Celso Roth

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Celso Roth
Informações pessoais
Nome completo Celso Juarez Roth
Data de nasc. 30 de novembro de 1957 (56 anos)
Local de nasc. Caxias do Sul (RS), Brasil
Apelido Sargentão
Informações profissionais
Clube atual Sem clube
Posição Treinador
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1975–1978 Brasil Juventude
Times que treinou
1988–1990
1990–1991
1991–1992
1992–1993
1993–1994
1994
1995
1996
1996
1996
1997–1998
1998
1998–1999
2000
2000–2001
2001
2002
2002
2003
2004
2005
2005
2007
2008–2009
2009
2010
2010–2011
2011
2012
2014
Kuwait Al Qadsia
Flag of Indonesia.svg Indonésia (sub-21)
Flag of Qatar.svg Qatar (sub-21)
Catar Al-Etihad
Brasil Internacional (sub-21)
Emirados Árabes Unidos Al Ahli
Brasil Brasil de Pelotas
Brasil Juventus-SC
Brasil Esportivo-RS
Brasil Caxias
Brasil Internacional
Brasil Vitória
Brasil Grêmio
Brasil Sport
Brasil Grêmio
Brasil Palmeiras
Brasil Santos
Brasil Internacional
Brasil Atlético Mineiro
Brasil Goiás
Brasil Flamengo
Brasil Botafogo
Brasil Vasco da Gama
Brasil Grêmio
Brasil Atlético Mineiro
Brasil Vasco da Gama
Brasil Internacional
Brasil Grêmio
Brasil Cruzeiro
Brasil Coritiba

Celso Juarez Roth (Caxias do Sul, 30 de novembro de 1957) é um treinador e ex-futebolista brasileiro. É graduado em Educação Física pela Universidade de Caxias do Sul. Atualmente, está sem clube.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1988, recebeu um convite para ser treinador do Al Qadsia Sporting Club, do Kuwait. Em 1996, já de volta ao Brasil, conquistou seu primeiro título pelo Caxias: a Copa Daltro Menezes, um torneio disputado por diversos clubes do interior do Rio Grande do Sul. Isso abriu as portas um grande clube da Capital, o Internacional, onde chegou à primeira grande conquista - o Campeonato Gaúcho de 1997. Também realizou uma boa campanha no Campeonato Brasileiro do mesmo ano, levando o Internacional até as semifinais da competição e projetando seu nome no cenário nacional.

Após uma rápida passagem pelo Vitória, Roth retornou ao Rio Grande do Sul em 1998 para dirigir o Grêmio. No Campeonato Brasileiro de 1998, em uma campanha de recuperação, tirou o clube gaúcho das últimas posições do certame e levou a equipe até as quartas-de-finais da competição, sendo eliminada pelo Corinthians, clube que se sagraria campeão naquele ano. Em 1999, Roth dirigiu o Grêmio nos títulos do Campeonato Gaúcho e da Copa Sul. Em 2000, dirigindo o Sport, Roth conquistou seu último título de expressão antes do jejum de quase 10 anos sem títulos: a Copa Nordeste.

Desde então, foi treinador de diversas equipes da elite do futebol brasileiro, como Palmeiras, Santos, Atlético Mineiro, Goiás, Flamengo, Botafogo e Vasco. Seus melhores resultados foram as eliminações nas semifinais da Copa Libertadores da América de 2001 pelo Palmeiras e, também, nas semifinais do Campeonato Brasileiro de 2000 pelo Grêmio.

Em 2007, assumiu o comando do Vasco da Gama.[1] No primeiro turno sob seu comando, o atacante Romário teve a façanha de atingir seu milésimo gol no dia 20 de maio de 2007, no estádio de São Januário contra a equipe pernambucana do Sport. A equipe teve um bom início no Campeonato Brasileiro, terminando o primeiro turno em 3º lugar. Porém, após o início do 2º turno, a equipe caiu de rendimento e consequentemente de posição. Com apenas uma vitória em onze jogos no Campeonato Brasileiro e com a vaga para a próxima fase da Copa Sul-Americana em risco após a derrota para o América do México, a diretoria do clube decidiu rescindir o contrato com o treinador.[2] Celso Roth esteve no comando da equipe vascaína em 37 jogos, vencendo 15, empatando 7 e perdendo 15.

Após alguns meses longe do futebol, Celso Roth retornou ao Grêmio.[3] Neste clube começou bem, ficando invicto até meados de abril. Entretanto, este mês foi terrível na sua passagem pelo Tricolor: em uma semana, o time foi eliminado do Campeonato Gaúcho, pelo Juventude, e da Copa do Brasil, pelo Atlético Goianiense. Em ambos os confrontos, o Grêmio era o franco favorito. Após o impacto inicial, Roth esteve na iminência de ser demitido. Todos os caminhos apontavam para a sua saída do clube gaúcho, contudo ele permaneceu treinando o clube. Depois de sua situação ficar relativamente estável, Celso viu-se na obrigação de reestruturar o time. Desacreditado, ele treinou a equipe por um mês, realizando apenas amistosos. O fraco desempenho da equipe nessas partidas fez o técnico ser mais cobrado. Logo no início do Campeonato Brasileiro, o Grêmio jogaria contra o São Paulo, em pleno Morumbi. A equipe era então bicampeã do certame. Surpreendentemente o time gaúcho venceu por 1-0.[4] No decorrer do campeonato, o seu time foi somando cada vez mais vitórias. A torcida, que antes odiava o treinador, passou a aceitá-lo e, posteriormente, a apoiá-lo. Roth não conseguiu o título, mas o vice-campeonato somado ao fato de ser o treinador gremista com melhor aproveitamento na história dos campeonatos brasileiros, foi o bastante para que renovasse contrato com o Grêmio para 2009.[5]

