Shrek

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página está a atravessar um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a dar o seu contributo e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por Borowskki (D C) 8 dias atrás. (Recarregar)

Shrek
Shrek (PT/BR)
 Estados Unidos
2001 • cor • 90 min 
Direção Andrew Adamson
Vicky Jenson
Produção Jeffrey Katzenberg
Aron Warner
John H. Williams
Roteiro Ted Elliott
Terry Rossio
Joe Stillman
Roger S. H. Schulman
Baseado em Shrek!
de William Steig
Elenco Mike Myers
Eddie Murphy
Cameron Diaz
John Lithgow
Gênero
Idioma Inglês
Música Harry Gregson-Williams
John Powell
Edição Sim Evan-Jones
Estúdio Pacific Data Images
DreamWorks Animation
Distribuição DreamWorks Pictures
Universal Pictures[1]
Lançamento 18 de maio de 2001
Orçamento US$ 60 milhões
Receita US$ 484.409.218[2]
Cronologia
Último
Último
Shrek 2
(2004)
Próximo
Próximo
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Shrek é um filme norte-americano de 2001 de animação computadorizada dos gêneros fantasia e comédia produzido pela PDI/DreamWorks, lançado pela DreamWorks Pictures e dirigido por Andrew Adamson e Vicky Jenson. Com Mike Myers no papel do personagem-título, o filme também estrela Eddie Murphy, Cameron Diaz e John Lithgow. É livremente inspirado pelo livro Shrek!, escrito por William Steig e lançado em 1990, e de alguma forma também serve como uma paródia, alvejando outros filmes baseados em fantasias infantis, grande parte da Disney. Em sua trilha sonora, é notável o uso de música popular; Smash Mouth, Eels, Joan Jett, The Proclaimers, Jason Wade, Baha Men e John Cale, que, por sua vez, regravou uma canção de Leonard Cohen.

Os direitos à uma adaptação do livro foram originalmente comprados em 1991 por Steven Spielberg, antes da fundação da DreamWorks, quando ele pensou em fazer um filme tradicionalmente animado baseado no livro. Entretanto, John H. Williams convenceu-o a levar a ideia à produtora em 1994, quando foi fundada, e rapidamente Shrek foi colocado em um ativo desenvolvimento, após a compra dos direitos em 1995. O protagonista inicialmente seria interpretado por Chris Farley, gravando aproximadamente entre 80-90% do texto. Após a morte do ator antes de terminar as gravações, Myers foi levado para trabalhar o personagem, cujo após a primeira gravação ele decidiu gravar com um sotaque escocês. Ainda, originalmente, a produção seria em movimento capturado, mas após resultados fracassados, o estúdio resolveu pedir ajuda à PDI para dar seu último toque de animação.

Tendo uma receita de US$ 484.4 milhões em todo o mundo, a obra de 2001 foi um sucesso comercial e crítico. Shrek recebeu também divulgação em cadeias alimentares, como Baskin-Robbins, que promoveu o lançamento em DVD, e Burger King. Foi aclamado como um filme animado digno de interesse adulto, com diversas piadas e temas direcionados a este público mas um enredo simples o suficiente para apelar às crianças. O filme recebeu o primeiro Oscar de melhor filme de animação e, na mesma premiação, foi indicado à melhor roteiro adaptado. Foi posto ainda à concorrer a seis prêmios da British Academy of Film and Television Arts, incluindo o BAFTA de melhor ator coadjuvante pela interpretação de Eddie Murphy como Donkey, e recebeu o BAFTA de melhor roteiro adaptado. O personagem principal recebeu uma estrela na Calçada da Fama em maio de 2010.[3]

Shrek estabilizou a DreamWorks Animation como a principal rival da Pixar na área de longa-metragens animados, particularmente em animação computadorizada. O sucesso levou o estúdio a produzir três sequências, Shrek 2, Shrek the Third e Shrek Forever After, dois especiais de Natal, Shrek the Halls e Scared Shrekless e um spin-off, Puss in Boots. Um quinto filme, planejado como o último da série, foi cancelado em 2009 com o anúncio de que o quarto concluiria a saga. O sucesso também inspirou outros produtos, como jogos eletrônicos, um musical e até uma revista em quadrinhos publicada pela Dark Horse Comics.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Shrek, um aborrecido e aterrorizante ogro verde que ama a solidão em seu pântano, vê sua vida interrompida quando diversas criaturas de contos de fada são exiladas lá por ordem do maligno Lorde Farquaad. Shrek diz a elas que vai conversar com Farquaad para mandá-los de volta.[1] Ele leva consigo um Burro falante que é o único personagem que conhece o caminho para Duloc.

