Marcianos Brancos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Hyperclan)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde setembro de 2017).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para os marcianos brancos da obra de Edgar Rice Burroughs, veja Barsoom.

Os Marcianos Brancos são uma das três raças extraterrestres nativas de Marte no universo compartilhado da DC Comics. Os marcianos brancos, também conhecidos como marcianos pálidos, aparecem nos quadrinhos do Universo DC, principalmente Liga da Justiça, Caçador de Marte e Son of Vulcan.

História[editar | editar código-fonte]

Como uma raça de metamorfos, a aparência física tem pouco significado para os marcianos. As diferenças psicológicas subjacentes são o que separam os marcianos verdes pacíficos dos brancos simpáticos à guerra. Os marcianos brancos ajustaram sua fisiologia para refletir sua filosofia, tornando-se uma raça separada dos marcianos verdes e amarelos.[1] Na atual continuidade DC, a sua forma preferida é a de humanoides angulosos, sem pelos, com a pele branca calcária que muitas vezes formam cristas ou placas ósseas, dando ao corpo uma aparência de "armadura". Às vezes, se apresentam como tendo uma boca aberta no tórax e um chifre no mesmo nível de cada lado.[2]

Graças a um retcon, soube-se que os marcianos brancos e os marcianos verdes não coabitavam originalmente em Marte como se acreditava anteriormente: na realidade, eles descendiam de uma mesma raça, conhecida como "os incandescentes". Esta raça usava o fogo para se reproduzir e eram beligerantes em relação a todas as formas de vida. Os Guardiões do Universo, temendo o poder e a violência dos marcianos, dividiram geneticamente a raça em duas espécies distintas, branca e verde, impedindo a reprodução assexuada. Além disso, também embutiram na psique das duas novas raças um medo instintivo do fogo, para evitar que qualquer dos grupos tenha acesso a todo seu potencial, e alteraram seus poderes para que uma raça nunca pudesse superar completamente a outra. O prazo para essa adulteração genética havia sido dado há 20 mil anos, período correspondente à vida de Vandal Savage na Terra, conforme o enredo de JLA #86.

Enquanto os marcianos verdes eram filósofos pacifistas, os marcianos brancos eram guerreiros selvagens. Uma longa guerra civil entre as duas raças terminou quando os poucos marcianos brancos sobreviventes foram capturados e exilados na "zona estável", uma prisão extra-dimensional semelhante à Zona Fantasma, na qual também foram posteriormente confinados.[3]

Saturnianos brancos[editar | editar código-fonte]

Os saturnianos brancos, também chamados koolars, descendem de uma subclasse de clones operários criados por antigos marcianos brancos exploradores. Os marcianos verdes clonaram de si mesmos os saturnianos vermelhos originais enquanto os marcianos brancos clonaram de suas próprias células os saturnianos brancos originais. Os vermelhos foram tratados como iguais por seus criadores, mas os brancos foram tratados como escravos por seus mestres e a escravização dos clones brancos levou Marte à guerra civil.[4][nota 1]

Hyperclan[editar | editar código-fonte]

O Hyperclan é um grupo de elite formado por marcianos brancos que almejam a conquista total da Terra. Para tanto, se disfarçam como super-heróis alienígenas com a intenção de conquistar a afeição terrestre. Os membros do Hyperclan são conhecidos como: Protex, Fluxus, E-Mortal, Züm, Primaid, Tronix, Armek e Zenturion. Usando suas capacidades marcianas para simular um conjunto diferente de habilidades, cada integrante exibe um "poder" ou característica diferente. Por exemplo, Züm era um velocista, Armek um enorme guerreiro blindado com força sobre-humana e podia mudar de cor, e Fluxus era ser metamórfico.

Seu ataque inicial resulta na destruição do satélite da Liga da Justiça, na morte de Metamorfo e é precedido por uma doença que atinge todos os heróis e vilões cujos poderes são baseados em fogo, como Águia Flamejante e Doutor Phosphorus, fazendo com que eles percam seus poderes. Combinando o uso de controle mental com uma estratégia massiva de marketing e relações públicas, eles realizam uma lavagem cerebral em toda a população e assim a Liga da Justiça passou a ser vista como um grupo de vilões. Ato contínuo, o Hyperclan confrontou e capturou toda a Liga da Justiça, torturando Superman com uma ilusão mental de kriptonita verde e aprisionando Mulher-Maravilha, Flash, Lanterna Verde e Aquaman na "Flor da Ira", um dispositivo de tortura que mataria os heróis quando fechado. Enquanto isso, Batman, que fugiu da captura depois que os vilões derrubaram o batplano, aproveitou a crença de que ele não representava ameaça por ser "apenas humano", deduziu a natureza e a origem dos invasores no instante em que os mesmos, por vulnerabilidade ao fogo, não investigaram os destroços fumegantes do batplano.[5][6]

