Nelson Marchezan Júnior

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Nelson Marchezan Júnior
44.º Prefeito de Porto Alegre
Período 1º de janeiro de 2017
até 1º de janeiro de 2021
Vice-prefeito Gustavo Paim
Antecessor(a) José Fortunati
Sucessor(a) Sebastião Melo
Deputado Federal pelo Rio Grande do Sul
Período 1º de fevereiro de 2011
até 1º de janeiro de 2017
Deputado Estadual do Rio Grande do Sul
Período 1º de fevereiro de 2007
até 1º de fevereiro de 2011
Dados pessoais
Nascimento 30 de novembro de 1971 (49 anos)
Porto Alegre; Rio Grande do Sul
Nacionalidade brasileiro
Partido PSDB (2002-presente)
Profissão Advogado

Nelson Marchezan Júnior (Porto Alegre, 30 de novembro de 1971) é um advogado e político brasileiro.[1] Foi deputado federal pelo Rio Grande do Sul e é ex-prefeito de Porto Alegre.[2]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Nelson Marchezan Júnior é filho do ex-deputado federal Nelson Marchezan (1938—2002).[1] Concluiu o ensino médio no Colégio Rosário, em Porto Alegre. Cursou Educação Física, na UFRGS, e Publicidade e Propaganda, na PUCRS, sem, no entanto, terminar os cursos[3]. Em 1995, Marchezan Júnior se formou em Direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos.[4] Depois de formado, passou um ano em viagem pela Europa. Em 1998, de volta da viagem, Marchezan abriu uma escola de idiomas junto com Rogério Belloc Ramos.[3]

Atualmente, Marchezan Júnior é casado com a advogada Tainá Vidal, com quem começou a namorar em dezembro de 2017, e tem um filho, Benício, nascido em abril de 2019.[5] Ele ainda é pai de duas outras crianças: Nelson Marchezan Neto, filho de Nadine Dubal, com quem foi casado, e Bernardo, nascido em 2016, mas somente reconhecido em dezembro de 2017.[6]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Advogado, não tinha maiores pretensões na política até a morte do pai, em 2002.[7]No mesmo ano, concorreu e foi eleito deputado federal com 60 071 votos, mas a Justiça Eleitoral impediu sua diplomação por falta de filiação partidária válida. Marchezan Júnior não foi capaz de apresentar provas que era filiado ao PSDB um ano antes das eleições, sendo cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral.[8] [9] Iniciou na vida pública em 2003, como diretor de Desenvolvimento, Agronegócios e Governos do Banrisul durante o mandato do governador Germano Rigotto.[10]

Marchezan Júnior foi eleito deputado federal em 2006. Na foto, o então deputado discursava em lançamento de frente parlamentar, em 2015.

Abandonou o cargo em 2006, quando com 45 604 votos, foi eleito deputado estadual e exerceu o mandato entre 2007 a 2011 pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Em 2010, foi eleito deputado federal com 92 394 votos.[11]

Em dezembro de 2011, surpreendendo aos lideres do PSDB e em oposição ao protesto e pedido do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso,[12] ele assinou a CPI da Privataria, proposta por Protógenes Queiroz (PCdoB-SP).[12]

Em 14 de junho de 2016, votou a favor da cassação do deputado Eduardo Cunha no comitê de ética da Câmara dos Deputados[13].

A partir de 2015, o então deputado esteve presente em quase todos os protestos favoráveis ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, aproximando-se de grupos conservadores como Movimento Brasil Livre e o Vem Pra Rua.[14] Ele votou favoravelmente ao impedimento da mandatária em 2016. Contudo, duas semanas depois do impeachment, ele declarou-se quase arrependido pelo seu voto em debate sobre a concessão de aumento salarial a servidores do Judiciário e do Ministério Público.[14]

Prefeito de Porto Alegre[editar | editar código-fonte]

Prefeito Marchezan Júnior no Paço Municipal.

Campanha[editar | editar código-fonte]

Em 2016, foi candidato a prefeito de Porto Alegre pela coligação Porto Alegre pra frente, formada pelo PSDB, PP, PMB e PTC, tendo como companheiro de chapa o advogado Gustavo Paim (PP).[15] No segundo turno, a sua candidatura também recebeu apoios de PTB, PSC, PR, SD, PRP, PTdoB e PV.[16][17] Durante a campanha, defendeu que, se ganhasse, parte dos méritos seriam de decisão do presidente nacional do seu partido, Aécio Neves, que interveio no diretório estadual em 2015, barrando o grupo de Yeda Crusius e o nomeou presidente do diretório, o que permitiu o seu lançamento a prefeito.[18]

Foi eleito em segundo turno com 402.165 votos,[2] o que representa 60,5% dos votos válidos, derrotando a candidatura de Sebastião Melo (PMDB). A sua campanha foi considerada de cunho liberal, tendo o apoio de grupos como o Movimento Brasil Livre e de empresários.[19][20] Com a vitória, Marchezan Júnior foi o primeiro representante do PSDB a ser prefeito de Porto Alegre.[21]

2017[editar | editar código-fonte]

