Opole

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Opole
Opole flaga.svg POL Opole COA.svg
Oderpanorama.jpg
Voivodia Opole
Powiat opolski
Administrador municipal Ryszard Zembaczyński
Área 96,2 km²
População (2006) 129 553 habitantes
Densidade 1 338 hab/km²
Altitude 176 metros
Fundação 1217
Website http://www.opole.pl/
Localização
Localização de Opole na Polónia 50° 40' N 17° 56' E
Cidade da Polónia Flag of Poland.svg

Opole (alemão: Oppeln) é uma cidade no sul da Polônia às margens do rio Oder (Odra). Tem uma população de 129 553 habitantes, é a capital da Voivodia de Opole e também a sede do Condado de Opole (powiat opolski). É a capital histórica da Alta Silésia. Atualmente, muitos alemães da Alta Silésia e poloneses de ascendência alemã vivem na região de Opole e na própria cidade.

História[editar | editar código-fonte]

Vista geral de Opole.

Antes do século V a região em torno de Opole era habitada por tribos germânicas dos silingii e possivelmente burgúndios. Tribos eslavas ocidentais invadiram a área logo após as tribos germânicas terem partido para invadir o Império Romano.

Opole desenvolveu-se desde o século X como a capital regional dos eslavos opolanianos. Seus primeiros povoados foram na ilha Wyspa Piaseka no curso médio do rio Odra. No final do século a Silésia tornou-se parte da Polônia e foi governada pela dinastia dos Piast; a terra dos pagãos opolanianos foi conquistada pelo Duque Boleslau I em 1012/1013. A partir dos séculos XI-XII ela foi também um distrito administrado por um castelão. Juntamente com todo o resto da Silésia, Opole tornou-se parte do Sacro Império Romano-Germânico em 1163. Depois da morte do Duque Władysław II, o Exilado, a Silésia foi dividida, em 1163, entre os dois ramos dos Piast: o ramo Wrocławska da Baixa Silésia e o ramo Opolsko-Raciborska da Alta Silésia; Opole se tornou a capital deste último ducado em 1217. Em 1281 a Alta Silésia foi dividida entre os herdeiros dos duques e foi criado o Ducado de Opole.

Comerciantes alemães estabeleceram uma colônia em Opole no cruzamento do rio Oder, e a partir de 1217 começaram a chegar os primeiros camponeses alemães. Opole recebeu os primeiros privilégios, pela lei alemã das cidades, em 1254, que foram ampliados pela lei Neumarkt de 1327 e pelos direitos de Magdeburgo de 1410. Assim como a maior parte da Silésia, em 1327, o Ducado de Opole passou a ser governado pelo Reino da Boêmia, parte do Sacro Império Romano-Germânico. Em 1521 o Ducado de Racibórz (Ratibor) foi herdado pelo Ducado de Opole, desde então já conhecido pelo nome alemão de Oppeln. Com a morte do Rei Luís II da Boêmia na Batalha de Mohács, a Silésia foi herdada por Fernando I, que colocou Oppeln sob o governo germanizante da Monarquia dos Habsburgos da Áustria. Os Habsburgos tomaram o controle da região em 1532 depois que o ramo local dos duques Piast desapareceu. A partir de 1532 os Habsburgos entregaram o ducado em penhor para diferentes governantes. Com a abdicação do Rei João II Casimiro da Polônia como último Duque de Opole, em 1668, a região passou para o controle direto dos Habsburgos.

O Rei Frederico II da Prússia conquistou a maior parte da Silésia da Áustria, em 1740, durante as Guerras da Silésia; o controle prussiano foi confirmado na Paz de Breslau em 1742. De 1816 a 1945 Opole foi a capital da Regierungsbezirk Oppeln dentro da Prússia. A cidade tornou-se parte do Império Alemão durante a unificação da Alemanha em 1871.

Catedral de Opole.

Depois da derrota da Alemanha Imperial na Primeira Guerra Mundial, um plebiscito foi realizado em 20 de março de 1921 em Oppeln para determinar se a cidade faria parte da República de Weimar ou se tornaria parte da Segunda República da Polônia. 20 816 (94.7%) votos foram favoráveis à Alemanha, 1 098 (5.0%) à Polônia e 70 (0.3%) votos foram declarados inválidos. A participação nos votos foi de 95.9%. A parte oriental da Alta Silésia, incluindo a região industrial de Katowice (Kattowitz), foi, contudo destinada à Polônia em 1922.

Oppeln foi sede administrativa da Província da Alta Silésia de 1919 a 1939. Com a derrota da Polônia na Invasão da Polônia no início da Segunda Guerra Mundial em 1939, a parte oriental da Alta Silésia foi reintegrada à Província da Alta Silésia e Oppeln perdeu a sua condição de capital da província para Katowice (que recebeu novamente o nome de Kattowitz).

