Cultura europeia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A cultura europeia pode ser melhor descrita como uma série de culturas sobrepostas, e que envolve questões de Ocidente contra Oriente e Cristianismo contra Islão. Existem várias linhas de ruptura culturais através do continente e movimentos culturais inovadores discordam uns dos outros. Assim, uma "cultura comum europeia" ou "valores comuns europeus", é algo cuja definição é mais complexa do que parece.

Línguas[editar | editar código-fonte]

As línguas europeias estão, em sua maioria, dentro de três principais grupos linguísticos: as línguas românicas, derivadas da língua latina do Império Romano; as línguas germânicas, cujos ancestrais vieram de língua do sul da Escandinávia; e as línguas eslavas. As línguas românicas são faladas principalmente no sudoeste da Europa, assim como na Roménia e na Moldávia, que estão situadas na Europa Oriental. As línguas germânicas são faladas no noroeste da Europa e algumas partes da Europa Central. As línguas eslavas são faladas na Europa Central, Oriental e Sudeste da Europa. Muitas outras línguas fora dos três principais grupos são faladas na Europa. O grupo de línguas célticas também é um grupo distinto, como os restantes já referidos, e embora tenha desaparecido grande parte do seu uso diário, ainda existem diferentes números de falantes de cada uma das seis línguas célticas: irlandês, gaélico escocês e manx, galês, córnico e bretão. Multilinguismo e a proteção das línguas regionais e minoritárias são objetivos políticos reconhecidos na Europa de hoje. O Conselho da Europa através da Convenção-Quadro para a Protecção das Minorias Nacionais do Conselho da Europa e da Carta Europeia das Línguas Regionais. A Europa possui uma extensa fonte de linguas muçulmanas.

Religião[editar | editar código-fonte]

O Cristianismo tem sido a característica dominante na formação da cultura europeia pelo menos nos últimos 1700 anos. O pensamento filosófico moderno têm sido muito influenciado por filósofos cristãos tais como São Tomás de Aquino e Erasmo.

As religiões mais populares na Europa são:

Outras religiões minoritárias também existem na Europa, algumas trazidas por imigrantes:

Milhões de europeus não professam qualquer religião ou são ateus ou agnósticos. As maiores populações não-confessionais (em percentual) estão na Suécia, República Checa e França, embora a maior parte dos ex-países comunistas tenham populações não-confessionais significativas. Frequentar uma igreja é uma atividade minoritária na maioria dos países ocidentais– por exemplo, a Igreja da Inglaterra atrai cerca de um milhão de devotos aos domingos,[2] o que corresponde a cerca de 2% da população da Inglaterra.

Filosofia[editar | editar código-fonte]

A filosofia europeia é a corrente predominante global da filosofia, central para o questionamento filosófico nas Américas e em boa parte do restante do mundo. Suas origens são judias e helénicas: o pensamento cristão tem exercido grande influência em vários campos da filosofia europeia (e vice-versa), às vezes como forma de reação; as escolas gregas de filosofia da Antiguidade clássica forneceram as bases do discurso filosófico que estende-se aos dias de hoje.

Talvez os mais importantes períodos filosóficos únicos desde a era clássica foram a Era da Razão e o Iluminismo. Discute-se muito sobre sua importância e mesmo sua duração. O que é incontestável é que os princípios da razão e do discurso racional devem muito a René Descartes, John Locke e outros que desenvolveram trabalhos nesta época.

Outras importantes correntes filosóficas europeias incluem:

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]