Viagens apostólicas de Papa Francisco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes válidas. Utilize o campo de resumo para uma breve explicação das alterações e, se achar necessário, apresente mais detalhes na página de discussão.

Em azul, os países visitados por Papa Francisco.

Esta é uma lista de viagens apostólicas do Papa Francisco. A visita do Papa Francisco às Filipinas em janeiro de 2015 reuniu cerca de 6 milhões de espectadores, tornando-se o maior evento da história do Papado em número de pessoas.

2013[editar | editar código-fonte]

Papa Francisco em visita à uma comunidade do Complexo de Manguinhos, no Rio de Janeiro, 2013.
 Brasil

De 22 a 29 de julho de 2013, Francisco visitou o Rio de Janeiro para a Jornada Mundial da Juventude. Foi o único evento público a que o Pontífice compareceu ao longo do ano de 2013, o primeiro de seu pontificado.[1] O Papa foi recepcionado oficialmente durante uma cerimônia no Palácio Guanabara e encontrou-se com a Presidente Dilma Rousseff.[2] Em uma missa para mais de 3,5 milhões de peregrinos na Praia de Copacabana, Francisco aconselhou aos católicos a não serem "cristãos parciais", mas para viverem uma "vida de significado".[3] A viagem havia sido agendada para seu antecessor, o Papa Bento XVI, que acabou por renunciar ao Pontificado meses antes.

2014[editar | editar código-fonte]

Multidão recebe o Papa Francisco após missa em Belém.
Foto de Mustafa Bader.
Papa Francisco em discurso ao Parlamento Europeu, 2014.
 Israel, Jordânia,  Palestina

Entre 24 e 26 de maio de 2014, Papa Francisco visitou as capitais Amã e Jerusalém e a cidade de Belém. A viagem foi anunciada durante uma celebração no dia 5 de janeiro de 2014. Francisco chegou à Jordânia no dia 24 de maio e encontrou-se com o Rei Abdullah II, celebrando uma missa no Estádio Internacional de Amã posteriormente.[4] Durante sua viagem, Francisco realizou uma prece no Muro da Cisjordânia e vistou o Memorial às Vítimas do Terror acompanhado do Primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.[5] No encerramento da viagem, Francisco teve uma audiência sobre diálogo inter-religioso com o Patriarca Bartolomeu I.[6]

 Coreia do Sul

Francisco chegou à Base Aérea de Seul em 14 de agosto para dar início à sua viagem de cinco dias à Coreia do Sul por ocasião do Dia da Juventude Asiática.[7] O Papa foi recebido pela Presidente Park Geun-hye e depois se reuniu com familiares das vítimas do naufrágio do Sewol.[8] Posteriormente, o Papa realizou seu primeiro discurso público em língua inglesa, pedindo "paz e reconciliação" na Península da Coreia.[9] No Estádio de Daejeon, o Papa realizou uma missa campal pedindo que os cidadãos rejeitassem "modelos econômicos desumanos e novas formas de empobrecimento".[10] Na celebração na Praça Gwanghwamun, Francisco beatificou os 124 mártires coreanos.[11]

 Albânia

Em 15 de junho de 2014, durante o Angelus, o Papa Francisco anunciou sua breve viagem à Tirana, na Albânia. Na ocasião, o Pontífice afirmou: "Com esta breve visita, pretendo confirmar a Igreja da Albânia na fé e testemunho fiel para meu encorajamento e amor por um país que sofreu por tanto tempo por consequência de ideologias passadas".[12] Os esquemas de segurança foram ampliados após uma notificação do governo iraquiano de que fundamentalistas islâmicos planejavam contra a vida do Papa durante a visita.[13]

A viagem de 11 horas de duração foi a primeira realizada por Francisco em território europeu. Durante sua visita, reuniu-se com o Presidente Bujar Nishani, celebrou uma missa na Praça Mãe Teresa em Tirana, e encontrou com líderes religiosos diversos. O Papa também honrou aos perseguidos durante o regime comunista de Enver Hoxha; cerca de 130 clérigos cristãos morreram durante o período ditatorial.