Após a eleição, anunciou que cortaria do número de órgãos municipais de 37 para 23, com diminuição de 29 para quinze secretarias e a desocupação de 340 cargos comissionados (CCs), número que cresceu ao longo dos anos, até chegar a apenas 5,5% a menos do que o número de CCs da administração anterior, em maio de 2019.[22] Também criou um banco de dados para a seleção de cargos comissionados, tanto para servidores quanto indicados por partidos políticos, chamada de Banco de Talentos.[23] Anunciou ainda projetos de concessões e parcerias público-privadas (PPP), com o principal sendo a da Orla de Guaíba. No entanto, ele começou a administração sem maioria na Câmara Municipal de Porto Alegre, com sua coligação majoritária elegendo apenas seis vereadores dos 36 da casa legislativa municipal. [24][25][26][27] Em janeiro de 2017, o prefeito deixou de realizar investimento público no desfile de Carnaval da cidade, como ocorria em anos anteriores.[28] Marchezan Júnior realizou uma série de medidas de austeridade, após a posse, emitindo dez decretos que reduziam as despesas mensais da Prefeitura por meio da suspensão de novos concursos e a criação de um cômite para avaliar os gastos públicos.[29][30]

O ano terminou com quinze baixas em cargos de liderança no governo, entre secretários, secretários-adjuntos, lideranças políticas e diretores de empresas públicas.[31]

2018[editar | editar código-fonte]

Nos primeiros dois anos de governo, sua administração foi criticada por não realizar a capina e o roçado em parques e praças, assim como diminuir a frequência da limpeza nos logradouros públicos.[32][33] O prefeito se justificou pela situação fiscal do município. Por isso, mas tarde nesse ano, ele anunciou o atraso do pagamento do pagamento dos servidores e apresentou um novo plano de carreira que modificava os salários, porém recuou após uma greve de quarenta dias.[30][34] A Prefeitura buscou aprovar uma reforma tributária que aumentaria a arrecadação municipal com o IPTU, porém foi rejeitado por 25 votos a 10, com criticas por representar um aumento de impostos para a maioria dos imóveis.[35]

Em 2018, começou a aplicar seus planos de parcerias público-privadas, apresentando planos para iluminação, coleta de lixo e relógios digitais. Também sancionou a Lei Geral dos Táxis.[36][37] Além disso, Marchezan apresentou um novo projeto de reforma do IPTU, inicialmente em regime de urgência, porém o processo foi removido para expandir o período de discussão.[38] Em dezembro, o MDB decidiu pela entrada na base aliada do Governo Municipal, expandido a base parlamentar de onze para dezessete vereadores.[39][40][41]

2019[editar | editar código-fonte]

No começo de 2019, a proposta de mudança no IPTU foi aprovada pela Câmara Municipal por 22 votos favoráveis e 14 contrários.[42][43] Ao longo de 2019, a relação do prefeito com o Progressistas foi se deteriorando, culminando na exoneração de várias pessoas ligadas ao partido e na subsequente saída da base aliada do PP do governo municipal.[44][45]

2020[editar | editar código-fonte]

Em 2020, Marchezan Júnior entregou a Lei de Diretrizes Orçamentárias à Câmara Municipal com previsão de receita R$ 476 milhões maior[46] Em agosto, a Câmara Municipal aprovou a abertura de um processo de impeachment contra o prefeito com votos de trinta e um dos trinta e seis vereadores, sob justificativa de uso indevido de R$ 3,1 milhões do Fundo Municipal de Saúde em saúde em ações de publicidade[47]

Transporte coletivo[editar | editar código-fonte]

Ônibus da Carris, companhia pública que esteve no centro de polêmicas após Marchezan Júnior cogitar privatizá-la.

Carris[editar | editar código-fonte]

Durante a campanha, em 2016, Marchezan Júnior negou que tivesse a intenção de privatizar a Carris, empresa pública de transporte coletivo da cidade.[48] Contudo, em junho de 2017, o prefeito afirmou que a Carris poderia ser privatizada.[49] No mês seguinte, ele voltou a sustentar que a empresa deveria ser privatizada ou que deveria licitar linhas.[50] Em junho de 2018, a prefeitura contratou uma consultoria para analisar a Carris e o prefeito novamente defendeu que a privatização era uma das opções para a companhia.[51]

Em janeiro de 2019, oitenta e três veículos da Carris completaram treze anos e não poderiam mais circular, de acordo com lei municipal alterada no ano anterior, que aumentou de dez de doze anos a vida útil dos coletivos.[52] A empresa lançou edital para a renovação da frota em março,[53] medida seguida de um decreto assinado em maior por Marchezan Júnior para aumentar a vida útil dos ônibus de doze para quatorze anos.[54]

Apesar da promessa de que ônibus novos estariam circulando em outubro, a dificuldade em obter financiamento atrasou a compra. Em novembro, a Câmara Municipal autorizou a empresa a contratar quase quarenta e um milhões de reais de crédito para a compra de oitenta e sete ônibus e administração municipal prometeu que os coletivos iriam para as ruas em fevereiro do ano seguinte.[55][56] No entanto, um novo edital foi lançado somente em fevereiro do ano seguinte, no momento em que a legislação obrigava a troca de noventa e sete coletivos.[57] Os novos ônibus só começaram a rodar em outubro de 2020, um ano e meio depois do prometido pela administração municipal.[58]

Tarifa de ônibus[editar | editar código-fonte]

Ainda que tivesse negado em campanha que acabaria com a segunda passagem gratuita em Porto Alegre,[48] criada em 2011 para acabar com distorções no sistema de transporte, Marchezan Júnior a extinguiu em julho de 2017 através de decreto, mantendo-a para estudantes.[59] No mês seguinte, vereadores entraram de PDT, PSOL e PT entraram na Justiça pedindo a anulação do decreto, o que ocorreu em caráter liminar,[60] sob a justificativa de que a cobrança gerava dano irreparável à população.[61] A administração municipal ingressou com recurso em setembro, sem sucesso.[62] Em março de 2018, Marchezan voltou a extinguir a isenção da segunda passagem através de decreto[63]. Em junho de 2019, a Justiça suspendeu o decreto. Porém, como ainda cabia recurso, a segunda passagem continuou sendo cobrada.[64]

