Ladão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Ladão (desambiguação).
Ladão
Guardião do Jardim das Hespérides
Héracles e Ladão , placa de alívio romano (século II-III), Coleções Estatais de Antiguidades, Munique
Pais Fórcis e Ceto
Tifão e Equidna

Ladão (em grego: Λάδων, Ladôn), Dragão Hésperio ou Dragão das Hespérides (em latim Draco Hesperidum), na mitologia grega, era um dragão semelhante a uma serpente de cem cabeças[1][2] cada uma das quais falava uma língua diferente,[1] que se enrolava e girava em torno da árvore no Jardim das Hespérides e guardava as maçãs douradas junto às ninfas.

Família[editar | editar código-fonte]

Segundo Pseudo-Apolodoro e Higino, Ladão seria descendente de Tifão e Equidna[1][3], mas Hesíodo o faz filho de Fórcis e Ceto.[4] Segundo o poeta Pisandro, ele nasceu de Gaia. "O dragão que guardava as maçãs douradas era o irmão do Leão de Nemeia " afirmou Ptolomeu Heféstion.[5]

Mitologia[editar | editar código-fonte]

Héracles e o Dragão Ladão, da oficina de Giambologna, início do século XVII (Museu de Arte Walters)
O Jardim das Hespérides de Frederick Leighton , 1892

Ladão, um dragão com um corpo de serpente onde tinha cem cabeças que falavam línguas diferentes[1] e que nunca dormia[6], foi um dragão a quem Hera, mulher de Zeus, deu a tarefa de proteger a macieira de fruto dourado das Hespérides. Esta era uma árvore que Gaia lhe tinha dado no dia de casamento com Zeus. Hera plantou essa árvore nos confins ocidentais do Mundo e deu às ninfas do entardecer, as Hespérides, filhas de Atlas, a função de a proteger. Estas, por sua vez, aproveitaram-se dos frutos de ouro para seu próprio benefício e a rainha dos deuses teve de procurar um guardião mais confiável, poderoso, e inteligente - Ladão.[6]

A partir desse momento, Ladão tornou-se o guardião da macieira dos frutos de ouro, que mais tarde foi morto por uma flecha envenenada de Héracles que precisava de uma maçã dourada para completar a décima primeira das doze tarefas do rei Euristeu. No dia seguinte, Jasão e os Argonautas passaram em sua jornada de retorno da Cólquida e ouviram o lamento de Egle, uma das Hespérides , e viram Ladão ainda se contorcendo.[7] Para agradecer seus leais serviços a Ladão, Hera, elevou seus restos no céu, onde ainda hoje estão, na constelação do Dragão.[8]

A imagem do dragão (Ladão) enrolada em volta da árvore, originalmente adotada pelos helenos de fontes do Oriente Próximo e minoica, é conhecida por sobreviver à pintura de vasos gregos. No século II, Pausânias viu entre os tesouros de Olímpia uma imagem arcaica de culto em madeira de cedro de Héracles e a macieira das Hespérides com o dragão enrolado em torno dele.[9]

Diodoro Sículo dá uma interpretação evemerista de Ladão, como um pastor humano guardando um rebanho de ovelhas de lã dourada, acrescentando: "Mas em relação a esses assuntos, será privilégio de todo homem formar essas opiniões de acordo com sua própria crença".[10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Pseudo-Apolodoro, Biblioteca 2.5.11
  2. Aristófanes, As Rãs 475
  3. Higino, Prefácio de Fábulas
  4. Hesíodo, Teogonia 333
  5. Ptolomeu Heféstion, Nova história, V. Embora esse trabalho tenha sido perdido, a menção aparece resumido em Mirióbiblo 190 de Fócio
  6. a b Higino, De Astronomica, 2.3.1 e 2.6.1
  7. Apolônio de Rodes, Argonautica 4.1390
  8. Higino, De Astronomica, 2.3.1 e 2.6.1
  9. Pausânias, Descrição da Grécia, 6.19.8
  10. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica 4.26.2

Links externos[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ladão
Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia grega é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.