Costa do Marfim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Côte d’Ivoire)
Ir para: navegação, pesquisa
République de Côte d'Ivoire
República da Costa do Marfim
Bandeira da Costa do Marfim
Brasão de armas da Costa do Marfim
Bandeira Brasão de armas da Costa do Marfim
Lema: "Union, Discipline, Travail" ("União, Disciplina, Trabalho")
Hino nacional: "L'Abidjanaise" ("A Abidjanesa")
Gentílico: costa-marfinense, marfinense, ebúrneo,[1] ivoiriense[2] [nota 1]

Localização  República da Costa do Marfim

Capital Yamoussoukro (constitucional),
Abidjan (sede do governo)
Cidade mais populosa Abidjan
Língua oficial Francês
Governo República presidencialista
 - Presidente Alassane Ouattara
 - Primeiro-ministro Daniel Kablan Duncan
Independência da França 
 - Data 7 de agosto de 1960 
Área  
 - Total 322 463 km² (67.º)
 - Água (%) 1,4
 Fronteira Mali, Burkina Fasso (N), Gana (E), Libéria e Guiné (W)
População  
 - Estimativa de 2008 20 179 602 hab. (55.º)
 - Densidade 53 hab./km² (122.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 71,952 bilhões*[3]  
 - Per capita US$ 2 902[3]  
PIB (nominal) Estimativa de 2014
 - Total US$ 33,963 bilhões*[3]  
 - Per capita US$ 1 369[3]  
IDH (2013) 0,452 (171.º) – baixo[4]
Gini (2002) 44,6[5]
Moeda Franco CFA (XOF)
Fuso horário (UTC+0)
Clima Tropical
Org. internacionais ONU, UA, Francofonia, CEDEAO, União Latina, ZPCAS
Cód. ISO CIV
Cód. Internet .ci
Cód. telef. +225

Mapa  República da Costa do Marfim

A Costa do Marfim (em francês: Côte d'Ivoire), oficialmente République de Côte d'Ivoire, é um país africano, limitado a norte pelo Mali e pelo Burkina Faso, a leste pelo Gana, a sul pelo Oceano Atlântico e a oeste pela Libéria e pela Guiné. Sua capital é Yamoussoukro, mas a maior cidade é Abidjan.[6]

Em Portugal, denomina-se ebúrneo, marfinês, costa-marfinês ou ainda costa-marfinense a quem é natural da Costa do Marfim. No Brasil, é marfinense.

O governo marfinês solicitou à comunidade internacional em outubro de 1985 que o país seja designado apenas pelo nome francês Côte d'Ivoire e vários países e organizações internacionais acataram. [7] No entanto, em português o país é comumente designado pelo seu nome traduzido Costa do Marfim, o mesmo ocorrendo em outras línguas, como Ivory Coast em inglês e Elfenbeinküste em alemão.

História[editar | editar código-fonte]

As populações indígenas estiveram política e socialmente isoladas até épocas muito recentes. Os antecessores da população atual se instalaram na área entre os séculos XVIII e XIX. Os exploradores portugueses chegaram no século XV e iniciaram o comércio de marfim e escravos do litoral. No século XVII estabeleceram-se diferentes Estados negros, entre os quais se destacou o dos baules por suas atividades artísticas. No final do século, os franceses fundaram os entrepostos de Assini e Grand-Bassam e, no século XIX, celebraram uma política de pactos com os chefes locais com o objetivo de estabelecer uma colônia. Em 1887 iniciou-se a penetração para o interior. A região se tornou uma colônia autônoma em 1893. Em 1899, passou a fazer parte da Federação da África Ocidental Francesa. A ocupação militar ocorreu entre 1908 e 1918, enquanto se construía a linha férrea entre o litoral e Bobo-Dioulasso, hoje pertencente a Burkina Faso.

Em 1919, a parte norte da colônia se tornou independente. Abidjan permaneceu sob jurisdição francesa durante a Segunda Guerra Mundial, embora a França estivesse ocupada pelos alemães. Em 1944, foi criado o Sindicato Agrícola Africano, que deu origem ao Partido Democrático da Costa do Marfim (Parti Démocratique de la Côte d'Ivoire). Entre 1950 e 1954, foi construído seu porto. Em 1958, foi proclamada a República da Costa do Marfim, como república autônoma dentro da Communauté française (Comunidade Francesa) e, em 1960, alcançou a independência plena.

