Menelau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Efígie de Menelau.

Menelau, na mitologia grega, foi um rei lendário da Lacedemónia (Esparta), irmão mais novo de Agamémnon e filho (ou neto) de Atreu. O rapto da sua mulher (Helena) por Páris (também conhecido como Alexandre), deu origem à Guerra de Troia.

Depois da queda de Troia, recuperou sua esposa.

Conta Homero que Menelau não era dos melhores guerreiros, mas era muito nobre e possuía grandes riquezas. Menelau e Helena tiveram uma filha chamada Hermíone.

Família[editar | editar código-fonte]

Existem basicamente duas versões sobre quem seriam os pais de Menelau e seu irmão Agamemnon, que poderiam ser filhos ou netos de Atreu.

Atreu foi rei de Micenas, filho de Pélops[1] e de Hipodâmia, neto de Tântalo, irmão gémeo de Tiestes e pai de Agamémnon[1] [2] e Menelau[3] [2] [4] .

Existem variantes quem seria o pai de Agamemnon e Menelau:

Árvore genealógica baseada em João Tzetzes[6] , acrescentando a paternidade de Atreu e Dias:
 
 
 
 
 
Pélope
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Atreu
 
 
 
Aérope
 
 
Dias
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Plístene
 
 
 
 
 
Cléola
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Agamemnon
 
 
Menelau
 
 
 
Anaxíbia


Casamento com Helena[editar | editar código-fonte]

Helena, filha de Zeus e Leda, esposa de Tíndaro,[8] tinha vários pretendentes.[9] Odisseu sugeriu que todos os pretendentes jurassem defender o escolhido de qualquer mal que fosse feito contra ele; só então Tíndaro escolheu Menelau para casar com Helena, e fez Icário, seu irmão, casar Penélope, filha de Icário, com Odisseu.[9]

Menelau e Helena tiveram uma filha, Hermíone.[10]

Rapto de Helena[editar | editar código-fonte]

Helena fugiu com Páris para Troia, quando Hermíone tinha nove anos de idade.[10]

Filhos bastardos[editar | editar código-fonte]

Menelau teve dois filhos, Nicostrato e Megapente, com uma escrava.[11] De acordo com um fragmento de Hesíodo, Nicóstrato era filho de Helena e Menelau, ou filho de Ares.[12] Em Pseudo-Apolodoro, Nicóstrato é, segundo alguns, filho de Helena e Menelau, e Megapente é filho de uma escrava etólia chamada Pieris ou, segundo Acusilau, filho de Tereis; outro filho de Menelau, segundo Eumelus, foi Xenodamus, filho da ninfa Cnossia.[13]

Captura de Troia[editar | editar código-fonte]

Após a captura de Troia, Menelau se vingou de Dêifobo, que havia tomado Helena por esposa após a morte de Alexandre; Dêifobo foi torturado até a morte, cortado em pedaços, e teve orelhas, braços, nariz e o resto do corpo cortados.[14]

Após a Guerra de Troia (segundo Homero)[editar | editar código-fonte]

Após a Guerra de Troia, Menelau recebeu Telêmaco, que estava procurando Odisseu, acompanhado de Pisístrato, filho de Nestor.[15]

Após a Guerra de Troia (segundo Díctis de Creta)[editar | editar código-fonte]

Menelau desembarcou em Creta, e lá descobriu a morte de Agamemnon.[16] Em seguida, voltou para Micenas, onde tentou matar Orestes, mas foi impedido pelo povo, que decidiu que Orestes deveria ir para Atenas, onde seria julgado.[17] Em seguida, Idomeneu convidou Orestes e Menelau para Creta, onde Orestes acusou Menelau de tramar contra ele em um momento em que ele estava enfraquecido, mas Idomeneu os reconciliou, e Menelau prometeu Hermíone em casamento a Orestes.[17] Mas Hermíone se casou com Neoptólemo, filho de Aquiles.[18]

Quando Neoptólemo foi a Delfos agradecer pela morte de Alexandre, que havia matado seu pai, Hermíone, preocupada porque Neoptólemo dava mais atenção à sua esposa cativa Andrômaca do que a ela, pediu que Menelau matasse o filho de Andrômaca e Heitor, Laodamante, mas Andrômaca descobriu o plano e fugiu.[18]

Orestes também descobriu estes planos, e quis que Menelau os executasse, porque ele queria matar Neoptólemo, que havia se casado com Hermíone, prometida a ele.[19] Menelau não queria tomar parte no crime, e voltou a Esparta.[19]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Higino, Fabulae, CXXIV, Reis dos Aqueus
  2. a b Ésquilo, Agamemnon, Argumento
  3. Homero, Ilíada, Livro I, 22
  4. Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 3.1.5
  5. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 3.2.2
  6. a b João Tzetzes, Exeg. Iliad. 68. 19H
  7. Díctis de Creta, Ephemeridos belli Troiani, Livro V, 16
  8. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 3.10.7
  9. a b Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 3.10.9
  10. a b Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, Epítome, 3.3
  11. Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 2.18.6
  12. Hesíodo, Catálogo de mulheres, Fragmento 70, Menelau
  13. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 3.11.1
  14. Díctis de Creta, Ephemeridos belli Troiani, Livro V, 12
  15. Homero, Odisseia, 4.1-19
  16. Díctis de Creta, Ephemeridos belli Troiani, Livro VI, 4
  17. a b Díctis de Creta, Ephemeridos belli Troiani, Livro VI, 5
  18. a b Díctis de Creta, Ephemeridos belli Troiani, Livro VI, 12
  19. a b Díctis de Creta, Ephemeridos belli Troiani, Livro VI, 13
Precedido por
Tíndaro
Rei de Esparta
Sucedido por
Orestes