Eleição municipal de Salvador em 2016

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
2012 Brasil 2020
Eleição municipal de Salvador em 2016 Bandeira de Salvador.svg
2 de outubro de 2016[1]

Turno Único

ACM Neto.jpeg Alice Portugal.jpg
Candidato ACM Neto Alice Portugal
Partido DEM PCdoB
Natural de Salvador, BA Salvador, BA
Vice Bruno Reis Maria Del Carmen
Votos 982 246 193 102
Porcentagem 73,99% 14,55%


Brasão de Salvador.jpg
Prefeito(a) da cidade

Titular
ACM Neto
DEM

Eleito
ACM Neto
DEM

A eleição municipal de Salvador ocorreu em 2 de outubro de 2016 no conjunto das eleições municipais no Brasil do mesmo ano.[1] Na oportunidade, foram eleitos um prefeito, um vice-prefeito e 43 vereadores para a administração do Município de Salvador. À época, o prefeito titular era ACM Neto, do Democratas (DEM), que concorreu à reeleição e venceu a disputa contra outros seis postulantes ao cargo ainda no primeiro turno.[2] Como vice-prefeito, da mesma chama, foi eleito Bruno Reis, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).[2] A renovação da Câmara dos Vereadores ocorreu em 17 vagas, enquanto nas demais 26 foram ocupadas por postulantes integrantes da 17.ª legislação, em vigor no momento do pleito. O DEM, partido do prefeito titular reeleito, foi o que mais conquistou vagas: seis vereadores.[3]

Pelo calendário eleitoral do ano, as convenções partidárias para a escolha dos candidatos ocorreram entre 20 de julho e 5 de agosto.[4] A propaganda eleitoral gratuita teve início em 26 de agosto e término em 29 de setembro.[4] A campanha majoritária foi concluída no primeiro turno, uma vez que o mais votado, ACM Neto, recebeu 73,99% dos votos válidos, dispensando o segundo turno previsto pela lei eleitoral em vigor para municípios com mais de 200 mil eleitores e sem candidato que tenha atingido os 50%+1 dos votos válidos.[5][6][7][8]

No decorrer do ano de 2015, o Congresso Nacional aprovou uma reforma política, que fez consideráveis alterações na legislação eleitoral. O período oficial das campanhas eleitorais foi reduzido para 45 dias, com início em 16 de agosto, o que configurou em uma diminuição pela metade do tempo vigente até 2012. O horário político também foi reduzido, passando de 45 para 35 dias, com início em 26 de agosto. Em decisão do Supremo Tribunal Federal sobre inconstitucionalidade, as empresas passaram a ser proibidas de financiarem campanhas, o que só poderá ser feito por pessoas físicas.[9][10][11] A Constituição Nacional estabeleceu uma série de requisitos para os candidatos a cargos públicos eletivos. Entre eles está a idade mínima de 21 anos para candidatos ao Executivo e 18 anos ao Legislativo, nacionalidade brasileira, pleno exercício dos direitos políticos, pelo menos um ano de domicílio eleitoral na cidade onde pretende candidatar-se, alfabetização e filiação partidária até o dia 2 de abril de 2016 (seis meses antes da votação).[12][13]

Eleição majoritária[editar | editar código-fonte]

Candidaturas do primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Para a eleição do chefe do executivo soteropolitano destacaram-se as movimentações do Democratas (DEM) e do Partido dos Trabalhadores (PT), respectivamente, partidos do então prefeito e governador. O prefeito iniciou a campanha como favorito devido a resultados altamente positivos obtidos em pesquisas eleitorais e de avaliação de sua gestão, que apontariam uma possível vitória já em primeiro turno, apesar dos desgastes comuns à candidatos à reeleição e da citação de seu nome em listas de destinatários de recursos das empreiteiras Odebrecht e a Camargo Correa investigadas em operações da Polícia Federal.[14] Essas duas personalidades polarizaram a campanha, então avaliada como preparação para 2018 e cujo resultado poderia significar a volta do Carlismo ao Palácio de Ondina, embora a intenção de se candidatar em 2018 para o executivo estadual tenha sido rechaçada publicamente pelo membro do DEM.[14] As críticas à gestão com término em 2016 se referiam principalmente à administração voltada aos interesses da elite e classe média soteropolitanas, em vista dos gastos direcionados a áreas nobres e turísticas da capital, e à base de comparação feita com o antecessor João Henrique Carneiro, que concluiu o mandato com péssima avaliação, o que levaria a nivelamento por baixo.[14]

Dentre os outros partidos, inicialmente as maiores incógnitas eram o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e o Partido Socialista Brasileiro (PSB). O primeiro poderia ou não apoiar a candidatura de ACM Neto, repetindo o feito das eleições de 2014, em que apoiou a candidatura de Paulo Souto pelo DEM. Já o PSB, que lançou a candidatura própria da senadora Lídice da Mata ao governo do estado em 2014, poderia repetir o feito com a candidatura da senadora à prefeitura ou seguir com o alinhamento ao PT como se posicionou desde o fim das eleições de 2014.[15] Fora isso, foi elaborada estratégia de estímulo à pulverização de votos no primeiro turno para levar a disputa ao segundo turno, favorecendo candidatos do governador Rui Costa.[14] Estavam incluídas nesta estratégia as candidaturas de Alice Portugal pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB), de Pastor Sargento Isidório pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT) e de Cláudio Silva pelo Partido Progressista (PP), todos de partidos integrantes da base de apoio do governador.[16][17] Em relação aos demais partidos, houve as candidaturas de Fábio Nogueira pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), de Rogério Da Luz pelo Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB) e de Célia Sacramento pelo Partido Pátria Livre (PPL), que lançou-se insatisfeita com ACM Neto tê-la preterido na composição da chapa de reeleição.[14]

O maior tempo de propaganda pertenceu ao candidato à reeleição e o segundo maior, à principal candidata do governador; entretanto, se somadas às outras duas candidaturas da base do governo estadual, superava o tempo do então prefeito.[18] Dentre os titulares, ACM Neto foi também o candidato que declarou possuir a maior riqueza e Fábio Nogueira não declarou bens; já entre os vices, a maior riqueza declarada foi de Maria del Carmen.[19] Fato que se repete nesta eleição, comparando com a anterior de 2012, foi o uso da negritude para angariar votos. Se na eleição passada, os candidatos dos maiores partidos tiveram ao seu lado na chapa como vice políticos negros,[20] nesta apenas um dos candidatos, dentre titulares e vices, não autodeclarou ser pardo ou preto, gerando questionamentos sobre tentativa de fraude e a ideia de miscigenação brasileira.[19] Pouco tempo depois, as candidatas da coligação "Sim para Salvador" solicitaram e conseguiram a modificação de suas autodeclarações raciais para brancas.[21]

Embora sejam partidos devidamente registrados no TSE,[22] não foram encontradas informações sobre posicionamento oficial do Partido da Causa Operária (PCO), Partido Comunista Brasileiro (PCB), Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) e Partido Novo (NOVO) em relação à disputa.

