Henrique de Gales

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Príncipe Harry de Gales)
Ir para: navegação, pesquisa
Harry
Príncipe do Reino Unido
Nome completo
Henrique Carlos Alberto Davi
Casa Windsor
Pai Carlos, Príncipe de Gales
Mãe Diana, Princesa de Gales
Nascimento 15 de setembro de 1984 (30 anos)
Hospital de St. Mary, Londres, Reino Unido
Religião Anglicanismo

Henrique de Gales (Londres, 15 de setembro de 1984), também conhecido como Príncipe Harry[1] , é o filho mais novo de Carlos, Príncipe de Gales, e sua primeira esposa Diana, Princesa de Gales. Seus avós paternos são a rainha Isabel II do Reino Unido e o príncipe Filipe, Duque de Edimburgo. Ele é o quinto na linha de sucessão ao trono britânico atrás de seu pai, seu irmão William Duque de Cambridge, seu sobrinho George de Cambridge, e sua sobrinha Charlotte de Cambridge.

Após concluir a sua educação aos 18 anos e de ter passado o seu "gap year" na Austrália e no Lesoto, Harry escolheu seguir uma carreira militar, o que o levou a treinar na Real Academia Militar de Sandhurst. Depois de terminar o treino militar foi integrado no Blues and Royals do Regimento de Household Cavalary como segundo-tenente. Em 2007 e 2008 prestou 77 dias de serviço em Helmand no Afeganistão, mas foi retirado do local quando uma publicação australiana divulgou a sua presença naquele país[2] . Entre 2012 e 2013, Harry regressou ao Afeganistão para uma missão de 20 semanas com a Força Aérea[3] .

Em fevereiro de 2015, o Palácio de Kensington confirmou que Harry iria abandonar o exército para se dedicar ao trabalho que desempenha com militares incapacitados e doentes[4] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Harry nasceu no dia 15 de Setembro de 1984 no Hospital de St. Mary, Paddington, em Londres[5] . Seu pai é Carlos, Príncipe de Gales, filho mais velho da rainha Isabel II do Reino Unido. Sua mãe é a falecida Diana, Princesa de Gales, ex-mulher do príncipe de Gales, que morreu em 1997 e descendente de casas reais e de famílias nobres europeias. Seu irmão mais velho é Guilherme, Duque de Cambridge. O príncipe foi batizado em 21 de dezembro de 1984 na Capela de São Jorge no Castelo de Windsor pelo Arcebispo da Cantuária, Robert Runcle. Os seus padrinhos são o Duque de Iorque (o seu tio paterno), Lady Sarah Armstrong-Jones (prima do seu pai), Lady Celia Vestrey, Carolyn Bartholomew, Bryan Organ e Gerald Ward (um ex-militar da Household Cavalry)[6] .

Diana queria que Harry e o seu irmão mais velho tivessem uma maior experiência de vida do que as anteriores crianças reais e levou-os a locais de diversão como o Disney World e o McDonald's e a locais de caráter mais caritativo como clínicas que tratavam de doentes com SIDA e casas de acolhimento para sem-abrigo[7] .

Os pais de Harry separaram-se em 1992[8] , quando ele tinha 6 anos e divorciaram-se quatro anos depois[9] .

Morte de Diana, princesa de Gales[editar | editar código-fonte]

Em 31 de Agosto de 1997, Diana, Princesa de Gales sofreu um trágico acidente de carro e morreu em Paris com o seu namorado, Dodi Al-Fayed, e o motorista Henri Paul[10] . Harry e William estavam no Castelo de Balmoral na altura do acidente e foi Carlos quem os acordou para lhes dar a notícia[11] . No funeral, o príncipe Harry, na altura com 12 anos, seu irmão, seu pai, seu avô paterno e seu tio materno caminharam atrás do caixão de Diana, do Palácio de Buckingham até a Abadia de Westminster[12] .

Educação[editar | editar código-fonte]

À semelhança do seu pai e irmão, Harry estudou em escolas privadas. Frequentou o infantário Jane Mynors e a escola pré-primária  Wetherby School, ambos em Londres[13] . De seguida, estudou na Ludgrove School em Berkshire[7] .

Após completar os exames de admissão, foi aceite em Eton College, onde estudou Geografia, História da Arte e Arte. A decisão de colocar Harry em Eton foi contra a tradição da família real que até aí enviava os seus filhos para Gordonstoun (o avô, pai, dois tios e dois primos de Harry frequentaram essa escola)[7] .

