Jorge Salgueiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jorge Salgueiro
Informação geral
Nome completo Jorge Manuel Carvalho Salgueiro
Nascimento 1969 (49 anos)[1]
Origem Porto[1]
País Portugal Portugal
Gênero(s) Erudito
Período em atividade 1983–actualmente
Página oficial jorgesalgueiro.com

Jorge Manuel Oliveira Salgueiro mais conhecido por Jorge Salgueiro[2] (Palmela, 1969) é um músico e compositor português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Jorge Salgueiro é compositor. Compõe regularmente desde os 14 anos, sendo autor de cerca de 220 obras entre as quais são de referir 5 sinfonias (n.º 1 a voz dos deuses, n.º 2 mare nostrum, n.º 3 dos lusíadas, n.º 4 os dias dos prodígios, n.º 5 a quarentena), as fábulas sinfónicas a quinta da amizade e projeto tartaruga, a cantata o conquistador, 10 óperas (merlin, o achamento do brasil, pino do verão, orquídea branca, saga, quixote, o salto e deuladeu, a coragem e o pessimismo e ver-e-ler-ver-e-ler-o-hi-po-pó-ta-mo), o requiem pela humanidade e a abertura para o gil, entre diversa música para orquestra, banda, coro, de câmara, para teatro, cinema, bailado e para crianças. Realizou mais de 350 arranjos de obras de outros autores. foi entre 2000 e 2010 compositor residente da banda da armada portuguesa. Atualmente é membro da direção artística do grupo Teatro o Bando e compositor residente da foco musical.

Atuação como diretor[editar | editar código-fonte]

Dirige obras suas desde os 17 anos: orquestra da foco musical (1998/2015); orquestra do teatro o bando (2000/2015); orquestra de sopros da escola superior de música de lisboa (2014); orquestra de sopros do algarve (2014); orquestra e coros do conservatório de palmela (2013/2014); orquestra clássica da academia (2011/2014); orquestra e coros do gabinete coordenador de educação artística da madeira (2005/2010); banda sinfónica portuguesa (2009); orquestra de bandolins da madeira (2009); banda sinfónica da guarda nacional republicana (2006); banda militar da madeira (2006); negros de luz (1995/2005); orquestra nacional do porto e coros do círculo portuense de ópera (2004); orquestra e coros do conservatório de viseu (2003); coral infantil de setúbal (1992/1998); café orquestra (1993); orquestra juvenil dos loureiros (1987/1993).

Composições[editar | editar código-fonte]

  • Sinfonia n.º 1 "A Voz dos Deuses" inspirada no romance de mesmo nome
  • Sinfonia n.º 2 "Mare Nostrum"
  • Sinfonia n.º 3 "Dos Lusíadas"
  • Fábulas sinfónicas "A Quinta da Amizade" e "Projecto Tartaruga"
  • Cantata "O Conquistador"
  • Óperas "MERLIN, ópera teatro", "O ACHAMENTO DO BRASIL, ópera didáctica, "PINO DO VERÃO, ópera selvagem", "A ORQUÍDEA BRANCA, ópera romântica", "SAGA, ópera extravagante" "O SALTO, ópera rewind", "QUIXOTE, ópera buffa", "DEU-LA-DEU, ópera comunitária"
  • Concerto para Tuba, Concerto para Violino, Concerto para Quarteto de Saxofones.

Distinções[editar | editar código-fonte]

  • Juventude Musical Portuguesa (1988)
  • Academia Luísa Tody (1989)
  • Marinha Portuguesa (1996, 2005, 2009 e 2010)
  • Costa Azul (2002) e
  • Rotary Club (2004).

Referências

  1. a b «Composer SALGUEIRO Jorge (1969) / PMIC». Consultado em 4 de dezembro de 2009 
  2. «Certidão de lista de associadas da Audiogest» (PDF). IGAC/Ministério da Cultura. 25 de julho de 2007. Consultado em 10 de Janeiro de 2014. Arquivado do original (PDF) em 24 de dezembro de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) compositor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.