Candidato(a) a prefeito Candidato(a) a vice-prefeito Coligação Duração da propaganda eleitoral[18]
25 ACM Neto.jpeg ACM Neto (DEM)
Antonio Carlos Peixoto de Magalhães Neto
Deputado Bruno Reis na Lavagem do Bonfim 2012.jpg Bruno Reis (PMDB)
Bruno Soares Reis
"Orgulho de Salvador"
4min01s
65 Alice Portugal.jpg Alice Portugal (PCdoB)
Alice Mazzuco Portugal
Maria del Carmen (cropped).jpg Maria Del Carmen (PT)
Maria Del Carmen Fidalgo Sanchez Puga
"Sim para Salvador"
2min59s
54 Célia Sacramento.jpg Célia Sacramento (PPL)
Célia Oliveira de Jesus Sacramento
Silver - replace this image female.svg Rivanda Mendonça (PPL)
Rivanda Santos Mendonça
Partido não coligado
0min08s
11 Silver - replace this image male.svg Cláudio Silva (PP)
Cláudio Souza da Silva
Silver - replace this image female.svg Dinamene Meireles (PP)
Dinamene Miria Figueiredo Nunes Meireles
"Salvador merece mais"
1min31s
28 DA LUZ.jpg Da Luz (PRTB)
Rogério Tadeu da Luz
Silver - replace this image male.svg Antônio Neto (PRTB)
Antônio Gomes de Andrade Neto
Partido não coligado
0min09s
50 Silver - replace this image male.svg Fábio Nogueira (PSOL)
Fabio Nogueira de Oliveira
Silver - replace this image male.svg Iuri Alves (REDE)
Iuri de Jesus Alves
"Agora é com a gente"
0min18s
12 Silver - replace this image male.svg Pastor Sargento Isidóro (PDT)
Manoel Isidóro Santana Junior
Luis Bassuma.jpg Bassuma (PROS)
Luiz Carlos Bassuma
"Agora é a vez do povo"
0min50s

ACM Neto (DEM)[editar | editar código-fonte]

Coligação Orgulho de Salvador
ACM Neto Bruno Reis
para Prefeito para Vice-Prefeito
ACM Neto.jpeg
Deputado Bruno Reis na Lavagem do Bonfim 2012.jpg
Prefeito e ex-deputado federal Deputado estadual

Sobre o Democratas, apesar de não haver por parte do prefeito ACM Neto nenhuma declaração que disputaria a reeleição, as pesquisas anteriores à campanha mostravam aprovação recorde de 82% da população soteropolitana e indicavam ampla vitória em primeiro turno pelo então prefeito.[23] A maior disputa, portanto, foi pela escolha do candidato a vice-prefeito na chapa. Dentre os postulantes se destacavam titulares de seu gabinete municipal, no entanto houve outros que cresceram com o fortalecimento do DEM (em virtude da vitória de Rodrigo Maia a presidente da Câmara dos Deputados). Os postulantes a vice foram Bruno Reis do PMDB, Luiz Carreira do PV, João Roma do PRB, Sílvio Pinheiro do SD, Guilherme Bellintani no DEM e Paulo Câmara do PSDB.[24] Por fim, anunciado na convenção do dia 5 de agosto, Bruno Reis foi o escolhido para compor ao lado de ACM Neto a chapa situacionista de reeleição apoiada por coligação de 15 partidos políticos.[25][26][27] O nome escolhido para a coligação dos 14 partidos foi "Orgulho de Salvador", explicitando a estratégia de mostrar que resgatou o "orgulho" dos soteropolitanos em contraposição ao estado deixado pela gestão de seu antecessor, João Henrique Carneiro.[28][29] Para desfazer a associação de sua imagem com a camada mais rica da cidade, a campanha eleitoral utilizou o mote “o prefeito da gente” e uma canção publicitária que traz o verso "o gueto e a favela colam com ele [ACM Neto]".[14]

Alice Portugal (PCdoB)[editar | editar código-fonte]

Coligação Sim para Salvador
Alice Portugal Maria Del Carmen
para Prefeita para Vice-Prefeita
Alice Portugal.jpg
Maria del Carmen (cropped).jpg
Deputada federal Deputada federal

O Partido dos Trabalhadores nunca elegeu um candidato filiado ao partido, mas a vitória do governador Rui Costa nas eleições em 2014[30] na capital acendeu uma esperança para o grupo petista. Entretanto, de início, não houve nome majoritariamente favorito. Somou-se a isso o cenário de alta popularidade do então prefeito ACM Neto. Esse cenário implicou a estratégia de pulverizar os votos com vários candidatos e levar as eleições ao segundo turno, por isso o governador Rui Costa apoiou também as pré-candidaturas da deputada federal Alice Portugal (PCdoB) e do deputado estadual Sargento Isidório (PDT), além do candidato do PT. Disputavam na ala petista três pré-candidatos: o vereador Gilmar Santiago, o deputado federal Valmir Assunção e o ministro da Cultura Juca Ferreira.[31] Mais tarde, em articulação atribuída ao deputado federal Daniel Almeida (PCdoB), PT, PCdoB, PSB, PSD e PTN se voltaram em torno do nome de Alice Portugal. Assim, mudou-se a estratégia para a concentração de lançamento de candidatos da oposição municipal a ACM Neto após desistências de Lídice da Mata em candidatar-se e do PT em lançar candidato próprio.[16][32][33][34] Ao fim, a coligação foi registrada sob o nome "Sim para Salvador".[35][36]

Primeiramente, foram cogitados os nomes do senador Walter Pinheiro, do deputado federal Nelson Pelegrino, do secretário estadual de Desenvolvimento Urbano Carlos Martins, do ex-deputado e então ouvidor geral do Estado Yulo Oiticica, do deputado federal Valmir Assunção, do vereador Gilmar Santiago e do deputado federal Jorge Solla. Com exceção dos dois primeiros que já foram candidatos ao executivo municipal, os demais seriam uma tentativa de repetir o feito do governador Rui Costa, que não tinha um nome muito popular, mas foi eleito graças ao apoio puxadores de voto como o ex-presidente Lula.[37] Pinheiro, quando ainda estava filiado ao partido, tinha imagem interna desgastada devido às suas declarações a Revista Veja, em que responsabilizou o Partido dos Trabalhadores pelo esquema de desvios de verbas por meio do Instituto Brasil para as campanhas da legenda na Bahia. Essas declarações foram feitas durante a campanha de 2014 e apesar de Pinheiro ter negado as declarações, a Veja o desmentiu com os áudios que comprovaram tais declarações.[38] Pelegrino já foi secretário estadual e candidato em 2004 (terceiro lugar) e 2012 (segundo lugar), mas recebeu quase 100 mil votos em 2014, bem menos que no pleito anterior de 2010.[39]

Chegaram a se destacar para o posto de vice na chapa Fabíola Mansur (PSB), Olívia Santana (PCdoB), Everaldo da Anunciação (PT), Gilmar Santiago (PT) e Gilberto Leal (PT), como também veiculou-se que o PT teria aberto mão de indicar um membro do partido.[24] No entanto, foi a então deputada estadual Maria Del Carmen (PT) a escolhida para acompanhar Alice Portugal na disputa.[40] O não-lançamento de candidato próprio do PT em Salvador foi criticado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.[41]

Célia Sacramento (PPL)[editar | editar código-fonte]

Partido Pátria Livre
Célia Sacramento Rivanda Mendonça
para Prefeita para Vice-Prefeita
Célia Sacramento.jpg
Silver - replace this image female.svg
Vice-prefeita

Não escolhida novamente como vice de ACM Neto, o Partido Pátria Livre (PPL) lançou em convenção no dia 5 de agosto no nome da atual vice-prefeita, Célia Sacramento, mas não divulgou quem seria o vice na chapa naquela convenção.[42] Célia demonstrou surpresa por não ser repetida a mesma chapa de 2012, pois, embora não estivesse na lista dos principais cotados da disputa a vice da chapa de ACM Neto,[43][44] sua disposição a manter-se como vice era explícita e inclusive contestada pelo seu partido anterior, o Partido Verde.[45][46][47][48][49][50]

