Filadélfia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Condado de Filadélfia)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Filadélfia (desambiguação).
Filadélfia
Philadelphia
Localidade dos Estados Unidos Estados Unidos
Philadelphia Montage by Jleon 0310.jpg
Do topo, da esquerda para a direita: panorama de Filadélfia, estátua de Benjamin Franklin, Sino da Liberdade, Museu de Arte de Filadélfia, Paço municipal de Filadélfia e o Independence Hall.
Cognome(s): City of Brotherly Love (português: Cidade do Amor Fraternal), Philly, The Quaker City (português: A Cidade Quacre), Phillie
Lema(s): Philadelphia maneto
(Latim: Que viva o amor fraternal)
Filadélfia está localizado em: Pensilvânia
Filadélfia
Localização de Filadélfia na Pensilvânia
Filadélfia está localizado em: Estados Unidos
Filadélfia
Localização de Filadélfia nos Estados Unidos
Dados gerais
Fundado em 27 de outubro de 1682 (337 anos)
Incorporado em 25 de outubro de 1701 (318 anos)
Prefeito Michael Nutter
Localização
39° 59' 53" N 75° 8' 41" O
Condado Condado de Filadélfia (co-existente com a cidade de Filadélfia)
Estado  Pensilvânia
Tipo de localidade Cidade
Fuso horário -5/-4
Características geográficas
Área 369,62 km²
- terra 347,32 km²
- água 22,30 km²
- urbanizada 4 660,7 km²
- metrópole 11 989 km²
População (2017[1]) 1 580 863 hab. (4 393,69 hab/km²)
- urbanizada 5 325 000
- metrópole 6 385 461[2]
Altitude 12 m
Códigos
Sítio web http://www.phila.gov

Portal Portal Estados Unidos

Filadélfia (em inglês: Philadelphia) é a cidade mais populosa do estado norte-americano da Pensilvânia, sendo a única cidade do condado homônimo e, portanto, sua sede. É apelidada Philly e City of Brotherly Love (Cidade do Amor Fraternal), por conta da etimologia de seu nome: a palavra "Filadélfia" vem do grego Φιλαδέλφεια (pronunciado [pʰilaˈdelpʰeːa], e em grego moderno, [filaˈðɛlfia]), literalmente, "amor fraterno": φίλος (philos) significa "amor", e αδελφός (adelphos), "irmão".

Com uma população de mais de 1,5 milhão de habitantes[3] é a quinta cidade mais populosa dos Estados Unidos, enquanto que a sua região metropolitana possui pouco mais de 6,3 milhões de habitantes.[2] Desta forma, ela é a segunda maior cidade da costa atlântica dos Estados Unidos, superada apenas por Nova Iorque. É a quarta cidade mais densamente povoada da Pensilvânia.

Uma das mais antigas cidades norte-americanas, e outrora a segunda maior cidade do Império Britânico (superada apenas pela capital imperial, Londres), Filadélfia desempenha um papel de grande importância desde a época das Treze Colônias, e os primeiros anos da independência dos Estados Unidos. Grande parte desta proeminência deve-se à ação de Benjamin Franklin, habitante da cidade e de quem partiram muitas ideias que, germinadas, ocasionaram na Revolução Americana e a subsequente independência do país. Como maior cidade e centro geográfico e social das colônias, a cidade sediou o Primeiro Congresso Continental e, após a declaração de independência em 4 de julho de 1776, seria capital do país em outras quatro ocasiões, sendo a última vez entre 6 de dezembro de 1790 e 14 de maio de 1800, quando a sede do governo foi transferida para a então recém-construída cidade de Washington.

As muitas universidades e faculdades da região da Filadélfia o tornam um dos principais destinos de estudo, pois a cidade evoluiu para um centro educacional e econômico [4]. A partir de 2019, estima-se que a área metropolitana da Filadélfia produza um produto metropolitano bruto (BPF) de US $ 490 bilhões [5]. Filadélfia é o centro da atividade econômica da Pensilvânia e abriga cinco empresas da Fortune 1000. O horizonte da Filadélfia está se expandindo, com um mercado de quase 81.900 propriedades comerciais em 2016, incluindo vários arranha-céus de destaque nacional [6]. Filadélfia tem mais esculturas e murais ao ar livre do que qualquer outra cidade americana [7]. O Fairmount Park, quando combinado com o adjacente Wissahickon Valley Park na mesma bacia hidrográfica, é uma das maiores áreas contíguas de parques urbanos dos Estados Unidos. A cidade é conhecida por suas artes, cultura, culinária e história colonial, atraindo 42 milhões de turistas domésticos em 2016 que gastaram US $ 6,8 bilhões, gerando um total estimado de US $ 11 bilhões em impacto econômico total na cidade e nos quatro municípios da Pensilvânia. Filadélfia também surgiu como um centro de biotecnologia [8].

História[editar | editar código-fonte]

Origem do nome[editar | editar código-fonte]

O nome da cidade é inspirado na cidade homônima da Grécia Antiga, hoje denominada Alaşehir, no território da Turquia. Seu nome (em grego: , Φιλαδέλφεια, significa "amor fraternal", composto de φίλος, "amado" e ἀδελφός, "irmão".[9]

O início de Filadélfia[editar | editar código-fonte]

Antes da chegada dos europeus, cerca de 20 mil índios, pertencentes à Nação Algonquin, viviam no Delaware Valley,[10] e na aldeia de Shackamaxon.

A exploração do Delaware Valley começou no início do século XVII. Os primeiros colonos eram suecos, holandeses e ingleses, que por sua vez se instalaram às margens do rio. Nova Suécia, fundada em 1638, foi anexada à Nova Holanda em 1655. Em seguida, a região caiu na última volta britânica em 1674.

Em 1681, o rei Carlos II, da Inglaterra, concedeu uma carta para William Penn em troca do cancelamento de uma dívida do governo adquirida durante o reinado de seu pai. Neste trabalho, a colônia da Pensilvânia foi fundada oficialmente.[11] William Penn (1644-1718) era um Quaker inglês: ele pertencia à dissidência do grupo religioso, perseguidos na Inglaterra, que rejeitaram a hierarquia eclesiástica e defendiam a igualdade, a tolerância e a não-violência. A Pensilvânia rapidamente se tornou um refúgio para todos aqueles que foram oprimidos por sua fé. William Penn foi para a América em 1682 e fundou a cidade de Filadélfia. Embora Carlos II tivesse lhe dado propriedades, William Penn comprou as terras dos índios para estabelecer relações pacíficas com eles.[12] Ele teria assinado um tratado de amizade com os índios em 1682.[13]

Filadélfia recebeu um plano de desenvolvimento colonial, o mais antigo dos Estados Unidos, com ruas largas e cinco parques de pequeno porte construídos de imediato[14] Mas acima de tudo, William Penn queria fazer esta cidade mais humana. Pensando assim, ele foi responsável de remover a pena de morte em casos de roubo na Pensilvânia e garantiu a liberdade religiosa e de culto.[15] O nome da cidade, do grego Φιλαδέλφια ("amor fraternal"), reflete essa ambição. Quando William Penn retornou à Inglaterra em 1699 após uma ausência de quinze anos, e voltar `a cidade algum tempo depois, ele encontrou uma cidade grande, perdendo apenas para Boston em população.[16] Muitos imigrantes europeus, principalmente ingleses e holandeses, eram de fato, atraídos pela prosperidade da cidade e sua tolerância religiosa. Um primeiro grupo de alemães se estabeleceu em 1683 no atual bairro de Germantown.[15] William Penn deu uma carta para a cidade em 25 de outubro de 1701,[17] criando suas instituições municipais: prefeito e vereadores.