Três meses depois de assumir o mandato, o prefeito aumentou, por decreto, a tarifa de ônibus de R$3,75 para R$4,05,[65] o que motivou uma série de protestos entre fevereiro em março.[66] No ano seguinte, a prefeitura reajustou a passagem para R$4,30 e extinguiu a isenção da segunda passagem.[67] Novamente houve protestos contra o aumento.[68] Em fevereiro de 2019, a sua administração aumentou a passagem de R$4,30 para R$4,70. Em publicação em redes sociais, o prefeito afirmou que a tarifa havia sido reduzida em R$0,45, quando, na verdade, havia ocorrido um aumento de quarenta centavos. A postagem foi excluída após muitas críticas da população.[69] Protestos foram realizados contra o aumento.[70] No início de 2020, a prefeitura começou a discussão sobre um novo aumento da passagem, que subiria para R$5,05. Contudo, por conta da pandemia de COVID-19, que fez diminuir a procura e a oferta de ônibus em Porto Alegre, o aumento foi adiado.[71]

Em dezembro de 2019, a Câmara Municipal aprovou um projeto enviado pelo Executivo para acabar com a isenção de tarifa de idosos de 60 a 64, mantendo-a somente para os que comprovassem ter renda mensal inferior a três salários mínimos regionais.[72]

Projetos para diminuir a tarifa de ônibus[editar | editar código-fonte]

Durante o seu mandato, a prefeitura implementou dezessete quilômetros de faixas exclusivas para ônibus e táxis até maio de 2020.[73] Em janeiro de 2020, o Executivo enviou um conjunto de projetos de lei à Câmara de Vereadores para diminuir a tarifa de ônibus, batizado de Projeto Transporte Cidadão. O projeto prevê a cobrança de uma tarifa de R$0,28 por quilômetro rodado de aplicativos de transporte de passageiros, isentos de taxas específicas; implementar um pedágio urbano para cobrar de carros que ingressassem em Porto Alegre; a cobrança de uma taxa de mobilidade urbana de empresas, em vez do pagamento de vale-transporte individual; a desobrigação da manutenção de cobradores na tripulação dos ônibus; e o fim da taxa de gestão da Câmara de Compensação Tarifária.[74] Em fevereiro de 2020, a Câmara Municipal rejeitou um projeto que extinguia os cobradores de ônibus.[75] Em agosto de 2020, a prefeitura reformulou a proposta do pedágio urbano, propondo implementá-lo somente no bairro Centro Histórico, com a cobrança automatizada através de câmeras.[76]

Gabinete[editar | editar código-fonte]

Na posse, estes foram os secretários do governo de Nelson Marchezan.[77][78][79]

      Independente (11) /       PP (2) /       PTB (1) /       PSDB (1)

Secretários de Nelson Marchezan
Pasta Incumbente Partido Período
Educação Adriano Naves de Brito   Independente 1 de janeiro de 2017 - presente
Saúde Erno Harzheim   Independente 1 de janeiro de 2017 - 31 de dezembro de 2018
Segurança Kleber Senisse   Independente 1 de janeiro de 2017 -2 de agosto de 2018
Desenvolvimento Social Maria de Fátima Záchia Paludo   Independente 1 de janeiro de 2017 - 1 outubro de 2017
Desenvolvimento Econômico Ricardo Gomes   Progressistas 1 de janeiro de 2017 - 16 de agosto de 2017
Meio Ambiente e Sustentabilidade Maurício Fernandes   Independente 24 de maio de 2017 - 7 de junho de 2019
Cultura Luciano Alabarse   Independente 1 de janeiro de 2017 - presente
Serviços Urbanos Ramiro Rosário   Partido da Social Democracia Brasileira 1 de janeiro de 2017 - 2 de abril de 2020
Infraestrutura e Mobilidade Urbana Elizandro Sabino   Partido Trabalhista Brasileiro 1 de janeiro de 2017 - 5 de abril de 2018
Planejamento e Gestão José Alfredo Parode   Independente 1 de janeiro de 2017 - 6 de abril de 2018
Fazenda Leonardo Busatto   Independente 1 de janeiro de 2017 - 23 de março de 2020
Parcerias Estratégicas Bruno Vanuzzi   Independente 1 de janeiro de 2017 - 11 de abril de 2019
Transparência e Controladoria Sandro Bergue   Independente 1 de setembro de 2017 - 8 de fevereiro de 2018
Procuradoria-Geral Bruno Miragem   Independente 1 de janeiro de 2017 - junho de 2017
Relações Institucionais Kevin Krieger   Progressistas 1 de janeiro de 2017 - 4 de maio de 2017

Em maio de 2017, o governo sofreu sua primeira baixa quando Kevin Krieger anunciou sua renúncia, alegando razões pessoais, mais tarde seu cargo foi ocupado pelo Vice-prefeito Gustavo Paim[80]. Em junho do mesmo ano, Bruno Miragem deixou seu cargo . Em agosto, o Secretário Ricardo Gomes voltou para a Câmara Municipal por discordar do plano de reforma do IPTU, a pasta foi ocupado pelo administrador Eduardo Cidade.[81][82] Em outubro, a titular da Secretaria de Desenvolvimento Social, Maria de Fátima Paludo, pediu exoneração por razões pessoais, sendo substituída interinamente pela sua secretária-adjunta Denise Russo.[83]

