Caso Richthofen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde agosto de 2014). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde janeiro de 2011)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
"Caso Richthofen"
Local do crime Brooklin, São Paulo,
 São Paulo
Vítimas Manfred von Richthofen, Marísia von Richthofen
Réus Daniel Cravinhos, Christian Cravinhos, Suzane von Richthofen
Advogado de defesa Denivaldo Barni e Mauro Otávio Nacif (Suzane); Divaine Jabur e Geraldo Jabur (irmãos Cravinhos)
Promotor Roberto Tardelli
Juiz Alberto Anderson Filho
Local do Julgamento Fórum Criminal da Barra Funda, São Paulo
Situação Suzane e Daniel Cravinhos condenados a 39 anos e 6 meses de reclusão; Christian Cravinhos condenado a 38 anos e 6 meses de reclusão

Caso Richthofen é a denominação pela qual se tornou conhecido o homicídio e conseqüente investigação e julgamento das mortes do casal Manfred e Marísia von Richthofen, assassinados pelos irmãos Daniel e Christian Cravinhos a mando da filha Suzane von Richthofen.

O interesse da população pelo caso foi tão grande que a rede TV Justiça cogitou transmitir o julgamento ao vivo. Emissoras de TV, rádios e fotógrafos chegaram até a ser autorizadas a captar e divulgar sons e imagens dos momentos iniciais e finais, mas o parecer definitivo negou a autorização. Cinco mil pessoas inscreveram-se para ocupar um dos oitenta lugares disponíveis na plateia, o que congestionou, durante um dia inteiro, a página do Tribunal de Justiça na internet. É dessas pessoas autorizadas que se conhece o que houve no julgamento.

Suzane von Richthofen[editar | editar código-fonte]

Suzane von Richthofen
Ilustração de Suzane von Richthofen.
Nome Suzane Louise von Richthofen
Nascimento 3 de novembro de 1983 (31 anos)
São Paulo,  São Paulo, Brasil
Nacionalidade Brasil brasileira
Crime(s) Parricídio e matricídio
Pena 39 anos de prisão
Situação Presa desde 17 de julho de 2006 (8 anos).

Suzane Louise Von Richthofen (São Paulo, 3 de novembro de 1983) nasceu numa família de classe média alta da capital de São Paulo. Filha do engenheiro Manfred Albert von Richthofen e da psiquiatra Marísia von Richthofen e irmã de Andreas Albert von Richthofen. Seu pai, nascido em Erbach, emigrou para o Brasil após uma proposta de trabalho, recebida devido a sua formação como engenheiro.[carece de fontes?]

Até a ocorrência do delito que culminou em sua prisão, Suzane morava em um casarão na região do Brooklin Velho.[1]

Relação com a Família Cravinhos[editar | editar código-fonte]

Em uma tarde de domingo de agosto de 1999, Manfred, Marísia, Suzane e Andreas foram dar um passeio no Parque do Ibirapuera, o maior de São Paulo. Conheceram Daniel, competidor de aeromodelismo. Andreas interessou-se pela prática recreativa e pediu aos pais para fazer o curso. Daniel começou a dar aulas de aeromodelismo para Andreas. Em pouco tempo, os dois ficaram muito próximos. Daniel levava o menino para andar de bicicleta e para disputar corridas de autorama. Segundo conhecidos, Andreas ainda teria ajudado a irmã a se aproximar do rapaz. "Suzane achou Daniel bonitinho e mandou um bilhete por Andreas", disse uma amiga de infância de Suzane em depoimento.[2] Manfred e Marísia não se importaram quando Suzane começou a ter uma relação mais íntima com o novo amigo da família. Acharam que era coisa passageira.[3]

Os relatos afirmam que Andreas ouvia os segredos da irmã e participava da vida dela com o namorado. O casal, segundo esses relatos, costumava patrocinar algumas travessuras de Andreas como adolescente. Escondido no porta-malas do carro - disse Andreas a interlocutores -, ele teria ido conhecer um motel com a irmã e o cunhado, onde fumaram maconha. Foi pelas mãos dos dois que Andreas experimentou maconha pela primeira vez, no Parque Villa Lobos. Ele era como um "irmão mais velho", afirmou Andreas a policiais que investigaram o caso. Cristian também era um amigo querido, disse ele nos depoimentos.[2]

Com o tempo, o namoro ficou sério demais. Manfred e Marísia ficaram preocupados. Para sobreviver, Daniel fazia de um a dois aviões por mês e os vendia por cerca de R$ 1.400. Também fazia manutenção e vendia peças para aficionados. Suzane pedia dinheiro além da mesada ao pai para emprestar ao namorado e o enchia de roupas e presentes. Seu irmão, Cristian, chegou a ser internado por dependência de cocaína e vivia às voltas com dívidas com traficantes. Também chegou a prestar serviços como informante da polícia. O casal Richthofen achava que o rapaz não fazia bem a sua filha.[3]

Amigos de Suzane e Daniel contam que os dois mudaram depois que o namoro adolescente tomou ares de coisa séria. Suzane perdeu aos 16 anos a virgindade com Daniel, na mesma época passaram a fumar maconha quase todos os dias. Experimentaram ecstasy. A última viagem que Suzane fez sem o namorado foi para a casa de praia de uma das melhores amigas, em Porto Seguro, na Bahia, no Réveillon de 2000. Depois disso, era difícil encontrá-la sem Daniel. Para ficar com o namorado, a garota deixou de ir à festa após a colação de grau no colégio, o que deixou seus pais profundamente irritados. Na faculdade, o contato do casal era tão estreito que nem as excursões escapavam. Daniel ficava ao lado da namorada mesmo em atividades escolares. Ele acompanhou Suzane com a turma quando visitaram o Fórum João Mendes Júnior, no centro da cidade, e a Assembleia Legislativa. 'Parecia que a vida de um era em função do outro. Ela só passeava, saía à noite ou viajava com ele', conta Beatriz Chagas, de 20 anos, colega de turma de Suzane na PUC. Companheiros de aeromodelismo dizem que Daniel também mudou. Às vezes ele abria mão dos treinos para ir buscá-la, diz o estudante de Direito e aeromodelista Ênio Tosta. Em seu quarto, na casa dos pais, Daniel colocou dois painéis com dezenas de fotos dele e de Suzane. Uma caricatura do casal também divide espaço com o aeromodelo que ele utilizava em competições. Sobre a cama, há um travesseiro estampado com uma foto de Suzane ao lado de seus bichinhos de pelúcia. Desde o início do namoro o casal aproveitava as tardes para ir ao motel Disco Verde de táxi. Mas, no final de 2001 os pais começaram a tentar convencer que Suzane desse um fim ao namoro, pois descobriram o envolvimento de Daniel com drogas e a filha "desmotivada" ao estudo. Suzane começou a passar as noites com Daniel, às escondidas. Dizia aos pais que ia ficar na casa de amigas, estudando. 'Ela nos avisava e a gente encobria a mentira', lembra uma das amigas. Numa noite de abril de 2002, a estratégia deu errado. Marísia ligou para a melhor amiga de Suzane e descobriu que a filha não iria=a dormir lá. Exigiu explicações na manhã seguinte, quando a garota voltou para casa. Suzane contou que passou a noite em um motel. Marísia e Manfred resolveram proibir definitivamente o namoro.[3]

No dia das mães de 2002, os von Richthofen iriam almoçar em um restaurante de São Roque, em São Paulo. Suzane se recusou a ir, xingou o pai e apanhou pela primeira vez, aos 18 anos. Manfred deu um tapa em sua filha, que saiu de casa dizendo que não ia mais voltar. Mas voltou, prometeu aos pais que o romance tinha acabado, tirou a aliança de compromisso do dedo. Na verdade, o namoro passou a ser clandestino.[4]

Com a proibição, Suzane, que costumava passar tardes inteiras conversando com a mãe, afastou-se de vez dos pais. Brigava com a família a cada vez que chegava em casa com o namorado. 'Em julho, meus pais foram passar um mês fora. Aquele mês foi como um sonho', disse Suzane. Quando eles chegaram, Suzane sugeriu que lhe comprassem um apartamento ou flat para que ela pudesse morar com Daniel. Manfred recusou. Disse que a filha deveria se formar, trabalhar e - aí sim - morar com quem quisesse. A negativa incentivou o planejamento do assassinato.[3]

No início de setembro de 2002, o 12º Batalhão da Polícia Militar de São Paulo foi chamado para apartar uma briga numa casa em Campo Belo, bairro de classe média na Zona Sul de São Paulo. Os policiais chegaram ao lugar às 2h da manhã. Encontraram o engenheiro Manfred von Richthofen no portão, vestindo bermudas, camisa e chinelos. Transtornado, Manfred batia boca com o namorado da filha, Daniel Cravinhos, de 21 anos. A garota, Suzane, de 19 anos, tentava acalmá-los. Aos poucos, os ânimos esfriaram. Mas pai e namorado saíram da discussão remoendo pequenas ameaças. 'Qualquer dia desses ainda quebro esse moleque', disse Manfred a um dos policiais. Um pouco menos calmo, Daniel contou que o engenheiro ameaçava bater na filha se eles continuassem o namoro. 'Tenho vontade de pegar esse velho', afirmou. Era a terceira intervenção da polícia em brigas entre os dois. Em maio e junho, telefonemas anônimos já haviam pedido ajuda para confusões semelhantes. O motivo era sempre o mesmo: Suzane chegava tarde em casa e tentava entrar com Daniel. O pai impedia. E começava o bate-boca.[3]

No enterro de Manfred e Marísia, a aliança de compromisso já estava de volta no dedo de Suzane. O amor resistiu aos primeiros meses de prisão, mas em março de 2004, uma carta de Daniel dá o sinal de que o amor não era o mesmo: “Não sei por que você não fala mais com os meus pais e nem comigo, será que não confia mais em mim?”.[4]