Foi eleito presidente Félix Houphouët-Boigny, líder do Parti Démocratique de la Côte d'Ivoire--Rassemblement Démocratique Africain, até 1990 foi a única agremiação política legal no país. Com um alinhamento político pró-ocidental, a Costa do Marfim esteve em foco na década de 1970, ao tentar intervir pela via das negociações na resolução do apartheid na África do Sul.

As eleições de 1990, a primeira em que houve uma disputa real pelo poder, foram disputadas por todos os partidos políticos já legalizados, tendo o presidente Houphouët-Boigny sido reeleito para um sétimo mandato. Também em 1990 o Papa João Paulo II visitou a Costa do Marfim, onde consagrou, em Yamoussoukro, uma suntuosa basílica, oficialmente construída às expensas do presidente. Houphouët-Boigny, apesar de numerosas tentativas de golpes de estado e da instabilidade social provocada por crises econômicas, manteve-se no poder desde a independência até dezembro de 1993, quando faleceu.

O antigo presidente da Assembléia Nacional (Parlamento), Henri Konan Bedié, assumiu a presidência da República em 1993 e foi confirmado no cargo em 1995. No dia 24 de dezembro de 1999, um golpe de Estado, comandado pelo general Robert Guéï, destituiu o presidente Konan Bedié, que se refugiou na embaixada da França e depois no Togo. O general Guel convocou todos os partidos políticos para formarem um governo de transição e prometeu que o retorno à democracia seria rápido. Esse foi o primeiro golpe de estado no país desde a sua independência em 1960.

Robert Guéï foi assassinado durante um levantamento encabeçado pelo Movimento Patriótico da Costa do Marfim em 2002. Foi sucedido por Laurent Gbagbo.

A Costa do Marfim desempenha importante papel na África e dentro da Entente.

Guerra civil da Costa do Marfim (2002-2004): O norte se rebelou. 10.000 boinas azuis da ONUCM (Força de Paz da ONU na Costa do Marfim), dentre os quais 4600 soldados franceses da Licorne (operação militar francesa para a Costa do Marfim) foram posicionadas entre os beligerantes.

Clima[editar | editar código-fonte]

A Costa do Marfim situa-se em plena região tropical, com o clima habitual destas zonas; a temperatura média situa-se nos 30°C (descendo ligeiramente à noite) durante praticamente todo o ano, com exceção da estação das chuvas onde a temperatura baixa para os 25°C. Há duas estações de chuvas (de Maio a Agosto e, com menos intensidade, em Novembro). Há duas grandes zonas climáticas; no Norte a paisagem é árida sendo o clima quente e seco; o Sul é bastante úmido com vegetação muito rica.

Política[editar | editar código-fonte]

A Costa do Marfim foi colonizada pela França na época em que o imperialismo se instalou sobre a África e a Ásia. Nessa época, os europeus buscavam mercado consumidor e matéria-prima para suas fábricas e para seus produtos manufaturados. Então foi feita a "Partilha da África", onde alguns países europeus dividiram a África em territórios.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

A Costa do Marfim está dividida em 19 regiões (régions), que, por sua vez, estão subdivididas em 58 departamentos (départements).

Regiões da Costa do Marfim.
Regiões
  1. Agnéby
  2. Bafing
  3. Bas-Sassandra
  4. Denguélé
  5. Dix-Huit Montagnes
  6. Fromager
  7. Haut-Sassandra
  8. Lacs
  9. Lagunes
  10. Marahoué
  11. Moyen-Cavally
  12. Moyen-Comoé
  13. N'zi-Comoé
  14. Savanes
  15. Sud-Bandama
  16. Sud-Comoé
  17. Vallée du Bandama
  18. Worodougou
  19. Zanzan

Economia[editar | editar código-fonte]

Rodovia no centro de Abidjã, capital de facto do país.