Mudanças em 2017
Pasta Incumbente Partido Período
Desenvolvimento Social Denise Russo   Independente outubro de 2017 - 27 de dezembro de 2018
Desenvolvimento Econômico Eduardo Cidade   Independente 15 de novembro de 2018 - presente
Procuradoria-Geral Eunice Nequete   Independente 22 de junho de 2017 - presente
Relações Institucionais Gustavo Paim   Progressistas 4 de maio de 2017 - 3 de julho de 2019

Em dezembro de 2018, com o ingresso do MDB na base aliada, a vereadora Nádia Gerhardt assumiu a secretária de Desenvolvimento Social, substituindo Denise Russo.[84] Gerhardt retornou à Câmara em outubro do mês seguinte, após a renúncia do seu colega de partido André Carús, para evitar que o PDT ganhasse mais uma cadeira no parlamento.[85] Em abril, o ex-secretário de Direitos Humanos da gestão de José Fortunati, o vereador Luciano Marcantônio, do PTB, assumiu o cargo de secretário de Infraestrutura e Mobilidade Urbana, que ocupou até junho de 2019, quando foi substituído pelo então secretário adjunto Marcelo Gazen.[86]

Mudanças em 2018[87][88][89]
Pasta Incumbente Partido Período
Desenvolvimento Social Nádia Gerhardt   Movimento Democrático Brasileiro 27 de dezembro de 2018 - 18 de outubro de 2019
Saúde Pablo Stürmer   Independente 18 de dezembro de 2018 - presente
Segurança Cláudia Rocha   Independente agosto de 2018 - 7 de junho de 2019
Infraestrutura e Mobilidade Urbana Luciano Marcantônio   Partido Trabalhista Brasileiro 6 de abril de 2018 - 7 de junho de 2019
Planejamento e Gestão Juliana Castro   Independente 31 de outubro de 2018 - presente
Transparência e Controladoria Luciane Marques Rache   Independente 10 de julho de 2019 - presente
Mudanças em 2019[90][91][92][93]
Pasta Incumbente Partido Período
Desenvolvimento Social Itacir Amauri Flores   Independente 18 de outubro de 2019 - presente
Meio Ambiente e Sustentabilidade Germano Bremm   Independente 7 de junho de 2019 - presente
Infraestrutura e Mobilidade Urbana Marcelo Gazen   Independente 7 de junho de 2019 - presente
Parceiras Estratégicas Thiago Barros Ribeiro   Independente 11 de abril de 2019 - presente
Segurança Rafão Oliveira   Partido Trabalhista Brasileiro 7 de junho de 2019 - abril de 2020
Relações Institucionais Christian Lemos   Partido da Social Democracia Brasileira 3 do julho de 2019 - presente

Em 2020, Eduardo Cidade anunciou sua saída da Secretaria do Desenvolvimento Econômico por receber um convite profissional, sendo substituído pelo ex-vereador de Novo Hamburgo Leonardo Hoff, do Partido Social Liberal.[94][95] Mais tarde, Ramiro Rosário e Rafão Oliveira pediram exoneração para concorrer às eleições municipais de Porto Alegre em 2020, enquanto Leonardo Busatto foi exonerado por questões pessoais.[96] Os substitutos de Busatto na Fazenda e Eunice na Procuradoria foram, respectivamente, Liziane Baum e Carlos Eduardo Silveira.[97][98]

Mudanças em 2020
Pasta Incumbente Partido Período
Desenvolvimento Econômico Leonardo Hoff   Partido Social Liberal 10 de abril de 2020 - presente
Fazenda Liziane Baum   Independente 6 de abril de 2020 - presente
Procuradoria-Geral Carlos Eduardo Silveira   Independente 7 de abril de 2020 - presente

Até setembro de 2020, Marchezan Júnior havia trocado mais de vinte vezes de secretários.[99]

Processo de impeachment[editar | editar código-fonte]

Em 5 de agosto de 2020, foi aberto um processo de impeachment contra o prefeito, a partir de um pedido protocolado, entre outras pessoas, por uma pré-candidata a vereadora pelo PRTB.[100] Na noite do dia 5 de agosto, o prefeito manifestou-se por meio de redes sociais, afirmando que a utilização de verbas dos fundos de saúde em campanhas publicitárias na mesma área é prevista pela Constituição.[101]

A Câmara Municipal o aceitou o pedido e deu início ao processo, ao contrário dos cinco pedidos de impedimento anteriores, com votos de trinta e um dos trinta e seis vereadores, sob justificativa de uso indevido de R$ 3,1 milhões do Fundo Municipal de Saúde em saúde em ações de publicidade[47]. No mesmo dia, foi formada a comissão processante que avaliou o pedido, composta, através de sorteio, pelos vereadores Hamilton Sossmeier (PTB), Alvoni Medina Nunes (Republicanos) e Ramiro Rosário (PSDB).[102] Marchezan Júnior apontou vinte e nove pessoas como testemunhas no processo de impeachment, incluindo adversários políticos, muitas das quais disseram desconhecer por que foram arroladas no processo.[103] A comissão processante, por sua vez, determinou que somente dez testemunhas pudessem ser arroladas.[104] A defesa do prefeito também pediu que a cópia do processo do ex-vice-prefeito assassinado em 2010 Eliseu Santos fosse juntado ao processo de impedimento.[103]