Família von Richthofen[editar | editar código-fonte]

Manfred Albert von Richthofen e Marísia se conheceram na década de 1970, quando ela cursava medicina e ele fazia engenharia na USP. Depois do casamento, foram estudar na Alemanha. Na volta, ele começou a trabalhar para empresas privadas até chegar à Dersa, a estatal que cuida de estradas em São Paulo. Quando voltou da Alemanha, Marísia, abriu um consultório de psiquiatria. Suzane nasceu em 3 de novembro 1983. Virou a alegria do casal. Quatro anos depois, em 26 de abril de 1987, veio o caçula, Andreas. Nas vizinhanças da casa onde a família morou por quase 15 anos, na Zona Sul de São Paulo, os quatro são lembrados com simpatia. 'Era a família Doriana, a família feliz', diz a psicóloga Luciane Mazzolenis, vizinha do casal, a quem Suzane chamava de tia. Os Richthofen se mudaram do sobrado - avaliado em R$ 400 mil - em 2000. Mas Manfred e os filhos iam com freqüência à casa, pegar correspondências e varrer as folhas do quintal. A vida pacata da família só começou a ruir diante dos conhecidos quando Daniel entrou em cena.[3] Manfred era um alemão típico: não era uma pessoa expansiva, mas tinha muito bom humor, era muito inteligente e prezava pela educação dos filhos.[5]

A famosa família aristocrata Richthofen da Alemanha possuiu vários membros ilustres em contexto mundial. Entre os parentes da família brasileira estão: Ferdinand von Richthofen (geógrafo, 1833-1905); Oswald von Richthofen (diplomata, 1847-1906); Else von Richthofen (cientista política, 1874-1973); Frieda von Richthofen (filosofa, 1879-1956); Manfred von Richthofen (aviador, 1892-1918); Lothar von Richthofen (aviador, 1894-1922); Bolko von Richthofen (arqueologista, 1899-1983); Hermann von Richthofen (diplomata, 1933).[6]

Marísia von Richthofen[editar | editar código-fonte]

Marísia Von Richthofen
Nascimento 29 de janeiro de 1952
José Bonifácio,  São Paulo
Morte 31 de outubro de 2002 (50 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade Brasil brasileira

Marísia Von Richthofen (nascida Marísia Silva Abdalla) nasceu e viveu durante 14 anos de sua vida em José Bonifácio, cidade localizada a 40 quilômetros de São José do Rio Preto. O avô de Marísia, Miguel Abdalla, mudou-se de Sorocaba para José Bonifácio em 1920 e foi um dos pioneiros no comércio local. Com Miguel Abdalla, mudaram-se para Bonifácio seus filhos, entre eles Salim Abdalla, que se casou na cidade com Lourdes Abdalla e teve dois filhos - Miguel Neto e Marísia. A psiquiatra estudou na cidade até 1966 e se mudou para São Paulo com seus avós. A notícia deixou seus parentes de Sorocaba e José Bonifácio chocados. Filha de descendentes de portugueses e líbaneses se formou na USP com seu irmão. Era considerada a mais extrovertida e popular da família Richthofen.[7]

Andreas Albert Von Richthofen[editar | editar código-fonte]

Andreas Albert Von Richthofen
Nascimento 26 de Abril de 1987 (27 anos)
São Paulo,  São Paulo
Nacionalidade Brasil brasileira

Andreas era considerado tímido, um garoto caseiro, com poucos amigos. Passava a maior parte do tempo trancado no quarto vendo televisão ou no computador, era educado com os empregados da mansão e esperava a chegada de seu pai todos os dias, quando comentava sobre seu dia.[2] Quando a família ia para o sítio, em São Roque, interior de São Paulo, Andreas e Manfred faziam objetos de marcenaria e cuidavam das plantas do jardim. Acostumado com o estilo europeu de educação dentro e fora de casa já que estudou por anos em um colégio para descendentes de alemães, o garoto estudava dois idiomas e era faixa marrom de caratê. Andreas tinha temperamento reservado, como o de seu pai. Recebia cerca de R$ 2 mil mensais de mesada dos pais e ao contrário de Suzane, guardava a maior parte do dinheiro.[8] [9] Suzane, além de irmã de sangue, era "irmã de alma" de Andreas. De acordo com os relatos, os dois sempre foram unidos, cúmplices e confidentes. "Um sempre protegeu o outro", afirmou uma amiga de infância de Suzane. "Nunca vi os dois brigarem. Eles conversavam muito e se davam bem", disse a ex-funcionária Silândia. O garoto também gostava de brincar no quintal de casa com uma espingarda de chumbinho e de cuidar de um porquinho-da-índia. Andreas estudou com a irmã no Colégio Humboldt até o final de 2001, quando passou a estudar no Colégio Vértice, por decisão de seus pais, já que Suzane não havia passado no vestibular da USP. Na época, o Colégio Vértice era número um em aprovações no vestibular da USP.[2]

Após seu primeiro depoimento, em 31 de outubro de 2002 Andreas foi afastado da irmã, passando a viver com o único tio materno, Miguel Abdalla. Reencontrou Suzane pela primeira vez em 13 de novembro, na reconstituição do caso, na mansão da família. Em 14 de novembro visitou a irmã no 89º DP, no bairro Morumbi, em São Paulo, acompanhado do advogado dela, Denivaldo Barni. Na ocasião, Barni divulgou um bilhete supostamente escrito pelo garoto. No julgamento da irmã, Andreas afirmou que foi coagido a escrever o bilhete de perdão a irmã.[10]

Cquote1.svg "Perdoar é abrir o coração. Não só perdoei minha irmã Su, mas continuo a amá-la. Agora, principalmente, é o momento em que ela mais precisa do amor. Apesar da dor, tenho plena certeza de que nossos pais a perdoaram. Ainda ontem ouvi uma frase que muito me marcou: a humanidade deve caminhar unida em busca da civilização do amor" Cquote2.svg
Polêmico bilhete supostamente escrito por Andreas[10]

Após a divulgação do suposto bilhete Andreas foi "bombardeado" pela mídia sensacionalista, mas o promotor Roberto Tardelli e o tio do garoto, Miguel, saíram em sua defesa, afirmando que o bilhete foi um golpe "baixo" dado por Suzane e seu advogado, Denivaldo. Tais críticas chamaram a atenção do Centro de Apoio Operacional das Promotorias da Criança e Adolescente, que enviou uma notificação ao advogado de Suzane.[11] Andreas visitou Suzane pela última vez na véspera de natal de 2002, no Carandiru, onde não passou pela fila. Segundo a diretora da penitenciária do Carandiru, Andreas entrou direto porque sua presença na fila poderia causar tumulto. Andreas obteve também permissão para que um Audi A4 fosse buscá-lo dentro da penitenciária, o que causou revolta em parentes de detentas que precisaram parar seus carros na rua. A diretora disse que quem foi buscar Andreas era um advogado, por isso pôde entrar com o carro.[12]

Em 2004 foi aprovado nas cinco principais universidades do estado de São Paulo.[2] Em 2005, quando Suzane foi solta, Andreas procurou o promotor Tardelli "temendo sua morte", após ver Suzane rondando a casa em que ele vivia com o tio e a avó materna. Andreas soube que ela havia visitado a casa quando a avó, Lourdes, estava sozinha e inclusive registrou fotos com a avó.[11] Andreas e seu tio Miguel não perdoaram Suzane e não aceitaram acolhe-lá na época de sua liberdade. A avó materna, Lourdes, perdoou a neta mas declarou que "não podia aceitar uma atitude dessas e não queria dividir o mesmo teto com ela".[13] Andreas nunca falou sobre o crime para a imprensa e não visita Suzane desde a véspera de natal de 2002. Durante o período em liberdade, Suzane declarou que ligava para o irmão uma vez por semana, mas ele não a atendia. E quando fazia, a conversa acabava em discussão.[14] [15]

Andreas cursou Farmácia e Bioquímica na Universidade de São Paulo entre 2005 e 2009. Ingressou no doutorado em Química Orgânica em 2010, na mesma universidade e recebeu bolsa de estudos do CNPq.[16] Viveu na Vila Congonhas, Zona Sul de São Paulo, com o tio Miguel Abdalla e a avó materna Lourdes Magnani Silva Abdalla (falecida em 2006) de novembro de 2002 a meados de setembro de 2011, quando foi noticiado que Andreas mudou para Zurique, na Suíça.[17]

Família Cravinhos[editar | editar código-fonte]

Os Cravinhos eram considerados a "família do barulho" pela vizinhança, pois consertavam carros e motos e testavam aeromodelos na vila. Casados há 42 anos e há 30 vivendo na mesma vila, Nadja e Astrogildo têm mais um filho, Marcos, que é casado e ajudava financeiramente os pais. Cristian, o do meio, era apontado como o problemático. Discutia com os moradores e passava o dia mexendo em motos. Ele adorava esportes radicais. Pulou de para-quedas, fazia motocross. Daniel, o caçula, era simpático e educado. Desde os 13 anos, dedicava-se ao aeromodelismo. Foi campeão paulista, brasileiro, pan-americano, sul-americano e o quinto melhor do mundo em aeromodelismo em 1998, num campeonato disputado em Kiev, na Ucrânia. Colegas do aeródromo dizem que era muito habilidoso para construir e pintar os aparelhos. E era de fazer aviões que ele vivia. Ganhava cerca de R$ 1,4 mil por unidade. Chegou a cursar seis meses de direito na UNIP, mas largou porque não gostou do curso. Na década de 1970, o pai, Astrogildo, foi condenado por falsidade ideológica e uso de documento falso, carteira da Ordem dos Advogados do Brasil. Mais tarde, ele cursou direito, mas nunca advogou. Aposentou-se como escrivão de cartório. Os vizinhos nunca ouviram brigas e discussões na casa dos Cravinhos.[18]

