Tibau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Tibau
"Tibau do Norte"
"A praia dos mossoroenses[1] "
Vista aérea de Tibau

Vista aérea de Tibau
Brasão de Tibau
Brasão
Fundação 21 de dezembro de 1995 (18 anos)
Gentílico tibauense
Prefeito(a) Josinaldo Marcos de Souza (Naldinho) (PSD)
(2013–2016)
Localização
Localização de Tibau
Localização de Tibau no Rio Grande do Norte
Tibau está localizado em: Brasil
Tibau
Localização de Tibau no Brasil
04° 50' 13" S 37° 15' 10" O04° 50' 13" S 37° 15' 10" O
Unidade federativa  Rio Grande do Norte
Mesorregião Oeste Potiguar IBGE/2008 [2]
Microrregião Mossoró IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Em sentido horário: Aracati, Icapuí, Oceano Atlântico, Grossos, Mossoró.
Distância até a capital 323 km
Características geográficas
Área 169,237 km² [3]
População 3 752 hab. (RN: 138º) –  estimativa IBGE/2011[4]
Densidade 22,17 hab./km²
Altitude 5 m [5]
Clima Semiárido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,635 (RN: 36°) – médio PNUD/2010 [6]
PIB R$ 38 961,928 mil IBGE/2008[7]
PIB per capita R$ 10 065,08 IBGE/2008[7]
Página oficial

Tibau, às vezes referido como Tibau do Norte, é um município brasileiro, localizado na extremidade setentrional do estado do Rio Grande do Norte. Pertencente ao Polo Costa Branca, à Mesorregião do Oeste Potiguar e à Microrregião de Mossoró, localiza-se a noroeste de Natal, capital do estado, distando desta 323 quilômetros.[8] Ocupa uma área de 162,402 km², sendo que 0,3682 km² estão em perímetro urbano,[5] e sua população foi estimada no ano de 2011 em 3 725 habitantes, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,[4] sendo então o 138º mais populoso do estado e último de sua microrregião.

A sede tem uma temperatura média anual de 27,2 °C e na vegetação do município há a predominância das florestas subcaducifólias, tabuleiros litorâneos e os manguezais. Sua taxa de urbanização é de 76,89%, classificando Tibau como o 43º município mais urbanizado do estado. Com apenas dois estabelecimentos de saúde (2009), o IDH do município é de 0,635 (2010), considerado médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), sendo o 36º maior do Rio Grande do Norte o 3 393° do país.

Tibau foi emancipada de Grossos na década de 1970. O nome do município deve-se ao fato de estar localizada entre os Jaguaribe e Mossoró. Já a etimologia do topônimo, segundo o historiador Luís da Câmara Cascudo, é originária do tupi, através junção de ti + paum, que significa "entre dois rios".

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Até os dias atuais, a origem do topônimo "Tibau" se constitui em uma tarefa difícil, principalmente por causa da ausência de um esclarecimento definitivo por estudiosos. Segundo o historiador Luís da Câmara Cascudo, a origem do topônimo "Tibau" vem do tupi, pela junção de ti + paum, cujo significado quer dizer "entre dois rios". Tibau é um município localizado entre os rios Jaguaribe e Mossoró.[9]

Os historiadores Vingt-Un e Hélio Galvão, em suas pesquisas, conseguiram descobrir e divulgar a circunstância de que, para chegar a Tibau do Norte e a Tibau do Sul, era necessário passar por um pernambuquinho.[9] No decorrer do século XX, existia, além do distrito de Tibau, um outro distrito de mesmo nome, anexado ao município de Goianinha, no litoral sul potiguar. Com o passar dos tempos, esse distrito goianiense sofreu uma alteração em seu nome, de "Tibau" para "Tibau do Sul", para diferenciar do distrito de Tibau, localizado no extremo norte do estado do Rio Grande do Norte, até depois ser elevado à categoria de município, em 3 de abril de 1963, com o nome de Tibau do Sul, nomenclatura que mantém até os dias atuais.[10]

História[editar | editar código-fonte]

A história do município de Tibau começa em meados do século XVII, mais especificamente no mês de fevereiro do ano de 1641, quando foi descoberta pelo navegador holandês Gideon Morris de Jorge, durante o período das invasões holandesas no Brasil. Devido à existência de salinas no local e à diversificação da cor de areias, o local foi batizado de "Morro Vermelho", que era a coloração predominante local.[9]