Na segunda metade do século XVIII, Filadélfia havia se tornado a cidade mais populosa das Treze Colônias (45.000 habitantes em 1780[15]), ultrapassando Boston. Era a segunda cidade mais populosa do Império Britânico, dividindo a posição com Dublin.[15]

Um surto de iluminação[editar | editar código-fonte]

No fim do século XVIII, Filadélfia foi o "centro real do revolucionário Iluminismo",[18] em particular, sob a influência de Benjamin Franklin (1706-1790). Este cientista, nascido em Boston, mudou-se para Filadélfia em 1723 e foi um dos fundadores da Companhia Library of Philadelphia (Companhia de Livraria de Filadélfia) em 1731, Universidade da Pensilvânia (1740) e da American Philosophical Society (1743). Em 1752, ele inventou o pára-raios. Em 1728, John Bartram criou um jardim botânico, o primeiro de seu tipo na América do Norte.[14] É também no século XVIII que Filadélfia tornou-se o centro principal de publicação das Treze Colônias: o primeiro jornal, The American Weekly Mercury, apareceu em 1719.[14] A Pennsylvania Gazette (1723) desempenhou um papel importante durante a Revolução Americana. Em 1739 foi publicado o primeiro tratado contra a escravidão[14] e tornou-se, com Boston, uma referência no país contra a escravidão.

O conhecimento e a cultura experimentaram um importante desenvolvimento no século XVIII, o que fez da cidade às vezes ser chamada de "Atenas da América".[19] Em 1760, foi fundada a escola de anatomia da Faculdade de Medicina e no ano seguinte, um teatro permanente.[19] Foi inaugurado em 1790, pela Faculdade de Direito da Universidade da Pensilvânia, a mais antiga escola de direito dos Estados Unidos. Vários artistas da cidade fundaram em 1794, o columbianum, que era então a primeira sociedade para a Promoção da Belas Artes.[14]

Finalmente, Filadélfia é dotada de instalações, edifícios públicos e infra-estrutura urbana à frente de outras cidades americanas e da liderança de Benjamin Franklin[20]: um hospital de grande porte e uma corporação de bombeiros foram fundados em 1730 e vários bancos foram fundados entre 1780 e 1790.[14] A Pennsylvania State House (agora Independence Hall), sede da assembléia colonial, foi concluída em 1753. As ruas foram pavimentadas e iluminadas gradualmente com gás.[21]

A Revolução Americana[editar | editar código-fonte]

Hall Carpenters sediou o Primeiro Congresso Continental.

Em 1770, Filadélfia tornou-se um dos principais focos da Revolução Americana. Os Filhos da Liberdade, uma organização dos Americanos Patriotas, foram muito ativos na cidade: eles resistiram às medidas fiscais impostas pela cidade e incitou os colonos a boicotar produtos britânicos.

Filadélfia foi escolhida como um dos principais focos da revolução devido à sua posição central entre as Treze Colônias, para sediar o Primeiro Congresso Continental que se realizou entre 5 de setembro e 26 de outubro de 1774 no Hall Carpenters. O Segundo Congresso Continental foi realizado entre 1775 e 1781, a data de ratificação dos Artigos da Confederação. Durante a Guerra da Independência, a reunião organizada do Exército Continental, definiu o papel-moeda emitido e as relações internacionais do país. Os delegados assinaram a Declaração de Independência em 4 de julho de 1776. No entanto, após a derrota americana na batalha de Brandywine, em 1777, o Congresso teve de deixar a cidade, juntamente com dois terços da população.[22] Os moradores tiveram que se esconder no "Liberty Bell" (Sino da Liberdade).[23]

Vários desentendimentos aconteceram entre os norte-americanos comandados por George Washington para as tropas britânicas na Pensilvânia. Depois de investir em Filadélfia, em setembro de 1777, os britânicos concentraram nove mil homens em Germantown. Washington não conseguiu superar-se. Em junho de 1778, os britânicos abandonaram Filadélfia para proteger Nova Iorque, até então exposta à ameaça francesa.[23] Em julho, o Congresso voltou à Filadélfia. A convenção constituinte reuniu-se em Filadélfia, em 1781, para elaborar uma Constituição. Este texto foi assinado no Independence Hall, em setembro de 1787. O Congresso Continental se mudou para Nova Iorque em 1785, mas sob a pressão de Thomas Jefferson, ele novamente voltou para Filadélfia em 1790,[24] que serviu por dez anos como capital provisória dos Estados Unidos, enquanto Washington D.C era projetada.[14] Filadélfia perdeu também o seu estatuto de capital do estado em 1799.

Industrialização no século XIX[editar | editar código-fonte]

Placa do fabricante Baldwin Locomotive Works.

O comércio marítimo de Filadélfia foi interrompido pela Lei de Embargo de 1807 e pela Guerra anglo-americana de 1812. Após essa data, os produtos da Pensilvânia passaram a ser exportados pelo porto de Nova Iorque.[25]

No início do século XIX, Filadélfia experimentou um crescimento importante devido à sua riqueza agrícola e de mineração (carvão) presentes em seu interior, a construção de estradas, canais e estradas de ferro permitiram que a cidade pudesse manter a sua posição durante a Revolução Industrial. Têxteis, vestuário, metalurgia, fabricação de papel e material ferroviário, naval e transformação de alimentos foram as principais indústrias do século XIX. A cidade também foi um importante centro financeiro. Durante a Guerra de Secessão (1861-1865), as fábricas da cidade forneceram ao exército da União equipamentos militares e outros recursos. Os hospitais militares também desempenharam um papel importante em permitir que muitos feridos durante o conflito pudessem ser atendidos em suas bases.

Os motins em Filadélfia (1844).

Devido à mecanização da agricultura no sul dos Estados Unidos, milhares de Afro-americanos começaram a migrar para o norte de Filadélfia e a região se tornou um dos destinos favoritos deste influxo. Como em outras cidades americanas, os anos que precederam a guerra civil foram marcados por violência contra os imigrantes, como motins anti-católicos entre maio e junho de 1844.[26] Com a Lei de Consolidação de 1854, a cidade de Filadélfia anexou vários distritos, bairros e subúrbios próximos. Esta decisão permitiu igualar os limites da cidade com outros municípios e melhorar a gestão dos problemas urbanos.

Exposição de 1876[editar | editar código-fonte]

Em 1876, foi organizada a exposição de Filadélfia, pela comemoração ao Centenário da Declaração de Independência dos Estados Unidos. Foi realizada em Fairmount Park, perto do rio Schuylkill. A exposição atraiu cerca de 9.789.392 visitantes.[26] A maioria dos edifícios da exposição foram cedidos pela Smithsonian Institution. Entre as inovações, foram mostradas ao público, o telefone (até então criado por Alexander Graham Bell), a máquina de escrever, cerveja, controlador para fazer parafusos, relógios e montagem de relógios.

Migrações no século XX[editar | editar código-fonte]

Milhares de imigrantes da África do Sul, Alemanha, Itália, Irlanda e Europa Oriental vieram para trabalhar nas indústrias da cidade na virada do século XX e reagrupadas em locais separados. Durante a Primeira Guerra Mundial, a chegada de Afro-americanos que fugiam da segregação racial da África do Sul mudou a estrutura da população. Com o desenvolvimento do transporte ferroviário e do metrô em 1907, além do automóvel, a classe média começou a deixar a cidade para residir nos subúrbios. O primeiro arranha-céu foi projetado por Benjamin Franklin Bridge. Após a Grande Depressão, Filadélfia ficou conhecida pela força de seus sindicatos e os seus ataques múltiplos. O desemprego aumentou drasticamente e manteve-se em um nível elevado em 1930, apesar dos postos de trabalho criados pela Works Progress Administration. Não foi até a Segunda Guerra Mundial que a cidade saiu da crise, graças à indústria de armamento.

