Copa Intercontinental

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Taça Intercontinental)
Ir para: navegação, pesquisa
Copa Europeia/Sul-Americana
Copa Intercontinental
Dados gerais
Organização De 1960 a 1979 UEFA e Conmebol
Desde 1980, organizada pela Federação Japonesa de Futebol[1]
Edições 42
Outros nomes Copa Europeia Sul-Americana
Copa Toyota
Copa Intercontinental.
Sistema Jogos de Ida e Volta ou Jogo único
editar

Copa Europeia/Sul-Americana (Taça Europeia/Sul-Americana em Portugal) ou Copa Intercontinental (Taça Intercontinental em Portugal) ou Copa Toyota (Taça Toyota em Portugal) foi um torneio realizado entre 1960 e 2004. Ele era disputado pelos campeões da Liga dos Campeões da UEFA e da Copa Libertadores da América.

De 1960 até 1979, os jogos eram disputados nos países dos respectivos campeões continentais, em dois jogos, no sistema de ida-e-volta. De 1960 a 1968, o regulamento utilizado levava em conta apenas os pontos conquistados nas partidas, sem levar em conta o saldo de gols; em caso de empate em número de pontos, uma terceira partida era necessária para o desempate, tendo a terceira partida ocorrido em 1961, 1963, 1964 e 1967, sendo que em 1964 e 1967 a partida-desempate foi jogada em país-neutro. De 1969 a 1979, o saldo de gols agregados das duas partidas passou a contar como critério de desempate. A exceção neste período foi a edição de 1973, jogada em partida única. Nas edições de 1971, 1973, 1974 e 1977 e 1979, o clube campeão europeu se recusou a participar e foi substituído pelo vice-campeão; em apenas uma entre estas cinco ocasiões, o vice-campeão europeu se sagrou vencedor do duelo (1974). De 1980 até 2004, a competição foi disputada em uma única partida realizada no Japão e organizada pela Toyota e pela Associação Japonesa de Futebol,[2] [3] [4] [5] [6] [7] porém continuando sendo supervisionada por UEFA e Conmebol.[8] Em 2005, a Copa Intercontinental foi extinta, cedendo lugar à Copa do Mundo de Clubes da FIFA, cuja primeira edição foi em 2000.

Segundo textos[9] no site da FIFA, os campeões da Copa Europeia Sul-Americana eram chamados de campeões mundiais[10] , mas era um título simbólico.[11] [12] [13] Segundo estes textos, apenas os clubes campeões da Copa do Mundo de Clubes da FIFA podem ser considerados verdadeiros campeões mundiais,[14] [15] pois esta é a única competição que é acessível ao mundo todo, através dos clubes campeões de todas as confederações continentais.[16] [17] [18] [19]

A Copa Europeia Sul-Americana não é endossada como mundial pela FIFA, a única autoridade de jurisdição mundial no futebol, mas é endossada como intercontinental europeu/sul-americano por UEFA e CONMEBOL. A UEFA e a CONMEBOL são as entidades do futebol respectivamente de Europa e América do Sul, possuindo jurisdição sobre o futebol em suas respectivas áreas, porém não possuem, nem mesmo juntas, jurisdição sobre o futebol em uma perspectiva global, cabendo apenas à FIFA a prerrogativa de legitimar competições em escala mundial. De acordo com o Statistical Kit, o documento oficial da FIFA sobre a história e as estatísticas da Copa do Mundo de Clubes da FIFA[20] [21] , o único documento oficial da FIFA a citar a Copa Europeia Sul-Americana, a FIFA considera a competição como um torneio intercontinental endossada por UEFA e CONMEBOL e integrada em 2005 à Copa do Mundo de Clubes da FIFA, mas não considera a Copa Europeia Sul-Americana nem como competição mundial (Copa do Mundo de Clubes) nem como competição endossada por ela própria, com este documento ressaltando que apenas as competições organizadas pela FIFA em 2000 e a partir de 2005 são competições oficiais da entidade, e tratando apenas estas como Club World Cup (Copa do Mundo de Clubes). O documento está de acordo com a decisão da FIFA de reconhecer oficialmente como mundiais apenas as competições organizadas por ela própria, decisão esta tomada em 15/12/2007 pelo Comitê Executivo da FIFA.[22] [23]

História[editar | editar código-fonte]

Ver: Copa do Mundo de Clubes da FIFA - Antecedentes

A competição como Mundial Interclubes[editar | editar código-fonte]

Não há questionamentos sobre o valor da Copa Europeia Sul-Americana como título intercontinental Europa/América do Sul. Entretanto, os clubes brasileiros vencedores do certame e parte da imprensa esportiva brasileira consideram o certame não apenas um certame intercontinental, mas sim um certame mundial e equiparável à Copa do Mundo de Clubes da FIFA, única competição de clubes que tem o status de mundial oficial pela FIFA, a única autoridade mundial do futebol. Sobre isso, há uma controvésia no Brasil.[24]

A Copa Europeia/Sul-Americana em relação às Copas do Mundo da FIFA, de clubes e de seleções[editar | editar código-fonte]

O craque francês Michel Platini foi o melhor jogador do clube italiano Juventus na conquista da Copa Intercontinetal de 1985

Anteriormente à criação da Copa do Mundo de Clubes da FIFA, havia competições de futebol de clubes representativas de 2 continentes, como a Copa Europeia Sul-Americana, a Copa Interamericana de CONMEBOL-CONCACAF e o Campeonato Afro-Asiático de Clubes de CAF-AFC.

A Copa do Mundo de Clubes da FIFA foi a primeira competição de clubes organizada pela FIFA (única autoridade com jurisdição mundial no futebol), e também a primeira competição de clubes da História a dar oportunidade de participação a todos os clubes do mundo (através do critério classificatório via títulos continentais de todas as 6 federações continentais filiadas à FIFA). Antes da Copa do Mundo de Clubes da FIFA, havia apenas uma competição de futebol que dava oportunidade de participação a todos os times do mundo: a Copa do Mundo de seleções nacionais, cujas Eliminatórias (a partir de 1934 até os dias atuais) deram oportunidade de participação a todos os países do mundo que fossem afiliados à FIFA[25] e que quisessem participar e se inscrevessem, independente do seu continente de origem[26] [27] [28] (no caso da Copa do Mundo de 1930, essa Copa não teve Eliminatórias porque todos os países então afiliados à FIFA foram convidados e apenas 13 aceitaram participar[29] ).

A Copa Europeia Sul-Americana foi criada por UEFA e CONMEBOL, duas federações continentais cuja jurisdição sobre o futebol é limitada respectivamente à Europa e América do Sul, não abrangendo o mundo todo (apenas a FIFA tem competência sobre o futebol do mundo todo), e dando chance de participação a clubes de apenas 2 áreas continentais: Europa e América do Sul. A competição sempre se chamou oficialmente Copa Europeia Sul-Americana, e seu nome oficial nunca incluiu a palavra "world" (nem "world" nem sua tradução em outras línguas: monde, etc).

O galês Ryan Giggs, do Manchester United, foi eleito o melhor jogador da partida na decisão da Copa Intercontinental de 1999

Já em relação às Copas do Mundo (de seleções), a Copa Europeia Sul-Americana teve em comum o fato de que ambos os torneios foram considerados mundiais, mesmo sem terem tido times de todos os continentes (observação: no caso da Copa Europeia Sul-Americana, esta foi considerada mundial apenas por alguns). Há uma diferença, contudo. Algumas Copas do Mundo (de seleções) não tiveram times de todos os continentes, mas isso ocorreu: ou porque nenhum país de dado continente era na época membro à FIFA[30] ; ou porque nenhum país-membro da FIFA de dado continente se candidatou a jogar a Copa[31] ; ou porque os países-membros da FIFA de um dado continente jogaram as Eliminatórias da Copa mas não conseguiram se classificar para a Copa[32] . A Copa do Mundo da FIFA, desta forma, nunca foi "reservada" a continentes escolhidos, mas foi projetada, pela sua criadora, a FIFA, como um evento mundial, aberto a todos os países-membros da FIFA independentemente de qual continente fizessem parte, enquanto a Copa Europeia Sul-Americana foi projetada por suas organizadoras (primeiramente, UEFA e CONMEBOL, depois Toyota) como um evento intercontinental, "reservado" a europeus e sul-americanos, como visto pelo nome oficial do torneio (Copa Europeia Sul-Americana) e pelo fato de que, ao longo de toda a sua existência (1960-2004), nunca foi dada nenhuma oportunidade a que times de outros continentes pudessem jogar a competição, como visto pelos fatos de que: os organizadores da Copa Europeia Sul-Americana (UEFA e CONMEBOL) recusaram os pedidos que a Concacaf e a Asian Football Confederation fizeram de participar do certame nos anos 1960[33] [34] [35] ; em 1962, 1967 e 1970 a FIFA tentou regulamentar a Copa Europeia Sul-Americana para expandi-la e incluir nela os outros continentes, mas essas tentativas da FIFA foram mal-sucedidas, em 1962 e 1967 por oposição de UEFA e CONMEBOL e em 1970 por oposição da UEFA.[36] [37] Os clubes da Concacaf continuaram sem ter a chance de jogar a Copa Europeia Sul-Americana mesmo após vencerem os campeões sul-americanos em competições oficiais de clubes: os clubes mexicanos Clube América e Pumas UNAM venceram a Copa Interamericana de 1977/1978 e 1980/1981 e com base neste título solicitaram jogar a Copa Europeia Sul-Americana[38] [39] [40] [41] [42] [43] [44] , mas não obtiveram o direito de participar; e em 2001 o clube mexicano Cruz Azul chegou à final da Libertadores, e a Conmebol anunciou que, mesmo que ele vencesse a Libertadores, não teria o direito de jogar a Copa Europeia Sul-Americana contra o campeão europeu.[45] [46] [47]

Na Espanha, o jornal El Mundo Deportivo cobriu as edições da Copa Europeia Sul-Americana. Já no ano inicial da mesma (1960), o jornal chamou o Real Madrid de o "Primeiro Campeão Mundial de Clubes", porém chamando-a pelo nome de Copa Intercontinental, dizendo que o Real Madrid era campeão intercontinental ("se ponía en disputa el título de campeón intercontinental")[48] e assumindo que era o próprio jornal, por sua própria opinião, que considerava o torneio um mundial de clubes e o Real Madrid campeão mundial, e sublinhando, já em 1960, que a competição não era um mundial pleno e completo porque "não incluía africanos, asiáticos e outros federados da FIFA".[49] De acordo com a cobertura do jornal El Mundo Deportivo à edição inaugural da Copa Europeia Sul-Americana em 1960: El primer Campeón Mundial: Cuando el Real Madrid ganó su primera copa de campeones europeo, se dijo que no podía blasonar de tal éxito por los numerosos y califícados ausentes, en la competición. Ahora se puede esgrimir lo ya apuntado de africanos, asiáticos y demás federados de la FIFA. [50]

O técnico escocês Alex Ferguson comandou o Manchester United na conquista da edição de 1999, tendo sido o único clube inglês a vencer a Copa Intercontinental