Cláudio Silva (PP)[editar | editar código-fonte]

Coligação Salvador merece mais
Cláudio Silva Dinamene Meireles
para Prefeito para Vice-Prefeita
Silver - replace this image male.svg
Silver - replace this image female.svg
Secretário municipal Engenheira civil

A candidatura de Cláudio Silva pelo Partido Progressista (PP) foi oficializada em 4 de agosto, sem definir o candidato a vice. A candidatura foi lançada em coligação formada com o Partido da República (PR). Foram cotadas a cantora Gilmelândia e a presidente do PR-Mulher Kátia Bacelar, as quais desistiram. Assim, posteriormente confirmou-se Dinamene Meireles (PP) para a vaga de vice.[51] Ela é engenheira civil, cristã pentecostal da Assembleia de Deus e concorreu à Câmara Municipal em 2012 pelo Partido Social Cristão (PSC).[27] Na convenção em que o nome de Cláudio Silva foi oficializado, compareceram o governador Rui Costa, o ex-ministro e ex-governador Jaques Wagner, o vice-governador João Leão e o ex-prefeito João Henrique Carneiro, de cuja gestão foi subsecretário e secretário de educação e superintendente da Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo do Município (SUCOM).[52]

Durante as disputas internas entre pré-candidatos, tentou-se atrair o PSB para a formação de aliança após desistência de Lídice da Mata,[17] mas sem sucesso. Ao fim, a coligação formada foi registrada sob o nome "Pra fazer Salvador melhor".[36]

Fábio Nogueira (PSOL)[editar | editar código-fonte]

Coligação Agora é com a gente
Fábio Nogueira Iuri Alves
para Prefeito para Vice-Prefeito
Silver - replace this image male.svg
Silver - replace this image male.svg
Sociólogo e professor universitário Dirigente partidário

Numa aliança entre PSOL e a Rede Sustentabilidade (REDE),[17] a candidatura do sociólogo e professor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) Fábio Nogueira (PSOL)[53] foi oficializado no dia 31 de julho de 2016. Contou com o apoio de outras organizações sociais, Unidade Popular Pelo Socialismo, Refundação Comunista (PRC), Partido pela Liberdade de Expressão dos Afrodescendentes (PPLÊ), Raiz Movimento Cidadanista e Brigadas Populares.[54][55][56] No mesmo dia 31, havia sido indicado como vice na chapa o produtor cultural Babuca Grimaldi (REDE),[57][58] entretanto foi substituído em convenção posterior da REDE por Yuri Alves, coordenador estadual de juventude e de formação política do diretório municipal de seu partido.[59] Anteriormente, a REDE cogitou alianças com o PCdoB e com o PSB, além de candidaturas próprias com os postulantes seguintes: o ambientalista Sílvio Ribeiro, o advogado Francisco José e o produtor cultural Babuca Grimaldi.[60]

A candidatura de Nogueira foi o resultado da disputa interna em novembro de 2015, quando se disputou a presidência do diretório municipal do PSOL em Salvador entre a corrente Rosa Zumbi, à qual pertence o presidente estadual Ronaldo Santos (naquela disputa eleito), com apoio das correntes Somos PSOL e Insurgência (do ex-candidato ao governo estadual Marcos Mendes), e a corrente do vereador Hilton Coelho, que indicaria à disputa municipal o ex-candidato a senador Hamilton Santos.[61]

Anteriormente contou-se com negociações com o PPL,[62] o qual lançou candidatura própria, e houve discussão sobre adesão do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU),[63] que não se concretizaram oficialmente. Houve críticas do Movimento por uma Alternativa Independente e Socialista (MAIS) à aliança do PSOL com a REDE, reivindicando aliança com o PCB e PSTU.[64]

Durante a campanha recebeu o apoio, inédito em Salvador, do Convergência Negra, entidade política nacional da qual fazem parte as principais organizações nacionais do movimento negro brasileiro — Coordenação Nacional de Entidades Negras (CONEN), Movimento Negro Unificado (MNU), Coletivo de Entidades Negras (CEN), Agentes Pastorais Negros (APNs) e Círculo Palmarino.[65]

Pastor Sargento Isidório (PDT)[editar | editar código-fonte]

Coligação Agora é a vez do povo
Pastor Sargento Isidóro Bassuma
para Prefeito para Vice-Prefeito
Silver - replace this image male.svg
Luis Bassuma.jpg
Deputado estadual Deputado federal

Rogério Da Luz (PRTB)[editar | editar código-fonte]

Partido Renovador Trabalhista Brasileiro
Da Luz Antônio Neto
para Prefeito para Vice-Prefeito
DA LUZ.jpg
Silver - replace this image male.svg

Debates e entrevistas[editar | editar código-fonte]

Como meio de divulgação das propostas e embate delas são promovidos debates, especialmente pelos meios de comunicação, que também realizam séries de entrevistas dos candidatos. Foram realizados debates para o primeiro turno desta eleição entre os candidatos a prefeito. A TV Bandeirantes Bahia anunciou que não organizaria um debate para o primeiro turno, que tradicionalmente é o primeiro da temporada, somente se houvesse segundo turno.[66][67][68] A maioria dos embates foram agendados para próximo do dia da votação ou com transmissão na televisão aberta, havendo três com transmissão no rádio e três cotransmitidos via internet.[68][69][70][71] ACM Neto, candidato à reeleição, anunciou que não participaria dos eventos alegando "demanda muito grande" proporcionada pela campanha eleitoral e pelos compromissos como prefeito[69] e discordância com os formatos com sete candidatos,[72] tendo somente confirmado presença no debate da TV Bahia, emissora de sua família.[71]

O primeiro debate foi promovido pela Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia (FACED), dentro da disciplina Polêmicas Contemporâneas, para o qual todos os candidatos foram convidados, mas ACM Neto e Pastor Sargento Isidório não compareceram, embora o último tenha confirmado presença. Neste evento, não houve perguntas feitas entre os candidatos apenas questões formuladas por reitores e vice-reitores de instituições baianas de ensino superior e pessoas sorteadas da plateia.[73]

O debate promovido pelos veículos de comunicação pública do Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (IRDEB) foi marcado para a noite de 22 de setembro, com transmissão por rádio (Educadora) e televisão (TVE), como também pela página eletrônica do IRDEB.[74] Ao encontro foram convidados todos os candidatos, mas ACM Neto não aceitou o convite.[70] Com duração de duas horas, foi mediado pelo jornalista Bob Fernandes e o programa dividido em quatro blocos, sendo que o segundo foi destinado a perguntas gravadas feitas por personalidades,[75][74][76] foram elas: o radialista e ex-prefeito Mário Kertész, o ator Lázaro Ramos, o reitor da Universidade Federal da Bahia (UFBA) João Carlos Sales, o empresário e presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas Frutos Dias Neto, a urbanista e diretora da Sociedade Brasileira de Urbanismo Glória Cecília e a educadora Makota Valdina.[70][77] A ausência do candidato à reeleição foi criticada diversas vezes pelos demais candidatos durante o debate.[78]

Segundo debate televisionado, o programa veiculado pela TV Record Bahia, pelo portal eletrônico R7 e pela Rádio Sociedade da Bahia ocorreu na noite do domingo de 25 de setembro de 2016. Foram convidados todos os sete prefeituráveis e o formato incluiu quatro blocos, sendo dois deles com confrontos diretos entre os candidatos sobre tema livre.[79]

