Belo Monte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Belo Monte (Alagoas))
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Belo Monte (desambiguação).
Município de Belo Monte
"Belo Monte"
FIL1671.JPG

Bandeira de Belo Monte
Brasão de Belo Monte
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 24 de abril
Fundação 1958(58 anos)
Gentílico belo-montense
Lema Paz e lealdade
Prefeito(a) Antônio Avânio Feitosa (PP)
(2013–2016)
Localização
Localização de Belo Monte
Localização de Belo Monte em Alagoas
Belo Monte está localizado em: Brasil
Belo Monte
Localização de Belo Monte no Brasil
09° 49' 40" S 37° 16' 48" O09° 49' 40" S 37° 16' 48" O
Unidade federativa  Alagoas
Mesorregião Sertão Alagoano IBGE/2008[1]
Microrregião Batalha IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes em Alagoas: Batalha, Jacaré dos Homens, Traipu, Pão de Açúcar
Distância até a capital 201 km
Características geográficas
Área 334,047 km² [2]
População 7 032 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 21,05 hab./km²
Altitude 30 m
Clima semi-árido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,565 baixo PNUD/2000[4]
PIB R$ 25 256,121 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 3 389,17 IBGE/2008[5]
Página oficial

Belo Monte é um município brasileiro do estado de Alagoas. Sua população estimada em 2008 era de 200000 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

A exploração do rio São Francisco, a partir de 1850, possibilitou uma série de novas descobertas aos desbravadores da região. Ao atingir o rio Ipanema, foi encontrado, à sua margem, um caminho aberto para o interior, descobrindo, na verdade, o caminho que levava a Pesqueira, em Pernambuco. Exatamente no ponto de encontro entre os dois surgiu um núcleo populacional, onde missionários, colonizadores e comerciantes dos centros maiores faziam seus negócios - hoje ficou conhecido com Barra de Ipanema.

Foi dessa localidade que partiu um cidadão - cujo nome não foi registrado - com destino à região atualmente ocupada pelo município de Belo Monte, iniciando seu trabalho com a fundação de uma fazenda de gado. O curral da propriedade ficava onde hoje é a casa número 70, na Praça Epaminondas Machado,. e até hoje podem ser encontradas nas rochas as ruínas da casa grande.

A Lei Provincial nº. 960, de 1885, criou a freguesia. Em 1886, foi elevada à condição de vila, já com o nome de Belo Monte. Daí por diante sofreu muitas modificações em sua estrutura político-administrativa. Foi anexada e incorporada por outros municípios várias vezes. Em 1947, a sede foi transferida para a então Vila de Batalha, permanecendo Belo Monte um distrito. Só em 1958 conseguiu sua autonomia.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A sua sede está a 9º. “49’ 20” de latitude e 37. º 16’ 12’ de longitude Oeste de Greenwich (W. Gr.), a sua altitude (sede) é de 48 metros. Possui uma área de 334,8 km², ocupa dentro do território alagoano o equivalente a 1,65% do total. Portanto está 20º lugar em extensão territorial, distando da capital 220 km.

Integra a bacia leiteira. As sua terras, embora ricas em sais minerais e o solo não seja pobre, não existem chuvas regulares. É sertão bruto e sofredor, sendo totalmente atingido e flagelado pelas secas. Há abundância de minérios, como calcário, amianto, mármore, mica e ferro, entre outros

Clima[editar | editar código-fonte]

Belo Monte está situado na zona fisiográfica do Sertão do Baixo São Francisco, e possui um clima semi-árido, quente e seco.

A sua temperatura nem sempre é uniforme, dadas as irregularidades de relevo, variando entre 38°; a mais alta é 22°, a mais baixa, com uma média de 26°. Apesar das altas temperaturas durante o dia, as noites são amenas.

Há basicamente duas estações anuais: inverno, com chuvas fracas entre os meses de março a agosto, e verão, com fortes trovoadas entre agosto a março.

