Estúdios Disney entre 1937 a 1941

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Estúdios Disney entre 1937 a 1941
Primeiros longas-metragens de animação
Cena do longa-metragem Branca de Neve e os Sete Anões (1937).
Períodos
Estúdios Disney entre 1922 a 1937
Estúdios Disney entre 1941 a 1950

A história dos estúdios Disney entre 1937 a 1941, um período conhecido como a "Primeira Era de Ouro", é essencialmente marcado pelo lançamento de seus primeiros longas de animação, começando com Branca de Neve e os Sete Anões (1937). As principais produções da empresa foram entre 1934 a 1941, data a partir da qual o estúdio experimentou um abrandamento na sua atividade. O último destes longas-metragens foi Bambi, lançado em 1942. Em 1934, Walt Disney começou a considerar a criação de um longa-metragem em animação, um projeto que culminou em 1937 com Branca de Neve e os Sete Anões. Esses projetos eram ambiciosos tanto do ponto de vista gráfico quanto técnico, geralmente do conceito artístico. As maiorias das produções foram produzidas entre 1940 e 1942. O estúdio utilizou, desenvolveu ou melhorou técnicas internas tais como a cor com o processo Technicolor, a câmara (multiplano), storyboards, o uso de modelos para desenhar os personagens e o sistema estereofônico Fantasound, entre outros. Para muitos, a animação tornou-se então uma arte.

Ao mesmo tempo, o estúdio continuou a sua produção de curtas-metragens, lançando séries centradas em antigos personagens secundários: Pato Donald e Pluto em 1937 e Pateta em 1939. Entretanto, tudo isso exigiu investimentos significativos para o estúdio e os lucros não compensaram os orçamentos.

História[editar | editar código-fonte]

Desde 1924, Walt Disney conseguiu se destacar no mundo da animação depois de dirigir várias séries de curtas de desenhos animados, como Alice Comedies (1924–1927), Oswald the Lucky Rabbit (1928), depois Mickey Mouse (1928) e Silly Symphonies (1929). No entanto, como explica Christopher Finch, Walt não ficou muito satisfeito com o sucesso das suas duas séries de curtas-metragens Mickey Mouse e Silly Symphonies, antes de 1934, pensando seriamente em fazer um longa-metragem.[1]

A necessidade de fazer um longa-metragem[editar | editar código-fonte]

Quirino Cristiani diretor de El apóstol (1917) e Peludópolis (1931).

Em 1934, Walt Disney decidiu embarcar num novo desafio, a produção de longas-metragens de animação. Ao contrário da crença popular, o primeiro longa-metragem de animação na história do cinema não foi dos estúdios Disney, é sim o filme argentino El apóstol, dirigido por Quirino Cristiani e produzido por Federico Valle em 1917.[2] Cristiani também dirigiu em 1931, Peludópolis, o primeiro longa-metragem de animação sonoro.[2]

Walt Disney decidiu então investir sua fortuna pessoal para fazer um longa-metragem de animação, mesmo que isso significasse comprometer o futuro de seu estúdio.[3] Walt também queria desenvolver seus negócios e diversificar suas atividades, além do sucesso de seus desenhos animados. Houve duas razões para a sua escolha, a primeira foi financeira.[1] John Grant afirmou que os orçamentos de produção dos curtas-metragens estavam aumentando, porém, os lucros obtidos não.[4] Um exemplo notável é o curta Three Little Pigs (1933), que arrecadou 250 mil dólares nos cinemas,[5] mas os estúdios Disney só conseguiu obter um lucro de 60 mil dólares.[6] Walt então, decidiu mudar suas produções de curtas a longas-metragem, para conseguir manter o estúdio, pois, além do merchandising do Mickey Mouse,[7] a companhia não tinha outra renda financeira.[6] A sua segunda motivação foi mais artística.[1] A duração entre 8 a 9 minutos dos curtas-metragens limitava Walt de suas ideias.[8] Em 1933, os estúdios Disney idealizou um filme baseado em Alice no País das Maravilhas com as atrizes Mary Pickford e Ginger Rogers,[9][10][11][12][13] o estúdio chegou a comprar os direitos da obra.[14][10][11] Robin Allan afirmou que outro filme foi considerado em ser feito, baseado no conto Rip Van Winkle, de Washington Irving.[13]

A famosa sequência "Heigh-Ho" de Branca de Neve.