No dia 28 de setembro, ocorreu o terceiro debate promovido por veículos de comunicação. Organizado em conjunto pelos veículos de rádio da Fundação Dom Avelar Brandão Vilela (Excelsior AM e Vida FM),[68][69] que é uma entidade católica vinculada à Arquidiocese de São Salvador da Bahia,[80] além da Tudo FM e TV Baiana.[81][82]

No dia 29 de setembro, foram marcados mais dois debates, algo incomum, sendo um pela manhã e outro a noite. A TV Aratu realizou o primeiro debate do dia e foram convidados cinco candidatos, enquanto Célia Sacramento e Da Luz não foram convidados. Porém, ACM neto não compareceu alegando incompatibilidade na agenda de compromissos como prefeito.[83]

O segundo e último debate do dia foi promovido por veículos da Rede Bahia pela noite. Contou com somente quatro candidatos, inclusive o único comparecimento de ACM Neto a esses eventos, enquanto que os outros três candidatos não foram convidados. O Fábio Nogueira chegou a obter liminar permitindo sua participação, mas ela foi derrubada logo antes do início do programa.[84]

Debates
Data Veículo
de comunicação
ACM Neto
(DEM)
Alice Portugal
(PCdoB)
Célia Sacramento
(PPL)
Cláudio Silva
(PP)
Da Luz
(PRTB)
Fábio Nogueira
(PSOL)
Pastor Sargento Isidório
(PDT)
22/08/2016[73] FACED-UFBA Ausente Presente Presente Presente Presente Presente Ausente
22/09/2016[70] TVE Bahia, Rádio Educadora, Portal IRDEB Ausente Presente Presente Presente Presente Presente Presente
25/09/2016[67] TV Record Bahia, R7, Rádio Sociedade da Bahia Ausente Presente Presente Presente Presente Presente Presente
28/09/2016[81] Excelsior AM, Vida FM, Tudo FM, TV Baiana Ausente Presente Presente Presente Presente Presente Presente
29/09/2016[83] TV Aratu Ausente Presente Não convidada Presente Não convidado Presente Presente
29/09/2016[67] TV Bahia, G1 Presente Presente Não convidada Presente Não convidado Não convidado Presente
Entrevistas
Veículo de comunicação ACM Neto
(DEM)
Alice Portugal
(PCdoB)
Célia Sacramento
(PPL)
Cláudio Silva
(PP)
Da Luz
(PRTB)
Fábio Nogueira
(PSOL)
Pastor Sargento Isidório
(PDT)
A Tarde 25/09/2016[85] 18/09/2016[86] 21/08/2016[87] 22/08/2016[88] 28/08/2016[89] 04/09/2016[90]
TV Bahia, G1 21/09/2016[91] 26/09/2016[92] 24/09/2016[93] 22/09/2016[94] 20/09/2016[95] 19/09/2016[96] 23/09/2016[97]
Correio, IBahia.com[98] 28/09/2016[99] 27/09/2016[100] Não convidada 26/09/2016[101] Não convidado Não convidado 26/09/2016[102]

Pesquisas[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2015, pesquisa do Instituto Paraná Pesquisas apontou ACM Neto como líder nas pesquisas de intenção de voto da época independente do cenário projetado, uma vez que as candidaturas não estavam oficialmente lançadas, e também aprovação de sua gestão por 82% dos pesquisados. Em pesquisa espontânea, disputando ACM Neto (DEM), Nelson Pelegrino (PT) e Lídice da Mata (PSB), eles apareciam com as respectivas porcentagens: 27,1%, 0,9% e 0,6%. Já em pesquisa estimulada, foram traçados três cenários. No primeiro, os índices foram 61,5% para ACM Neto, 11,8% para Jaques Wagner (PT), 9,3% para Lídice, 4,4% para Alice Portugal (PCdoB) e 1,7% para Antônio Brito (PTB). No segundo cenário a situação foi: ACM Neto com 66,6%, Pelegrino com 10,6% e Alice Portugal com 7%. No terceiro cenário, ACM Neto atinge 66%, Lídice da Mata, 10,6%, Alice Portugal, 5,4%, e Walter, 3,9%.[23]

Data Instituto Encomendada por Margem de erro Candidatos Brancos e nulos Indecisos Universo de eleitores
ACM Neto
(DEM)
Alice Portugal
(PCdoB)
Sargento Isidório
(PDT)
Fábio Nogueira
(PSOL)
Da Luz
(PRTB)
Célia Sacramento
(PPL)
Cláudio Silva
(PP)
18 a 21 de agosto de 2016 Ibope[103] TV Bahia ±4% 68% 8% 6% 1% 1% 0% 0% 13% 3% 602
2 a 4 de setembro de 2016 Ibope[104] TV Bahia ±4% 68% 10% 7% 0% 2% 0% 0% 9% 4% 602
15 a 18 de setembro de 2016 Ibope[105] TV Bahia ±3% 69% 12% 7% 1% 0% 0% 0% 8% 3% 805
17 a 21 de setembro de 2016 Instituto Paraná[106] Record Bahia ±3,5% 69% 10,5% 7% 0,8% 0,2% 0,8% 0,4% 6,4% 4,9% 840
27 a 30 de setembro de 2016 Ibope[107] TV Bahia ±3% 65% 15% 8% 0% 1% 0% 1% 6% 4% 805

Resultado do primeiro turno[editar | editar código-fonte]

O resultado do primeiro turno finalizou o pleito eleitoral para prefeito. ACM Neto foi o mais votado com 74% dos votos válidos, bem a frente dos demais candidatos. Dentre as capitais, ele foi um dos sete candidatos à reeleição vitoriosos já no primeiro turno e o candidato com o segundo maior porcentual de votação, atrás somente de Teresa Surita (Boa Vista), do PMDB, que venceu com 79,5% dos votos válidos.[108][109]

1.º turno
2 de outubro de 2016
Candidato(a) Vice Votação
Porcentagem Total
ACM Neto (DEM) Bruno Reis (PMDB) 73,99% 982 246
Alice Portugal (PCdoB) Maria Del Carmen (PT) 14,55% 193 102
Pastor Sargento Isidóro (PDT) Bassuma (PROS) 8,61% 114 291
Cláudio Silva (PP) Dinamene Meireles (PP) 1,46% 19 333
Fábio Nogueira (PSOL) Iuri Alves (REDE) 1,04% 13 747
Célia Sacramento (PPL) Rivanda Mendonça (PPL) 0,23% 3 079
Da Luz (PRTB) Antônio Neto (PRTB) 0,13% 1 731
Total de votos válidos[110] 86,53% 1 327 529
Votos em branco 3,17% 48 615
Votos nulos 10,30% 158 087
Votos apurados 100% 1 534 231
Abstenções 21,25% 413 960
Total de eleitores 100% 1 948 191
  Eleito
Primeiro turno (02/10/2016)
Partido Candidato Votos Votos (%)
  DEM ACM Neto 982 246
 
73,99%
  PCdoB Alice Portugal 193 102
 
14,55%
  PDT Sgt. Isidóro 114 291
 
8,61%
  PP Cláudio Silva 19 333
 
1,46%
  PSOL Fábio Nogueira 13 747
 
1,04%
  PPL Célia 3 079
 
0,23%
  PRTB Da Luz 1 731
 
0,13%
Totais 1 327 529  

Eleição proporcional[editar | editar código-fonte]

Para a eleição proporcional de Salvador, na qual são escolhidos os 43 membros da Câmara de Vereadores de Salvador da legislatura a ser iniciada em 2017, foram 1 056 candidatos registrados; isso indica uma concorrência de aproximadamente 24,56 candidatos por vaga.[111] O quociente eleitoral em Salvador está em torno de 30 mil votos.[112]

