Série 0350 da CP

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Série 0350)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a série de automotoras a gasóleo. Se procura a antiga série de locomotivas a vapor, veja Série 351 a 370 da CP.
Série 0350
BSicon exTRAIN3.svg
Automotoras da Série 0350, em Serpins
Descrição
Propulsão Diesel
Locomotivas fabricadas 21
Características
Bitola 1668 mm
Operação
Ano da entrada em serviço 2000

A Série 0350 é um tipo de automotora, ao serviço da operadora ferroviária Comboios de Portugal; resulta da renovação das automotoras da Série 0300, de fabrico Allan.[1]

Pormenor da frente da automotora 0357.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1997, iniciou-se um profundo processo de remodelação do sistema ferroviário português, através da concessão das infra-estruturas à Rede Ferroviária Nacional, enquanto que a empresa Caminhos de Ferro Portugueses fica responsável apenas pelo material circulante e pelos comboios regulares.[2] Ao mesmo tempo, a CP iniciou um programa para melhorar os seus serviços, que incluiu, entre outras medidas, a requalificação e modernização do material circulante.[2]

Estas automotoras foram criadas a partir da modernização das automotoras da Série 0300[1], nas instalações de Guifões da Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário.[3] Esta intervenção inseriu-se no âmbito de um programa de reabilitação do parque motor da operadora Caminhos de Ferro Portugueses.[3]

Foram apresentadas em Dezembro de 1999, tendo sido nessa altura descritas pelo jornal Público como sendo de um tom verde, com um design moderno, um interior espaçoso, informação digital, portas automáticas e ar condicionado.[4]

As automotoras da Série 0300 já tinham alguma idade, pois entraram ao serviço entre 1954 e 1955[5], mas mesmo assim a modernização deixou a sua estrutura intacta.[4] Esta decisão, que procurou aumentar em cerca de 15 anos a vida útil destas automotoras, provocou alguma controvérsia, especialmente devido à falta de sistemas de segurança passiva, uma vez que na altura em que foram originalmente fabricadas não se conheciam ainda os sistemas de absorção de energia, que poderiam minimizar os efeitos de uma colisão frontal, como a que aconteceu em Abril de 2002.[4] O principal motivo para a remodelação das automotoras foi económico, uma vez que se calculou que a compra de novo material ficaria cerca de 4 vezes mais cara.[4]

Esta Série entrou ao serviço em 2000.[6]

Em 4 de Abril de 2002, duas automotoras desta série colidiram na zona do Casal do Espírito Santo, no Ramal da Lousã, causando provocando 5 mortos e 11 feridos.[7]

Devido ao seu baixo rendimento (substancialmente derivado à idade) estas automotoras começaram a ser abatidas ao serviço. Em Setembro de 2017 apenas 4 estão no activo, efectuando serviços nas Linhas do Leste e Oeste.

Em Março de 2019, apenas as automotoras 360 e 362 ainda estão activas e ambas afectas ao serviço regional Entroncamento - Badajoz.

Caracterização[editar | editar código-fonte]

Realizaram serviços na Linha da Beira Baixa[8], e nos Ramais de Figueira da Foz[9], da Lousã[10], e de Cáceres.[11]

Esta série é composta por 21 automotoras a gasóleo, com os números de série 0351 a 0371, e que atingem uma velocidade máxima de 100 km/h; o tipo de transmissão utilizada é eléctrica[6], e a potência é de 269 kW.[1]

Automotoras da Série 0350 danificadas num acidente, a serem rebocadas para Contumil em 2010.

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

  • Características de exploração
    • Ano de entrada ao serviço: 2000[6]
    • Número de unidades construídas: 21[6]
  • Dados gerais
    • Bitola: 1668 mm[9]
    • Tipo de tracção: Diesel-eléctrica[1]
  • Transmissão
  • Características de funcionamento
    • Velocidade máxima: 100 km/h[1][6]
    • Potência: 269 kW[1]
  • Lotação
    • Primeira classe: 24[1]
    • Segunda classe: 50[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i «CP UVIR long-distance passenger locomotives and trainsets» (em inglês). Railfaneurope. 8 de Junho de 2012. Consultado em 10 de Julho de 2012 
  2. a b REIS et al, p. 203
  3. a b AIROSA, Jorge (Agosto de 2000). «Complexo Oficinal de Guifões - Oficinas do Grupo Oficinal do Porto da E.M.E.F.». FER XXI (20). 70 páginas 
  4. a b c d CIPRIANO, Carlos (5 de Abril de 2002). «Erro humano na origem do acidente». Público. XIII (4398). Lisboa: Público, Comunicação Social, S. A. 27 páginas 
  5. REIS et al, p. 122
  6. a b c d e f «Série: 0351-0371». Comboios de Portugal. Consultado em 4 de Dezembro de 2014 
  7. VIEIRA, Álvaro; MORAIS, Nelson (5 de Abril de 2002). «O desastre do século no ramal da Lousã». Público. 13 (4398). Lisboa: Público, Comunicação Social, S. A. pp. 26–27 
  8. SILVA e RIBEIRO, p. 153
  9. a b SILVA e RIBEIRO, p. 102
  10. Silva e Ribeiro, p. 127
  11. AMARO, José Bento. «Lotação esgotada para o último silvo da "Calhandra" no ramal de Cáceres». Público. Consultado em 17 de Janeiro de 20  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SILVA, José Ribeiro da; RIBEIRO, Manuel (2007). Os Comboios em Portugal. 3 1.ª ed. Lisboa: Terramar-Editores, Distribuidores e Livreiros, Lda. 203 páginas. ISBN 978-972-710-408-6 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Série 0350 da CP

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.