroeste de Portugal. Herdou a infraestrutura pré-existente de um sistema anterior, de tração animal e, por breve período, térmica a vapor.

História[editar | editar código-fonte]

Já em 1905 a Companhia Carris e Ascensor lança o projecto para substituir toda a frota de “americanos” por composições elétricas e acrescentar fiação aérea para a sua alimentação, mas a câmara municipal mostrou-se desinteressada pelo assunto. Poucos meses mais tarde, o assunto “incendiou” a cidade com o aparecimento de uma nova companhia, constituída por capitalistas e empresários de Braga e do Porto, e depois ainda o interesse da Companhia Viação de Lisboa. A instabilidade gerada pelo fim da monarquia e o inicio da república arrefeceu e atrasou o processo até 1912.

O sistema foi finalmente inaugurado a 5 de Outubro de 1914, substituindo a frota do “carro americano” e de comboio urbano a vapor.

Para abastecer os elétricos foram instalados na Rua da Cruz de Pedra geradores elétricos a vapor. O sistema era alimentado, como habitual, em corrente contínua[1] , na tensão relativamente alta, para a época, de 700 V[1] e com a particularidade mundialmente rara de ter o pólo positivo na linha aérea e o negativo nos carris, causa de perdas na alimentação[1] .

A frota ostentava primeiramente libré vermelha, posteriormente alterada para amarela.[2] Um dias de grande afluência podia-se registar uma lotação excecional de 200 passageiros em composições de carro-motor e um atrelado, ultrapassando largamente a respetiva capacidade nominal.[3] Após a descontinuação do serviço, em 1963, toda a frota foi desmantelada num sucateiro do Porto, que a havia aquirido a peso à Câmara Municipal de Braga por 111 mil escudos.[3] Subsiste o carro-elevador, musealizado em Coimbra; este foi usado para reparação da rede aérea mesmo após a substituição dos elétricos por tróleicarros.[3]

Na década de 1920 a linha um e dois (ida a volta do mesmo trajeto) passaram a ser designadas como apenas linha um, e foi criada uma nova linha dois. A linha um, desde o Largo da Estação até ao Pórtico do Elevador do Bom Jesus do Monte, foi inaugurada a 18 de Outubro de 1914, e a linha dois, que ligava a Ponte de S. João ao Cemitério de Monte de Arcos, foi inaugurada em 30 de Junho de 1923. Esta nova linha iniciava no Parque da Ponte, passava a Rua das Águas (actual Avenida da Liberdade), intersetava com a linha um na Avenida Central, seguia pela Rua dos Chãos, pela Rua de São Vicente, e terminava no Largo de Monte d’Arcos.

O serviço tinha uma cadência de 10 minutos na linha um (com circulação simultânea de cinco carros) e de 15 minutos na dois.[3]

Foi ainda projetada uma linha três, que ligaria o centro de Braga até à Vila de Prado. Tal nunca se veio a realizar, por em detrimento do elétrico ter sido escolhido o autocarro para esse trajecto. Houve ainda projectos de ligação de Braga a outras localidades, por elétrico, nomeadamente os que previam ligar o Elevador do Bom Jesus do Monte ao Sameiro, Braga a Barcelos e Braga a Ponte de Lima.

Além dos serviços de passageiros circulava regularmente transporte postal, em vagão fechado atrelado, entre a estação ferroviária e a Estação dos Correios.[3]

Em 20 de Maio de 1923 o atrelado do elétrico que seguia para o Bom Jesus soltou-se, descendo desgovernado a encosta. Alguns passageiros em pânico saltaram da composição o que provocou oito vítimas mortais.

A rede de elétricos foi definitivamente encerrada em 22 de Maio de 1963, sendo substituída pelos tróleis de Braga. Alguns carris perduraram até aos anos oitenta do século XX.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • António RESENDE (ASPA): “Entre Aspas” Diário do Minho (1989.10.02). Transcrito, com notas e atualizações, em “Os elétricos de Braga, ”(sic!)“ foram inaugurados há 100 anos” Forum Cidadania Braga (partes: I, II, III, e VI)

Referências

  1. a b c Manuel Vaz GUEDES: Tracção Eléctrica 03 (2005): p.2
  2. in Resende (1989): parte I
  3. a b c d e in Resende (1989): parte III
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Elétricos de Braga
Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.