Harry terminou os seus estudos em Eton em junho de 2003 com 2 "A-levels" (Arte e Geografia)[14] . Durante o seu tempo em Eton, Harry demonstrou uma excelente aptidão para desportos, principalmente para o pólo e o rugby[15] . As suas notas permitiram-lhe candidatar-se a um lugar no exército britânico[14] .

Após terminar os estudos, Harry tirou um ano de pausa (o tradicional "gap year"). Durante esse ano Harry visitou a Austrália, onde, à semelhança do seu pai, trabalhou numa quinta e participou no Young England vs Young Australia Polo Test Match[16] . Visitou ainda o Lesoto onde trabalhou com crianças órfãs e produziu o documentário The Forgotten Kingdom[7] .

Serviço Militar[editar | editar código-fonte]

Sandhurst, Blues and Royals e primeira missão no Afeganistão[editar | editar código-fonte]

Príncipe Harry, enquanto cadete, numa parada militar em Sandhurst em 21 de junho de 2005

Harry entrou na Real Academia de Sandhurst em 8 de maio de 2005, onde era conhecido como cadete Wales, e juntou-se à Companhia Alamein[17] . Um ano depois, Harry completou o seu treino militar e foi integrado nos Blues and Royals, um regimento da Household Calvalry do Exército Britânico, como segundo-tenente. O seu número de serviço era 564673[18] . Em 13 de abril de 2008, Harry foi promovido a tenente ao completar dois anos de serviço efetivo[19] .

O Ministério da Defesa britânico e Clarence House anunciaram em conjunto, em 22 de fevereiro de 2007, que Harry seria enviado com o seu regimento para o Iraque. Harry apoiava esta medida e disse que sairia do exército se recebesse ordens para permanecer em segurança enquanto o seu regimento ia para a guerra, afirmando: "Não passei por Sandhurst para depois ficar sentado em casa enquanto os meus companheiros estão a lutar pelo país"[20] .

O chefe do exército britânico na época, o general Sir Richard Dannatt, afirmou pela primeira vez em 30 de abril de 2007, que tinha decidido pessoalmente que Harry devia prestar serviço com a sua unidade no Iraque e a ida do príncipe foi agendada para maio ou junho de 2007. Lá, deveria patrulhar a província de Mayasan[21] .

Porém, em 16 de maio, Dannatt anunciou que o príncipe Harry não iria para o Iraque[22] . As principais razões para essa decisão foram o facto de Harry ser um alvo de alto risco (uma vez que já havia várias ameaças contra ele) e aos perigos que os soldados que o acompanhavam encaravam se houvesse alguma tentativa de assassinato ou captura de Harry. O palácio anunciou que Harry se mostrava desiludido com a decisão, mas que iria obedecer[23] .

No início de junho de 2007, foi anunciado que Harry tinha chegado do Canadá para treinar com soldados da forças armadas canadianas e do exército britânico numa base militar perto de Medicine Hat, Alberta. Houve rumores de que esse treino era em preparação para uma missão no Afeganistão, onde as forças armadas canadianas e britânicas estavam envolvidas na Guerra do Afeganistão, liderada pela NATO. Os rumores confirmaram-se em fevereiro do ano seguinte quando o Ministro da Defesa britânico revelou que Harry fora enviado numa missão secreta de 2 meses para a província de Helmand no Afeganistão como controlador aéreo avançado[24] . A revelação foi feita depois de o tablóide alemão Bild e a revista australiana New Idea terem quebrado o embargo informativo imposto pelas autoridades canadianas e britânicas[25] . Mais tarde, foi revelado que, enquanto esteve no Afeganistão, o príncipe Harry ajudou os Gurkha a travar um ataque de Talibãs rebeldes e patrulhou zonas hostis[26] . Esta missão fez de Harry o primeiro membro da família real a cumprir serviço militar numa zona de guerra desde que o seu tio, o Príncipe André, pilotou helicópteros na Guerra das Malvinas.

Harry manifestou o seu desejo de combater no Iraque, ainda que o Ministério da Defesa já tenha tomado a decisão de não o enviar por razões de segurança. O alto comandante assinalou que a conduta do príncipe foi exemplar e que esteve completamente envolvido nas operações, correndo os mesmos riscos que qualquer outro militar do seu batalhão[27] .

Medalha de honra pelo serviço militar[editar | editar código-fonte]

Príncipe Harry vestindo as suas medalhas, 9 de maio de 2013.

