Nelson Marchezan Júnior

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nelson Marchezan Júnior
44.º Prefeito de Porto Alegre
Período 1º de janeiro de 2017
até a atualidade
Vice-prefeito Gustavo Paim
Antecessor(a) José Fortunati
Deputado Federal pelo Rio Grande do Sul
Período 1 de fevereiro de 2011
até 1 de janeiro de 2017
Deputado Estadual do Rio Grande do Sul
Período 1 de fevereiro de 2007
até 1 de fevereiro de 2011
Dados pessoais
Nascimento 30 de novembro de 1971 (45 anos)
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Nacionalidade brasileiro
Partido PSDB
Profissão advogado e administrador
Website http://www.marchezan.com.br/

Nelson Marchezan Júnior (Porto Alegre, 30 de novembro de 1971) é um advogado, administrador e político brasileiro.[1] É o atual prefeito de Porto Alegre.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Nelson Marchezan Júnior é filho do ex-deputado Federal Nelson Marchezan (1938—2002), tem um filho.[1] Em 1995, Marchezan Júnior se formou em direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos.[2]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Advogado, não tinha maiores pretensões na política até a morte do pai, em 2002.[3]No mesmo ano concorreu e foi eleito deputado federal com 60 071 votos, mas a Justiça Eleitoral impediu sua diplomação por falta de filiação partidária válida. Marchezan Júnior não foi capaz de apresentar provas que era filiado ao PSDB um ano antes das eleições, sendo cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral.[4] [5] Iniciou na vida pública em 2003, como diretor de Desenvolvimento, Agronegócios e Governos do Banrisul durante o mandato do governador Germano Rigotto.[6]

Abandonou o cargo em 2006, quando com 45 604 votos, foi eleito deputado estadual e exerceu o mandato entre 2007 a 2011 pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Em 2010, foi eleito deputado federal com 92 394 votos.[7]

Em dezembro de 2011, surpreendendo aos lideres do PSDB e em oposição ao protesto e pedido do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso,[8] ele assinou a CPI da Privataria, proposta por Protógenes Queiroz (PCdoB-SP).[8]

Em 14 de junho de 2016, votou a favor da cassação do Deputado Eduardo Cunha no comitê de ética da Câmara dos Deputados[9] e votou de forma favorável ao processo de impeachment Dilma Rousseff em 2016.

Ainda em 2016 foi candidato a prefeito de Porto Alegre pela coligação Porto Alegre pra frente, formada pelo PSDB, PP, PMB e PTC, tendo como companheiro de chapa o advogado Gustavo Paim (PP),[10] sendo eleito em segundo turno com 402.165 votos,[11] o que representa 60,5% dos votos válidos, derrotando a candidatura de Sebastião Melo (PMDB).

Votou majoritariamente contra as 10 Medidas contra corrupção, um projeto de lei de iniciativa popular com dez novas medidas que tem como objetivo aprimorar a prevenção e o combate a corrupção e à impunidade e que havia recolhido mais de dois milhões de assinaturas.[12][13] Foi a favor do destaque que faz com que magistrados e integrantes do Ministério Público respondam por crime de abuso de autoridade quando atuarem com conduta incompatível com o cargo.[14]

Referências

  1. a b «Nelson Marchezan Junior». ClicRBS. 19 de agosto de 2010. Consultado em 16 de dezembro de 2011 
  2. «Conheça os Deputados: Nelson Marchezan Júnior». Câmara dos Deputados. Consultado em 12 de janeiro de 2014 
  3. «Tal pai, tal filho - os novos deputados» (PDF). Jornal da Eleição - Zero Hora. 9 de outubro de 2002. Consultado em 13 de dezembro de 2015 
  4. «STF decidirá se Marchezan Júnior ficará com vaga no RS». Terra Notícias - Rio Grande do Sul Eleições 2002. 11 de outubro de 2002. Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  5. «TSE cassa candidatura de deputado eleito no RS». Terra Notícias - Rio Grande do Sul Eleições 2002. 14 de outubro de 2014. Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  6. «Nelson Marchezan Jr.». Repórter Brasília - Jornal do Comércio. 27 de janeiro de 2011. Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  7. «Nelson Marchezan Junior (2010)». Uol. Consultado em 12 de janeiro de 2014 
  8. a b Lourenço, Jorge (15 de dezembro de 2011). «Tucano defende CPI da Privataria: "É nosso dever investigar"». JB Online. Consultado em 16 de dezembro de 2011 
  9. «Por 11 a 9, Conselho de Ética aprova parecer pela cassação de Cunha». Política. 14 de junho de 2016. Consultado em 14 de junho de 2016 
  10. «Confira a lista dos candidatos a prefeito de Porto Alegre». Consultado em 2 de agosto de 2016 
  11. «Nelson Marchezan Júnior». Resultado das Eleições 2016. Gazeta do Povo. 30 de outubro de 2016. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  12. «MPF quer 1,5 milhão de assinaturas para lei anticorrupção e contra impunidade». JOTA (site). 27 de julho de 2015. Consultado em 9 de março de 2016 
  13. «Veja como votou cada deputado na análise do pacote anticorrupção». Política. g1.com. 30 de novembro de 2016. Consultado em 31 de novembro de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  14. «Câmara aprova julgar juízes e promotores por abuso de autoridade». Política. Valor Econômico. 30 de novembro de 2016. Consultado em 30 de novembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]