Farquaad tortura o Homem-Biscoito para dar a localização dos demais personagens de contos de fada até que seus guardas se apressem para encontrar algo que ele vem procurando: o Espelho Mágico. Ele pergunta ao espelho se seu reino é o mais justo de todos, mas a resposta que ele recebe é que ele não é nem um rei. Para tornar-se tal ele deveria se casar com uma princesa. São dadas três opções, e ele escolhe a Princesa Fiona, que está presa em uma torre coberta de lava sob a cautela de um dragão. O espelho tenta mencionar a "pequena coisa que acontece à noite", mas é ignorado.[2]

Shrek e Burro chegam no palácio de Lorde em Duloc, onde acabam em um treinamento. O vencedor teria o "privilégio" de resgatar Fiona para Farquaad se casar com ela. Os dois derrotam facilmente os outros cavaleiros na luta de wrestling de moda, e ele concorda em tirar as criaturas do pântano se Shrek resgatar a princesa.[1] [2]

Os dois viajam ao castelo e se separam para encontrar Fiona. Burro encontra o Dragão e conversa suavemente com a fera antes de saber que é feminina. A dragão começa a gostar dele e o leva para seus aposentos. Shrek encontra a princesa, que fica chocada com sua falta de romantismo. Quando vão embora, ele salva seu amigo, preso nas garras da Dragão, o que faz com que ela coloque todos para fora do castelo. Inicialmente, Fiona fica entusiasmada por ser resgatada, mas é rapidamente desapontada quando Shrek tira o capacete e revela que é um ogro.[4]

Enquanto os três voltam para Duloc, Fiona insta os dois a acampar durante a noite, enquanto ela dorme em uma caverna. Eles então observam as estrelas enquanto Shrek conta histórias de grandes ogros e diz que vai construir um muro em seu pântano quando voltar. Quando Burro pergunta por que, ele tristemente confessa que todo mundo o julga antes de conhecê-lo; então, ele se sente melhor sozinho, mesmo com o amigo dizendo que não o julgou imediatamente ao conhecê-lo.[1] [2] [4]

No caminho, Shrek e Fiona descobrem que têm muita coisa em comum e se apaixonam. Eles já estão quase no destino, e nessa noite ela se protege em um moinho de vento. Quando Burro escuta sons estranhos vindos de lá, ele vê que a princesa se transformou em ogra. Ela explica sua maldição de infância e que se transforma toda noite, e é por isso que ela estava presa, e que só o beijo do seu amor verdadeiro vai devolvê-la sua "verdadeira forma de amor".[5] Ele, prestes a confessá-la seus sentimentos com um girassol, parcialmente escuta-os, e fica com o coração partido quando confunde o desgosto de Fiona com a sua transformação em uma "besta feia" com o desgosto dela com ele. Ela faz Burro prometer que não vai contar para Shrek, jurando que vai contar. Entretanto, quando a manhã chega, ele traz o Lorde Farquaad para Fiona. Os dois voltam para Duloc, enquanto Shrek, magoado, furiosamente termina sua amizade com Burro, lembrando do que a princesa "disse" sobre ele.[6]

Apesar de sua privacidade, ele fica miserável e sente falta de Fiona. Furioso com o ogro, Burro vai ao pântano, onde Shrek diz que escutou a conversa dos dois. O burro falante cumpre a promessa e diz que ela estava falando de outra pessoa. Ele aceita as desculpas do amigo e o diz que a princesa se casará logo, e o encoraja a entrar em ação para ganhar o amor de Fiona. Eles viajam para Duloc rapidamente, graças à Dragão, que escapou de seus confins e seguiu Burro.[5] [6]

Shrek interrompe o casamento antes que o Lorde beije a princesa. Ele diz que Farquaad não é seu verdadeiro amor e que só está casando para se tornar rei. O sol se põe, o que faz com que ela vire ogra na frente de todos na igreja, fazendo com que o ogro entenda tudo que escutou.[1] [2] [4] O vilão, com desgosto da noiva, ordena que ele seja morto e ela presa. Ele assobia para a Dragão que entra com Burro e devora o Lorde. O casal de ogros admite seu amor e troca um beijo; Fiona é banhada em luz, já que sua maldição é quebrada, mas se surpreende pelo fato de que ainda é ogra, porque pensou que iria tornar-se bela, ao que ele responde que ela é linda. Eles se casam no pântano e partem para a lua-de-mel enquanto os outros celebram cantando "I'm a Believer".[5] [6]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

O elenco de Shrek é formado por:[7] [8]

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

"Cada contrato de desenvolvimento começa com o primeiro passo, e o meu passo veio do meu filho que estudava no jardim de infância, junto com seu irmão da pré-escola. Depois de ler Shrek pela segunda vez, meu filho começou a citar grandes segmentos do livro fingindo de pudesse lê-los. Mesmo eu sendo um adulto, eu achei Shrek ultrajante, irreverente, iconoclástico, durão e muito divertido. Ele era um grande personagem para um filme à procura de um filme".