Depois do final da Segunda Guerra Mundial em 1945, Oppeln foi transferida da Alemanha para a Polônia de acordo com a Conferência de Potsdam e recebeu seu antigo nome eslavônico de Opole. Opole tornou-se parte da Voivodia de Katowice de 1946 a 1950, depois do que se tornou parte da Voivodia de Opole. Diferentemente das outras partes dos antigos territórios orientais do Império Alemão cedidos à Polônia, Opole e a região em sua volta não teve a sua população alemã expulsa do território após o término da Segunda Guerra Mundial, mesmo porque muitos dos próprios cidadãos alemães acabaram partindo para a Alemanha Ocidental a fim de fugir do Bloco Comunista. Hoje em dia Opole, assim como toda a região ao seu redor, é conhecida como um centro da minoria da Silésia de fala alemã na Polônia.

Dados populacionais[editar | editar código-fonte]

Prefeitura de Opole
Ano População
1533 ¹ 1 420
1691 1 191
1700 1 150
1746 1 161
1750 2 450
1787 2 802
1800 3 073
1816 4 050
1819 4 896
1825 5 987
1834 6 496
Ano População
1850 8 280
1858 ² 8 877
1875 12 694
1890 19 000
1905 30 112
1910 ³ 33 907
1924 43 000
1932 45 532
1936 50 561
17 de março de 1939 50 540
24 de março de 1945 170
Ano População
julho de 1945 13 000
1946 40 000
1950 50 300
1956 56 400
1960 63 500
1965 70 000
1971 87 800
1973 92 600
31 de dezembro de 1989 127 653
Censo de 1992 129 552
Censo de 2002 129 946
31 de dezembro de 2004 128 864

¹ Primeiro censo da cidade

² 8 320 habitantes de nacionalidade alemã (93,7%) e 557 de nacionalidade polonesa (6,3%)

³ 80% de fala alemã, 16% de fala polonesa ou eslava-silesiana e 4% de fala alemã e polonesa.

Minoria alemã[editar | editar código-fonte]

Vista geral de Opole

Juntamente com o idioma alemão, muitos cidadãos de Opole-Oppeln antes de 1945 usavam um dialeto fortemente de influência alemã-silesiana conhecido como Alto Silesiano, Wasserpolnisch, ou Wasserpolak. Devido a isso, a administração polonesa, depois da anexação da Silésia em 1945, não iniciou uma expulsão generalizada dos falantes da língua alemã em Opole, como a que foi feita na Baixa Silésia, onde a população só falava exclusivamente o alemão. Eles foram considerados poloneses "autóctones", os falantes do dialeto Wasserpolak receberam o direito de permanecerem em sua terra natal. Muitos falantes do idioma alemão se beneficiaram desta decisão, sendo permitido que permanecessem em sua Oppeln, mesmo sendo eles considerados de nacionalidade alemã. A cidade e seus arredores atualmente contêm a maior concentração de alemães e alto-silesianos da Polônia.

Atrações[editar | editar código-fonte]

Opole recebe anualmente o Festival Nacional da Canção Polonesa. A cidade é também conhecida pela igreja de São Adalberto de Praga, construída no século X e pela igreja da Santa Cruz do século XIV. Há ainda um zoológico, o Ogród Zoologiczny w Opolu.

Arquitetura e construções
Museus
  • O Museu Diocesano (Muzeum Diecezjalne)
  • O Museu Regional de Opole (Muzeum Śląska Opolskiego)
  • O Museu do Povoado de Opole (Muzeum Wsi Opolskiej)

Educação[editar | editar código-fonte]

Política[editar | editar código-fonte]

Estação ferroviária Główne em Opole

Membros do Parlamento (Sejm) eleitos pelo distrito eleitoral de Opole

  • Dorota Jazłowiecka, PO
  • Tadeusz Jarmuziewicz, PO
  • Ryszard Knosala, PO
  • Leszek Korzeniowski, PO
  • Sławomir Kłosowski, PiS
  • Teresa Ceglecka-Zielonka, PiS
  • Mieczysław Walkiewicz, PiS
  • Henryk Kroll, minoria alemã
  • Ryszard Galla, minoria alemã
  • Józef Stępkowski, Samoobrona
  • Sandra Lewandowska, Samoobrona
  • Tomasz Garbowski, SLD
  • Marek Kawa, LPR

Moradores famosos[editar | editar código-fonte]

Edifícios de apartamentos ao lado da praça do mercado.

Cidades irmãs[editar | editar código-fonte]

Placas indicando as direções para as cidades irmãs

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]