Em 1950, Filadélfia atingiu seu pico populacional, com um pouco mais de dois milhões de habitantes. As casas eram muitas vezes inadequadas e insalubres. Em 1960, motins raciais eclodiram, assim como o movimento pelos direitos civis (Civil Rights Movement). Os problemas sociais foram agravados com o aumento do desemprego, drogas e violência de gangues. A classe média branca fugiu de Filadélfia para cidades próximas, e a cidade perdeu mais de 13% de sua população na década de 1970.[27]

O governo da cidade aprovou a Nova Carta em 1951, dando mais poderes ao prefeito. O então prefeito, Joseph Clark, instituiu uma política de renovação urbana: melhores estradas e sistema de transporte, restauração de habitats, criação de centros comerciais e parques. Mas a cidade estava à beira da falência no início de 1990, assim como Nova Iorque, Boston e outras grandes cidades da costa leste, que foram atingidas com uma crise e uma situação similar à falência. Desde então, a situação da habitação e do emprego tem vindo a melhorar em diversas áreas, mas a violência continua a um nível elevado.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa de localização de Filadélfia.

Filadélfia está no nordeste dos Estados Unidos, na região industrial do Cinturão da ferrugem, aproximadamente na mesma latitude que as Ilhas Baleares, ou Nápoles, na Itália. A cidade pertence a uma área urbanizada contínua, o BosWash, que vai de Boston para Washington D.C. A cidade localiza-se a 160 km de Nova Iorque. Está situada entre as montanhas Apalaches ao norte e ao oeste e o Oceano Atlântico a sul e leste.

A cidade localiza-se no sudeste da Pensilvânia. Os subúrbios cresceram, em parte, no sentido leste, em direção a Nova Jersey, através de pontes Benjamin Franklin e Walt Whitman. O centro funciona principalmente na margem direita do rio Delaware, que controla o estuário ao sul. O rio Delaware possui um afluente que atravessa Filadélfia, o rio Schuylkill, ao sul da cidade. Há outros rios menores em toda a cidade: Cobbs Creek, Wissahickon Creek e Pennypacker Creek.

De acordo com o United States Census Bureau, a cidade tem uma área total de 369,6 km², dos quais 347,3 km² estão cobertos por terra e 22,3 km² por água, representando 6,03% do total.[3] O território da cidade é 3,5 vezes maior que o de Paris. A altitude média é de 13 metros acima do nível do mar.[28] A Região Metropolitana de Filadélfia ocupa o vale de Delaware e possui quase seis milhões de habitantes.

Clima[editar | editar código-fonte]

Filadélfia possui um clima subtropical, do tipo Cfa na classificação climática de Köppen-Geiger na divisa com o clima continental.[29] Os verões são quentes e úmidos, sendo julho o mês mesmo mais quente do ano, com temperaturas médias variando de 21 °C a 30 °C. Outono e primavera são relativamente leves. As temperaturas médias para o mês de janeiro são -4 °C de mínima e 5 °C de máxima.[30] A temperatura mais baixa registrada em Filadélfia foi de -24 °C em 9 de fevereiro de 1934, e a mais alta de 41 °C em 7 de agosto de 1918.[31] A precipitação é bem distribuída ao longo do ano, com oito a onze dias de chuva por mês e um total de 1 055 milímetros ao longo do ano. Em média, caem 57 centímetros de neve por ano.[30]

A queda de neve é ​​altamente variável, com alguns invernos tendo apenas neve leve, enquanto outros incluem grandes tempestades de neve. A queda de neve sazonal normal é de 22,4 pol. (57 cm), com raras nevascas em novembro ou abril e raramente qualquer cobertura de neve sustentada. O acúmulo sazonal de neve variou de quantias vestigiais em 1972–73 a 78,7 polegadas (200 cm) no inverno de 2009–10. A nevasca mais pesada da cidade foi a de 30,7 pol. (78 cm), ocorrida em janeiro de 1996 [32].

A precipitação é geralmente espalhada ao longo do ano, com oito a onze dias úmidos por mês, a uma taxa média anual de 41,5 polegadas (1.050 mm), mas historicamente variando de 29.31 in (744 mm) em 1922 a 64.33 in (1.634). mm) em 2011. A maior parte das chuvas registradas em um dia ocorreu em 28 de julho de 2013, quando 8,02 in (204 mm) caíram no Aeroporto Internacional da Filadélfia. Filadélfia tem um clima moderadamente ensolarado, com uma média de 2.500 horas de sol por ano, e uma porcentagem de sol variando de 47% em dezembro a 61% em junho, julho e agosto.

Dados climatológicos para Filadélfia (Aeroporto)[nota 1]
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 23 26 31 35 36 39 40 41 39 36 29 23 41
Temperatura máxima média (°C) 4,6 6,6 11,5 17,7 23,2 28,2 30,6 29,6 25,6 19,2 13,3 7,1 18,1
Temperatura mínima média (°C) -3,6 -2,4 1,3 6,7 12,2 17,7 20,7 19,9 15,7 9,1 4 -1,1 8,4
Temperatura mínima recorde (°C) -22 -24 -15 -10 -2 7 11 7 2 -4 -13 -21 -24
Precipitação (mm) 77 67,3 96,3 90,4 94,2 87,1 110,5 88,9 96 80,8 75,9 90,4 1 054,9
Queda de neve média (cm) 16,5 22,4 7,4 1,3 0 0 0 0 0 0 0,8 8,6 56,9
Dias com precipitação (≥ 0,01 in) 10,6 9,4 10,5 11,3 11,1 9,8 9,9 8,4 8,7 8,6 9,3 10,6 118,2
Dias com neve (≥ 0,1 in) 4,4 3,6 1,8 0,4 0 0 0 0 0 0 0,2 1,8 12,2
Umidade relativa (%) 66,2 63,6 61,7 60,4 65,4 67,8 69,6 70,4 71,6 70,8 68,4 67,7 67
Horas de sol 155,7 154,7 202,8 217 245,1 271,2 275,6 260,1 219,3 204,5 154,7 137,7 2 498,4
Fonte: National Oceanic and Atmospheric Administration (normal climatológica de 1981–2010, extremos: 1872–presente; umidade relativa e horas de sol: 1961–1990).[30][34][35]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

A história da arquitetura da Filadélfia remonta aos tempos coloniais e inclui uma grande variedade de estilos. As estruturas mais antigas foram construídas com troncos, mas as estruturas de tijolos eram comuns em 1700. Durante o século XVIII, a paisagem urbana era dominada pela arquitetura georgiana, incluindo o Independence Hall e a Christ Church.