A menção a "africanos, asiáticos e outros federados da FIFA" ocorre porque países sul-americanos, europeus e norte-centro-americanos (CONCACAF) participavam das Copas do Mundo (de seleções) da FIFA desde 1930, enquanto sul-americanos, europeus, norte-centro-americanos, asiáticos e africanos participavam das Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA desde 1934; no caso da Copa do Mundo de 1930, a FIFA convidou todos os países que lhe eram filiados naquele momento, e aquela Copa acabou não tendo Eliminatórias, porque apenas 13 países filiados à FIFA aceitaram participar[51] [52] (a partir de 1934, o aumento do número de seleções candidatas à Copa levou à criação das Eliminatórias, que foram abertas, já a partir de 1934, a todas as seleções do mundo, de qualquer continente, que fossem filiadas à FIFA[53] e se candidatassem a participar [54] [55] [56] [57] ). Inclusive, as vitórias em jogos de Copa do Mundo de países norte-centro-americanos (Concacaf), africanos e asiáticos sobre sul-americanos e europeus datam já desde 1930[58] , com as vitórias dos EUA sobre a Bélgica e Paraguai, havendo muitos outros exemplos em muitas outras Copas do Mundo desde 1930,[59] [60] , inclusive com vitórias de norte-centro-americanos, asiáticos e africanos contra países europeus e sul-americanos que seriam campeões do mundo e finalistas de Copa do Mundo.[61] Antes de 1930, equipes de África e América do Norte já participavam do Torneio Olímpico de Futebol (Egito, a partir de 1920, EUA a partir de 1924), com equipes asiáticas estreando neste torneio já na década de 1930 (Japão e China, a partir da Olimpíada de 1936), e da Oceania estreando a partir dos anos 1950 (com a Austrália, a partir da Olimpíada de 1956), sendo que o torneio olímpico registrou expressivo número de medalhas e de vitórias de países não-europeus e não-sul-americanos contra as equipes de Europa e América do Sul, a partir já da Olimpíada de 1924 com a vitória dos EUA sobre a Letônia e do Egito sobre a futura bi-finalista de Copa do Mundo Hungria, com muitos outros casos ocorrendo desde 1924.[62]

Pelé foi o principal nome do clube brasileiro Santos nas conquistas da Copa Intercontinental de 1962 e 1963, além de ser o maior artilheiro da competição, com um total de 7 gols marcados

Na cobertura de outras edições da Copa Europeia Sul-Americana, o mesmo jornal espanhol não tratou a competição como mundial, mas apenas como intercontinental,[63] [64] [65] [66] [67] não tratando-a como mundial inclusive na cobertura das edições posteriores a 1960 que foram vencidas por clubes espanhóis (Atletico de Madrid em 1974[68] e Real Madrid em 1998 e 2002[69] [70] ); na cobertura da edição de 2002 da Copa Europeia Sul-Americana, vencida pelo Real Madrid, a matéria do dito jornal de 04 de dezembro de 2002 dá seus cumprimentos ao jogador Roberto Carlos por ter ganhado 3 títulos importantes em 2002 (Copa do Mundo de seleções, Liga dos Campeões da Europa e Copa Intercontinental), tratando como mundial apenas o torneio organizado pela FIFA em 2002 (Copa do Mundo de seleções) e tratando a Copa Europeia Sul-Americana como Copa Intercontinental; a mesma matéria ressalta que para o Real Madrid o título da Copa Europeia Sul-Americana de 2002 foi importante para "os jogadores se divertirem e mostrarem seu repertório", "ampliar o horizonte midiático e de marketing do clube nessa parte do globo", "por um momento deixar em esquecimento a má fase na Liga Espanhola e a transição na Liga dos Campeões" e "acabar com a sequência de três partidas sem marcar e quatro sem ganhar"[71] ; na cobertura da edição de 1998, vencida também pelo Real Madrid, o mesmo jornal afirmou que a vitória serviria de "bálsamo" após semanas agitadas no clube madrilenho, e serviria para interromper o crescimento da crise que o clube vivia.[72] Em 1997 e 1999, com o anúncio da criação do Mundial FIFA, este jornal espanhol tratou o vindouro Mundial FIFA (ocorrido em 2000) como o primeiro mundial de clubes.[73] [74] [75] [76]

A Copa Europeia Sul-Americana foi extinta em 2004, substituída no ano seguinte pela segunda edição da Copa do Mundo de Clubes da FIFA, competição que havia tido sua primeira edição em 2000 no Brasil.

Apenas em 2000, seria criada pela FIFA a Copa do Mundo de Clubes da FIFA, a primeira competição de futebol a dar oportunidade de participação a todos os clubes do mundo (via títulos continentais de todas as 6 federações continentais associadas à FIFA), ou seja, os clubes de Europa, Ásia, África, Oceania, América do Sul e da área da CONCACAF.[77] .

A posição de alguns clubes brasileiros sobre a competição[editar | editar código-fonte]

O clube argentino Racing venceu a Taça Intercontinental de 1967, com destaque para Roberto Perfumo (terceiro em pé, da esquerda para a direita)

Apesar do nome da competição nunca ter sido "Mundial", dela nunca ter sido da FIFA e nunca ter sido aberta ao mundo todo mas sim reservada a europeus e sul-americanos, no Brasil popularizou-se a expressão "Mundial Interclubes" para se referir à Copa Europeia Sul-Americana, pois era, teoricamente, a competição mais "elevada" que um clube brasileiro poderia alcançar, estando em teoria "acima" da Copa Libertadores, dado que esta era o requisito de classificação dos clubes brasileiros para a Copa Europeia Sul-Americana. No Brasil, a competição começou a ser chamada de Mundial já na década de 1960.[78] No Brasil, chega a haver uma polêmica, uma controvérsia, se o 1º mundial de clubes legítimo foi o realizado pela FIFA em 2000 (Copa do Mundo de Clubes da FIFA), ou se a Copa Europeia Sul-Americana também teria sido um mundial de clubes.[79]

Os quatro clubes brasileiros vencedores da Copa Europeia Sul-Americana (São Paulo Futebol Clube, Santos Futebol Clube, Club de Regatas Flamengo e Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense) a consideram um torneio mundial e equiparável à Copa do Mundo de Clubes da FIFA. [80] [81] [82] [83] Destes quatro clubes, dois deles interpretam que a Copa Europeia Sul-Americana é reconhecida como mundial pela FIFA. O site do São Paulo Futebol Clube afirma que a Copa Europeia Sul-Americana "Contava com a chancela da FIFA, vista na escala de árbitros oficiais, na bandeira suspensa no estádio e também nos inúmeros informes e anúncios publicitários Hosted by: FIFA - UEFA - CONMEBOL" [84] O site do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense afirma que a competição foi reconhecida como mundial pela FIFA em 2005. [85] Observação: árbitros do quadro da FIFA apitam em campeonatos que não são da FIFA e os informes e anúncios publicitários citados não traziam os logotipos oficiais de FIFA, UEFA e CONMEBOL. Ademais, a indicação dos árbitros na Copa Europeia Sul-Americana era feita por UEFA e CONMEBOL, não pela FIFA, sendo que em um ano (par) a CONMEBOL indicava o árbitro (sul-americano) e no ano seguinte (ímpar) a UEFA indicava o árbitro (europeu).[86] [87]

Os clubes brasileiros vencedores da Copa do Mundo de Clubes da FIFA que não venceram a Copa Europeia Sul-Americana (Internacional e Corinthians) não concordam com a equiparação entre as duas competições, não concordando em tratar a Copa Europeia Sul-Americana como Mundial, confome pode ser constatado pelo site do Internacional e por um artigo escrito pelo vice-presidente jurídico do Corinthians Paulista, Sérgio Alvarenga, e publicado no site do clube. Em seu artigo[88] [89] , Alvarenga questiona que ninguém achasse estranho um "mundial" que não dava nenhuma chance de participação aos times de 4 entre 6 áreas continentais do futebol mundial, não dando chance nem mesmo aos times do país-sede e/ou do continente-sede(Japão/Ásia), diz que é anti-democrático chamar de Mundial algo que "ignorou sumariamente" grande parte do mundo, como por exemplo a África. Neste artigo, Sérgio Alvarenga cita diversas vitórias e títulos de africanos, norte-americanos e asiáticos em Copas do Mundo, Copas das Confederações e Torneio Olímpico de Futebol, qualifica como prepotente a afirmação de que "o futebol fora da América do Sul e da Europa merecia sim ser ignorado", e sugere que, na verdade, foi exatamente essa exclusão sumária o que retardou o desenvolvimento do futebol dos clubes africanos, pois antes de ser criada a Copa do Mundo de Clubes da FIFA os clubes africanos não tinham a oportunidade de desenvolver e fortalecer seu futebol disputando títulos contra os clubes europeus e sul-americanos. Segundo Alvarenga, "quem garante que um 'Mazembe da época' não poderia ganhar aqueles torneios ditos “mundiais” caso fosse lhe dada uma oportunidade? Seguramente, ninguém nesse mundo"[90] (obs: o africano Mazembe foi o 1º clube não-europeu e não-sul-americano a derrotar um clube europeu ou sul-americano numa edição da Copa do Mundo de Clubes da FIFA, no caso, a sétima edição do torneio, em 2010, derrotando o Internacional, do Brasil, a maior potência futebolística do planeta, nas semi-finais do torneio). Nestes textos, o Internacional e o dirigente corinthiano não tentaram em nenhum momento desmerecer a Copa Europeia Sul-Americana enquanto título; apenas afirmaram que ela não é um mundial e não é equiparável à Copa do Mundo de Clubes da FIFA. O ex-dirigente corinthiano Antonio Roque Citadini criticou abertamente a Rede Globo por ter sempre tratado a Copa Europeia Sul-Americana como mundial.[91] A Rede Globo de Televisão passou a ter direitos de transmissão dos jogos da Copa Europeia Sul-Americana a partir de 1981, sempre tratando-a como "mundial interclubes" e sempre tratando seus campeões como campeões mundiais; até o momento em que a FIFA anunciou a criação do seu Mundial, as Organizações Globo (TV e jornal) jamais divulgaram o fato de que a Copa Europeia Sul-Americana se chamava oficialmente Europeia Sul-Americana (não "mundial interclubes"), jamais divulgaram que não era da FIFA e jamais questionaram o fato de chamar de "mundial" algo que não dava nenhuma chance de participação aos times de 4 entre 6 áreas continentais do futebol mundial, não dando chance nem mesmo aos times do país-sede e do continente-sede (Japão/Ásia). O ex-dirigente corinthiano chegou a sugerir que a Rede Globo deveria se desculpar por ter tratado a Copa Europeia Sul-Americana como mundial.[92] Comentando a vitória do Milan sobre o Boca Juniors na Copa do Mundo de Clubes da FIFA de 2007, o ex-dirigente corinthiano enfatiza como Milan e Boca Juniors se consideram campeões intercontinentais, não mundiais, em função dos seus títulos da Copa Europeia Sul-Americana, conforme visto no site dos ditos clubes: "O time italiano, campeão do Mundial neste domingo, coloca em seu site www.acmilan.com que o clube possui apenas um título mundial da Fifa e três da Copa Intercontinental.".[93] O ex-dirigente do Corinthians Paulista criticou novamente a Rede Globo por permanecer dizendo que a Copa Europeia Sul-Americana era mundial, insinuando que a Globo tratava a competição como mundial de maneira a valorizar mais a transmissão do jogo (que era feita pela Globo) perante telespectadores e anunciantes: "É explicável que emissoras de televisão, que durante anos venderam para telespectadores e anunciantes que estavam transmitindo um campeonato mundial, nos dias de hoje, não possam voltar atrás e dizer que aqueles eventos não eram o que vendiam."[94] O ex-dirigente também fez pesadas críticas à locução que Galvão Bueno fez, pela Rede Globo, do jogo Milan X Boca Juniors na Copa do Mundo de Clubes da FIFA de 2007, criticando o locutor por dizer que o Milan era tetracampeão mundial ao invés de dizer que era campeão mundial e tri intercontinental: A transmissão da Globo foi um sofrimento só. Em todos os momentos o locutor brigava com os fatos. Não poderia dizer que os "mundiais" que transmitiu nas últimas décadas eram a Copa Intercontinental e nada de Mundial. Inventaram que a Fifa decidiu "ontem que o primeiro Campeão do Mundo é o Timão". Criaram a história que o Milan é tetra campeão mundial. Poderiam acessar os jornais da Europa ou o próprio sítio do Milan. E veriam que o tal mundial só existe para os Tapuias, os Guaranys e os Goytacazes.[95] Citadini também citou a declaração do jornalista esportivo Chico Lang de que, durante a transmissão do jogo Milan X Boca Juniors em 2007, Galvão Bueno teria dito que o título mundial corinthiano paulista foi oficializado pela FIFA na véspera daquele jogo de 2007 (segundo Chico Lang, nesta transmissão Galvão afirmou "que a Fifa havia oficializado o título alvinegro na véspera")[96] , quando na verdade a FIFA declarou o Corinthians como campeão mundial oficial em janeiro de 2000, logo ao término do Mundial FIFA de 2000, e em dezembro de 2007 apenas reconfirmou o Corinthians como o primeiro campeão mundial.[97] (observação: o Mundial FIFA de 2000 foi a única edição do Mundial de Clubes da FIFA cujos direitos de transmissão para a TV brasileira não foram detidos pela Rede Globo, tendo ficado na ocasião apenas com a Rede Bandeirantes).

