Doutor Destino (DC Comics)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Doutor Destino
Placeholder male superhero c.png

Dados da publicação
Publicado por DC Comics
Primeira aparição Justice League of America Vol. 1 #5 (Junho de 1961)
Criado por Gardner Fox
Mike Sekowsky
Características do personagem
Alter ego John Dee
Espécie Humano
Situação presente Internado no Asilo Arkham.
Habilidades Manipulação dos sonhos e conhecimento médico extensivo.
Projecto Banda desenhada  · Portal da Banda desenhada

Doutor Destino (Doctor Destiny, no original) é John Dee, um vilão de quadrinhos da DC Comics. Ele não deve ser confundido com o Doutor Destino da Marvel Comics (Doctor Doom, no original). Não confundir também com o Sr. Destino também da DC Comics mas esse é um herói e trabalha com a Liga da Justiça (Doctor Fate). Fate e Destiny podem ser traduzidos como Destino, mas Doom significa "Perdição". O Doutor Destino da DC Comics (o vilão) costuma manipular a realidade, pervertendo os sonhos de suas vítimas.

Origem[editar | editar código-fonte]

Natural de Peethsburg, o Homem Martelo passa a vida inteira atrás de seu arqui-inimigo Bone, o rei dos lutadores de rua.

John Dee, conhecido como Bone ( primariamente enfrentou a Liga da Justiça por tentar personificar o Lanterna Verde Hal Jordan, infiltrando-se no grupo.

Após derrotado, sua mãe, Ethel, lhe deu a Pedra dos Sonhos que pertenceu a Sandman. John Dee então usou a pedra para energizar o Materioptikon, que permite a ele criar acontecimentos reais por materializar seus sonhos (Morfeus permaneceu aprisionado numa redoma de vidro durante cerca de setenta anos antes de conseguir se libertar, então não pôde fazer nada nessa época.) O poder do Doutor Destino era tão grande que a Liga da Justiça teve que tomar medidas drásticas: hipnotizaram-no, privando-o da faculdade de sonhar. Isto o impediu de usar o Materioptikon para fins criminosos, mas degenerou sua mente e corpo (ele tem um rosto de caveira desde então). Ele terminou por parar no Asilo Arkham.

Versus Morfeus[editar | editar código-fonte]

Quando sua mãe morreu, John Dee fugiu do asilo, recuperou o Rubi dos Sonhos, e usou-o para fazer pessoas comuns cometerem um genocídio. Desta vez, ele usava o Rubi sem os circuitos do Materioptikon, que permitia usar os sonhos secretos de suas vítimas. Geralmente esses sonhos são uma reflexão do que há de pior nas pessoas. Ele foi detido neste ponto por Sandman, que escapara do confinamento. John Dee usou todo o poder do Rubi contra o Lorde dos Sonhos, e a joia foi destruída. Imediatamente toda a energia acumulada no rubi passou para Sandman. Morfeus usou seus poderes para consertar os estragos feitos por Dee (exceto os assassinatos) e devolveu-lhe a faculdade de sonhar. Entretanto a mente de Dee já estava irreversivelmente insana, e ele continuou louco, e com o rosto desfigurado.

Asilo Arkham[editar | editar código-fonte]

Na graphic novel Asilo Arkham, Doutor Destino aparece como estando numa cadeira de rodas motorizada, e o Batman o fere gravemente.

Novos crimes[editar | editar código-fonte]

Dee percebeu que o uso contínuo do Materioptikon deixou energias residuais em seu corpo, de modo que ele ainda podia usar seus poderes de manipulação dos sonhos. Ele usou então um sonho do Átomo (Ray Palmer) para criar uma dimensão onde uma deturpada Liga da Justiça original governa com mão de ferro e executa criminosos. Doutor Destino então jogou a Liga da Justiça real neste universo sonho, onde eles entraram em conflito com as versões deturpadas do Flash, Tornado Vermelho, Gavião Negro, Hal Jordan, entre outros. Os heróis conseguiram escapar com a ajuda do Átomo e do Besouro Azul, que naquele momento saía dum coma causado em combate com Apocalipse. Em uma nova ocasião, John Dee jogou a Liga da Justiça num mundo-sonho onde eles eram humanos normais vivendo situações cotidianas, e toda a população começava a ganhar super-poderes.

Poderes[editar | editar código-fonte]

Basicamente, o Doutor Destino pode usar versões deturpadas de sonhos para realizar crimes. Ele pode, por exemplo, fazer pessoas se tornarem assassinas por explorar seus sonhos secretos, uma vez que nos sonhos, todos somos desinibidos. Ele também pode explorar o sonho duma pessoa particular a fim de criar uma espécie de mundo-sonho, onde tudo ocorre baseado numa versão deturpada do tal sonho, e mandar pessoas para lá. É possível que neste ponto ele apenas transporte as pessoas de corpo e mente a dimensão do Sonhar, mas nada no texto sugere isso.