—John H. Williams, sobre a inspiração para criar Shrek.[16]

Quando a DreamWorks foi fundada, o produtor John H. Williams pegou o livro Shrek!, de William Steig, de seus filhos, e quando ele levou ao estúdio, a obra despertou a atenção de Jeffrey Katzenberg e foi decidido que a DreamWorks a adaptaria para um filme.[17] Depois de comprar os direitos do filme, Katzenberg colocou rapidamente o filme em um ativo desenvolvimento, em novembro de 1995.[18] [19] Steven Spielberg tinha pensado em fazer uma película tradicionalmente animada baseada no livro, quando ele pagou pelos direitos em 1991, antes da fundação do estúdio, onde Bill Murray interpretaria Shrek e Steve Martin interpretaria Burro.[20] No início da produção, o co-diretor Andrew Adamson recusou-se a ser intimidado por Jeffrey, e teve uma discussão com ele sobre quanto o filme deveria apelar para o público adulto. Katzenberg queria os dois públicos, mas pensou que algumas das ideias de Adamson, como incluir piadas sexuais e canções de Guns N' Roses na trilha sonora, eram um pouco exageradas.[21] [22] Andrew e Kelly Asbury se juntaram em 1997 para co-dirigir a produção. Entretanto, Asbury deixou o projeto um ano depois para trabalhar no filme Spirit: Stallion of the Cimarron (2002), e foi substituída por Vicky Jenson. Os dois decidiram trabalhar no filme em metades, para que a equipe pudesse saber a quem se dirigir para com perguntas específicas sobre as sequências. "Nós acabamos fazendo bastante coisa", disse Adamson. "Nós dois somos meio fora de controle, e queríamos fazer tudo."[23]

Os primeiros esboços da casa de Shrek foram feitos entre 1996 e 1997 usando Adobe Photoshop, mostrando o personagem vivendo inicialmente em um depósito de lixo perto de uma aldeia humana chamada Wart Creek. Também foi pensado uma vez que ele vivia com seus pais e mantinha peixe podre em seu quarto.[24] Burro foi modelado com base em Pericles (nascido em 1994; também conhecido como Perry), uma verdadeira miniatura de macaco do Barron Park, localizado em Palo Alto, Califórnia.[25] Raman Hui, supervisor de animação do filme, disse que Fiona "não foi baseada em nenhuma humana", e que fez diversos esboços para a personagem e fez 100 esculturas até os diretores escolherem o design final.[26] No começo da produção, os diretores de arte visitaram o Castelo Hearst, a cidade de Stratford-upon-Avon e o Dordonha para se inspirarem. Douglas Rogers visitou uma plantação de magnólia em Charleston, Carolina do Sul para ajudar na construção do pântano do ogro verde.[27] [28] Dentre os personagens planejados e não utilizados, estão Cachinhos Dourados e Bela Adormecida.[29]

Seleção de elenco[editar | editar código-fonte]

Mike Myers foi escolhido para interpretar Shrek após a morte de Chris Farley.

Chris Farley foi o primeiro a ser escolhido para fazer a voz de Shrek, gravando entre 80 e 90% (95% de acordo com o irmão de Farley, Tom) do diálogo do personagem, mas morreu antes de concluir o projeto. A DreamWorks então selecionou Mike Myers como a voz principal, que insistiu para que o roteiro fosse re-escrito, não deixando nenhum traço da versão de Farley do protagonista. Depois de completar todo o processo de gravação, quando o filme ainda estava em produção, Mike pediu para re-gravar suas linhas com um sotaque escocês, similar ao que sua mãe usava ao contar histórias para dormir e que ele usou em diversos papéis, como os de So I Married an Axe Murderer e Austin Powers: The Spy Who Shagged Me.[30] Depois de ouvir a nova versão, Katzenberg concordou em refazer as cenas, dizendo: "Estava tão bom que nos tomou $4 milhões de animação e fizemos de novo".[31] O ator disse: "Eu recebi uma carta de Spielberg me agradecendo por me preocupar com o personagem... e disse que o sotaque escocês melhorou o filme".[32] Com a nova voz de Myers ao personagem, outras ideias vieram. Introduziram mais clareza em certos pontos da história, piadas mais frescas e pedaços de comédia.[33]

Outra pessoa planejada para fazer uma voz no filme foi Janeane Garofalo, que estava estabelecida para estrelar junto à Farley como a Princesa Fiona. Entretanto, ela foi demitida do projeto com uma pequena explicação. Anos mais tarde, ela comentou: "Nunca me disseram porque [fui demitida]. Eu presumo que é por que eu soo como um homem às vezes? Não sei porquê. Ninguém nunca me disse... Mas, sabe, o filme não deu em nada, então quem se importa?"[34]

Animação[editar | editar código-fonte]

Shrek foi originalmente planejado para ser um híbrido de live-action e imagens geradas por computador (CGI), com cenários em miniatura e os personagens compostos em cena usando a técnica de captura de movimento, através de um sistema de câmera ExpertVision Hires Falcon 10 para capturar e aplicar movimentos humanos realistas aos personagens.[35] Uma equipe enorme foi contratada para fazer um teste, e após um ano e meio de pesquisa e desenvolvimento, o teste foi finalmente exibido em maio de 1997.[36] O resultado não foi satisfatório, com Katzenberg dizendo: "Ficou terrível, não funcionou, não ficou engraçado e não gostamos".[30] O estúdio então formou uma parceria com a Pacific Data Images (PDI), que iniciou a produção junto à DreamWorks em 1998[37] e ajudou o filme a ter seu último toque de animação.[30] Nessa época, Antz ainda estava em concepção, e Aron Warner pediu para o supervisor de efeitos Ken Bielenberg "começar o desenvolvimento de Shrek".[38] Similarmente à outros filmes da PDI, foi utilizado um software de animação próprio.[nota 1] Entretanto, para alguns elementos, a equipe também tirou proveito de alguns dos programas de CGI mais potentes do mercado. Tal uso é provado com o Maya, que a empresa utilizou para a maior parte das roupas e para o cabelo de Fiona e Farquaad.[39]