Após invadir a base do Hyperclan, Batman nocauteou um e depois três membros do grupo prendendo-os num círculo de fogo. Superman finalmente percebeu e superou a ilusão de kriptonita enquanto o Caçador de Marte, que se disfarçara como Armek, libertou os outros membros da Liga. Depois que Superman emitiu um comunicado ao mundo, advertindo a população sobre a ameaça e a fraqueza do Hyperclan, os invasores foram capturados, e cada um deles foi condicionado telepaticamente por J'onn J'onzz e Aquaman a assumir identidades humanas. Dada a imposição de fortes bloqueios mentais para inibir seus poderes, os marcianos brancos assumiram vidas normais em diferentes regiões do globo e eram observados à distância por membros da Liga.[5][6]

Confrontos com a Liga[editar | editar código-fonte]

Primeiro embate[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Ao chegar à Terra o Hyperclan desembarca nos jardins da Casa Branca e se apresenta como um grupo de metahumanos altruístas dispostos a evitar o colapso de nosso ecossistema e impedir uma nova corrida armamentista tal como ocorrera em seu mundo natal e em nome desse objetivo logo promoveram ações de impacto junto à opinião pública tais como: transformar o Deserto do Saara numa imensa área fértil e praticar vigilantismo prendendo criminosos e executando-os sumariamente em transmissões via satélite.[nota 2] Paralelo a esses fatos os planos de conquista do grupo são executados com maestria, a começar pela destruição do satélite da Liga da Justiça num ataque que causou a aparente morte de Metamorfo. Surpreendida pela brutalidade do Hyperclan a Liga busca aferir o poderio dos seus inimigos e assim contra-atacar e nisso os heróis descobrem que os alienígenas usam transmissões subliminares para induzir hipnose na população mundial. Diante disso não resta outra alternativa senão o confronto. Enquanto isso, os invasores prosseguem em seus planos de conquista e sob o pretexto de melhor atender às necessidades da Terra o grupo constrói três fortalezas de perímetro em diferentes locais do planeta. Chamadas de Torres de Vigia as gigantescas estruturas foram assim distribuídas: uma na Antártica, outra no Oceano Pacífico e a última na porção mongol do Deserto de Gobi.[6]

Logo a Mulher-Maravilha e Aquaman caem ante a investida combinada de Tronix e Fluxus numa batalha em meio ao oceano, ao passo que o Flash e o Lanterna Verde confrontam Zum, Armek e Zenturion nas areias da Mongólia. No continente gelado, Superman e Batman confrontam Protex, Primaid e E-Mortal e nisso o Homem de Aço é neutralizado por kryptonita ao passo que o Cavaleiro das Trevas é dado como morto após a queda de seu batplano. Em meio aos combates chama a atenção o diálogo à parte entre Protex e o Caçador de Marte quando é revelado que o Hyperclan é, na verdade, uma divisão de elite composta por renegados marcianos que lideravam outros setenta membros.[6]

Derrotada, a Liga da Justiça foi aprisionada em uma das fortalezas do Hyperclan com o Superman sob tortura enquanto os membros remanescentes são atados a uma máquina chamada Flor da Ira. Sorrateiramente Batman invade o local e derrota E-Mortal a seguir neutralizando Tronix, Fluxus e Zenturion com fogo mediante a natureza marciana dos mesmos. A essa altura Superman se liberta e confronta Protex enquanto o Caçador de Marte (disfarçado como Armek) liberta os cativos e os heróis partem para o contra-ataque: Aquaman derrota o velocista Zum, Flash e Lanterna Verde derrotam o verdadeiro Armek e a Mulher-Maravilha suplanta Primaid. Vendo iminente a derrota, Protex ordena que as naves iniciem a invasão da Terra e nisso a Liga da Justiça transmite uma mensagem por intermédio do Superman conclamando a população a reagir neutralizando as forças invasoras com fogo. Findo o embate os marcianos brancos são presos, julgados e punidos pelo Caçador de Marte que os lobotomiza de modo a livrá-los das recordações acerca de sua verdadeira natureza, o que os fez se integrarem à população.[6]