Nas primeiras décadas do século XIX, Federal e grego Revival arquitetura foram os estilos dominantes produzidos por arquitetos de Filadélfia, como Benjamin Latrobe, William Strickland, John Haviland, John Notman, Thomas Walter e Samuel Sloan. Frank Furness é considerado o maior arquiteto da Filadélfia da segunda metade do século XIX. Seus contemporâneos incluíram John McArthur Jr., Addison Hutton, Wilson Eyre, os irmãos Wilson e Horace Trumbauer. Em 1871, a construção começou no estilo do segundo império da Filadélfia City Hall. A Philadelphia Historical Commission foi criada em 1955 para preservar a história cultural e arquitetônica da cidade. A comissão mantém o Registro de Locais Históricos de Filadélfia, acrescentando edifícios históricos, estruturas, locais, objetos e distritos da maneira que julgar mais adequada [36]

Em 1932, a Filadélfia tornou-se o lar do primeiro arranha-céu moderno da International Style nos Estados Unidos, o Edifício PSFS , projetado por George Howe e William Lescaze. A Prefeitura de 548 pés (167 m) permaneceu como o prédio mais alto da cidade até 1987, quando o One Liberty Place foi concluído. Numerosos arranha-céus de vidro e granito foram construídos em Center City no início dos anos 80. Em 2007, o Comcast Center superou One Liberty Place para se tornar o edifício mais alto da cidade. O Comcast Technology Center foi concluído em 2018, atingindo uma altura de 1.121 pés (342 m), como o prédio mais alto dos Estados Unidos fora de Manhattan e Chicago [37].

Durante grande parte da história da Filadélfia, a casa típica era a casa geminada. A casa geminada foi introduzida nos Estados Unidos através da Filadélfia no início do século XIX e, por um tempo, as casas geminadas construídas em outros lugares dos Estados Unidos eram conhecidas como "filas da Filadélfia". Uma variedade de casas geminadas são encontradas por toda a cidade, desde blocos contínuos em estilo federal na Cidade Velha e na Colina da Sociedade até casas em estilo vitoriano no norte da Filadélfia até casas geminadas no oeste da Filadélfia.

O centro de Filadélfia na margem esquerda do Rio Schuylkill e a estação 30th.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
179054 391
180081 00948,9%
1810111 21037,3%
1820137 09723,3%
1830188 79737,7%
1840258 03736,7%
1850408 76258,4%
1860565 52938,4%
1870674 02219,2%
1880847 17025,7%
18901 046 96423,6%
19001 293 69723,6%
19101 549 00819,7%
19201 823 77917,7%
19301 950 9617,0%
19401 931 334-1,0%
19502 071 6057,3%
19602 002 512-3,3%
19701 948 609-2,7%
19801 688 609-13,3%
19901 585 577-6,1%
20001 517 550-4,3%
20101 526 0060,6%
Fonte: US Census[3][38][39]

Evolução e distribuição[editar | editar código-fonte]

Sexta maior cidade do país,[40] Filadélfia conta com 1.448.394 habitantes no município e 5.951.797 habitantes em sua área metropolitana.[41]

Em meados do século XVIII, Filadélfia foi a maior cidade das treze colônias britânicas. Apesar deste crescimento espetacular, tem diminuído de forma constante no ranking das cidades americanas. Oprimido por Nova Iorque no final do século XVIII, por Chicago na década de 1880 e Los Angeles na década de 1950. O maior aumento da população de Filadélfia, realizada em finais do século XIX e início do século XX, a população dobrou entre 1880 e 1920, graças à imigração européia. Depois de um pico populacional em 1950 (dois milhões), a cidade foi evacuada em resposta aos problemas sociais: a classe média branca deixaram o município e mudaram-se para municípios próximos. Entre 1950 e 2000, Filadélfia perdeu mais de 480 mil habitantes. Apesar da política de revitalização dos bairros e gentrification em curso, a tendência contínua de redução (-4,5% entre 1990 e 2000[42]) ainda persevera.

A densidade de população de Filadélfia, comparável ao de Boston e Chicago, é de 4.337,3 habitantes por km².

Étnica e social[editar | editar código-fonte]

A distribuição étnica é caracterizada pelo fato de que nenhum grupo é a maioria: a proporção de brancos é relativamente baixa (45%) em comparação com a média nacional (74%) e do estado da Pensilvânia (88%). Em 2005, 183.329 pessoas afirmaram ter antepassados irlandeses, 121.397 pessoas afirmaram possuir ascendência italiana e 106.339 ascendência alemã.[43] Estas três comunidades formadas por descendentes de imigrantes dos anos 1880-1920, marca a vida cultural de Filadélfia.

Afro-americanos formam uma grande comunidade (43,2% do total). Este grupo concentra-se nas áreas situadas a oeste e norte da cidade. A proporção de latinos é menor (8,5%) do que no resto do país, mas cresce consideravelmente. A comunidade jamaicana é a segunda maior do país (97.689 pessoas em 2005[43]) estão melhor representados entre os hispânicos. A população asiática representa 4,5% da população de Filadélfia: O principal é a comunidade chinesa, um número estimado de 20.539 pessoas em 2005[43]), o segundo maior número da Costa Leste, depois de Nova Iorque. Chinatown, um bairro típico chinês, está localizada no centro da cidade em torno Race Street, entre as ruas 8 e 11.

A taxa de pessoas vivendo abaixo da linha de pobreza é de 24,5%, duas vezes maior que a média do Estado.[44] Fica bem acima da média nacional (13,3%). A renda média anual per capita é $ 19,140.[45] Entre as grandes cidades de BosWash, Filadélfia é a mais pobre.[46] A taxa de desemprego, com 5,7% da População economicamente ativa, em 2007, é superior à média nacional.[47]

Em relação ao crime, Filadélfia ocupa a sexta posição no ranking das cidades com população superior aos 500.000 habitantes, sendo a mais perigosa dos Estados Unidos.[48] Em 2004, 377 homicídios foram registrados, principalmente nos guetos, uma taxa de 25,6 por 100.000 habitantes, enquanto a média nacional é de 6,9 e a de Nova Iorque é de 6,6.[49] Em 2006, o número de homicídios somaram 406.

A percentagem de licenciados é mais baixa do que no resto da Pensilvânia. No entanto, o número de estudantes é grande (107.519 em 2005, ou 13,5% da população total), devido à presença de muitas instituições de ensino superior no território do município. Utilitários, municipal ou privado para atender a maioria dos empregos. O setor emprega 8% da força de trabalho, pouco mais de 45 mil pessoas em 2005.

Economia[editar | editar código-fonte]

Filadélfia é o centro da atividade econômica da Pensilvânia, com a sede de cinco empresas da Fortune 1000 localizadas dentro dos limites da cidade. A partir de 2019, estima-se que a área metropolitana da Filadélfia produza um produto metropolitano bruto (BPF) de US $ 490 bilhões, um aumento em relação aos US $ 445 bilhões calculados pelo Bureau of Economic Analysis para 2017, representando o oitavo maior Economia metropolitana dos EUA [50]. O GaWC classificou a Filadélfia na categoria Beta das cidades em sua classificação de 2018 nas cidades globais [51].

Os setores econômicos da Filadélfia incluem serviços financeiros, assistência médica, biotecnologia, tecnologia da informação, comércio e transporte, manufatura, refino de petróleo, processamento de alimentos e turismo. As atividades financeiras representam o maior setor econômico da região metropolitana, que também é um dos maiores centros de educação e pesquisa em saúde dos Estados Unidos. A taxa de desemprego anual da Filadélfia foi de 7,8% em 2014, abaixo dos 10% do ano anterior. Isso é superior à média nacional de 6,2%. Da mesma forma, a taxa de novos empregos adicionados à economia da cidade ficou para trás do crescimento do emprego nacional. Em 2014, cerca de 8.800 empregos foram adicionados à economia da cidade. Os setores com o maior número de empregos adicionados foram: educação e saúde, lazer e hospitalidade e serviços profissionais e empresariais. Houve declínios nos setores manufatureiro e governamental da cidade [52].