A controvérsia acaba sendo parte das rivalidades regionais de clubes do futebol brasileiro: no Rio Grande do Sul, da rivalidade entre o grêmio Porto-Alegrense (campeão da Copa Europeia Sul-Americana) e o Internacional (bi-campeão da Libertadores em 2006 e 2010, da Copa do Mundo de Clubes da FIFA em 2006, bi campeão da Recopa Sul-Americana em 2007 e 2008 e que representou o Brasil em duas oportunidades: campeão Sul-Americano, em nome do país, em 1956 e vice-campeão Olímpico em 1984, mas que nunca venceu a Copa Intercontinental ou Europeia Sul-Americana); no estado de São Paulo, entre São Paulo e Santos (campeões da Copa Europeia Sul-Americana) e o Corinthians (bicampeão da Copa do Mundo de Clubes da FIFA 2000 e 2012, mas que nunca venceu a Copa Europeia Sul-Americana).

Isso também ocorreu no Rio de Janeiro quando da realização do Mundial FIFA de 2000, quando o dirigente vascaíno Eurico Miranda deu declarações que dão a entender que ele via o Mundial FIFA (que o Vasco da Gama disputou em 2000) como sendo mais importante que a Copa Europeia Sul-Americana (que o Vasco havia disputado em 1998). Observa-se que, quando o Vasco da Gama teve a chance de participar da Copa Rio Internacional (1951) e da Copa Europeia Sul-Americana (1998), o clube vascaíno seguiu o entendimento que a imprensa brasileira tinha na época sobre essas competições, e atribuiu grande importância a elas: em 1951, o Vasco abriu mão de compromissos na Europa para poder priorizar sua participação na Copa Rio Internacional daquele ano[98] , e em 1998, a delegação vascaína viajou ao Japão com mais de 10 dias de antecedência à data da sua participação na Copa Europeia Sul-Americana daquele ano.[99] . Porém, a partir de 1999, o Vasco passou a adotar o entendimento da FIFA de só considerar como Mundiais legítimos as competições organizadas pela própria FIFA, não considerando nem a Copa Rio Internacional nem a Copa Europeia Sul-Americana como sendo mundiais. Segundo o Jornal do Brasil de 11 de dezembro de 1999, Eurico Miranda declarou, sobre o Mundial da FIFA: "Essa competição é única na história do Vasco e a mais importante da minha vida".[100] O fato de Eurico tratar a competição da FIFA como "única" na história do Vasco indica que ele não via a Copa Europeia Sul-Americana como equiparável ao Mundial da FIFA; e o fato dele tratar a competição da FIFA como "a mais importante de sua vida" indica que ele via o Mundial da FIFA como sendo mais importante que a Copa Europeia Sul-Americana (Eurico já era dirigente do clube quando este participou da Copa Europeia Sul-Americana em 1998). Ademais, em dezembro de 1999, o Vasco da Gama contratou reforços especificamente para jogar o Mundial de 2000 da FIFA[101] [102] , enquanto em 1998 o Vasco da Gama não contratou reforços especificamente para jogar a Copa Europeia Sul-Americana, que disputou naquele ano, e em dezembro de 1999 o Vasco chegou a fazer um placar eletrônico em seu estádio (com contagem regressiva para o Mundial FIFA 2000) e uma campanha publicitária (com vídeo divulgado pela TV) sobre sua participação no Mundial de 2000 da FIFA, coisas que o clube não fez quando participou da Copa Europeia Sul-Americana de 1998. [103] [104] (obs: a Copa Europeia Sul-Americana foi conquistada em 1981 pelo Flamengo, arquirrival do Vasco da Gama). Ademais, em dezembro de 1999, o jornal carioca Jornal do Brasil (que em 1976 e 1981 havia tratado a Copa Europeia Sul-Americana como Mundial Não-Oficial[105] [106] ) se referiu ao Mundial FIFA de 2000 como sendo o primeiro Mundial de Clubes,[107] [108] , e quando do anúncio da FIFA de que criaria o Mundial de Clubes, o Jornal do Brasil (de 24 de julho de 1997) se referiu à Copa Toyota como "mundial simbólico".[109] Em 20 de junho de 1999, o jogador Pedrinho, então no Vasco da Gama, se referiu ao Mundial FIFA de 2000 como "O Verdadeiro Mundial", dando a entender que não via a Copa Europeia Sul-Americana como mundial verdadeiro (a frase dele foi publicada na página 49 do Jornal do Brasil de 20 de junho de 1999, página 4 do caderno de esportes, no texto "Alegria e Tristeza").[110] Em 14 de outubro de 1999, quando do sorteio dos grupos para Mundial FIFA de 2000, o então dirigente vascaíno Eurico Miranda declarou, sobre o certame da FIFA: "Quem ganhar esse Mundial da FIFA poderá dizer que é o verdadeiro campeão do Mundo"[111] , ou seja, dando a entender que não via competições anteriores (como a Copa Europeia Sul-Americana) como sendo mundiais verdadeiros. O site Casaca, ligado ao ex-dirigente vascaíno Eurico Miranda, também emitiu a posição de que o Vasco da Gama (participante do Mundial FIFA de 2000) é a única equipe carioca a já ter participado de um Mundial de Clubes, portanto não considerando nem a Copa Rio Internacional nem a Copa Europeia Sul-Americana como sendo mundiais.[112]

O clube alemão Bayern de Munique venceu a Copa Intercontinetal por duas vezes. Aqui, a equipe que conquistou a edição de 1976, com destaque para Franz Beckenbauer (o segundo em pé, da direita para a esquerda). A participação do Bayern de Munique em 1976 foi uma das 3 vezes na década de 1970 em que o campeão europeu aceitou participar da competição. A década de 1970 foi o "ponto baixo" na história da competição: mesmo saindo vitorioso da competição, após a final de 1976 o técnico do Bayern, Dettmar Cramer, declarou que um amistoso teria sido preferível à Copa Intercontinental.

Campeão em 1952 da Copa Rio Internacional (que assim como a Copa Europeia Sul-Americana, é outra competição não reconhecida como mundial pela FIFA mas que é considerada mundial pelos clubes brasileiros vencedores, neste caso Palmeiras e Fluminense[113] [114] ), o Fluminense também ressalta em seu site que apenas a Copa do Mundo de Clubes da FIFA é reconhecida como mundial pela dita entidade,[115] lembra que nem a Copa Europeia Sul-Americana nem a Copa Rio Internacional possuem este reconhecimento da FIFA, e afirma que nem por isso essas duas competições devem deixar de ser consideradas mundiais: "Acho que a Fifa nem sempre tem razão, ou muitas poucas vezes tem razão. Então, se a Fifa acha que tem razão nisso, que tal também nós contestaremos a Fifa em relação a isso?"[116] . Em entrevista, o presidente do Fluminense, Peter Siemsen, deu a entender que considera tanto a Copa Rio Internacional quanto a Copa Europeia Sul-Americana como mundiais: "Para mim, pouco importa se a Fifa não considera. O Flamengo não disputou o campeonato de 1981 e sua torcida não considera um título mundial? E também não está nos anais da Fifa? Para nós, 1952 é a mesma coisa. Ganhamos o campeonato e temos, sim, o direito a ser reconhecidos como campeões mundiais...Porque mudou de nome do torneio, não temos direito?"[117] Em seu livro "Palmeiras Campeão do Mundo 1951", na parte do livro que trata do reconhecimento da FIFA à Copa Rio Internacional (reconhecimento concedido em março de 2007 e revogado pela FIFA em dezembro do mesmo ano), o assessor de comunicação do Palmeiras, Fernando Galuppo, considerou as três competições (Copa Rio Internacional, Copa Europeia Sul-Americana e Copa do Mundo de Clubes da FIFA) como sendo mundiais. O livro de Galuppo é endossado pelo Palmeiras.[118]

Ou seja: dos 10 clubes de futebol considerados "grandes" no eixo Rio de Janeiro-São Paulo-Rio Grande do Sul (os 3 estados brasileiros que tiveram clubes campeões da Copa Europeia Sul-Americana), apenas o Botafogo do Rio de Janeiro nunca emitiu posição oficial do clube sobre considerar ou não a Copa Europeia Sul-Americana como mundial. Este clube, porém, tem grande rivalidade com o Flamengo, campeão da Copa Europeia Sul-Americana de 1981. Entre os 10 clubes de futebol considerados "grandes" no eixo Rio de Janeiro-São Paulo-Rio Grande do Sul, apenas Botafogo[119] e Vasco da Gama não alegam ser campeões mundiais.

Mesmo sem a Copa Europeia Sul-Americana ter o reconhecimento da FIFA e sem ter dado oportunidade de participação a todos os clubes do mundo (como a Copa do Mundo de Clubes da FIFA dá), a Copa Europeia Sul-Americana continua sendo considerada mundial e equiparável à Copa do Mundo de Clubes da FIFA por parte da imprensa esportiva brasileira (ex.: o jornalista Juca Kfouri, a Revista Placar, as Organizações Globo, o Grupo Bandeirantes, o Lance!)[120] [121] [122] [123] [124] , sendo parcialmente uma exceção o jornal Folha de São Paulo: uma exceção apenas parcialmente, pois se por um lado o dito jornal recentemente publicou um ranking de clubes no qual a Copa Europeia Sul-Americana recebeu 75% (75%=60/80) da pontuação atribuída à Copa do Mundo de Clubes da FIFA[125] (ou seja, pontuação inferior), por outro lado o jornal chama a Copa Europeia Sul-Americana de "Mundial Interclubes"[126] .