No dia 5 de julho de 1708, o capitão-mor do Rio Grande do Norte, Sebastião Nunes Colares, doou a Gonçalo da Costa Faleiro uma sesmaria, que era formada por uma vasta extensão de terra. De acordo com o historiador Luís da Câmara Cascudo, notório experiente da cultura potiguar, Gonçalo Faleiro, antes de receber essa sesmaria do capitão-mor potiguar, teria relatado ao rei de Portugal a difícil situação que estava sendo vivida pela Capitania do Rio Grande, devido à principalmente a um conflito compreendido durante treze anos (de 1687 a 1700): a Guerra dos Bárbaros.[9] Essa guerra faz referência aos conflitos, rebeliões e confrontos envolvendo os colonizadores portugueses e várias etnias indígenas tapuias, que aconteceram nas capitanias do nordeste do Brasil.[11] [12]

Devido às belezas naturais existentes na região onde se localizavam e ainda se localizam Tibau e Grossos, estes foram alvos de disputa entre os estados do Rio Grande do Norte e o Ceará, até que, algum tempo depois, a Assembleia Legislativa do Ceará, com sede em Fortaleza, decidiu pelo anexo de Grossos ao território cearense, junto com os distritos de Grossos e Tibau, que formavam o município. Três anos depois, Rui Barbosa, jurista e Senador da República, foi convidado para a defesa dos direitos do Rio Grande do Norte. Após anos de batalha, Ruy Barbosa garantiu a vitória do estado potiguar, que foi definitiva em 17 de julho de 1920. Algum tempo depois, o povoado de Tibau começou a experimentar sinais de crescimento. Dois anos depois, em 5 de novembro de 1922, ocorreu, pela primeira vez, a celebração de uma missa na comunidade, presidida pelo padre Manoel Gadelha.[9]

Com o forte apelo turístico que o povoado de Tibau ia alcançando cada vez mais, o distrito foi adquirindo características de uma cidade, especialmente após o povado ter chegado à condição de distrito, em 23 de dezembro de 1948. Quase 47 anos depois, o distrito de Tibau, que havia sido criado e anexado a Areia Branca e depois anexado ao município de Grossos com a emancipação deste do município de Areia Branca, o distrito conseguiu finalmente sua autonomia política, desmembrando-se assim do município de Grossos e tornando-se novo e mais setentrional município do Rio Grande do Norte. Em 1997, o município foi oficialmente instalado, com a eleição e posse do primeiro prefeito, Sidrônio Freire da Silva.[9]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Tibau e municípios limítrofes
  Tibau (RN)
  Ceará

Tibau está localizado na mesorregião do Oeste Potiguar e microrregião de Mossoró,[2] e é o município mais setentrional do estado do Rio Grande do Norte, distante 323 quilômetros da capital estadual, Natal,[13] e 2 018 quilômetros da capital federal, Brasília.[14] Com uma área de 169,237 quilômetros quadrados,[3] limita-se a norte com o estado do Ceará (Icapuí e Aracati), Mossoró a sul, Grossos a leste e novamente Ceará e Mossoró a oeste, além de ser banhado pelo Oceano Atlântico.[8]

O relevo do município, com altitudes inferiores a cem metros, é formado pelos tabuleiros costeiros, cujas principais características são a baixa altitude e a formação argilosa, que às vezes pode chegar ao litoral. Tibau está situado em área de abrangência do Grupo Barreiras, com terrenos formados durante o período Terciário, com idade aproximada em trinta milhões de anos. Na zona costeira são encontradas as dunas móveis e depósitos vindos do mar, originários da ação dos ventos. Há também a planície fluviomarinha, com aluviões, onde estão localizadas as áreas de extração de sal. O município possui todo o seu território na bacia hidrográfica do rio Apodi-Mossoró, e possui como principais cursos de água o Córrego da Gangorra e a Lagoa Redonda.[8]

O tipo de solo predominante é o latossolo vermelho amarelo eutrófico, que se caracteriza por sua textura média, forte drenagem, nível de fertilidade entre médio e alto e o relevo plano. Há também a areia distrófica marinha nas áreas litorâneas, inclusive na sede municipal.[8] [15] Por sua vez, a cobertura vegetal é formada por três tipos diferentes: a caatinga hiperxerófila, os manguezais e a vegetação halófica.[8]

