Guerra da Independência do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Guerra da Independência do Brasil
Brazilian independence compilation.JPG
Sentido horário, de cima para a esquerda: As Cortes Portuguesas; Tropas Portuguesas no Brasil; Pedro I a bordo da fragata União; Pedro I declara a independência do Brasil; Pedro I sendo coroado Imperador do Brasil.
Data 29 de agosto de 18218 de março de 1824
Paz firmada em 29 de agosto de 1825
Local Brasil e Uruguai
Desfecho Vitória do Brasil e unidade territorial do Império definida
Beligerantes
Flag Kingdom of Brazil.svg Independentistas brasileiros (até setembro de 1822)
Império do Brasil Império do Brasil
Flag of the United Kingdom of Portugal, Brazil, and the Algarves.svg Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves

Apoio:

Flag Kingdom of Brazil.svg Legalistas Brasileiros
Comandantes
Políticos
Império do Brasil José Bonifácio de Andrada e Silva
Império do Brasil Maria Leopoldina
Império do Brasil Joaquim Gonçalves Ledo
Império do Brasil Cipriano Barata
Império do Brasil Marquês de Barbacena
Império do Brasil Gervásio Pires Militares
Império do Brasil Dom Pedro I
Império do Brasil Barão de Laguna
Império do Brasil Joaquim Xavier Curado
Império do Brasil José Joaquim de Lima e Silva
Império do Brasil Joaquim Pires de Carvalho e Albuquerque
Império do Brasil Thomas Cochrane
Império do Brasil Pedro Labatut
Políticos
Flag of the United Kingdom of Portugal, Brazil, and the Algarves.svg D. João VI
Flag of the United Kingdom of Portugal, Brazil, and the Algarves.svg Filipe Ferreira de Araújo e Castro
Flag of the United Kingdom of Portugal, Brazil, and the Algarves.svg Conde de Subserra
Flag of the United Kingdom of Portugal, Brazil, and the Algarves.svg Luís do Rego Barreto
Militares
Flag of the United Kingdom of Portugal, Brazil, and the Algarves.svg Jorge de Avilez Zuzarte de Sousa Tavares
Flag of the United Kingdom of Portugal, Brazil, and the Algarves.svg Inácio Luís Madeira de Melo
Flag of the United Kingdom of Portugal, Brazil, and the Algarves.svg João José da Cunha Fidié
Flag of the United Kingdom of Portugal, Brazil, and the Algarves.svg Luís Paulino d'Oliveira Pinto da França
Forças
+28 000[carece de fontes?]

Navios em 1822:
1 navio de linha
4 fragatas
2 corvetas
5 brigues
6 escunas
20 pequenos navios
Total:
38 navios

Navios em 1824:
90 navios
+18 000[carece de fontes?]

Navios:[1]
1 navio de linha
2 fragatas
1 "Charrua"
10 corvetas
3 brigues
1 escunas
1 "Sumaca" ("Smak")
1 barca
35 outros pequenos navios
Total:
55 navios

A Guerra da Independência do Brasil é uma série de eventos ocorridos entre 1821 a 1824, no contexto do processo de Independência do Brasil. Formalmente encerrada em 1825, quando a independência foi formalmente reconhecida por Portugal e pelo Reino Unido, por meio da assinatura do Tratado de Amizade e Aliança firmado entre Brasil e Portugal. A Guerra da Independência pode ser considerada uma guerra civil Luso-Brasileira, já que Portugueses e Brasileiros combateram em ambos os lados.

O que começou com a expulsão dos exércitos portugueses de Pernambuco em 1821, se transformou, após a proclamação da independência do Brasil, a 7 de setembro de 1822, em lutas mais encarniçadas nas regiões onde, por razões estratégicas, se registrava maior concentração de tropas portuguesas, a saber, nas então províncias Cisplatina, da Bahia, do Piauí, do Maranhão e do Grão-Pará.[2][3][4][5] Recorde-se que a maior parte da oficialidade das tropas brasileiras era de origem portuguesa.

Desse modo, o recém-formado governo brasileiro (não reconhecido pelo governo português, que ainda considerava o Brasil parte integrante do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves e que via os líderes brasileiros como rebeldes separatistas que haviam traído o Império Português), por meio de seu Ministro José Bonifácio de Andrada e Silva, adotou as providências para eliminar a resistência portuguesa. Para esse fim providenciou a compra de armas e navios, o recrutamento de tropas nacionais e o contrato de estrangeiros (mercenários), bem como medidas repressivas como o confisco de bens e a expulsão daqueles que não aceitassem a emancipação política do Brasil. No plano econômico, proibiu-se o comércio, e, no diplomático, autorizou-se a guerra de corso, contra Portugal.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Embarque da Família Real portuguesa no cais de Belém em Lisboa, no dia 29 de Novembro de 1807.