"Nós trabalhamos muito no personagem e sua configuração, e depois ficávamos mudando enquanto fazíamos a animação", notou Raman Hui. "Em Antz, tínhamos um sistema facial que nos dava todos os músculos faciais debaixo da pele. Em Shrek, aplicamos no corpo todo. Então, se você prestar atenção nele quando ele fala, você vê que quando ele abre a mandíbula, ele forma um 'queixo duplo', porque nós temos a gordura e os músculos por baixo. Demorou bastante para acertarmos esse tipo de detalhe."[40] Uma das maiores dificuldades na hora de montar o filme foi fazer com que as pelicas de Burro fluíssem suavemente para não se parecer com as de Chia Pet. Esse cuidado recaiu à equipe de animadores de pavimentação, que usou controles de fluxo para proporcionar uma pele com diversos atributos, como a capacidade de mudar de direção, ficar deitado, rodopiar, etc. A função do grupo de efeitos visuais, liderado por Ken Bielenberg, era fazer as pelicas reagirem às condições ambientais. Uma vez que a tecnologia foi dominada, ela foi capaz de ser aplicada em diversos aspectos do filme, como gramas, musgos, barba e sobrancelha, e até fios sobre a túnica de Shrek. Fazer cabelos humanos realistas foi diferente de fazer as pelicas de Burro, necessitando de um processo de renderização separado e muita atenção das equipes de luminosidade e efeitos visuais.[28]

Aron Warner disse que os criadores "imaginaram um ambiente mágico em que você pode mergulhar". Shrek inclui 36 diferentes locações em-filme para criar o mundo da película, o que a DreamWorks disse que era mais do qualquer filme animado anterior. As locações foram finalizadas e, como demonstrado pelas últimas produções em CGI do estúdio, cor e clima eram de extrema importância.[28]

Música[editar | editar código-fonte]

Shrek é o terceiro filme animado da DreamWorks, e o único na série, a ter Harry Gregson-Williams junto à John Powell para compôr a partitura, após Antz (1998) e Chicken Run (2000).[41]

O filme introduziu um novo elemento para dá-lo uma perspectiva única. Foi feito uso de música pop e alguns Oldies para fazer a história seguir em frente. Regravações de canções como "On the Road Again" e "Try a Little Tenderness" foram incluídas à trilha sonora.[42] Quando a produção estava quase concluída, Katzenberg sugeriu aos cineastas à re-fazer o término do filme em prol de fazer o público "sair com uma grande risada"; ao invés de um desfecho com um livro fechando sobre Shrek e Fiona enquanto viajam sob o pôr do sol, eles decidiram incluir a canção "I'm a Believer", em uma versão cover por Smash Mouth, e mostrar todas as criaturas de contos de fada.[43]

Embora a versão de Rufus Wainwright para "Hallelujah" aparecesse na trilha sonora, é a voz de John Cale que aparece no filme. Em uma entrevista para uma rádio, ele disse que sua versão não apareceu no filme devido ao "teto de vidro" que ele estava batendo por conta de sua sexualidade. Uma explicação alternativa conclui que, por Wainwright ser um artista da DreamWorks e Cale não ser, questões de licenciamento proibiram a voz de John de aparecer no álbum, apesar dos cineastas quererem ter a sua releitura no filme.[44]

Referências culturais[editar | editar código-fonte]

Por diversas vezes, Shrek faz referências à filmes clássicos, principalmente da Disney. Quando a Sininho cai em Burro e ele diz "Eu posso voar" e todas as pessoas em volta, incluindo os três porquinhos, trata-se de uma referência à Peter Pan. Essa cena também traz uma referência à Dumbo, onde Burro diz, enquanto voa: "Você pode ter visto uma casa voar, até mesmo um elefante voar, mas você nunca viu um Burro voar". Quando Fiona canta para o pássaro azul, forma-se uma citação à Branca de Neve e os Sete Anões. A transformação dela no final do filme traz fortes referências à Beauty and the Beast.[45]

Quando Shrek atravessa a ponte para o Castelo e diz "Isso serve, Burro, isso serve", trata-se de uma alusão à Babe. A cena na qual a princesa luta com os homens é uma citação à Matrix, lançado pouco antes, em 1999. No desfecho, o Homem-Biscoito, com uma muleta (e uma perna), diz "Deus nos abençoe, todos". Isso é uma menção ao Pequeno Tim de A Christmas Carol.[45]

