Hipólita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hipólita do "Promptuarii Iconum Insigniorum "

Na mitologia grega, Hipólita foi uma rainha das amazonas. Ela era filha de Marte e da rainha Otrera.[1]

O nono trabalho de Héracles era roubar o cinturão de Hipólita, e para isto ele navegou até o Ponto Euxino, até a cidade de Temiscira, na foz do rio Termodonte, onde ficava o palácio das amazonas.[2] Héracles exigiu que lhe entregassem o cinturão, mas as amazonas o ignoraram, e ele iniciou a guerra contra elas. Na luta, Héracles matou Aella, Phillipis, Prothôe,[3] Celeno, Euríbia e Febe, as três últimas companheiras de caça de Ártemis.[4] Em seguida, ele matou Dejanira, Astéria, Marpê e Tecmessa Alcipe.[4] Finalmente a comandante das amazonas, Melanipe, foi derrotada.[4] A maioria das amazonas foi morta ou fugiu, e sua raça foi exterminada; das cativas, Antíope foi dada de presente a Teseu, e Melanipe foi libertada, em troca do cinturão como preço do seu resgate.[5] Antíope era irmã de Hipólita.[6] Segundo Higino, Hipólita foi morta nesta batalha.[1]

Enquanto Héracles estava ocupado, na África, com seu último trabalho,[7] as sobreviventes das amazonas resolveram se vingar dos gregos pelo que Héracles havia feito, e em particular os atenienses, porque Teseu havia levado como cativa Antíope, a líder das amazonas ou, segundo outras versões, Hipólita.[8] Segundo Pausânias, a líder da expedição era Hipólita.[6]

Os citas se uniram às amazonas, atravessaram o bósforo cimério, a Trácia, a Europa e chegaram à Ática.[9] Teseu chegou para a luta, trazendo Antíope, com quem ele havia tido um filho, Hipólito, e lutou contra as amazonas, as derrotando.[9] Antíope ficou do lado de seu marido Teseu, e morreu lutando heroicamente; as amazonas sobreviventes renunciaram à sua terra ancestral e passaram a viver com os citas.[10] Segundo Pausânias, Hipólita, a líder das amazonas, se refugiou em Mégara, sem esperanças de voltar para Temiscira, e lá morreu de desgosto, sendo sepultada; o formato de seu túmulo era de um escudo amazônico.[6]

Referências

  1. a b Higino, Fábulas, XXX. Doze trabalhos de Hércules, comandados por Euristeu [em linha]
  2. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro IV, 16.1 [ael/fr][en][en]
  3. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro IV, 16.2 [ael/fr][en][en]
  4. a b c Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro IV, 16.3 [ael/fr][en][en]
  5. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro IV, 16.4 [ael/fr][en][en]
  6. a b c Pausânias, Descrição da Grécia, 1.41.7. Pausânias ouviu este relato em Mégara [em linha]
  7. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro IV, 27.3 [ael/fr][en][en]
  8. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro IV, 28.1 [ael/fr][en][en]
  9. a b Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro IV, 28.2 [ael/fr][en][en]
  10. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro IV, 28.4 [ael/fr][en][en]