Na primavera de 1934, Walt Disney decidiu qual seria o seu primeiro longa-metragem animado de Hollywood.[15] Branca de Neve e os Sete Anões é o primeiro longa do mundo com som e cores.[15] Walt utilizou o processo Technicolor no filme, ele também já tinha utilizado este mesmo sistema no curta-metragem Flowers and Trees (1932), na série de curtas Silly Symphonies e exclusivamente até 1934,[16] além de outras tecnologias como a câmera multiplano e o rotoscópio. Antes do final do verão de 1934, começou então, a produção de um longa-metragem de 90 minutos.[17] A empresa norte-americana começou a usar o termo a "loucura do Disney" descrever o futuro filme.[18][19][20] Walt Disney viu então seu estúdio dividido em dois grandes departamentos, um para produzir curtas-metragens e o outro para a produção de um longa-metragem. Em 1935, o estúdio criou um departamento de "animação de efeitos especiais" dirigido por Cy Young.[21]

Silly Symphonies e o primeiro longa-metragem[editar | editar código-fonte]

Em 1934, com o longo do desenvolvimento do filme Branca de Neve e os Sete Anões,[22] a série Silly Symphonies serviu como um banco de testes para melhorar as técnicas de animação em Branca de Neve e dos Sete Anões.[23] Muitos anões e bruxas apareceram nos curtas-metragens do estúdio durante este período, tal como em Babes in the Woods, entre outros.[24][25][26]

Os curtas-metragens de Silly Symphonies frequentemente citados como testes são:[25]

Desenvolvimento de vários projetos[editar | editar código-fonte]

Apesar de ainda não ter completado o seu primeiro longa-metragem e de estar certo do seu sucesso, Walt Disney havia idealizado outras produções baseadas em clássicos da literatura infantil. Bambi baseado em Bambi, A Life in the Woods de Felix Salten, publicado em 1923,[28] foi uma das primeiras produções a ser produzida pelos estúdios Disney.[29] Em 1933, Sidney Franklin, um produtor e diretor dos estúdios MGM[30] adquiriu os direitos da obra de Salten, com a intenção de produzir um filme em live-action baseado no livro.[31][32] Acerca de 1935, Franklin não conseguia adaptar a obra de Salten em um filme live-action, ele então, buscou por Walt Disney.[32] Walt ficou entusiasmado com a proposta de Franklin.[32] Mas devido a problemas com os direitos de adaptação, o projeto foi precedido por outro.[29] A segunda animação lançada pelos estúdios Disney é baseada em As Aventuras de Pinóquio, uma história de sucesso do escritor italiano Carlo Collodi publicado no final do século XIX,[33] cuja adaptação cinematográfica, Pinóquio, foi lançado no início de 1940,[34] seguido por outro projeto iniciado em 1937, o filme musical Fantasia, que estreou no final de 1940.[35]

O desenvolvimento de Fantasia começou com a produção do curta L'apprenti sorcier, que teve início em maio de 1937, quando o sucesso do Mickey Mouse começou a declinar.[36] Durante o processo de criação do filme, Walt Disney conheceu o maestro Leopold Stokowski e discutiu com ele sobre o projeto.[37][38] Em outubro de 1937, Walt afirmou que estava "animado pela ideia de trabalhar com Stokowski".[36][39][40] No final da década de 1930 viu-se o surgimento de muitas produções. O contrato com a RKO Pictures, que teve início em 1937, exiga a entrega de 18 curtas-metragens.[41] O estúdio continuou com a produção de projetos inacabados do início dos anos 30 e os levou à realização, tais como Moth and the Flame (1938) e Wynken, Blynken and Nod (1938).[42] Ao mesmo tempo, as equipes de redação e o departamento de licenciamento procuravam poemas e outras obras que poderiam ser adaptadas.[43] As três principais produções que foram iniciadas, mas foram adiadas, eram Cinderela, Alice no País das Maravilhas e Peter Pan.[44]

Ilustração de A Rainha da Neve, conto que Walt Disney tentou adaptar na década de 1940.

Na época de Branca de Neve e os Sete Anões (1937) Walt Disney quis adaptar uma das histórias do ciclo literário de fábulas medievais europeias Roman de Renart, do século XII, na qual todos os personagens são animais, para uma longa-metragem de animação.[45] Entretanto, do ponto de vista de Walt, a história possuía vários problemas.[46] Antes do lançamento de Branca de Neve e os Sete Anões, Walt Disney idealizava produzir um longa-metragem que misturava cenas de animação e em live-action, baseado no conto A Rainha da Neve, de Hans Christian Andersen.[47] Em março de 1940, Walt ofereceu a Samuel Goldwyn uma co-produção com o seu estúdio. A empresa de Walt iria adaptar os mais famosos contos de Andersen.[47] Mas o estúdio teve dificuldade em adaptar o conto A Rainha da Neve para o público da época,[47] e posteriormente, o filme foi abandonado.[48]

Desde a saída de Burton Gillett em 1934 da Disney, Ben Sharpsteen foi nomeado produtor de muitos filmes, incluindo a maioria dos longas-metragens do estúdio.[49] David Hall começou a trabalhar em 1939 no longa Alice no País das Maravilhas e no design gráfico de Peter Pan.[50] A produção de curtas-metragens também continuou a um ritmo frenético, com 14 produções em 1937 e 18 em 1938.[51]

Produções[editar | editar código-fonte]

Curtas-metragens de animação[editar | editar código-fonte]