Clima[editar | editar código-fonte]

Mesmo localizado no litoral, o clima de Tibau é caracterizado como semiárido quente (do tipo Bsh na classificação climática de Köppen-Geiger), com período chuvoso compreendido entre fevereiro e maio,[8] e temperatura média de 27,2 ºC, sendo novembro o mês mais quente (28 ºC) e julho o mais frio (26,2 ºC). A precipitação média é de 858 milímetros (mm) anuais. Os meses com maior média pluviométrica são abril (238 mm) e março (204 mm), enquanto os menores são novembro (4 mm) e outubro (3 mm).[16] O tempo médio de insolação é de 2 700 horas por ano, e a umidade relativa do ar de 69 %.[8]

Apesar do clima predominantemente seco, segundo dados da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), o maior acumulado de chuva registrado em Tibau, durante o período de 1962 a 1991 (quando distrito), 1995 a 2004 e a partir de 2010, foi de 145,8 mm em 7 de março de 1985.[17] Outros grandes acumulados foram 139,3 mm em 11 de maio de 1977,[18] 139,2 mm em 11 de janeiro de 2011,[19] 135,1 mm em 28 de fevereiro de 1964,[20] 130,8 mm em 21 de abril de 1984,[21] 130,6 mm em 21 de março de 1984,[22] 120 mm em 27 de janeiro de 2004,[23] 107 mm em 18 de abril de 1996,[24] 100,8 mm nos dias 20 de abril de 2013[25] e 29 de abril de 1984,[21] 100,6 mm em 1º de abril de 1971[26] e 100,2 mm nos dias 16 de abril de 1984[21] e 15 de abril de 1982.[27] Em um mês o maior volume de chuva observado foi de 895,5 mm em abril de 1984.[28]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Tibau Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 32,6 32,1 30,9 31,5 31,3 30,9 31,3 32 32,6 32,9 32,9 32,7 32
Temperatura média (°C) 27,9 27,7 27 27,2 26,9 26,3 26,2 26,5 27,3 27,7 28 27,8 27,2
Temperatura mínima média (°C) 23,3 23,3 23,2 23 22,5 21,7 21,2 21,2 22 22,5 23,1 23 22,5
Chuva (mm) 71 120 204 238 126 47 19 6 7 3 4 13 858
Fonte: Climate Data.[16]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
2000 3 197
2010 3 687 15,3%
Censos demográficos
do IBGE (1970-2010)[29]

A população de Tibau estimada pelo IBGE em 2011 foi de 3 752 habitantes, o que classifica o município como o 138º mais populoso do estado do Rio Grande do Norte, com uma densidade demográfica de 23,1 habitantes por quilômetro quadrado.[4] Em 2010, a população do município segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística era de 3 687 habitantes, o que lhe classificava na 137ª posição a nível estadual. De acordo com o censo de 2010, 1 847 habitantes eram homens e 1 840 habitantes eram mulheres. Ainda de acordo o mesmo censo, 2 835 habitantes viviam na zona urbana (76,90%) e 852 na zona rural (23,11%). A densidade demográfica, que é uma divisão entre a população e sua área, era de 22,7 habitantes por quilômetro quadrado.[30]

Em relação ao censo de 2000, ano em que foi realizado o primeiro censo demográfico no município, a população era de 3 197 habitantes, dos quais 84,08% viviam em áreas urbanas, enquanto 15,92% dos habitantes viviam nas zonas rurais, além de 1 630 dos habitantes serem do sexo masculino e 1 567 do sexo feminino.[29] [31] [32]

O Índice de Desenvolvimento Humano do município é considerado médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Em 2010, seu valor era de 0,635, sendo o 36º maior do Rio Grande do Norte e o 3 393 º do Brasil. Considerando apenas a longevidade, o índice é de 0,769, o valor do índice de renda é de 0,627 e o de educação é de 0,530.[6]

O coeficiente de Gini, que mede a desigualdade social, é de 0,36, sendo que 1,00 é o pior número e 0,00 é o melhor. A incidência da pobreza, medida pelo IBGE, é de 59,65%, o limite inferior da incidência de pobreza é de 48,46%, o superior é 70,85% e a subjetiva é 61,67%.[33]

Etnias e religião[editar | editar código-fonte]

De acordo com o censo demográfico de 2010 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população de Tibau é composta por pardos (59,02%), brancos (34,55%), pretos (5,7%) e amarelos (0,73%).[34]