Após esse confronto os membros da Liga da Justiça construíram a Torre de Vigilância.[6]

Sabotagem na evolução[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Meta-humano

Em JLA series 2 #4, Protex, o líder do Hyperclan, contou ao Superman que os marcianos brancos vieram à Terra "antes da vida humana" e realizaram experimentos genéticos que fariam do planeta o "berço de uma super-raça", mas ao mexerem sucessivamente no DNA dos nativos "os futuros deuses terminaram como... reles humanos", criaturas frágeis e limitadas.[6] Ao saberem de tal vandalismo biológico, os marcianos verdes exilaram os brancos na "zona estável" adicionando outro ingrediente à rivalidade que os levaria à guerra. Conforme exposto nas revistas Martian Manhunter (#25 - 27) por John Ostrander e em Son of Vulcan (#5), a intervenção errônea dos marcianos brancos impediu que o potencial genético para um futuro metagene descoberto em DNA humano antigo fosse acessível a toda a população. Devido a essa interferência, somente alguns poucos humanos desenvolveriam poderes meta-humanos semelhantes aos kryptonianos, daxamitas e aos próprios marcianos.[7]

O Bruce Wayne marciano[editar | editar código-fonte]

Como se não bastassem as salvaguardas mentais, Batman contratou um dos aliens "recondicionados" como seu secretário particular de modo a vigiar seus passos e acompanhar sua adaptação em sua nova vida. A amnésia durou até que o "cativo" despertou após um acidente aéreo, inicialmente como se fosse Bruce Wayne e a seguir em sua verdadeira forma sendo neutralizado graças a um plano elaborado pelo Cruzado de Capa onde o Lanterna Verde, Aço, Grande Barda, Órion e Homem-Borracha (selecionados porque não conheciam, naquele momento, a identidade secreta do Batman e assim não "revelariam" telepaticamente ao falso Wayne que ele era, na verdade, um marciano branco) seguiram o fugitivo e estavam de prontidão quando ele "despertasse". Neutralizado após um confronto, ele teve restauradas suas "travas" mentais de segurança. Enquanto isso Superman, Mulher-Maravilha e uma versão futurista do Flash percorriam o globo terrestre em alta velocidade a fim de confirmar que os "marcianos inertes" não despertaram.[8] Num diálogo reservado com o Superman ao final da missão, o defensor de Gotham City expôs as razões por trás de seu plano.[9]

Marte ataca[editar | editar código-fonte]

Os marcianos brancos voltaram à ativa graças aos efeitos do "Id", forma energética sapiente criada pelos Cathexis.[nota 3] Originários da sexta dimensão, tais seres conceberam uma "máquina dos desejos" cujo poder fluiu para a terceira dimensão e pôs a realidade em colapso ao atender, de forma literal e irônica, os anseios de cada usuário com quem interagia. Após uma ação coordenada a Liga da Justiça dispersou a energia expulsando-a da Terra junto com seus criadores, mas não sem antes o "Id" atender ao desejo do Caçador de Marte, o qual não queria mais ficar "sozinho", mas ao fazê-lo trouxe de volta os marcianos brancos presos na "zona estável".[10][11] Desta vez, os aliens capturaram alguns humanos com capacidades psíquicas latentes e consumem a massa encefálica dos cativos, expandindo assim suas habilidades mentais marcianas, subjugando o Caçador de Marte no processo. Ao mesmo tempo construíram torres alquímicas que modificaram a atmosfera da Terra impedindo a combustão e dispersando o oxigênio; medidas que tornaram invulneráveis os marcianos brancos e convenientemente extinguiriam a humanidade por asfixia.[12] Livre de sua prisão, J'onn J'onzz destrói as torres e ludibria Protex para que este envie a Liga à Zona Fantasma, local onde os heróis podem estabelecer um contra-ataque sem que o inimigo leia suas mentes. Determinado o plano que executariam, o Caçador de Marte induziu seus companheiros a esquecerem o mesmo para que tal informação não fosse roubada pela telepatia dos marcianos brancos, embora os membros da Liga viessem a recordar de suas tarefas à medida que o plano fosse executado.[13]