Em 27 de novembro de 1807, a família real portuguesa, escoltada pela esquadra britânica, escapou da invasão napoleônica ao seu país e rumaram ao Brasil. A colônia, então, transformou-se na sede temporária do governo português. Acompanhando a família real, vieram 15 000 nobres e criados da corte e a maior parte da pequena marinha portuguesa (8 navios de linha, 4 fragatas, 5 corvetas e 3 escunas).

O Brasil imediatamente experimentou uma significante mudança social, econômica e política. O país, quase que da noite para o dia, passou de uma colônia ultramar para a sede do Império Português. Os portos brasileiros foram imediatamente abertos para o comércio com as nações aliadas a Portugal; a Grã-Bretanha foi a primeira beneficiada.

O Brasil logo se viu envolvido em campanhas militares. A Guiana francesa foi brevemente ocupada (1809-1817), e a Banda Oriental (Uruguai) foi anexada aos domínios portugueses como Província da Cisplatina em 1821.

Conjuração Mineira[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Inconfidência Mineira

A Conjuração Mineira foi uma conspiração de natureza separatista que ocorreu na então capitania de Minas Gerais, Estado do Brasil, entre outros motivos, contra a execução da derrama e o domínio português, sendo reprimida pela Coroa portuguesa em 1789[6].

Conjuração Carioca[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Conjuração Carioca

A Conjuração Carioca foi uma associação de intelectuais que se reuniam, no Rio de Janeiro, em torno de uma sociedade literária, no fim do século XVIII, encarada pela coroa portuguesa como crime de inconfidência.[7] Após a denúncia por conduta política suspeita contra o líder Manuel Inácio de Souza Alvarenga, a Sociedade Literária do Rio de Janeiro[8] é fechada em 1794.[9] Um processo de devassa foi aberto e se estendeu de 1794 a 1795, sem que fossem encontradas provas conclusivas de que uma conspiração se encontrava em curso, além de livros de circulação proibida. Desse modo, os implicados detidos foram libertados.

Conjuração Baiana[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Conjuração Baiana

A Conjuração Baiana, também conhecida como "Revolta dos Alfaiates", foi o primeiro movimento independentista do que hoje se conhece como Nordeste do Brasil. Ocorrido em 1798, tinha entre seus objetivos proclamar uma república e abolir a escravidão na Bahia. Os líderes negros e pobres da conspiração foram punidos com forca, esquartejamento ou exílio na África, enquanto que os mais abastados foram presos ou absolvidos.[10] Entre as lideranças da conjuração, havia Cipriano Barata, médico, jornalista e liberal baiano que acabaria por influenciar a Revolução Pernambucana. Barata foi preso em Recife por disseminar ideais iluministas no jornal Sentinela da Liberdade na Guarita de Pernambuco.[11]

Revolução Pernambucana[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Revolução Pernambucana
Revolução Pernambucana de 1817: movimento é considerado o precursor da Independência do Brasil.[12]

A Revolução Pernambucana, também conhecida como "Revolução dos Padres", foi um movimento emancipacionista que eclodiu no dia 6 de março de 1817 em Pernambuco, no Brasil.[13][14] Dentre as suas causas, destacam-se a influência das ideias iluministas propagadas pelas sociedades maçônicas, o absolutismo monárquico português e os enormes gastos da Família Real e seu séquito recém-chegados ao Brasil — a capitania de Pernambuco, então a mais lucrativa da colônia, era obrigada a enviar para o Rio de Janeiro grandes somas de dinheiro para custear salários, comidas, roupas e festas da Corte, o que dificultava o enfrentamento de problemas locais (como a seca ocorrida em 1816) e ocasionava o atraso no pagamento dos soldados, gerando grande descontentamento no povo pernambucano.[14][15][16]

Único movimento separatista do período de dominação portuguesa que ultrapassou a fase conspiratória e atingiu o processo de tomada do poder, a Revolução Pernambucana provocou o adiamento da aclamação de Dom João VI como rei e o atraso da viagem de Maria Leopoldina de Áustria para o Rio de Janeiro, mobilizando forças políticas e suscitando posicionamentos e repressões em todo o Reino do Brasil.[15][17][18][19] O príncipe regente impôs uma repressão violenta, e desmembrou a então comarca das Alagoas do território pernambucano. Apenas na data de sua coroação, em 6 de fevereiro de 1818, Dom João ordenou o encerramento da devassa.[20][21][22]

A Revolução Pernambucana contou com relativo apoio internacional: os Estados Unidos, que dois anos antes tinham instalado no Recife o seu primeiro Consulado no Brasil e no Hemisfério Sul devido às relações comerciais com Pernambuco, se mostraram favoráveis ao movimento, bem como os ex-oficiais de Napoleão Bonaparte que pretendiam resgatar o seu líder do cativeiro em Santa Helena, levá-lo a Pernambuco e depois a Nova Orleans.[23][24]

Os revolucionários, oriundos de várias partes da colônia, tinham como objetivo principal a conquista da independência da América Portuguesa (Brasil) em relação a Portugal, com a implantação de uma república liberal. O movimento abalou a confiança na construção do império americano sonhado por Dom João VI, e por este motivo é considerado o precursor da independência conquistada em 1822.[12]