Longas-metragens de animação[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Finch 2011, p. 65.
  2. a b Lambert 2006, p. 50.
  3. «Walt Disney Company is founded» (em inglês). History. Consultado em 19 de julho de 2020 
  4. Grant 1993, p. 63.
  5. Balio, Tino (2009). United Artists: The Company Built by the Stars (em inglês). Madison: University of Wisconsin Press. p. 116. 360 páginas. ISBN 978-0-299-23004-3 
  6. a b Thomas 1991, p. 66.
  7. Allan 1999, p. 35.
  8. Thomas 1991, p. 65.
  9. Maltin 1995, p. 101.
  10. a b Beck 2005, p. 11.
  11. a b Thomas 1991, p. 101.
  12. Grant 1993, p. 234.
  13. a b Allan 1999, p. 36.
  14. Grant 1993, p. 232.
  15. a b «Blanche Neige et les Sept nains L'histoire du tournage» (em francês). CinéHistory. 14 de abril de 2009. Consultado em 19 de julho de 2020. Cópia arquivada em 1 de março de 2018 
  16. Smith 1996, p. 213.
  17. Holliss et al. 1994, p. 4.
  18. Holliss et al. 1994, p. 33.
  19. Thomas 1991, p. 76.
  20. Lambert 2006, p. 53.
  21. Lenburg 2006, p. 96.
  22. Barrier 1999, pp. 125–126.
  23. Finch 1977, pp. 51–55.
  24. Merritt et al. 2006, pp. 118–119.
  25. a b c Thomas et al. 1981, p. 109.
  26. a b Maltin 1995, p. 30.
  27. Solomon 1995, p. 161.
  28. «FELIX SALTEN DIES; AUTHOR OF 'BAMBI'; Creator of Princely Deer Fled to Zurich After the German Invasion of Austria». The New York Times (em inglês). 9 de outubro de 1945. ISSN 0362-4331. Consultado em 27 de julho de 2020 
  29. a b Grant 1993, p. 189.
  30. Pryor, Thomas M. (17 de junho de 1958). «SIDNEY FRANKLIN RESIGNS AT M-G-M; Director-Producer, at Studio Since 1927, Quits in Rift -- Filming at Stanford». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 27 de julho de 2020 
  31. Lambert 2006, p. 148.
  32. a b c Thomas et al. 1981, p. 106.
  33. Disney, Walt (4 de fevereiro de 1940). «'PINOCCHIO'--HOW NOW?; Mr. Disney, the Puppet Maestro, Tells Some Secrets of His Craft». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 27 de julho de 2020 
  34. Nugent, Frank S. (8 de fevereiro de 1940). «THE SCREEN IN REVIEW; 'Pinocchio,' Walt Disney's Long-Awaited Successor to 'Snow White,' Has Its Premiere at the Center Theatre--Other New Films». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 27 de julho de 2020 
  35. Crowther, Bosley (14 de novembro de 1940). «THE SCREEN IN REVIEW; Walt Disney's 'Fantasia,' an Exciting New Departure in Film Entertainment, Opened Last Night at the Broadway». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 27 de julho de 2020 
  36. a b Lambert 2006, p. 112.
  37. Maltin 1995, p. 39.
  38. Grant 1993, p. 169.
  39. Grant 1993, p. 173.
  40. Allan 1999, p. 93.
  41. Merritt et al. 2006, pp. 45.
  42. Merritt et al. 2006, pp. 193–195.
  43. Solomon 1995, p. 66.
  44. Lambert 2006, p. 166.
  45. Grant 1993, p. 282.
  46. Grant 1993, p. 283.
  47. a b c Solomon 2014, p. 10.
  48. Hill, Jim (18 de outubro de 2013). «Countdown to Disney "Frozen" : How one simple suggestion broke the ice on the "Snow Queen" 's decades-long story problems» (em inglês). Jim Hill Media. Consultado em 27 de julho de 2020 
  49. Watts 1998, p. 1994.
  50. Lambert 2006, p. 178.
  51. Lambert 2006, p. 194.
  52. Nordyke, Kimberly (13 de março de 2014). «Disney Goes Old School With New Mickey Mouse Cartoon Shorts». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2020 
  53. «Live orchestra to animate Disney 'Silly Symphony' short films from the 1930s». Los Angeles Times (em inglês). 2 de junho de 2016. Consultado em 19 de julho de 2020 
  54. «Donald Duck Theatrical Series -Disney Studios Donald Duck Cartoons @ BCDB». Big Cartoon DataBase (BCDB) (em inglês). Consultado em 27 de julho de 2020 
  55. «Branca de Neve e os Sete Anões (1937)». Cineplayers. 25 de novembro de 2018. Consultado em 27 de julho de 2020 
  56. «Pinóquio (1940)». Cineplayers. 26 de novembro de 2018. Consultado em 27 de julho de 2020 
  57. «Fantasia (1940)». Cineplayers. 25 de novembro de 2018. Consultado em 27 de julho de 2020 
  58. «O Dragão Relutante (1941)». Cineplayers. 27 de novembro de 2018. Consultado em 27 de julho de 2020 
  59. «Dumbo (1941)». Cineplayers. 26 de novembro de 2018. Consultado em 27 de julho de 2020 
  60. «Bambi (1942)». Cineplayers. 25 de novembro de 2018. Consultado em 27 de julho de 2020 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]