Trem suburbano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Trem urbano)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Trem urbano da CPTM, em São Paulo.

Trem urbano, Trem de subúrbio, Trem suburbano, Trem metropolitano (português brasileiro) ou Comboio urbano, Comboio de subúrbio, Comboio suburbano, Comboio metropolitano (português europeu) é um serviço de transporte ferroviário de passageiros que opera principalmente dentro de uma área metropolitana, conectando passageiros a uma cidade grande a partir de subúrbios ou cidades adjacentes.[1][2] Geralmente, os sistemas ferroviários são considerados pesados, usando trens eletrificados ou a diesel.[2] Tarifas de distância ou divisões em zonas de preços também podem ser usados.

O termo pode se referir a sistemas com uma ampla variedade de recursos e frequências de serviço diferentes, mas é frequentemente usado em contraste com o metrô ou o VLT. Estes trens desempenham um papel importante na vida econômica da cidade porque eles carregam um grande número de trabalhadores em um ritmo chamado de "pendular", na manhã da periferia para o centro e à noite na direção oposta.

Características[editar | editar código-fonte]

A maioria dos trens urbanos (ou suburbanos) é construída de acordo com os padrões ferroviários da linha principal,[carece de fontes?]diferindo dos sistemas de trem leve ou de metrô por:

  • serem maiores
  • proporcionar mais assentos e menos espaço, devido às distâncias mais longas envolvidas
  • ter (na maioria dos casos) uma frequência de serviço mais baixa
  • ter serviços programados (ou seja, trens circulam em horários específicos e não em intervalos específicos)
  • servir áreas suburbanas de menor densidade, conectando tipicamente subúrbios ao centro da cidade
  • compartilhar a linha com trens interurbanos ou de carga
  • não ser totalmente separado por grau (contendo passagens na série com portões de cruzamento)
  • ser capaz de pular certas estações como um serviço expresso devido a ser normalmente controlado pelo motorista.

Horários[editar | editar código-fonte]

Comparado ao metrô, os trens suburbanos geralmente têm frequência mais baixa, seguindo um cronograma, em vez de intervalos fixos, e menos estações espaçadas. Eles atendem principalmente áreas suburbanas de menor densidade (fora da cidade) e geralmente compartilham a passagem com trens interurbanos ou de carga. Alguns serviços operam apenas durante o horário de pico e outros usam menos partidas durante o horário de pico e fins de semana. As velocidades médias são altas, geralmente 50 km/h ou mais. Essas velocidades mais altas atendem melhor as distâncias maiores envolvidas. Alguns serviços incluem serviços expressos que pulam algumas estações para funcionar mais rapidamente e separar os passageiros de longa distância dos de curta distância.[carece de fontes?]

O alcance geral da distância dos trens varia entre 15 e 200 km. Às vezes, longas distâncias podem ser explicadas pelo fato de o trem circular entre duas ou várias cidades (por exemplo, o S-Bahn na área do Vale do Ruhr na Alemanha). As distâncias entre as estações podem variar, mas geralmente são muito maiores do que as dos sistemas ferroviários urbanos. Nos centros das cidades, o trem tem uma estação terminal ou passa pelo centro da cidade com muito menos paradas do que as dos sistemas ferroviários urbanos. Os banheiros geralmente estão disponíveis a bordo dos trens e nas estações.

Bitola[editar | editar código-fonte]

Sua capacidade de coexistir com serviços de trens de carga ou intermunicipal na mesma linha pode reduzir drasticamente os custos de construção do sistema. No entanto, frequentemente eles são construídos com faixas dedicadas dentro dessa prioridade para evitar atrasos, especialmente onde as densidades de serviço convergem nas partes internas da rede.

A maioria desses trens possuem bitola padrão local. Alguns sistemas podem funcionar em com uma bitola mais estreita ou mais ampla. Exemplos de sistemas de bitola estreita são encontrados no Japão, Indonésia, Malásia, Tailândia, Suíça, nos sistemas de Brisbane (Queensland Rail) e Perth (Transperth) na Austrália, em alguns sistemas na Suécia e na linha Gênova-Casella em Itália. Alguns países e regiões, incluindo Finlândia, Índia, Paquistão, Rússia, Brasil e Sri Lanka, além de São Francisco (BART) nos EUA e Melbourne e Adelaide na Austrália, usam faixas de bitola larga.

Diferenças com outros sistemas de transporte ferroviário[editar | editar código-fonte]

Metrô[editar | editar código-fonte]

Não existe basicamente uma diferença conceitual que diferencie os metrôs dos trens, sendo que em geral, os sistemas de trens suburbanos são anteriores à urbanização das cidades, e os metrôs, posteriores, o que faz com que a diferenciação acabe se dando por comparação e fatores históricos entre dois sistemas em separado. Geralmente metrôs possuem tecnologias mais modernas que os trens.[3]

O metrô geralmente cobre uma área urbana urbana menor[3], tem uma frequência de circulação mais alta[3] e tem a maior parte de suas linhas subterrâneas[3] ou elevadas.