Time do Estudiantes de La Plata comemorando a conquista da Copa Interamericana, competição que surgiu em 1968 pela recusa da Conmebol em 1967 a aceitar equipes da Concacaf na Copa Libertadores. Em 1978 e 1981, clubes da Concacaf, os mexicanos Clube América e Pumas UNAM, venceram a Interamericana e com base nisso postularam representar as Américas na Copa Intercontinental, em mais duas tentativas de dar caráter mais global à Copa Intercontinental (as tentativas anteriores tinham sido em 1962, 1967 e 1970). O clubes mexicanos não conseguiram seu intuito, e a Copa Intercontinental continuou reservada a europeus e sul-americanos.

Ou seja, boa parte dos veículos da imprensa brasileira (o jornalista Juca Kfouri, a Revista Placar, as Organizações Globo, o Grupo Bandeirantes, o Lance!) seguem o entendimento de São Paulo/Santos/Flamengo/Grêmio (tratar a Copa Europeia Sul-Americana e a Copa do Mundo de Clubes da FIFA como mundiais), não seguindo nem o entendimento de Corinthians/Internacional/Vasco da Gama (tratar apenas a Copa do Mundo de Clubes da FIFA como mundial, tratando a Copa do Mundo de Clubes da FIFA como sendo mais importante que a Copa Europeia Sul-Americana) nem o entendimento de Palmeiras/Fluminense (tratar a Copa Rio Internacional, a Copa Europeia Sul-Americana e a Copa do Mundo de Clubes da FIFA como mundiais). Observa-se que esta posição (tratar como Mundiais a Copa Europeia Sul-Americana e a Copa do Mundo de Clubes da FIFA, mas não a Copa Rio) destes elementos da imprensa esportiva brasileira (o jornalista Juca Kfouri, a Revista Placar, as Organizações Globo, o Grupo Bandeirantes, etc) é uma posição tomada na atualidade, contemporaneamente, mas que em 1951 a imprensa esportiva brasileira chegou a tratar a Copa Rio Internacional como Campeonato Mundial de Clubes.[127] [128] [129] O influente jornalista esportivo Juca Kfouri, em um texto sobre esta controvérsia[130] , escreveu que o mais importante não é o reconhecimento ou o não-reconhecimento da FIFA à competição: "A Fifa e a CBF, e qualquer outra entidade dessas, podem dizer o que quiserem, mas não mudarão aquilo que o torcedor comemorou." Ou seja, para este jornalista, a comemoração dos torcedores sobre o assunto seria o mais importante, e seria mais importante inclusive que a posição oficial da FIFA e também mais importante que outras considerações, como por exemplo a diferença de alcance geográfico das competições. Observa-se que a imprensa esportiva brasileira, assim como a dos demais países, é composta por profissionais que em sua esmagadora maioria são torcedores de clubes, e que produzem conteúdos sobre futebol direcionados para um público cuja esmagadoria maioria é de torcedores de clubes; segundo a Pesquisa Lance!-Folha de 2010, as torcidas somadas de São Paulo/Santos/Flamengo/Grêmio são 32,6% dos torcedores brasileiros, bastante superior às torcidas somadas de Corinthians/Internacional/Vasco da Gama/Botafogo, que representam 21,6% dos torcedores brasileiros, enquanto pela mesma pesquisa Palmeiras/Fluminense têm juntos 7,6% dos torcedores brasileiros.

A Copa do Mundo de Clubes da FIFA surgiu quando a FIFA quis dar dimensão global à Copa Europeia Sul-Americana, torneio intercontinental (bi-continental) que incluía Europa e América do Sul (os dois continentes tradicionalmente mais fortes no futebol mundial).[131] No Brasil ocorreu semelhante expansão de dimensão. O "Robertão/Taça Prata" 1967-1970 (equiparado oficialmente pela CBF em 2010 ao Campeonato Brasileiro) surgiu quando decidiu-se dar dimensão nacional ao Torneio Roberto Gomes Pedrosa 1950-1966 (Torneio Rio-São Paulo), torneio interestadual (bi-estadual) que incluía São Paulo e Rio de Janeiro (os dois estados tradicionalmente mais fortes no futebol brasileiro). Conforme já afirmado, todos os quatro clubes brasileiros vencedores da Copa Europeia Sul-Americana a consideram um certame mundial e equiparável à Copa do Mundo de Clubes da FIFA; enquanto, apesar da semelhança entre as duas expansões de dimensão, a Portuguesa de Desportos é o único clube campeão do Torneio Rio-São Paulo que já expressou a idéia de considerá-lo um certame nacional e equiparável ao Campeonato Brasileiro. [132]

A posição da FIFA sobre a competição[editar | editar código-fonte]

Ver também: Copa do Mundo de Clubes da FIFA - O primeiro mundial de clubes

Néstor Combin, jogador do Milan, após a final da Copa Intercontinental de 1969. Uma explosão de violência em 3 edições da Copa Intercontinental (1967,1968 e 1969) levou a demandas públicas a que a FIFA interviesse na competição. A FIFA respondeu em 1967 que não interviria porque oficialmente a considerava uma "Copa Européia/Sul-Americana Amistosa". Porém, em 1970 a FIFA propôs expandi-la, com a inclusão dos campeões dos outros continentes, para torná-la uma Copa do Mundo de Clubes.

A FIFA, única autoridade de jurisdição mundial no futebol, nunca foi a organizadora da Copa Europeia Sul-Americana. A competição não aparece na lista de competições organizadas pela FIFA no site da entidade. [133] [134] A FIFA chegou inclusive a negar-se a autorizar a Copa Europeia Sul-Americana na década de 1960. [135] Em 1960, quando o Real Madrid venceu a Copa Europeia Sul-Americana e se declarou campeão mundial, a FIFA vetou que se usasse a denominação "mundial" ao certame, e determinou que se chamasse a competição de "intercontinental".[136] Segundo a FIFA, ela vetou que se chamasse a Copa Intercontinental de "Mundial" porque, segundo ela, "apenas através da FIFA se discerne a dimensão mundial do futebol" e porque não podia ser um "mundial" uma competição em que algumas partes do mundo não estavam incluídas.[137] Em 1961, a FIFA chegou a proibir a realização da Copa Europeia Sul-Americana, a não ser que os participantes aceitassem considerá-la um título amistoso privado.[138] Porém, a competição continuou sendo jogada com endosso de UEFA e CONMEBOL mesmo sem o consentimento da FIFA. Em 1962, a FIFA tentou pela primeira vez regulamentar a Copa Europeia Sul-Americana sob seus auspícios e expandi-la para incluir os campeões de Europa, Ásia, África, América do Sul e América Norte-Central,[139] mas a idéia não prosperou naquele momento,[140] [141] por oposição de UEFA e CONMEBOL.[142] Em 1967, ao ser questionada se tomaria atitudes disciplinares pelos incidentes ocorridos nos jogos Racing Avellaneda X Celtic Glasgow (Copa Europeia Sul-Americana de 1967), a FIFA respondeu que não tomaria nenhuma atitude, pois a competição não ocorria sob os auspícios da FIFA, e a posição oficial da FIFA sobre a Copa Europeia Sul-Americana era considerá-la um título amistoso perante a entidade e não um mundial de clubes.[143] [144] Além de não autorizar a Copa Europeia Sul-Americana nos anos 1960, em janeiro de 1970 a FIFA anunciou que em seu próximo Congresso faria a proposta de uma Copa do Mundo de Clubes[145] [146] , e em seu Congresso de 23 de junho de 1970, a FIFA propôs a idéia de um Campeonato Mundial de Clubes, aberto ao mundo todo (aos campeões de todas as federações continentais, não apenas Europa e América do Sul)[147] , através de uma proposta de seu então presidente Stanley Rous,[148] sendo que desde 1967 a Asian Football Confederation e Concacaf já pediam para participar da Copa Europeia Sul-Americana, sendo que, segundo Rous, tal expansão ocorreria sob os auspícios da FIFA.[149] O Mundial de Clubes da FIFA, porém, seria realizado pela primeira vez apenas em janeiro de 2000, quase 30 anos após o Congresso da FIFA de 1970 e quase 40 após a primeira tentativa da FIFA em 1962.

No site da FIFA, a Copa Europeia Sul-Americana recebe menção nas páginas Classic Football/Clubs (Futebol Clássico/Clubes). Estas páginas, contudo, não representam a posição oficial da entidade: The list of clubs or the opinions expressed in the articles do not necessarily represent the views of FIFA, unless expressly stated otherwise.[150] A Copa Europeia Sul-Americana é também citada em algumas edições da revista da FIFA, a FIFA World.[151] A revista, contudo, não representa a posição oficial da FIFA, conforme afirmado na última página de cada edição da revista: Any views expressed in FIFA World do not necessarily reflect those of FIFA.[152]

A FIFA não possui um ranking de clubes[153] , assim não é possível saber qual "valor" a FIFA atribui à Copa Europeia Sul-Americana em relação à Copa do Mundo de Clubes da FIFA.

O clube italiano Internazionale venceu a Copa Intercontinental em 1964 e 1965

Segundo textos[154] no site da FIFA, os campeões da Copa Europeia Sul-Americana eram chamados de campeões mundiais[155] , mas era um título simbólico[156] , um título de "campeão mundial entre aspas" [157] que não tinha a mesma dimensão do Mundial de Clubes da FIFA[158] , e que não era um título mundial verdadeiro.[159] Segundo estes textos no site da FIFA, apenas os clubes campeões da Copa do Mundo de Clubes da FIFA podem ser considerados campeões mundiais verdadeiros[160] , apenas eles podem ser verdadeiramente considerados campeões mundiais,[161] pois, segundo estes textos, apenas a Copa do Mundo de Clubes da FIFA é o verdadeiro confronto mundial de clubes[162] . No resumo em português sobre seu Mundial de 2000, a FIFA trata a Copa Europeia Sul-Americana nominalmente como mundial interclubes, nome pelo qual a competição ficou conhecida no Brasil: "A corajosa decisão de globalizar o mundial interclubes levou oito clubes de todas as partes do mundo a se reunirem no Rio de Janeiro e em São Paulo para disputar o torneio."[163] Porém, é tão somente na versão em português desse texto que a FIFA trata a Copa Europeia Sul-Americana como mundial. Nas versões do mesmo texto em outras línguas, a FIFA não escreveu "globalizar o mundial interclubes" mas sim frases semelhantes a "globalizar a comunidade de futebol de clubes".[164] [165] [166] [167] De acordo com o 8º artigo dos estatutos da FIFA[168] , as línguas portuguesa, russa e árabe são aceitas como oficiais apenas nos debates do Congresso da FIFA, e para todos os outros fins, apenas inglês, alemão, francês e espanhol são línguas oficiais da FIFA, sendo que apenas o inglês é a língua oficial da FIFA para atas, correspondência e anúncios oficiais. Ou seja, a versão em português do site da FIFA não tem qualquer valor como posição da entidade.

Os textos citados e referenciados no parágrafo acima são produções do News Centre, o Centro de Notícias da FIFA,[169] que produz textos como entrevistas, notícias sobre campeonatos nacionais, notícias sobre jogadores, sobre técnicos, etc, entre outros textos de temática não-oficial à FIFA. Estes textos não são listados no site da FIFA como documentos oficiais da entidade[170] , e não há nenhuma indicação, pela FIFA, de que o conteúdo destes textos tenha passado pelo crivo prévio do Comitê Executivo da entidade.