Em 5 de abril de 2009, após perder mais um Grenal, Celso Roth foi demitido do Grêmio e em 4 de maio de 2009 foi contratado pelo Atlético-MG para ocupar o lugar de Emerson Leão que foi demitido após perder o clássico Atlético vs. Cruzeiro,[6] A reestreia dele no Galo foi contra o Vitória, o qual venceu por 3 a 0, mas o time foi eliminado na disputa por pênaltis. Em 5 de dezembro de 2009, último jogo do Galo no campeonato, Roth foi demitido por telefone depois da quinta derrota seguida do Atlético.

No dia 18 de maio de 2010, foi anunciado o seu regresso ao comando do Vasco da Gama.[7] Após um começo ruim no Brasileirão, no dia em 12 de junho, com menos de um mês de trabalho no clube cruzmaltino, Roth surpreendeu ao aceitar uma proposta do Internacional, que fez o anúncio da sua contratação.[8] Com Roth no comando, o Inter embalou uma sequência de vitórias no Campeonato Brasileiro; e na Taça Libertadores, eliminou o São Paulo na semifinal e derrotou o Chivas Guadalajara na final, tornando-se campeão do torneio continental.[9] Foi o tecnico do Internacional durante o fiasco no mundial de clubes da FIFA que ficou conhecido como Mazembaço.

Em 4 de agosto de 2011, é anunciado novamente como treinador do Grêmio, em sua quarta passagem pelo clube[10] .

Celso Roth comandou sua 222ª partida pelo Grêmio em 4 de dezembro de 2011, no Grenal da última rodada do Campeonato Brasileiro de 2011. Dessa forma, ultrapassou Valdir Espinosa (técnico com 221 partidas no Grêmio), tornando-se o sexto treinador com mais jogos no Grêmio, atrás apenas de Felipão (322 jogos) e treinadores dos anos 1930 e 1970.[11]

No dia 15 de maio de 2012, Roth foi anunciado oficialmente como o novo treinador do Cruzeiro. Em 2 de dezembro desse mesmo ano, com o término de seu contrato, o treinador se despediu do Cruzeiro, desejando feliz natal e bom ano novo "aos colegas [e] aos profissionais de imprensa".[12] Seu substituto na Toca da Raposa foi Marcelo Oliveira.[13]

Depois de 1 ano e meio sem clube passou a integrar, juntamente com o auxiliar Beto Ferreira e o preparador físico Paulo Paixão, a comissão técnica do Coritiba Foot Ball Club.[14] No entanto, foi demitido após uma derrota para o Palmeiras pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro, deixando o Coxa na penúltima colocação.[15]

Estatística[editar | editar código-fonte]

Atualizada em 16 abr. 2014.

Clube Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento
Vitória 26 12 6 8 54%
Grêmio 40 16 12 13 55%
Palmeiras 40 22 11 7 56,1%
Atlético-MG 40 22 11 7 64,2%
Goías 50 22 12 16 52%
Flamengo 19 5 4 10 33,3%
Botafogo 21 8 5 8 46%
Grêmio 78 45 17 16 67%
Atlético-MG 40 17 10 13 55%
Vasco da Gama 39 16 8 15 52%
Internacional 46 21 14 11 55,8%
Cruzeiro 38 15 7 16 46,8%
Coritiba 21 6 6 9 38%

Títulos[editar | editar código-fonte]

Internacional
Grêmio
Caxias
Sport

Vida Pessoal[editar | editar código-fonte]

Celso Roth é casado, pai, se formou em educação física na Universidade de Caxias do Sul (UCS) e se pós-graduou em aprendizagem motora na mesma universidade. Fala árabe e inglês. Em Porto Alegre, o treinador mora num condomínio onde também se encontra Paulo Roberto Falcão e é vizinho do condomínio do ex-presidente do Internacional, Fernando Carvalho.[carece de fontes?]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Figueroa
Guto Ferreira
Jorge Fossati
Treinador do Internacional
1997–1998
2002
2010–2011
Sucedido por
Cassiá
Cláudio Duarte
Falcão
Precedido por
Edinho
Antônio Lopes
Julinho Camargo (interino)
Julinho Camargo
Treinador do Grêmio
1998–1999
2000
2008–2009
2011
Sucedido por
Cláudio Duarte
Tite
Marcelo Rospide (interino)
Caio Júnior
Precedido por
Hélio dos Anjos
Treinador do Vitória
1998
Sucedido por
Geninho
Precedido por
Emerson Leão
Treinador do Sport
2000
Sucedido por
Jair Pereira
Precedido por
Andrade (interino)
Treinador do Flamengo
2005
Sucedido por
Andrade
Precedido por
Péricles Chamusca
Treinador do Botafogo
2005
Sucedido por
Carlos Roberto
Precedido por
Renato Gaúcho
Gaúcho
Treinador do Vasco da Gama
2007
2010
Sucedido por
Romário
Paulo César Gusmão
Precedido por
Emerson Leão
Treinador do Atlético Mineiro
2009
Sucedido por
Vanderlei Luxemburgo
Precedido por
Vágner Mancini
Treinador do Cruzeiro
2012
Sucedido por
Marcelo Oliveira
Precedido por
Dado Cavalcanti
Treinador do Coritiba
2014
Sucedido por
Marquinhos Santos