De início, três coligações não cumpriram a exigência de mínimo de 30% de candidatos de um gênero. Foram as chapas PRP-PMN, PCdoB-PSD-PT e PSOL-REDE, que não atenderam à exigência de ao menos ter 30% de mulheres entre as candidaturas lançadas pelas coligações, superando os 70% os candidatos homens.[113] As duas últimas chapas alegaram problemas no processamento de candidaturas, já a última afirmou que iria adicionar mais uma candidata para cumprimento da cota.[114] Entre todos os candidatos ao Legislativo municipal, as mulheres beiraram o mínimo, representaram 31% das candidaturas (320 de 1 038).[113] Ao fim a proporção ficou em 327 mulheres candidatas no universo de 1 056 (30,97%).[115] E cinco candidatos não receberam voto algum e todos são mulheres, três do PTC, uma do PPL e outra do PP.[116]

Foi estimada a eleição de 29 a 32 candidatos a vereador aliados a ACM Neto, distribuídos na seguinte forma: dez na chapa DEM-PRB-PMB, cinco na PV-SD, entre três e cinco na chapa PTB-PPS, quatro do PHS, três ou quatro do PMDB, três do PSDB, dois do PSC e o restante viria do PEN, PTC ou PSDC.[27] Dentre os partidos aliados a Alice Portugal, foi esperada a eleição de cinco a seis vereadores da coligação PT-PCdoB-PSD, sendo baixas as possibilidades de ser afiliado ao PCdoB; dois a três vereadores do PTN e um do PSB. Para a coligação PDT-PROS-PSL, estimou-se até três eleitos, e um eleito do PSOL. Não era esperado que os demais partidos e coligações elegessem candidatos.[117]

Coligações[editar | editar código-fonte]

Coligação[118]
"Amor por Salvador"
"Avança, Salvador!"
"Salvador solidário e sustentável"
"Pra frente Salvador"
"Salvador no caminho certo"
"Decência e trabalho"
"Agora é o novo"
"Agora é com a gente"
"Salvador merece mais"
"Juntos por Salvador"
Partido não coligado
Partido não coligado
Partido não coligado
Partido não coligado
Partido não coligado
Partido não coligado
Partido não coligado
Partido não coligado
Partido não coligado

Resultado[editar | editar código-fonte]

O resultado eleitoral trouxe renovação da Câmara dos Vereadores em 17 cadeiras. Nas demais 26, foram ocupadas por postulantes integrantes da 17.ª legislatura, em vigor no momento do pleito.[119] Portando, houve a renovação de 35%, porcentual menor que 2012 (56%), mas esperado e redução atribuída às novas regras eleitorais.[120] Somente um vereador optou por não candidatar-se em 2016: Waldir Pires.[120] Dois candidatos foram eleitos para o sétimo mandato no parlamento municipal: Alfredo Mangueira e Odiosvaldo Vigas.[121] Por outro lado, a representação feminina cresceu de cinco vereadoras para oito eleitas para a 18.ª legislatura.[121]

O DEM, partido do prefeito titular reeleito, foi o que mais conquistou vagas: seis vereadores.[119] O prefeito reeleito conta, ao menos no início de mandato, com trinta vereadores na base governista, dois a menos em comparação aos 28 anteriores.[122][120] Na avaliação do cientista político Joviniano Neto ouvido pelo A Tarde, os candidatos [à Câmara Municipal] usaram essa imagem do prefeito [de candidato com vitória certa]. Colou a onda dos vereadores que vão ajudar Neto, não que vão fiscalizar Neto. Dos demais vereadores eleitos, três afirmam ser independentes: Hilton Coelho (PSOL), Edvaldo Brito (PSD) e Odiosvaldo Vigas (PDT), que são também os únicos membros de seus partidos na Câmara.[120][122]

Vale destacar a eleição do então presidente da Casa Paulo Câmara (PSDB) como o mais votado; da irmã do deputado estadual Marcell Moraes, Marcelle Moraes (PV), como estreante mais votada, do filho do deputado federal José Carlos Aleluia, Alexandre Aleluia; do irmão do deputado estadual David Rios, Daniel Rios; da filha do bispo Átila Brandão, Lorena Brandão; do cantor de pagode Igor Kannario.[120] Curiosamente, os candidatos Téo Senna e Fábio Souza, ambos do PHS, obtiveram 6.922 votos, o desempate veio pelo critério da idade, tendo sido eleito o primeiro, com 58 anos contra 39 anos do outro.[123] Marcelle Moraes é a candidata eleita mais nova (24 anos), enquanto que Edvaldo Brito, o mais velho (79 anos).[121]

Candidato(a) Partido Votação[110]
Porcentagem Total
Paulo Câmara PSDB 1,47% 18 432
Luiz Carlos PRB 1,31% 16 530
Marcelle Moraes PV 1,25% 15 727
Isnard Araúujo PHS 1,20% 15 081
Duda Sanches DEM 1,15% 14 455
Hilton Coelho PSOL 1,13% 14 168
Geraldo Júnior SD 1,09% 13 685
Carlos Muniz PTN 1,04% 13 129
Leo Prates DEM 1,00% 12 549
Cláudio Tinoco DEM 0,98% 12 348
Pastora Rogéria Santos PRB 0,98% 12 303
Tiago Correia PSDB 0,95% 11 963
Pastora Ireuda Silva PRB 0,95% 11 888
Igor Kanario Príncipe do Gueto PHS 0,91% 11 432
Daniel Rios PMDB 0,86% 10 761
Suica PT 0,78% 9 797
Maurício Trindade DEM 0,78% 9 796
Palhinha DEM 0,77% 9 732
Cátia Rodrigues PHS 0,76% 9 597
Paulo Magalhães Júnior PV 0,75% 9 429
Kiki Bispo PTB 0,74% 9 318
Alfredo Mangueira PMDB 0,73% 9 229
Felipe Lucas PMDB 0,72% 9 082
Beca PPS 0,72% 9 045
Aleluia DEM 0,71% 8 941
Héber Santana PSC 0,71% 8 874
Hélio Ferreira PCdoB 0,67% 8 419
Ana Rita Tavares PMB 0,66% 8 351
Toinho Carolino PTN 0,65% 8 196
Joceval Rodrigues PPS 0,62% 7 833
Carballal PV 0,61% 7 684
Sabá PV 0,61% 7 630
Aladilce Souza PCdoB 0,60% 7 572
Lorena Brandão PSC 0,58% 7 312
Teo Senna PHS 0,55% 6 922
Sidninho PTN 0,54% 6 812
Marta Rodrigues PT 0,53% 6 646
Edvaldo Brito PSD 0,52% 6 596
Sílvio Humberto PSB 0,50% 6 260
Moisés Rocha PT 0,48% 6 077
Odiosvaldo Vigas PDT 0,48% 6 048
Atanázio Júlio PSDB 0,43% 5 349
Trindade PSL 0,37% 4 711
Partido Número de
eleitos
[124]
DEM 6
PHS 4
PV 4
PMDB 3
PRB 3
PSDB 3
PT 3
PTN 3
PCdoB 2
PPS 2
PSC 2
PDT 1
PMB 1
PSB 1
PSD 1
PSL 1
PSOL 1
PTB 1
SD 1
Coligação Número de
eleitos
Votação[124]
Porcentagem Total
DEM / PRB / PMB 10 18,73% 235 556
PC do B / PSD / PT 6 12,22% 153 616
SD / PV 5 11,10% 139 619
PHS / PT do B 4 7,95% 99 948
PMDB / PSDC 3 6,95% 87 361
PTB / PPS 3 6,94% 87 210
PTN 3 6,67% 83 919
PSDB 3 6,18% 77 746
PSC 2 5,13% 64 499
PDT / PROS / PSL 2 4,77% 60 028
PSOL / REDE 1 3,03% 38 129
PSB 1 2,83% 35 580
PEN 0 2,21% 27 804
PR / PP 0 1,82% 22 824
PRP / PMN 0 1,47% 18 450
PTC 0 1,14% 14 335
PPL 0 0,54% 6 747
PRTB 0 0,25% 3 176
PSTU 0 0,08% 964