O argentino Di Stéfano e o húngaro Puskas eram amigos e companheiros de time no clube espanhol Real Madrid, a primeira equipe a vencer a Copa Intercontinental, em 1960

Em 17 de dezembro de 2006, a FIFA deixou claro que o primeiro campeão mundial reconhecido pela mesma é o Sport Club Corinthians Paulista, não considerando a Copa Europeia Sul-Americana como mundial, mas sim como intercontinental.[171] [172]

Em abril de 2007, a FIFA chegou a considerar a primeira edição da Copa Rio Internacional de 1951, como a primeira Copa do Mundo de Clubes, tendo enviado um fax para a CBF e outro para o Palmeiras reconhecendo a Copa Rio desta forma.[173] [174] [175] Nestes faxes, a FIFA afirmou que oficialmente considerava a Copa Rio Internacional como uma Copa do Mundo de Clubes.[176] No caso dos textos acima citados sobre a Copa Europeia Sul-Americana, a FIFA chegou a tratar a Copa Europeia Sul-Americana como mundial, porém sempre fazendo ressalvas (referindo-se à competição como mundial simbólico[177] , "mundial entre aspas"[178] , mundial que não era o verdadeiro[179] e competição que indicava os clubes apenas chamados de campeões mundiais[180] ), mas em nenhum destes textos a FIFA afirmou que oficialmente referendava a Copa Europeia Sul-Americana como título mundial.

Em 15 de dezembro de 2007, através do informe à imprensa (media release) Approval for Refereeing Assistance Programme and upper altitude limit for FIFA competitions, a FIFA reverteu sua posição anterior de abril/2007 sobre a Copa Rio e não considerou a Copa Europeia Sul-Americana como Mundial, declarando novamente, como em dezembro de 2006, que o primeiro mundial de clubes foi realizado em 2000, no Brasil, e vencido pelo Sport Club Corinthians Paulista, declarando também que as competições intercontinentais de anos passados, como a Copa Rio nos anos 1950 (e por óbvio também a Copa Europeia Sul-Americana, já que foi criada em 1960, antes de 2000) foram intercontinentais (ou seja, não foram mundiais) e não foram eventos oficiais da FIFA, sendo o Corinthians o primeiro clube campeão mundial perante a FIFA, afirmando que esta decisão do Comitê Executivo era definitiva[181] [182] [183] [184] Segundo este informe à imprensa, esta decisão foi tomada pelo Comitê Executivo da FIFA. Segundo um documento oficial da FIFA, [185] o Comitê Executivo da FIFA é a segunda instância de maior importância na estrutura da FIFA, abaixo apenas do Congresso da entidade e acima dos demais órgãos da entidade[186] (a Copa Europeia Sul-Americana não foi tema tratado em nenhum Congresso da FIFA, e assim o Comitê Executivo da FIFA foi a instância mais elevada da entidade a ter se pronunciado sobre competições intercontinentais, decidindo não reconhecer oficialmente como mundiais as competições que não foram organizadas pela FIFA). O Comitê Executivo da FIFA é, segundo a FIFA, o único órgão da entidade com poder para decidir sobre o reconhecimento oficial de competições. [187] Segundo a FIFA, a Copa Europeia Sul-Americana não foi um evento oficial da FIFA, e por isso a FIFA não pode dar a ela reconhecimento como mundial, além do fato de que, segundo a própria FIFA, ela não pode reconhecer como mundial uma competição cuja participação era reservada a clubes de apenas 2 continentes mas que não era aberta aos clubes do mundo todo.[188] [189] Blatter já havia dado declarações nesse mesmo sentido em 1999, quando, comentando um possível desinteresse europeu por jogos entre times de Ásia e Oceania no Mundial FIFA 2000, afirmou que a idéia de um "Mundial de Clubes" era incluir times do mundo todo e ser interessante não só para europeus mas para espectadores do mundo todo[190] Observa-se que esta declaração de Blatter está de acordo com a história da FIFA desde a criação de sua primeira competição, a Copa do Mundo (de seleções nacionais) criada em 1930, pois desde 1930 todos os países filiados à FIFA têm o direito de participar das Eliminatórias da Copa do Mundo, caso desejem participar, independentemente de qual continente façam parte.[191] Ou seja, a FIFA tem para os clubes campeões continentais, em relação à sua Copa do Mundo de Clubes, a mesma postura que tem desde 1930 para as seleções nacionais filiadas a ela, em relação às Eliminatórias da Copa do Mundo de seleções.

Posteriormente, a FIFA continuou confirmando seu Mundial de 2000 como o primeiro mundial de clubes válido perante a entidade, portanto não considerando a Copa Europeia Sul-Americana como Mundial. Em 12 de dezembro de 2011, a FIFA organizou no Japão uma exposição na qual confirmou o Corinthians como sendo o primeiro clube campeão mundial.[192] O documento oficial da Copa do Mundo de Clubes da FIFA, o Statistical Kit, é, entre todas as publicações do site da FIFA que mencionam a Copa Europeia Sul-Americana, o único listado no site da FIFA como um documento oficial da entidade. [193] [194] Este documento afirma que a Copa Europeia Sul-Americana (chamada neste documento de Intercontinental Cup e Toyota Cup) fundiu-se, integrou-se, incorporou-se ou foi absorvida(merged) em 2005 à Copa do Mundo de Clubes da FIFA, mostra os resultados da Copa Europeia Sul-Americana, ressalta que a Copa Europeia Sul-Americana era um torneio endossado por UEFA e CONMEBOL (Intercontinental Cup was a competition endorsed by UEFA and CONMEBOL), porém não trata a Copa Europeia Sul-Americana nem como Mundial nem como Copa do Mundo de Clubes nem como competição da FIFA. O mesmo documento ressalta que apenas as competições de clubes realizadas pela FIFA em 2000 e a partir de 2005 são competições da FIFA, e trata apenas estas como Club World Cup, ou seja, Copa do Mundo de Clubes ou Mundial de Clubes (The first FIFA Club World Cup was held in 2000 in Brazil; In 2005 the Toyota Cup merged with the FIFA Club World Cup. This competition has since then been played under the auspices of FIFA). Neste documento, a FIFA não utiliza a palavra world (mundo; mundial) no que diz respeito à Copa Europeia Sul-Americana, tratando-a apenas por "Intercontinental" e "Toyota".[195] Em setembro de 2012, no sorteio dos jogos da Copa do Mundo de Clubes da FIFA de 2012, a FIFA voltou a confirmar o Corinthians como o primeiro clube campeão mundial. Segundo o jornal Lance!, e conforme mostrado em vídeo no site da entidade, o presidente da FIFA Joseph Blatter disse, neste sorteio: "Começamos no ano de 2000. Tivemos uma passagem e nossa abordagem lógica é que tem de haver uma competição de clubes na qual participem todas as seis confederações da Fifa."[196] - ou seja, para a FIFA, a Copa Europeia Sul-Americana e os demais torneios bicontinentais (Copa Interamericana, Copa Afro-Asiática) não seriam abordagens lógicas perante a entidade. Neste sorteio, o diretor de competições da FIFA, Mustapha Fahmy, em seu discurso lembrou que o Chelsea busca "ser o segundo time inglês a vencer o Mundial" - lembrando que o Manchester United venceu o torneio em 2008 -, além de lembrar que o Corinthians "foi o primeiro vencedor da Copa do Mundo de Clubes da Fifa em 2000, no Brasil". Ao lembrar que o Chelsea busca ser o segundo time inglês a vencer o Mundial, Fahmy citou como mundial apenas a Copa do Mundo de Clubes de 2008 (vencida pelo Manchester United), mas não citou a Copa Europeia Sul-Americana de 1999 (vencida também pelo Manchester United).[197] [198]

Edições[editar | editar código-fonte]

Copa Europeia/Sul-Americana Toyota[editar | editar código-fonte]

Ano Campeão Resultado Vice-campeão Local
2004
Detalhes
Portugal
FC Porto
0 – 0
(8–7 pen)
Colômbia
Once Caldas
Estádio Internacional,
Yokohama Japão
2003
Detalhes
Argentina
Boca Juniors
1 - 1
(3–1 pen)
Itália
AC Milan
Estádio Internacional,
Yokohama Japão
2002
Detalhes
Espanha
Real Madrid
2 – 0 Paraguai
Olimpia
Estádio Internacional,
Yokohama Japão
2001
Detalhes
Alemanha
Bayern München
1 - 0 Argentina
Boca Juniors
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
2000
Detalhes
Argentina
Boca Juniors
2 – 1 Espanha
Real Madrid
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1999
Detalhes
Inglaterra
Manchester United
1 - 0 Brasil
Palmeiras
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1998
Detalhes
Espanha
Real Madrid
2 – 1 Brasil
Vasco da Gama
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1997
Detalhes
Alemanha
Borussia Dortmund
2 - 0 Brasil
Cruzeiro
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1996
Detalhes
Itália
Juventus
1 – 0 Argentina
River Plate
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1995
Detalhes
Países Baixos
Ajax Amsterdam
0 - 0
(4–3 pen)
Brasil
Grêmio Porto Alegre
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1994
Detalhes
Argentina
Vélez Sársfield
2 – 0 Itália
AC Milan
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1993
Detalhes
Brasil
São Paulo FC
3 - 2 Itália
AC Milan
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1992
Detalhes
Brasil
São Paulo FC
2 – 1 Espanha
FC Barcelona
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1991
Detalhes
Jugoslávia
Estrela Vermelha
3 - 0 Chile
Colo-Colo
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1990
Detalhes
Itália
AC Milan
3 – 0 Paraguai
Olimpia
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1989
Detalhes
Itália
AC Milan
1 - 0
(pro)
Colômbia
Atlético Nacional
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1988
Detalhes
Uruguai
Nacional
2 – 2
(7–6 pen)
Países Baixos
PSV Eindhoven
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1987
Detalhes
Portugal
FC Porto
2 - 1
(pro)
Uruguai
Peñarol
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1986
Detalhes
Argentina
River Plate
1 – 0 Roménia
FC Steaua Bucuresti
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1985
Detalhes
Itália
Juventus
2 - 2
(4–2 pen)
Argentina
Argentinos Juniors
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1984
Detalhes
Argentina
Independiente
1 – 0 Inglaterra
Liverpool FC
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1983
Detalhes
Brasil
Grêmio
2 - 1
(pro)
Alemanha
Hamburger SV
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1982
Detalhes
Uruguai
Peñarol
2 – 0 Inglaterra
Aston Villa
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1981
Detalhes
Brasil
Flamengo
3 – 0 Inglaterra
Liverpool FC
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão
1980
Detalhes
Uruguai
Nacional
1 – 0 Inglaterra
Nottingham Forest
Estádio Olímpico,
Tóquio Japão

Copa Intercontinental[editar | editar código-fonte]