Em uma batalha travada em solo lunar, a Liga da Justiça induziu seus adversários ao erro fazendo-os atacar uns aos outros graças à presença microscópica do Eléktron no cérebro de Protex a fim de manipular a mente do vilão de uma forma sutil. Enquanto isso, um panteão de magos anulava o efeito da gravidade permitindo que Superman, Mulher-Maravilha e Lanterna Verde movessem a Lua em direção à atmosfera terrestre ocasionando uma entrada atmosférica que produziu um incêndio de grandes proporções criando um ambiente onde os marcianos brancos foram forçados a escolher entre a morte ou o exílio na Zona Fantasma, preferindo este último.[13] Salvo por sua equipe no último instante, o Caçador de Marte recebeu atendimento médico e em meio aos procedimentos, Batman lhe disse que ninguém o culpava "pelos marcianos, pela Torre de Vigilância ou pela Lua". Segundo o Cavaleiro das Trevas, tudo aquilo era "perdoável", mas ninguém aceitou o fato de que J'onn J'onzz se julgava solitário em meio a amigos tão leais.[13][14]

Poderes e habilidades[editar | editar código-fonte]

Tanto os marcianos verdes quanto os brancos têm inúmeros poderes sobre-humanos, incluindo grande força e velocidade, voo, invisibilidade, telepatia, mudança de forma, mudança de densidade (o que lhes permite ser extremamente resistentes ou completamente imateriais) e "visão marciana", mas também compartilham a vulnerabilidade ao fogo.

Marcianos brancos conhecidos[editar | editar código-fonte]

Incluindo os oito membros originais do Hyperclan.[6]

  • Armek - guerreiro blindado do Hyperclan.
  • E-Mortal - membro do Hyperclan de aparência assustadora.
  • Fluxus - transmorfo do Hyperclan dotado de superforça.
  • Miss Marte - uma marciana branca integrante dos Novos Titãs. Ela apareceu em outras mídias como Supergirl e Young Justice, quase sempre sob o disfarce de uma marciana verde.[15]
  • Primaid - subcomandante do Hyperclan.
  • Protex - comandante do Hyperclan.
  • Tronix - mais um membro feminino do Hyperclan.
  • Zenturion - especialista em armamentos do Hyperclan.
  • Zoom - membro velocista do Hyperclan.

Notas

  1. O termo "exploradores" pode ser entendido aqui sob duas acepções: a de que os marcianos brancos em questão eram "estudiosos e pesquisadores" ou ressaltando-lhes o caráter vil e belicoso.
  2. De acordo com as palavras de seu líder, as intenções do Hyperclan seriam: “...viemos abrigar os sem-teto, alimentar os famintos e reparar os danos causados à sua biosfera”.
  3. A energia em questão foi assim denominada quando os cathexis traduziram seus conceitos para a nossa língua e assim relacionaram sua criação ao Id psíquico, entre outras coisas responsável pelos desejos do inconsciente.

Referências

  1. Joe Kelly (w), Doug Mahnke (p), Tom Nguyen (i). "Trial By Fire" 'JLA': 17/4 (Late Nov 2003), DC Comics.
  2. JLA series 2 #1-4, 33
  3. Como podemos ver em JLA series 2 #86-89 (1997).
  4. Como podemos ver em Martian Manhunter series 2 #13-16 (1999).
  5. a b JLA #1-4 (1995)
  6. a b c d e f g h Os Melhores do Mundo. São Paulo (SP): Editora Abril, ed. 09-12, Jul./Out. 1998.
  7. «The Monitor Duty: History lessons». Consultado em 28 de dezembro de 2017. 
  8. Superman Premium. São Paulo (SP): Editora Abril, ed. 07, Fev. 2001.
  9. Como podemos ver em JLA series 2 #33
  10. Superman Premium. São Paulo (SP): Editora Abril, ed. 21, Abr. 2002.
  11. Superman Premium. São Paulo (SP): Editora Abril, ed. 22, Mai. 2002.
  12. Liga da Justiça: coleção Planeta DC. São Paulo (SP): Editora Abril, ed. 05, Jul. 2002.
  13. a b c Batman: coleção Planeta DC. São Paulo (SP): Editora Abril, ed. 05, Jul. 2002.
  14. Como podemos ver em JLA series 2 #55-58 (2001)
  15. SCHWARTZ, Terri.«Supergirl: Miss Martian's big twist came straight from the comics (ign.com)». Consultado em 28 de dezembro de 2017. 

Liga da Justiça 25 a 30 (de dezembro de 2004 a maio de 2005), publicadas pela Panini Comics.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]