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Prazeres, Leandro (9 de julho de 2015). «Câmara aprova novas regras para eleições; veja o que pode mudar». UOL. Consultado em 28 de julho de 2015. Para entrar em vigor nas eleições de 2016, a minirreforma precisa ser sancionada até um ano antes do pleito do ano que vem, que ocorrerá no dia 2 de outubro. 
  2. a b «Com ampla vantagem, ACM Neto é reeleito prefeito de Salvador». Consultado em 3 de outubro de 2016 
  3. «Veja os 43 vereadores eleitos em Salvador». 2 de outubro de 2016. Consultado em 3 de outubro de 2016 
  4. a b «Eleições 2016: datas e regras». G1. 5 de janeiro de 2016. Consultado em 25 de junho de 2016 
  5. «Calendário eleitoral - Eleições 2016». Tribunal Superior Eleitoral 
  6. «ACM Neto é reeleito prefeito de Salvador no primeiro turno - CORREIO - O QUE A BAHIA QUER SABER:». www.correio24horas.com.br. Consultado em 2 de outubro de 2016 
  7. «ACM Neto confirma favoritismo e é reeleito com 74% dos votos em Salvador - 02/10/2016 - Poder - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 2 de outubro de 2016 
  8. «ACM Neto (DEM) é reeleito prefeito de Salvador no primeiro turno - Notícias - UOL Eleições 2016». eleicoes.uol.com.br. Consultado em 2 de outubro de 2016 
  9. Noelle Oliveira e Amanda Cieglinski (19 de julho de 2016). «Menos tempo e dinheiro limitado: conheça regras das eleições municipais de 2016». Empresa Brasil de Comunicação. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  10. «Conheça as novas regras das Eleições Municipais de 2016». Tribunal Superior Eleitoral. 5 de janeiro de 2016. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  11. Cleidi Pereira e Débora Ely (2 de novembro de 2015). «Candidatos a prefeito estreiam campanha menor e mais barata». Zero Hora. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  12. Lúcio Costa. «O que é necessário para ser candidato a vereador ou vereadora?». Costa Advogados. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  13. «Eleições 2016: confira as datas e principais regras». Zero Hora. 26 de julho de 2016. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  14. a b c d e f Frazão, Felipe (23 ago 2016). «Em Salvador, todos contra ACM Neto». VEJA.com. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  15. «Aumenta o número de siglas que desejam lançar candidatos para 2016». Tribuna da Bahia. 24 de julho de 2015. Consultado em 6 de outubro de 2015 
  16. a b Pinto, Victor (17 de Julho de 2016). «ACM Neto deve dominar metade do tempo do horário eleitoral no rádio e TV». Bocão News. Consultado em 17 de julho de 2016 
  17. a b c «PSB também deve declarar apoio a Alice Portugal». Brasil 247. 15 de Julho de 2016. Consultado em 17 de julho de 2016 
  18. a b Santos, Luan (19 de agosto de 2016). «ACM Neto terá maior tempo de rádio e TV durante campanha». A Tarde. Consultado em 22 de agosto de 2016 
  19. a b Talento, Biaggio (16 de agosto de 2016). «Candidatos declaram-se afrodescendentes». A Tarde. Consultado em 22 de agosto de 2016 
  20. Talento, Biaggio (21 de agosto de 2016). «Célia Sacramento acusa ACM Neto de superfaturar obras». A Tarde. Consultado em 22 de agosto de 2016 
  21. Vasconcelos, Levi (27 de agosto de 2016). «Célia nega ataque a Neto que está gravado». Coluna Tempo Presente. A Tarde. Consultado em 1 de setembro de 2016 
  22. «Partidos políticos registrados no TSE». www.tse.jus.br. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  23. a b «Pesquisa aponta ACM Neto como favorito para vencer disputa pela Prefeitura de Salvador em 2016». noticias.r7.com. R7 Bahia. 30 de julho de 2015. Consultado em 6 de outubro de 2015 
  24. a b Vasconcelos, Levi (16 de julho de 2016). «Sabe quem é vice de Neto? Um amigo dele». Coluna Tempo Presente. A TARDE. Consultado em 17 de julho de 2016 
  25. Costa Júnior, Jairo (6 de agosto de 2016). «ACM Neto e 14 siglas oficializam aliança na disputa eleitoral em Salvador». Correio*. Consultado em 7 de agosto de 2016 
  26. «ACM Neto oficializa candidatura à prefeitura de Salvador». Correio*. 5 de agosto de 2016. Consultado em 7 de agosto de 2016 
  27. a b c Costa Júnior, Jairo (6 de agosto de 2016). «Satélite: Articuladores políticos estimam eleger de 29 a 32 vereadores da base de ACM Neto». Coluna Satélite. Correio*. Consultado em 6 de agosto de 2016 
  28. «"Orgulho de Salvador" é o nome da coligação de ACM Neto». www.politicalivre.com.br. Política Livre. 8 de agosto de 2016. Consultado em 8 de agosto de 2016 
  29. «Neto aposta em resgate ao "orgulho de Salvador" para ser reeleito». Bocão News. 8 de agosto de 2016. Consultado em 8 de agosto de 2016 
  30. «Resultado das Apurações dos votos das Eleições 2014 na Bahia para Governador, Senador, Deputados Federais e Deputados Estaduais». G1. Consultado em 6 de outubro de 2015 
  31. Santos, Luan (21 de abril de 2016). «Neto e Rui correm contra tempo eleitoral». A Tarde. Consultado em 21 de abril de 2016 
  32. França, Patrícia (12 de julho de 2016). «PT aceita abrir mão de vice na chapa». A Tarde. Consultado em 17 de julho de 2016 
  33. Talento, Biaggio (12 de julho de 2016). «Olívia quer se concentrar agora no apoio a Alice». A Tarde. Consultado em 17 de julho de 2016 
  34. França, Patrícia (15 de julho de 2016). «PSB confirma que vai apoiar Alice na disputa por Salvador». A Tarde. Consultado em 17 de julho de 2016 
  35. «Alice Portugal registra candidatura com Maria Del Carmen: "Sim para Salvador"». Varela Notícias. 12 de agosto de 2016. Consultado em 15 de agosto de 2016 
  36. a b Faro, Romulo (13 de agosto de 2016). «Partidos fecham coligações na Bahia para disputar as eleições de outubro». Tribuna da Bahia. Consultado em 15 de agosto de 2016 
  37. «PT aprova candidatura para a eleição de 2016 e apresenta sete pré-candidatos; conheça». www.bahianoticias.com.br. Bahia Notícias. 18 de Agosto de 2015. Consultado em 6 de outubro de 2015 
  38. «Moral do senador Walter Pinheiro no PT vai à lona após entrevista a Veja». Tribuna da Bahia. 25 de setembro de 2014. Consultado em 6 de outubro de 2015 
  39. Costa JUNIOR, Jairo (17 de outubro de 2014). «Satélite: PT já pensa em quem será candidato para prefeitura de Salvador em 2016». Coluna Satélite. Correio*. Consultado em 6 de outubro de 2015 
  40. Redação (31 de julho de 2016). «Maria del Carmen é escolhida vice de Alice Portugal». com informações de Patrícia França. A Tarde. Consultado em 31 de julho de 2016 
  41. Monteiro, Raul (8 de setembro de 2016). «O recado da candidatura de Wagner, por Raul Monteiro». www.politicalivre.com.br. Política Livre. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  42. G1 BA (5 de agosto de 2016). «PPL anuncia candidatura de Célia Sacramento à prefeitura de Salvador». G1. Consultado em 6 de agosto de 2016 