Em entrevista à TV Pampa poucos dias depois de o pedido de impeachment ser aceito pelos vereadores, Marchezan Júnior declarou que mostraria "quem é cada um dos vereadores (... ) que estão querendo colar em mim essa (pecha) de corrupção".[105] Em resposta, o presidente da Câmara, Reginaldo Pujol, do Democratas, afirmou que os parlamentares não votariam a favor do prefeito, uma vez que ele "fica falando que vai encurralar todo mundo".[105]

O relatório elaborado pela comissão concluiu, em 28 de agosto, pelo prosseguimento da investigação da denúncia de impedimento apresentada, cabendo ao plenário da Câmara a aprovação ou não a matéria para que a investigação seja levada a cabo pelo Legislativo.[106]

CPI da gestão Marchezan[editar | editar código-fonte]

Uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) foi instalada na Câmara Municipal para investigar possíveis irregularidades na gestão de Marchezan Júnior em 3 de outubro de 2019.[107] Em agosto de 2020, o relatório elaborado pela relatoria da comissão recomendou o indiciamento do prefeito pelos crimes de advocacia administrativa, tráfico de influência, improbidade administrativa, dispensa de licitação, corrupção passiva e tráfico de interesses. Por fim, a CPI concluiu os trabalhos recomendando o indiciamento de Marchezan Júnior, do ex-secretário de Relações Institucionais da prefeitura, Christian Lemos, do PSDB, por falso testemunho, e do empresário e ex-diretor da Procempa Michel Costa, por tráfico de influência.[108]

Conforme o relatório, o chamado Banco de Talentos, um serviço em que profissionais cadastravam currículos para concorrer a uma vaga no serviço público, eliminando assim as indicações políticas, causou gastos à administração pública e foi utilizado para camuflar contratações políticas, classificando-o como um fraudulento ao dar um "manto de tecnicidade para contratações meramente políticas". Além disso, a CPI identificou corrupção passiva de Marchezan ao viajar a Paris, em julho de 2017, com passagem paga pela empresa Capester, na qual Michel Costa tinha participação.[108] O aplicativo da empresa ainda foi adotado pela EPTC para denúncia de infrações de trânsito no mesmo ano.[109] O relatório também identificou um conluio entre o Marchezan Júnior e Costa para favorecimento de interesse privado da empresa Safeconecta na instalação de testagem de equipamentos de monitoramento de GPS na frota de ônibus da Carris, o que caracterizaria o crime de advocacia administrativa”.[108] O relatório foi encaminhado ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas do Estado.[108]

Desdobramentos do mandato[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2021, o Tribunal de Contas do Estado publicou um relatório sobre a situação do Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE). Conforme o tribunal, Marchezan Júnior teve “conduta contrária ao interesse público, desarrazoada e imprudente” na gestão da empresa para privatizá-la. Como resultado, os serviços do DMAE foram prejudicados, implicando em aumento de interrupções no fornecimento de água de mais de 40% em relação ao último ano do governo anterior. Conforme o relatório, o então prefeito procrastinou a contratação de serviços essenciais para a empresa, mesmo após reiterados alertas dos gestores. Nos quatro anos de gestão do prefeito, o DMAE as perdas de faturamento tiveram um aumento de R$ 41 milhões, em consequência das atitudes do governante em relação à empresa. Além da não contratação de serviços, Marchezan Júnior negou-se a repor pessoal na empresa e retirou-lhe a autonomia, para que ela não pudesse fazê-lo.[110]