Ano Campeão Placar Vice-campeão Estádios
1979
Detalhes
Paraguai
Olimpia
1 - 0
2 - 1
Suécia
Malmö FF
SuéciaMalmö Stadion
ParaguaiDefensores del Chaco
1978 Não realizado
Liverpool Inglaterra x Argentina Boca Juniors
Ambos os times desistiram de jogar devido a problemas com o "calendário".
1977
Detalhes
Argentina
Boca Juniors
2 - 2
3 - 0
Alemanha
Borussia M'gladbach
ArgentinaLa Bombonera
AlemanhaWildparkstadion
1976
Detalhes
Alemanha
Bayern München
2 - 0
0 - 0
Brasil
Cruzeiro
AlemanhaOlympiastadion München
BrasilMineirão
1975 Não realizado
Bayern München Alemanha x Argentina Independiente
Ambos os times não acertaram datas para jogar.
1974
Detalhes
Espanha
Atlético de Madrid
0 - 1
2 - 0
Argentina
Independiente
ArgentinaLa Doble Visera
EspanhaVicente Calderón
1973
Detalhes
Argentina
Independiente
1 - 0 Itália
Juventus
ItáliaOlímpico
1972
Detalhes
Países Baixos
Ajax Amsterdam
1 - 1
3 - 0
Argentina
Independiente
ArgentinaEstádio Libertadores de América
Países BaixosEstádio Olímpico de Amsterdã
1971
Detalhes
Uruguai
Nacional
1 - 1
2 - 1
Grécia
Panathinaikos
GréciaEstádio Karaiskákis
UruguaiEstádio Centenário
1970
Detalhes
Países Baixos
Feyenoord Rotterdam
2 - 2
1 - 0
Argentina
Estudiantes
ArgentinaLa Bombonera
Países BaixosEstádio De Kuip
1969
Detalhes
Itália
AC Milan
3 - 0
1 - 2
Argentina
Estudiantes
ItáliaEstádio Giuseppe Meazza
ArgentinaLa Bombonera
1968
Detalhes
Argentina
Estudiantes
1 - 0
1 - 1
Inglaterra
Manchester United
ArgentinaLa Bombonera
InglaterraEstádio Old Trafford
1967
Detalhes
Argentina
Racing Club de Avellaneda
0 - 1
2 - 1
1 - 0
Escócia
Celtic
EscóciaHampden Park
ArgentinaEstádio Juan Domingo Perón
UruguaiEstádio Centenário
1966
Detalhes
Uruguai
Peñarol
2 - 0
2 - 0
Espanha
Real Madrid
UruguaiEstádio Centenário
EspanhaEstádio Santiago Bernabéu
1965
Detalhes
Itália
Internazionale
3 - 0
0 - 0
Argentina
Independiente
ItáliaEstádio Giuseppe Meazza
ArgentinaEstádio Libertadores de América
1964
Detalhes
Itália
Internazionale
0 - 1
2 - 0
1 - 0
Argentina
Independiente
ArgentinaEstádio Libertadores de América
ItáliaEstádio Giuseppe Meazza
EspanhaEstádio Santiago Bernabéu
1963
Detalhes
Brasil
Santos FC
2 - 4
4 - 2
1 - 0
Itália
Milan
ItáliaEstádio Giuseppe Meazza
BrasilMaracanã
BrasilMaracanã
1962
Detalhes
Brasil
Santos FC
3 - 2
5 - 2
Portugal
Benfica
BrasilMaracanã
PortugalEstádio da Luz
1961
Detalhes
Uruguai
Peñarol
0 - 1
5 - 0
2 - 1
Portugal
Benfica
PortugalEstádio da Luz
UruguaiEstádio Centenário
UruguaiEstádio Centenário
1960
Detalhes
Espanha
Real Madrid
0 - 0
5 - 1
Uruguai
Peñarol
UruguaiEstádio Centenário
EspanhaEstádio Santiago Bernabéu

Títulos[editar | editar código-fonte]

Por clube[editar | editar código-fonte]

Clube Títulos Vices
Itália Milan 3 (1969, 1989 e 1990) 4 (1963, 1993, 1994 e 2003)
Espanha Real Madrid 3 (1960, 1998 e 2002) 2 (1966 e 2000)
Uruguai Peñarol 3 (1977, 2000 e 2003) 2 (1960 e 1987)
Argentina Boca Juniors 3 (1977, 2000 e 2003) 1 (2001)
Uruguai Nacional 3 (1971, 1980 e 1988) 0
Argentina Independiente 2 (1973 e 1984) 4 (1964, 1965, 1972 e 1974)
Itália Juventus 2 (1985 e 1996) 1 (1973)
Portugal Porto 2 (1987 e 2004) 0
Alemanha Bayern München 2 (1976 e 2001) 0
Brasil São Paulo 2 (1992 e 1993) 0
Brasil Santos 2 (1962 e 1963) 0
Países Baixos Ajax 2 (1972 e 1995) 0
Itália Internazionale 2 (1964 e 1965) 0
Argentina Estudiantes 1 (1968) 2 (1969 e 1970)
Paraguai Olimpia 1 (1979) 2 (1990 e 2002)
Brasil Grêmio 1 (1983) 1 (1995)
Inglaterra Manchester United 1 (1999) 1 (1968)
Argentina Vélez Sársfield 1 (1994) 1 (2006)
Argentina River Plate 1 (1986) 1 (1996)
Brasil Flamengo 1 (1981) 0
Espanha Atlético de Madrid 1 (1974) 0
Alemanha Borussia Dortmund 1 (1997) 0
Países Baixos Feyenoord 1 (1970) 0
Jugoslávia Estrela Vermelha 1 (1991) 0
Argentina Racing Club de Avellaneda 1 (1967) 0
Portugal Benfica 0 2 (1962 e 1962)
Inglaterra Liverpool 0 2 (1981 e 1984)
Brasil Cruzeiro 0 2 (1976 e 1997)
Escócia Celtic 0 1 (1967)
Grécia Panathinaikos 0 1 (1971)
Alemanha Borussia Mönchengladbach 0 1 (1977)
Suécia Malmö FF 0 1 (1979)
Inglaterra Nottingham Forest 0 1 (1980)
Inglaterra Aston Villa 0 1 (1982)
Alemanha Hamburger SV 0 1 (1983)
Argentina Argentinos Juniors 0 1 (1985)
Roménia FC Steaua București 0 1 (1986)
Países Baixos PSV Eindhoven 0 1 (1988)
Colômbia Atlético Nacional 0 1 (1989)
Chile Colo-Colo 0 1 (1991)
Brasil Vasco da Gama 0 1 (1998)
Brasil Palmeiras 0 1 (1999)
Colômbia Once Caldas 0 1 (2004)

Por país[editar | editar código-fonte]

País Títulos Vices
 Argentina 9 (1967, 1968, 1973, 1977, 1984, 1986, 1994, 2000 e 2003) 10 (1964, 1965, 1969, 1970, 1972, 1974, 1985, 1996, 2006, 1996 e 2001)
 Itália 7 (1964, 1965, 1969, 1985, 1989, 1990 e 1996) 5 (1963, 1973, 1993, 1994 e 2003)
 Brasil 6 (1962, 1963, 1981, 1983, 1992 e 1993) 5 (1976, 1995, 1997, 1998 e 1999)
Uruguai 6 (1971, 1977, 1980, 1988, 2000 e 2003) 2 (1960 e 1987)
 Espanha 4 (1960, 1974, 1998 e 2002) 2 (1966 e 2000)
 Alemanha 3 (1976, 1997 e 2001) 2 (1977 e 1983)
 Países Baixos 3 (1970, 1972 e 1995) 1 (1988)
 Portugal 2 (1987 e 2004) 2 (1962 e 1962)
 Inglaterra 1 (1999) 5 (1968, 1980, 1981, 1982 e 1984)
Paraguai 1 (1979) 2 (1990 e 2002)
 Sérvia 1 (1991) 0
 Colômbia 0 2 (1989 e 2004)
Escócia 0 1 (1967)
 Grécia 0 1 (1971)
 Suécia 0 1 (1979)
 Roménia 0 1 (1986)
 Chile 0 1 (1991)

Melhor jogador[editar | editar código-fonte]

Desde 1980

Ano Jogador Clube
2004 Portugal Maniche Portugal FC Porto
2003 Argentina Matías Donnet Argentina Boca Juniors
2002 Brasil Ronaldo Espanha Real Madrid
2001 Gana Samuel Kuffour Alemanha Bayern München
2000 Argentina Martín Palermo Argentina Boca Juniors
1999 País de Gales Ryan Giggs Inglaterra Manchester United
1998 Espanha Raúl Espanha Real Madrid
1997 Alemanha Andreas Möller Alemanha Borussia Dortmund
1996 Itália Alessandro Del Piero Itália Juventus
1995 Países Baixos Danny Blind Países Baixos Ajax Amsterdam
1994 Argentina Omar Asad Argentina Vélez Sársfield
1993 Brasil Cerezo Brasil FC São Paulo
1992 Brasil Raí Brasil FC São Paulo
1991 Jugoslávia Vladimir Jugović Jugoslávia Estrela Vermelha
1990 Países Baixos Frank Rijkaard Itália AC Milan
1989 Itália Alberigo Evani Itália AC Milan
1988 Uruguai Santiago Ostolaza Uruguai Nacional
1987 Argélia Rabah Madjer Portugal FC Porto
1986 Uruguai Antonio Alzamendi Argentina River Plate
1985 França Michel Platini Itália Juventus
1984 Argentina José Percudani Argentina Independiente
1983 Brasil Renato Gaúcho Brasil Grêmio
1982 Brasil Jair Uruguai Peñarol
1981 Brasil Zico Brasil Flamengo
1980 Uruguai Waldemar Victorino Uruguai Nacional