Figuras importantes[editar | editar código-fonte]

  • Daniel Cravinhos de Paula e Silva (São Paulo, 1981): autor do assassinato de Manfred. Daniel foi condenado a 39 anos e meio de prisão. Recebeu em fevereiro de 2013 junto de seu irmão o direito de regime semiaberto, em que podem sair de dia para trabalhar e voltar à cadeia para dormir.[19]
  • Cristian Cravinhos de Paula e Silva (São Paulo, 1975): autor do assassinato de Marísia. Era usuário de drogas na época do crime, chegou a ser internado em uma clínica de reabilitação. Cristian foi o primeiro a confessar o crime e, na reconstituição do crime, se emocionou. Até recentemente, os irmãos Cravinhos eram inseparáveis. Daniel e Cristian permanecem na mesma penitenciária, mas já não dividem cela e não se falam. O motivo da discórdia dos irmãos é a estratégia de defesa. Cristian virou evangélico e compõe músicas na prisão, onde casou-se e teve uma filha.[20] Cristian foi condenado a 38 anos e meio de prisão. Recebeu em fevereiro de 2013 junto de seu irmão o direito de regime semiaberto, em que podem sair de dia para trabalhar e voltar à cadeia para dormir[19]
  • Nadja Quissak Cravinhos de Paula e Silva (São Paulo, 1946): professora de pintura em tela e mãe de Daniel e Cristian. Concedeu uma única entrevista sobre o caso, para a Revista Crescer de dezembro de 2002. "Eu perdoo meus filhos. Se não o fizesse, não seria digna de ser mãe. Mas acho que eles precisam de punição", declarou na entrevista.[18]
  • Astrogildo Cravinhos de Paula e Silva (São Paulo, 1945): escrivão aposentado e pai de Daniel e Cristian. Concedeu diversas entrevistas e foi criticado por desmoralizar o casal Richthofen em várias declarações para, segundo o promotor Roberto Tardelli, achar uma justificativa ao crime. Em 2010, Suzane afirmou que Astrogildo foi o mandante do crime.[21] [22]

Crime[editar | editar código-fonte]

31 de Outubro[editar | editar código-fonte]

Suzane e os Cravinhos, dias antes do crime, fizeram um teste de barulho causado pelos disparos de uma arma de fogo e com isso descartaram a ideia de utilizar uma.

Na tarde de 31 de outubro de 2002, Suzane e Daniel Cravinhos repassaram pela última vez os planos do assassinato dos pais da moça. Conversaram com Cristian, que morava na casa da avó, e Cristian, ainda relutante, não deu a certeza de que participaria nos eventos que se seguiriam à noite. Daniel pediu que o irmão pensasse a respeito e,se resolvesse ajudá-los, que os esperasse em uma dada rua, próxima a um Cyber Café aonde levariam Andreas. Naquela, o irmão de Suzane, Andreas, na ocasião com 15 anos, foi tirado de casa. Foi levado pela garota e pelo namorado dela para um Cyber Café (Lan House), ele foi seduzido pela ideia de que no aniversário de namoro da irmã a comemoração do casal seria em um motel, e a dele seria na LAN House, e que Suzane iria convencer seus pais a deixar o irmão faltar a escola no próximo dia.[23]

Cristian já estava no cibercafé. Ele chegou ao local às 22h12 e saiu às 22h50, para que Andreas não o visse. Por volta das 23h20, Suzane e Daniel encontraram com Cristian perto do local. Os três seguiram para a mansão dos von Richthofen no Gol da estudante.[24] Segundo a polícia, eles fumaram maconha. Dias antes da fatídica noite, Suzane havia meticulosamente desligado o alarme e as câmeras de vigilância da casa, de modo que nenhuma imagem do trio chegando fosse capturada.[25]

Por volta da meia-noite, eles estacionaram o carro na garagem. Segundo a polícia, no carro já estavam as barras de ferro, ocas, que foram utilizadas no assassinato. Os rapazes vestiram blusas e meias-calças para evitar que caíssem pêlos pela casa, material que poderia ser usado pela polícia para provar o crime. Suzane subiu as escadas e acendeu a luz do corredor, para que os irmãos tivessem visão do quarto do casal. Marísia e Manfred dormiam. A estudante separou sacos de lixo e luvas cirúrgicas, que eram utilizadas pela mãe, psiquiatra.[24]

Os irmãos, armados com barras de ferro, entraram no quarto do casal. Daniel seguia em direção ao engenheiro Manfred e Cristian, em direção a Marísia. Eles foram golpeados na cabeça.[24] Manfred faleceu na hora, Marísia acordou e tentou se defender com as mãos e por isso teve 3 dedos fraturados. Cristian disse à polícia que bateu em Marísia por cinco vezes, colocou uma toalha em sua boca para que a mãe de Suzane parasse de implorar para que os supostos "assassinos" não atacassem seus filhos, que, para ela, estavam dormindo. Por fim, ele amarrou um saco de lixo em sua cabeça. Depois, ela foi estrangulada, pois não parava de emitir um "som estranho". A dupla chegou a retirar as luvas e lavar as mãos. Uma jarra foi deixada no quarto.[24]

"Chegamos em casa, eu entrei e fui até o quarto dos meus pais. Eles estavam dormindo. Aí, eu desci, acendi a luz e falei que eles podiam ir. Fiquei sentada no sofá, com a mão no ouvido. Eu não queria mais que meus pais morressem. Mas aí eu percebi que não tinha mais o que fazer, que já era muito tarde", confessou Suzane no depoimento após ser detida.[26]

Não há certeza sobre a posição de Suzane na casa enquanto o crime ocorria e se, depois, ela viu os corpos dos pais. De acordo com a reconstituição do crime, ela ficou no térreo, onde aproveitou para roubar o dinheiro em espécie que havia na casa, guardado dentro de uma pasta de couro com código. Suzane abriu a maleta pois sabia o segredo, mas Daniel depois cortou a pasta com uma faca para forjar o roubo de R$ 8.000, 6.000 e US$ 5.000.[26] Eles ainda abriram um cofre do casal, onde estavam jóias e um revólver, localizado no quarto. Os acusados espalharam as jóias pelo chão e deixaram o revólver, intacto, ao lado do corpo do engenheiro.[24] Os bastões ensanguentados foram lavados na piscina e tudo que foi usado no crime foi colocado dentro de sacos de lixo, tendo os três inclusive trocado de roupa.[26]

O dinheiro roubado e algumas joias ficaram com Cristian, como pagamento por sua participação. Após o crime, ele foi deixado perto do apartamento onde morava com a avó, e o casal passou à terceira parte do plano: forjar o álibi. Suzane e Daniel foram para o motel Colonial na avenida Ricardo Jafet, na região do Ipiranga, zona sul. Ficaram na suíte presidencial, por qual pagaram cerca de R$ 300, pediram uma Coca-Cola e um lanche de presunto. Daniel curiosamente pediu uma nota fiscal, a primeira expedida pelo motel.[26] O casal ficou no local da 1h36 às 2h56, segundo a polícia.[27]

Ao deixar o motel, a dupla passou no cibercafé para pegar Andreas. Eles foram até a casa do namorado da estudante e disseram ao adolescente que ele poderia andar em uma mobilete de Daniel. Pouco depois, conforme o plano original, começou a segunda etapa da simulação. Por volta das 4h, Suzane e Andreas retornaram para casa. Eles chegaram à mansão. Suzane disse ter "estranhado" o fato de as portas estarem abertas. Andreas entrou na biblioteca e gritou para os pais, enquanto isso, Suzane orando, correu para o cozinha e pegou uma faca. Entregou a faca ao irmão e ordenou que o garoto esperasse do lado de fora da mansão. A estudante ligou para o namorado e depois, junto de Andreas deu vários telefonemas para dentro da casa, esperando que seus pais atendessem.[24]

Às 4h09, Daniel contactou a polícia. Disse que estava em frente à casa da namorada, que suspeitava de um assalto no lugar e pediu a presença de uma viatura.[27] Alexandre Paulino Boto foi o primeiro policial ao chegar ao local. Em seu depoimento durante o julgamento do trio, classificou o assassinato como um “crime de amadores”. “O crime era um procedimento de amadores. Largaram as jóias, celulares, deixaram uma arma no quarto do casal. Se alguém quer roubar, furtar, não deixaria isso no local”, afirmou o policial, em 2006. “Um ladrão não deixaria a arma no chão." Boto disse ter estranhado o comportamento de Suzane, que lhe perguntou quais seriam os procedimentos que a polícia iria seguir. “Eu estranhei a pergunta e a atitude impassível diante da morte dos pais”, afirmou. Em seguida, ela perguntou como estavam os pais. “Quando eu disse que estavam bem, ela ficou espantada. ‘Como?’, perguntou.” O policial também estranhou as perguntas de Daniel, que chegou ao local pouco depois. "Você sabe se levaram alguma coisa de dentro da casa? Parece que a família guardava todo o dinheiro em uma caixinha." Em seguida, Daniel falou os valores exatos das quantias guardadas.[26]

Enquanto um policial permaneceu com Suzane e Andreas do lado de fora da mansão, Boto e outro policial entraram na residência, com cuidado, pois ainda havia a possibilidade de se encontrar um suposto ladrão. No andar de baixo, a biblioteca estava totalmente revirada, a sala e a cozinha estavam em ordem. Uma escada levava ao andar superior. Os PMs subiram e verificaram o que parecia ser um quarto feminino, com o closet revirado e bichos de pelúcia jogados ao chão. O quarto seguinte era tipicamente masculino, com um aeromodelo pendurado no teto, tudo organizado; 3 travesseiros cobertos por um lençol. O próximo quarto era de casal, um homem estava morto na cama próximo a uma arma; a hipótese de suicídio foi logo descartada, quando Boto encontrou um corpo feminino de baixo dos lençóis.[28]