Na sequência em que o Espelho Mágico dá ao Lorde Farquaad a opção de escolher com quem casaria entre três princesas, é uma paródia ao popular game show norte-americano The Dating Game, com Cinderela e Branca de Neve.[46] Em adição, o estilo do parque do rei de Farquaad imita profundamente a Disneyland, parodiando inclusive o famoso passeio musical "It's a Small World Afterall", na cena com os fantoches cantantes.[47]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Marketing[editar | editar código-fonte]

Em 2000, IMAX lançou CyberWorld em seus cinemas de telas gigantes. Era uma compilação que possuía conversões estereoscópicas de diversos curtas e sequências, incluindo uma cena em um bar de Antz. A DreamWorks ficou tão impressionada pela tecnologia usada que o estúdio e IMAX decidiram lançar uma versão em tela cheia e 3D de Shrek. O filme deveria ser re-lançado durante o Natal de 2001, ou no verão seguinte, após o lançamento convencional em 2D. Esta edição também deveria conter novas sequências e um final alternativo. Os planos foram deixados de lado devido a "mudanças criativas" instituídas pela empresa que resultaram em uma perda de $1.18 milhões, tirados de um lucro da IMAX de $3.24 milhões.[48] [49] [50]

A Rádio Disney foi proibida de permitir qualquer anúncio do filme em suas estações. "Devido à recentes iniciativas com a The Walt Disney Company, estão nos pedindo para não nos alinharmos promocionalmente com esse novo lançamento Shrek. As estações podem aceitar dólares à vista apenas em mercados individuais."[51]

Em 7 de maio de 2001, a rede de alimentos Burger King iniciou a divulgação do filme, dando uma seleção de nove exclusivos Candy Caddies baseados nos personagens, nos pedidos "Big Kids Meal" e "Kids Meal".[52] A cadeia de sorvetes Baskin-Robbins também deu uma promoção de oito semanas para Shrek, vendendo produtos como o Shrek's Hot Sludge Sundae, uma combinação do sorvete Cookies 'n Cream, feito de Oreo, hot fudge, cookies de chocolate, chantilly e "vermes ondulados" de goma, e o Shrek Freeze Frame Cake, com uma imagem do protagonista e de Burro emoldurados por girassóis. Tais produtos foram feitos para promover o lançamento em DVD e VHS.[53]

Mídia doméstica[editar | editar código-fonte]

A produção foi lançada em DVD e VHS no dia 2 de novembro de 2001. Ambos os lançamentos incluíam Shrek in the Swamp Karaoke Dance Party!, um curta-metragem musical de três minutos, que se passa após o fim da história, com os personagens interpretando diversas canções pop modernas.[54]

Tal distribuição ocorreu em uma sexta-feira, no mesmo dia que Monsters, Inc., da Pixar, estreou nos cinemas. Já que as mídias domésticas costumam ser lançadas nas terças, os executivos da Disney não receberam o fato muito bem, dizendo que "o movimento parecia ser uma tentativa dissimulada para desviar um pouco do vapor de seu filme". A DreamWorks respondeu que "simplesmente mudamos o lançamento para uma sexta para torná-lo mais que um evento, prevendo que outros estúdios também iriam fazê-lo com filmes importantes". O supracitado Monsters, Inc. recebeu naquele fim de semana mais que $62 milhões, quebrando os recordes para um filme animado, enquanto a edição em vídeo do filme sobre o ogro conquistou mais que $100 milhões,[55] e eventualmente, tornou-se o DVD mais vendido de todos os tempos, com mais de 5.5 milhões de vendas.[56]

Uma versão em 3D do filme foi lançada em Blu-ray 3D no dia 1º de dezembro de 2010, junto com as sequências. Os filmes foram vendidos separadamente a partir de 2012.[57]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Resenhas da crítica[editar | editar código-fonte]

Ambos os repórteres que escreveram para o USA Today e a Time foram positivos quanto à dublagem de Eddie Murphy (foto) como Burro.

Shrek foi bastante bem-recebido, com os críticos apreciando o filme como merecedor da atenção adulta, com vários temas e piadas direcionados a esse público mas um enredo e humor simples o suficiente para apelar às crianças.[58] O agregador de resenhas Rotten Tomatoes reporta que 88% dos analistas avaliaram-no positivamente. Tal dado foi obtido com base em 176 críticas, culminando em uma média de 7.7/10. O consenso crítico é: "Enquanto simultaneamente abraça e subverte os contos de fadas, o irreverente Shrek também consegue torcer o nariz da Disney, entrega uma mensagem moral às crianças e oferece ao público um acelerado passeio divertido".[59] O Metacritic também deu um resultado positivo, com 84 pontos de 100, com base em 34 críticas. Tal classificação culminou em uma atribuição de "aclamação universal".[60]