Revolução do Porto[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Revolução liberal do Porto

Por pressão das cortes portuguesas e após tempos de adiamento, D. João VI, rei de Portugal e do Brasil (que foi elevado ao mesmo status de Portugal em 1815), relutantemente voltou à Europa em 26 de abril de 1821, junto com uma comitiva de 3 000 pessoas, deixando seu filho Pedro, o príncipe regente, no comando. Especula-se que a última advertência de Dom João VI ao filho foi:

O rei obviamente estava se referindo a líderes revolucionários como George Washington, Simón Bolívar, José de San Martín, entre outros, que em breve poderiam surgir no Brasil e causar uma guerra de independência. A partida de Dom João VI acabou com grande parte da ligação entre o Brasil e o Império Português. Muitos brasileiros tinham animosidades com os portugueses. O mercantilismo criou um abismo entre as duas sociedades. Os que retornaram a Portugal com Dom João VI carregaram tudo que puderam, inclusive dinheiro do Banco do Brasil.

Com o retorno do rei à Europa, as Cortes (legislatura) estavam determinadas a reduzir o Brasil à condição de colônia novamente e voltar a subjugar o país com numerosas restrições. A presença de Pedro no Brasil era um obstáculo aos planos das Cortes. Em setembro de 1821, não obteve sucesso a tentativa de chamar de volta o príncipe regente, o qual, a princípio, não conseguiu se decidir entre ficar no Brasil ou partir para a Europa. Dom Pedro mandou voltar para Lisboa a esquadra portuguesa enviada para buscá-lo, o que enfureceu as Cortes.

Ainda em setembro de 1821, as Cortes tentaram reimplantar o antigo sistema administrativo que dividia o Brasil em capitanias, respondendo diretamente a Portugal, tornando a posição de D. Pedro no Brasil irrelevante. Tal mudança burocrática era lenta e inadequada para resolver os problemas do país.

Convenção de Beberibe[editar | editar código-fonte]

Em 5 de outubro de 1821, os exércitos portugueses renderam-se em Pernambuco, e o governador Luís do Rego Barreto, deposto e ferido, retornou à Europa.
Ver artigo principal: Convenção de Beberibe

Pernambuco foi a primeira província brasileira a se separar do Reino de Portugal. No dia 29 de agosto de 1821, teve início um movimento armado contra o governo do capitão general Luís do Rego Barreto — o algoz da Revolução Pernambucana —, culminando com a formação da Junta de Goiana, tornando-se vitorioso com a rendição das tropas portuguesas em capitulação assinada a 5 de outubro do mesmo ano, quando da Convenção de Beberibe, responsável pela expulsão dos exércitos portugueses do território pernambucano.[2][3][4][5]

O Movimento Constitucionalista de 1821 é considerado o primeiro episódio da Independência do Brasil.[2]

Dia do Fico[editar | editar código-fonte]

Fevereiro de 1822: Dom Pedro (à direita) ordena ao oficial português Jorge de Avilez de Souza Tavares (à esquerda) que retorne a Portugal após sua rebelião fracassada.
Ver artigo principal: Dia do Fico

Em 9 de janeiro de 1822 foi levado ao príncipe regente um abaixo-assinado com 8.000 assinaturas de aristocratas e representantes do comércio. O documento pedia sua permanência no Brasil e lhe oferecia a possibilidade de reinar sobre um império na América. Assim, Dom Pedro proclamou o Fico ("Como é para o bem de todos e felicidade geral da nação, estou pronto, diga ao povo que eu fico"). Como consequência, em 11 de janeiro, 2 mil homens da principal guarnição militar portuguesa na cidade do Rio de Janeiro, conhecida como "Divisão Auxiliadora", ocuparam o Morro do Castelo, elevação que antigamente dominava o Centro e a zona portuária da cidade. A divisão havia acabado de voltar da luta no Uruguai. O comandante, Tenente-General Jorge de Avilez de Souza Tavares, queria forçar o insolente e desobediente (em seu ponto de vista) príncipe Dom Pedro a retornar para Portugal. Na mobilização do povo contra as tropas de Avilez, destacou-se o Clube de Resistência, recém-criado no Rio de Janeiro. Jorge de Avilez logo percebeu que suas ações eram desaprovadas pela maioria dos residentes da cidade, e finalmente zarpou para Portugal em 15 de fevereiro. Logo após a partida de Avilez, reforços sob o comando do General Francisco Maximiliano de Souza também foram pressionados a retornar para a Europa, deixando uma importante contribuição para a nascente Marinha do Brasil: a fragata Real Carolina, com 44 canhões.

Como reação ao "Fico", os ministros portugueses no Brasil pediram demissão. Dom Pedro formou então um novo ministério, no qual se destacou o estudioso brasileiro José Bonifácio de Andrada e Silva pela sua ação em prol da independência.