Cerca de 31,9% da população da cidade não estava na força de trabalho em 2015, o segundo maior percentual depois de Detroit. Os dois maiores empregadores da cidade são os governos federal e municipal. O maior empregador privado da Filadélfia é a Universidade da Pensilvânia, seguida pelo Hospital Infantil da Filadélfia. Um estudo encomendado pelo governo da cidade em 2011 projetou que 40.000 empregos seriam adicionados à cidade dentro de 25 anos, aumentando o número de empregos de 675.000 em 2010 para um número estimado de 715.000 em 2035.

Corporações[editar | editar código-fonte]

Bolsa de Valores da Filadélfia, a mais antiga bolsa de valores dos Estados Unidos.

A cidade abriga a Bolsa de Valores de Filadélfia e a sede da televisão por cabo e do provedor de internet Comcast, as companhias de seguros Cigna, Colonial Penn e Independence Blue Cross, empresa de serviços alimentícios Aramark, fabricantes de produtos químicos FMC Corporation e Rohm and Haas, empresa farmacêutica GlaxoSmithKline, varejista de roupas Urban Outfitters, varejista de peças automotivas Pep Boys e produtor de aço inoxidável Carpenter Technology Corporation. A sede da Boeing Rotorcraft Systems, e sua principal fábrica de aeronaves rotativas, estão no subúrbio de Ridley Park, na Filadélfia, na Pensilvânia, enquanto o The Vanguard Group está sediado em Malvern, na Pensilvânia.

Tecnologia e biotecnologia[editar | editar código-fonte]

Torre FMC em Cira Center South.

A Filadélfia surgiu como um centro de tecnologia da informação e biotecnologia. Filadélfia e Pensilvânia estão atraindo novos empreendimentos em ciências da vida. A área metropolitana da Filadélfia, compreendendo o vale do Delaware, também se tornou um centro crescente de financiamento de capital de risco.

Turismo[editar | editar código-fonte]

A história da Filadélfia atrai muitos turistas, com o Independence National Historical Park (que inclui o Liberty Bell, o Independence Hall e outros locais históricos) recebendo mais de 5 milhões de visitantes em 2016 [53]. A cidade recebeu 42 milhões de turistas domésticos em 2016, que gastaram US $ 6,8 bilhões, gerando um impacto econômico total estimado em US $ 11 bilhões na cidade e nos quatro municípios da Pensilvânia.

Comércio e transporte[editar | editar código-fonte]

O Aeroporto Internacional da Filadélfia está passando por uma expansão de infraestrutura de US $ 900 milhões para aumentar a capacidade dos passageiros e aumentar a experiência dos passageiros [54]; enquanto o Porto da Filadélfia, tendo experimentado o maior crescimento percentual de tonelagem carregada em 2017 entre os principais portos marítimos dos EUA, estava dobrando sua capacidade para acomodar navios de porte pós-Panamax de tamanho grande em 2018 [55], da Filadélfia 30 Street Station é o terceiro mais movimentado- Amtrak hub ferroviário, seguindo Penn Station em Manhattan e Union Station em Washington, DC, transportando mais de 4 milhões de passageiros ferroviários entre cidades anualmente.

Educação[editar | editar código-fonte]

Educação primária e secundária[editar | editar código-fonte]

A educação na Filadélfia é fornecida por muitas instituições públicas e privadas. O distrito escolar da Filadélfia administra as escolas públicas da cidade. O Distrito Escolar da Filadélfia é o oitavo maior distrito escolar dos Estados Unidos com 142.266 estudantes em 218 escolas públicas tradicionais e 86 escolas charter a partir de 2014.

K-12 matrículas da cidade em escolas dirigidas pela distrital caiu de 156,211 estudantes em 2010 para 130,104 estudantes em 2015. Durante o mesmo período, a matrícula em escolas charter aumentou de 33.995 alunos em 2010 para 62,358 estudantes em 2015. Este uma queda consistente nas matrículas levou a cidade a fechar 24 de suas escolas públicas em 2013. Durante o ano letivo de 2014, a cidade gastou uma média de US $ 12.570 por aluno, abaixo da média entre distritos escolares urbanos comparáveis [56].

Enquanto isso, as taxas de graduação nas escolas administradas pelo distrito aumentavam constantemente nos dez anos a partir de 2005. Em 2005, a Filadélfia possuía uma taxa de graduação distrital de 52%. Esse número aumentou para 65% em 2014, ainda abaixo das médias nacional e estadual. Pontuações no teste padronizado do estado, o Sistema de Avaliação Escolar da Pensilvânia (PSSA) subiu de 2005 para 2011, mas posteriormente diminuiu. Em 2005, as escolas administradas pelo distrito obtiveram uma média de 37,4% em matemática e 35,5% em leitura. As escolas da cidade atingiram seu pico em 2011 com 59,0% em matemática e 52,3% em leitura. Em 2014, as pontuações caíram significativamente para 45,2% em matemática e 42,0% em leitura.

Ensino superior[editar | editar código-fonte]

A Filadélfia tem a terceira maior concentração de estudantes na costa leste, com mais de 120.000 estudantes de faculdades e universidades matriculados na cidade e quase 300.000 na área metropolitana [57]. Mais de 80 faculdades, universidades, comércio e escolas especializadas estão localizadas na região da Filadélfia. Um dos membros fundadores da Associação de Universidades Americanas está na cidade, a Universidade da Pensilvânia, uma instituição da Ivy League que afirma ser a universidade mais antiga do país.

A maior escola da cidade em número de estudantes é a Temple University, seguida pela Drexel University [58]. A Universidade da Pensilvânia, Temple University, Drexel University e Thomas Jefferson University compreendem as universidades de pesquisa com classificação nacional da cidade. Filadélfia é também o lar de cinco escolas de medicina: Drexel University College of Medicine, Escola de Medicina de Perelman na Universidade da Pensilvânia, Filadélfia Faculdade de Medicina Osteopática, Escola de Medicina da Universidade de Temple, e da Universidade Thomas Jefferson Sidney Kimmel Medical College. Hospitais, universidades e instituições de pesquisa de ensino superior nos quatro distritos do Congresso da Filadélfia receberam mais de US $ 252 milhões em subsídios do National Institutes of Health em 2015 [59].

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transporte[editar | editar código-fonte]

A Estação da 30th Streett vista em 2016, acomoda o serviço SEPTA Regional Rail e Amtrak.

A Filadélfia é atendida pela Autoridade de Transporte do Sudeste da Pensilvânia (SEPTA), que opera ônibus, trens, trânsito rápido (metrô e trens elevados ), bondes e bondes sem trilhos (ônibus elétricos) por toda a Filadélfia, os quatro condados suburbanos da Pensilvânia, em Bucks, Chester, Delaware e Montgomery, além de atender ao Condado de Mercer, Nova Jersey (Trenton) e Condado de New Castle, Delaware ( Wilmington e Newark, Delaware).[60] O sistema de metrô da cidade consiste em duas rotas: a seção de metrô da Market-Frankford Line que corre leste-oeste sob a Market Street, que abriu em 1905 a oeste e 1908 a leste da City Hall, e a Broad Street Line em execução norte-sul abaixo da Broad Street, que abriu em etapas de 1928 a 1938.

Trem da Market-Frankford Line com partida da estação 52nd Street.

A partir da década de 1980, grandes seções do serviço ferroviário regional SEPTA para os subúrbios longínquos da Filadélfia foram interrompidas devido à falta de financiamento para manutenção de equipamentos e infraestrutura [61].