Roger Ebert apreciou o filme, atribuindo quatro estrelas de cinco máximas e descrevendo-o como "alegre e perverso, cheio de piadas astutas e de alguma forma ainda possui um coração". Sua resenha foi publicada no Chicago Sun-Times.[61] Susan Wloszczyna do USA Today foi positiva quanto à performance de Eddie Murphy, dizendo que "dá o desempenho cômico à sua carreira, auxiliado por uma sensacional arte digital, enquanto ele zurra por sua falação ligeiramente neurótica".[62] Richard Schickel para a Time partilhou da opinião de Wloszczyna: "Nunca ninguém fez um burro tão bem quanto Murphy".[63] Peter Rainer da New York Magazine gostou do roteiro, dizendo ainda que "a animação, dirigida por Andrew Adamson e Vicky Jenson, fica muitas vezes no mesmo nível risonho do roteiro, embora os personagens mais "humanos", como a Princesa Fiona e o Lorde Farquaad, sejam menos interessantes do que os animais e as criaturas — uma armadilha comum em filmes de animação de todos os tipos.[64] Escrevendo para a Rolling Stone, Peter Travers foi positivo, dizendo que "Shrek é um encantador da classe mundial que poderia até seduzir a Academia quando sair o primeiro Oscar de animação oficial no ano que vem".[65] James Berardinelli do ReelViews deu três estrelas e meia: "Shrek não é um prazer culpado para cinéfilos sofisticados, é, pura e simplesmente, um prazer".[66] Kenneth Turan para Los Angeles Times deu ao filme uma resenha positiva, dizendo que "o espirituoso, fraturado conto de fadas Shrek tem uma base sólida de escrita inteligente".[67] Na Entertainment Weekly, Lisa Schwarzbaum deu uma pontuação A-, adjetivando a produção de "uma espécie de golpe palaciano, um grito de desafio, e um amadurecimento para a DreamWorks."[68] O jornal local Orlando Sentinel publicou uma análise positiva de Jay Boyar. "É um prazer ser capaz de relatar que o filme capta os dois e se expande sobre o espírito brincalhão de desconstrução do livro".[69]

Steven Rosen do The Denver Post foi positiva, relatando que "a DreamWorks Pictures prova mais uma vez um nome para se confiar em termos de filmes animados engraçados e imaginativos que é prazeroso igualmente a crianças e adultos".[70] Susan Stark do The Detroit News, Lou Lumenick do New York Post e Jami Bernard do New York Daily News deram quatro estrelas de cinco máximas. Stark disse que a produção é "rápida, doce, irreverente, esguio e, espirituosa na escrita e trabalho de voz, uma vez que é esplêndida em design".[71] Por outro lado, Lumenick focou sua análise ao protagonista, avaliando que "um ogro verde e gordo com uma disposição rabugenta e sem maneiras, Shrek é o tipo de herói improvável que ninguém poderia amar — exceto praticamente todos que veem esse animado prazer hilariante".[72] Bernard adentrou mais nos aspectos técnicos: "O brilho do trabalho de voz, roteiro, direção e animação, tudo serve para fazer Shrek um trabalho adorável, infectado com a verdadeira sofisticação".[73] Rene Rodriguez deu três estrelas de quatro, adjetivando-o de "um conto de fadas fraturado alegremente que nunca se torna cínico ou grosseiro."[74] William Steig, autor do livro, e sua esposa, Jeanne Steig, apreciaram o filme, dizendo: "Todos nós esperávamos odiá-lo, pensando, 'o que Hollywood fez com ele?', mas adoramos. Também ficamos com medo de que fosse doentemente fofo, mas, ao invés, Bill pensou que eles fizeram um maravilhoso e gracioso trabalho".[75]

No Brasil, Marcelo Forlani do Omelete deu cinco estrelas e avaliou que "com a estreia [de Shrek], a Disney deixa definitivamente de ser a detentora absoluta da arte de fazer animações com qualidade técnica e retorno comercial. A DreamWorks é hoje uma realidade."[76] Por outro lado, Elvis Mitchell do The New York Times disse que "bater nas marcas irritantemente delicadas da Disney não é nada de novo, é só que raramente se tem feito com as marcas de demolição derby de Shrek".[77] Forlani disse ainda que "Shrek é imperdível!" e criticou a dublagem brasileira: "tiveram a infeliz ideia de colocar Bussunda [...] para interpretar o personagem principal. Se possível, procure por uma cópia legendada."[76] John Anderson do Newsday foi positivo, chamando-o de "o tipo de filme que certamente entreterá todos de todas as idades e provavelmente as idades que chegarão".[78] John Zebrowski do The Seattle Times deu três de quatro estrelas, avaliando que "O filme é ajudado imensamente por seu elenco, que o leva através de alguns das primeiras, lentas cenas. Mas este é o filme de Murphy. Burro recebe a maior parte das boas linhas, e Murphy acerta cada uma."[79] Jay Carr do The Boston Globe disse que "numa era onde os filmes parecem velhos, Shrek parece novo, fresco e hábil".[80]