Acidentes geográficos[editar | editar código-fonte]

Destacam-se como principal o rio São Francisco, que é um rio navegável mas, devido ao aterramento do seu leito, possibilita apenas que pequenas embracações naveguem. Faz divisa com o estado de Sergipe, no município de Porto da Folha. Nele se situam as ilhas fluviais dos Prazeres e Terra-Firme.

O rio Ipanema banha o município numa extensão de aproximadamente 12 km, e não é um rio navegável.

Riachos: do Papagaio, Luango, Algodão Pilões, Boqueirão, Canudos, Pé-Leve e Volta Grande e os riachos temporários Olho d'Água, Porcos e Cardosos.

A serra mais importante do município é a das Serra das Porteiras, com 494 metros de altura. Embora de altitude um pouco inferior, mas temos ainda a Serra do Salgado.

Limites[editar | editar código-fonte]

Limita-se com o estado de Sergipe e com os municípios de Pão de Açúcar, Jacaré dos Homens, Batalha e Traipu, no estado de Alagoas.

Flora[editar | editar código-fonte]

A vegetação predominante é a do tipo das caatingas, com árvores de médio porte, entremeadas de cactáceas (mandacarus, xiquexiques, facheiros, macambiras e gravatás). Lamenta-se, porém, a impiedade das vegetações, sem nenhum princípio racional de aproveitamento ou reflorestamento, causando até mesmo o desaparecimento de algumas espécies.

Fauna[editar | editar código-fonte]

Como em todo o município a vegetação predominante é a caatinga, fica difícil oferecer habitat favorável aos animais. Lamenta-se, entretanto, que o homem, através da caça, propicie a eliminação de muitas das espécies animais.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O rio de maior importância para o município é o rio São Francisco, devido a captação de águas para o consumo humano, e a pesca que gera renda para o municipio. Seguem os rios Jacaré (ou Salgado), o Ipanema e o Traipu.

Cultura[editar | editar código-fonte]

O nome de Belo Monte originou-se da beleza topográfica da sua área, que, segundo a tradição corrente, fôra D. Pedro II, que na sua passagem por aqui, assim a batizou; de fato, quando ele criou Vila Lagoa Funda, já no decreto da criação mudara o nome para Belo Monte. Ainda restam três casas que foram senzalas: uma na Praça Epaminondas Machado, nº. 69, pertencente a João Soares Lima e já reformada em parte; a outra situada atrás das casas, na descida para o porto de Baixo, ainda primitiva e estragada, atualmente pertencente a Bonifácio Campos e há ainda uma casa que foi senzala no povoado Jacobina.

No município, há onze templos católicos: dois em Belo Monte, a Matriz Nossa Senhora de Bom Conselho, a capela de Santa Terezinha do Menino Jesus; uma capela em Restinga; duas na Barra do Ipanema (uma no povoado e outra na ilha em frente), uma no Riacho da Jacobina, duas em Olho D'Água Novo, uma em Maria Preta, uma em Poço do Marco e uma em Jacobina. Há também cinco templos evangélicos: dois da Igreja Pentecostal do Brasil, uma em Belo Monte e uma na Restinga, e três igrejas da Assembleia de Deus, uma em Belo Monte, uma na Restinga e uma no riacho da Jacobina.

Sabe-se, pela população mais velha, que Belo Monte nunca recebeu visitas (ao menos de público) de Lampião ou dos cangaceiros, ou sofreu jamais vexames da parte deles).

Suas principais festas sao a de Bom Jesus dos Navegantes ocorre no município no período de 29 de dezembro a 1 de janeiro, e da Padroeira (Nossa Senhora do Bom Conselho), que é comemorada todos os anos dia 2 de fevereiro.

Turismo[editar | editar código-fonte]

A prainha do rio São Francisco é um ponto atrativo da região, onde hoje está instalado o miniterminal turístico, mas o município chama atenção pelo carnaval animado e pelas vaquejadas realizadas regularmente.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010. 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010.