  43. «"Candidata de Facebook": Célia afirma poder comprovar trabalho por Salvador». Metro 1. 5 de agosto de 2016. Consultado em 8 de agosto de 2016 
  44. «De decorativa a nanica: Célia Sacramento será candidata a prefeita pelo PPL». Metro 1. 5 de agosto de 2016. Consultado em 8 de agosto de 2016 
  45. Redação VN (23 de novembro de 2015). «De "cara amarrada", Célia Sacramento permanece em silêncio durante cerimônia na prefeitura». Varela Notícias. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  46. Redação VN (19 de dezembro de 2015). «Célia Sacramento diz que quer seguir como vice-prefeita de ACM Neto em eleições de 2016». Varela Notícias. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  47. Pereira, Celina (2 de junho de 2016). «Célia Sacramento sonha com vice: "Não tenho dúvida de que serei escolhida"». colaboração de Breno Cunha. Varela Notícias. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  48. Cunha, Breno (8 de agosto de 2016). «Célia Sacramento divide opiniões na Câmara e governistas ironizam candidatura». Colaboração de Henrique Brinco. Varela Notícias. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  49. Redação VN (19 de janeiro de 2016). «PV ameaça deixar base de apoio caso ACM Neto mantenha Célia Sacramento como vice». Varela Notícias. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  50. Silva, Rodrigo Daniel (19 de janeiro de 2016). «PV ameaça romper se Neto mantiver Célia Sacramento». Tribuna da Bahia. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  51. «Dinamene Meireles é indicada pelo PR como vice na chapa de Cláudio Silva». Metro 1. 5 de agosto de 2016. Consultado em 8 de agosto de 2016 
  52. G1 BA (4 de agosto de 2016). «Convenção oficializa Cláudio Silva (PP) como candidato em Salvador». G1. Consultado em 6 de agosto de 2016 
  53. Barreto, Jaqueline (3 de julho de 2016). «Durante desfile do 2 de Julho, Fábio Nogueira recebe apoio da população de Salvador». www.novoeste.com. Novoeste on-line. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  54. G1 BA (31 de julho de 2016). «Convenção confirma Fábio Nogueira (PSOL) como candidato em Salvador». G1. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  55. PSOL Nacional. «PSOL Salvador oficializa candidatura de Fábio Nogueira à prefeitura». www.psol50.org.br. Consultado em 15 de agosto de 2016 
  56. Brinco, Henrique (1 de agosto de 2016). «Como antecipado pelo VN, PSOL e REDE selam aliança em Salvador». Varela Notícias. Consultado em 15 de agosto de 2016 
  57. Redação (31 de julho de 2016). «Babuca Grimaldi é o nome cotado para vice de Fábio Nogueira». com informações de Gilson Jorge. A Tarde. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  58. «Resultado da aliança Psol-Rede, Babuca Grimaldi é candidato a vice de Nogueira». www.bahianoticias.com.br. Bahia Notícias. 1 de agosto de 2016. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  59. «PSOL altera chapa de Nogueira e nomeia Yuri Alves como vice». Metro 1. 5 de agosto de 2016. Consultado em 8 de agosto de 2016 
  60. Reis, Guilherme (21 de julho de 2016). «Rede Sustentabilidade estuda lançar candidatura». Tribuna da Bahia. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  61. Galvão, Alexandre (14 de Novembro de 2015). «Disputa por presidência do PSOL em Salvador deve definir candidato a prefeito». www.bahianoticias.com.br. Bahia Notícias. Consultado em 7 de agosto de 2016 
  62. PSOL Nacional. «Diretório Nacional do PSOL define política de alianças, com candidatura própria em 25 capitais». www.psol50.org.br. Consultado em 7 de agosto de 2016 
  63. Junior, Evilasio (29 de julho de 2016). «PSOL e Rede próximos: 'tendência é pela aliança', diz Nogueira». Bahia.Ba. Consultado em 7 de agosto de 2016 
  64. Montezuma, Jean (13 de agosto de 2016). «Eleição de Salvador: enfrentar ACM Neto com uma política de esquerda, classista e socialista». Esquerda Online. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  65. Redação (21 de setembro de 2016). «Instituições do movimento negro declaram apoio a Fábio Nogueira». Bahia.Ba. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  66. Aguiar, Rodrigo (22 de agosto de 2016). «Band Bahia só fará debate entre prefeituráveis em caso de 2º turno». Bahia.Ba. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  67. a b c Redação Bocão News (5 de setembro de 2016). «Record Bahia anuncia data para debate entre candidatos à prefeitura de Salvador». Bocão News. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  68. a b c «Band, Globo e Record definem as datas dos seus debates eleitorais». Famosos na Web. 15 de julho de 2016. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  69. a b c Reis, Guilherme (23 de agosto de 2016). «Candidatos esperam debates propositivos». Tribuna da Bahia. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  70. a b c d «TVE promove debate entre candidatos a prefeito de Salvador na noite desta quinta». Metro1. 21 de Set de 2016. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  71. a b «NETO DIZ QUE SÓ VAI PARA O DEBATE DA TV BAHIA». www.bahiaeconomica.com.br. BAHIA ECONOMICA. 22 de setembro de 2016. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  72. Estadão Conteúdo (21 de setembro de 2016). «Líder nas pesquisas, ACM Neto recebe críticas por não participar de debates na TV». A Tarde. Consultado em 26 de setembro de 2016 
  73. a b Santos, Luan (22 de agosto de 2016). «Ausente de debate, ACM Neto é criticado por oposicionistas». A Tarde. Consultado em 30 de agosto de 2016 
  74. a b «Debate dos Candidatos à Prefeitura de Salvador». www.irdeb.ba.gov.br. IRDEB. 20 de Setembro de 2016. Consultado em 22 de Setembro de 2016 
  75. «TVE promove debate com candidatos a prefeito de Salvador». Diga Bahia. 20 de setembro de 2016. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  76. Redação (20 de setembro de 2016). «Eleições 2016 – Feira de Santana: candidatos ao executivo de Salvador participam de debate e entrevistas na TVE e Rádio Educadora». www.jornalgrandebahia.com.br. Jornal Grande Bahia. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  77. G1 BA (22 de setembro de 2016). «Debate na TV reúne seis candidatos à Prefeitura de Salvador». G1. Consultado em 26 de setembro de 2016 
  78. Talento, Biaggio (22 de setembro de 2016). «No 1° debate na TV, candidatos criticam ausência de prefeito». A Tarde. Consultado em 26 de setembro de 2016 
  79. R7 (25 de setembro de 2016). «R7 e TV Record transmitem ao vivo debate entre candidatos hoje - Notícias - R7 Eleições 2016». noticias.r7.com. Consultado em 26 de setembro de 2016 