No dia 5 de Maio de 2008, o príncipe Harry, segundo-tenente Harry Wales, para efeitos militares, recebeu, juntamente com os outros 159 membros do seu regimento de cavalaria, uma medalha pelo seu serviço militar no Afeganistão[28] .

A cerimônia de entrega decorreu em Windsor e o então o quarto na linha de sucessão ao trono britânico recebeu o prêmio das mãos da tia, Ana, Princesa Real. Após o ato, foi celebrado na igreja de Windsor, um serviço religioso em memória aos soldados da sua unidade, que foram mortos nos seis meses de serviço na província de Helmand[28] .

Numa cerimônia militar, o príncipe prestou homenagem aos soldados ingleses mortos no Afeganistão, cerimônia que decorreu na manhã do dia 18 de junho de 2008 em Edimburgo, na Escócia[27] .

Força Aérea e segunda missão no Afeganistão[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2008 foi divulgada a informação de que Harry, à semelhança do seu irmão, do seu pai e do seu tio, iria aprender a pilotar helicópteros[29] . Harry passou na avaliação de voo na Base da Força Aérea de Middle Wallop e, depois completou o treino de piloto de helicópteros Apache, Lynx e Gazelle. Depois de conseguir os critérios necessários, Harry frequentou a  Defence Helicopter Flying School da RAF em Shawbury, onde se juntou ao seu irmão William[30] .

Harry recebeu o emblema do aviador pelas mãos do seu pai em 7 de maio de 2010 numa cerimónia na Base da Força Aérea de Middle Wallop. Harry afirmou que queria pilotar helicópteros Apache de ataque se conseguisse passar no rigoroso treino de Apache e, se possível, em serviço militar no Afeganistão[31] . Durante a cerimónia, Harry trocou o barrete de serviço dos Blues and Royals pelo barrete azul da Força Aérea com um emblema dos Blues and Royals.

Em 10 de março de 2011, foi anunciado que Harry tinha passado no exame de voo de hhelicópteros Apache. Em 14 de abril de 2011 recebeu o emblema de aviador[32] . Os meios de comunicação especularam que Harry regressaria ao Afeganistão antes da retirada das tropas britânicas em 2015. Em 16 de abril de 2011 Harry foi promovido a capitão[33] . Em junho de 2011, o palácio anunciou que Harry estava disponível para destacamento após ter concluído o seu treino de piloto de helicópteros Apache em zonas de guerra, o que incluía missões no Afeganistão. A decisão final estava a cargo dos comandantes do Ministério da Defesa que deveriam consultar o príncipe Harry, o príncipe de Gales e a raínha[34] . Em outubro, Harry foi transferido para uma base militar americana na Califórnia para terminar o seu treino de helicópteros de combate. Nesse mesmo mês foi divulgada a avaliação de Harry, que foi considerado um piloto de gema e um dos melhores do seu grupo[35] Harry regressou a Inglaterra em novembro de 2011 e frequentou a Wattisham Flying Station em Suffolk, onde terminou o seu treino de piloto de helicópteros Apache[36] .

Harry no Warrior Games, evento que inspirou o Invictus Games.

Harry chegou ao Campo Bastion, no sul do Afeganistão, em 7 de setembro de 2012. Fazia parte do Esquadrão 662 da Força Aérea, composto por 100 homens e permaneceu no país durante quatro meses como co-piloto e artilheiro de um helicóptero Apache[37] . Poucos dias depois de chegar ao Afeganistão, em 10 de setembro, os Talibãs fizeram ameaças de morte ao príncipe. O porta-voz dos Talibãs, Zabiullah Mujahid, falou com a agência Reuters e afirmou: "Estamos a usar todas as nossas forças para nos livrarmos dele, seja através da sua morte ou de rapto." E "Informamos os nossos comandantes em Helmand para fazerem tudo o que estiver ao seu alcance para o eliminar"[38] . Harry regressou a Inglaterra em 21 de janeiro de 2013, depois de 20 semanas de serviço[3]

Em 8 de julho de 2013, o Ministério da Defesa anunciou que Harry se tinha qualificado como comandante de helicópteros Apache[39] .

Invictus Games e saída do exército[editar | editar código-fonte]

Em 17 de janeiro de 2014, o Ministério da Defesa anunciou que Harry deixaria a Força Aérea para assumir o papel de oficial superior na sede do Exército Britânico em Londres. As suas responsabilidades incluem ajudar a coordenar projetos importantes e eventos comemorativos que envolvam o Exército em Londres[40] .