No entanto, a classificação pode ser difícil, pois ambos normalmente cobrem exclusivamente uma área metropolitana.[3] O fato da terminologia não ser padronizada entre os países complica ainda mais as coisas. Essa distinção é mais fácil quando existem dois (ou mais) sistemas, como o metrô de São Paulo e o sistema de trens da CPTM; o metrô, o LIRR e o Metro-North Railroad (Nova York); o metrô e o RER (Paris); o Transilien, as linhas de metrô do Underground e do Overground, além do Crossrail, Thameslink, juntamente com outros operadores ferroviários (Londres); o metrô e o Cercanías (Madrid); o metrô de Barcelona e o Rodalies (Barcelona); o metrô e os trens da SuperVia (Rio de Janeiro); o metrô de Tóquio e as linhas JR, além de vários sistemas ferroviários operados pela iniciativa privada (Tóquio); entre outros.

Trens intermunicipais[editar | editar código-fonte]

Em alguns países europeus, é muito difícil fazer a distinção entre trens e trens intermunicipais de longa distância, devido às distâncias relativamente curtas envolvidas. Por exemplo, os chamados trens "intermunicipais" na Bélgica e nos Países Baixos transportam muitos passageiros e seus equipamentos, o alcance e a velocidade são semelhantes aos dos trens suburbanos em alguns países maiores. No Reino Unido, não existe uma divisão real da organização e nome da marca entre trens, trens regionais e entre cidades, dificultando a categorização das conexões de trem.

Os trens suburbanos russos, por outro lado, freqüentemente cobrem áreas maiores que a própria Bélgica, embora ainda sejam pequenas distâncias para os padrões russos. Eles possuem um sistema de emissão de bilhetes diferente dos trens de longa distância e, nas grandes cidades, costumam operar em uma seção separada da estação de trem.

A maneira mais fácil de identificar esses serviços "entre cidades" é que eles tendem a operar como serviços expressos - apenas ligando as principais estações nas cidades em que eles se ligam, sem parar em nenhuma outra estação. No entanto, esse termo é usado na Austrália (Sydney, por exemplo) para descrever os trens regionais que operam além dos limites dos serviços suburbanos, embora alguns desses serviços "interurbanos" parem todas as estações semelhantes aos serviços regionais alemães. Nesse sentido, as delineações de serviço alemãs e as convenções de nomenclatura correspondentes são mais claras e melhor utilizadas para fins acadêmicos.

Trens de alta velocidade[editar | editar código-fonte]

Às vezes, o trem de alta velocidade pode servir o uso diário de passageiros. O sistema ferroviário japonês de alta velocidade Shinkansen é muito utilizado pelos passageiros na área da Grande Tóquio e possuem a uma velocidade de 100 e 200 km.[4] Para atender à demanda dos passageiros, a JR vende bilhetes com desconto para passageiros e opera trens E4 da série E4 Shinkansen de dois níveis nos horários de pico, oferecendo uma capacidade de 1.600 assentos. Várias linhas na China, como a Linha de Alta Velocidade Pequim-Tianjin e a Linha de Alta Velocidade Xangai-Nanjing, desempenham um papel semelhante, com muitas outras linhas desse em construção ou planejadas.[5]

Os serviços de alta velocidade que ligam Zurique, Berna e Basileia, na Suíça, que possuem velocidades de 200 km/h, levaram as zonas centrais de negócios dessas três cidades a uma hora uma do outra. Isso resultou em uma demanda inesperadamente alta por novas viagens entre as três cidades e um aumento correspondente nos passageiros dos trens suburbanos acessando os serviços de alta velocidade nas principais estações do centro da cidade. O serviço de transporte Regional-Express entre Munique e Nuremberg, na Alemanha, percorre 200 km/h, junto com uma linha de alta velocidade que alcança até 300 km/h.

Os trens regionais Estocolmo-Uppsala, Estocolmo-Västerås, Estocolmo-Eskilstuna e Gotemburgo-Trollhättan na Suécia alcançam 200 km/h e também atendem a muitos passageiros por dia.[carece de fontes?]

Lista de trens urbanos[editar | editar código-fonte]

África[editar | editar código-fonte]

Tunísia[editar | editar código-fonte]

América do Norte[editar | editar código-fonte]

Canadá[editar | editar código-fonte]

México[editar | editar código-fonte]

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

América do Sul[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

Ásia[editar | editar código-fonte]

Japão[editar | editar código-fonte]

Europa[editar | editar código-fonte]

Alemanha[editar | editar código-fonte]

Áustria[editar | editar código-fonte]

Bélgica[editar | editar código-fonte]

Dinamarca[editar | editar código-fonte]

Espanha[editar | editar código-fonte]

Estônia[editar | editar código-fonte]

Finlândia[editar | editar código-fonte]

França[editar | editar código-fonte]

Itália[editar | editar código-fonte]

Portugal[editar | editar código-fonte]

República Tcheca[editar | editar código-fonte]

Reino Unido[editar | editar código-fonte]

Suíça[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Urban Public Transportation Glossary» (PDF). Transportation Research Board. 1989 
  2. a b «Glossary of Transit Terminology» (PDF). American Public Transit Association. 1994 
  3. a b c d e Thais Sant'Ana (4 de julho de 2018). «Qual a diferença entre trem e metrô?». Consultado em 12 de junho de 2020 
  4. «Fact Sheet: High Speed Rail Development Worldwide | White Papers | EESI» 
  5. «Metro closes the gap with areas across the border» (em inglês) 
  6. EMTU, VLT
  7. Vossloh TramLink Family

Ligações externas[editar | editar código-fonte]