Tal como a variedade cultural em Tibau, são diversas as manifestações religiosas presentes na cidade. Embora tenha se desenvolvido sobre uma matriz social eminentemente católica, é possível encontrar atualmente na cidade dezenas de denominações protestantes diferentes.[35] Tibau está localizada no país mais católico do mundo em números absolutos. A Igreja Católica teve seu estatuto jurídico reconhecido pelo governo federal em outubro de 2009,[36] ainda que o Brasil seja atualmente um estado oficialmente laico.[37] De acordo com dados do censo de 2000, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a população de Tibau é composta por: Católicos (77,82%), evangélicos (14,64%) e pessoas sem religião (7,54%).[35]

Política[editar | editar código-fonte]

Prefeitura Municipal, sede do poder executivo.

O poder executivo do município Tibau é representado pelo prefeito, auxiliado pelo seu gabinete de secretários, seguindo o modelo proposto pela Constituição Federal.[38] O primeiro prefeito eleito do município foi Sidrônio Freire da Silva (PMDB), em 1996,[39] e o atual é Josinaldo Marcos de Souza (PSD), eleito nas eleições municipais de 2012,[40] tendo como vice Carlos Antonio de Souza.[41]

Câmara Municipal de Tibau, sede do poder legislativo.

O poder legislativo é constituído pela câmara municipal, composta por nove vereadores eleitos para mandatos de quatro anos e está composta da seguinte forma: duas do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), duas do Partido Social Cristão (PSC), uma do Democratas (DEM), uma do Partido Republicano Brasileiro (PRB), uma do Partido Trabalhista Cristão (PTC), uma do Partido Popular Socialista (PPS) e uma do Partido Social Democrático (PSD).[40] Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao executivo, especialmente o orçamento participativo (Lei de Diretrizes Orçamentárias).[42]

Em complementação ao processo legislativo e ao trabalho das secretarias, existem também na cidade alguns conselhos municipais em atividade; são eles: Assistência Social, Direito da Criança e do Adolescente, Educação, Idoso e Saúde.[8] O município de Tibau se rege por sua lei orgânica, promulgada em 5 de junho de 1998,[42] e é, ao lado de Grossos, termo judiciário da comarca de Areia Branca, de segunda entrância.[43] De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, o município possuía, em dezembro de 2013, 3 388 eleitores, o que representa 0,144 % do total do Rio Grande do Norte.[44]

Economia[editar | editar código-fonte]

Segundo dados do IBGE, o PIB total de Tibau era, em 2008, de R$ 38 961,928. A economia do município pode ser dividida em três setores diferentes: o primário, o secundário e o terciário. Destes, o setor que rende mais no produto interno bruto municipal é o secundário, seguido pelo setor terciário. Enquanto isso, o setor primário é o que rende menos. A renda per capita é de R$ 10 065,08. Além disso, 1 387 reais são de impostos líquidos a preços correntes.[33]

Conforme já dito anteriormente, o setor primário é o menos relevante para a economia de Tibau. De todo o PIB em geral, 1 692 mil reais estão destinados a este setor. Segundo o IBGE em 2009 o município possuía um rebanho de 1 320 bovinos, 203 equinos, 558 suínos, 3 817 caprinos, 228 asininos, 456 muares, 2 416 ovinos, e 5 244 aves, dentre estas 2 468 galinhas e 2 776 galos, frangos e pintinhos. No mesmo ano, o município produziu 120 mil litros de leite, nove mil dúzias de ovos de galinha e 2 579 quilos de mel de abelha. Na lavoura permanente, Tibau produz castanha de caju e coco-da-baía. Já na lavoura temporária, são produzidos algodão herbáceo, feijão, melancia, melão, milho e sorgo. A produção agrícola municipal produz somente algodão herbáceo, feijão, milho e sorgo granífero.[33]

O setor secundário é o mais relevante para a economia do município. 21 727 mil reais do PIB municipal são do valor adicionado bruto da indústria (setor secundário).[33] Já o setor terciário é o segundo mais relevante para a economia municipal. A prestação de serviços rende 14 155 reais ao PIB municipal. De acordo com o IBGE, o município possuía, no ano de 2009, setenta unidades locais, sendo 69 atuantes e 865 trabalhadores, sendo 489 do tipo pessoal ocupado total e 376 ocupados assalariados. Salários juntamente com outras remunerações somavam 3 183 mil reais e o salário médio mensal de todo município era de 1,4 salários mínimos.[33]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Habitação e infraestrutura básica[editar | editar código-fonte]

