Papa Adriano I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Adriano I
Papa da Igreja Católica
95° Papa da Igreja Católica
Atividade Eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Eleição 1 de fevereiro de 772
Entronização 9 de fevereiro de 772
Fim do pontificado 25 de dezembro de 795 (23 anos)
Predecessor Estêvão III
Sucessor Leão III
Ordenação e nomeação
Nomeação episcopal 1 de fevereiro de 772
Ordenação episcopal 9 de fevereiro de 772
Cardinalato
Criação 770
por Papa Estevão III
Ordem Cardeal-presbítero
Dados pessoais
Nascimento 700
Roma, Itália
Morte 25 de dezembro de 795 (95 anos)
Roma, Itália
Nacionalidade Italiano
Sepultura Basílica de São Pedro
dados em catholic-hierarchy.org
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Lista de Papas

Adriano I (Roma, 700 – Roma, 25 de dezembro de 795) foi o 95º papa da Igreja Católica, de 1º de fevereiro de 772 até a sua morte.[1] Seu pontificado foi um dos mais longos da história.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Descendente de uma família da aristocracia militar de Roma, era filho de Teodoro, morto quando Adriano era ainda criança. O menino foi acolhido pelo tio paterno Teodoto (ou Teodato) consul, dux et primicerius Sanctae Romanae Ecclesiae, possivelmente irmão de Alberico marchio et consul tusculanus princeps potentissimus, que alguns genealogistas, embora sem documentação segura, consideram como sendo o antepassado mais remoto dos condes de Túsculo[nota 1]. Foi diácono durante o pontificado do papa Estêvão III, ao qual sucedeu, tendo sido aclamado por unanimidade e consacrado em 9 de fevereiro de 772.[2]

Eleito Papa, Adriano teve de enfrentar a má-fé do último rei lombardo, Desidério, e de Leão IV, o Cazar. Com a morte de Carlomano, irmão de Carlos Magno, Desidério queria que o Papa coroasse o filho de Carlomano, ainda menor. Seria a guerra civil. Desidério subornou alguns nobres e atacou Roma. O papa Adriano recorreu então a Carlos Magno, que foi a Roma, com fervor religioso (Páscoa de 774), e renovou solenemente a doação de territórios, feita por seu pai, Pepino o Breve, e proclamou-se "rei dos Lombardos" e "patrício dos romanos".[3]

O ex-rei Desidério, vencido em 774 e aprisionado, retirou-se, humilhado, para o convento de Corbeia; sua esposa fez-se monja. Contam os cronistas dessa época tão conturbada que ele teria terminado seus dias em vida santa e que teria feito milagres.[3]

No Oriente, Leão IV, o Cazar, filho de Coprônimo, continuou a feroz perseguição às imagens, até a morte. A imperatriz Irene de Atenas amenizou as leis iconoclastas e reuniu o Sétimo Concílio Ecumênico (Niceia,787), com 300 bispos, presidido pelos legados romanos. Foi instituído o culto das imagens, com imenso júbilo dos fiéis. Paulo, o patriarca herético bizantino, converteu-se, tornando-se um monge famoso pela oratória e pelo saber teológico.

Adriano guiou a Igreja com firmeza, na disciplina e na fé. Condenou o "adocionismo" de Elipando, bispo de Toledo, que ensinava ser Jesus apenas filho adotivo de Deus. Reconstruiu os muros de Roma (380 torres) e os aquedutos, protegeu as artes e a agricultura. Morreu no Natal de 795, após 23 anos de pontificado.[3]

Notas

  1. Vários historiadores consideram a hipótese segundo a qual, do irmão de Adriano, também chamado Alberico, descendesse um certo Benedito, pai de Teofilato I Agapito (que alguns identificam com o Papa Adriano III) e Sérgio (que se tornou o Papa Sérgio III).

Referências

  1. G1, Do; Paulo, em São (11 de fevereiro de 2013). «Veja a lista de todos os Papas da história». Renúncia de Bento XVI. Consultado em 30 de julho de 2019 
  2. Pope Adrian I Catholic Encyclopedia
  3. a b c «Papa Adriano - Biografia». InfoEscola. Consultado em 30 de julho de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre um papa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Precedido por
Estêvão III
Emblem of the Papacy SE.svg
Papa

95.º
Sucedido por
Leão III