Mário Travaglini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mario Travaglini
Informações pessoais
Data de nasc. 30 de abril de 1932
Local de nasc. São Paulo, (SP), Brasil
Falecido em 20 de fevereiro de 2014 (81 anos)
Local da morte São Paulo, (SP), Brasil
Informações profissionais
Posição Treinador
Times que treinou

Mario Travaglini (São Paulo, 30 de abril de 1932 — São Paulo, 20 de fevereiro de 2014) foi um futebolista e treinador de futebol brasileiro.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi considerado um dos introdutores da filosofia do futebol moderno no futebol brasileiro, combinando a versatilidade dos esquemas táticos europeus (sobretudo o da Seleção Holandesa de 1974) com o talento dos craques nacionais. Com o Palmeiras foi campeão paulista em 1966, campeão brasileiro em 1967 vencendo tanto a Taça Brasil, campeonato oficial do Brasil, que dava o direito de disputar a Copa Libertadores da América, como o Torneio Roberto Gomes Pedrosa, que em 1969 se tornaria o campeonato oficial brasileiro que se iniciou em 1970.

Venceu ainda o campeonato brasileiro de 1974 treinando o Vasco da Gama.

Em 1976, foi campeão carioca pelo Fluminense, em um time conhecido por Máquina Tricolor, trabalhando nas Laranjeiras também nos primeiros meses de 1977.

Em 1978, foi supervisor técnico de Cláudio Coutinho no comando da Seleção Brasileira que disputou a Copa do Mundo daquele ano, na Argentina.

Entre 1982 e 1983, treinou o Corinthians, sendo campeão paulista comandando a chamada Democracia Corinthiana.

Em 1983 até 1984, foi treinador do São Paulo, onde foi vice-campeão paulista em 1983, e o time foi muito mal no campeonato brasileiro de 1984. Saiu depois de uma derrota para o Internacional por 2 a 0, na 2ª rodada do Torneio Heleno Nunes. Fez no São Paulo, 64 jogos, com 29 vitórias, 24 empates, e 11 derrotas, para depois voltar a comandar o Palmeiras no campeonato paulista de 1984, 4º lugar.

Em 1987, foi treinador do Vitória. Aposentou-se no início dos anos 90, treinando clubes do interior paulista.

Foi presidente do Sindicato dos Treinadores Profissionais de Futebol de São Paulo e, em 2008, teve lançada uma biografia sua: "Mário Travaglini - da Academia à Democracia", de Márcio Trevisan e Helvio Borelli.[2]

Morreu em 20 de fevereiro de 2014, "em São Paulo, com 81 anos, vítima de um tumor cerebral, depois de ter estado mais de um mês hospitalizado".[3]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Palmeiras
Vasco da Gama
Fluminense
Corinthians

Referências