 França

O Papa Francisco realizou uma breve viagem à França em 25 de novembro de 2014, sendo a mais rápida visita realizada por um Papa.[14] Em Estrasburgo, Francisco discursou perante o Parlamento e o Conselho Europeu exigindo um tratamento digno aos imigrantes ilegais no continente e melhores condições para os trabalhadores.[15]

 Turquia

Em setembro de 2014, o Papa foi convidado pelo Presidente Recep Tayyip Erdogan para uma visita à Turquia. O convite também foi emitido pelo Patriarcado de Constantinopla por ocasião das comemorações à Santo André.[16] Francisco desembarcou no Aeroporto Internacional de Esenboga em 28 de novembro, sendo recebido por dignatários turcos antes de dirigir-se ao Anıtkabir, onde prestou homenagem ao fundador da república, Mustafa Kemal Ataturk.[17] No Palácio Presidencial, Francisco reuniu-se com o Presidente Erdogan e discursou sobre diálogo inter-religioso. No dia seguinte, visitou a Mesquita Azul juntamente com líderes islâmicos.[18] Francisco também assistiu à celebração na Catedral de São Jorge, pedindo a benção do Patriarca Bartolomeu I "para a Igreja de Roma", além de incentivar publicamente a reunificação das duas Igrejas.[19]

2015[editar | editar código-fonte]

Sri Lanka e Filipinas

O Papa Francisco visitou o Sri Lanka entre 13 e 15 de janeiro e as Filipinas entre 15 e 19 de janeiro.[20][21][22] A viagem às Filipinas foi a quarta visita apostólica no arquipélago; o Papa Paulo VI havia visitado o país em 1970 e João Paulo II visitou em 1981 para a beatificação de Lorenzo Ruiz e Domingo Ibáñez de Erquicia e retornou em 1995 para a celebração da Jornada Mundial da Juventude.

A visita de Francisco às Filipinas entrou para a história como o maior evento papal em número de pessoas, com cerca de 6 milhões de espectadores na missa realizada em Manila. O número superou o recorde anterior, detido pela Jornada Mundial da Juventude realizada no mesmo local vinte anos antes.[23][24][25]

 Bolívia, Equador,  Paraguai
Presidente Rafael Correa e Papa Francisco na sacada do Palácio de Carondelet durante a visita apostólica, 2015.

Em maio de 2015, a Santa Sé anunciou que o Papa Francisco visitaria a Bolívia em julho do mesmo ano, assim como outros países da América do Sul. Antes da visita, o Presidente boliviano Evo Morales confirmou que o Papa se reuniria com representantes indígenas nas entrelinhas de sua agenda oficial.[26][27] A agenda divulgada indicava que o Papa estaria no Equador de 5 a 8 de julho, na Bolívia de 8 a 10 de julho e no Paraguai de 10 a 12 de julho, retornando ao Vaticano em 13 de julho.[28] O diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Federico Lombardi, confirmou que havia a possibilidade do Pontífice experimentar folhas ou chá de coca (que no país é considerada sagrada) durante a viagem, tal como fizeram seus antecessores.[29]

Em sua passagem pelo Equador, Papa Francisco reuniu-se com o Presidente Rafael Correa, visitou sacerdotes e seminaristas católicos e realizou uma visita particular a um amigo jesuíta em Quito. Sua última celebração no país atraiu mais de 1,5 milhão de pessoas.[30] Ao chegar na Bolívia em 8 de julho, o Papa foi recebido pelo Presidente Evo Morales no Aeroporto Internacional de El Alto, nas proximidades de La Paz. Em seu discurso após a chegada, o Papa afirmou que a Bolívia dava "passos importantes em direção à inclusão de setores de fronteira na economia e na vida política e social do país", destacando também o papel da Constituição boliviana como garantidor de "direitos das minorias e desenvolvimento natural". Mais tarde, em recepção no Palacio Quemado, o Papa foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Condor dos Andes - a mais alta condecoração civil da Bolívia, além de um crucifixo em formato de foice e martelo (símbolos do Socialismo);[31] o presente causou muita controvérsia na imprensa internacional.[32]

 Cuba e  Estados Unidos
Papa Francisco foi o primeiro Pontífice a discursar no Congresso dos Estados Unidos.