Durante 2014, Harry organizou e presidiu o Invictus Games, um evento desportivo paralímpico para militares incapacitados que decorreu entre 10 e 14 de setembro de 2014[41] .

Em fevereiro de 2015, um porta-voz da família real confirmou que Harry abandonará as forças armadas este ano. Harry vai focar-se no trabalho que já desempenha em programas de apoio a militares incapacitados e doentes. Vai também trabalhar na Unidade de Recuperação de Pessoal da base do Exército Britânico em Londres e visitar vários centros de recuperação, caridades e hospitais por todo o Reino Unido[4] .

Obras de caridade[editar | editar código-fonte]

Em 2006, Harry e o príncipe Seeiso do Lesoto fundaram a Sentabale, uma instituição de caridade que tem como objetivo auxiliar crianças lesotenses que ficaram orfãs em consequência de HIV/SIDA. "Sentebale", que significa "Não se esqueça de mim" no idioma local. Declaração do Príncipe Harry: "Eu gostaria de continuar o trabalho dela o melhor possível e não haveria lugar melhor", afirmando que sua mãe se sentiria orgulhosa se pudesse ver a sua iniciativa.Harry fez a sua quarta viagem ao reino do Lesoto para assistir à fundação da ONG. Ele encontrou-se com a amiga Mutsu Potsane, uma menina de seis anos que conheceu há dois anos no próprio orfanato. O príncipe Harry é co-fundador da Sentebale, ao lado do Príncipe Seeiso, do Lesoto, irmão mais novo do Rei Letsie III, também órfão de mãe desde 2003..[42]

Harry é benfeitor das seguintes instituições de caridade:

  • WellChild
  • Walking with the Wounded's Expeditions
  • The HALO Trust's 25th Anniversary Appeal
  • London Marathon Charitable Trust
  • MapAction
  • Dolen Cymru
  • 100 Women in Hedge Funds' Philanthropic Initiatives
  • Rugby Football Union
  • Rugby Football Union Injured Players Foundation
  • Rugby Football Union All Schools Programme
  • Henry Van Straubenzee Memorial Fund
  • Sentebale
  • The Royal Foundation of The Duke and Duchess of Cambridge and Prince Harry
  • School's Games
  • Invictus Games
  • England Rugby 2015

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Maus comportamentos[editar | editar código-fonte]

Em Janeiro de 2002, foi revelado que o príncipe havia admitido que fumava maconha e de que tinha bebedeiras constantes, a possibilidade de ele ser punido criminalmente foi grande no verão de 2001[43] . Uma investigação da polícia apontou o seu mau comportamento e seu pai, Carlos, achou melhor tomar conta da situação levando Harry a instituições de reabilitação de drogados em Londres[44] .

Em 2012, o site sensacionalista TMZ publicou fotos numa festa privada em Las Vegas, nas quais o príncipe se encontrava nu.[45]

Roupa Nazi[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2005 Harry foi a uma festa, cujo tema era "Colónias e Nativos". Escolhendo não usar um traje de referência britânica, Harry apareceu usando uma jaqueta militar com a bandeira da Alemanha no braço. Quando retirou a jaqueta, ficou à mostra uma faixa no braço em vermelho com uma suástica. Príncipe Harry desculpou-se com uma carta a dizer que "sentia muito se tinha causado qualquer ofensa" pela "pobre escolha" que havia feito.[46]

Relações amorosas[editar | editar código-fonte]

A primeira namorada conhecida de Harry foi Chelsy Davy, a filha de um empresário sul-africano. Harry disse: "Gostava de dizer a toda a gente como ela é espantosa, mas assim que começar a falar sobre isso, abri a porta... Existem verdades e mentiras e infelizmente não consigo revelar a verdade"[47] . No início de 2009, os meios de comunicação social noticiaram que a relação de cinco anos tinha terminado[48] . Durante a relação, Chelsy esteve presente em várias cerimónias a convite de Harry que incluíram a atribuição da sua medalha de honra pelo serviço militar e a cerimónia onde Harry recebeu o emblema de aviador das mãos do príncipe Carlos[49] .

Harry conheceu Cressida Bonas, a sua segunda namorada, através da sua prima Eugenie em maio de 2012[50] . Em 30 de abril de 2014 foi anunciado que se separaram, mas continuavam amigos[51] .