Em 2000, o município de Tibau possuía, em geral, 714 domicílios (612 urbanos e 102 rurais), onde residiam 3 130 moradores. De todo esse total de domicílios, 549 eram imóveis próprios, 93 cedidos e seis alugados. Entre os imóveis próprios, 546 eram próprios quitados e apenas três eram próprios em aquisição. Já entre os cedidos, 45 eram cedidos por meio de empregador e 48 de outra forma.[45] Em relação ao abastecimento de água nas residências, 83,19% (594 imóveis) eram abastecidos pela rede geral, 5,74% (41 domicílios) eram abastecidos por água proveniente de um poço ou nascente e 11,06% (79 residências) eram abastecidos de outra forma. Entre esses domicílios atendidos de forma diferente, 77 imóveis eram abastecidos de forma não canalizada, apenas um era canalizados em pelo menos um cômodo e, entre os domicílios que eram canalizados só na propriedade ou terreno, existia também apenas um.[46]

Em relação ao esgotamento sanitário, a maioria das residências possui esgotamento feito a partir de uma fossa rudimentar. Outros quatro eram feitos por vala e quarenta e cinco imóveis não possuíam banheiros ou sanitários. Entre os domicílios com esgotamento feito a partir de uma fossa, 633 tinham esgotamento com fossa rudimentar e 28 com fossa do tipo séptica. Já em relação ao esgotamento feito a partir de uma vala, todos eles eram feitos a partir de um outro escoadouro.[47] Em 2000, entre as mais de setecentas moradias existentes em Tibau, o lixo era coletado em mais da metade residências (499 no total), sendo que 284 tinham a coleta feita por meio de um serviço de limpeza e outros 215 tinham a coleta feita em caçambas de serviço de limpeza. Além da coleta, parte do lixo era também queimado, enterrado, jogado em terrenos baldios, rios ou mares ou tinham destinos diferentes.[48]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Unidade Básica de Saúde Maria Ismar Nolasco.

O município de Tibau pertence à 2ª Regional de Saúde do estado do Rio Grande do Norte, que reúne quinze municípios e com sede instalada no município vizinho de Mossoró.[49] Em 2009, o município possuía apenas dois estabelecimentos de saúde - sendo um posto de saúde e uma unidade mista -, todos eles públicos e com atendimento garantido ao Sistema Único de Saúde (SUS).[33] Além das duas instituições de saúde, o município também conta com um laboratório.[8]

Em 2008, Tibau possuía um total de 22 profissionais de saúde, sendo dez agentes de saúde, dez auxiliares de enfermagem, e outros dois profissionais exerciam outras funções.[8]

Educação[editar | editar código-fonte]

O município não conta com instituições de ensino superior, como faculdades e universidades, possuindo apenas escolas. Em 2009, das 1 020 matrículas existentes, 760 eram de ensino fundamental, 201 de ensino médio e 59 de ensino pré-escolar. Na rede docente, havia um total de 156, dos quais 43 na rede fundamental, quatorze na rede superior (ensino médio) e quatro na rede pré-escolar. Dentre as escolas, existiam seis que ministravam ensino fundamental, uma de ensino secundário e três de ensino primário - pré-escolar.[33]

Segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) e do Ministério da Educação (MEC), o índice de analfabetismo no ano de 2000 entre pessoas era mais frequente na faixa etária acima dos 25 anos (50,17%), enquanto a menor frequência era entre 15 e 17 anos (25,27%). A taxa bruta de frequência à escola, que em 1991 era de 55,83%, passou para 84,44% em 2000.[50] 219 habitantes possuíam menos de 1 ano de estudo ou não contavam com instrução alguma.[51]

Serviços e comunicações[editar | editar código-fonte]

