Papa Urbano V

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Beato Urbano V
O.S.B.
Papa da Igreja Católica
200° Papa da Igreja Católica
Atividade Eclesiástica
Ordem Ordem de São Bento
Diocese Diocese de Roma
Eleição 28 de setembro de 1362
Entronização 6 de novembro de 1362
Fim do pontificado 19 de dezembro de 1370 (8 anos)
Predecessor Inocêncio VI
Sucessor Gregório XI
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 1334
Nomeação episcopal 28 de setembro de 1362
Ordenação episcopal 6 de novembro de 1362
por Dom Andouin Cardeal Aubert
Nomeado arcebispo 28 de setembro de 1362
Papado
Brasão
C o a Urbano V.svg
Consistório Consistórios de Urbano V
Santificação
Beatificação 10 de março de 1870
por Papa Pio IX
Festa litúrgica 19 de Dezembro
Dados pessoais
Nascimento 1310
Le Pont-de-Montvert, França
Morte 19 de dezembro de 1370 (60 anos)
Avinhão, França
Nacionalidade francês
Nome nascimento Guillaume de Grimoard
Progenitores Mãe: Amphélise de Montferrand.
Pai: Guglielmo de Grimoard
Sepultura it:Abbazia di San Vittore (Marsiglia)
dados em catholic-hierarchy.org
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Listas de papas: cronológica · alfabética

Papa Urbano V O.S.B (Le Pont-de-Montvert, 1310Avinhão, 19 de dezembro de 1370), nascido Grimoard Guillaume, foi um monge da Ordem de São Bento e papa de 28 de setembro de 136219 de dezembro de 1370 durante sete anos, oito meses e 22 dias e sexto papa do pontificado de Avinhão. Urbano V assumiu o cargo em 1362, numa época em que a Europa sofria agitações sociais muito intensas. Numa tentativa de manter o pontífice longe das intrigas e das lutas políticas e revolucionárias, que dominavam Roma, a sede da Igreja Católica fora transferida para Avinhão, na França, por pressão da monarquia francesa.

Logo depois da sua eleição percebeu que os acontecimentos levariam a prejuízos irrecuperáveis caso o papa não retornasse a Roma. Assim, após convencer a resistência da coroa francesa, deixou Avinhão e desembarcou na Itália (1367). Três anos depois, por causa de revoltas e o intensificar da Guerra dos Cem Anos decidiu voltar por fim a Avinhão[1].

Vida[editar | editar código-fonte]

Urbano pertencia a uma nobre família francesa, da Occitânia, nascido no Château de Grisac. As profecias de São Malaquias referem-se ao papa como Gallus vicecomes (Visconde da Gália). Cita-o como tendo o título nobiliárquico de visconde de origem francesa.

Quando jovem estudou ciências jurídicas e direito canónico em Montpellier e Toulouse e, em seguida, para de seguida ensinar nas mesmas universidades e na cidade de Paris.

Um dia, trocou a laureada toga pelo humilde hábito de monge, chegando a ocupar altos cargos dentro da Ordem beneditina.

Em 1352 ele foi nomeado abade de Notre Dame du Pré, de Saint-Germain-d'Auxerre e de São Vítor de Marselha começando sua carreira diplomática em Itália em 1362 e, como tal, foi encarregado de várias missões para o Estado Pontifício[2].

Entretanto morre Inocêncio VI e, apesar de não ser um cardeal, um conclave que não foi acordado sobre a escolha de um dos seus membros, é eleito sucessor. Como recebeu a notícia da sua escolha quando andava numa dessas missões diplomáticas, no regresso Guillaume já não se deslocou para a sua residência e foi diretamente para Avinhão, onde foi consagrado no dia 6 escolhendo o nome de Urbano V.

Sua biografia é cheia de adjetivos elogiosos: "professor emérito, estudioso de renome, abade de iluminada doutrina e espiritualidade". Por tudo isso foi escolhido pelo Papa Inocêncio IV para desempenhar missões diplomáticas delicadas. Pelo mesmo motivo, quando Inocêncio morreu, foi eleito seu sucessor, mesmo não sendo cardeal com se disse.

Seu pontificado durou somente oito anos, mas caracterizou-se, segundo os registros oficiais, pela sábia administração, pelo esforço de renovar os costumes e pela nobreza de intenções. Ele reformou a disciplina eclesiástica e reorganizou a corte pontifícia de maneira que fosse um exemplo de vida cristã, cortando muitos abusos. Mas também se preocupava com a Instrução do povo. O ex-professor de direito não mediu esforços para promover as ciências e criar novos centros de estudos. A pedido do rei da Polônia, ergueu e fundou a universidade da Cracóvia e, ajudando pessoalmente estudantes pobres, fundou um colégio médico na universidade de Montpellier.

No terreno político e militar seu trabalho também foi reconhecido. Organizou uma cruzada contra os turcos muçulmanos que ameaçavam a Europa. No plano missionário, enviou numerosos grupos de religiosos às regiões europeias ainda necessitadas de evangelizadores, como a Bulgária e a Romênia. Além de organizar uma expedição missionária para levar a palavra aos mongóis da longínqua Ásia.

O grande sonho de Urbano V, porém, era levar de volta a sede da Igreja para o Vaticano. A Cidade Eterna tinha perdido esta condição, uma vez que, em 1309, Clemente V havia estabelecido a Corte Papal em Avinhão. Logo depois da sua eleição tinha percebido que os acontecimentos na Itália levariam a prejuízos irrecuperáveis caso o papa não retornasse a Roma.

Assim, cinco anos mais tarde, após convencer a resistência da coroa francesa, deixou Avinhão e desembarcou na Itália[3], em 16 de outubro de 1367, sendo recebido com entusiasmada aclamação popular.

Foi o primeiro a se estabelecer no palácio apostólico ao lado da Basílica de São Pedro, no Vaticano, com apoio do Cardeal Gil Álvarez de Albornoz, que desde 1353, atuava como legado papal na Itália. Desde então, o palácio apostólico se tornou a residência oficial dos pontífices.

Mas a paz durou pouco, alguns anos depois o referido Cardeal Albornoz morre em 1367, marcando a retomada da insurgência que durante seu mandato como legado tinha removido. A perda do seu parceiro, juntamente com o recomeço das hostilidades entre a Inglaterra e a França, atolada na Guerra dos Cem Anos, após um período de paz alcançado em 1360 com a Paz de Bretigny; mais a revolta na Perúgia, hostilizado pelos romanos, determinou que Urbano V fosse novamente obrigado a deixar Roma, e voltar para Avinhão, apesar dos apelos do Rei de Aragão, de Santa Brígida da Suécia e de muitos monges[4]. Aí faleceu em 19 de dezembro de 1370.

Em 1368 a Santa Sé conciliou-se com o Sacro Império Romano, em Roma, através da coroação do Imperador Carlos IV e sua esposa, e em 1369 conseguiu também uma aproximação com o imperador bizantino João V Paleólogo que procurava apoio contra os turcos que estavam ameaçando Constantinopla, e que foi convertido ao catolicismo.

Urbano V é considerado o primeiro papa humanista na história da Igreja. Durante seu pontificado, ele fundou as universidades de Cracóvia e de Viena, sustentando muitas outras.

Declarado Beato por Pio IX, em 1870, seus restos mortais residem na abadia de São Victor em Marselha.

Referências


Precedido por
Inocêncio VI
Emblem of the Papacy SE.svg
Papa

200.º
Sucedido por
Gregório XI


Ícone de esboço Este artigo sobre um papa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.