A 30th Street Station da Filadélfia é uma importante estação ferroviária no corredor nordeste da Amtrak, com 4,4 milhões de passageiros em 2017, tornando-a a terceira estação mais movimentada do país, depois da Estação Pensilvânia de Nova York e da Estação Union de Washington. 30th Street Station oferece acesso às linhas Amtrak,[62] SEPTA, e NJ Transit [63]. Mais de 12 milhões de passageiros ferroviários SEPTA e NJ Transit usam a estação todos os anos e mais de 100.000 pessoas em um dia útil médio.

A PATCO Speedline fornece serviço de transporte rápido para Camden, Collingswood, Westmont, Haddonfield, Woodcrest (Cherry Hill) , Ashland (Voorhees) e Lindenwold, Nova Jersey, a partir das estações na Locust Street entre 16 e 15, 13 e 12 e 10 e 10 e 9th Streets, e na Market Street na 8th Street [64].

Aeroportos[editar | editar código-fonte]

Dois aeroportos atendem à Filadélfia: o Aeroporto Internacional da Filadélfia (PHL) está localizado a 11 km ao sul-sudoeste de Center City, na fronteira com o Condado de Delaware, fornecendo serviço aéreo doméstico e internacional programado, enquanto o Aeroporto Nordeste da Filadélfia (PNE) é um aeroporto de alívio geral da aviação no nordeste da Filadélfia que serve a aviação geral e corporativa.O Aeroporto Internacional da Filadélfia está entre os aeroportos mais movimentados do mundo, medidos por movimentos de tráfego (ou seja, decolagens e aterrissagens)[65].Mais de 30 milhões de passageiros passam anualmente pelo aeroporto em 25 companhias aéreas, incluindo todas as principais transportadoras domésticas. O aeroporto tem quase 500 partidas diárias para mais de 120 destinos em todo o mundo.

Estradas[editar | editar código-fonte]

Tráfico em direção a Filadélfia na Insterstate 95 pela manhã.

William Penn planejou a Filadélfia com ruas numeradas atravessando o norte e o sul, e ruas nomeadas por árvores, como Chestnut, Walnut e Mulberr, atravessando o leste e o oeste. As duas ruas principais foram nomeadas Broad Street (a artéria norte-sul , desde a designada Rota da Pensilvânia 611) e High Street (a artéria leste-oeste, depois de renomeada Market Street) convergindo na Center Square, que mais tarde se tornou o local da Prefeitura.

A Interstate 95 (Delaware Expressway) atravessa as margens sul e leste da cidade ao longo do rio Delaware como a principal estrada de acesso controlado norte-sul , conectando Filadélfia a Newark, Nova Jersey e Nova York ao norte e Baltimore e Washington, DC ao sul. A cidade também é servida pela Interstate 76 (a Schuylkill Expressway), que corre ao longo do rio Schuylkill, cruzando a estrada da Pensilvânia no King of Prussia e fornecendo acesso a Harrisburg e pontos a oeste [66].

O Roosevelt Boulevard e a Expressway,conectam o nordeste da Filadélfia ao Center City pela I-76 através do Fairmount Park. A Woodhaven Road ( Rota 63) e a Cottman Avenue ( Rota 73) servem os bairros do nordeste da Filadélfia, entre a I-95 e o Roosevelt Boulevard. A Fort Washington Expressway ( Rota 309 ) se estende para o norte a partir da fronteira norte da cidade, servindo o Condado de Montgomery e o Condado de Bucks. A Rota 30 dos EUA ( Lancaster Avenue) se estende para o oeste do oeste da Filadélfia até Lancaster.

Serviços de utilidade pública[editar | editar código-fonte]

Fairmount Water do Rio Schuylkill, o segundo sistema hidráulico municipal da Filadélfia.

Pureza e disponibilidade da água[editar | editar código-fonte]

Em 1815, a Filadélfia começou a abastecer sua água através da Fairmount Water Works, localizada no rio Schuylkill, o primeiro grande sistema urbano de abastecimento de água do país. Em 1909, o Water Works foi desativado quando a cidade passou para os métodos modernos de filtragem de areia.Hoje, o Departamento de Água da Filadélfia (PWD) fornece água potável, coleta de águas residuais e serviços de águas pluviais para a Filadélfia, bem como para os municípios vizinhos. A PWD retira cerca de 57% de sua água potável do rio Delaware e a balança do rio Schuylkill [67].A cidade possui duas plantas de filtragem no rio Schuylkill e uma no rio Delaware. As três plantas podem tratar até 546 milhões de galões de água por dia, enquanto a capacidade total de armazenamento da planta e do sistema de distribuição combinados excede um bilhão de galões. O sistema de águas residuais consiste em três plantas de controle de poluição da água, 21 estações de bombeamento e cerca de 3.687 milhas (5.885 km) de esgotos.

Eletricidade[editar | editar código-fonte]

A subsidiária da Exelon PECO Energy Company, fundada como a Brush Electric Light Company da Filadélfia em 1881 e renomeada Philadelphia Electric Company (PECO) em 1902, fornece eletricidade a cerca de 1,6 milhão de clientes e mais de 500.000 clientes de gás natural na região sudeste da Pensilvânia, incluindo a cidade da Filadélfia e da maioria de seus subúrbios [68]. A PECO é a maior empresa de eletricidade e gás natural do estado, com 472 subestações de energia e quase 23.000 milhas (37.000 km) de linhas de transmissão e distribuição elétrica, além de 19.000 km (19.000 km) de transmissão, distribuição e serviço de gás natural.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Independence Hall, onde a Declaração da Independência e a Constituição foram adotadas.

A Filadélfia é o lar de muitos locais históricos nacionais relacionados à fundação dos Estados Unidos. O Parque Histórico Nacional da Independência é o centro desses marcos históricos, sendo um dos 22 Patrimônios Mundiais da UNESCO. O Independence Hall, onde a Declaração de Independência foi assinada, e o Liberty Bell são as atrações mais famosas da cidade. Outros locais históricos nacionais incluem as casas de Edgar Allan Poe e Thaddeus Kosciuszko, edifícios governamentais antigos como o Primeiro e o Segundo Banco dos Estados Unidos. Filadélfia sozinha tem 67 marcos históricos nacionais, o terceiro mais de qualquer cidade do país.

Os principais museus de ciências da Filadélfia incluem o Instituto Franklin, que contém o Memorial Nacional Benjamin Franklin; a Academia de Ciências Naturais; o Museu Mütter e o Museu de Arqueologia e Antropologia da Universidade da Pensilvânia. Os museus de história incluem o National Constitution Center, o Museu da Revolução Americana, o Museu de História da Filadélfia o Museu Nacional de História Judaica Americana, o Museu Afro-americano na Filadélfia, a Sociedade Histórica da Pensilvânia, a Biblioteca Maçônica e o Museu da Pensilvânia no Templo Maçônico e a Penitenciária Estadual do Leste.

A cidade abriga importantes repositórios de arquivos, incluindo a Library Company of Philadelphia, fundada em 1731 por Benjamin Franklin[69] e o Athenaeum of Philadelphia, fundado em 1814. A Sociedade Histórica Presbiteriana é a mais antiga sociedade histórica denominacional do país, organizado em 1852 [70].

Artes[editar | editar código-fonte]

A cidade contém muitos museus de arte, como a Academia de Belas Artes da Pensilvânia e o Museu Rodin, que abriga a maior coleção de obras de Auguste Rodin fora da França. O principal museu de arte da cidade, o Museu de Arte da Filadélfia, é um dos maiores museus de arte do mundo. O longo lance de escadas para a entrada principal do Museu de Arte tornou-se famoso após o filme Rocky (1976) [71].

Keys To Community, um busto de Benjamin Franklin por James Peniston, 2007.