Além da saúde e da educação, o município conta com outros serviços básicos. O serviço de abastecimento de água de todo o município é feito pela Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN), onde toda a água que abastece o município provém do manancial Açu.[52] Já a responsável pelo abastecimento de energia elétrica é a Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern), que fornece energia em todos os municípios do estado do Rio Grande do Norte;[53] em 2007 havia 2 740 consumidores de energia elétrica, que consumiram um total de 6 557 megawatts de energia.[8] O serviço telefônico móvel, por telefone celular, é oferecido por diversas operadoras. O código de área (DDD) de Tibau é 084[54] e o Código de Endereçamento Postal (CEP) da cidade é de 59678-000.[55] No dia 10 de novembro de 2008 o município passou a ser servido pela portabilidade, juntamente com outras cidades de DDDs 33 e 38, em Minas Gerais; 44, no Paraná; 49, em Santa Catarina; além de outros municípios com código 84, no Rio Grande do Norte.[56] Tibau ainda conta uma agência da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.[8]

Transportes[editar | editar código-fonte]

A frota municipal no ano de 2009 era de 651 veículos, sendo 301 automóveis, 22 caminhões, dois caminhões-trator, 148 caminhonetes, 31 camionetas, seis camionetas, nove micro-ônibus, 233 motocicletas, trinta motonetas, seis ônibus; outros tipos de veículos incluíam dez unidades. Por não possuir rios em abundância, o município não possui muita tradição no transporte hidroviário, e também não é cortada por ferrovias em seu território. Em Tibau, passam três rodovias, sendo que uma é federal (a BR-304, que se localiza na divisa Tibau-Mossoró-Ceará) e duas rodovias estaduais: a RN-012, que está localizada na divisa entre Tibau e Grossos, e a RN-013, que liga Tibau a Mossoró[57] Esta última, anunciada pela governadora do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini, está sendo duplicada e suas obras começaram em agosto de 2012.[58] [59]

Em 2007, a frota registrada, segundo o Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN) era de 462 unidades, sendo dezoito movidos a álcool, 255 a gasolina, 41 a diesel, 98 movidos a uma mistura de gasolina e gás natural, 24 a uma mistura de álcool e gás natural e dezesseis a uma mistura de álcool e gasolina. Outros dez veículos eram movidos por meio de outros tipos de combustível.[8]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Vista da Pedra do Chapéu, localizada próxima à divisa entre Tibau (RN) e Icapuí (CE)
Vista da Pedra do Chapéu, localizada próxima à divisa entre Tibau (RN) e Icapuí (CE)
Morro de Areias Coloridas
Morro de Areias Coloridas
Vista panorâmica de uma praia em Tibau.
Vista panorâmica de uma praia em Tibau.

Uma das formas mais espontâneas da expressão cultural tibauense é o artesanato. Em várias partes do município é possível encontrar uma produção artesanal diferenciada, feita com matérias-primas regionais e criada de acordo com a cultura e o modo de vida local. Alguns grupos reúnem diversos artesãos da região, disponibilizando espaço para confecção, exposição e venda dos produtos artesanais. Normalmente essas peças são vendidas em feiras, exposições ou lojas de artesanato.[60]

Tibau, junto com os municípios de Angicos, Apodi, Areia Branca, Assu, Caiçara do Norte, Carnaubais, Galinhos, Grossos, Guamaré, Itajá, Lajes, Macau, Mossoró, Pendências, Porto do Mangue, São Bento do Norte e São Rafael, faz parte do Polo Costa Branca, nome dado a uma região do Rio Grande do Norte que se baseia no turismo de massa e no turismo histórico.[61]

Além de suas praias, Tibau possui pontos turísticos conhecidos, tendo como principais a Pedra do Chapéu (localizada próxima à divisa do Rio Grande do Norte, município de Tibau, com o Ceará, município de Icapuí), o Morro de Areias Coloridas (cuja denominação vem da coloração da areia local) e as famosas falésias, que são formas geográficas do litoral, caracterizadas por abruptos encontros de terras com o mar.[8] Entre os principais eventos, destacam-se principalmente a Festa da Padroeira de Tibau, Santa Teresinha, realizada anualmente entre os dias 21 de setembro e 1º de outubro, e a festa de aniversário do município, comemorada no dia 21 de dezembro.[8]