Referências

  1. a b «Nelson Marchezan Junior». ClicRBS. 19 de agosto de 2010. Consultado em 16 de dezembro de 2011 
  2. a b «Nelson Marchezan Júnior». Resultado das Eleições 2016. Gazeta do Povo. 30 de outubro de 2016. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  3. a b «Quem é Nelson Marchezan Júnior, prefeito eleito de Porto Alegre». GaúchaZH. 23 de setembro de 2016. Consultado em 30 de julho de 2020 
  4. «Conheça os Deputados: Nelson Marchezan Júnior». Câmara dos Deputados. Consultado em 12 de janeiro de 2014 
  5. «Nelson Marchezan anuncia o nascimento de seu terceiro filho». GaúchaZH. 27 de abril de 2019. Consultado em 28 de agosto de 2020 
  6. «Prefeito Marchezan assume segundo filho». GaúchaZH. 10 de dezembro de 2017. Consultado em 28 de agosto de 2020 
  7. «Tal pai, tal filho - os novos deputados» (PDF). Jornal da Eleição - Zero Hora. 9 de outubro de 2002. Consultado em 13 de dezembro de 2015 
  8. «STF decidirá se Marchezan Júnior ficará com vaga no RS». Terra Notícias - Rio Grande do Sul Eleições 2002. 11 de outubro de 2002. Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  9. «TSE cassa candidatura de deputado eleito no RS». Terra Notícias - Rio Grande do Sul Eleições 2002. 14 de outubro de 2014. Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  10. «Nelson Marchezan Jr.». Repórter Brasília - Jornal do Comércio. 27 de janeiro de 2011. Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  11. «Nelson Marchezan Junior (2010)». Uol. Consultado em 12 de janeiro de 2014 
  12. a b Lourenço, Jorge (15 de dezembro de 2011). «Tucano defende CPI da Privataria: "É nosso dever investigar"». JB Online. Consultado em 16 de dezembro de 2011 
  13. «Por 11 a 9, Conselho de Ética aprova parecer pela cassação de Cunha». Política. 14 de junho de 2016. Consultado em 14 de junho de 2016 
  14. a b «A outra vez que Marchezan se envolveu em um impeachment | GaúchaZH». GZH. 6 de agosto de 2020. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  15. «Confira a lista dos candidatos a prefeito de Porto Alegre». Consultado em 2 de agosto de 2016 
  16. «Coligação encabeçada pelo PTB declara apoio a Marchezan (PSDB) no 2º turno em Porto Alegre - Política». Estadão. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  17. «PV declara apoio a Marchezan no segundo turno em Porto Alegre | GaúchaZH». GZH. 4 de outubro de 2016. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  18. «Tucano pode levar PSDB a vitória inédita em Porto Alegre - Política». Estadão. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  19. «Apoiado pelo MBL, Marchezan já teve doação de empresas ligadas à Lava Jato». UOL Eleições 2016. Consultado em 9 de junho de 2020 
  20. «Nelson Marchezan Jr., herdeiro da ditadura e candidato do MBL em Porto Alegre». www.esquerdadiario.com.br. Consultado em 9 de junho de 2020 
  21. «Marchezan Jr é o primeiro prefeito do PSDB eleito em Porto Alegre». VEJA. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  22. «Após redução, quadro de CCs da prefeitura de Porto Alegre volta a inflar em 2019 | GaúchaZH». GZH. 13 de maio de 2019. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  23. «Prefeito eleito de Porto Alegre cria Banco de Talentos para a Prefeitura Municipal». Fecomércio RS. 28 de dezembro de 2016. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  24. RS, Rafaella FragaDo G1 (30 de outubro de 2016). «Após ser eleito, Marchezan diz que pretende desburocratizar prefeitura». Eleições 2016 no Rio Grande do Sul. Consultado em 9 de junho de 2020 
  25. TV, Muriel PorfiroDa RBS (9 de dezembro de 2016). «Marchezan anuncia plano de cortar 14 secretarias em Porto Alegre». Rio Grande do Sul. Consultado em 9 de junho de 2020 
  26. «Em Porto Alegre, Marchezan anuncia concessões e corte de 14 secretarias - 09/12/2016 - Poder». Folha de S.Paulo. Consultado em 9 de junho de 2020 
  27. «Marchezan reforça parcerias com iniciativa privada para viabilizar serviços públicos». G1. Consultado em 9 de junho de 2020 
  28. RS, Do G1 (10 de janeiro de 2017). «Marchezan descarta liberar recursos para carnaval em Porto Alegre». Carnaval 2017 no Rio Grande do Sul. Consultado em 9 de junho de 2020 
  29. «Prefeitura de Porto Alegre publica decretos que suspendem pagamentos e novas despesas». GaúchaZH. 4 de janeiro de 2017. Consultado em 9 de junho de 2020 
  30. a b «O ano de estreia de Nelson Marchezan no comando de Porto Alegre». Nexo Jornal. Consultado em 9 de junho de 2020 
  31. «Em menos de 11 meses, Prefeitura de Porto Alegre sofre 15 baixas em cargos de liderança». G1. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  32. «Do abandono ao mato, um retrato de praças e parques da Capital». Sul 21. 10 de fevereiro de 2018. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  33. «Sem serviço de capina, mato cresce nas ruas de Porto Alegre | GaúchaZH». GZH. 26 de outubro de 2017. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  34. «Pacote de Marchezan para restringir isenções na passagem chegará à Câmara em abril». GaúchaZH. 21 de março de 2017. Consultado em 9 de junho de 2020 
  35. «Após mais de 15 horas, vereadores rejeitam projeto que revisa cálculo e cobrança do IPTU em Porto Alegre». G1. Consultado em 10 de junho de 2020 
  36. «Planos de PPPs da gestão Marchezan incluem iluminação, relógios digitais e lixo urbano». G1. Consultado em 9 de junho de 2020 
  37. «Prefeito de Porto Alegre sanciona nova Lei Geral dos Táxis com vetos a cinco emendas». Diário do Transporte. 9 de junho de 2018. Consultado em 10 de junho de 2020 
  38. Comércio, Jornal do. «Marchezan reenvia à Câmara projeto que altera planta do IPTU de Porto Alegre». Jornal do Comércio. Consultado em 10 de junho de 2020 
  39. «Com mudanças na Câmara, base aliada de Marchezan passa de 11 para 17 vereadores». GaúchaZH. 31 de janeiro de 2019. Consultado em 10 de junho de 2020 
