Brejo do Cruz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Brejo do Cruz
  Município do Brasil  
Entrada de Brejo do Cruz (sentido norte-sul) a partir da BR-293.
Entrada de Brejo do Cruz (sentido norte-sul) a partir da BR-293.
Símbolos
Bandeira de Brejo do Cruz
Bandeira
Brasão de armas de Brejo do Cruz
Brasão de armas
Hino
Gentílico brejo-cruzense
Localização
Localização de Brejo do Cruz na Paraíba
Localização de Brejo do Cruz na Paraíba
Brejo do Cruz está localizado em: Brasil
Brejo do Cruz
Localização de Brejo do Cruz no Brasil
Mapa de Brejo do Cruz
Coordenadas 6° 20' 56" S 37° 29' 52" O
País Brasil
Unidade federativa Paraíba
Região intermediária[1] Patos
Região imediata[1] Catolé do Rocha-São Bento
Municípios limítrofes São Bento, Jardim de Piranhas, Catolé do Rocha, Belém do Brejo do Cruz, São José do Brejo do Cruz.
Distância até a capital 420 km
História
Fundação 08 de outubro de 1881 (138 anos)
Aniversário 1 de outubro
Administração
Prefeito(a) Francisco Dutra Sobrinho ( Barão)-PR (PR)
Características geográficas
Área total [3] 398,917 km²
População total (IBGE/2010[4]) 13 123 hab.
Densidade 32,9 hab./km²
Clima semiárido[2] (Bsh)
Altitude 199 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[5]) 0,597 baixo
PIB (IBGE/2010[6]) R$ 57,812 mil
PIB per capita (IBGE/2010[6]) R$ 4 405,39

Brejo do Cruz é um município brasileiro do estado da Paraíba (Brasil), localizado na Região Geográfica Imediata de Catolé do Rocha-São Bento. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no ano de 2010 sua população era estimada em 13.123 habitantes. Área territorial de 399 km². Essa cidade é citada na música Brejo do Cruz de Chico Buarque em homenagem ao amigo e também cantor Zé Ramalho, natural desta cidade. É também citada na música "Avôhai", do Zé Ramalho.

História[editar | editar código-fonte]

O município de Brejo do Cruz é considerado um dos mais antigos da Paraíba. Em 1600 o português Antônio Barroso Pereira resolveu cultivar um pequeno sítio que se chamava Olho D'Água do Meio. Coube, entretanto, a Manoel da Cruz Oliveira Lêdo, famoso desbravador do sertão paraibano, a fundação do povoado, por volta de 1700, instalando-se no sítio Olho D'Àgua dos Boqueirões que seria mais tarde a cidade de Brejo do Cruz.

Em 1752 Manoel da Cruz Oliveira, construiu uma capela em homenagem a Nossa Senhora dos Milagres. A fertilidade do solo atraiu muita gente para aquela região onde construiram seus sítios e fazendas.

Por volta de 1850 foi cultivado um pequeno sítio que pertencia a família Viana, no mesmo local onde se encontra edificada a cidade. Alguns anos depois, chegava Antônio Pedro, comerciante, que montou uma bodega e logo em seguida (1920) construiu uma latada, dando origem a feira que alcançou grande fama em toda a região. Em 1928 o Sr. Candinho Saldanha montou uma empresa que beneficiava o algodão. A iniciativa alcançou grande sucesso e contribuiu para o rápido crescimento do povoado, gerando empregos e incrementando a movimentação natural dos produtos. Em 1939 Candinho vem a falecer e a sua empresa encerra as atividades, mas a estrutura que se formou no povoado, garante-lhe prosperidade e crescimento.

Geografia[2][editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

O município está incluído na área geográfica de abrangência do semiárido brasileiro, definida pelo Ministério da Integração Nacional em 2005.[7] Esta delimitação tem como critérios o índice pluviométrico, o índice de aridez e o risco de seca. O clima é classificado como Bsh-semiárido quente com chuvas de verão, com 7 a 8 meses secos, e temperaturas variando entre 25 a 38 graus Celsius. Segundo a divisão do Estado da Paraíba em regiões bioclimáticas o clima do município é do tipo 4bTh-tropical quente de seca acentuada.

Dados do Departamento de Ciências Atmosféricas, da Universidade Federal de Campina Grande, mostram que Brejo do Cruz apresenta um clima com média pluviométrica anual de 820.8 mm e temperatura média anual de 26.6 °C.

Dados climatológicos para Brejo do Cruz
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 33,9 33,0 32,2 31,8 31,4 30,9 31,1 32,5 33,7 34,6 34,8 34,6 32,9
Temperatura média (°C) 27,7 27,0 26,5 26,3 25,9 25,2 25,2 25,8 26,7 27,4 27,7 27,9 26,6
Temperatura mínima média (°C) 22,3 22,1 21,9 21,6 21,1 20,1 19,6 19,5 20,5 21,2 21,7 22,2 21,1
Chuva (mm) 73,0 138,2 211,6 193,0 97,2 38,8 17,2 5,0 3,6 4,6 7,3 22,4 820,8
Fonte: Departamento de Ciências Atmosféricas.[8][9][10][11]

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A vegetação é composta por caatinga.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Brejo do Cruz situa-se nos domínios da bacia hidrográfica do Rio Piranhas, região do Médio Piranhas. Seus principais cursos d’ água são os riachos Tapera, Grande, Poço da Cruz, Escuro, Fundo, das Lajes, dos Bois, Poço da Onça e do Jacu. Conta ainda com as lagoas Polarinho, das Marrecas e Caminho do Brejo.

Relevo[editar | editar código-fonte]

O relevo varia de ondulado (cotas de 125 metros) a fortemente ondulado, na serra do Brejo do Cruz, com altitude de 582 metros.

Economia[editar | editar código-fonte]

A principal atividade econômica do município até a década de 80 foi a agropecuária, sobretudo com a produção de algodão, feijão e milho no entanto na década de 90 começou nesta cidade a produção industrial de redes de dormir que acabou se tornando a principal fonte de renda da cidade.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. a b «Diagnóstico do Mubnicípio de Brejo do Cruz, Paraíba» (PDF). Projeto Águas Subetrrâneas. Ministério das Minas e Energia. Outubro de 2005. Consultado em 15 de abril de 2010 
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2006-2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  7. «Ministério da Integração Nacional, 2005. Nova delimitação do semiárido brasileiro» .
  8. «TEMPERATURA COMPENSADA MENSAL E ANUAL DA PARAÍBA». Departamento de Ciências Atmosféricas. Consultado em 13 de julho de 2018. Cópia arquivada em 11 de junho de 2014 
  9. «TEMPERATURA MÍNIMA MENSAL E ANUAL DA PARAÍBA». Departamento de Ciências Atmosféricas. Consultado em 13 de julho de 2018. Cópia arquivada em 11 de junho de 2014 
  10. «PRECIPITACAO MENSAL». Departamento de Ciências Atmosféricas. 1911–1990. Consultado em 13 de julho de 2018. Cópia arquivada em 11 de junho de 2014 
  11. «TEMPERATURA MAXIMA MENSAL E ANUAL DA PARAIBA». Departamento de Ciências Atmosféricas. 1911–1980. Consultado em 13 de julho de 2018. Cópia arquivada em 11 de junho de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]