Notas

  1. A Pacific Data Images possuía diversos programas próprios de animação, como o Fluid Animation System.[39]

Referências

  1. a b c d e Shrek. AdoroCinema. Página visitada em 22 de fevereiro de 2014.
  2. a b c d e Shrek. Box Office Mojo.
  3. "Shrek gets a star on Walk of Fame", 21 de maio de 2010. Página visitada em 21 de fevereiro de 2014.
  4. a b c Shrek (2001). CineMenu. Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  5. a b c Shrek (2001). Cineplayers. Rede Telecine. Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  6. a b c Shrek (2001). WebCine. Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  7. Shrek - Créditos. AdoroCinema. Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  8. Shrek - Personagens. Recreio. Editora Abril. Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  9. Stars and Stories (15 de julho de 2007). Mike Myers: how I nailed Shrek's accent. Telegraph. Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  10. 12:26 PM. Eddie Murphy: Hollywood's Million-Dollar Donkey : Tell Me More. NPR. Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  11. Mike Myers and Cameron Diaz on 'Shrek'. The New York Times (10 de maio de 2010). Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  12. Peter Bradshaw (29 de junho de 2001). Shrek | Film. The Guardian. Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  13. By Paul Willis For CNN (24 de agosto de 2009). Vincent Cassel: Playing France's tough guys. CNN.com. Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  14. Brian, Greg (5 de junho de 2012). Conrad Vernon: Today's funniest unknown voice actor, from 'Shrek' to 'Madagascar 3' - Yahoo News. News.yahoo.com. Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  15. a b c d e f g h i j 10 Top 10. AFI (15 de junho de 2001). Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  16. Shrek: Interview With Mike Myers. Culture.com. Página visitada em 18 de maio de 2014.
  17. Shrek: Interview With Mike Myers. Culture.com. Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  18. Beck, Jerry. The Animated Movie Guide. [S.l.]: Chicago Review Press, 2010. p. 248. ISBN 1-55652-591-5 Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  19. Hill, Jim (19 de maio de 2004). "From the Swamp to the Screen" is a really entertaining look at the creation of the first two "Shrek" films. Jim Hill Media. Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  20. The 50 Best Animated Movie Characters. Empire. Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  21. Laporte, Nicole. The Men Who Would Be King: An Almost Epic Tale of Moguls, Movies, and a Company Called DreamWorks. [S.l.]: Houghton Mifflin Harcourt, 2010. p. 277. ISBN 978-0-547-48716-8 Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  22. Thompson, Anne (30 de abril de 2010). DreamWorks Tell-All Exposes Katzenberg Shrek Bail-Out. IndieWire. Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  23. Neuwirth 2003, p. 30.
  24. Shrek's house, early concept. Paul Shardlow. Sketchbook. (27 de maio de 2010).
  25. Barron Park Donkeys. RosettaStoneInc.com.
  26. Tracy, Joe (2001). dFX Interview: Raman Hui. digitalmediafx.com. Página visitada em 25 de fevereiro de 2014.
  27. Shrek : Production Information. Culture.com. Página visitada em 25 de fevereiro de 2014.
  28. a b c Tracy, Joe (2001). Animating Shrek - Behind the scenes. digitalmediafx.com. Página visitada em 25 de fevereiro de 2014.
  29. Wloszczyna, Susan (18 de maio de 2001). Pigs, dwarfs and Pinocchio, but no Goldilocks. USA Today. Página visitada em 25 de fevereiro de 2014.
  30. a b c Hill, Jim (16 de maio de 2004). How "Shrek" went from being a train wreck to one for the record books. JimHillMedia.com. Página visitada em 25 de fevereiro de 2014.
  31. "Mike Myers forces £4m rejig of Shrek", 2 de maio de 2001. Página visitada em 25 de fevereiro de 2014.
  32. "Shrek's appeal; WHY MYERS' OGRE JUST HAD TO HAVE SCOTS ACCENT" no thefreelibrary.com
  33. Neuwirth 2003, p. 31.
  34. Villalobos, Brian. "Janeane Garofalo Talks Ratatouille", 29 de junho de 2007. Página visitada em 25 de fevereiro de 2014.
  35. DreamWorks SKG chooses MotionAnalysis Corp. ExpertVision HiRES motion capture system for "Shrek". at thefreelibrary.com
  36. Neuwirth 2003, p. 28.
  37. Raman Hui (2007). The Tech of Shrek the Third. A fala ocorre em 0:41. "No primeiro Shrek, começamos a animação em 1998."
  38. Blair 2001, p. 1.
  39. a b Shrek FAQ. Digital Media FX (2001).
  40. Blair 2001, p. 2.
  41. DreamWorks Finally Releasing Score for Shrek. digitalmediafx.com (14 de novembro de 2001). Página visitada em 1º de março de 2014.