Temendo a reação dos jovens, os policiais acionaram uma viatura de Resgate. Nessa altura da noite, por volta das 4h30, a família de Daniel já estava no local, abraçada com Suzane e Andreas. Boto pediu que Daniel contasse aos filhos do casal que seus pais haviam sido assassinados. Daniel abraçou os dois, abaixaram a cabeça, cochicharam. Andreas se afastou do grupo, aparentemente em estado de choque. Suzane, se aproximou de Boto e perguntou “O que eu faço agora?”.[28]

Por volta das 5h, já era possível ouvir o som de sirenes se aproximando. O pai de Daniel, Astrogildo Cravinhos se encarregou de falar com os repórteres de várias redes de Televisão, enquanto Suzane e Andreas eram encaminhados à delegacia. O relógio marcava 6h e o comportamento do casal logo chamou a atenção de todos na delegacia. Durante a espera para serem atendidos, Suzane tirava um cochilo encostada nos ombros de Daniel. Andreas ficou ali sentado, encolhido e visivelmente abalado, enquanto a irmã trocava carícias com o namorado. Entre as frases enquanto faziam o Boletim de Ocorrência, eram trocados beijos e carícias entre o casal. Suzane disse ao delegado titular Dr. Enjolras Rello de Araújo, “Eu gostaria que vocês matassem e torturassem esses caras que mataram meus pais” e sorriu para Daniel.[28]

Investigações[editar | editar código-fonte]

Entrevista polêmica do Fantástico[editar | editar código-fonte]

O Fantástico, programa dominical da Rede Globo passou nove meses conversando com Denivaldo Barni (o advogado-tutor de Suzane) para conseguir uma entrevista exclusiva.

Neste período, houve uma conversa telefônica e dois encontros com Suzane, sem câmeras.

No início de abril de 2006, o advogado confirmou a realização da entrevista, pedindo que nesta reportagem não fossem exibidas cenas de arquivo.

A gravação seria feita em duas etapas: a primeira em 5 de abril de 2006 no apartamento de Barni, no bairro do Morumbi, São Paulo.

Na tarde de 5 de abril, o Fantástico encontrou uma jovem de 22 anos que fala e se veste como uma criança. Na camiseta, estampa da Minnie. Nos pés, pantufas de coelho. A franja cobre os olhos o tempo inteiro. Ela começa a entrevista mostrando fotos de amigos e da família.

Percebe-se ao longo da entrevista que quando questionada sobre o que sente pelo ex-namorado, Suzana olha para Barni: "Muito ódio. Muito, muito, muito. Demais. Ele destruiu a minha família, ele destruiu tudo, tudo, tudo o que eu tinha de mais precioso ele tirou de mim. O que eu tinha de mais precioso…"

Logo no começo da gravação, a câmera registra uma conversa ao pé de ouvido entre Barni e Suzane. O microfone, que já estava ligado, capta o diálogo. Ele orienta Suzane a chorar na entrevista. "Fala que eu não vejo. Chora…".

Interpretação no Fantástico[editar | editar código-fonte]

O programa televisivo explorou a ideia de que a entrevista de Suzane fosse uma farsa da Defesa para fazer com que ela fosse vista de uma outra forma pela opinião pública: como uma menina meiga (usando pantufas), imatura, infantilizada e altamente influenciável, o que a teria motivado a fazer o que fez.

Baseada na ideia de que Suzane solta poderia influenciar ou até mesmo atrapalhar o julgamento, ela foi presa novamente, no dia seguinte à exibição da entrevista.

Por outro lado, Barni defende que pediu que sua cliente chorasse para que ela sensibilizasse o irmão Andreas. Segundo Barni, Suzane luta para receber a herança dos pais, mas seu irmão é contra, tendo acionado a Justiça numa "Ação de Exclusão" de Suzane como herdeira - facultada pela legislação brasileira contra aqueles que atentaram contra a vida dos eventuais legadores.

Primeiro julgamento[editar | editar código-fonte]

O julgamento dos três réus foi marcado para o dia 5 de junho de 2006 no 1º Tribunal do Júri de São Paulo.

A imprensa não obteve permissão de filmar, mas cerca de 80 pessoas foram sorteadas (numa lista de 5 mil inscritos) para acompanhar o julgamento.[carece de fontes?]

Suzane von Richthofen chegou ao fórum por volta das 11h30. Os irmãos Cravinhos chegaram um pouco mais cedo, uma hora antes. O julgamento estava previsto para começar às 13h.

Estratégia da Defesa no julgamento[editar | editar código-fonte]

Os advogados dos irmãos Cravinhos, Geraldo e Divaine Jabur — alegando que não conseguiram se encontrar com seus clientes para melhor preparar a defesa — não compareceram ao júri.

Com a ausência dos advogados dos Cravinhos, o julgamento dos irmãos foi cancelado.

Na sequência, após os advogados de Suzane se retirarem do plenário, — depois de uma discussão com o juiz quanto ao fato de uma testemunha imprescindível não ter comparecido; o júri dela também foi adiado.

Segundo julgamento[editar | editar código-fonte]

Com o intuito de evitar novo adiamento, o juiz do caso tomou algumas precauções, como autorizar encontro entre os irmãos Cravinhos e um de seus advogados no fim de junho de 2006, e nomear um defensor público (e até um substituto para este último) para defender os irmãos, caso seus advogados novamente faltem. Possíveis manobras da defesa de Suzane não eram esperadas, já que ela não tinha mais o benefício de prisão domiciliar.

Um novo julgamento foi marcado para segunda-feira, 17 de julho de 2006. A sentença foi proferida na madrugada de sábado, 22 de julho, às 2h00.

Primeiro dia[editar | editar código-fonte]

No primeiro dia de julgamento (17 de julho de 2006), surgiram polêmicas e novas versões para os fatos. Os três acusados depuseram:

Depoimento de Suzane von Richthofen[editar | editar código-fonte]

Em seu depoimento, Suzane afirma que não tinha conhecimento do plano para matar seus pais, concebido e executado única e exclusivamente pelos irmãos Cravinhos. Ela também diz que estava "muito maconhada" quando o crime ocorreu, que conduziu os irmãos para a casa sem saber que seus pais iriam ser assassinados, e que só se deu conta do ocorrido ao chegar em casa com seu irmão Andreas. Afirma ainda que Daniel era excessivamente ciumento. Fez menção a uma vez em que ela fez uma viagem à Alemanha e foi obrigada a gastar muito com cartões telefônicos, apenas para manter contato com o namorado. Quando Suzane voltou, Daniel disse a ela que não poderia ficar longe dele por tanto tempo e que tinha tentado se matar por causa da ausência de sua namorada. Suzane declarou ter presenteado Daniel com presentes caros custeados com o dinheiro dos pais. Segundo ela, Suzane presenteava Daniel com DVDs, TVs e bens caros. 'Ele sempre estava com dinheiro na carteira. Mas era sempre o meu dinheiro', declarou a filha das vítimas do assassinato.Suzane ainda declarou que no clube de aeromodelismo onde ela e seu irmão Andreas conheceram Daniel, ela ficou sendo conhecida como "a galinha dos ovos de ouro da família Cravinhos".

Outro ponto de conflito é a perda de sua virgindade: enquanto ela afirma tê-la perdido com Daniel Cravinhos, Daniel diz que ela a perdeu com seu namorado anterior. Segundo o jornal Folha de São Paulo, esta discussão é relevante porque desta forma pode cair por terra a principal tese da defesa de Suzane, a de que Daniel exercia um fascínio irresistível sobre isso.

Depoimento de Christian Cravinhos[editar | editar código-fonte]

Christian, por sua vez, também apresentou novas informações: segundo ele, apenas seu irmão Daniel teria matado Manfred e Marísia. Christian teria assumido esta responsabilidade por achar que, desta forma, Daniel passaria menos tempo preso. O réu também insiste que Daniel e Suzane estavam convencidos a cometer o crime, apesar de suas tentativas de dissuadi-los; de acordo com ele, Suzane teria dito: "Quero matar meus pais hoje". Segundo a promotoria, Christian pode perder o benefício da redução da pena por ter mudado a versão dos fatos.

Depoimento de Daniel Cravinhos[editar | editar código-fonte]

Daniel afirma, entre outros, que a mentora do crime foi Suzane von Richthofen. De acordo com ele, era de conhecimento geral o péssimo relacionamento entre sua ex-namorada e seus pais. Daniel sustenta que Suzane sofria agressões físicas e verbais, além de abusos sexuais (fato que Suzane nega: ela classifica sua família como "normal, do bem"). Por isso e pela herança, Daniel afirma que Suzane estaria convencida a matar seus pais. Ele também afirmou ter sido "usado" pela ex-namorada para dar cabo de seu plano.

Conclusões[editar | editar código-fonte]

A defesa dos irmãos Cravinhos acusou Suzane de "mentirosa" e pediu uma acareação entre os três acusados, pedido acatado pelo juiz Alberto Anderson Filho. Esta acareação poderia esclarecer pontos cruciais, como quem foi o mentor e qual o real papel de Suzane no crime – há controvérsias, por exemplo, se ela teria ou não visto o corpo dos pais.

Segundo dia[editar | editar código-fonte]

A parte principal do segundo dia de julgamento (18 de julho de 2006) foi o depoimento de Andreas, irmão de Suzane.