  80. «FUNDAÇÃO - Rádio Excelsior - AM 840 - Rede Católica de Rádios». www.am840.com.br. Consultado em 22 de setembro de 2016. Arquivado do original em 13 de Outubro de 2016 
  81. a b Pinto, Victor (28 de setembro de 2016). «Rádio Excelsior e Vida FM promoveram debate entre candidatos a prefeito». Vida 106 FM. Consultado em 2 de outubro de 2016. Arquivado do original em 11 de outubro de 2016 
  82. «Candidatos à Prefeitura de Salvador participaram de debate». Arquidiocese de São Salvador da Bahia. 28 de setembro de 2016. Consultado em 2 de outubro de 2016 
  83. a b G1 BA (29 de setembro de 2016). «Terceiro debate na TV reúne quatro candidatos à prefeitura de Salvador». Consultado em 2 de outubro de 2016 
  84. Santos, Luan (30 de setembro de 2016). «Campanha termina com debate morno na TV Bahia». Portal A TARDE. A Tarde. Consultado em 2 de outubro de 2016 
  85. Patrícia, França (25 de setembro de 2016). «Candidato ACM Neto encerra série de entrevistas». A Tarde. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  86. Talento, Biaggio (18 de setembro de 2016). «Alice Portugal: Neto foge ao debate e é ingrato com Dilma». A Tarde. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  87. Talento, Biaggio (21 de agosto de 2016). «Célia Sacramento acusa ACM Neto de superfaturar obras». A Tarde. Consultado em 30 de agosto de 2016 
  88. Santos, Luan (22 de agosto de 2016). «Para que essa ganância toda para arrecadar dinheiro e gastar mal?». A Tarde. Consultado em 30 de agosto de 2016 
  89. Santos, Luan (28 de agosto de 2016). «Fábio Nogueira (PSOL): A política em Salvador anda para trás». A Tarde. Consultado em 30 de agosto de 2016 
  90. Talento, Biaggio (4 de setembro de 2016). «Pastor Isidório: 'Enfrento Neto com os braços amarrados'». A Tarde. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  91. G1 BA (21 de setembro de 2016). «ACM Neto é entrevistado pelo Bahia Meio Dia». com informações da TV Bahia. G1. Consultado em 26 de setembro de 2016 
  92. G1 BA (26 de setembro de 2016). «Alice Portugal é entrevistada pelo Bahia Meio Dia». com informações da TV Bahia. G1. Consultado em 2 de outubro de 2016 
  93. G1 BA (24 de setembro de 2016). «Célia Sacramento é entrevistada pelo Bahia Meio Dia». com informações da TV Bahia. G1. Consultado em 26 de setembro de 2016 
  94. G1 BA (22 de setembro de 2016). «Cláudio Silva é entrevistado pelo Bahia Meio Dia». com informações da TV Bahia. G1. Consultado em 26 de setembro de 2016 
  95. G1 BA (20 de setembro de 2016). «Da Luz é entrevistado pelo Bahia Meio Dia». com informaçõe da TV Bahia. G1. Consultado em 26 de setembro de 2016 
  96. G1 BA (19 de setembro de 2016). «Fábio Nogueira é entrevistado pelo Bahia Meio Dia». com informações da TV Bahia. G1. Consultado em 26 de setembro de 2016 
  97. G1 BA (23 de setembro de 2016). «Pastor Sargento Isidório é entrevistado pelo Bahia Meio Dia». com informações da TV Bahia. G1. Consultado em 26 de setembro de 2016 
  98. «'Grr', 'Amei', 'HAHA': veja como eleitores reagiram aos candidatos na sabatina» 
  99. «Em sabatina, Neto fala de propostas para gerar emprego e ampliação da educação integral» 
  100. «Em sabatina, Alice Portugal fala de estratégias para criação de emprego» 
  101. «Sabatina: Claudio Silva fala de regulamentar Uber e plantar coqueiral no Aeroclube» 
  102. «Pastor Sargento Isidório participa de sabatina: 'Vou chamar as pessoas que sabem para me ajudar'» 
  103. G1 BA (22 de agosto de 2016). «ACM Neto lidera disputa por Prefeitura de Salvador com 68%, diz Ibope». G1. Consultado em 27 de agosto de 2016 
  104. «ACM Neto tem 68%, Alice, 10%, e Isidório, 7% em Salvador, diz Ibope». 5 de setembro de 2016. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  105. «ACM Neto tem 69% e Alice, 12% em Salvador, diz Ibope». 20 de setembro de 2016. Consultado em 20 de setembro de 2016 
  106. Redação (22 de setembro de 2016). «Neto pontua 69% e Alice 10,5% em intenções de voto em nova pesquisa». Bahia.Ba. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  107. «Ibope, votos válidos: ACM Neto tem 73% e Alice Portugal 16%». 1 de outubro de 2016. Consultado em 2 de outubro de 2016 
  108. «Sete dos 20 atuais prefeitos de capitais vencem disputa já no primeiro turno». Consultado em 3 de outubro de 2016 
  109. «ACM Neto confirma favoritismo e é reeleito com 74% dos votos em Salvador - 02/10/2016 - Poder - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 3 de outubro de 2016 
  110. a b «TSE - Divulgação de Resultados de Eleições - Salvador/BA». Consultado em 8 de outubro de 2012 
  111. «Ano : 2016 | Tipo de Eleição: Eleição Ordinária | Eleição : Eleições Municipais 2016 | Abrangência : Município | UF : BA | Município : SALVADOR | Situação : Todas». Estatísticas Eleitorais 2016 – Candidaturas. TSE. 6 de outubro de 2016. Consultado em 6 de outubro de 2016 
  112. «Somos enganados em eleições Salvador 2016». www.governocoletivo.com.br. Governo Coletivo. Consultado em 7 de outubro de 2016 
  113. a b «Três coligações em Salvador não cumprem cota de 30% de candidaturas femininas, diz jornal». Toda Bahia. Consultado em 7 de outubro de 2016 
  114. TARDE, Portal A. «Três coligações descumprem cota mínima de 30% de mulheres». Portal A TARDE 
  115. «DashBoard (Gráficos) Ver. 2.0». inter04.tse.jus.br. Consultado em 7 de outubro de 2016 
  116. «Cinco candidatos a vereador não receberam votos em Salvador; confira a lista». www.bahianoticias.com.br. Consultado em 7 de outubro de 2016 
  117. «Veja quem deve se eleger vereador em Salvador». Consultado em 7 de outubro de 2016 
  118. «Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais». divulgacandcontas.tse.jus.br. Consultado em 7 de outubro de 2016 
  119. a b «Veja os 43 vereadores eleitos em Salvador». 2 de outubro de 2016. Consultado em 3 de outubro de 2016 
  120. a b c d e TARDE, Portal A. «Renovação de cadeiras na Câmara de Vereadores é de 35%». Portal A TARDE 
  121. a b c «Cresce a representação de vereadoras na Câmara de Salvador - Notícias - Câmara Municipal de Salvador-BA». Consultado em 7 de outubro de 2016 
  122. a b «Veja a lista dos vereadores eleitos para a Câmara de Salvador - Notícias - UOL Eleições 2016». UOL Eleições 2016 
  123. «Saiba quem são e quantos votos tiveram os 43 vereadores eleitos em Salvador». Comunica Bahia - Sua fonte de notícias. 3 de outubro de 2016 
  124. a b «UOL Eleições 2016 Salvador/BA: Apuração de votos, resultado, prefeito e vereadores eleitos». UOL Eleições. Consultado em 6 de outubro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]