David

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Davi)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Janeiro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja David (desambiguação).
David / Davi
Rei de Israel
David SM Maggiore.jpg
Estátua de Davi por Nicolas Cordier, Santa Maria Maggiore, Roma
Governo
Reinado 1003 a.C. - 971 a.C.
Coroação Belém
Consorte Mical
Ainoã
Abigail
Maaca
Hagite
Eglá
Bate-Seba
Antecessor(a) Saul
Herdeiro Salomão
Sucessor(a) Salomão
Casa Real Judá
Título(s) Rei Davi
Vida
Nascimento Belém
Morte 970 a.C.
Jerusalém
Sepultamento Jerusalém
Filho(s) Amnon
Quileabe
Absalão
Adonias
Sefatias
Itreão
Pai Jessé
Mãe Não mencionada na Bíblia; identificado pelo Talmud como Nitzevet, filha de Adael

David (português europeu) ou Davi (português brasileiro) (em hebraico: דוד, literalmente "querido", "amado"; no hebraico moderno Dávid, no hebraico tiberiano Dāwiḏ; em árabe: داود) é reconhecido como o maior rei de Israel, descrito na Bíblia como tendo muitos "dons, como o da música, da poesia e dos salmos".

O arqueólogo americano Edwin Thiele estabeleceu sua data de nascimento por volta de 1040 a.C., e sua morte em 970 a.C., tendo reinado sobre Judá de 1010 a 1003 a.C., e sobre o reino unificado de Israel de 1003 a 970 a.C.[1] No entanto, os livros bíblicos de Samuel, I Reis e I Crônicas são a única fonte de informação disponível de relatos sobre sua vida e seu reino, embora a estela de Tel Dan registre a existência, em meados do século IX a.C., de uma dinastia real judaica chamada "a Casa de Davi".

A vida de Davi é particularmente relevante para a cultura judaica, cristã e islâmica. No judaísmo, Davi, ou Melekh David ("rei Davi"), é o rei de Israel e do povo judaico; um descendente direto seu será o Mashiach, o Ungido judaico. No cristianismo, Davi é mencionado como um ancestral do pai adotivo de Jesus, José, e no islamismo é conhecido como Daud, um profeta e rei de uma nação. Filho de Jessé, da tribo de Judá, teria nascido na cidade de Belém e se destacado na luta dos israelitas contra os filisteus. Tornou-se rei, sucedendo a Saul e conquistou Jerusalém, tornando-a a capital do Reino Unido de Israel.

Seu nome é citado 1.139 vezes na Bíblia.[2]

Arqueologia[editar | editar código-fonte]

Os livros bíblicos de Samuel, I Reis e I Crônicas são a única fonte de informação disponível sobre sua vida e seu reinado.[carece de fontes?]

Apesar de não existirem inscrições contemporâneas a Davi que lhe façam referência, textos não muito posteriores ao período fixado para sua vida, o século X a.C., mencionam seu nome. Um desses artefatos é a chamada estela de Tel Dan, descoberta ao norte da Galileia, registrando a existência, em meados do século IX a.C., de uma dinastia real judaica chamada "a Casa de David". A estela traz um texto aramaico com a possível menção mais antiga e irrefutável ao nome de Davi fora da Bíblia.[3]

Com base neste achado e em outras descobertas, como textos citando grupos de "bandoleiros" que atuaram na região na época (chamados, pejorativamente, pelos seus opositores, de "judeus"), informações expostas em revistas científicas, arqueólogos sugerem a possibilidade de que David não tenha sido sempre um pastor, mas também uma espécie de defensor, quiçá mercenário, da população de Judá, tendo assumido o poder de Jerusalém posteriormente. Com base nestes dados, arqueólogos como Edwin Thiele estabelecem sua data de nascimento por volta de 1040 a.C., e sua morte em 970 a.C., tendo reinado sobre Judá de 1010 a.C. a 1003 a.C., e sobre o reino unificado de Israel de 1003 a.C. a 970 a.C, embora estas datas não possam ser provadas, e nem mesmo possa ser provado que Davi reinou sobre todas as tribos.[4]

Também foram descobertas minas de cobre na Jordânia que podem ser uma indicação da existência do personagem bíblico Salomão, filho e sucessor do rei Davi.[5]

Tradição bíblica[editar | editar código-fonte]