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

Referências

  1. UEFA sobre: Copa Intercontinental e Toyota no site oficial.
  2. El Mundo Deportivo, 27 noviembre 1981, página 17.
  3. Site da UEFA.
  4. UEFA: Sobre a Copa Europeia Sul-Americana.
  5. "Goodbye Toyota Cup, hello FIFA Club World Championship", Fédération Internationale de Football Association, 2004-12-10. Página visitada em 2010-12-24.
  6. "Ten tips on the planet's top club tournament", Fédération Internationale de Football Association, 2005-07-28. Página visitada em 2009-10-28.
  7. "We are the champions", Fédération Internationale de Football Association, 2005-12-01. Página visitada em 2009-10-28.
  8. Jornal El Mundo Deportivo, 17/09/1992, página 10.
  9. Estes textos são produções do News Centre (Centro de Notícias da FIFA) e não são catalogados no site da FIFA como documentos oficiais de entidade.
  10. Do site da FIFA (acessado em 04/02/2013): NAMED world champions
  11. Do site da FIFA (acessado em 04/02/2013): With the passage of time, it became apparent that it was unrealistic to continue to confer the SYMBOLIC title of "club world champion" on the basis of a single match between the European and South American champions.
  12. Do site da FIFA (acessado em 04/02/2013): Mixing old with new, we round up some facts and stats about the competitions that for 45 years have produced the "WORLD CLUB CHAMPIONS"
  13. Do site da FIFA (acessado em 04/02/2013): According to the new format, which enters into force in 2005, once again in Japan, the respective winners of the six "champions cups" of each confederation will qualify for the FIFA Club World Championship. "I am convinced that this is the best formula for everyone," argues Michel Platini, a FIFA Executive Committee member and former Toyota Cup winner from 1985. "It won't make the clubs' trips any longer, but by playing an extra game, the club crowned this time will be TRUE world champions," continued the former Juventus playmaker.
  14. Do site da FIFA (acessado em 04/02/2013): "I am convinced that this is the best formula for everyone," argues Michel Platini, a FIFA Executive Committee member and former Toyota Cup winner from 1985. "It won't make the clubs' trips any longer, but by playing an extra game, the club crowned this time will be TRUE world champions," continued the former Juventus playmaker.
  15. Do site da FIFA (acessado em 04/02/2013): Initially a one-off contest between the champions of South America and Europe, the Toyota Cup, which superseded the Intercontinental Cup in 1980, has been revamped by FIFA to reach out to all confederations and associations across the globe so the winners may TRULY be regarded as the best club side in the world.
  16. Do site da FIFA (acessado em 04/02/2013): Brought up watching the annual Europe-South America clash, Japanese fans are counting the days to the kick off of the TRUE world club showdown.
  17. "Em 2000, Fifa confirmou à Gazeta Esportiva: Corinthians 1º campeão." GazetaEsportiva.Net (17/12/2012). Acesso em 04/02/2013.
  18. Jornal O Estado de São Paulo 19/10/2000 pág.33
  19. "Em 2000, Fifa confirmou à Gazeta Esportiva: Corinthians 1º campeão." GazetaEsportiva.Net (17/12/2012). Acesso em 04/02/2013.
  20. Documentos oficiais da FIFA
  21. Documentos oficiais da FIFA sobre competições, incluindo a Copa do Mundo de Clubes.
  22. FIFA, em 15/12/2007: With respect to the history of the FIFA Club World Cup and intercontinental club competitions in years gone by, such as the Copa Rio in the 1950s, the FIFA Executive Committee endorsed the view that the first edition of this competition was held in 2000 in Brazil where Corinthians became the very first FIFA club world champions.
  23. GloboEsporte.com: "Fifa: Verdão ainda não é campeão mundial", 26/04/2007
  24. GloboEsporte.com: Mundial x Intercontinental, 13/12/11
  25. FIFA: lista de países filiados, por ano de filiação.
  26. FIFA: História das Eliminatórias da Copa do Mundo.
  27. FIFA: documentos oficiais sobre competições.
  28. Algumas vezes ao longo da História, a FIFA não aceitou a participação de algumas seleções nas Eliminatórias das Copas, por razões independentes de sua localização continental: em 1938, a Espanha, por causa de Guerra Civil; em 1994, o Chile, por causa do caso Rojas, e a Iugoslávia, por causa da Guerra Civil; etc.
  29. BBC: A Copa do Mundo de 1930.
  30. Exemplo: o primeiro país da Oceania que se filiou à FIFA foi a Nova Zelândia, que se filiou à FIFA em 1948, de modo que países da Oceania não poderiam ter disputado Copas anteriores.
  31. Exemplos: nenhum país-membro da FIFA asiático ou africano aceitou os convites da FIFA para jogar a Copa do Mundo de 1930; nenhum país africano se candidatou a jogar as Eliminatórias da Copa de 1950, ainda que o africano Egito já tivesse participado das Eliminatórias das Copas de 1934 e 1938; países asiáticos se candidataram a jogar as Eliminatórias da Copa de 1950, mas desistiram de participar antes do início da Copa; o primeiro país da Oceania que tentou disputar uma Copa foi a Austrália, que se filiou à FIFA em 1963 e tentou disputar a Copa seguinte, disputando as Eliminatórias da Copa a partir de 1966.
  32. Exemplo: equipes da Oceania começaram a disputar as Eliminatórias nas referentes à Copa em 1966, com a Austrália, enquanto a Nova Zelândia estreou nas Eliminatórias para a Copa de 1970, mas nenhuma equipe da Oceania conseguiu passar com sucesso pelas Eliminatórias para as Copas de 1966 e 1970 e só conseguiram se classificar para a Copa pela primeira vez em 1974, com a Austrália; o Egito foi o único país africano que se candidatou a jogar a Copa de 1954, disputou as Eliminatórias para aquela Copa, mas não conseguiu passar com sucesso pelas Eliminatórias daquela Copa; entre outros exemplos.
  33. Coincidentemente ou não, o lançamento do torneio continental asiático de clubes e o pedido asiático de disputar a Copa Europeia Sul-Americana são de 1967, ano seguinte à primeira grande vitória asiática em Copas do Mundo: a vitória norte-coreana sobre a Itália na Copa do Mundo de 1966, que levou à Eliminação da Itália naquela Copa.
  34. El Mundo Deportivo, 03 noviembre 1967, página 6
  35. Revista UEFA Direct, nº 105, 2011, página 15.
  36. El Mundo Deportivo, 03 noviembre 1967, página 6
  37. El Mundo Deportivo, 10 abril 1975, página 15
  38. As Copas Interamericanas em questão foram as referentes aos títulos continentais de 1977 e 1980, porém os jogos foram disputados em 1978 e 1981.
  39. Acervo on-line do jornal mexicano El Informador: edições de 14 e 16 de abril de 1978
  40. Acervo on-line do jornal Folha de São Paulo: edições de 14 e 16 de abril de 1978
  41. Jornal O Estado de São Paulo, 16/04/1978, pág.55
  42. Jornal mexicano El Siglo de Torréon. Arquivo histórico. "Los Pumas Por La Copa Concacaf-EUFA" (15/05/1981, página 13).
  43. Jornal mexicano El Siglo de Torréon. Arquivo histórico. "Mediocridad existente en el futbol del area de Concacaf." (29/08/1980, página 11).
  44. Jornal mexicano El Siglo de Torreón, 4/11/1981, página 4, matéria "Proyectan Varios Torneos de Futebol a Nivel Internacional".
  45. Jornal O Estado de São Paulo On-Line, 08/06/2001. Acesso em 04/02/2013.
  46. Diário do Grande ABC. 14/06/2001. Acessado em 04/02/2013.
  47. Jornal O Estado de São Paulo, 14/06/2001, pág.65
  48. El Mundo Deportivo, 05/09/1960, pág.3
  49. El Mundo Deportivo, 05/09/1960, pág.3
  50. El Mundo Deportivo, 05/09/1960, pág.3
  51. FIFA: Copa do Mundo
  52. Site da FIFA.
  53. FIFA: lista de países filiados, por ano de filiação.
  54. FIFA: História das Eliminatórias da Copa do Mundo.
  55. FIFA: lista de documentos oficiais sobre competições.
  56. Algumas vezes ao longo da História, a FIFA não aceitou a participação de algumas seleções nas Eliminatórias das Copas, por razões independentes de sua localização continental: em 1938, a Espanha, por causa de Guerra Civil; em 1994, o Chile, por causa do caso Rojas, e a Iugoslávia, por causa da Guerra Civil; etc.
  57. Sobre a Oceania, um país deste continente se candidataria às Eliminatórias da Copa do Mundo pela primeira vez apenas em 1966.
  58. FIFA: resultados de Copa do Mundo.
  59. Vitórias de seleções não-européias e não-sul-americanas contra europeus e sul-americanos em Copas do Mundo, até a Copa de 2010: de Cuba sobre Romênia em 1938; dos EUA sobre Inglaterra em 1950, Colômbia em 1994 e Portugal em 2002 ; do México sobre Tchecoslováquia em 1962, sobre a Bélgica em 1970 e 1986, sobre a Bulgária em 1986, sobre a Irlanda em 1994, sobre Croácia e Equador em 2002, e sobre a França em 2010; da Coréia do Norte sobre a Itália em 1966; da Coréia do Sul sobre Itália, Espanha, Polônia e Portugal em 2002, e sobre a Grécia em 2010; da Argélia sobre Chile e Alemanha em 1982; do Marrocos sobre Portugal em 1986 e Escócia em 1998; de Camarões sobre Argentina, Romênia e Colômbia em 1990; da Costa Rica sobre Escócia e Suécia em 1990; da Nigéria sobre Bulgária e Grécia em 1994 e sobre Bulgária e Espanha em 1998; da Arábia Saudita sobre Bélgica em 1994; do Senegal sobre França e Suécia em 2002; da África do Sul sobre Eslovênia em 2002 e França em 2010; do Japão sobre a Bélgica em 2002 e sobre a Dinamarca em 2010; da Costa do Marfim sobre a Sérvia em 2006; de Gana sobre República Tcheca em 2006 e sobre a Sérvia em 2010; da Australia sobre a Sérvia em 2010.
  60. FIFA: resultados de Copa do Mundo.
  61. A Inglaterra derrotada pelos EUA já em 1950, a Itália derrotada e eliminada pela Coréia do Norte já em 1966 e pela Coréia do Sul em 2002, a Argentina campeã mundial de 1986 derrotada por Camarões na Copa seguinte, a Alemanha derrotada pela Argélia em 1982, a Espanha derrotada pela Nigéria em 1998 e pela Coréia do Sul em 2002, a França campeã mundial de 1998 derrotada pelo Senegal na Copa seguinte e por México e África do Sul em 2010, a Tchecoslováquia finalista da Copa de 1962 derrotada pelo México naquela mesma Copa e derrotada por Gana em 2006, a Suécia derrotada pela Costa Rica em 1990, etc.
  62. Também nas Olimpíadas, seleções de países campeões mundiais foram eliminados por seleções não-européias e não-sul-americanas, como o Brasil, eliminado pelo Japão na Olimpíada de 1968 e posteriormente por seleções como Nigéria, Camarões e México.
  63. El Mundo Deportivo, 12 febrero 1981, página 19
  64. El Mundo Deportivo, 14 diciembre 1981, página 26
  65. El Mundo Deportivo, 15 diciembre 1992, página 8
  66. El Mundo Deportivo, 13 diciembre 1993, página 56
  67. El Mundo Deportivo, 12 diciembre 1983, página 22
  68. El Mundo Deportivo, 11 abril 1975, página 3
  69. El Mundo Deportivo, 02 diciembre 1998, página 17
  70. El Mundo Deportivo, 04 diciembre 2002, página 16
  71. El Mundo Deportivo, 04 diciembre 2002, página 16
  72. El Mundo Deportivo, 02 diciembre 1998, página 17
  73. El Mundo Deportivo, 14 octubre 1999, página 39
  74. El Mundo Deportivo, 15 octubre 1999, página 19
  75. El Mundo Deportivo, 08 junio 1999, página 54
  76. El Mundo Deportivo, 03 septiembre 1997, página 42
  77. FIFA: Copa do Mundo(clubes).
  78. Jornal do Brasil, 18/11/1963
  79. GloboEsporte.com: Mundial x Intercontinental, 13/12/11
  80. Site do São Paulo Futebol Clube
  81. Site do Santos Futebol Clube
  82. Site do Club de Regatas Flamengo
  83. Site do Grêmio de Futebol Porto-Alegrense
  84. Site do São Paulo Futebol Clube.
  85. Site do Grêmio de Futebol Porto-Alegrense
  86. El Mundo Deportivo, 11 noviembre 2000, página 29
  87. El Mundo Deportivo, 27 noviembre 2001, página 24
  88. CAMPEÃO MUNDIAL, SIM! Sérgio Alvarenga, no site do Corinthians. 02/02/12
  89. Blog do Juca Kfouri: texto "Os prepotentes não são tão potentes como acham", de Sérgio Alvarenga. 15/12/2010
  90. Blog do Juca Kfouri: texto "Os prepotentes não são tão potentes como acham", de Sérgio Alvarenga. 15/12/2010