  40. Comércio, Jornal do. «MDB de Porto Alegre vai entrar no governo Marchezan». Jornal do Comércio. Consultado em 10 de junho de 2020 
  41. «MDB aprova ingresso no governo de Nelson Marchezan». GaúchaZH. 19 de dezembro de 2018. Consultado em 10 de junho de 2020 
  42. «Cinco erros do governo Marchezan em 2019». GaúchaZH. 27 de dezembro de 2019. Consultado em 10 de junho de 2020 
  43. «Aprovação de projeto do IPTU confirma força de Marchezan na Câmara de Porto Alegre». GaúchaZH. 30 de abril de 2019. Consultado em 10 de junho de 2020 
  44. Comércio, Jornal do. «Marchezan demite CCs do PP e acelera rompimento na prefeitura de Porto Alegre». Jornal do Comércio. Consultado em 12 de junho de 2020 
  45. Comércio, Jornal do. «PP rompe com Nelson Marchezan Júnior após prefeito ironizar ameaça da legenda». Jornal do Comércio. Consultado em 12 de junho de 2020 
  46. Guaíba, Camila Diesel / Rádio. «Marchezan entrega LDO à Câmara com previsão de receita R$ 476 milhões maior». Correio do Povo. Consultado em 21 de agosto de 2020 
  47. a b «Vereadores aprovam abertura de processo de impeachment do prefeito de Porto Alegre». G1. Consultado em 7 de agosto de 2020 
  48. a b «Em campanha, Marchezan disse que não iria acabar com 2ª passagem | GaúchaZH». GZH. 28 de julho de 2017. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  49. «Marchezan diz que, sem um "plano viável nos próximos meses", Carris pode ser privatizada | GaúchaZH». GZH. 20 de junho de 2017. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  50. Guaíba, Ananda Muller / Rádio. «Marchezan reforça que "Carris não é viável" e que precisa privatizar ou licitar linhas». Correio do Povo. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  51. Comércio, Jornal do. «Privatização da Carris pode sair após análise de consultoria». Jornal do Comércio. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  52. «Mais de 80 ônibus da Carris são mais velhos do que o permitido pela lei municipal - Notícias». Diário Gaúcho. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  53. «Prometidos para outubro, ônibus novos da Carris ficam para fevereiro - Notícias». Diário Gaúcho. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  54. «Decreto aumenta vida útil de ônibus de Porto Alegre para 14 anos e autoriza desligamento de ar-condicionado em estrada de terra». Diário do Transporte. 1 de maio de 2019. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  55. Alegre, Prefeitura Municipal de Porto. «Carris». www.carris.com.br. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  56. «Prometidos para fevereiro, ônibus novos da Carris ficam para junho, mas número cresce - Notícias». Diário Gaúcho. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  57. «Prometidos para fevereiro, ônibus novos da Carris ficam para junho, mas número cresce - Notícias». Diário Gaúcho. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  58. «Depois de um ano e meio do anúncio, Carris apresenta seus novos ônibus - Notícias». Diário Gaúcho. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  59. «Marchezan acaba com gratuidade da segunda passagem de ônibus». Sul 21. 28 de julho de 2017. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  60. «Justiça derruba decreto que acabou com a segunda passagem de ônibus gratuita em Porto Alegre». G1. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  61. Comércio, Jornal do. «Derrubado decreto que acabou com a segunda passagem gratuita em Porto Alegre». Jornal do Comércio. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  62. disse, Paulo Gil (6 de setembro de 2017). «Prefeitura de Porto Alegre vai à Justiça para fazer valer cobrança da segunda passagem». Diário do Transporte. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  63. «Passagem de ônibus em Porto Alegre passa a custar R$ 4,30 nesta terça». G1. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  64. Guaíba, Gustavo Chagas/Rádio. «Justiça suspende decreto que cancelava 2ª passagem gratuita nos ônibus de Porto Alegre». Correio do Povo. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  65. RS, Do G1 (29 de março de 2017). «Prefeito sanciona reajuste na tarifa de ônibus e lotações em Porto Alegre». Rio Grande do Sul. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  66. Guaíba, Correio do Povo e Rádio. «Manifestação contra aumento passagem ocupa ruas de Porto Alegre». Correio do Povo. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  67. «Passagem de ônibus em Porto Alegre passa a custar R$ 4,30 nesta terça». G1. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  68. «Estudantes fazem protesto contra aumento da tarifa de ônibus em Porto Alegre». G1. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  69. «"Tarifa reduzida em R$ 0,45": post de Marchezan sobre aumento da passagem de ônibus gera reação nas redes | GaúchaZH». GZH. 14 de fevereiro de 2019. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  70. Povo, Correio do. «Centenas de estudantes realizam protesto contra aumento da passagem em Porto Alegre». Correio do Povo. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  71. «Secretário considera prematura retomada de discussão sobre aumento da passagem em Porto Alegre | GaúchaZH». GZH. 27 de abril de 2020. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  72. Pont, Ricardo (27 de janeiro de 2019). «Idosos de 60 a 64, sem o cartão TRI, perdem gratuidade nos ônibus de Porto Alegre». Rádio Guaíba. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  73. «Porto Alegre terá mais 9 quilômetros de faixa exclusiva para ônibus a partir desta sexta-feira | GaúchaZH». GZH. 28 de maio de 2020. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  74. «Para baixar passagem de ônibus para R$ 2, prefeitura propõe pedágio, taxar apps e trocar vale-transporte por passe livre | GaúchaZH». GZH. 27 de janeiro de 2020. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  75. «Câmara rejeita projeto que desobriga cobradores de ônibus em Porto Alegre». G1. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  76. «Câmeras para cobrança, R$ 195 de multa e táxis isentos: o que prevê o projeto de pedágio no centro de Porto Alegre | GaúchaZH». GZH. 14 de agosto de 2020. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  77. Comércio, Jornal do. «atual composição do secretariado do governo nelson marchezan júnior». Jornal do Comércio. Consultado em 10 de junho de 2020 