Enquanto esses eventos se desenrolavam, o jovem príncipe era aconselhado por sua esposa, Leopoldina, uma arquiduquesa austríaca, e por José Bonifácio, a como conseguir a independência. Muitos brasileiros, principalmente os mais abastados, testemunhavam as longas guerras pela independência na América espanhola, e queriam evitar destino semelhante. Após uma declaração formal de independência em 7 de setembro de 1822, o príncipe se tornou Pedro I, Imperador Constitucional e Perpétuo Defensor do Brasil.

Forças oponentes[editar | editar código-fonte]

D. Pedro proclamando a independência do Brasil às margens do riacho Ipiranga, por Pedro Américo.

A população do Brasil na virada do século era de 3,4 milhões. 3/5 dela eram homens livres, a maior parte proveniente da mistura entre sangue africano, indígena e português. Os brancos nascidos em Portugal eram chamados de Reinóis, enquanto que os brancos nascidos no Brasil eram conhecidos por Mazombos. A minoria branca, principalmente os nascidos em Portugal, detinham o poder político, assim como grande parte do poder econômico. Os 2/5 restantes da população eram compostos por escravos negros.

É difícil precisar quantos Reinóis viviam no Brasil em 1822, já que todos os caucasianos eram súditos de Portugal. A maioria da população vivia próximo ao mar, concentrando-se nas províncias de Pernambuco, Bahia e Minas Gerais. Essas três regiões dominavam a vida econômica e política da colônia, sendo o seu controle estratégico. Pernambuco era uma próspera região produtora de açúcar, lavoura de grande valor à época. Ao sul, a Bahia produzia açúcar, algodão, melaço e tabaco. O nordeste brasileiro era a região mais densamente povoada e rica da colônia. Mais ao sul ainda, localizava-se o Rio de Janeiro, que controlava o ouro e os diamantes das Minas Gerais.

Os partidos (Liberal-Radical, Português e Brasileiro) viam os navios de guerra portugueses espalhados pelo país (a maioria em mau estado de conservação) como o instrumento militar através do qual a vitória poderia ser atingida. No começo de 1822, a Marinha Portuguesa contava com um navio de linha, duas fragatas, quatro corvetas, dois brigues, e quatro belonaves de outras categorias em águas brasileiras. Além disso, os portugueses controlavam Salvador, principal polo da indústria naval lusa até então. Havia cerca de 10 000 soldados portugueses e unidades da cavalaria real confiáveis ao longo da costa do Atlântico. Cerca de 3 000 soldados estavam envolvidos no cerco a Montevidéu, um número similar de soldados ocupavam a capital baiana, e o resto das tropas estava espalhada pela região.

Os navios de guerra disponíveis de imediato para a nova Marinha Brasileira eram mais numerosos, mas em péssimo estado de conservação. Várias embarcações de desenho ultrapassado, que trouxeram a Família Real e a Corte portuguesa ao Brasil em 1808, estavam abandonados no cais do Rio de Janeiro, mas os seus cascos estavam carcomidos pela craca e outros animais marinhos, sendo de pouco valor. Conforme cálculos do historiador naval britânico Brian Vale, o Brasil podia contar com, no máximo, oito navios de guerra confiáveis, com um total de duzentos canhões, enquanto que as embarcações portuguesas contavam com pelo menos o dobro do armamento.[26]

O agente brasileiro em Londres, Marquês de Barbacena (Marechal Felisberto Caldeira Brant) recebeu ordens para adquirir navios de guerra totalmente equipados e tripulados a crédito. Nenhum fornecedor, entretanto, estava disposto a assumir os riscos. Finalmente, foi realizada oferta pública de ações, tendo o novo Imperador subscrito pessoalmente 350 delas, inspirando outros a fazerem o mesmo. Assim, o novo governo logrou êxito em arrecadar recursos para adquirir uma frota. Com a independência o Arsenal de Guerra do Rio de janeiro passa a ser usado para a fabricação de armamento e munição.[27]

Revista das Tropas Destinadas a Montevidéu na Praia Grande, em 7 de junho de 1816 (aquarela de Jean-Baptiste Debret).

Arranjar tripulações foi outro difícil problema. Um número significante de antigos oficiais e marinheiros portugueses vindos juntos com a Corte de D. João VI em 1808 voluntariaram-se para servir à nova nação e juraram-lhe fidelidade. A sua lealdade, entretanto, estava sob suspeitas. Por este motivo, oficiais e marujos britânicos foram recrutados para suprir a deficiência e acabar com a dependência em relação aos portugueses. Havia tão pouca oferta de marinheiros que prisioneiros chegaram a receber indulto para servir a frota.

O Exército Português no Brasil era composto por tropas de linha e milicianos. Todos os soldados eram nomeados pela Corte de Lisboa. Em 1817, uma revolta republicana eclodiu em Pernambuco. Como consequência, 2 mil soldados da "Divisão Auxiliar" foram enviados ao Brasil. Com a chegada das tropas lusas, oficiais nativos do Brasil passaram a não ser mais investidos de grandes responsabilidades.