Em 19 de setembro de 2015, Papa Francisco embarcou no Alitalia A330 do Aeroporto Internacional de Roma rumo ao Aeroporto Internacional José Martí, em Havana, onde foi recebido em uma cerimônia de Estado. No dia seguinte, celebrou uma missa na Plaza de la Revolución, local histórico da capital cubana, pouco depois de uma reunião com o Presidente do Conselho de Estado, Raúl Castro, no Palácio da Revolução. No fim do dia, o Papa celebrou as vésperas com sacerdotes, religiosos e seminaristas católicos na Catedral de Havana.[33]

Em 21 de setembro, a comitiva papal partiu para Santiago de Cuba, após uma visita à Loma de la Cruz, de onde pronunciou uma benção apostólica a Holguín.[34] Ao chegar em Santiago, o papa reuniu-se com bispos cubanos no Seminário São Basílio, o Grande, onde dirigiu uma prece à Virgem da Caridade do Cobre.[35]

No dia seguinte, celebrou uma missa papal na basílica menor da Virgem da Caridade do Cobre, em Santiago de Cuba, pela manhã e encontrou-se com famílias da região na Catedral de Nossa Senhora da Assunção.[35] Após uma benção dedicada à cidade de Santiago, o Pontífice partiu para Washington, D.C., desembarcando na Base Aérea Andrews na noite de 22 de setembro.[36]

No dia seguinte, o Papa foi recebido pelo Presidente Barack Obama na Casa Branca, sendo esta a terceira visita de um Papa à residência do Presidente norte-americano, seguindo os encontros entre Jimmy Carter e João Paulo II em outubro de 1979 e George W. Bush e Bento XVI em abril de 2008.[37]

No mesmo dia, Francisco participou de uma celebração com bispos do país na Catedral de São Mateus, sé do Cardeal Donald Wuerl, Arcebispo de Washington.[38] Mais tarde, no mesmo dia, celebrou uma missa papal na Basílica do Santuário Nacional da Imaculada Conceição, onde canonizou Junípero Serra; frade franciscano fundador de 9 das 21 missões espanholas na Califórnia.[39]

Em 24 de setembro, o Papa Francisco discursou perante o Congresso dos Estados Unidos, tornando-se o primeiro Papa a fazê-lo. Como encerramento de sua passagem por Washington, D.C., visitou a Igreja de St. Patrick, a mais antiga paróquia católica na capital, fundada em 1794.[40] Em seguida, viajou para Nova Iorque para participar da Liturgia das Horas na Catedral de São Patrício juntamente com o Arcebispo Timothy Dolan.

Em 25 de setembro, o Papa discursou na Assembleia Geral das Nações Unidas, sendo também o primeiro Papa a fazê-lo. Alguns outros Papas haviam assistido à ocasião, como Papa Paulo VI em 1965, João Paulo II em 1979 e 1995, e Bento XVI em 2008. Ao findar as cerimônias nas Nações Unidas, o Pontífice dirigiu-se para uma celebração ecumênica no Memorial Nacional de 11 de Setembro.[41]

Em 26 de setembro, o Papa visitou a cidade de Filadélfia, onde foi recebido por autoridades locais e pelo Arcebispo Charles J. Chaput. O Papa celebrou uma missa na Basílica-Catedral de São Pedro e Paulo e depois visitou o Independence Hall e o Encontro Mundial de Famílias. A visita encerrou-se no domingo, 27 de setembro, com uma missa. Após a cerimônia de despedida, a comitiva papal partiu para o Vaticano.[42]

 Quênia, Uganda e República Centro-Africana
Papa Francisco e o Cardeal John Njue durante missa celebrada na Igreja de São José, em Kangemi, Quênia, 2015.

Durante sua viagem de retorno das Filipinas, o Papa Francisco expressou seus planos de visitar o continente africano ainda em 2015 e mencionou a República Centro-Africana e Uganda como possíveis destinos.[43] A Sala de Imprensa da Santa Sé confirmou a viagem apostólica aos dois países, em junho de 2015.[44] Meses após, o Quênia também foi incluído na agenda do Papa.[45] A visita de Papa Francisco à República Centro-Africana, um país em plena guerra civil, marcou a primeira vez na história em que um Papa adentrou uma zona de guerra.[46]

Na quarta-feira, 25 de novembro, o Papa Francisco desembarcou no Aeroporto Internacional Jomo Kenyatta, em Nairóbi, onde foi recepcionado por membros do governo queniano, inclusive o Presidente Uhuru Kenyatta e o Cardeal John Njue. Um grupo de dançarinos tradicionais realizou uma exibição para o Pontífice.[47] No Palácio Presidencial, o Papa Francisco e sua comitiva foram saudados com uma salva de tiros do Exército Queniano, antes de uma reunião privada com oficiais do governo.[48] Posteriormente, o Papa também se encontrou com os antigos presidentes Daniel arap Moi e Mwai Kibaki. Após os encontros, o Presidente Kenyatta e o Papa discursaram conjuntamente para a nação.[49]