Áreas como South Street e Old City têm uma vida noturna vibrante. A Avenue of the Arts em Center City contém muitos restaurantes e teatros, como o Centro Kimmel de Artes Cênicas, lar da Orquestra da Filadélfia, e a Academia de Música, lar da Opera Philadelphia e do Ballet da Pensilvânia [72]. O Wilma Theatre e a Philadelphia Theatre Company, no Suzanne Roberts Theatre, produzem uma variedade de novas peças.

A Filadélfia tem mais arte pública do que qualquer outra cidade americana. Em 1872, a Associação de Arte Pública (ex-Fairmount Park Art Association) foi criada como a primeira associação privada nos Estados Unidos dedicada a integrar a arte pública e planejamento urbano [73].

A Filadélfia tem mais murais do que qualquer outra cidade dos EUA, graças em parte à criação, em 1984, do Programa de Artes Murais do Departamento de Recreação , que visa embelezar os bairros e fornecer uma saída para os grafiteiros. O programa financiou mais de 2.800 murais de profissionais, funcionários e artistas voluntários e educou mais de 20.000 jovens em bairros carentes em toda a Filadélfia [74].

Música[editar | editar código-fonte]

A Filadélfia desempenhou um papel proeminente na música dos Estados Unidos. A cultura da música popular americana tem sido influenciada por contribuições significativas dos músicos e produtores da área da Filadélfia, tanto na indústria de gravação quanto na de transmissão. Em 1952, o programa de dança de adolescentes chamado Bandstand estreou na televisão local, apresentado por Bob Horn. O show foi renomeado American Bandstand em 1957, quando começou a distribuição nacional na ABC, organizada por Dick Clark e produzida na Filadélfia até 1964, quando se mudou para Los Angeles. Os promotores comercializaram artistas musicais jovens conhecidos como ídolos teens para atrair o público jovem. Vários cantores nasceram em Filadélfia, como Frankie Avalon, James Darren, Eddie Fisher, Fabian Forte e Bobby Rydell.

Culinária[editar | editar código-fonte]

Os Restaurantes Pat's Steaks e Geno's Steaks.

A cidade é conhecida por seus sanduíches gigantes, Stromboli, sanduíche de porco assado, scrapple, pretzels suaves, gelo de água, doces de batata irlandesa, Tastykakes, e o sanduiches submarino que foi desenvolvido por imigrantes italianos [75]. A área de Filadélfia tem muitos estabelecimentos que servem cheesesteaks, incluindo restaurantes, tabernas, delicatessens e pizzarias [76]. O criador do sanduíche de filé finamente fatiado na década de 1930, inicialmente sem queijo, é o Pat´s Steaks, que enfrenta o seu rival Geno Steaks, fundada em 1966, através da intersecção de 9th Street e Passyunk Avenue no mercado italiano de South Philadelphia.

O Reading Terminal Market é um mercado histórico de alimentos fundado em 1893 no edifício do Reading Terminal, designado National Historic Landmark. O mercado fechado é um dos maiores e mais antigos mercados do país, abrigando mais de cem comerciantes oferecendo especialidades holandesas da Pensilvânia, queijos e carnes artesanais, mantimentos cultivados localmente e comidas especiais e étnicas [77].

Esportes[editar | editar código-fonte]

A cidade da Filadélfia é umas das 13 cidades dos Estados Unidos que possui time em cada uma das quatro grandes ligas profissionais. A cidade é casa do time de beisebol Philadelphia Phillies, fundado em 1883 é o mais antigo time profissional do país ainda em atividade e que nunca mudou de cidade, manda seus jogos no Citizens Bank Park, o time de futebol americano Philadelphia Eagles que joga no Lincoln Financial Field, o time de basquetebol Philadelphia 76ers e o time hóquei no gelo Philadelphia Flyers que jogam no Wells Fargo Center.

Pontos Turísticos[editar | editar código-fonte]

Panorama do centro financeiro de Filadélfia.

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Filadélfia tem dez cidades-irmãs, designadas pelo Conselho Internacional de Visitantes de Filadélfia[78]:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Os registros oficiais de temperatura e precipitação para Filadélfia foram mantidos pelo Weather Bureau Office de janeiro de 1872 a 19 de junho de 1940, e no aeroporto de 20 de junho de 1940 até o presente.[33] Os registros de queda de neve são contados a partir de 1º de janeiro de 1884 e registros de profundidade de neve desde 1º de outubro de 1948.[30] Desde 2006, as medições de queda de neve foram transferidas do National Park, do outro lado do Rio Delaware, para o aeroporto.