No ramo esportivo de Tibau, destacam-se a prática do surfe (prática esportiva marítima, frequentemente considerada parte do grupo de atividades denominadas desportos radicais, dado o seu aspecto criativo, cuja proficiência é verificada pelo grau de dificuldade dos movimentos executados ao acompanhar o movimento de uma onda do mar sobre uma prancha, denominada prancha de surfe, à medida que esta onda se desloca em direção à praia.) e do kitesurf (esporte aquático que utiliza uma pipa e uma prancha com uma estrutura de suporte para os pés; pipa presa à cintura da pessoa, que é colocada em cima da prancha e, sobre a água, é impulsionada pelo vento que atinge a pipa; o controle é feito através de uma barra, podendo-se escolher o trajeto e realizar saltos incríveis), que costumam ser praticados não apenas em Tibau, mas também em vários municípios litorâneos do Rio Grande do Norte e de outros estados litorâneos do Brasil.[60] O município realiza ainda a Copa Tibau de Futsal, que ocorreu pela primeira vez em junho de 2011, tendo como principal objetivo contemplar o esporte na atual gestão do município.[62]

Referências

  1. Geraldo Maia. Tibau. O Mossoroense. Página visitada em 1º de setembro de 2011.
  2. a b c Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  3. a b Área territorial oficial - consulta por município. Resolução da Presidência do IBGE de n° 1 de 15 de janeiro de 2013 (15 de janeiro de 2013). Página visitada em 14 de junho de 2014.
  4. a b c ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO RESIDENTE NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2011 (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (30 de agosto de 2011). Página visitada em 31 de agosto de 2011.
  5. a b Embrapa Monitoramento por Satélite. Rio Grande do Norte. Página visitada em 1º de setembro de 2011. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2011.
  6. a b Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 31 de agosto de 2013.
  7. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  8. a b c d e f g h i j k l m n o TIBAU. IDEMA/RN. Página visitada em 2 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2011.
  9. a b c d e f Histórico - Tibau/RN. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 5 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2011.
  10. Histórico - Tibau do Sul/RN. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 5 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2011.
  11. Aragão, R. B, Indios do Ceará e topônimos indígenas, Fortaleza, Barraca do Escritor Cearense. 1994
  12. BUENO, E. Brasil: uma história. Segunda edição. São Paulo: Ática, 203. p.66
  13. Distância entre Natal - Rio Grande do Norte, Brasil e Tibau - Rio Grande do Norte, Brasil. Página visitada em 14 de junho de 2014.
  14. Distância entre Brasília - DF, Brasil e Tibau - RN, Brasil. Página visitada em 14 de junho de 2014.
  15. Mapa Exploratório-Reconhecimento de solos do município de Tibau, RN. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Página visitada em 14 de junho de 2014.
  16. a b Clima: Tibau. Climate Data. Página visitada em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014.
  17. Chuvas - médias diárias 3/1985. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1985). Página visitada em 20 de julho de 2014. Cópia arquivada em 20 de julho de 2014.
  18. Chuvas - médias diárias 3/1985. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1985). Página visitada em 20 de julho de 2014. Cópia arquivada em 20 de julho de 2014.
  19. Ocorrência de Chuvas (mm) - 2011 - Posto: TIBAU (LAGOA SALSA). Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (2011). Página visitada em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014.
  20. Chuvas - médias diárias 3/1985. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1964). Página visitada em 20 de julho de 2014. Cópia arquivada em 20 de julho de 2014.
  21. a b c Chuvas - médias diárias 4/1984. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1984). Página visitada em 20 de julho de 2014. Cópia arquivada em 20 de julho de 2014.
  22. Chuvas - médias diárias 3/1984. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1984). Página visitada em 20 de julho de 2014. Cópia arquivada em 20 de julho de 2014.
  23. Ocorrência de Chuvas (mm) - 2004 - Posto: TIBAU (LAGOA SALSA). Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (2004). Página visitada em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014.
  24. Ocorrência de Chuvas (mm) - 1996 - Posto: TIBAU (LAGOA SALSA). Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1996). Página visitada em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014.
  25. Ocorrência de Chuvas (mm) - 2013 - Posto: TIBAU (PREFEITURA). Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (2013). Página visitada em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014.