Títulos, honras e armas[editar | editar código-fonte]

Henrique de Gales
Monograma do príncipe Henrique.
Monograma do príncipe Henrique.
Brasão de armas do príncipe Henrique
Brasão de armas do príncipe Henrique

Como um príncipe britânico, Harry não tem sobrenome, mas, como os outros netos da rainha Isabel II, ele usa o nome da área em que o seu pai detém título, ou seja, País de Gales (como as princesas Beatriz de Iorque e Eugénia de Iorque utilizam Iorque, devido ao seu pai, André, Duque de Iorque). Em últimos precedentes é que tais sobrenomes são deixados de usar na vida adulta, usando só o título, ou Mountbatten-Windsor, que é utilizado quando necessário.

Títulos militares[editar | editar código-fonte]

  • Flag of the British Army.svg 13 de abril de 2006 - 13 de abril de 2008: Coronel (Segundo Tenente), The Blues and Royals.
  • Flag of the British Army.svg 13 de abril de 2008 - 16 de abril de 2011: Tenente, The Blues and Royals.
  • Flag of the British Army.svg 16 de abril de 2011 - presente: Capitão, The Blues and Royals.

Honras[editar | editar código-fonte]

Nomeações militares honorárias[editar | editar código-fonte]

Flag of the United Kingdom.svg Reino Unido.

  • Ensign of the Royal Air Force.svg Comandante de Ar da RAF Wittering.
  • Ensign of the Royal Air Force.svg Comandante de Ar da RAF Honington.
  • Naval Ensign of the United Kingdom.svg Comandante-chefe dos Pequenos Navios e Mergulho da Royal Navy.
  • Flag of Canada.svg Canadá.
  • Canadian Rangers.