Campanhas de Independência[editar | editar código-fonte]

Estratégias iniciais[editar | editar código-fonte]

A influência de Portugal sobre o Brasil era mantida pelas guarnições em portos estratégicos. Parte da estratégia portuguesa para retomar o controle do Brasil e impedir a independência de sua colônia mais importante era recuar as tropas em Montevidéu e usá-las para reforçar as guarnições na Bahia. Esperava-se que essas tropas reconquistariam a Bahia, enquanto a Marinha Portuguesa bloquearia o Rio de Janeiro e por consequência o reconquistariam. A estratégia de Dom Pedro era isolar as guarnições portuguesas e forçá-las, uma por uma, a se render.

Separação[editar | editar código-fonte]

Durante 1822, os habitantes do Brasil tomaram partido nos eventos políticos que se desenrolaram no Rio de Janeiro e em Lisboa. Houve cisão no Exército luso-brasileiro que ocupava a Cisplatina (Uruguai). Regimentos portugueses recuaram para Montevidéu e foram cercados pelos ex-companheiros, os brasileiros, liderados pelo Barão de Laguna. No remoto e pouco populado norte do Pará e Maranhão, juntas pró-portuguesas declararam lealdade a Portugal. Pernambuco era favorável à independência, mas, na Bahia, não havia consenso entre a população.

A campanha da Cisplatina[editar | editar código-fonte]

Nessa província, que hoje é o Uruguai, o Comandante de Armas, D. Álvaro da Costa não aderiu ao recém-criado Império do Brasil, entrando em conflito com o general Frederico Lecor, responsável pela ocupação da área que foi anexada ao Brasil durante o governo de D. João VI, sendo que Álvaro da Costa conseguiu o controle sobre Montevidéu, a capital da província, o que forçou Lecor a recuar suas tropas para o interior da Cisplatina. A região encontrava-se dividida entre imperiais e lusitanos. Após armistício com as tropas fiéis às cortes de Lisboa, em março de 1824, Lecor adentrou Montevidéu, findando assim nesta cidade platina o último reduto da resistência lusa na América.[28] Em 1825, os orientais (uruguaios), liderados por Juan Antonio Lavalleja e Fructuoso Rivera, em decorrência de promessas de autonomia não cumpridas pelo governo central do Rio de Janeiro, iniciariam a luta pela sua própria independência, levando à Guerra da Cisplatina.

A campanha da Bahia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Independência da Bahia

Com a Revolução do Porto, a população da Bahia dividiu-se, e os conflitos entre brasileiros (contra a recolonização) e portugueses (a favor da recolonização) aumentaram. A área tradicionalmente produtora de açúcar e de tabaco do Recôncavo, dominada pelos grandes latifundiários escravistas, desde cedo se manifestara pela causa brasileira, sob a liderança da vila de Cachoeira. A capital da Província, Salvador, então ocupada pelas tropas do Exército Português sob o comando do Governador das Armas, Inácio Luís Madeira de Melo, mantinham os laços com a Metrópole.

Com a divulgação da notícia da proclamação da Independência, as vilas do Recôncavo baiano, sob a liderança da vila de Cachoeira, em cuja Câmara Municipal se instalou um governo interino, mobilizaram-se para expulsar as tropas portuguesas entrincheiradas em Salvador, reforçadas desde os acontecimentos que haviam culminado no Dia do Fico (9 de janeiro de 1822). Esse processo de reforço de tropas foi marcado por diversos incidentes em Salvador, entre os quais o assassinato, por soldados portugueses, da abadessa do Convento da Lapa, Sóror Joana Angélica de Jesus (19 de Fevereiro).

Para apoiar e reforçar os rebeldes brasileiros na região, que haviam criado batalhões patrióticos formados por voluntários da capital e do interior da província, o governo brasileiro despachou, da Corte, alguns navios sob o comando de Rodrigo de Lamare, conduzindo tropas e suprimentos, inclusive um oficial experimentado nas campanhas napoleônicas, Pierre Labatut. Este efetivo desembarcou em Maceió, em Alagoas, de onde seguiu, por terra, para a Bahia. Durante a marcha, o contingente foi reforçado por efetivos vindos de Pernambuco, do Rio de Janeiro e do amplo voluntariado que se abrira no Recôncavo.

O Exército brasileiro adentrando Salvador após a retirada das forças portuguesas, 1823.

Entre esses voluntários destacaram-se nomes como os de Maria Quitéria, no Batalhão dos Periquitos, criado pelo avô do poeta Castro Alves - José Antônio da Silva Castro -, assim denominado pelo predomínio da cor verde em sua farda. Outros que também se voluntariaram foram os irmãos Antônio Pereira Rebouças e Manuel Maurício Rebouças, homens negros, filhos de uma escrava liberta (eles foram respectivamente, o pai e o tio do abolicionista André Rebouças).

De Portugal, foram enviados 2 500 homens para reforçar as tropas de Madeira de Melo. A este efetivo juntaram-se elementos da Divisão Auxiliadora, que se retirava do Rio de Janeiro.