Depoimento de Andreas von Richthofen[editar | editar código-fonte]

A primeira pessoa a ser ouvida, Andreas Albert von Richthofen, afirmou que nem ele e nem a irmã foram vítimas de abusos ou maus tratos por parte dos pais, ao contrário do que disse Daniel Cravinhos. O rapaz classificou a relação de Suzane com Manfred e Marísia como normal, sem conflitos excepcionais. Ele também disse ter sofrido "chantagem emocional" para que escrevesse um bilhete dizendo que perdoava a irmã, e que na verdade não a perdoou, afirmou não acreditar em seu arrependimento e nem em sua intenção de desistir da herança, e disse que ele e Suzane foram influenciados por Daniel Cravinhos a usar maconha. Andreas também admitiu se sentir ameaçado pela irmã: "Dizem por aí que ela é psicopata. Eu não sei, mas de uma pessoa assim a gente pode esperar qualquer coisa".Andreas revelou ainda que não consegue fazer uso do dinheiro porque Suzane está complicando o processo.Outra mentira de Suzane teria sido sobre a arma usada no crime. Em seu depoimento, ela disse que a arma era do irmão, o que Andreas nega. Ele disse apenas que Suzane pediu que ele jogasse o objeto fora.

Depoimento da delegada Cíntia Tucunduva[editar | editar código-fonte]

A convite do Ministério Público, foi ouvida também a delegada de polícia Cíntia Tucunduva Gomes. Ela desmontou a versão apresentada no dia anterior pelos irmãos Cravinhos de que apenas Daniel teria golpeado as vítimas: para ela, as agressões foram simultâneas pois seria impossível que um dos dois tivesse sido atacado sem que o outro esboçasse reação. Gomes também ressaltou a frieza de Suzane, que se portou de modo desapaixonado desde o princípio – após confessar o crime, Suzane teria penteado os cabelos e perguntado ao então namorado se estava bonita, antes de ser fotografada e fichada no DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa).

Outros depoimentos[editar | editar código-fonte]

Foram ouvidos ainda: Fábio de Oliveira (agente penitenciário) e Hélio Artesi (pai de uma ex-namorada de Christian), que atestaram o bom comportamento dos irmãos Cravinhos; Ivone Wagner, que testemunhou que Suzane tratava mal sua mãe; e o policial militar Alexandre Boto, que "estranhou" a atitude de Suzane ao chegar à casa dos von Richthofen para verificar o que havia ocorrido.

Terceiro dia[editar | editar código-fonte]

No terceiro dia de julgamento (19 de julho de 2006), os advogados de Suzane tentaram manobra para incluir novos documentos nos autos do processo: leia a seção relativa à Herança.

Depoimento de Nadja Cravinhos[editar | editar código-fonte]

A mãe dos réus Christian e Daniel Cravinhos, Nadja Cravinhos de Paula, prestou um depoimento carregado de emoção. Ela ressaltou o arrependimento e profunda vergonha iminente que os filhos estariam sentindo, apesar de pedir aos jurados punição para todos: "Cada um tem que pagar pelo que fez, e não pelo que não fez." Afirmou que perdoou a todos, que os pais de Suzane eram agressivos quando bebiam e que de fato abusavam sexualmente da garota, que Andreas era influenciado em demasia por Suzane, e que Christian não tem mais problemas com drogas (pois teria largado há dez anos).

Reforçando a linha de defesa montada pelo advogado dos filhos, Nadja declarou que Suzane não perdeu a virgindade com Daniel e que Manfred e Marísia bebiam muito e "eram extremamente agressivos" entre eles e com os filhos.

Nadja disse que, quando Suzane tinha que ir para o sítio com os pais, entrava em pânico. "Não sei se ela se fazia de vítima, fazendo dele (Daniel) um instrumento", contou a mãe dos Cravinhos.

Christian e Daniel choraram bastante durante o depoimento.

Segundo depoimento de Christian Cravinhos[editar | editar código-fonte]

Horas depois, Christian - acredita-se que influenciado pelo depoimento da mãe - mudou seu próprio depoimento, confessando ter golpeado Marísia von Richthofen até a morte. Ele atribuiu a concepção do plano a Suzane: ela os teria convencido a participar do crime alegando que, com os pais, "não tinha vida", e que Manfred a teria tentado estuprar quando ela tinha 13 anos. Entretanto, manteve as declarações de que teria batido a porta do carro e pisado com mais força, na tentativa de acordar o casal e lhes dar alguma chance de reação. Disse também que, mortos Manfred e Marísia, Suzane o teria acalmado, dizendo: "Você não me tirou nada. Você me deu uma nova vida". Ao final do depoimento, Christian chorava muito e foi abraçado pelo pai. O julgamento foi suspenso por alguns minutos, e os jurados retirados do plenário.

Depoimento de Fernanda Kitahara[editar | editar código-fonte]

Depôs também Fernanda Kitahara, ex-colega de faculdade de Suzane. Ela confirmou que Suzane e Andreas usavam maconha, e que a droga era comprada por Daniel. Disse que sabia de desentendimentos entre Suzane e os pais, ressaltando um caráter controlador por parte deles: "Ela tinha horário pra voltar pra casa, saindo comigo ou com o namorado" - com isso Suzane teria, por várias vezes, mentido aos pais para encontrar Daniel. Também disse que Suzane era, em sala de aula, quieta e sem amigos, graças ao ciúme exacerbado de Daniel, e contou que Suzane lhe disse que o namorado era perseguido pelo espírito de um amigo, o "Nego" ou "Negão". Este afirmava que a acusada teria de escolher entre os pais e o namorado.

Quarto dia[editar | editar código-fonte]

O quarto dia de julgamento (20 de julho de 2006) começou com a exibição das imagens da perícia realizada no corpo de Marísia. A perita Jane Belucci fez uso de fotografias para esclarecer a dinâmica dos eventos, e a natureza das fotos, tais como a do rosto desfigurado de Manfred, causou desconforto geral. O laudo do IML (Instituto Médico Legal) concluiu que a mãe da ré morreu por traumatismo crânio-encefálico, causado por "instrumento contundente", com vários golpes. De acordo com a análise, a mãe de Suzane teve uma morte agônica, se mantendo viva por algum tempo.Enquanto essas imagens eram mostradas os réus Suzane, Daniel e Christian permaneceram de costas para o telão, sem em nenhum momento olhar para fotos.

O dia foi reservado ainda para a leitura de depoimentos das testemunhas (ainda na fase processual do caso) e para a exibição da reconstituição do filme e de uma série de reportagens acerca do crime, além dos depoimentos dos acusados.

Daniel e Christian choraram copiosamente durante a exibição de suas encenações, e pediram para serem retirados do plenário. Suzane não foi vista chorando, apesar das declarações em contrário de seus advogados, e também abandonou o plenário — para o promotor Roberto Tardelli, entretanto, arrependimento e desespero não diminuem a pena. Os réus divergiram sobre quem ficou responsável por desarrumar a biblioteca da casa na simulação de roubo, e sobre o momento em que pegam uma garrafa de água para jogar nas cabeças das vítimas.

Também foram lidas cartas de amor trocadas por Suzane e Daniel. Enquanto o rapaz se emocionou a ponto de ser retirado do plenário, Suzane demonstrou constrangimento e desconforto (especialmente nos trechos em que ela chama Daniel de "meu maridinho" e outros apelidos similares, que arrancaram risos do público), mantendo sua cadeira afastada das dos irmãos.

Conclusões[editar | editar código-fonte]

Para o promotor Tardelli,[29] o comportamento dos réus ressalta a "frieza" de Suzane e o "descontrole emocional" de Daniel — a combinação perfeita para se cometer um crime como este, em que lógica e coragem eram necessários. A promotoria disse que iria tentar provar que o crime foi inteiramente planejado, que nenhum dos acusados foi induzido. Para isto eles pretendem lembrar, entre outros, que logo após o crime Daniel e Suzane protagonizavam cenas de amor na delegacia, enquanto Christian foi a um churrasco, viajou e comprou uma moto.

Quinto dia[editar | editar código-fonte]

No último dia de julgamento (21 de julho de 2006), foram realizados os debates entre acusação e defesa e, após a decisão do Ministério Público de se abrir mão do tempo reservado para réplica, os jurados se reuniram para decidir o futuro dos réus.

Defesa dos irmãos Cravinhos[editar | editar código-fonte]

A advogada Gislaine Jabur tentou convencer os jurados a derrubar as qualificadoras colocadas pelo Ministério Público contra Christian e Daniel: ela alegou que Christian não pode ser acusado de duplo homicídio, já que ele matou apenas Marísia; disse que não houve motivo torpe, já que ele não tinha rancor das vítimas; alegou, por fim, que não houve motivo cruel (o laudo do IML – Instituto Médico Legal – atesta que Marísia morreu por traumatismo craniano, e não pela toalha colocada em sua boca). Quanto a Daniel, Gislaine lembrou que, desde a reconstituição do crime, o réu afirmou ter tentado acordar Manfred após tê-lo golpeado, sacudindo seu braço e passando uma toalha por seu rosto. Os advogados também argumentaram que as acusações de fraude e furto não procedem, já que Christian teria ficado com o dinheiro e as joias a pedido de Suzane.

Além disso, o outro advogado dos Cravinhos, Geraldo Jabur, arrancou risos da plateia ao comparar Suzane com personagens de telenovelas da Rede Globo, como Bia Falcão, Safira (da novela Belíssima) e Leona (da novela Cobras e Lagartos).

Ministério Público[editar | editar código-fonte]

Os promotores Roberto Tardelli e Nadir de Campos Júnior pedem ao júri a condenação dos réus. A promotoria acusou a defesa de Suzane de preconceito social, quando esta afirmou que a "menina milionária", que vivia alheia à realidade num mundo de conforto material, e que não tinha motivos para cometer um crime, foi facilmente convencida por Daniel a fazê-lo já que ele, vindo de uma família mais humilde e tendo um histórico de criminalidade e uso de drogas, tinha maior propensão a cometer um crime.