No dia seguinte, o Papa Francisco participou de um diálogo inter-religioso líderes locais na sede da Nunciatura apostólica, onde exaltou a importância de tais diálogos como "essenciais" para prevenir a radicalização e ataques motivados por religião, mencionando o Caso do centro comercial Westgate de 2013 e o Ataque contra a Universidade de Garissa de 2015.[50]

Em 27 de novembro, a comitiva papal partiu de Nairóbi em direção ao Aeroporto Internacional de Entebbe, onde foram recebidos pelo Presidente Yoweri Museveni e alguns bispos católicos do país. O Papa dirigiu-se para o Palácio Presidencial, onde reuniu-se também com o Presidente Salva Kiir Mayardit.[51]

No sábado, 28 de novembro, o Papa visitou o Santuário de Munyonyo, dedicado aos mártires executados por Mwanga II no século XIX.[52] O Presidente Museveni havia planejado a visita papal para outubro de 2014 - um ano antes -, quando do cinquentenário da canonização dos mártires ugandenses, mas desistiu por questões internas.[53] O Papa celebrou uma missa campal, na presença dos presidentes Museveni, Kirr e Paul Kagame, assim como de descendentes diretos de Mwanga II.[54] Durante as celebrações, Papa Francisco incentivou o cuidado aos "idosos, pobres, viúvas e desprovidos".[55] Na tarde do mesmo dia, Papa Francisco dirigiu-se para o Aerporto de Kampala para um encontro com cerca de 150 mil jovens ugandenses.[56]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Lombardi: 'Brazil is the only scheduled foreign trip for Pope in 2013». Radio Vaticana. 25 de abril de 2013 
  2. «Pilgrims meet Pope in Brazil». RTE. 13 de junho de 2013 
  3. «Pope Francis celebrates Brazil mass on Copacabana Beach». BBC News. 29 de julho de 2013 
  4. Smith-Spark, Laura; Burke, Daniel; Conlon, Kevin (24 de maio de 2014). «Crowds welcome Pope Francis to Jordan at start of Holy Land trip». CNN 
  5. Green, Emma (27 de maio de 2014). «The Pope's Holy-Land Trip Wasn't About the Israeli-Palestinian Conflict». The Atlantic 
  6. Greaves, Mark (24 de maio de 2014). «Why the meeting between pope and patriarch in Jerusalem matters». The Guardian 
  7. Ball, Deborah (14 de agosto de 2014). «Pope Francis Arrives in South Korea on First Trip to Asia as Pontiff». Wall Street Journal 
  8. «Pope Francis urges dialogue as he begins South Korea visit». BBC News. 14 de agosto de 2014 
  9. «Pope prays for peace but North Korea fires projectiles». South Korea News. 14 de agosto de 2014 
  10. Ball, Deborah; Cheng, Jonathan (15 de agosto de 2014). «Pope Francis Holds First Public Mass in South Korea». Wall Street Journal 
  11. «800,000 South Koreans flock to Pope Francis mass in Seoul». The Daily Telegraph. 14 de agosto de 2014 
  12. «Papal visit to Albania». Radio Vaticana. 15 de junho de 2014 
  13. «Pope Francis starts series of European visits with Albania». Irish Times. 20 de setembro de 2014 
  14. «Pope Francis complains of 'haggard' Europe in Strasbourg». BBC. 25 de novembro de 2014 
  15. «Discurso do Santo Padre ao Parlamento Europeu». Santa Sé. Consultado em 18 de janeiro de 2015 
  16. «Pope Francis to visit Turkey in November». Huffington Post. 09 de setembro de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  17. «Pope Francis condemns IS: 'Those who spread violence and savagery are in a state of rebellion against Allah'». Irish Independent. 28 de novembro de 2014 
  18. Squires, Nick (29 de novembro de 2014). «Pope Francis prays at Blue Mosque during Turkey visit». The Daily Telegraph 
  19. «Pope Francis call for unity». Irish Independent. 30 de novembro de 2014 
  20. «Pope Francis is to visit Sri Laka in January next year». slbc.lk. 20 de maio de 2014 
  21. «Pope Francis to visit Sri Lanka». slbc.lk. 10 de fevereiro de 2014 
  22. «Pope Francis to visit Philippines in 2015». Manila Bulletin. 13 de novembro de 2014 