As vitórias brasileiras nas batalhas de Cabrito e de Pirajá (8 de novembro de 1822), bem como o fracasso na tentativa portuguesa de ocupação da ilha de Itaparica (7 de janeiro de 1823), tornaram cada vez mais difícil o sustento da posição por parte do Exército Português. Diante do bloqueio naval de Salvador, imposto pela esquadra imperial sob o comando de Lord Thomas Cochrane, complementado pelo bloqueio terrestre, que conjugados, impediam o suprimento do efetivo lusitano, Madeira de Melo foi forçado a capitular, abandonando Salvador (2 de Julho), que estava sob uma situação dramática: devido ao cerco faltavam alimentos e doenças matavam os mais fracos. Então com a vitória a cidade foi tomada pelas tropas brasileiras. Na ocasião Cochrane aprisionou várias embarcações de bandeira portuguesa ("Prontidão", "Leal Portuguesa", "Pizarro", "Carolina" e "Conde de Peniche"), perseguindo as demais até às proximidades de Lisboa.

A campanha do Piauí[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Batalha do Jenipapo

Na então Província do Piauí, tradicional produtora de gado, a burguesia comercial e mesmo os proprietários de terras, estavam ligados à Metrópole, inclusive por laços de sangue. Aqui, a adesão à Independência do Brasil foi proclamada na vila de Parnaíba. O interior e a capital, Oeiras, permaneceram sob o controle de tropas do Exército português sob o comando do Governador das Armas do Piauí, major João José da Cunha Fidié. Mesmo diante do recebimento de reforços vindos da então Província do Ceará comandadas pelo capitão-mor do Crato, José Pereira Filgueiras, as tropas brasileiras foram inicialmente derrotadas na batalha do Jenipapo (13 de março de 1823), ocorrida no atual município de Campo Maior, às margens do rio Jenipapo. Outras localidades, entretanto, manifestaram a sua adesão à Independência, alcançando a vitória quando Fidié se deslocou para apoiar a resistência portuguesa na vila de Caxias, no Maranhão, onde capitulou.[29][30]

A campanha do Maranhão[editar | editar código-fonte]

Também na Província do Maranhão, as elites agrícolas e pecuaristas eram muito ligadas à Metrópole. À época, o Maranhão era uma das mais ricas províncias da América Portuguesa. O intenso tráfego marítimo com a Metrópole, justificado pela maior proximidade com a Europa, tornava mais fácil o acesso e as trocas comerciais com Lisboa do que com o restante da colônia. Os filhos dos comerciantes ricos estudavam em Portugal. A região era conservadora e avessa aos comandos vindos do Rio de Janeiro. Foi da Junta Governativa da Capital, São Luís, que partiu a iniciativa da repressão ao movimento da Independência no Piauí. A Junta controlava ainda a região produtora do vale do rio Itapecuru, onde o principal centro era a vila de Caxias. Esta foi a localidade escolhida pelo major Fidié para se fortificar após a derrota definitiva na Batalha do Jenipapo, no Piauí, imposta pelas tropas brasileiras, compostas por contingentes oriundos do Piauí e do Ceará. Fidié teve que capitular, sendo preso em Caxias e depois mandado para Portugal, onde foi recebido como herói. Tais combates da Guerra da Independência também serviram como batismo de fogo para o jovem Luís Alves de Lima e Silva, futuro duque de Caxias.

Lentamente os brasileiros foram conquistando o apoio de várias cidades e povoados maranhenses, e aos poucos, os portugueses foram sendo derrotados. Contudo, a capital, São Luís, permanecia controlada pelos portugueses. Enviada do Rio de Janeiro, uma frota comandada por Lord Cochrane aproximou-se de São Luís fingindo ser reforços portugueses. Cochrane conseguiu desembarcar seus homens e aprisionou alguns chefes militares portugueses. Usando-os como reféns, conseguiu conquistar o controle da cidade.

São Luís, a capital provincial e tradicional reduto português, finalmente bloqueada pelo mar e ameaçada de bombardeio pela esquadra de Thomas Cochrane, foi obrigada a se render, aderindo à Independência em 28 de julho de 1823.

A campanha do Pará[editar | editar código-fonte]

O Grão-Pará, localizado na região amazônica, foi a última província a aderir à Independência do Brasil.[31]

A burguesia comercial e os proprietários de terra do Grão-Pará se encontravam profundamente ligados à Metrópole, e a Revolução do Porto também havia provocado reações contraditórias nesta província. Inicialmente, portugueses e brasileiros se uniram com a decisão das Cortes de criar uma monarquia constitucional, porém, quando as Cortes decidiram recolonizar o Brasil, o padrão de reação que havia ocorrido na Bahia se repetiu: brasileiros contra a recolonização de um lado, e portugueses a favor da decisão das Cortes de outro. Em abril de 1823 chegou de Portugal o brigadeiro José Maria de Moura, para governar a província. Em 1º de março, os primeiros combates tiveram início, porém as tropas portuguesas reagiram com violência. Várias pessoas morreram e foram feridas e 267 foram presas.

