Éris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde maio de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Éris
Éris, representada numa pintura ateniense (c. 520 a.C.)
Deusa da Discórdia
Mãe dos Males
Morada Via Láctea
Cônjuge Éter
Pais Zeus e Hera
Irmãos Ares, Ênio, Hebe, Hefesto e Ilítia
Filhos Androctasias, Anfilogias, Algea, Até, Disnomia, Fonos, Hisminas, Horcus, Lete, Limos, Macas, Neikea, Orco, Ponos e Pseudologos
Romano equivalente Discordia

Na mitologia grega, Éris (grego antigo Ἔρις) é a deusa da discórdia. Filha dos reis do Olímpo, fora desprezada por sua mãe Hera por não ter muita beleza ; Éris então procurou companhia na Via Láctea lar dos titãs e outras deidades à fim de nobres disciplinas, sendo desposada pelo titã Éter, com o qual concebeu catorze filhos. Cada um deles dotado de um poder maligno o que a alcunhou como Mãe dos Males. Éris sempre fora companheira de seus irmãos em questões terrenas, sobretudo de Ares na batalhas. Corresponde à deusa romana Discórdia. Seu oposto é sua sobrinha Harmonia, correspondente à Concórdia romana.

Fontes literárias[editar | editar código-fonte]

Hesíodo em Os Trabalhos e os Dias e Teogonia aponta Éris como a filha primogênita de Nyx, a Noite, e mãe de outras entidades peculiares. Há também a hipótese que seu conjugue seria Érebo; numa alternativa mais romântica preferida por escritores e amantes de literatura clássica.

Por sua parte Éris deu à luz a quatro meninos, o doloroso Ponos (desânimo e fadiga), Macas (batalhas), Limos (fome) e Orcos (calúnia e difamação); e à onze meninas: Lete (esquecimento), a chorosa Algea (tristeza), Hisminas (discussões e disputas), Fonos (dor e matança), Androctasias (devastações e massacres), Neikea (ódio), Pseudologos (longas mentiras), a Anfilogias (ambiguidades; dúvidas e traições), a Disnomia (desrespeito) e Até (insensatez) todos eles companheiros inseparáveis. Chamados pelos gregos de daemons; as Desgraças para os romanos.

Homero, na Ilíada, refere-se a Éris como irmã de Ares e, portanto, presume-se, filha de Zeus e Hera (IV, 440-443, tradução livre):

"(...) a Discórdia infatigável,
Companheira e irmã do homicida Ares,
Quem a princípio se apresenta timidamente, mas que logo
Anda pela terra enquanto a fronte toca o céu."

A lenda mais famosa referente a Éris relata o seu papel ao provocar a Guerra de Troia. As deusas Hera, Atena e Afrodite haviam sido convidadas, juntamente com o restante do Olimpo, para o casamento forçado de Peleu e Tétis, que viriam a ser os pais de Aquiles, mas Éris fora desdenhada por conta de seu temperamento controvertido - a discórdia, naturalmente, não era bem-vinda ao casamento. Mesmo assim, compareceu aos festejos e lançou no meio dos presentes o Pomo da Discórdia, uma maçã dourada com a inscrição καλλίστη (kallisti, ou "à mais bela"), fazendo com que as deusas discutissem entre si acerca da destinatária. O incauto Páris, um pastor de rebanhos, príncipe de Troia, foi designado por Zeus para escolher a mais bela. Cada uma das três deusas presentes imediatamente procurou suborná-lo: Hera ofereceu-lhe poder político; Atena, habilidade na batalha; e Afrodite, a atual mulher mais bela mulher do mundo, Helena, esposa de Menelau de Esparta. Páris elegeu Afrodite para receber o Pomo, condenando sua cidade, que foi destruída na guerra que se seguiu.

Derivações[editar | editar código-fonte]

A palavra "erística", em português, vem do nome da deusa grega da discórdia. Significa a arte da disputa argumentativa no debate filosófico, desenvolvida sobretudo pelos sofistas, e baseada em habilidade verbal e acuidade de raciocínio (Houaiss).

Também leva o nome Éris um planeta anão no disco disperso do sistema solar (com a designação oficial 136199 Éris). Seu satélite natural chama-se Disnomia (segundo os antigos gregos, uma das filhas de Éris).

Os discordianos idolatram Éris como sua deusa.