Ascendência[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Príncipe Harry. "Site oficial da família real."
  2. Audrey, Gillian; Tran, Mark; Walker Peter (28 de fevereiro de 2008). Prince Harry secretly serving in Afghanistan The Guardian. Visitado em 14 de maio de 2015.
  3. a b Associated Press (21 de janeiro de 2013). UK's Prince Harry returns from Afghanistan Associated Press. Visitado em 14 de maio de 2015.
  4. a b Prince Harry 'set to leave armed forces this year' ITV news (27 de fevereiro de 2015). Visitado em 15 de maio de 2015.
  5. Princess Di gives birth to boy Associated Press (16 de setembro de 1984). Visitado em 14 de maio de 2015.
  6. Smith, Terry; Rosemary Thorpe-Tracey (14 de janeiro de 1985). A Windsor War People. Visitado em 14 de maio de 2015.
  7. a b c d Prince Harry People.com.
  8. Dec. 9, 1992 | Charles and Diana Announce Royal Separation New York Times (9 de dezembro de 1992). Visitado em 14 de maio de 2015.
  9. Charles and Diana divorce History. Visitado em 14 de maio de 2015.
  10. Princess Diana Died 17 Years Ago Today ABC News (31 de agosto de 2014). Visitado em 14 de maio de 2015.
  11. Timeline: How Diana died BBC News (14 de dezembro de 2006). Visitado em 14 de maio de 2015.
  12. 1997: Diana's funeral watched by millions BBC News. Visitado em 14 de maio de 2015.
  13. Prince William in pictures The Telegraph. Visitado em 14 de maio de 2015.
  14. a b Prince Harry's A-level results BBC News (14 de agosto de 2003). Visitado em 14 de maio de 2015.
  15. A royal brush with the olympics. "He's not an Olympian, but Prince Harry is a top tier athlete, playing competitive polo and rugby. While attending Sandhurst Military Academy Harry played polo for the army, and in 2004 trained as a Rugby Development Officer for the Rugby Football Union"
  16. Interesses do príncipe Harry Princeofwales.org. Visitado em 14 de maio de 2015.
  17. Harry begins Sandhurst training BBC News (8 de maio de 2005). Visitado em 14 de maio de 2015.
  18. The London Gazette (suplemento n.º57994), p. 7375 (30 de maio de 2006). Visitado em 14 de maio de 2015.
  19. The London Gazette (suplemento n.º 58667) (15 de abril de 2008). Visitado em 14 de maio de 2015.
  20. MoD to review Harry's Iraq role BBC News (26 de abril de 2007). Visitado em 14 de maio de 2015.
  21. British army chief: Prince Harry to Iraq MSNBC (30 de abril de 2007). Visitado em 14 de maio de 2015.
  22. Prince Harry will not go to Iraq CNN (17 de maio de 2007). Visitado em 14 de maio de 2007.
  23. Prince Harry will not go to Iraq BBC News (16 de maio de 2007). Visitado em 14 de maio de 2007.
  24. Prince Harry on Afghan front line BBC News (28 de fevereiro de 2008). Visitado em 14 de maio de 2015.
  25. Prince Harry Biography New Idea. Visitado em 14 de maio de 2015.
  26. On patrol with Prince Harry The Telegraph (28 de fevereiro de 2008). Visitado em 14 de maio de 2015.
  27. a b Pierce, Andrew (18 de junho de 2008). Prince Harry to become a helicopter pilot like Duke of York The Telegraph. Visitado em 14 de maio de 2015.
  28. a b Prince Harry Gets Medal as Chelsy Cheers Him On People.com (5 de maio de 2008). Visitado em 14 de maio de 2015.
  29. Prince Harry aims to become pilot BBC News (27 de outubro de 2008). Visitado em 15 de maio de 2015.
  30. Princes enjoy RAF Shawbury BBC News. Visitado em 15 de maio de 2015.
  31. http://www.telegraph.co.uk/news/uknews/defence/7691736/Prince-Harry-awarded-provisional-wings-by-Prince-of-Wales.html The Telegraph (7 de maio de 2010). Visitado em 15 de maio de 2015.
  32. Prince Harry fast facts CNN (4 de maio de 2015). Visitado em 15 de maio de 2015.
  33. Atten-shun! Prince Harry is promoted to Captain (and he gets a £7,000 pay rise) The Daily Mail (18 de abril de 2011). Visitado em 15 de maio de 2015.
  34. Prince Harry to return to Afghanistan The Telegraph (16 de junho de 2011). Visitado em 15 de maio de 2015.
  35. Prince Harry 'top of class' in US helicopter training The Telegraph (19 de outubro de 2011). Visitado em 15 de maio de 2015.
  36. Prince Harry returns to England after U.S. training CNN (29 de novembro de 2011). Visitado em 15 de maio de 2015.
  37. Prince Harry in Afghanistan flying Apache copters Yahoo News (7 de setembro de 2012). Visitado em 15 de maio de 2015.
  38. Afghan Taliban threaten to kidnap, kill Prince Harry Today.com. Visitado em 15 de maio de 2015.
  39. Prince Harry qualifies as Apache commander Gov.uk (8 de julho de 2013). Visitado em 15 de maio de 2015.
  40. Prince Harry ends his attachment to Army Air Corps Gov.uk (17 de janeiro de 2014). Visitado em 15 de maio de 2015.
  41. Prince Harry launches British version of US Paralympic style games for injured war heroes: 'It was such a good idea by the Americans - we nicked it' The Daily Mail (6 de março de 2014). Visitado em 15 de maio de 2015.
  42. O Príncipe Henrique na criação a ONG Sentebale. (em português)
  43. Majendie, Paul (1 de março de 2008). Prince Harry: Wild child turned war hero Reuters. Visitado em 15 de maio de 2015.
  44. Harry 'sent to rehab clinic' The Daily Mail. Visitado em 15 de maio de 2015.
  45. http://www.tmz.com/2012/08/21/prince-harry-naked-photos-nude-vegas-hotel-party/
  46. telegraph.co.uk. Prince Harry faces outcry at Nazi outfit. Visitado em 5-5-2015.
  47. Bates, Stephen (15 de setembro de 2005). Harry at 21 on Camilla, the media and Aids children in Africa The Guardian. Visitado em 15 de maio de 2015.
  48. Prince Harry and girlfriend split BBC News (24 de janeiro de 2009). Visitado em 15 de maio de 2015.
  49. Prince Harry awarded provisional wings by Prince of Wales The Telegraph (7 de maio de 2010). Visitado em 15 de maio de 2015.
  50. Eden, Richard; Pearlman, Jonathan (5 de outubro de 2013). Prince Harry set to marry Cressida Bonas, say friends The Telegraph. Visitado em 15 de maio de 2015.
  51. Prince Harry and Cressida Bonas in 'amicable split' BBC News (30 de abril de 2014). Visitado em 15 de maio de 2015.



Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons
Precedido por
Carlota de Cambridge
Linha de sucessão ao trono britânico
5.º
Sucedido por
André, Duque de Iorque