Ao ser acusado pelo promotor de justiça Nadir de Campos Júnior, Daniel Cravinhos teve uma crise de choro e foi abraçado pelo irmão e também réu, Christian Cravinhos. Ambos foram retirados do plenário. Suzane, por sua vez, permaneceu no plenário de cabeça baixa, sem esboçar reação.

Cquote1.svg "O júri de hoje traz para a existência do júri tudo aquilo que nós imaginamos que o júri pode ser. Os senhores vieram aqui com um notável senso de cidadania. Ficaram isolados e não tiveram contato com o mundo externo. Não há uma única pessoa que não esteja acompanhando e admirando cada um dos senhores e senhoras. Muitos queriam aqui estar. Nós não ensinamos aos nossos filhos que eles sejam ladrões. Nós agradecemos muito, demais, aos jurados.

Nossa historia de hoje vem romper o nosso equilíbrio, nossa normalidade de vida. Vamos imaginar duas famílias trabalhadoras. De um lado, um engenheiro e uma médica psiquiatra. Do outro lado, um funcionário público e sua esposa cuidando de seus filhos. Quem criou esses filhos, os criou com todo zelo. É o mínimo que se espera dos pais.

Vamos imaginar que houve obstáculos. Mas como é emocionante ver o filho crescer, as primeiras letras, os primeiros passos. Observar essas crianças se transformando em gente. Vamos imaginar que essas famílias deram tudo a elas, e não dinheiro, é o dar educação, dedicar. Quem tem filho, quem escolhe ter filhos, faz opção em ter alguém para amar, para se transcender, para se projetar. Essa é a família. Essa é por quem eu dou a vida mil vezes se tiver que dar. Como nós nos orgulhamos de ter filhos. Quem já não teve um filho, que disse que morria de amor?

[Suzane e Cravinhos são colocados de frente para os jurados, mas em um local mais distante. A intenção é que os jurados vejam os réus. No entanto, Suzane não quer ficar perto dos irmãos]

[Tardelli prossegue]

Porque nós nos apaixonamos é que temos os nossos filhos. E é por isso que sonhamos, e sonhar ninguém pode roubar da gente. Até que alguém de uma família, conhece alguém de outra família. Sé que esses alguéns, não são alguéns comuns. Essas duas crianças começam a se apaixonar. E quem nunca viu o filho morrer de amores

[Pede aos jurados que façam uma reflexão]

Nós sempre somos bem recebidos na casa dos nossos namorados? O que há de anormal em isso não acontecer? Não, é preciso uma coisa a mais, eu quero teu dinheiro, quero teu suor, quero teu trabalho. Eu quero isso porque é meu, não é seu. E se você não me der, eu te elimino do meu caminho. Pouco importa que nós não sabemos da intimidade desse casal, quem perdeu a virgindade com quem.

Houve um momento em que essa relação sufocou as famílias, a família Richthofen tentou terminar o namoro. A família Cravinhos tentou trazer o casal para dentro de casa e assim tentar fazer alguma coisa. Ambas sabiam que o relacionamento estava intenso demais. Chegou um momento em que essa relação incomodou demais as famílias. Nos momentos familiares, comer em família, sair em família.

Os vizinhos, amigos, ninguém percebeu. Certamente um fazia tudo pelo outro. Pararam de fazer coisas um pelo outro. Academia, pagar contas, matar aula. O casal era tão regulado, desconfiado, que a filha contava mentira. O tipo de mentira padrão.

E esse casal percebeu que devia dar um passo à frente. Eliminar o casal Richthofen. E esse é um tipo de segredo que não se compartilha. Tudo foi macabramente planejado. Como eu posso imaginar que esse rapaz e essa moça se fecham no quarto e dão um tiro para ver o barulho que vai fazer. Como percebemos que nossos filhos planejavam o mais macabro, o mais grave dos crimes de que se tem notícia?

Porque eles se completavam, eles se seguravam perfeitamente. As coisas estão sob o nosso controle. As ações dessa empresa, Cravinhos e Richthofen, correspondem a cotas iguais. Foi o casamento perfeito, o cérebro e a coragem. Oh, ela me dizia que era violentada pelos pais. Ora, ela vivia com os pais, passeava com os pais. E ela disse que não estava namorando mais. A família Richthofen sai soltando rojão. E não foi porque os Cravinhos eram pobres.

Até que ele fabrica a arma. E se alguém os visse fazendo isso, imaginaria o que estava acontecendo? Nunca. Só que o menino precisava ser retirado da casa [Andreas]. E o horário da lan house é o melhor. ‘Mas, cuidado, se você acordar o papai e a mamãe, eles não vão deixar você ir’. E ele não os acorda. E aí começa a maior seqüência de destruição e morte que eu presenciei em 22 anos de carreira.

‘Eu estava drogado, mas eu dirigia o carro. Eu não sabia o que iria acontecer, mas o Cristian foi com uma malinha, com uma muda de roupa, para o cibercafé’. Ele [Cristian] disse: ‘Eu fui covarde por não ter segurado meu irmão’. Mas ele não disse que não foi covarde para dar a paulada. Estava cheio de coragem para dinamitar a cabeça da Marísia. Ele foi irmão para dizimar o casal. Ele diz: ‘Olha, eu comprei a moto para aplicar o dinheiro pra Suzane’. As pessoas têm um senso de humor...

No percurso, eles tiveram milhões de chances de não fazer. Cumprimentaram o guarda da rua, que também não percebeu nada. A filha doce, que a gente idealiza, vai ao quarto, percebe que os pais estão dormindo, chama os executores. Tudo isso é feito aos sussurros. O barulho deve ter sido ensurdecedor. Aquela toalha deve ter sido enfiada com uma brutalidade, ela [Marísia] se sentiu morrendo. Ela sofreu um golpe na mão. Ela pensou: ‘O quê que eu fiz? Alguém esta me matando, por quê?’

Eles tiveram o tempo de pensar em luvas cirúrgicas, em meia calça. Eles bagunçam a biblioteca. O Cristian acabou de matar uma mulher, um homem, e consegue ir a um hospital. Os dois, gastam R$ 300 numa suíte do motel Colonial. Eles continuam a vida. Jogam a culpa sobre a empregada doméstica.

E vamos protagonizar cena erótica lá no DHPP, quase um filme pornô, na porta da delegacia. Mentira que estavam transtornados! Gente impiedosa!

Nesse ínterim, a vida vai seguindo. Ele [Cristian] compra uma moto. Apavorado, ele passa o fim-de-semana na chácara do pai da namorada. Conta tudo pra ela, e participa do churrascão. Daniel, Suzane, chegam a sair com a amiga do casal para comer pizza. Que arrependimento é esse? São iguais, são sócios. O que aconteceu? Quando descobriram a mentira, jogaram um a culpa no outro, a sociedade se rompeu. Mas são dois jovens que mataram sem chance. E se uniram por ganância, que é um defeito da alma humana.

[Tardelli mostra os sacos de lixo e mostra como eles colocaram na cabeça da Marísia. Mostra a pasta que eles rasgaram com a faca, a precisão do corte]

Tão desesperados, e olha o corte como é feito!

[Ele mostra a cada um dos jurados]

Ele era habilidoso, aeromodelista, mão firme, gesto preciso. Fez com talento. ‘Eu estou tão transtornado que eu peço a única nota fiscal já expedida pelo motel em toda sua história!’ Que transtorno é esse?

No dia seguinte, eles voltaram à casa atrás de dinheiro!

Só negando completamente a realidade nós podemos afirmar que um tenha dominado o outro. São tão desesperadamente arrependidos que estavam tomando sol na piscina. A irmã chega para o irmãozinho, cuja herança ela renuncia apenas quatro anos depois do crime! Eles são tão arrependidos que tiveram que ser ouvidos três vezes para confessar! Eu quero ver alguém localizar uma garrafa de bebida alcoólica na casa no dia do crime. É o primeiro casal alcoólatra que não tinha bebida em casa.

Mas eu preciso encontrar uma razão para justificar o caso. Eu preciso dizer que o casal era um abusador sexual. Uma infâmia contra quem aqui não está para se defender. Além de fazer aquilo, ainda conseguem difamar o casal que morreu. O sangue não foi o bastante, eu preciso mais.

Pediu a metade do seguro, eu quero contar todos os bens da casa, da minha casa, mas eu não tenho interesse no dinheiro. É um inventário que se arrasta há quatro anos. Mas eu não quero dinheiro. Pede para ser nomeada inventariante, para administrar os bens, mas eu não tenho interesse pelos bens. E, por fim de tudo, eu peço a metade do seguro do pai que eu matei.

A amoralidade é tamanha que me soa ofensivo dizer que a ficha caiu. Oh, mas era o Daniel no céu, e Deus na Terra. Estamos falando de uma moça que falava três idiomas, que tinha uma vida social intensa. E a maconha... por favor, menos!

Ele via um espírito, negão. Nadir do céu! [Refere-se ao outro promotor, Nadir de Campos Jr., que é negro] Eu não gosto de mexer do outro lado lá da cerca, mas ele apareceu agora, e a gente nem combinou! [Nadir havia saído do plenário e voltou em seguida]. E eu estava falando do espírito na hora que o senhor apareceu, dr. Nadir [A platéia gargalha]. E esse espírito era um traficante da favela. E a amiga de Suzane deu um depoimento absolutamente leal a ela.

Dinheiro e sexo foram suficientes, mais que suficientes. Porque ela não saiu de casa para sobreviver? Eu não preciso fazer isso, não preciso lutar para sobreviver. Família para a Suzane tem prazo de validade. A dela, eles eliminaram. Ela também eliminou simbolicamente a família Cravinhos! E só foi simbolicamente porque ela está presa! Ela os matou aqui friamente, perante todos nós.

