Marcelo Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marcelo Oliveira
Informações pessoais
Nome completo Marcelo de Oliveira Santos Uzai
Data de nasc. 4 de março de 1955 (59 anos)
Local de nasc. Pedro Leopoldo (MG), Brasil
Altura 1,70 m
Destro
Informações profissionais
Período em atividade Como jogador:1972-1985
Como treinador:2003-
Clube atual Brasil Cruzeiro
Posição Treinador (ex-Meia-Atacante)
Clubes de juventude
1969–1972 Brasil Atlético Mineiro
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1972–1984
1979–1983
1983
1984
1985
Brasil Atlético Mineiro
Brasil Botafogo (emp.)
Uruguai Nacional (emp.)
Brasil Desportiva
Brasil América-MG
jogos (golos)
Times que treinou
2003–2007
2007
2008
2009
2010
2011–2012
2012
2013–
Brasil Atlético Mineiro (cat. base)
Brasil CRB
Brasil Atlético Mineiro
Brasil Ipatinga
Brasil Paraná
Brasil Coritiba
Brasil Vasco da Gama
Brasil Cruzeiro

25

28

112
10 0
8000
Última atualização: 16 de abril de 2014

Marcelo de Oliveira Santos Uzai, mais conhecido como Marcelo Oliveira (Pedro Leopoldo, 4 de março de 1955) é um ex-futebolista que atuava como atacante e hoje é treinador de futebol brasileiro. Atualmente treina o Cruzeiro.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Como atleta[editar | editar código-fonte]

Oliveira se juntou ao Atlético Mineiro em 1969, e foi para o time profissional três anos depois, sob o técnico Telê Santana. Chegou a disputar pela seleção brasileira, em 1975, os Jogos Pan-Americanos e a Copa América, além das eliminatórias para a Copa de 1978. Em 1977, era titular do time vice-campeão brasileiro invicto tornando-se um dos maiores ídolos do clube alvi-negro (com 104 gols assinalados).

Em 1979, acabou sendo vendido ao Botafogo. Passados os três primeiros meses no futebol carioca, Marcelo comprou seu passe e o alugou em seguida para o Nacional, de Montevidéu.

Voltou ao Atlético em 1983 (contribuindo na conquista do Hexacampeonato Mineiro) e explica: "Como estava prestes a me casar, preferi voltar para o Galo." Marcelo teve passagens ainda pela Desportiva Capixaba e pelo América Mineiro, onde encerrou sua carreira em 1985.

Pela Seleção Brasileira, fez sete partidas e marcou dois gols entre 1975 e 1977. Conquistou os Jogos Pan-Americanos de 1975 e o Torneio de Cannes de 1974, pelo time Sub-18.

Como treinador[editar | editar código-fonte]

Após um período como comentarista esportivo na Rede Minas, Oliveira começou sua carreira como técnico na categoria de base do Atlético Mineiro e por lá ficou durante muito tempo. Foi treinador da equipe profissional por 6 vezes, sendo a última entre os meses de agosto e dezembro de 2008. Em 25 jogos comandando o Atlético, garantiu uma das vagas para a Copa Sul-Americana 2009. Na sequência, saiu para a entrada de Emerson Leão.

Em 2010 foi contratado para treinar o Ipatinga. Após a derrota de 2–0 para o Paraná, Marcelo Oliveira foi demitido.[2]

No mesmo ano assumiu o comando do Paraná Clube, deixando o time em outubro. Em 18 de novembro foi anunciado como o novo técnico do Coritiba para a temporada 2011, substituindo Ney Franco. [3]

Sua passagem pelo Coritiba foi a mais longa e vitoriosa da sua carreira até então levando o time a dois títulos estaduais e duas finais da Copa do Brasil. Foi demitido após a derrota por 3–0 para a Portuguesa em 5 de setembro de 2012.[4]

Coritiba[editar | editar código-fonte]