  42. Neuwirth, Allan. Makin' Toons: Inside the Most Popular Animated TV Shows and Movies. [S.l.]: Skyhorse Publishing Inc., 2003. p. 32.
  43. Neuwirth. 2003. p.33
  44. Lake, Kirk. There Will Be Rainbows: A Biography of Rufus Wainwright. [S.l.]: Skyhorse Publishing Inc., 2010. 141–142 pp. ISBN 0-06-198846-4 Página visitada em 4 de março de 2014.
  45. a b A List of Spoofs and References in PDI/DreamWorks Animated Shrek. digitalmediafx.com (2001). Página visitada em 4 de março de 2014.
  46. Zipes, Jack. The Enchanted Screen Unknown History of Fairy-Tale Films. UK: Routledge, 2011. ISBN 978-0-415-99061-5
  47. Zipes, Jack. The Enchanted Screen Unknown History of Fairy-Tale Films. UK: Routledge, 2011. ISBN 978-0-415-99061-5
  48. "As Expected, Imax Reports A Loss", Studio Briefing, Culture.com, 9 de novembro de 200.
  49. Carter, Meg (13 de outubro de 2000). Imax cinemas. The guardian. Página visitada em 5 de março de 2014.
  50. Linder, Brian (8 de junho de 2000). Shrek Like Imax. IGN. Página visitada em 5 de março de 2014.
  51. Tracy, Joe (1º de maio de 2001). Radio Disney - "No Shrek Ads!". digitalmediafx.com. Página visitada em 5 de março de 2014.
  52. Burger King Shrek Promotion Begins Today. digitalmediafx.com (7 de maio de 2001). Página visitada em 5 de março de 2014.
  53. Baskin-Robbins in big Shrek's promotion at thefreelibrary.com.
  54. Jacobson, Colin. Shrek: Special Edition (2001). DVD Movie Guide. Página visitada em 19 de agosto de 2011.
  55. Lyman, Rick. "Fuzzy Creatures vs. Green Ogre; 'Monsters, Inc.' and 'Shrek' Are Likely Foes for New Oscar", 21 de novembro de 2001. Página visitada em 5 de março de 2014.
  56. Pearl Harbor cleans up on DVD. The Guardian (13 de dezembro de 2001). Página visitada em 5 de março de 2014.
  57. "Samsung brings "Shrek" to 3D Blu-ray", Hollywood in Hi Def, 26 de março de 2010.
  58. Vasquez Jr., Felix (29 de abril de 2009). Shrek. Cinema Crazed. Página visitada em 10 de março de 2014.
  59. Shrek (2001). Rotten Tomatoes. Página visitada em 11 de março de 2014.
  60. Shrek Reviews (2001). Metacritic. Página visitada em 11 de março de 2014.
  61. Ebert, Roger. "Shrek", 18 de maio de 2001. Página visitada em 11 de março de 2014.
  62. Wloszczyna, Susan. 'Shrek' spins jokes from fairy tales. USA Today. Página visitada em 11 de março de 2014.
  63. Schickel, Richard. "Cinema: Monstrously Good", Time Magazine, 21 de maio de 2001. Página visitada em 11 de março de 2014.
  64. Rainer, Peter (21 de maio de 2001). Troll on a Roll. New York Magazine. Página visitada em 11 de março de 2014.
  65. By Peter Travers (18 de maio de 2001). Shrek | Movie Reviews. Rolling Stone. Página visitada em 11 de março de 2014.
  66. Reelviews Movie Reviews. Reelviews.net (18 de maio de 2001). Página visitada em 12 de março de 2014.
  67. Kenneth Turan (16 de maio de 2001). A Sophisticated ... Ogre? - Los Angeles Times. Articles.latimes.com. Página visitada em 12 de março de 2014.
  68. Reviewed by Lisa Schwarzbaum on Jun 01, 2001 (1º de junho de 2001). Shrek Review | Movie Reviews and News. EW.com. Página visitada em 12 de março de 2014.
  69. Jay Boyar (18 de maio de 2001). Contrary Fairy Tale - Orlando Sentinel. Articles.orlandosentinel.com. Página visitada em 12 de março de 2014.
  70. Lawson, Terry (2007-05-15). "Shrek" sustains creative dynasty. The Denver Post. Página visitada em 2014-01-11.
  71. Detroit News Movie Finder. Web.archive.org. Página visitada em 2014-01-11.
  72. Lumenick, Lou (2001-05-16). 'Shrek' It Out: An Unlikely Lovable Ogre Cavorts In An Instant Fairy-Tale Classic | New York Post. Nypost.com. Página visitada em 2014-01-11.
  73. 'Shrek' Gets Ugly, Hilariously. NY Daily News (2001-05-16). Página visitada em 2014-01-11.
  74. Saturday, July 26, 2003 (2003-07-26). Movie: Shrek. Web.archive.org. Página visitada em 2014-01-11.
  75. Puig, Claudia (May 31, 2001). 'Shrek!' author exclaims his approval of film. USA Today. Página visitada em January 27, 2012.
  76. a b Forlani, Marcelo (15 de junho de 2001). Crítica: Shrek. Omelete. Página visitada em 13 de março de 2014.
  77. Mitchell, Elvis. "Shrek (2001)", The New York Times. Página visitada em January 27, 2012.
  78. Newsday.com - Wednesday - SHREK. Web.archive.org. Página visitada em 15 de março de 2014.
  79. Zebrowski, John (18 de maio de 2001). Entertainment & the Arts | 'Shrek' should be monstrous fun for kids and adults | Seattle Times Newspaper. Community.seattletimes.nwsource.com. Página visitada em 15 de março de 2014.
  80. Shrek - Movie Reviews. Rotten Tomatoes. Página visitada em 15 de março de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Shrek