Papa Gregório V

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Bruno da Caríntia redireciona para este artigo. Para o bispo de Würzburg, veja Bruno de Würzburg.
Gregório V
Papa da Igreja Católica
138° Papa da Igreja Católica
Atividade Eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Eleição 3 de maio de 996
Fim do pontificado 18 de fevereiro de 999 (2 anos)
Predecessor João XV
Sucessor Silvestre II
Ordenação e nomeação
Cardinalato
Criação 995
por Papa João XV
Dados pessoais
Nascimento 972
Saxónia, Alemanha
Morte 18 de fevereiro de 999 (27 anos)
Roma, Itália
Nacionalidade alemão
Nome nascimento Bruno de Carínthia
Sepultura Basílica de São Pedro
dados em catholic-hierarchy.org
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Listas de papas: cronológica · alfabética

Gregório V, nascido Bruno da Caríntia, foi papa de 996 a 999. Governou a Igreja com energia, cercado de inúmeros inimigos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

A confusão provocada em Roma por Crescêncio II e seus partidários impediu ao clero a eleição de um novo papa em 996. Foi então enviada uma comissão ao Imperador Otão III, pedindo-lhe, como "defensor da Igreja", uma intervenção. Otão III indicou Bruno, filho do Duque da Caríntia, que, após eleito, tomou o nome de Gregório V. Os 2 eram primos.

Embora muito jovem, Bruno era culto, severo e resoluto. Acompanhou-o luzida comitiva de arcebispos e príncipes e os romanos confirmaram com júbilo a escolha. Um dos objetivos de Gregório era a universalidade da Sé Apostólica de Roma. Em 21 de maio de 996, em Roma, coroou o imperador Otão. Os dois jovens, Otão com 16 e Gregório V com 25 anos, idealizaram um programa para a Igreja e para o Império em um sínodo que se seguiu à coroação. Foram anistiados os chefes de passadas rebeliões, ato de bondade pago com grande ingratidão. Crescêncio tramou contra o papa, que insistia em moralizar a cidade. A nobreza dissoluta aprovou a revolta contra o rigoroso papa alemão.

Crescêncio II obrigou Gregório a fugir, alçou o antipapa Filagato de Piacenza com o nome de João XVI e entregou Roma ao imperador grego. Otão III voltou com grande pompa e enorme exército em 998, depondo Filagato e humilhando Crescêncio publicamente antes de executá-lo. São Nilo de Rossano repreendeu Otão e Gregório pelas torturas e execuções e quis fazer do antipapa um monge, mas os próprios soldados do rebelde mutilaram-no na fuga desastrada que empreendeu. Gregório V defendeu o arcebispo Arnolfo contra o mal casado rei Roberto II de França. Os mais ilustres homens de ciência do tempo gozaram da amizade sincera de Gregório V, do qual se recorda que, em Roma, pregava sempre em três línguas.

Gregório morreu em 16 de fevereiro de 999 com apenas 27 anos, suspeita-se que de envenenamento pelos partidários de Crescêncio.


Precedido por
João XV
Emblem of the Papacy SE.svg
Papa

138.º
Sucedido por
Silvestre II


Ícone de esboço Este artigo sobre um papa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.