  91. Blog do Citadini: "A Globo chora e aceita - Blatter: '1º campeão mundial é o Corinthians'". 15/12/2007
  92. Blog do Citadini: "A Globo chora e aceita - Blatter: '1º campeão mundial é o Corinthians'". 15/12/2007
  93. Blog do Citadini: "Milan comemora o primeiro título mundial em seu site oficial" (17/12/2007); "Descoberta a bola"/"CORINTHIANS: PRIMEIRO CAMPEÃO MUNDIAL DE CLUBES"/"Milan vence Mundial"/"Sofrimento da Globo:Locutor ignora titulo do Timão, leva dura e volta atrás!!!"/"Nota do Clarin" (16/12/2007)
  94. Blog do Citadini: "Milan comemora o primeiro título mundial em seu site oficial" (17/12/2007); "Descoberta a bola"/"CORINTHIANS: PRIMEIRO CAMPEÃO MUNDIAL DE CLUBES"/"Milan vence Mundial"/"Sofrimento da Globo:Locutor ignora titulo do Timão, leva dura e volta atrás!!!"/"Nota do Clarin" (16/12/2007)
  95. Blog do Citadini: "Milan comemora o primeiro título mundial em seu site oficial" (17/12/2007); "Descoberta a bola"/"CORINTHIANS: PRIMEIRO CAMPEÃO MUNDIAL DE CLUBES"/"Milan vence Mundial"/"Sofrimento da Globo:Locutor ignora titulo do Timão, leva dura e volta atrás!!!"/"Nota do Clarin" (16/12/2007)
  96. Blog do Citadini: "Milan comemora o primeiro título mundial em seu site oficial" (17/12/2007); "Descoberta a bola"/"CORINTHIANS: PRIMEIRO CAMPEÃO MUNDIAL DE CLUBES"/"Milan vence Mundial"/"Sofrimento da Globo:Locutor ignora titulo do Timão, leva dura e volta atrás!!!"/"Nota do Clarin" (16/12/2007)
  97. Ver o tópico "A posição da FIFA sobre a competição", abaixo.
  98. El Mundo Deportivo, 10 marzo 1951, página 3
  99. Jornal do Brasil, 15/11/1998
  100. Jornal do Brasil, 11/12/1999
  101. Jornal do Brasil, 11/12/1999
  102. Jornal do Brasil, 22/12/1999
  103. Jornal do Brasil, 15/12/1999
  104. Jornal do Brasil, 15/12/1999
  105. Jornal do Brasil, 22/12/1976
  106. Jornal do Brasil, 13/12/1981
  107. Jornal do Brasil, 27/12/1999
  108. Jornal do Brasil, 30/12/1999
  109. Jornal do Brasil, 24/07/1997
  110. Jornal do Brasil, 20/06/1999
  111. Jornal do Brasil, 15/10/1999
  112. Site Casaca! Faixa promocional do Lance omite conquista histórica do Vasco. 08/09/2011
  113. Site do Palmeiras
  114. Site do Fluminense
  115. Site do Fluminense
  116. Site do Fluminense
  117. GloboEsporte.com: "Peter prevê um Flu menos elitista e avisa: 'Sonho é buscar o bi mundial'". 22/05/2012
  118. Site do Palmeiras
  119. Site do Botafogo
  120. Blog do Juca Kfouri: "Ora, a FIFA". 12.12.2011
  121. Revista Placar: Ranking Placar, em "Questão de Reconhecimento"
  122. O Globo
  123. Band Esporte
  124. Lancepedia
  125. Ranking Folha de São Paulo
  126. Ranking Folha de São Paulo
  127. Jornal do Brasil, 20/01/1951
  128. Especial Copa Rio de 1951, no site Palestrinos
  129. O jornalista francês Albert Laurence escreveu uma série de artigos para o jornal O Globo Sportivo, ao longo de 1951, tratando a Copa Rio como Mundial de Clubes. Acervo disponível em microfilme na Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro.
  130. Blog do Juca Kfouri: "Ora, a FIFA". 12.12.2011
  131. Revista UEFA Direct, nº 105, 2011, página 15.
  132. GloboEsporte.com: "Lusa vai reivindicar reconhecimento dos títulos do Torneio Rio-São Paulo", 23/12/2010
  133. Competições organizadas pela FIFA.
  134. Documentos oficiais da FIFA sobre suas competições
  135. Revista UEFA Direct, nº 105, 2011, página 15.
  136. El Mundo Deportivo, 22 noviembre 1979, página 2
  137. El Mundo Deportivo, 06 agosto 1979, página 16
  138. El Mundo Deportivo, 03 junio 1961, página 2
  139. Jornal O Estado de São Paulo: 25/07/1962, pág.18
  140. El Mundo Deportivo, 26 mayo 1962, página 3
  141. El Mundo Deportivo, 23 enero 1970, página 10
  142. El Mundo Deportivo, 10 abril 1975, página 15
  143. El Mundo Deportivo, 25 noviembre 1967, página 8
  144. El Mundo Deportivo, 03 noviembre 1967, página 6
  145. El Mundo Deportivo, 23 enero 1970, página 10
  146. El Mundo Deportivo, 25 febrero 1970, página 13
  147. El Mundo Deportivo, 24 abril 1970, página 10
  148. El Mundo Deportivo, 29 noviembre 1973, página 4
  149. El Mundo Deportivo, 03 noviembre 1967, página 6
  150. Seção Clubes Clássicos do site da FIFA
  151. Revista FIFA World
  152. Revista FIFA World
  153. FIFA: FAQ- Frequently Asked Questions
  154. Estes textos são produções do News Centre (Centro de Notícias da FIFA) e não são catalogados no site da FIFA como documentos oficiais de entidade.
  155. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013): NAMED world champions
  156. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013): With the passage of time, it became apparent that it was unrealistic to continue to confer the SYMBOLIC title of "club world champion" on the basis of a single match between the European and South American champions.
  157. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013): Mixing old with new, we round up some facts and stats about the competitions that for 45 years have produced the "WORLD CLUB CHAMPIONS"
  158. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013): As of 2005, the Toyota Cup, traditionally a one-off match between the champions of Europe and South America, will take on a WHOLE NEW DIMENSION when it becomes the FIFA Club World Championship, disputed by the champion clubs from all six continents.
  159. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013): According to the new format, which enters into force in 2005, once again in Japan, the respective winners of the six "champions cups" of each confederation will qualify for the FIFA Club World Championship. "I am convinced that this is the best formula for everyone," argues Michel Platini, a FIFA Executive Committee member and former Toyota Cup winner from 1985. "It won't make the clubs' trips any longer, but by playing an extra game, the club crowned this time will be TRUE world champions," continued the former Juventus playmaker.
  160. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013): "I am convinced that this is the best formula for everyone," argues Michel Platini, a FIFA Executive Committee member and former Toyota Cup winner from 1985. "It won't make the clubs' trips any longer, but by playing an extra game, the club crowned this time will be TRUE world champions," continued the former Juventus playmaker.
  161. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013): Initially a one-off contest between the champions of South America and Europe, the Toyota Cup, which superseded the Intercontinental Cup in 1980, has been revamped by FIFA to reach out to all confederations and associations across the globe so the winners may TRULY be regarded as the best club side in the world.
  162. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013): Brought up watching the annual Europe-South America clash, Japanese fans are counting the days to the kick off of the TRUE world club showdown.
  163. Resumo do Mundial FIFA de 2000, na versão em português do site da FIFA
  164. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013). Em inglês: "move towards a more globalised club football community".
  165. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013). Em espanhol: "lograr una comunidad de clubes más globalizada".
  166. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013). Em francês: "l'initiative inédite et résolue d'internationaliser la communauté du ballon rond".
  167. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013). Em alemão: "Die mutige Entscheidung zur Globalisierung der Vereinsfussball-Gemeinde"
  168. FIFA: Estatutos. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013)
  169. Lista de notícias do News Centre da FIFA.
  170. Documentos oficiais da FIFA
  171. "Timão é o primeiro campeão mundial, diz Blatter" GloboEsporte.com, 17/12/2006. Acesso em 04/02/2013.
  172. Reprodução da notícia no site do Sport Club Internacional de Porto Alegre.
  173. Fax da FIFA, mostrado no site Palestrinos
  174. Fax da CBF, mostrado no site Palestrinos
  175. Fax da FIFA, mostrado no site Palestrinos
  176. De acordo com o fax da FIFA, mostrado no site Palestrinos: We agree to officially designate this event as such.
  177. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013): With the passage of time, it became apparent that it was unrealistic to continue to confer the SYMBOLIC title of "club world champion" on the basis of a single match between the European and South American champions.
  178. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013): Mixing old with new, we round up some facts and stats about the competitions that for 45 years have produced the "WORLD CLUB CHAMPIONS"
  179. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013): According to the new format, which enters into force in 2005, once again in Japan, the respective winners of the six "champions cups" of each confederation will qualify for the FIFA Club World Championship. "I am convinced that this is the best formula for everyone," argues Michel Platini, a FIFA Executive Committee member and former Toyota Cup winner from 1985. "It won't make the clubs' trips any longer, but by playing an extra game, the club crowned this time will be TRUE world champions," continued the former Juventus playmaker.
  180. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013): NAMED world champions
  181. Esportes Terra (15/12/2007, acessado em 05/02/2013): "Fifa considera Corinthians 1º campeão mundial"
  182. Jornal O Estado de São Paulo, 17/12/2007, pág.49
  183. GloboEsporte.com (15/12/2007): Blatter: '1º campeão mundial é o Corinthians'
  184. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013): With respect to the history of the FIFA Club World Cup and intercontinental club competitions in years gone by, such as the Copa Rio in the 1950s, the FIFA Executive Committee endorsed the view that the first edition of this competition was held in 2000 in Brazil where Corinthians became the very first FIFA club world champions. Other tournaments are not considered official FIFA events.
  185. FIFA: documentos oficiais
  186. Do site da FIFA (acesso em 05/02/2013): sobre o Comitê Executivo.
  187. Matéria "Fifa: Verdão ainda não é campeão mundial" do GloboEsporte.com, de 26/04/2007. Acessada em 05/02/2013
  188. Jornal O Estado de São Paulo, 19/10/2000, pág.33
  189. "Em 2000, Fifa confirmou à Gazeta Esportiva: Corinthians 1º campeão". GazetaEsportiva.Net (16/12/2012). Acesso em 05/02/2013
  190. Declarações de Joseph Blatter no site da FIFA (acesso em 05/02/2013): "What is so dramatic about European fans not being very interested in Al-Nassr versus South Melbourne SC? The important thing here is that the game is of interest to fans in Asia and Oceania. The point of a WORLD CHAMPIONSHIP is that it includes teams from ALL OVER THE WORLD and is for spectators ALL OVER THE WORLD."
  191. No caso particular da Copa do Mundo de 1930, esta não teve Eliminatórias, porque todos os países filiados à FIFA foram convidados, e entre todos, apenas 13 aceitaram participar.
  192. UOL Esporte "Fifa improvisa memorial no Japão e coloca Corinthians como 1º campeão do Mundo" (12/12/2011), acesso em 04/02/2013.
  193. FIFA: documentos oficiais
  194. FIFA: documentos oficiais sobre compeições, incluindo a Copa do Mundo de Clubes
  195. FIFA: documentos oficiais sobre compeições, incluindo a Copa do Mundo de Clubes
  196. LanceNet (24/09/2012): "No sorteio, Timão é apresentado como 'primeiro vencedor da Copa do Mundo de Clubes da Fifa". Acessado em 05/02/2013
  197. Site da FIFA: sorteio do Mundial da FIFA de 2012. Acesso em 05/02/2013.
  198. Site da FIFA: sorteio do Mundial da FIFA de 2012. Acesso em 05/02/2013.
  199. http://pt.wikipedia.org/wiki/Copa_Intercontinental#cite_note-9

Ligações externas[editar | editar código-fonte]