David viveu por volta de 1000 a.C., e foi o terceiro rei de Israel, sucedendo a Isboset, filho do rei Saul. Sua história é relatada em detalhes em I Samuel 16:11 e II Samuel 1:1 e ss.[6] Foi um rei popular e o personagem do Antigo Testamento que mais vezes é mencionado na Bíblia. Caçula, ele foi o oitavo filho de Jessé, um habitante de Belém. O seu pai parece ter sido um homem de situação modesta. O nome da sua mãe não se encontra registrado, mas costuma-se atribuir a ela o nome de Nahash. Quanto à sua aparência, sabe-se apenas que tinha cabelos ruivos e formoso semblante.I Samuel 16:12

Na narrativa bíblica, ele é descrito inicialmente como apascentador de ovelhas e tocador de harpa na corte do rei Saul, mas ganha notoriedade ao matar em combate o gigante guerreiro filisteu Golias, ganhando o direito de se casar com uma das filhas do rei. Depois da morte de Saul, Davi governou a tribo de Judá, enquanto o filho de Saul, Isboset, governou o resto de Israel. Com a morte de Isboset, Davi foi proclamado rei das doze tribos de Israel e seu reinado marcou uma mudança na realidade do povo hebreu: de uma confederação de tribos, transformou-se em uma nação solidamente estabelecida. Ele transferiu a capital de Hebron para Jerusalém, e tornou-a o centro religioso dos israelitas, trazendo a Arca da Aliança.

Expandiu os territórios sobre os quais governou e trouxe prosperidade a Israel. Seus últimos anos foram abalados por rebeliões lideradas por seus filhos e rivalidades familiares na corte.

Deus concedeu, de acordo com a Bíblia, que a monarquia israelita e judaica viria da sua linha de descendentes. O Judaísmo ortodoxo acredita que o Ungido será um descendente do Rei Davi. O Novo Testamento qualifica Jesus como seu legítimo descendente (Mateus 1), quer por uma descendência legal – era filho adotivo de José, o Carpinteiro, da tribo de Davi – quer por descendência sanguínea, já que era filho de Maria (Lucas 2) que, assim como o marido, fora recensear-se em Belém, terra de seu ancestral.

O profeta Samuel o ungiu ainda durante o reinado de Saul, causando ciúmes neste. Por isto, David viveu, até à morte de Saul, como fugitivo e exilado.

Capturou Jerusalém dos jebuseus, tornando-a capital do reino de Israel.

A Davi atribuem-se diversos salmos da Bíblia (cerca de 73). Alega-se,[quem?] contudo, que se trate de pseudo-epígrafe. Muitos salmos são historicamente datados após a morte de Davi.

Davi teve dezoito filhos: Amnon, Quileabe, Absalão, Adonias, Sefatias, Itreão, sendo estes nascidos em Hebrom.(II Samuel 3:2-5) Em Jerusalém, nasceram-lhe os filhos: Samua, Sobabe, Natã, Salomão, Ibar, Elisua, Nefegue, Jafia, Elisama, Eliada, Elifelete (II Samuel 5:14-16) e Tamar.(II Samuel 13:1)

Referências

  1. Thiele, Edwin (1983) [1ª ed.: Nova York, Macmillan, 1951; 2ª ed.: Grand Rapids, Eerdmans, 1965] (em en), The Mysterious Numbers of the Hebrew Kings (3ª ed.), Grand Rapids, MI, US: Zondervan/Kregel, ISBN 978-0-8254-3825-7 .
  2. Davi, acessado em 25 de julho de 2010
  3. «Davi foi chefe guerrilheiro e 'Robin Hood' da Palestina, afirmam arqueólogos». G1. Globo. Consultado em 21/2/2012. 
  4. Thiele 1983.
  5. «Escavações podem confirmar existência histórica de 'minas do rei Salomão'». G1. Globo. Consultado em 22/2/2012. 
  6. Carr, David M. & Conway, Colleen M., An Introduction to the Bible: Sacred Texts and Imperial Contexts, John Wiley & Sons (2010), p. 58

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bíblia
  • Price-Budgen, Avril; Folly, Martin (1988) (em en), People in History, Mitchel Beazley .

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre David
Precedido por:
Saul
Rei de Judá
40 anos
Sucedido por:
Salomão
Precedido por:
Isbosete
Rei de Israel
37 anos