  23. Rodriguez, Jon Carlos (18 de janeiro de 2015). «Luneta Mass is largest Papal event in history». ABS-CBN 
  24. Bacani, Louis (15 de janeiro de 2015). «Pope Francis arrives in Philippines». Philstar Global 
  25. «Pope Francis greeted by ecstatic Philippines crowds». BBC. 15 de janeiro de 2015 
  26. «Papa Francisco visitará Bolivia, Paraguay y Ecuador». teleSUR. 19 de janeiro de 2015 
  27. «Pope Francis Will Travel to Bolivia in 2015». teleSUR. 23 de dezembro de 2014 
  28. «El Vaticano anuncia el programa del viaje del Papa Francisco a Ecuador, Bolivia y Paraguay». Radio Vaticano. 08 de maio de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  29. Rezac, Mary (30 de junho de 2015). «Chewed or brewed: A brief history of Popes and coca leaves». Catholic News Agency 
  30. «Mais de 1 milhão de fieis irão à primeira missa do Papa no Equador». Agência Brasil. 06 de julho de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  31. González Giraldós, Lola (09 de julho de 2015). «¿De dónde viene el crucifijo que Morales regaló al Papa?». Infovaticana  Verifique data em: |data= (ajuda)
  32. «Evo Morales presenteia Francisco com um 'crucifixo comunista'». Correio do Povo. 09 de julho de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  33. «Viagem Apostólica do Santo Padre Francisco a Cuba, aos Estados Unidos da América e Visita à Sede das Nações Unidas». Libreria Editrice Vaticana 
  34. «Papa bendice ciudad de Holguín desde Loma de La Cruz». teleSUR. 21 de setembro de 2015 
  35. a b «La Caridad del Cobre: la virgen que une al catolicismo y la santería en Cuba». BBC. 22 de setembro de 2015 
  36. «Pope arrives ar Joint Base Andrews». National Public Radio. 22 de setembro de 2015 
  37. Blumberg, Antonia (19 de agosto de 2015). «50 Years Of Pope Visits To The United States». The Huffington Post 
  38. Miller, Susan (23 de setembro de 2015). «At St. Matthew's, a humble man in a Fiat pulls up». USA Today 
  39. Burke, Daniel (23 de setembro de 2015). «Pope Francis canonizes controversial saint Serra». CNN 
  40. «Saint Patrick, D.C.» 
  41. Felipe, Leandra (25 de setembro de 2015). «Papa fala a chefes de Estado e de Governo antes da abertura de cúpula da ONU». Agência Brasil 
  42. «Schedule: 2015 Apostolic Journey Of Pope Francis To The United States Of America». Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos 
  43. «Pope Francis rules out Mexico border stop on US trip». Crux. 19 de janeiro de 2015 
  44. «Pope Francis to make first African visit in November». NDTV. 20 de junho de 2015 
  45. «Vatican confirms Pope's next trip will be to Africa». Rome Reports. 10 de setembro de 2015 
  46. «Pope Francis might become first Pontiff to visit active war zone». GlobalPost. 03 de novembro de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  47. «Pope Francis arrives in Kenya for historic tour». The Standart. 26 de novembro de 2015 
  48. «Pope Francis in State House: the photos you did not get to see». The Standart. 26 de novembro de 2015 
  49. Dixon, Robyn (25 de novembro de 2015). «Pope Francis calls for unity, links terror to poverty as he launches Africa tour». Los Angeles Times 
  50. «Pope: Interfaith dialogue 'essential' to avoid violence». VOA News. 26 de novembro de 2015 
  51. Honan, Edith (27 de novembro de 2015). «Pope holds private meeting with president of warring South Sudan». Reuters 
  52. «Thousands welcome Pope Francis to Namugongo». New Vision. 28 de novembro de 2015 
  53. Atuhaire, Alex (16 de março de 2014). «Pope Francis not coming to Uganda». Daily Monitor 
  54. Winfield, Nicole; Muhumuza, Rodney (28 de novembro de 2015). «Pope Francis honours Ugandan Christian martyrs on trip to Africa». CTV News 
  55. «Pope Francis urges Catholics to follow zeal of Uganda martyrs». CBS News. 28 de novembro de 2015 
  56. «The Latest: 150,000 youths attend Pope's rally in Kampala». Seattle Post-Intelligencer. 28 de novembro de 2015