A economia da Costa do Marfim é baseada no cultivo principalmente do cacau, ele é um dos maiores exportadores do mundo, o maior exportador de óleo de palma (256 mil toneladas) e o terceiro produtor de algodão (106 mil toneladas de fibras - 1995) - ainda que a dívida desse pais chega a quase 15608 milhões. As produções de borracha (83 mil toneladas - 1995) e de copra (43 mil toneladas - 1995), inexistentes antes 1960, bem como as lavouras de abacaxi (170 mil toneladas - 1995), bananas (211 mil toneladas - 1995) e açúcar (125 mil toneladas - 1995), se tornaram itens importantes da balança comercial. A recuperação do setor de madeira, que, em 1988, correspondia a um terço da receita de exportação, é mais recente.

No setor da pecuária e diante do problema de abastecimento em proteínas animais, a Côte d’Ivoire é obrigada a importar grandes quantidades de carne. Portanto, um amplo programa visando a desenvolver o potencial nacional foi lançado.

A economia também é baseada nas 1.600 indústrias do país, no total em todos os setores são 2.283 empresas privadas e 140 em que o estado é acionista majoritário. 74% das empresas se encontram na região de Abidjã, 4% em Bouaké e 2% em San Pedro, 20% em outras regiões. O sistema bancário marfinense é um dos mais desenvolvidos da África. Ele é composto de um banco de desenvolvimento, de 16 bancos comerciais, de uma dezena de representações internacionais e de 16 estabelecimentos financeiros. A Côte d’Ivoire pertence à “zona franca”, institucionalizada pela União Monetária Oeste Africana. Os sete estados membros (Benim, Burkina Faso, Costa do Marfim, Mali, Níger, Senegal e Togo) entregaram a emissão da moeda, o Franco CFA, e de maneira geral, as suas políticas monetárias a uma instituição, o Banco Central dos Estados da África do Oeste, cuja sede fica em Dacar (Senegal).

A Costa do Marfim é o maior produtor e exportador de cacau do mundo. Entre os principais produtos de exportação estão: banana, abacaxi, café e, até a segunda metade do século XX, era o maior explorador de marfim, daí o nome do país.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Esporte[editar | editar código-fonte]

O Futebol é o esporte mais praticado do país, a seleção marfinense de futebol se classificou para as copas do mundo de 2006, 2010 e 2014,[8] mas não conseguiu classificação para as oitavas de final, porém, venceu a Copa das Nações Africanas de 1992 e a seleção conta com as estrelas Didier Drogba, Salomon Kalou, Kolo Touré e Yaya Touré (melhor jogador africano de 2013) que brilham nos principais clubes da Europa. A seleção também classificou-se para a Copa do Mundo de 2014 no Brasil. O Rugby tem também papel de destaque na história esportiva da Costa do Marfim é um esporte bem disputado e foi introduzido no país pela colonização francesa, outros esportes ainda incluem o Basquetebol e Atletismo.

Feriados
Data Nome em português Nome local Observações
7 de agosto[9] Festa da Independência Fête de l'Indépendance
7 de dezembro Aniversário da morte do pai da nação, Félix Houphouët Boigny Anniversaire du décès du père de la nation, Félix Houphouët Boigny

Notas

  1. Do nome oficial, Côte d'Ivoire.

Referências

  1. Portal da Língua Portuguesa, Dicionário de Gentílicos e Topónimos da Costa do Marfim
  2. Costa do Marfim: Sociedade civil ivoiriense (...) Pambazuka (1 de outubro de 2010). Visitado em 24 de março de 2013.
  3. a b c d Fundo Monetário Internacional (FMI): World Economic Outlook Database (Outubro de 2014). Visitado em 29 de outubro de 2014.
  4. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Visitado em 3 de agosto de 2014.
  5. CIA World Factbook, Lista de Países por Coeficiente de Gini (em inglês)
  6. Portal São Francisco. Costa do Marfim. Visitado em 22 de janeiro de 2012.
  7. Lista alfabética dos países membros da International Labour Organization
  8. UOL Copa do Mundo. Costa do Marfim na Copa 2010: Acompanhe a seleção. Visitado em 22 de janeiro de 2012.
  9. Portal Brasil. Costa do Marfim. Visitado em 22 de janeiro de 2012.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Costa do Marfim
Bandeira da Costa do Marfim Costa do Marfim
Bandeira • Brasão • Hino • Cultura • Demografia • Economia • Geografia • História • Portal • Política • Subdivisões • Imagens