Em agosto de 1823, D. Pedro I enviou para Belém um navio comandado por John Pascoe Grenfell. Usando de astúcia anunciou que uma grande esquadra estaria chegando a Belém e que qualquer resistência por parte dos lusitanos seria inútil. Com medo da ameaça, os portugueses não reagiram, e a província de Grão-Pará se incorporou ao Império do Brasil no dia 15 daquele mês.

Porém a mentira não durou muito. Como a "esquadra" nunca chegava, os portugueses reiniciaram as perseguições aos rebeldes simpatizantes da independência. A violência iniciada pelos portugueses foi revidada com mais violência pelos brasileiros. Aqui, Grenfell, subordinado a Cochrane, pretendendo acabar com os conflitos, impôs a aceitação da Independência também recorrendo ao bloqueio naval, sob ameaça de bombardear a capital, Belém (15 de agosto). Tendo sido eleita uma Junta Governativa (17 de Agosto), explodiu uma violenta reação popular, que obrigou Grenfell a desembarcar tropas e efetuar prisões em massa, visando a restabelecer a ordem pública. Grenfell chegou a convocar a população para uma reunião, em frente ao palácio do governo. Com a população reunida, escolheu cinco soldados ao acaso, e mandou executá-los. A 19 de Agosto, sem que houvesse cárceres suficientes em terra, a pedido da Junta, Grenfell autorizou encerrar nos porões do brigue "São José Diligente" (depois "Palhaço"), duzentos e cinquenta e sete detidos, onde todos, menos um (duzentos e cinquenta e seis, menos quatro, em outras fontes) morreram asfixiados. Dessa maneira, Grenfell apaziguou os conflitos na província. Embora posteriormente Grenfell tenha se defendido argumentando não ter ordenado o massacre no Brigue Palhaço, também nada fez para responsabilizar ou punir os responsáveis.

Guerra no Mar[editar | editar código-fonte]

Exército do Império do Brasil ataca as forças confederadas no Recife, em 1824, no contexto da Confederação do Equador, principal reação contra a política centralizadora de D. Pedro I.

A campanha naval pelo lado brasileiro foi liderada por Thomas Cochrane. A então nascente Marinha Brasileira experimentou de início uma série de contratempos, devido à sabotagem exercida pelo alto número de portugueses que faziam parte de suas tripulações quando do início das conflagrações em terra. Porém, já em 1823 a Marinha havia sido reformada e os membros portugueses substituídos por brasileiros natos, que incluía recrutamento à força tanto de escravos libertos, quanto de brancos livres, sob o comando de mercenários britânicos e americanos. Tal reformulação foi fundamental para que marinha brasileira conseguisse não só limpar a costa da presença inimiga e isolar as restantes tropas terrestres portuguesas, como no final de 1823, perseguisse os restantes navios de guerra lusitanos através do Atlântico até a foz do Rio Tejo.[32]

Porém, apesar da derrota militar e da pressão diplomática exercida pelo Reino Unido, somente em 29 de Agosto de 1825, Portugal reconheceu a independência do Brasil com a assinatura do Tratado de Amizade e Aliança entre Brasil e Portugal.

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

O número de combatentes na guerra de independência brasileira foi maior do que o número de combatentes nas batalhas ocorridas nas guerras de libertação da América Espanhola, da mesma época.[33] Apesar disto, não há estatísticas confiáveis em relação à precisão do número de mortes em combate. A soma das oficialmente confirmadas com as inferidas pelas informações sobre os confrontos ocorridos (porém sem registros oficiais da época), dão a estimativa que a guerra de independência brasileira tenha custado entre 2 000 e 3 000 mortos.[34]

Monumento à Independência do Brasil[editar | editar código-fonte]