2011

No Coxa, Marcelo levou o time ao título do Campeonato Paranaense de forma invicta, com 20 vitórias e 2 empates. Entre os dias 3 de fevereiro e 5 de maio, conseguiu o recorde mundial de 24 vitórias seguidas, reconhecido pelo Guinness. [5] Chegou à final da Copa do Brasil, perdida na regra de gols fora de casa. No Brasileirão, terminou na 8ª colocação, classificando o clube à Sul-Americana de 2012. Em 16 de novembro, renovou seu contrato com o Coritiba até o fim de 2012.[6]

2012

Começou 2012 sendo campeão do Campeonato Paranaense, depois de derrotar seu arquirrival Atlético-PR na final da competição. Em 1º de março, na partida em que o Coxa venceu o Toledo por 1–0, Oliveira chegou à marca de 84 jogos dirigindo o time, ingressando assim na lista dos 10 técnicos que por mais vezes comandaram a equipe. [7] Ainda em março, Marcelo foi considerado pelo Institute of Football Coaching Statistics o melhor técnico do Brasil e o 14º do mundo nos 12 meses precedentes. [8] Em 6 de maio, Marcelo completou 100 jogos comandando o Coritiba no empate por 2–2 no primeiro Atle-Tiba da decisão do estadual, disputado fora de casa.[9] Chegou na final da Copa do Brasil, que foi disputada contra o Palmeiras, após o Coxa ter eliminado o Nacional-AM na 1ª fase, o ASA na fase subsequente, o Paysandu nas oitavas de final, o Vitória nas quartas de final e o São Paulo na semifinal. O Coritiba foi o único representante paranaense no Primeira Divisão do Campeonato Brasileiro em 2012. O Coxa também disputou a Sul-Americana neste ano. Em setembro, após uma série de maus resultados, Marcelo Oliveira foi demitido do Coritiba. Pelo clube paranaense, Marcelo disputou 131 partidas, obtendo 74 vitórias, 25 empates e 32 derrotas, atingindo um aproveitamento de 62,8%.

Cruzeiro[editar | editar código-fonte]

Depois de ser demitido pelo Vasco da Gama, foi contratado pelo Cruzeiro algumas semanas depois. No principio houve desconfiança da torcida pois o treinador fez grande história com a camisa do Atlético Mineiro quando ainda era jogador, mas essa impressão foi revertida. Iniciou seu trabalho em 7 de janeiro de 2013, no mesmo dia do início da pré-temporada de 2013 para o clube.

No dia 13 de novembro de 2013, contabilizando 59 jogos pelo Cruzeiro (45 vitórias, 6 empates e 8 derrotas), Marcelo Oliveira conduziu o Cruzeiro ao título do Campeonato Brasileiro de Futebol de 2013 - Série A. Tornou-se a equipe campeã mais precoce na era dos pontos corridos.[10]

Seis dias depois, Oliveira renovou seu contrato por mais um ano com o clube,[11] ano este em que o clube disputará a Copa Libertadores da América de 2014.

Levou o clube ao título de Campeonato Mineiro de 2014 de forma invicta.[12]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Até 16 de abril de 2014[13]

Ano Clube Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento
2002-2008 Atlético Mineiro 53 18 17 18 44.65%
2011-2012 Coritiba* 131 74 25 32 62.85%
2012 Vasco da Gama 10 2 2 6 26.67%
2013 Cruzeiro 60 45 7 8 78.88%
2014 Cruzeiro 20 13 5 2

* A partida Roma Apucarana 1-3 Coritiba, disputada em 29 de abril de 2012 e válida pela 11ª rodada do segundo turno do Campeonato Paranaense, não está contabilizada nas estatísticas pelo o motivo de o Coritiba ter sido comandado pelo auxiliar técnico Tico na ocasião. [14]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Atlético Mineiro
Desportiva
Seleção Brasileira

Como treinador[editar | editar código-fonte]

Ipatinga
Coritiba
Cruzeiro

Individual[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Ney Franco
Treinador do Coritiba
2011–2012
Sucedido por
Marquinhos Santos
Precedido por
Cristóvão Borges
Treinador do Vasco da Gama
2012
Sucedido por
Gaúcho
Precedido por
Celso Roth
Treinador do Cruzeiro
2013–
Sucedido por
'