Andreas - o menino tímido, educado e caseiro que perdeu os pais e a irmã, pois para ele toda a família morreu naquele Outubro. Essa Suzane, que matou os pais e quer a herança ele não reconhece mais. Sua melhor amiga "Suzy", acabou com a vida dele e continuou o aterrorizando - inúmeras ligações, cartas, cartazes, visitas a casa dele e fotos com a vovó enquanto ele estava em aula e o titio trabalhando. Casa dele? Desculpe! Andreas mora de favor com a avó e o tio. Ainda não recebeu a herança que a irmã tanto quer. Sem contar que em liberdade "Suzy" o perseguiu várias vezes, enquanto o garoto fazia aulas de direção. E se ela for absolvida? Quem pode dizer que não há nenhum perigo para o Andreas? Quem?

De repente, acontece um tsunami processual. Acordo num pesadelo e vejo Suzane solta. Quando eu vejo aquilo, penso que o mundo está começando a girar ao contrário. Ela foi à praia, passeou, tomou sol! Ela estava de férias da cadeia, caminhou placidamente na praia, mas muito arrependida...Mas na praia, pulando ondinha!

Poucos meses depois, os Cravinhos também são soltos e dão uma entrevista na rádio Jovem Pan. É a voz de quem perdeu a vida em razão daquilo? E o que me deixa assim é a voz doce com que todos contam as suas atrocidades. Voz mansa, pausada, quase beata! Eu não sabia direito o que fazer, e arrebentei aquele casal!

Daniel fez por amor. Não! Fez pelo dinheiro, pela vida boa! Ele precisava, tanto que fez. O Cristian fez por dinheiro. Dinheiro! Dinheiro fácil que ele comprou a moto no dia seguinte. São três pessoas imediatistas, que não conseguem enxergar o dia de amanhã. Senão, saberiam que estariam aqui.

E uma aberração que é a pior que eu já vi. Nós vimos as fotos do casal, como eles ficaram, a reconstituição. São fotos horripilantes.

E a acusada, em voz mansa, nos disse que estudou o processo. Ela viu essas fotos! Ela procurou brecha no processo da qual ela é a protagonista! Nunca se disse isso nesse tribunal! Como alguém se diz arrependido, vendo essas fotos? Não que alguém tenha obrigado a ver, mas que quis estudar o processo. Eu sou mais inteligente que todo mundo, vou encontrar brechas que meus advogados não viram.

Eu vou estudar isso como se eu estivesse estudando isso [mostra o Código de Processo Penal]. Como pode se atrever a dizer isso? Perguntem a quantos advogados criminalistas quiser, quantos acusados olharam as fotos do que fizeram. Agora eu quero renunciar à herança, que comovente!

Agora eu vou fazer uma pausa, e vamos voltar aos sonhos dos nossos filhos. Mas eu garanto que esse casal nunca imaginaria estar aqui assistindo essa cena. Nós temos que separá-los. Seu Astrogildo e Nadja Cravinhos são pessoas da mais alta dignidade. E conta vantagem, e quem não conta? Pelo menos do time de coração, nenhum problema. Ora, mas ela era a galinha dos ovos de ouro? Um escrivão de anos de serviço não precisa disso. Ela pagava coisas, prestação do carro pro Daniel. Quem nunca deu um presente pro namorado? Quem não dá um presente maluco para a namorada? Todos nós. O diabo é que o namoro sempre acaba antes do cartão de crédito.

Quem viu a reconstituição, percebeu que os porretes estavam escondidos debaixo do carpete do porta malas. Foram com malinha para o cibercafé, foi pra casa, esperou a ligação, esperou a senha. Vai ao local, recebe um policial, porque está desesperado. Ele desconfia da frieza dela. Fedelha assassina!

Se os pais desconfiassem de alguma coisa, teriam fechado a porta do quarto. Como eles, o sonho do filho andava bem. Um casal executou um crime bárbaro, a eles se juntou Cristian, porque eram dois que precisavam morrer.

Vou encerrar aqui."

Cquote2.svg
Fala do promotor Roberto Tardelli no último dia de julgamento[30]

Reunião dos jurados[editar | editar código-fonte]

Os quatro homens e três mulheres que compuseram o júri se reuniram por volta das 22h, no fórum da Barra Funda (zona oeste de São Paulo). Eles responderam a um questionário em que julgavam se cada um dos réus era culpado em 12 itens. As respostas possíveis eram sim e não. No caso dos irmãos Cravinhos, as questões são, entre outras, se houve motivo torpe, se o meio usado foi cruel, se houve possibilidade de defesa das vítimas, e se há atenuantes. No caso de Suzane, em seis perguntas os jurados devem decidir se ela agiu ou não sob coação dos irmãos Cravinhos.

Com base nos questionários, o juiz Alberto Anderson Filho, presidente do 1° Tribunal do Júri, estabeleceu e divulgou a sentença.

Sentença[editar | editar código-fonte]

O Tribunal do Júri condenou Suzane Richthofen e Daniel Cravinhos a 39 anos de reclusão, mais seis meses de detenção, pelo assassinato do engenheiro Manfred e da psiquiatra Marísia von Richthofen, mortos a pauladas no dia 31 de outubro de 2002, na residência deles, no bairro nobre do Brooklin, em São Paulo. A pena-base foi de 16 anos, mais 4 pelos agravantes, para cada uma das mortes. Ambos tiveram sua pena reduzida em um ano; Suzane por ser à época menor de 21 anos, e Daniel, graças à confissão. Já Christian Cravinhos foi condenado a 38 anos de reclusão, mais seis meses de detenção. Sua pena-base foi de 15 anos, mais 4 pelos agravantes, também para cada uma das mortes. Ele também teve sua pena reduzida em um ano por ter confessado o crime. Mesmo condenados a quase 40 anos, a lei brasileira só permite que um condenado fique preso por no máximo 30 anos.

A sentença só foi anunciada às 2h da madrugada do dia 22 de julho de 2006, pelo juiz Alberto Anderson Filho, que presidiu o julgamento iniciado no começo da semana, no dia 17, no Fórum Criminal da Barra Funda, na capital paulista.

Suzane cumpriu pena em Rio Claro-SP (depois, em agosto de 2006, por motivos de segurança, foi transferida para a Penitenciária Feminina de Ribeirão Preto-SP), enquanto os irmãos Cravinhos foram levados para a penitenciária de segurança máxima de Tremembé-SP.

Os condenados ainda podem recorrer, mas não poderão aguardar em liberdade. Também não poderão ser submetidos a novo júri, pois as penas foram inferiores a 20 anos por homicídio praticado.

O advogado de defesa de Suzane Richthofen, Mauro Otávio Nacif, disse que saía "muito triste" do Tribunal e que não iria recorrer do resultado, mas que tentará reduzir a pena da cliente. O advogado declarou ainda que Suzane, depois de cumprir a pena, "quer morar na Europa e ser diplomata".

Vida na cadeia e progressão da pena[editar | editar código-fonte]

Na noite de 20 de novembro de 2002, Suzane foi transferida a Penitenciária Feminina do Carandiru. Daniel foi levado ao Belém 1 e Cristian ao Belém 2. Suzane ficava sozinha numa cela com cama, televisão, chuveiro e vaso sanitário. Ela recebeu ainda a visita da advogada Claudia Bernasconi e de dois outros defensores da área cível. Suzane pediu ainda que pudesse receber a visita do irmão Andreas, de 15 anos, e de sua avó materna.[31]

Em dezembro de 2004, Suzane teve um habeas corpus negado. Em junho de 2005 ele foi aceito, e Suzane foi solta no final do mês.[32] Contudo, após a polêmica entrevista ao Fantástico em um domingo de abril de 2006, Suzane foi presa um dia depois (12 de abril). O pedido de prisão foi feito à Justiça pelo promotor do caso, Roberto Tardelli, um dia depois da veiculação das entrevistas concedidas por ela à revista Veja e ao programa Fantástico, da TV Globo. A reportagem exibida pela Globo na noite de domingo procurou mostrar o que seria uma "farsa" montada pela defesa de Suzane. A emissora exibiu trechos de gravações em que os advogados a orientavam a chorar. No pedido, o promotor apresentou uma foto de Suzane ao lado de sua avó materna. Com isso, ao decretar a prisão, o juiz entendeu que o irmão de Suzane, Andreas, estava "ao seu alcance" e que "tornaram-se públicas as divergências havidas entre Suzane e seu irmão, ora por desacordo na partilha de bens dos falecidos pais, vítimas".[33]

E prosseguiu o juiz: "Mais do que garantir a aplicação da lei penal e proteger uma testemunha, tem-se a necessidade de garantir a perfeita ordem de julgamento da ré e dos demais acusados, uma vez que se nota a clara intenção de criar fatos e situações novas, modificando, indevidamente, o panorama processual", se referindo, neste trecho, às entrevistas.