O Monumento à Independência do Brasil, também chamado de Monumento do Ipiranga ou Altar da Pátria, é um conjunto escultórico em granito e bronze pertencente ao Parque da Independência. Localiza-se na cidade de São Paulo, às margens do Riacho do Ipiranga.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. RODRIGUES, José Honório. Independência: Revolução e Contra-Revolução - As Forças Armadas. Rio de Janeiro: F. Alves, 1975, p.218
  2. a b c «A Convenção de Beberibe; o primeiro episódio da independência do Brasil». Google Livros. Consultado em 27 de abril de 2017 
  3. a b «A Confederação do Equador». Histórianet. Consultado em 27 de abril de 2017 
  4. a b «Gervásio Pires Ferreira». Fundação Joaquim Nabuco. Consultado em 27 de abril de 2017 
  5. a b «Independência do Brasil é tema de passeio turístico neste sábado». Diario de Pernambuco. Consultado em 27 de abril de 2017 
  6. MAXWELL, Kenneth. A devassa da devassa - A Inconfidência Mineira: Brasil e Portugal 1750-1808.
  7. Arquivo[ligação inativa] Portal Portal EducaBrasil
  8. Conjuração Carioca[ligação inativa] Portal São Francisco
  9. «Inconfidência Carioca – Rio de Janeiro | Revoltas | Impressões Rebeldes». www.historia.uff.br. Consultado em 10 de fevereiro de 2021 
  10. «Conjuração Baiana (1798)». Toda Matéria. Consultado em 30 de maio de 2021 
  11. Azedo, Luiz Carlos (7 de janeiro de 2020). «Nas entrelinhas: Sentinelas da liberdade». Luiz Carlos Azedo. Consultado em 30 de maio de 2021 
  12. a b «Revolução Pernambucana - Considerada o berço da democracia brasileira, revolta completa 200 anos». UOL. Consultado em 3 de julho de 2019 
  13. «Pernambuco 1817 – A Revolução». Biblioteca Nacional. Consultado em 8 de julho de 2019 
  14. a b «Revolução pernambucana de 1817: a "Revolução dos Padres"». Fundação Joaquim Nabuco. Consultado em 16 de abril de 2017 
  15. a b Renato Cancian (31 de julho de 2005). «Revolução pernambucana: República em Pernambuco durou 75 dias». Consultado em 1 de março de 2015 
  16. «Revolução Pernambucana de 1817». InfoEscola. Consultado em 21 de junho de 2015 
  17. «República de 1817». Arquivo Nacional. Consultado em 20 de março de 2019 
  18. «Catálogo de Manuscritos — Autores — Leopoldina». Fundação Biblioteca Nacional. Consultado em 24 de março de 2019 
  19. «Biblioteca Nacional abre exposição sobre Revolução Pernambucana». O Globo. Consultado em 24 de março de 2019 
  20. «Instruções de Dom João VI para devassa e sentenças contra rebeldes em Pernambuco». UFF. Consultado em 8 de julho de 2019 
  21. «Autoridades Reais». Biblioteca Nacional. Consultado em 8 de julho de 2019 
  22. GOMES, Laurentino. 1808 - Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil. São Paulo : Editora Planeta do Brasil, 2007, p.265-73.
  23. «O resgate de Napoleão». História Viva. Consultado em 12 de maio de 2015 
  24. «Consulado Geral dos EUA em Recife». Embaixada e Consulados dos EUA no Brasil. Consultado em 24 de junho de 2016 
  25. «D. Pedro IV - 26-Abril-1821 - A Corte parte do Brasil para Portugal». www.dpedroiv.parquesdesintra.pt. Consultado em 24 de outubro de 2015 
  26. Bibliografia - VALE, Brian. Independence or Death: British sailors and brazilian independence, 1822-1825. Londres: I.B. Tauris Publishers, 1996, p. 13 e 14 apud GOMES, Laurentino. 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram D. Pedro a criar o Brasil, um país que tinha tudo para dar errado. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010, p. 166.
  27. «Google Maps». Google Maps. Consultado em 11 de agosto de 2021 
  28. «FERREIRA, Fábio. O general Lecor, os Voluntários Reais, e os conflitos pela independência do Brasil na Província Cisplatina: 1822-1824. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) da Universidade Federal Fluminense (UFF): Niterói, 2012.» (PDF). Consultado em 27 de agosto de 2016 
  29. MATTOS, João Batista de (Tenente-coronel). Os Monumentos Nacionais - Piauí. Rio de Janeiro; Imprensa Militar, 1949
  30. GOMES, Laurentino. 1822: como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram D. Pedro a criar o Brasil, um país que tinha tudo para dar errado / Laurentino Gomes - Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 2010, ISBN 978-85-209-2409-9
  31. «Feriado lembra a adesão do Pará à Independência do Brasil». G1. Consultado em 4 de agosto de 2019 
  32. Bibliografia - Gomes, Laurentino 2010 Visualização Google Livros
  33. Ibidem, Gomes 2010. Visualização Google Livros
  34. Ibidem, Gomes 2010.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CALMON, Pedro. História do Brasil (7 vols.). Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1959.
  • CALÓGERAS, Pandiá. Formação Histórica do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1935.
  • DONATO, Hernâni. Dicionário das Batalhas Brasileiras. São Paulo: Editora Ibrasa, 1987.
  • FERREIRA, Fábio. O general Lecor, os Voluntários Reais, e os conflitos pela independência do Brasil na Província Cisplatina: 1822-1824. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) da Universidade Federal Fluminense (UFF): Niterói, 2012. Disponível em:http://www.historia.uff.br/stricto/td/1408.pdf
  • OLIVEIRA LIMA, Manuel de. Formação Histórica da Nacionalidade Brasileira. Rio de Janeiro: Companhia Editora Leitura, 1944.
  • RIO BRANCO, Barão do. Efemérides Brasileiras. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1938.
  • ROCHA POMBO, José Francisco da. História do Brazil (5 vols.). Rio de Janeiro: W. M. Jackson, 1935.
  • VARNHAGEN, Francisco Adolfo (visconde de Porto Seguro). História Geral do Brasil (8 vols.). São Paulo: Edições Melhoramentos, 1959.
  • GOMES, Laurentino. 1822. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.
  • VALE, Brian. "Independência ou Morte", em inglês, Bloomsbury Academic, 31 de dez. de 1996