Referências

  1. Philadelphia Population, World Population Review.
  2. a b «Population and Housing Occupancy Status: 2010 - United States -- Combined Statistical Area with Metropolitan and Micropolitan Statistical Area Components; and for Puerto Rico» (em inglês). United States Census Bureau. Consultado em 27 de setembro de 2011 
  3. a b c «GCT-PH1 - Population, Housing Units, Area, and Density: 2010 - State -- County / County Equivalent» (em inglês). United States Census Bureau. Consultado em 13 de setembro de 2011 
  4. «Philadelphia». Top Universities (em inglês). 30 de novembro de 2015. Consultado em 27 de novembro de 2019 
  5. «U.S. metro areas - ranked by Gross Metropolitan Product (GMP) 2020». Statista (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2019 
  6. «VISIT PHILADELPHIA | Visitphilly.com». Visit Philadelphia (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2019 
  7. «FPAA: Public Art in Philadelphia». web.archive.org. 10 de agosto de 2011. Consultado em 27 de novembro de 2019 
  8. «Chinese company helps boost Philadelphia as biotech sector - USA - Chinadaily.com.cn». usa.chinadaily.com.cn. Consultado em 27 de novembro de 2019 
  9. Predefinição:Citar book
  10. «Penn treaty timeeline» (em inglês). Willian Penn Museum. Consultado em 19 de abril de 2010 
  11. François Lebrun, O século do século XVII Paris, Armand Colin, 1993, (ISBN 2200214618), p.217
  12. Karin Brookes, Insight Guides: Philadelphia e seus arredores, APA Publications, 2 ª edição, 2005, p.21, (ISBN 1585730262)
  13. «Willian Penn» (em inglês). Pennsylvania Historical & Museum Commision. Consultado em 19 de abril de 2010 
  14. a b c d e f g «Philadelphia history» (em inglês). City-Data. Consultado em 23 de abril de 2010  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Philadelphia history" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  15. a b c d Jacques Binoche, História dos Estados Unidos, Paris, elipses, 2003, p.26-27
  16. «Philadelphia» (em inglês). Pennsylvania Historical & Museum Commision. Consultado em 19 de abril de 2010 
  17. «Philadelphia county» (em inglês). Pennsylvania States Archives. Consultado em 19 de abril de 2010. Arquivado do original em 14 de maio de 2011 
  18. Elise Marienstras, Naomi Wulf, revoltas e revoluções na América, Atland, 2005, p.45
  19. a b Jacques Binoche, História dos Estados Unidos, Paris, elipses, 2003, p. 36
  20. Stacy Schiff, William Desmond Olivier (trad.), a improvisação Grande. Benjamin Franklin, a França eo nascimento dos Estados Unidos, Paris, Grasset, 2006 (ISBN 9782246629610), p.30
  21. Weigley RF et al. Philadelphia: Uma História de 300 anos, Nova York, Londres, W. W. Norton & Company, 1982 (ISBN 0393016102), p.68-69
  22. Stacy Schiff, William Desmond Olivier (trad.), a improvisação Grande. Benjamin Franklin, a França eo nascimento dos Estados Unidos, Paris, Grasset, 2006 (ISBN 9782246629610), p.108
  23. a b Bernard Cottret, A Revolução Americana: A busca da felicidade 1763-1787, Paris, Perrin, 2003, (ISBN 2-262-01821-9), p.212
  24. François Weil, "História de Nova York, Paris, Fayard, 2005 (ISBN 2213618569), p.35
  25. Weigley RF et al. Philadelphia: Uma História de 300 anos, Nova York, Londres, W. W. Norton & Company, 1982 (ISBN 0393016102), p.212-214
  26. a b Robert Belot, Daniel Bermond, Bartholdi, Paris, Perrin, 2004, p.301
  27. Weigley RF et al. Philadelphia: Uma História de 300 anos, Nova York, Londres, W. W. Norton & Company, 1982 (ISBN 0393016102), p.707
  28. «Statistics Philadelphia» (em inglês). usa cities. Consultado em 23 de abril de 2010 
  29. Climate Summary for Philadelphia, Pennsylvania
  30. a b c d «NowData - NOAA Online Weather Data» (em inglês). National Oceanic and Atmospheric Administration. Consultado em 14 de dezembro de 2011 
  31. «Philadelphia Record Highs and Lows» (em inglês). Consultado em 3 de abril de 2007 
  32. Lipman, Don (7 de janeiro de 2013). «One wild storm: A look back at the 'Blizzard of '96'». Washington Post (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2019 
  33. ThreadEx
  34. «Station Name: PA PHILADELPHIA INTL AP» (em inglês). National Oceanic and Atmospheric Administration. Consultado em 13 de março de 2014 
  35. «WMO Climate Normals for PHILADELPHIA/INT'L ARPT PA 1961–1990». National Oceanic and Atmospheric Administration. Consultado em 11 de março de 2014 
  36. «Philadelphia Historical Commission | Homepage». City of Philadelphia (em inglês). Consultado em 21 de junho de 2019 
  37. «VISIT PHILADELPHIA | Visitphilly.com». Visit Philadelphia (em inglês). Consultado em 21 de junho de 2019 
  38. «GCT-PH1-R - Population, Housing Units, Area, and Density (geographies ranked by total population): 2000 - Geography: State -- County - State -- County / County Equivalent» (em inglês). United States Census Bureau. Consultado em 15 de agosto de 2011 
  39. «Censo histórico de todos os condados da Pensilvânia (1900 a 1990)» (em inglês). United States Census Bureau. Consultado em 17 de junho de 2010 
  40. «Census» (PDF) (em inglês). Census 2000. Consultado em 23 de abril de 2010 
  41. «Population» (em francês). PopulationData.net. Consultado em 23 de abril de 2010 
  42. «Philadelphia:population profile» (em inglês). City-Data. Consultado em 23 de abril de 2010 
  43. a b c «Demographic» (em inglês). Census.gov. Consultado em 23 de abril de 2010 
  44. «Philadelphia city» (em inglês). Census.gov. Consultado em 23 de abril de 2010 
  45. «Philadelphia city, Pennsylvania Selected Economic Characteristics: 2005» (em inglês). Census.gov. Consultado em 27 de abril de 2010 
  46. Em comparação, a renda média anual per capita é de $ 30,167 em Boston e Washington, DC $ 37,569
  47. «Estatísticas de desemprego em Filadélfia» (PDF) (em inglês). Bureau of Labor Statistics. Consultado em 27 de abril de 2010. Arquivado do original (PDF) em 15 de julho de 2007 
  48. «City Crime Rankings by Population» (em inglês). Morganquitno. Consultado em 27 de abril de 2010. Arquivado do original em 11 de dezembro de 2006 
  49. «Philadelphia PA Crime Statistics (2006 Crime Data)» (em inglês). areaconnect. Consultado em 27 de abril de 2010 
  50. apps.bea.gov https://apps.bea.gov/itable/drilldown.cfm?reqid=70&stepnum=40&Major_Area=5&State=37980&Area=XX&TableId=501&Statistic=1&Year=2017&YearBegin=-1&Year_End=-1&Unit_Of_Measure=Levels&Rank=1&Drill=1&nRange=5. Consultado em 27 de novembro de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  51. «GaWC - The World According to GaWC 2018». www.lboro.ac.uk. Consultado em 27 de novembro de 2019 
  52. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 6 de junho de 2017. Consultado em 27 de novembro de 2019 
  53. Philadelphia, Mailing Address: 143 S. 3rd Street; Us, PA 19106 Phone:965-2305 Contact. «Park Statistics - Independence National Historical Park (U.S. National Park Service)». www.nps.gov (em inglês). Consultado em 28 de novembro de 2019 
  54. Loyd, Linda. «Philly airport gets $16.5 million federal grant for runway improvements». https://www.inquirer.com (em inglês). Consultado em 28 de novembro de 2019 
  55. «After strongest US growth, Philadelphia port to double capacity». www.joc.com (em inglês). 5 de abril de 2018. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  56. Hurdle, Jon (7 de março de 2013). «Philadelphia Officials Vote to Close 23 Schools». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  57. Florida, Richard. «America's Leading College Towns». CityLab (em inglês). Consultado em 28 de novembro de 2019 
  58. www.bizjournals.com https://www.bizjournals.com/philadelphia/blog/sharon-oliver/2011/10/the-phila-areas-biggest-colleges.html. Consultado em 28 de novembro de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  59. «NIH Awards by Location and Organization - NIH Research Portfolio Online Reporting Tools (RePORT)». report.nih.gov. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  60. «SEPTA | Clickable Regional Rail & Rail Transit Map». www.septa.org. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  61. «Wayback Machine». web.archive.org. 7 de maio de 2016. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  62. «Philadelphia, PA - 30th Street Station (PHL) | Amtrak». www.amtrak.com (em inglês). Consultado em 28 de novembro de 2019 
  63. «New Jersey Transit». www.njtransit.com. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  64. «PATCO». www.ridepatco.org. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  65. «12 months - 2017 - Aircraft Movements - Monthly Traffic Data». ACI World (em inglês). Consultado em 28 de novembro de 2019 
  66. «OpenStreetMap». OpenStreetMap. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  67. «City of Philadelphia: About Philadelphia Water». www.phila.gov. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  68. «Company Information | PECO - An Exelon Company». www.peco.com. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  69. «About LCP – The Library Company of Philadelphia» (em inglês). Consultado em 21 de agosto de 2019 
  70. «About | Presbyterian Historical Society». www.history.pcusa.org. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  71. «Dallas Morning News | News for Dallas, Texas | Travel: United States». web.archive.org. 20 de agosto de 2006. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  72. «Dallas Morning News | News for Dallas, Texas | Travel: United States». web.archive.org. 20 de agosto de 2006. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  73. «Forget Paris». web.archive.org. 3 de dezembro de 2007. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  74. «Mural Arts Program: About Us». web.archive.org. 8 de dezembro de 2007. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  75. «Rick's Steaks takes Reading Terminal Market dispute to court | Philadelphia Inquirer | 07/30/2007». web.archive.org. 24 de janeiro de 2008. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  76. «Top 10 Spots for Authentic Philly Cheesesteaks». Visit Philadelphia (em inglês). Consultado em 21 de agosto de 2019 
  77. «About Us – Reading Terminal Market» (em inglês). Consultado em 21 de agosto de 2019 
  78. «Department of Commerce» (em inglês). Governo municipal de Filadélfia. Consultado em 23 de abril de 2010 
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Filadélfia
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Filadélfia
Ícone de esboço Este artigo sobre geografia dos Estados Unidos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.