Daniel e Cristian receberam em fevereiro de 2013 o direito de regime semiaberto, em que podem sair de dia para trabalhar e voltar à cadeia para dormir.[19] Em 10 de maio de 2013 , deixaram o presídio pela primeira vez desde 2006, após o período de quarentena da decisão de regime semiaberto, para benefício do Dia das Mães.[34]

Em agosto de 2014, Suzane foi beneficiada com a progressão da pena, do regime fechado para o regime semiaberto, tendo o direito de trabalhar durante o dia e dormir na prisão. De acordo com a juíza Sueli de Oliveira Armani, da 1ª Vara de Execuções Penais de Taubaté, a ré "encontra-se presa há 12 anos, não apresenta anotação de infração disciplinar ou qualquer outro fator desabonador de seu histórico prisional, (...) não há como negar à postulante a progressão ao regime intermediário". Segundo seu advogado, Denivaldo Barni, Suzane deverá exercer atividades de auxiliar no seu escritório.[35]

Pouco menos de uma semana depois dessa decisão da Justiça, Suzane entrou com pedido para permanecer em regime fechado, na Penitenciária de Tremembé, onde cumpre pena, alegando temor de ser hostilizada em outro presídio - fato que já aconteceu quando se encontrava presa no Carandiru. Afirmou ainda que necessita do salário que recebe por seu trabalho na oficina de confecção de roupas da FUNAP, na penitenciária de Tremembé, onde tem bom relacionamento com as demais detentas. O pedido ficou de ser analisado.[36]

Em outubro de 2014, Suzane anunciou seu casamento  com outra detenta, Sandra Regina Ruiz  Gomes, condenada a 24 anos de prisão pelo sequestro e morte de um adolescente em São Paulo. Sandra é ex-namorada de Elise Matsunaga, presa por matar e esquartejar o marido, Marcos Matsunaga, em 2012. Para conviver com Sandra, Suzane teve que assinar um documento de reconhecimento afetivo, exigido para todas as presas que resolvem viver juntas. Com esse documento, ela trocou a ala das evangélicas, onde vivia, e passou a habitar a cela das presas casadas, onde divide espaço com mais oito casais. Pessoas ligadas a Elise e Sandra disseram que as duas estavam juntas desde o início do ano e que o relacionamento acabou por causa de Suzane. As três trabalhavam na oficina de costura da prisão, onde Suzane é chefe. O relacionamento é apontado como um dos motivos para Suzane ter aberto mão do direito de passar os dias fora da prisão.[37]

Herança[editar | editar código-fonte]

A herança dos von Richthofen está avaliada em mais de 11 milhões de reais[38] . Quando Suzane completou 18 anos, em novembro de 2001, seu pai abriu uma conta de 30 milhões de Euros na Suíça, em seu nome. O dinheiro provavelmente era fruto de corrupção da DERSA, empresa em que Manfred Von Richthofen era o engenheiro responsável pela construção do Rodoanel Mário Covas, de orçamento bilionário. Como a conta está em seu nome, nada impede que Suzane tenha acesso ao dinheiro após cumprir sua pena.[39] [40] Há controvérsias sobre o interesse dos réus no espólio, e se este os teria motivado a cometer o crime, além dos boatos que falam que isso tudo foi por causa da mãe que os proibiam de namorar. A opinião pública tende a considerar que o crime foi cometido por motivação financeira, tanto de Suzane quanto dos irmãos Cravinhos.

Segundo seu advogado Mauro Nacif, Suzane não está interessada em receber a herança: "Ela abriu mão de tudo desde o inicío. Disse que não queria nada, com a condição de que o irmão não movesse um processo de exclusão de herança contra ela. Queria evitar uma atitude 'feia' dele, mas não conseguiu o acordo. Mesmo assim, porque gosta muito do Andreas, quer administrar a herança". A acusação refuta esta tese, sustentando que esta é uma tentativa de se humanizar a figura de Suzane, tida pela opinião pública como fria, calculista e cruel. É importante ressaltar que esta tese é contrária à apresentada três anos atrás, quando Suzane e os irmãos Cravinhos confessaram que um dos motivos para se assassinar o casal seria o interesse no espólio dos von Richthofen.

Na quarta-feira, 19 de julho de 2006, os advogados de Suzane tentaram incluir no processo documento que pede a exclusão da moça do inventário referente aos bens deixados por seus pais – avaliados em 11 milhões de reais – em favor do irmão caçula. O pedido foi negado pelo juiz Alberto Anderson Filho. Na interpretação do promotor Roberto Tardelli, "a ação não traz nenhum efeito para esse julgamento, porque não está juntada nos autos. Além disso, a renúncia é a um ato unilateral. Não precisa de processo judicial. Também não impede o andamento da ação para deserdar Suzane, movida por Andreas". Os advogados de Suzane tentaram esta manobra após o depoimento no dia 18 de julho de Andreas von Richthofen, em que ele afirmou que Suzane requere na Justiça uma pensão mensal no valor de aproximadamente sete salários mínimos e o direito de morar no apartamento antes ocupado pela avó. Além disso, Suzane teria causado intenso desconforto a Andreas, ao requerer na Justiça a contagem de copos, talheres e cadeiras da casa, entre outros objetos, para a confecção do inventário.

Reportagem exibida pelo programa "Fantástico", da TV Globo, em 12 de outubro de 2014, noticiava que Suzane procurou a Justiça a fim de abrir mão de toda a herança em benefício do irmão, Andreas, e manifestou vontade de reencontrá-lo. Os dois não se veem desde o julgamento, em 2006. No mesmo documento, ela dispensou o advogado Denivaldo Berni, que a acompanhou todos esses anos, alegando sentir-se insegura quanto a sua atuação "tanto no aspecto judicial, quanto pessoal". Além disso, pediu que ele fosse proibido de visitá-la. Entre os bens da herança, encontra-se a residência da família Von Richthofen, avaliada em cerca de três milhões de reais.

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Após o caso dos von Richthofen vir a público, o deputado federal Paulo Baltazar (PSB-RJ) elaborou projeto de lei que impede que condenados por crimes contra familiares tenham acesso ao espólio da(s) vítima(s). O projeto foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara em abril de 2006, e segue agora para aprovação no Senado. Na mesma oportunidade, também foi aprovado o Projeto de Lei 141/2003, do mesmo autor, que tramitava em conjunto, e que exclui da herança quem matar ou tentar matar o cônjuge, companheiro, ascendente ou descendente.

Suposto assédio sexual praticado por Promotor de Justiça[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2010, o promotor de justiça Eliseu Berardo foi acusado por Suzane de assédio sexual, e recebeu, por parte da Corregedoria do Ministério Público de São Paulo, como punição, uma suspensão de 22 dias sem direito a receber salário.[17] [41] No entanto, segundo a corregedoria, a punição foi motivada pelo acúmulo de diversos fatores.[41] O promotor negou veementemente todas as acusações.[41]

Referências

  1. http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,MUL951-5605,00.html
  2. a b c d e O Irmão
  3. a b c d e f Alexandre Mansur; Solange Azevedo (6 de dezembro de 2002). No rastro de Suzane Época. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2013.
  4. a b http://noticias.r7.com/sao-paulo/em-carta-richthofen-diz-a-daniel-cravinhos-que-eles-vao-sair-dessa-27102012
  5. Engenheiro assassinado a mando da filha era homem-chave do Rodoanel
  6. Red Baron heiress killed parents
  7. Psiquiatra morta em SP nasceu em Bonifácio
  8. http://www.estadao.com.br/arquivo/nacional/2002/not20021109p54173.htm
  9. http://www.estadao.com.br/arquivo/nacional/2002/not20021109p54174.htm
  10. a b Andreas visita Suzane e diz que pais "perdoaram" irmã
  11. a b Promotor explica o porquê irmão de Suzane Richthofen achou que seria morto
  12. Andreas fura fila ao visitar Suzane Richthofen na prisão
  13. Suzane não quer encontro com ex-namorado
  14. Sem apoio da família, Suzane está em casa de amigo dos pais
  15. Mesmo após matar os pais, Suzane briga com irmão por metade da herança
  16. Andreas Albert Von Richthofen
  17. a b sítio veja.abril (16 de Outubro de 2011). Para escritor, caso Richthofen foi trama rodriguiana. Visitado em 20 de Setembro de 2012.
  18. a b Dor de mãe: Nadja Cravinhos
  19. a b c Irmãos Cravinhos em regime semiaberto
  20. Cristian Cravinhos diz que não matou pais de Suzane Richthofen por dinheiro
  21. Com habeas corpus, acusados de matar casal Richthofen deixam prisão
  22. Caso Suzane pode render outra punição
  23. http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u84892.shtml
  24. a b c d e f Saiba como foi a morte do casal Richthofen, segundo a polícia
  25. Engenheiro da Dersa e sua mulher, mortos em SP, são enterrados
  26. a b c d e http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/crimes/caso-suzane-von-richthofen/n1596994333920.html
  27. a b http://ultimainstancia.uol.com.br/conteudo/noticias/23354/noticias+ultimainstancia.shtml
  28. a b c CASOY, Ilana. O Quinto Mandamento. Editora Arx, ISBN 8575812289
  29. D'AGOSTINO, Rosanne. Íntegra da fala do promotor Tardelli no último dia de júri do caso Richthofen São Paulo (SP): Última Instância, 21 de julho de 2006
  30. http://ultimainstancia.uol.com.br/conteudo/noticias/23354/noticias+ultimainstancia.shtml
  31. Suzane, a princesa no Carandiru
  32. Suspeita de matar os pais, Suzane Richthofen deve ser solta nesta quarta
  33. Após entrevistas, juiz manda prender Suzane Richthofen para proteger irmão
  34. Irmãos Cravinhos deixam presídio em saída temporária do Dia das Mães
  35. Von Richthofen trabalhará com advogado. O Globo, 16 de agosto de 2014, p. 15.
  36. Com medo, Suzane prefere ficar na cadeia. O Globo, 20 de agosto de 2014, p. 11.
  37. Jornal Folha de S.Paulo, 28 de outubro de 2014.
  38. Herança deixada pelo casal Richthofen vale R$ 11 milhões Globo.com. Visitado em 2011-02-14.
  39. http://www.istoe.com.br/reportagens/3535_FELIZ+ANIVERSARIO+SUZANE+
  40. http://www.redetv.com.br/atardeesua/video/299885/promotor-faz-revelacoes-exclusivas-sobre-o-caso-richthofen.html
  41. a b c sítio fantastico.globo.com (26 de Setembro de 2010). Promotor é suspenso por suposto assédio a Suzane Richthofen. Visitado em 20 de Setembro de 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]