  78. «Três secretários deixam o governo de Nelson Marchezan». GaúchaZH. 2 de abril de 2020. Consultado em 10 de junho de 2020 
  79. «Prefeitura de Porto Alegre anuncia mudança no comando de três secretarias municipais». GaúchaZH. 7 de junho de 2019. Consultado em 10 de junho de 2020 
  80. «Prefeitura de Porto Alegre confirma saída de Kevin Krieger do governo Marchezan». G1. Consultado em 12 de junho de 2020 
  81. «Por discordar sobre IPTU, secretário de Desenvolvimento Econômico de Porto Alegre decide deixar o cargo». G1. Consultado em 12 de junho de 2020 
  82. Povo, Correio do. «Eduardo Cidade será o secretário do Desenvolvimento Econômico da Capital». Correio do Povo. Consultado em 12 de junho de 2020 
  83. «Secretária do Desenvolvimento Social de Porto Alegre, Maria de Fátima Záchia Paludo deixa o cargo». G1. Consultado em 12 de junho de 2020 
  84. «Comandante Nádia assume Secretaria de Desenvolvimento Social e Esporte em Porto Alegre». G1. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  85. Dibe, Luiz Sérgio. «Comandante Nádia deixa secretaria e retorna à Câmara dos Vereadores». Correio do Povo. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  86. Media, Alright (6 de abril de 2018). «Luciano Marcantônio assume Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade Urbana em Porto Alegre». Rádio Guaíba. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  87. «Comandante Nádia assume Secretaria de Desenvolvimento Social e Esporte em Porto Alegre». G1. Consultado em 12 de junho de 2020 
  88. Diesel, Camila (31 de outubro de 2018). «Coordenadora do Gabinete do Prefeito assume Secretaria de Planejamento e Gestão em Porto Alegre». Rádio Guaíba. Consultado em 12 de junho de 2020 
  89. «Após 16 meses, secretaria de Transparência de Porto Alegre ganha nova comandante». GaúchaZH. 10 de julho de 2019. Consultado em 12 de junho de 2020 
  90. «Comandante Nádia retorna à Câmara Municipal | Prefeitura de Porto Alegre». prefeitura.poa.br. Consultado em 12 de junho de 2020 
  91. Comércio, Jornal do. «Marchezan anuncia novos secretários para as pastas da Smams e SMSeg». Jornal do Comércio. Consultado em 12 de junho de 2020 
  92. «Economista Thiago Ribeiro assume pasta de Parcerias Estratégicas | Prefeitura de Porto Alegre». prefeitura.poa.br. Consultado em 12 de junho de 2020 
  93. «Christian Lemos assume a Secretaria de Relações Institucionais | Prefeitura de Porto Alegre». prefeitura.poa.br. Consultado em 12 de junho de 2020 
  94. «Jornalista Polibio Braga: Eduardo Cidade deixa secretaria do Desenvolvimento Econômico em Porto Alegre». Jornalista Polibio Braga. Consultado em 14 de junho de 2020 
  95. Digital, F5. «Ex-vereador hamburguense, crítico feroz de governo do PSDB, ganha cargo em... governo do PSDB». Martin Behrend. Consultado em 14 de junho de 2020 
  96. Samuel, Felipe. «Marchezan anuncia novos secretários da prefeitura de Porto Alegre». Correio do Povo. Consultado em 12 de junho de 2020 
  97. «Carlos Eduardo da Silveira assume Procuradoria-Geral do Município | Prefeitura de Porto Alegre». prefeitura.poa.br. Consultado em 14 de junho de 2020 
  98. Comércio, Jornal do. «Eunice Nequete deixa PGM em meio à mudança na Lei Orgânica». Jornal do Comércio. Consultado em 14 de junho de 2020 
  99. «'Epílogo de uma novela triste': vereadores traçam percurso do desgaste com Marchezan». Sul 21. 5 de setembro de 2020. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  100. Gafforelli, Giovane (5 de agosto de 2020). «Por 31 votos a 4, Câmara Municipal abre processo de impeachment de Marchezan». Rádio Guaíba. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  101. «Este impeachment não é por causa dos nossos muitos erros. É por causa dos nossos poucos acertos", diz Marchezan». GaúchaZH. Consultado em 6 de agosto de 2020 
  102. «Comissão que avaliará pedido de impedimento de Marchezan na Câmara é formada». GaúchaZH. Consultado em 6 de agosto de 2020 
  103. a b Guaíba, Gustavo Chagas / Rádio. «Políticos apontados como testemunhas de Marchezan dizem desconhecer processo». Correio do Povo. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  104. «Marchezan diz que processo de impeachment é para "tirar o combate à corrupção" da eleição municipal | GaúchaZH». GZH. 28 de agosto de 2020. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  105. a b «Por que Marchezan não vai conseguir escapar do impeachment». GaúchaZH. 17 de agosto de 2020. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  106. «Relatório é favorável à denúncia do impeachment de Marchezan». Câmara Municipal de Porto Alegre. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  107. «CPI sobre gestão Marchezan será instalada nesta quinta-feira». Câmara Municipal de Porto Alegre. 2 de outubro de 2019. Consultado em 31 de agosto de 2020 
  108. a b c d «CPI da gestão Marchezan recomenda indiciamento do prefeito e mais duas pessoas». Correio do Povo. 31 de agosto de 2020. Consultado em 31 de agosto de 2020 
  109. «CPI sobre gestão Marchezan será instalada nesta quinta-feira». GaúchaZH. 31 de agosto de 2017. Consultado em 31 de agosto de 2020 
  110. «Marchezan sucateou o Dmae porque queria privatizá-lo, conclui TCE-RS». Matinal. 10 de fevereiro de 2021. Consultado em 11 de fevereiro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
José Fortunati
Prefeito de Porto Alegre
2017 — 2020
Sucedido por
Sebastião Melo