  26. Chuvas - médias diárias 4/1971. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1971). Página visitada em 20 de julho de 2014. Cópia arquivada em 20 de julho de 2014.
  27. Chuvas - médias diárias 4/1982. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1982). Página visitada em 20 de julho de 2014. Cópia arquivada em 20 de julho de 2014.
  28. Chuvas - médias mensais - 1984. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1984). Página visitada em 20 de julho de 2014. Cópia arquivada em 20 de julho de 2014.
  29. a b Confederacão Nacional dos Municípios (CNM). Demografia - População Total. Página visitada em 7 de outubro de 2011.
  30. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  31. Demografia - População Urbana. Confederação Nacional de Municípios. Página visitada em 30 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2011.
  32. Demografia - População Rural. Confederação Nacional de Municípios. Página visitada em 27 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2011.
  33. a b c d e f g Rio Grande do Norte >> Tibau. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 14 de junho de 2014.
  34. Tabela 3145 - População residente por sexo, situação do domicílio e cor ou raça - Resultados Preliminares do Universo. IBGE/SIDRA (2010). Página visitada em 1º de janeiro de 2012.
  35. a b Religião. Página visitada em 24 de março de 2011. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2011.
  36. Cristiane Agostine (8 de outubro de 2009). Senado aprova acordo com o Vaticano. O Globo. Página visitada em 2 de fevereiro de 2011.
  37. Fernando Fonseca de Queiroz (Outubro de 2005). Brasil: Estado laico e a inconstitucionalidade da existência de símbolos religiosos em prédios públicos. Jus Navigandi. Página visitada em 2 de fevereiro de 2011.
  38. Governo Municipal. Guia de direitos. Página visitada em 12 de setembro de 2011.
  39. Resultados das eleições 1996. Tribunal Superior Eleitoral (1996). Página visitada em 4 de outubro de 2011.
  40. a b TIBAU. G1 Rio Grande do Norte (7 de outubro de 2012). Página visitada em 31 de janeiro de 2013.
  41. DADOS ELEITORAIS (2012). Página visitada em 7 de janeiro de 2013.
  42. a b LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE TIBAU (5 de junho de 1998). Página visitada em 14 de junho de 2014.
  43. MAPA DAS COMARCAS. Poder Judiciário do Rio Grande do Norte. Página visitada em 31 de janeiro de 2013.
  44. Eleições / Estatísticas eleitorais / Consulta Quantitativo. Tribunal Superior Eleitoral. Página visitada em 14 de junho de 2014.
  45. Infra-Estrutura - Domicílios Particulares Permanentes e Moradores. Confederação Nacional de Municípios (2000). Página visitada em 5 de outubro de 2011.
  46. Infra-Estrutura - Abastecimento de Água. Confederação Nacional de Municípios (2000). Página visitada em 5 de outubro de 2011.
  47. Infra-Estrutura - Esgotamento Sanitário. Confederação Nacional de Municípios (2000). Página visitada em 5 de outubro de 2011.
  48. Infra-Estrutura - Destino do Lixo. Confederação Nacional de Municípios (2000). Página visitada em 5 de outubro de 2011.
  49. Dispositivos 2ª região de saúde  » Dispositivos da 2ª região de saúde do Rio Grande do Norte. Página visitada em 5 de outubro de 2011.
  50. Confederação Nacional de Municípios (CNM). Educação - Freqüência Escolar. Página visitada em 5 de outubro de 2011.
  51. Confederação Nacional de Municípios (CNM). Educação - Anos de Estudo. Página visitada em 5 de outubro de 2011.
  52. Secretaria do Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Resumo dos Custos Totais de Poços Para Atender a Demanda Humana Concentrada no Ano 2020. Página visitada em 5 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2011.
  53. Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte. A COSERN. Página visitada em 12 de setembro de 2011.
  54. Estado: Rio Grande do Norte (RN). Página visitada em 5 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2011.
  55. Sobre Tibau. CityBrazil. Página visitada em 5 de outubro de 2011.
  56. Estadão (7 de novembro de 2008). Portabilidade numérica chega a mais 8 milhões na 2ªf. Página visitada em 5 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 1° de março de 2011.
  57. TIBAU. IDEMA/RN. Página visitada em 5 de outubro de 2011.
  58. ASSECOM/RN (9 de setembro de 2011). Governadora anuncia Estrada da Castanha e a duplicação da RN-013. Governo do Estado do Rio Grande do Norte. Página visitada em 5 de outubro de 2011.
  59. ASSECOM/RN (12 de setembro de 2011). Governo do RN vai investir R$ 3,5 milhões em tapa-buracos nas estradas. Governo do Estado do Rio Grande do Norte. Página visitada em 5 de outubro de 2011.
  60. a b Histórico da cidade. Página visitada em 2 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2011.
  61. Costa Branca. Página visitada em 2 de outubro de 2011.
  62. Copa Tibau de Futsal será decidida nesta sexta-feira. Jornal "O Mossoroense" (3 de junho de 2011). Página visitada em 2 de outubro de 2011.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tibau